O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Redes de Atenção à Saúde coordenadas pela APS: resposta aos desafios da crise global dos sistemas de saúde Renato Tasca, O...
Cenário global de crise dos  sistemas  de saúde (públicos e privados) <ul><li>Transição demográfica </li></ul><ul><li>Epid...
Fragmentação de Serviços de Saúde Terceir o Nível Segundo  Nível Primeiro Nível Seguridade Social Privado alta complexidad...
Impacto do envelhecimento
Impacto sanitário da epidemia de   DCNT na China Fonte: Toward a Healthy and Harmonious Life in China: Stemming the Rising...
Impacto econômico da redução da mortalidade por DCV na China Fonte: Toward a Healthy and Harmonious Life in China: Stemmin...
Nos Estados Unidos: a epidemia de diabetes <ul><li>Nas próximas 24 horas, 4.100 pessoas diagnosticadas com diabetes, 230 a...
Na Europa:  Riscos fora de controle <ul><li>Grandes mudanças sociais e demográficas </li></ul><ul><li>Fatores de risco em ...
<ul><li>36 milhões de óbitos no mundo em 2008  </li></ul><ul><li>9 milhões antes dos 60 anos  </li></ul><ul><li>Recursos i...
A epidemia de doenças crônicas  (2) <ul><li>Veio para ficar </li></ul><ul><li>Evidencia as falhas de gerenciamento, planej...
Inovações na Europa <ul><li>APS como eixo central da organização da atenção das condições crônicas </li></ul><ul><li>Integ...
FONTE: SCHRAMM et alii (2004) A CARGA DE DOENÇAS EM ANOS DE VIDA PERDIDOS AJUSTADOS POR INCAPACIDADE (AVAI´S), BRASIL, 199...
FONTE: IBGE (2004) A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA 1980 1990 2000 2005 2010 2020 2030 10% da população idosa BRASIL 2005 a 2030 15...
Resultados PNAD 2008 <ul><li>31,3% (59,5 milhões de pessoas) afirmaram ter pelo menos uma doença crônica </li></ul><ul><li...
práticas inovadoras de  atenção as condições crônicas <ul><li>Vários modelos, derivados do chronic care model (CCM) do Mac...
Modelo de Atenção Crônica COMUNIDADE  Recursos da Comunidade SISTEMA DE ATENÇÃO À SAÚDE  Organização da Atenção à Saúde Au...
Pirâmide Kaiser Permanente Nível 1 70 - 80%  de pacientes  com doença  simples Nível 2 Pacientes complexos Nível 3 Pacient...
Condições favoráveis no Brasil <ul><li>Saldo demográfico positivo por mais duas décadas </li></ul><ul><li>Crescimento rápi...
Resultados consolidados do SUS <ul><li>Acumulações em + 20 anos de vida do SUS - descentralização real </li></ul><ul><li>F...
Ameaça: mais fragmentação <ul><li>Respostas baseadas na oferta </li></ul><ul><li>Respostas baseadas em programas verticais...
Oportunidade: mais integração <ul><li>Redes (regionalizadas) de atenção à saúde coordenadas pela APS como estratégia centr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação renato tasca opas

  • Seja o primeiro a comentar

Apresentação renato tasca opas

  1. 1. Redes de Atenção à Saúde coordenadas pela APS: resposta aos desafios da crise global dos sistemas de saúde Renato Tasca, OPS/OMS Brasil Belo Horizonte, 18 de outubro de 2011
  2. 2. Cenário global de crise dos sistemas de saúde (públicos e privados) <ul><li>Transição demográfica </li></ul><ul><li>Epidemia condições crônicas </li></ul><ul><li>Segmentação e fragmentação </li></ul><ul><li>Aumento dos custos </li></ul><ul><li>Incorporação descontrolada de tecnologias - iatrogenia </li></ul><ul><li>Redundâncias, desperdícios e mais fragmentação </li></ul>
  3. 3. Fragmentação de Serviços de Saúde Terceir o Nível Segundo Nível Primeiro Nível Seguridade Social Privado alta complexidade MS Riscos Profissionais Medicina Tradicional Privado baixa complexidade ONG’s Municípios Universidades VIH-SIDA Malária-ETV Materno-Infantil
  4. 4. Impacto do envelhecimento
  5. 5. Impacto sanitário da epidemia de DCNT na China Fonte: Toward a Healthy and Harmonious Life in China: Stemming the Rising Tide of Non-Communicable Diseases. The World Bank, 2011.
  6. 6. Impacto econômico da redução da mortalidade por DCV na China Fonte: Toward a Healthy and Harmonious Life in China: Stemming the Rising Tide of Non-Communicable Diseases. The World Bank, 2011.
  7. 7. Nos Estados Unidos: a epidemia de diabetes <ul><li>Nas próximas 24 horas, 4.100 pessoas diagnosticadas com diabetes, 230 amputações e 55 perdas permanente da visão </li></ul><ul><li>8 milhões de portadores de diabetes com diagnóstico da doença e outros tantos sem diagnóstico (1996); </li></ul><ul><li>35% dos portadores de diabetes desenvolvem nefropatias, </li></ul><ul><li>58% doenças cardiovasculares </li></ul><ul><li>30% a 70% neuropatias </li></ul><ul><li>15% dos portadores de diabetes sofreram algum tipo de amputação </li></ul><ul><li>portador de diabetes custa anualmente 11.157 dólares vs 2.604 dólares para não portadores de diabetes </li></ul><ul><li>(Vinicor F., 2006 e Barr et al., 1996) </li></ul>
  8. 8. Na Europa: Riscos fora de controle <ul><li>Grandes mudanças sociais e demográficas </li></ul><ul><li>Fatores de risco em grande aumento </li></ul><ul><li>Se os atuais níveis de obesidade continuarem crescendo: </li></ul><ul><ul><li>daqui a 20 anos a expectativa de vida vai baixar </li></ul></ul><ul><ul><li>1 de 4 nascidos vai desenvolver diabetes </li></ul></ul><ul><li>80% das consultas de APS e 60% das internações hospitalares por condições crônicas </li></ul><ul><li>55% dos casos crônicos sem cuidados adequados </li></ul><ul><li>Problemas de saúde mental em alarmante aumento </li></ul><ul><ul><li>(Bengoa, 2008) </li></ul></ul>
  9. 9. <ul><li>36 milhões de óbitos no mundo em 2008 </li></ul><ul><li>9 milhões antes dos 60 anos </li></ul><ul><li>Recursos investidos até hoje não correspondem a magnitude do problema </li></ul><ul><li>Obstáculo ao desenvolvimento </li></ul><ul><li>Ameaça a economia </li></ul><ul><li>Aumenta as desigualdades </li></ul><ul><li>Fonte: Declaración Política de la Reunión de Alto Nível de la Asamblea General sobre la provención y el control de las enferemedades no transmisibles. Naciones Unidas, 26/09/2011 </li></ul>A epidemia de doenças crônicas (1)
  10. 10. A epidemia de doenças crônicas (2) <ul><li>Veio para ficar </li></ul><ul><li>Evidencia as falhas de gerenciamento, planejamento, organização e governança </li></ul><ul><li>Atitude reativas - aumento da oferta – não irão dar certo </li></ul><ul><li>Necessita de respostas proativas </li></ul><ul><ul><li>Fortalecimento APS </li></ul></ul><ul><ul><li>Integração em redes de atenção </li></ul></ul><ul><ul><li>Introdução de novos modelos de cuidado </li></ul></ul>
  11. 11. Inovações na Europa <ul><li>APS como eixo central da organização da atenção das condições crônicas </li></ul><ul><li>Integração da estratégia do médico de família (prevalente na Europa) com novos perfis: </li></ul><ul><ul><li>Nurse practitioner e community nurses </li></ul></ul><ul><ul><li>Case managers e liaison nurses </li></ul></ul><ul><ul><li>Family caregivers </li></ul></ul><ul><li>...Afinal, na Europa estão “re-inventando” a Estratégia de Saúde da Família do SUS..... </li></ul>BUSSE, 2010
  12. 12. FONTE: SCHRAMM et alii (2004) A CARGA DE DOENÇAS EM ANOS DE VIDA PERDIDOS AJUSTADOS POR INCAPACIDADE (AVAI´S), BRASIL, 1998 CONDIÇÕES DE SAÚDE AVAI´S POR MIL HABITANTES % INFECCIOSAS, PARASITÁRIAS E DESNUTRIÇÃO 34 14,8 CAUSAS EXTERNAS 19 10,2 CONDIÇÕES MATERNAS E PERINATAIS 21 8,8 DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS 124 66,2 TOTAL 232 100
  13. 13. FONTE: IBGE (2004) A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA 1980 1990 2000 2005 2010 2020 2030 10% da população idosa BRASIL 2005 a 2030 15% da população idosa 20 MILHÕES MAIS DE 40 MILHÕES
  14. 14. Resultados PNAD 2008 <ul><li>31,3% (59,5 milhões de pessoas) afirmaram ter pelo menos uma doença crônica </li></ul><ul><li>5,9% declararam ter três ou mais doenças crônicas </li></ul>
  15. 15. práticas inovadoras de atenção as condições crônicas <ul><li>Vários modelos, derivados do chronic care model (CCM) do MacColl Institute for Healthcare Innovation. </li></ul><ul><li>Classificação de risco </li></ul><ul><li>Protocolos e diretrizes (atenção baseada em evidências) </li></ul><ul><li>Novas funções </li></ul><ul><li>Novos processos </li></ul><ul><li>Maior eficácia clinica </li></ul><ul><li>Melhor qualidade técnica </li></ul><ul><li>Mais segurança para o usuário e o trabalhador </li></ul><ul><li>Uso mais eficiente dos recursos, com mais equidade </li></ul>
  16. 16. Modelo de Atenção Crônica COMUNIDADE Recursos da Comunidade SISTEMA DE ATENÇÃO À SAÚDE Organização da Atenção à Saúde Auto-cuidado apoiado Desenho do sistema de prestação de serviços Suporte às decisões Sistema de informação clínica Pessoas usuárias ativas e informadas Equipe de saúde proativa e preparada Resultados Clínicos e Funcionais Interações produtivas Fonte: Wagner (1998)
  17. 17. Pirâmide Kaiser Permanente Nível 1 70 - 80% de pacientes com doença simples Nível 2 Pacientes complexos Nível 3 Pacientes alta mente complexos Fontes: Singh, 2005; Porter e Kellogg (2008). Gestão de Caso Gestão d a Condição de Saúde Autocuidado Apoiado
  18. 18. Condições favoráveis no Brasil <ul><li>Saldo demográfico positivo por mais duas décadas </li></ul><ul><li>Crescimento rápido do país e da sociedade brasileira </li></ul><ul><li>Avanços significativos na redução da pobreza </li></ul><ul><li>Cobertura significativa da ESF e da AB em geral </li></ul>
  19. 19. Resultados consolidados do SUS <ul><li>Acumulações em + 20 anos de vida do SUS - descentralização real </li></ul><ul><li>Fortalecimento da APS (destaque para Estratégia da Saúde da Família) </li></ul><ul><li>Tendência para o alcance da maioria dos ODM </li></ul>
  20. 20. Ameaça: mais fragmentação <ul><li>Respostas baseadas na oferta </li></ul><ul><li>Respostas baseadas em programas verticais </li></ul><ul><li>Respostas assistenciais centralizada em especialistas (cardiologista, nefrologista, ...) </li></ul><ul><li>Não transformar em um “tema da APS” ou a bandeira de um grupo específico </li></ul>
  21. 21. Oportunidade: mais integração <ul><li>Redes (regionalizadas) de atenção à saúde coordenadas pela APS como estratégia central </li></ul><ul><li>Fortalecimento do “poder regulatório da APS” – sua capacidade de ativar a rede </li></ul><ul><li>Promoção de mudanças culturais (auto-ajuda) na sociedade e nos atores estratégicos </li></ul><ul><li>Investimentos significativos na prevenção e promoção </li></ul><ul><li>Ação intersetorial sobre os determinantes </li></ul>

×