SlideShare uma empresa Scribd logo

Cartilha saúde trabalhador

1 de 20
Baixar para ler offline
Saúde do
trabalhador




           Secretaria de Estado de
           Saúde de Minas Gerais     2011
SECRETARIA DE ESTADo DE SAúDE DE MINAS GERAIS

Governador do Estado de Minas Gerais     Superintendência de Vigilância
Antonio Augusto Junho Anastasia          Epidemiológica, Ambiental e Saúde do
                                         Trabalhador
Vice-Governador do Estado de
                                         Francisco Leopoldo Lemos
Minas Gerais
Alberto Pinto Coelho                     Diretoria de Saúde do Trabalhador
                                         Elice Eliane Nobre Ribeiro
Secretário de Estado de Saúde de
Minas Gerais
Antônio Jorge de Souza Marques           Autores
Secretário Adjunto em Saúde              Andréa Maria Silveira
Wagner Eduardo Ferreira                  Elice Eliane Nobre Ribeiro
Chefe de Gabinete                        Érika Guerrieri Barbosa
Marta Sousa Lima                         Marcela de Lacerda Alexandrino
                                         Nayara Dornela Quintino
Subsecretaria de Vigilância e Proteção
à Saúde
Carlos Alberto Pereira Gomes             Agradecimentos
                                         Aos técnicos da Diretoria de Saúde do
Subsecretário de Políticas e Ações       Trabalhador Ana Piterman, Lilian, Maria
em Saúde                                 José e Sandra, que contribuíram na
Maurício Rodrigues Botelho               elaboração desta cartilha.
Subsecretário de Inovação e Logística
em Saúde
Jorge Luiz Vieira                        Secretaria de Estado de Saúde de
                                         Minas Gerais
Subsecretária de Regulação               strabalhador@saude.mg.gov.br
Maria Letícia Duarte Campos
Subsecretário de Gestão Regional         É permitida a reprodução parcial,
Gilberto José Rezende dos Santos         desde que citada a fonte.
Assessora de Comunicação Social
Gisele Maria Bicalho Resende
O que é Trabalhador?
Para o Sistema Único de Saúde, Trabalhador é toda pessoa que exerce uma atividade
para sustento próprio ou de sua família, independentemente de ter carteira assinada
ou não. São considerados trabalhadores os que recebem salário, trabalham por conta
própria, são servidores públicos, cooperativados, estagiários, aprendizes, os involunta-
riamente fora do mercado de trabalho, como os desempregados e aposentados, aque-
les que trabalham ajudando outro membro da família, mesmo sem receber salário, e os
pequenos empregadores. Todas essas pessoas podem apresentar problemas de saúde
provocados pelo trabalho que exercem ou exerceram.




                                                                                       3
O que são Acidentes de Trabalho e
Doenças Relacionadas ao Trabalho?
Os Acidentes de Trabalho são aqueles que ocorrem durante o período no qual o traba-
lhador está exercendo a atividade que lhe garante sustento. Os acidentes de trabalho
podem ser classificados em:
    • Acidentes Típicos: Trata-se do acidente
      que ocorre no decorrer da atividade de
      trabalho e que pode provocar uma lesão
      física ou uma perturbação funcional.
    • Acidente de Trajeto: Trata-se do acidente
      que ocorre quando o trabalhador está se
      deslocando da casa para o trabalho, ou
      do trabalho para casa, não importando o
      meio de locomoção utilizado (a pé, ôni-
      bus, carro próprio, bicicleta, etc.), e que
      provoca uma lesão física.
                                           Doença Relacionada ao Trabalho – São as
                                           doenças que podem ser provocadas, agra-
                                           vadas ou precipitadas pelas condições
                                           em que o trabalho é executado. Entre as
                                           doenças relacionadas ao trabalho estão
                                           aquelas que são típicas de determinadas
                                           profissões e só são adquiridas no trabalho,
                                           aquelas que podem ser agravadas pelo
                                           trabalho ou ocorrem mais frequentemen-
                                           te em determinados tipos de trabalho (ex:
varizes de membros inferiores) e aqueles que estão em estado latente e são precipita-
das pelo trabalho, como determinadas alergias e certos transtornos mentais.



4
O que são Doenças Relacionadas ao
Trabalho de Notificação Compulsória?
São doenças que devem ser obrigatoriamente notificadas ao SUS (Sistema Único de
Saúde). São elas:
   • Acidente de Trabalho Fatal;
   • Acidentes de Trabalho com Mutilações;
   • Acidente com Exposição a Material Biológico;
   • Acidente de Trabalho com Crianças e Adolescentes;
   • Dermatoses Ocupacionais;
   • Intoxicações Exógenas (por substâncias químicas, incluindo agrotóxicos, gases tóxicos
     e metais pesados);
   • Lesões por Esforços Repetitivos (LER), Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao
     Trabalho (DORT);
   • Pneumoconioses;
   • Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR);
   • Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho;
   • Câncer Relacionado ao Trabalho.


   O dever de notificar os Acidentes de Trabalho é do serviço de saúde.
   Mas como você, cidadão, pode colaborar?
   Você pode ajudar informando ao serviço de atendimento e incenti-
   vando companheiros de trabalho a procurarem atendimento de saúde
   quando sofrerem acidente de trabalho ou quando forem acometidos
   no exercício de suas atividades, sejam elas formais ou informais. Com a
   sua participação, você estará contribuindo para melhorar as informa-
   ções de saúde, possibilitando a promoção da saúde dos trabalhadores.

                                                                                         5
Como devo agir diante de um Acidente de
Trabalho ou Doença Relacionada ao Trabalho?
Qualquer trabalhador que for vítima de um acidente de trabalho típico ou de trajeto deve
ser encaminhado para um serviço de urgência e emergência, caso o acidente assim exija,
ou para o serviço médico de sua empresa, caso essa possua um serviço próprio. Os traba-
lhadores empregados (exceto os domésticos) devem ter o acidente notificado à Previdên-
cia Social (INSS) pelo empregador, por meio da Comunicação de Acidentes de Trabalho
(CAT), e ao SUS, caso se trate de um acidente grave, fatal ou atinja trabalhador com idade
inferior a 18 anos.
Como posso identificar os riscos de Acidente ou Doença no
meu ambiente de trabalho?
O mundo do trabalho é muito diversificado e cada atividade e
ambiente de trabalho podem apresentar riscos diferentes. De
uma forma simplificada, os riscos no trabalho podem ser clas-
sificados em:
    • Riscos físicos: São representados por ruídos, vibrações, radia-
      ções, frio, calor, pressões anormais e umidade.
    • Riscos químicos: Estão presentes no trabalho sob a forma
      de diferentes produtos químicos. Esses produtos entram
      em contato com os trabalhadores sob a forma de poeiras,
      fumo, névoas, neblina, gases, vapores e no formato de
      líquidos.
    • Riscos biológicos: Podem ser encontrados nos ambientes
      sob a forma de vírus, bactérias, protozoários, fungos,
      parasitas e outras espécies de micro-organismos.




6

Recomendados

Introdução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhadorIntrodução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhadorrafasillva
 
Saúde do trabalhador et sus
Saúde do trabalhador et susSaúde do trabalhador et sus
Saúde do trabalhador et susMARY SOUSA
 
Saúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção BásicaSaúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção BásicaProfessor Robson
 
Aula 3 doenças ocupacionais
Aula 3   doenças ocupacionaisAula 3   doenças ocupacionais
Aula 3 doenças ocupacionaisDaniel Moura
 
Seminário doenças ocupacionais
Seminário  doenças ocupacionaisSeminário  doenças ocupacionais
Seminário doenças ocupacionaisLaíz Coutinho
 
Doença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do TrabalhoDoença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do TrabalhoDay Vasconcellos
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idosomorgausesp
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdenaiellyrodrigues
 
Aula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de TrabalhoAula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de TrabalhoGhiordanno Bruno
 
Saúde do Trabalhador
Saúde do TrabalhadorSaúde do Trabalhador
Saúde do TrabalhadorMilena Silva
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeJesiele Spindler
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaGhiordanno Bruno
 
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Apresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceepsApresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceeps
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceepsJose Maciel Dos Anjos
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCentro Universitário Ages
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurançaRenatbar
 
Acidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantesAcidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantesRicardo Alanís
 
Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora
Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora
Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Franco Danny Manciolli
 
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisDoenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisTiago Malta
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosOberlania Alves
 
Epidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhadorEpidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhadorMario Gandra
 

Mais procurados (20)

Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
Aula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de TrabalhoAula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de Trabalho
 
Riscos ocupacionais estrategias para evita los
Riscos ocupacionais estrategias para evita losRiscos ocupacionais estrategias para evita los
Riscos ocupacionais estrategias para evita los
 
Saúde do Trabalhador
Saúde do TrabalhadorSaúde do Trabalhador
Saúde do Trabalhador
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Apresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceepsApresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceeps
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Acidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantesAcidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantes
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora
Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora
Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora
 
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisDoenças ocupacionais
Doenças ocupacionais
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Epidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhadorEpidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhador
 
SAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEMSAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEM
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 

Semelhante a Cartilha saúde trabalhador

Adoecimento no Trabalho Slides
Adoecimento no Trabalho SlidesAdoecimento no Trabalho Slides
Adoecimento no Trabalho Slidesadrim.silva
 
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptxCOMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptxSandraoliveira116913
 
SLIDE SOBRE A SAUDE DO TRABALHADOR E SUA HISTORIA
SLIDE SOBRE A SAUDE DO TRABALHADOR E SUA HISTORIASLIDE SOBRE A SAUDE DO TRABALHADOR E SUA HISTORIA
SLIDE SOBRE A SAUDE DO TRABALHADOR E SUA HISTORIAEnfaVivianeCampos
 
Apostila de seguranca_do_trabalho
Apostila de seguranca_do_trabalhoApostila de seguranca_do_trabalho
Apostila de seguranca_do_trabalhobrenzink
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoAroldo Gavioli
 
Politicas publicas em_saude_do_trabalhador_e_normas
Politicas publicas em_saude_do_trabalhador_e_normasPoliticas publicas em_saude_do_trabalhador_e_normas
Politicas publicas em_saude_do_trabalhador_e_normaspamcolbano
 
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdfapresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdfEnfaVivianeCampos
 
Livro fundamentos de segurança no trabalho
Livro   fundamentos de segurança no trabalhoLivro   fundamentos de segurança no trabalho
Livro fundamentos de segurança no trabalhoRenato Campos
 
SAÚDE DO TRABALHADOR.pptx
SAÚDE DO TRABALHADOR.pptxSAÚDE DO TRABALHADOR.pptx
SAÚDE DO TRABALHADOR.pptxLucasDaher2
 
PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Aula 1.pptx
PROMOÇÃO DA SAÚDE  E SEGURANÇA NO TRABALHO Aula 1.pptxPROMOÇÃO DA SAÚDE  E SEGURANÇA NO TRABALHO Aula 1.pptx
PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Aula 1.pptxsergiopatucci
 
Sadeesegurananotrabalho sociologia2012-2-121219110759-phpapp01
Sadeesegurananotrabalho sociologia2012-2-121219110759-phpapp01Sadeesegurananotrabalho sociologia2012-2-121219110759-phpapp01
Sadeesegurananotrabalho sociologia2012-2-121219110759-phpapp01Julio Torres Neves Barbosa
 
Doencasacidentesdetrabalho lerdort
Doencasacidentesdetrabalho lerdortDoencasacidentesdetrabalho lerdort
Doencasacidentesdetrabalho lerdortSolange Montosa
 
Saúde e segurança no trabalho sociologia 2012.2
Saúde e segurança no trabalho   sociologia 2012.2Saúde e segurança no trabalho   sociologia 2012.2
Saúde e segurança no trabalho sociologia 2012.2flavio_avlis
 
Aula 1_ Saude Mental do Trab.pptx
Aula 1_ Saude Mental do Trab.pptxAula 1_ Saude Mental do Trab.pptx
Aula 1_ Saude Mental do Trab.pptxMonicaMartins86
 
Depressýýo no ambiente de trabalho
Depressýýo no  ambiente de trabalhoDepressýýo no  ambiente de trabalho
Depressýýo no ambiente de trabalhoHamilton Junior
 
Protocolo dermatoses
Protocolo dermatosesProtocolo dermatoses
Protocolo dermatosesCosmo Palasio
 

Semelhante a Cartilha saúde trabalhador (20)

Adoecimento no Trabalho Slides
Adoecimento no Trabalho SlidesAdoecimento no Trabalho Slides
Adoecimento no Trabalho Slides
 
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptxCOMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
 
SLIDE SOBRE A SAUDE DO TRABALHADOR E SUA HISTORIA
SLIDE SOBRE A SAUDE DO TRABALHADOR E SUA HISTORIASLIDE SOBRE A SAUDE DO TRABALHADOR E SUA HISTORIA
SLIDE SOBRE A SAUDE DO TRABALHADOR E SUA HISTORIA
 
Apostila de seguranca_do_trabalho
Apostila de seguranca_do_trabalhoApostila de seguranca_do_trabalho
Apostila de seguranca_do_trabalho
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalho
 
Politicas publicas em_saude_do_trabalhador_e_normas
Politicas publicas em_saude_do_trabalhador_e_normasPoliticas publicas em_saude_do_trabalhador_e_normas
Politicas publicas em_saude_do_trabalhador_e_normas
 
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdfapresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
 
Higiene no Trabalho
Higiene no TrabalhoHigiene no Trabalho
Higiene no Trabalho
 
parte_1_inesul.ppt
parte_1_inesul.pptparte_1_inesul.ppt
parte_1_inesul.ppt
 
Livro fundamentos de segurança no trabalho
Livro   fundamentos de segurança no trabalhoLivro   fundamentos de segurança no trabalho
Livro fundamentos de segurança no trabalho
 
SAÚDE DO TRABALHADOR.pptx
SAÚDE DO TRABALHADOR.pptxSAÚDE DO TRABALHADOR.pptx
SAÚDE DO TRABALHADOR.pptx
 
PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Aula 1.pptx
PROMOÇÃO DA SAÚDE  E SEGURANÇA NO TRABALHO Aula 1.pptxPROMOÇÃO DA SAÚDE  E SEGURANÇA NO TRABALHO Aula 1.pptx
PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Aula 1.pptx
 
Sadeesegurananotrabalho sociologia2012-2-121219110759-phpapp01
Sadeesegurananotrabalho sociologia2012-2-121219110759-phpapp01Sadeesegurananotrabalho sociologia2012-2-121219110759-phpapp01
Sadeesegurananotrabalho sociologia2012-2-121219110759-phpapp01
 
Doencasacidentesdetrabalho lerdort
Doencasacidentesdetrabalho lerdortDoencasacidentesdetrabalho lerdort
Doencasacidentesdetrabalho lerdort
 
Posturas nos cuidados corporais
Posturas nos cuidados corporaisPosturas nos cuidados corporais
Posturas nos cuidados corporais
 
Saúde e segurança no trabalho sociologia 2012.2
Saúde e segurança no trabalho   sociologia 2012.2Saúde e segurança no trabalho   sociologia 2012.2
Saúde e segurança no trabalho sociologia 2012.2
 
Aula 1_ Saude Mental do Trab.pptx
Aula 1_ Saude Mental do Trab.pptxAula 1_ Saude Mental do Trab.pptx
Aula 1_ Saude Mental do Trab.pptx
 
Depressýýo no ambiente de trabalho
Depressýýo no  ambiente de trabalhoDepressýýo no  ambiente de trabalho
Depressýýo no ambiente de trabalho
 
Protocolo dermatoses
Protocolo dermatosesProtocolo dermatoses
Protocolo dermatoses
 
Informação para Gestão
Informação para Gestão Informação para Gestão
Informação para Gestão
 

Mais de Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)

Mais de Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) (20)

Coletiva de imprensa sobre Intoxicação por Dietilenoglicol
Coletiva de imprensa sobre Intoxicação por DietilenoglicolColetiva de imprensa sobre Intoxicação por Dietilenoglicol
Coletiva de imprensa sobre Intoxicação por Dietilenoglicol
 
[Apresentação] Coletiva da SES-MG sobre Malária
[Apresentação] Coletiva da SES-MG sobre Malária[Apresentação] Coletiva da SES-MG sobre Malária
[Apresentação] Coletiva da SES-MG sobre Malária
 
SES-MG realiza coletiva sobre Multivacinação e Sarampo
SES-MG realiza coletiva sobre Multivacinação e SarampoSES-MG realiza coletiva sobre Multivacinação e Sarampo
SES-MG realiza coletiva sobre Multivacinação e Sarampo
 
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
 
Atenção Primária à Saúde e Direito à Saúde
Atenção Primária à Saúde e Direito à SaúdeAtenção Primária à Saúde e Direito à Saúde
Atenção Primária à Saúde e Direito à Saúde
 
O Programa Saúde em Casa e a Diretoria de Estrutura de Atenção Primária à Saúde
O Programa Saúde em Casa e a Diretoria de Estrutura de Atenção Primária à SaúdeO Programa Saúde em Casa e a Diretoria de Estrutura de Atenção Primária à Saúde
O Programa Saúde em Casa e a Diretoria de Estrutura de Atenção Primária à Saúde
 
Equidade em Saúde: Êxitos e Desafios para o Brasil
Equidade em Saúde: Êxitos e Desafios para o Brasil Equidade em Saúde: Êxitos e Desafios para o Brasil
Equidade em Saúde: Êxitos e Desafios para o Brasil
 
Tendências de Reformas de Atenção Primária à Saúde em Países Europeus
Tendências de Reformas de Atenção Primária à Saúde em Países EuropeusTendências de Reformas de Atenção Primária à Saúde em Países Europeus
Tendências de Reformas de Atenção Primária à Saúde em Países Europeus
 
Financiamento dos Primeiros Cuidados com a Saúde: o abismo entre o discurso e...
Financiamento dos Primeiros Cuidados com a Saúde: o abismo entre o discurso e...Financiamento dos Primeiros Cuidados com a Saúde: o abismo entre o discurso e...
Financiamento dos Primeiros Cuidados com a Saúde: o abismo entre o discurso e...
 
Equidade na Saúde: a Estrutura de Saúde da Família em Minas Gerais
Equidade na Saúde: a Estrutura de Saúde da Família em Minas GeraisEquidade na Saúde: a Estrutura de Saúde da Família em Minas Gerais
Equidade na Saúde: a Estrutura de Saúde da Família em Minas Gerais
 
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera MunicipalAtenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
 
Congresso aps ii
Congresso aps iiCongresso aps ii
Congresso aps ii
 
O Cuidado à Saúde na Atenção Primária
O Cuidado à Saúde na Atenção PrimáriaO Cuidado à Saúde na Atenção Primária
O Cuidado à Saúde na Atenção Primária
 
Congresso de Fortalecimento da Atenção Primária no Estado de Minas Gerais
Congresso de Fortalecimento da Atenção Primária no Estado de Minas GeraisCongresso de Fortalecimento da Atenção Primária no Estado de Minas Gerais
Congresso de Fortalecimento da Atenção Primária no Estado de Minas Gerais
 
Saúde Mais Perto de Você
Saúde Mais Perto de Você Saúde Mais Perto de Você
Saúde Mais Perto de Você
 
A Política de Atenção Primária à Saúde em Minas Gerais
A Política de Atenção Primária à Saúde em Minas GeraisA Política de Atenção Primária à Saúde em Minas Gerais
A Política de Atenção Primária à Saúde em Minas Gerais
 
Balanço Saúde - 2013
Balanço Saúde - 2013 Balanço Saúde - 2013
Balanço Saúde - 2013
 
Edital do 1 concurso cara de um focinho do outro
Edital do 1  concurso cara de um focinho do outroEdital do 1  concurso cara de um focinho do outro
Edital do 1 concurso cara de um focinho do outro
 
Edital do 1 concurso cara de um focinho do outro
Edital do 1  concurso cara de um focinho do outroEdital do 1  concurso cara de um focinho do outro
Edital do 1 concurso cara de um focinho do outro
 
Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11
Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11
Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11
 

Cartilha saúde trabalhador

  • 1. Saúde do trabalhador Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais 2011
  • 2. SECRETARIA DE ESTADo DE SAúDE DE MINAS GERAIS Governador do Estado de Minas Gerais Superintendência de Vigilância Antonio Augusto Junho Anastasia Epidemiológica, Ambiental e Saúde do Trabalhador Vice-Governador do Estado de Francisco Leopoldo Lemos Minas Gerais Alberto Pinto Coelho Diretoria de Saúde do Trabalhador Elice Eliane Nobre Ribeiro Secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais Antônio Jorge de Souza Marques Autores Secretário Adjunto em Saúde Andréa Maria Silveira Wagner Eduardo Ferreira Elice Eliane Nobre Ribeiro Chefe de Gabinete Érika Guerrieri Barbosa Marta Sousa Lima Marcela de Lacerda Alexandrino Nayara Dornela Quintino Subsecretaria de Vigilância e Proteção à Saúde Carlos Alberto Pereira Gomes Agradecimentos Aos técnicos da Diretoria de Saúde do Subsecretário de Políticas e Ações Trabalhador Ana Piterman, Lilian, Maria em Saúde José e Sandra, que contribuíram na Maurício Rodrigues Botelho elaboração desta cartilha. Subsecretário de Inovação e Logística em Saúde Jorge Luiz Vieira Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Subsecretária de Regulação strabalhador@saude.mg.gov.br Maria Letícia Duarte Campos Subsecretário de Gestão Regional É permitida a reprodução parcial, Gilberto José Rezende dos Santos desde que citada a fonte. Assessora de Comunicação Social Gisele Maria Bicalho Resende
  • 3. O que é Trabalhador? Para o Sistema Único de Saúde, Trabalhador é toda pessoa que exerce uma atividade para sustento próprio ou de sua família, independentemente de ter carteira assinada ou não. São considerados trabalhadores os que recebem salário, trabalham por conta própria, são servidores públicos, cooperativados, estagiários, aprendizes, os involunta- riamente fora do mercado de trabalho, como os desempregados e aposentados, aque- les que trabalham ajudando outro membro da família, mesmo sem receber salário, e os pequenos empregadores. Todas essas pessoas podem apresentar problemas de saúde provocados pelo trabalho que exercem ou exerceram. 3
  • 4. O que são Acidentes de Trabalho e Doenças Relacionadas ao Trabalho? Os Acidentes de Trabalho são aqueles que ocorrem durante o período no qual o traba- lhador está exercendo a atividade que lhe garante sustento. Os acidentes de trabalho podem ser classificados em: • Acidentes Típicos: Trata-se do acidente que ocorre no decorrer da atividade de trabalho e que pode provocar uma lesão física ou uma perturbação funcional. • Acidente de Trajeto: Trata-se do acidente que ocorre quando o trabalhador está se deslocando da casa para o trabalho, ou do trabalho para casa, não importando o meio de locomoção utilizado (a pé, ôni- bus, carro próprio, bicicleta, etc.), e que provoca uma lesão física. Doença Relacionada ao Trabalho – São as doenças que podem ser provocadas, agra- vadas ou precipitadas pelas condições em que o trabalho é executado. Entre as doenças relacionadas ao trabalho estão aquelas que são típicas de determinadas profissões e só são adquiridas no trabalho, aquelas que podem ser agravadas pelo trabalho ou ocorrem mais frequentemen- te em determinados tipos de trabalho (ex: varizes de membros inferiores) e aqueles que estão em estado latente e são precipita- das pelo trabalho, como determinadas alergias e certos transtornos mentais. 4
  • 5. O que são Doenças Relacionadas ao Trabalho de Notificação Compulsória? São doenças que devem ser obrigatoriamente notificadas ao SUS (Sistema Único de Saúde). São elas: • Acidente de Trabalho Fatal; • Acidentes de Trabalho com Mutilações; • Acidente com Exposição a Material Biológico; • Acidente de Trabalho com Crianças e Adolescentes; • Dermatoses Ocupacionais; • Intoxicações Exógenas (por substâncias químicas, incluindo agrotóxicos, gases tóxicos e metais pesados); • Lesões por Esforços Repetitivos (LER), Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT); • Pneumoconioses; • Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR); • Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho; • Câncer Relacionado ao Trabalho. O dever de notificar os Acidentes de Trabalho é do serviço de saúde. Mas como você, cidadão, pode colaborar? Você pode ajudar informando ao serviço de atendimento e incenti- vando companheiros de trabalho a procurarem atendimento de saúde quando sofrerem acidente de trabalho ou quando forem acometidos no exercício de suas atividades, sejam elas formais ou informais. Com a sua participação, você estará contribuindo para melhorar as informa- ções de saúde, possibilitando a promoção da saúde dos trabalhadores. 5
  • 6. Como devo agir diante de um Acidente de Trabalho ou Doença Relacionada ao Trabalho? Qualquer trabalhador que for vítima de um acidente de trabalho típico ou de trajeto deve ser encaminhado para um serviço de urgência e emergência, caso o acidente assim exija, ou para o serviço médico de sua empresa, caso essa possua um serviço próprio. Os traba- lhadores empregados (exceto os domésticos) devem ter o acidente notificado à Previdên- cia Social (INSS) pelo empregador, por meio da Comunicação de Acidentes de Trabalho (CAT), e ao SUS, caso se trate de um acidente grave, fatal ou atinja trabalhador com idade inferior a 18 anos. Como posso identificar os riscos de Acidente ou Doença no meu ambiente de trabalho? O mundo do trabalho é muito diversificado e cada atividade e ambiente de trabalho podem apresentar riscos diferentes. De uma forma simplificada, os riscos no trabalho podem ser clas- sificados em: • Riscos físicos: São representados por ruídos, vibrações, radia- ções, frio, calor, pressões anormais e umidade. • Riscos químicos: Estão presentes no trabalho sob a forma de diferentes produtos químicos. Esses produtos entram em contato com os trabalhadores sob a forma de poeiras, fumo, névoas, neblina, gases, vapores e no formato de líquidos. • Riscos biológicos: Podem ser encontrados nos ambientes sob a forma de vírus, bactérias, protozoários, fungos, parasitas e outras espécies de micro-organismos. 6
  • 7. • Riscos ergonômicos: Comumente, estão ligados à organização do trabalho e po- dem ser exemplificados pela exigência de esforço físico intenso, levantamento e transporte manual de peso, mobiliário inadequado, adoção de posturas descon- fortáveis, controle rígido de tempo para execução das tarefas, exigências elevadas de produtividade, jornadas de trabalho prolongadas, trabalho noturno e em rodízio de turnos e outras situações causadoras de estresse. • Riscos de acidentes: São diversificados e podem estar presentes em situa- ções de arranjo físico inadequado, pisos pouco resistentes ou irregulares, máquinas e equipamentos sem proteção, ferramentas impróprias ou defeituosas, iluminação excessiva ou insuficiente, instalações elétricas defeituosas e outras situações de risco que poderão contribuir para a ocorrência de acidentes. CEREST - Centro de Referência em Saúde do Trabalhador O que é CEREST? O Centro de Referência em Saúde do Trabalhador é uma unidade do Sistema Único de Saúde (SUS) especializada na atenção a problemas de saúde relacionados ao trabalho e que tem como principal objetivo a prevenção de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. Em Minas Gerais existem 16 CERESTs regionais e um CEREST Estadual. 7
  • 8. Distribuição dos CEREST no estado de Minas Gerais
  • 9. CEREST Endereço Contato Estadual Cidade Administrativa de Minas Gerais (31) 3916-0443 - Rua Ludgero Dolabela, 801/901. Gutierrez Belo Horizonte (31) 3277-7800 - Avenida Afonso Pena, 2336. Funcionários Andradas Avenida Dr. Bias Fortes, 418, Centro (35) 3731-4362 Araxá Rua Calimério Guimarães, 463, Centro (34) 3662-4390 Barbacena Rua Antonino Senna Figueiredo, 827, Santa Tereza (32) 3339-2188 Barreiro Rua Pinheiro Chagas, 125, Barreiro (31) 3277-5800 Betim Avenida Solimões, 444, Brasileia (31) 3594-4938 Contagem Avenida Pedro Olímpio da Fonseca, 545, Santa Cruz (31) 3351-6130 Governador Valadares Rua Afonso Pena, 1836, Esplanada (33) 3275-4908 Juiz de Fora Rua Christóvam Molinari, 65, Morro da Glória (32) 3690-7466 Ipatinga Avenida José Júlio da Costa, 2080, Ideal (31) 3829-8581 Montes Claros Rua Mário Veloso, 497, Jardim São Luiz (38) 9914-0787 Passos Rua Lavras, 418, Muarama (35) 3522-9266 Poços de Caldas Rua Araguaia, 259, Jardim dos Estados (35) 3697-2064 Sete Lagoas Rua Paulo Frontim, 254, Centro (31) 3774-9923 Ubá Rua Peixoto Filho, 112, salas 207 e 208 (32) 3532-6636 Rua Governador Valadares, 1150, 1º/ andar, Vila Uberaba (34) 3321-8634 Olímpica Rua Antônio Fortunato Silva, 928, Uberlândia (34) 3236-5266 Santa Mônica Qual a diferença entre o CEREST Estadual e os Regionais? O CEREST Estadual está localizado na Diretoria de Saúde do Trabalhador da Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). Ele desempenha função de suporte téc- nico, de educação permanente, de coordenação de projetos de assistência, promoção e vigilância à saúde dos trabalhadores em Minas Gerais. 9
  • 10. Já os CERESTs Regionais funcionam em diferentes municípios do Estado e atuam como referência para as ações de saúde do trabalhador na região onde se localizam. Os CERESTs implementam várias ações, dentre as quais podemos destacar: • Educação em Saúde • Vigilância em ambientes de trabalho • Articulação de toda rede SUS para assistência à Saúde dos Trabalhadores • Articulação com a sociedade e instituições públicas de ações na área de Saúde do Trabalhador • Qualificação e formação da Atenção Básica em Saúde do Trabalhador • Estudos e pesquisas na área de Saúde do Trabalhador e em ambientes de trabalho • Identificação de problemas de Saúde do Trabalhador e proposição de medidas de intervenção • Acolhimento, atendimento e encaminhamento necessários aos trabalhadores. Quem pode ser atendido no CEREST? Todos os trabalhadores, com e sem carteira assinada, assalariados, domésticos, autô- nomos, cooperados, temporários, servidores públicos, empregados, desempregados, estagiários, aprendizes e trabalhadores aposentados e involuntariamente afastados do trabalho, como os desempregados. Como posso ser atendido no CEREST? O atendimento no CEREST é feito quando os trabalhadores vêm ENCAMINHADOS de Centros de Saúde, Unidade Básica de Saúde do Programa de Saúde da Família (PSF), de hospitais, Unidades de Pronto Atendimento, do Ministério do Trabalho, do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), de sindicatos, e outros, por suspeita de doença rela- cionada ao trabalho ou quando ele apresenta problemas decorrentes de um acidente ou agravo relacionado ao trabalho, ou seja, quando o trabalhador é encaminhado por outro serviço ou profissional de saúde. 10
  • 11. ATENÇÃO! O CEREST é um serviço especializado em Saúde do Trabalhador. Todos os serviços de saúde do SUS, como unidades básicas de saúde, centros de especialidades, poli- clínicas, unidades de pronto atendimento, hospitais, desenvolvem ações de atenção à saúde do trabalhador, ou seja, o usuário já é atendido nesses serviços, podendo ser ou não um trabalhador. Então a função do CEREST é dar suporte técnico para esses serviços quando necessário. O CEREST NÃO É PORTA DE ENTRADA. ACidENTE dE TRAbAlhO GRAvE O que é Acidente de Trabalho com Mutilação/Grave? É aquele que acarreta mutilação física ou funcional e o que leva à lesão cuja natureza implique com- prometimento extremamente sério, preocu- pante, que pode ter consequências nefastas ou fatais. O que é considerado como Acidente de Trabalho Fatal? Acidente de Trabalho Fatal é aquele que leva à morte imediatamente após a sua ocorrência ou que leva à morte posteriormente, a qualquer momento, desde que a sua causa seja decorrente do acidente. 11
  • 12. O que é um Acidente de Trabalho com Crianças e Adolescentes? Acidente de Trabalho com Crianças e Adolescentes é aquele que acomete trabalhadores com menos de 18 anos de idade, na data da sua ocorrência. Não são todos os Acidentes de Trabalho que são notificados pelo SUS. Os acidentes de notificação pelo SUS são: Acidentes de Trabalho Fatais, Acidentes de Trabalho com Mutilação e Aci- dentes de Trabalho com Crianças e Adolescentes. TOdOS ESSES SÃO REGiSTRAdOS NA FiChA dE iNvESTiGAÇÃO dE ACidENTE dE TRAbAlhO GRAvE. Caso o serviço de saúde onde você trabalha não possua esta ficha, solicite à Vigilância Epidemioló- gica do seu município. Em que circunstâncias considero um Acidente de Trabalho Grave ou Mu- tilante para fins de notificação no SUS? Para fins de notificação, considera-se a necessidade da existência de pelo menos um dos seguintes critérios objetivos, para a definição dos casos de acidente de trabalho grave: 1) necessidade de tratamento em regi- 5) debilidade permanente de membro, me de internação hospitalar; sentido ou função; 2) incapacidade para as ocupações habi- 6) perda ou inutilização do membro, tuais, por mais de 30 dias; sentido ou função; 3) incapacidade permanente para o tra- 7) deformidade permanente; balho; 8) aceleração de parto; 4) enfermidade incurável; 9) aborto; 12
  • 13. 10) fraturas, amputações de tecido ósseo, ressuscitação ou hospitalização por luxações ou queimaduras graves; mais de 24 horas; 11) desmaio (perda de consciência) pro- 13) doenças agudas que requeiram vocado por asfixia, choque elétrico tratamento médico em que exista ou outra causa externa; razão para acreditar que resultem 12) qualquer outra lesão que leve à hipo- de exposição ao agente biológico, termia, doença induzida pelo calor às suas toxinas ou ao material in- ou inconsciência; ou que requeira fectado. O que fazer diante de um Acidente de Trabalho? Qualquer trabalhador que se en- volver num Acidente de Trabalho deve: 1º - Procurar atendimento médi- co imediato 2º - Solicitar o preenchimento da ficha de Notificação Compulsória ao SINAN. Caso a vítima trabalhe com carteira assinada (exceto o trabalhador doméstico), deve ainda solicitar ao empregador a emissão da CAT e ao médico que o assistiu o preenchi- mento do laudo médico da CAT. O que é CAT? A Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) constitui um formulário da Previdência Social (INSS) que deve ser obrigatoriamente preenchido pelo empregador sempre que seus trabalhadores forem vítimas de quaisquer acidentes de trabalho ou doença rela- cionada ao trabalho. A CAT informa ao INSS a ocorrência do acidente e garante ao tra- balhador e a seus familiares benefícios da previdência social quando ele fica afastado do trabalho mais que 15 dias. Se a empresa não emitir a CAT, isso poderá ser feito pelo próprio trabalhador, por seus dependentes, entidade sindical, médico ou autoridade 13
  • 14. pública. É importante saber que a segunda parte do documento é de preenchimento exclusivo do médico que realizou o atendimento. A CAT deve ser emitida em seis vias e deve ser encaminhada para: 1ª via – o INSS; 2ª via – a empresa; 3ª via – o segurado ou dependente; 4ª via – o sindicato de classe do trabalhador; 5ª via – o Sistema Único de Saúde (SUS); 6ª via – a Delegacia Regional do Trabalho. Para não confundir, lembre-se: • O acidente levou à morte? • Ocorreu com menores de 18 anos que estavam trabalhando? • Encontra-se em uns dos critérios para Acidente de Trabalho Grave descritos no protocolo? SE A RESPOSTA A QUALQUER UMA DESSAS PERGUNTAS FOR “SIM”, ENTÃO REGISTRE O CASO NA FICHA DE INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTE DE TRABALHO GRAVE. Para maiores informações leia o protocolo do Ministério da Saúde sobre “Notificação de Acidentes de Trabalho Fatais, Graves e com Crianças e Adolescentes”. Acesse também o site da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (www.saude. mg.gov.br). dERmATOSE OCupACiONAl O que é Dermatose Ocupacional? É toda alteração das mucosas (membrana que reveste o interior da boca, do nariz, dos olhos, etc.), da pele e de seus anexos (cabelos e unhas) que seja direta ou indiretamen- te causada, condicionada, mantida ou agravada por agentes presentes na atividade ou no ambiente de trabalho. 14
  • 15. Quais são as causas das Dermatoses Ocupacionais? As dermatoses provocadas pelo trabalho podem ter várias causas. As mais comuns são os agentes químicos presentes no ambiente de trabalho em produtos como: cimento, solventes, óleos, detergentes, substâncias ácidas ou básicas, sabões, luvas de borracha, etc. Outros agentes também presentes nos ambientes de trabalho, como calor, frio, radiações, bactérias, vírus, fungos e insetos, também podem provocar dermatoses. Como as Dermatoses Ocupacionais se manifestam? Os sintomas das dermatoses variam, mas, de uma forma geral, aquelas que atingem a pele e são provocadas pelos agentes químicos se manifestam por vermelhidão, prurido (coceira), queimação, inchação, pequenas bolhas e ressecamento da pele. Quais são os trabalhadores mais expostos ao risco de Dermatite de Contato? Os trabalhadores mais expostos ao risco são aqueles da construção civil, os trabalhadores de conservação e limpeza, os trabalhadores da saúde e os que entram em contato com produtos químicos. O que o trabalhador deve fazer quando suspeitar de Dermatose Ocupacional? O trabalhador deve procurar a unidade de saúde de sua comunidade ou o serviço médico de sua empresa. Como prevenir as Dermatoses Ocupacionais? A primeira coisa que deve ser feita é ten- tar evitar o contato da pele com agentes 15
  • 16. que, sabidamente, podem provocar dermatose. No caso de produtos químicos, o ideal é substituir a utilização dos produtos que irritam ou causam alergia na pele e mucosas por outros menos lesivos. Quando isso for impossível, deve-se utilizar Equipamentos de Proteção Individual (EPI), especialmente óculos de proteção, máscaras e luvas adequa- das a cada tipo de exposição, calçados e uniformes que protejam o trabalhador. pAiR O que é PAIR? A Perda Auditiva Induzida por Ruídos (PAIR) é provocada pela exposição por tempo prolongado ao ruído. Essa perda é irreversível, geralmente atinge os dois ouvidos e progride, se não ocorrer a in- terrupção da exposição ao ruído. Quais são os principais sinais e sintomas da PAIR? A dificuldade de audição é um dos sintomas mais importantes, contudo, pode ser per- cebido pelo trabalhador apenas quando a perda já está bem avançada. Por esse motivo é importante que todo trabalhador exposto a ruído no seu ambiente de trabalho faça avaliação audiométrica pelo menos uma vez ao ano. A PAIR, além de reduzir a audição, pode provocar zumbidos nos ouvidos e dificulda- des em entender as palavras. A exposição a ruídos intensos no trabalho pode também provocar dificuldades na comunicação, alterações do sono, irritabilidade, alterações na pressão arterial, etc. 16
  • 17. O que devo fazer se suspeitar de PAIR? Se o trabalhador suspeitar que é portador de PAIR deve procurar o serviço médico de sua empresa ou a unidade de saúde de sua comunidade. Como é o tratamento da PAIR? Não existe até o momento tratamento para a PAIR. O mais importante é prevenir. Mas, se o trabalhador for acometido pela doença, é fundamental que busque se proteger de novas exposições ao ruído, caso não possa evitá-las. Quando for empregado, deve cobrar de seu empregador a implementação de medidas preventivas no ambiente de trabalho. Além disso, deve solicitar a emissão da Notificação ao SUS e, caso seja em- pregado (exceto o doméstico), solicitar a emissão da Comunicação de Acidentes do Trabalho (CAT). Essas notificações são importantes para garantir direitos no INSS e para permitir ao Sistema Único de Saúde planejar suas ações de vigilância dos ambientes de trabalho e da saúde dos trabalhadores. Como posso prevenir a PAIR? A prevenção das perdas auditivas relacionadas ao trabalho se faz principalmente pela melhoria dos ambientes de trabalho, com a eliminação ou a redução da emis- são de ruídos, através da utilização de máquinas e ferramentas menos barulhentas, do isolamento ou enclausuramento das operações que causam ruído e outras medidas de engenharia. Durante a im- plementação dessas medidas, ou caso essas não sejam tecnicamente viáveis, o trabalhador deve utilizar protetores auriculares e realizar exames audiomé- tricos periodicamente. ACidENTES COm ANimAiS pEÇONhENTOS Os Acidentes com Animais Peçonhentos são de notificação compulsória para o SUS. 17
  • 18. Muitos desses acidentes acontecem no ambiente de trabalho ou no trajeto para o trabalho. Portanto, é de suma impor- tância que seja informado na Ficha de investigação que o Acidente foi relacio- nado ao trabalho. Então, quando for investigar o caso, ATENÇÃO AOS CAMPOS 35, 36, 37 e 56 da Ficha de Investigação: Por que essas informações são importantes? Considerando que Minas Gerais possui um grande número de trabalhadores em ativi- dades rurais, essas informações contribuirão para a avaliação e a prevenção de riscos e 18
  • 19. adoecimentos na atividade de trabalho. Também subsidiará processos de planejamen- to, gestão e avaliação de políticas e ações de vigilância da saúde do trabalhador e de segurança no trabalho. SAÚDE DO TRABALHADOR: COMPROMISSO DE TODOS! 19