SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
O cuidado à saúde na
Atenção Primária
O cuidado à saúde na Atenção
Primária

 Ementa: Abordar quais são os
maiores desafios no que se refere a
atuação da atenção primária.
ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
• Conjunto de intervenções de saúde no âmbito
individual e coletivo que envolve: promoção,
prevenção,
diagnóstico,
tratamento
e
reabilitação.
• É desenvolvida por meio do exercício de práticas
gerenciais e sanitárias, democráticas e participativas,
sob forma de trabalho em equipe, dirigidas às
populações de territórios (território-processo) bem
delimitados,
das
quais
equipes
assumem
responsabilidade.
• Utiliza tecnologias de elevada complexidade e baixa
densidade, que devem resolver os problemas de saúde
de maior freqüência e relevância das populações.
Acessibilidade e
primeiro contato

Coordenação do
cuidado

Integralidade da
atenção

APS QUE DEFENDEMOS

Orientação
comunitária

Longitudinalidade
do cuidado

Centralização na
família
AVANÇOS NA APS NO BRASIL E NO MUNDO
Centralidade da APS na organização dos sistemas de saúde;
Melhoria dos indicadores de saúde;
Melhoria dos indicadores de qualidade de vida.
Organização

Responsabilização

Resolução

DEFESA ÉTICO-POLÍTICO-SOCIAL
TRANSFORMAÇÃO DO MODELO ASSISTENCIAL

Lógica mais cuidativa
Sujeito centrado
DESAFIOS
1) Macroestruturais
2) Organização da atenção
3) Micropolítica: produção do cuidado
4) Ideológico: novo sentido para a APS –
representação e o valor atribuído pela sociedade.
Desafios macroestruturais
•

Incremento dos recursos financeiros:
¬ Aumento da eficiência alocativa do SUS;
¬ Vinculação de recursos adicionais

•

Incremento quantitativo das equipes na APS:
¬ A consolidação e fixação de profissionais em determinadas
regiões;
¬ A expansão para regiões integradas economicamente: grandes
e médias cidades;
¬ A expansão para populações economicamente integradas:
setores de classe média.
• Composição das equipes
• Formação de profissionais (em quantidade e qualidade)
• Estabelecimento de novas relações de trabalho
Desafios da organização da atenção

Mudança no modelo assistencial
 Rompimento da lógica hospitalocêntrica e privatista;
 Instituir de fato a APS como “porta de entrada” do Sistema;
 Integralidade (assistência integral, contínua e organizada);
Território e população adscrita;
 Foco na Família;
 Longitudinalidade do Cuidado.
 “Adensamento tecnológico”
 A APS como centro de comunicação das RAS.
Desafios da organização da atenção
Mudança no modelo assistencial
 Prática individual, dominado pela ótica curativa e
acentuada divisão entre teoria e prática, entre psíquico e
orgânico, entre indivíduo e sociedade.

 Busca-se a superação com um CONCEITO AMPLIADO
DE SAÚDE.
Desafios da organização da atenção
“ O primeiro contato”

Sócio-organizacional
Geográfico
Desafios da organização da atenção
Longitudinalidade

 Relação de longa duração
entre profissionais de
saúde e usuários em suas
Unidades Básicas de
Saúde, independente do
problema de saúde ou
até mesmo da existência
de algum problema.
Desafios da organização da atenção
Integralidade
 Reconhecer as necessidades de saúde da população e ter os
recursos para abordá-las.

 Assim a APS deve prestar, diretamente, todos os serviços
para as necessidades comuns e agir como um agente para a

prestação de serviços para as necessidades que devem ser
atendidas em outros pontos de atenção.
Desafios da organização da atenção
Coordenação
 Disponibilidade de informação a respeito dos problemas de
saúde e dos serviços prestados;

 Faltam

prontuários

clínicos

eletrônicos

e

sistemas

informatizados que possam contribuir para a coordenação da
atenção,

quando

possibilitam

o

compartilhamento

de

informações referentes ao atendimento dos usuários nos
diversos pontos de atenção, entre os profissionais da APS e
especialistas.
Desafios da organização da atenção
Centralização na Família
Requer mudança na
prática das equipes de
saúde, através da
abordagem familiar,
intervenções
personalizadas ao
longo do tempo, a
partir da compreensão
da estrutura familiar.
Desafios da organização da atenção
A orientação comunitária
 Utilização das ciências
sociais;
 A discussão de controle
e participação social
 Democracia
representativa e
participativa
 Exercício de Cidadania
Desafios micropolíticos
Mudança na prática e na concepção por meio da
produção do CUIDADO centrado nos sujeitos e na
defesa da vida:
1. Acolhimento
2. Vínculo (afetivo e solidário) com respeito aos modos de
vida dos sujeitos - usuário-família
3. Responsabilização de cada membro da equipe
4. Incentivo a participação e proatividade da comunidade
5. Constrói e negocia planos terapêuticos e estratégias de
autocuidado
6. Cuidado longitudinal
PRECISAMOS SUPERAR...
Automação

Tirania/autoritarismo
Excessiva segmentação dos sujeitos
Centralidade nos meios e não nos sujeitos
“Iatrogenia” na assistência

PRECISAMOS CONSTRUIR...
Práticas inovadoras, críticas e reflexivas
APS COMO ESPAÇO PRIVILEGIADO PARA
MUDANÇA NO PROCESSO DE TRABALHO...
Desafios micropolíticos -

TRABALHO EM SAÚDE
Prática social histórica e culturalmente
construída.

Articula as práticas dos profissionais de
saúde no mundo do trabalho e das
pessoas em seus diferentes modos de
levar a vida.
Desafios micropolíticos -

TRABALHO EM SAÚDE
Prática social realizada por diferentes
profissionais
(sujeitos-agentes)
de
diferentes culturas e formação com
capacidade de:

Auto-governo

Liberdade
Responsabilidade
RESPONSABILIZAÇÃO/
RESPONSABILIDADE
Atributo de legitimidade; responsabilizar-se pela
durabilidade dos processos por meio de um agir
consciente e consistente.
“implicar-se pela vida e pela morte do outro, dentro
de uma dada possibilidade de intervenção, nem
burocratizada, nem impessoal”
(Merhy, 1994, p. 138)
Desafios micropolíticos -

TRABALHO EM SAÚDE

 PRÁTICAS MULTIPROFISSIONAIS E COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES DE
MANEIRA NÃO-UNIFORME.
Novas Relações em Equipe
Evitar a verticalidade de uma coordenação, isto é,
evitar que uma especialidade se torne uma espécie de
juiz no processo de tomada de decisão;

Gerar novos dispositivos que são conhecimentos que
resultam de uma discussão compartilhada acerca do
problema que exige solução;
É preciso que decisões sejam tomadas sem que
nenhum saber prevaleça sobre outro;

Diálogo e cooperação entre diferentes áreas do
conhecimento.
Desafios micropolíticos TRABALHO EM SAÚDE
Autonomia – Modos de viver
 Liberdade para criar seu próprio futuro com base
nas escolhas concretas de cada individuo.
 Capacidade do sujeito de lidar com sua rede de
dependências, considerando-a como componente
de um viver em sociedade no qual há
constantemente criação e reinvenção das formas
de socialidade e dos estilos de existência.
Desafios micropolíticos
Compromisso ético-político-social da defesa do
cuidado (no seu sentido ampliado) sendo a
Atenção Primária à Saúde um ponto de uma rede
que atravessa o modo de viver das pessoas.

USUÁR
IO
Desafio ideológico: novo sentido para o cuidado na APS

Momento atual: crise na assistência à
saúde
Desenvolvimento tecnológico

Insatisfação das pessoas em relação a
atenção
 O que querem as pessoas ao procurarem um serviço de
saúde?
 Atendimento as suas necessidades de saúde
 Atendimento as suas demandas e desejos
Desafio ideológico: novo sentido para o cuidado na APS

O cuidado pode ser usado como um conceito que pode
reconstruir as práticas de saúde, atuando como uma

categoria com “potencialidade reconciliadora entre as
práticas assistenciais e a vida, ou seja, a possibilidade de
um diálogo aberto e produtivo entre a tecnologia e a
ciência e a construção livre e solidária de uma vida que se
quer feliz” (Ayres, 2004).
Desafio ideológico: novo sentido para o cuidado na APS
Atenção centrada na produção
de procedimentos

Atenção centrada na produção
de cuidados

 Fragmentação

 Integralidade: individuo e
sistema

 Técnica/ciência
 Produtividade por
profissional

 Técnica/ciência/arte
 Sujeito como eixo: atende
necessidades/singularidades

 Atende à demanda e não à
necessidade

 Gera autonomia no modo de
levar a vida

 Gera dependência

 Multidisciplinar

 Atenção feita em momentos

 Atenção segue linha de
temporalidade
Desafio ideológico: novo sentido para o cuidado na APS

Dimensão da gestão do
cuidado

Atores ou protagonistas

Principais elementos: a
lógica da dimensão

Individual

Cada um de nós

Cuidar de si
Autonomia
Escolhas

Familiar

Família
Ciclo de amigos
Vizinhos
Profissionais da saúde
O médico
A equipe de saúde
O gerente
Os gestores

Apoio
Proximidade
Mundo da vida
O preparo técnico
Ética e vínculo
Divisão técnica do trabalho
coordenação
Linhas ou rede de cuidado
Financiamento
Políticas Sociais

Profissional
Organizacional
Sistêmica
Societária

O Estado
A Sociedade Civil
CUIDADO

Ação criadora, transformadora

Vínculo

Estar próximo

Ouvir

Alteridade Criatividade

RELAÇÕES DE
SUBJETIVIDADE
CAMINHOS

1)

Superar a fragmentação do cuidado, construir uma
outra racionalidade científica moderna

2)

Organizar sistemas menos hierarquizados e
burocráticos – mecanismos formais de referência e
contra-referência

3)

Instituir a autoridade administrativa da APS- valor
central da APS na “regulação” da oferta de ações

4)

Formação de NOVOS profissionais- competências e
habilidades para a APS

5)

Concepção de redes de cuidados - cuidado como modo
de viver
kenialara17@gmail.com
nupepeenfufmg@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
Ruth Milhomem
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Reforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidaçãoReforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidação
Luanapqt
 

Mais procurados (20)

Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
 
Politicas e programas de saude
Politicas e programas de saudePoliticas e programas de saude
Politicas e programas de saude
 
Reforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidaçãoReforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidação
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério SaúdeApresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
 

Semelhante a O Cuidado à Saúde na Atenção Primária

Aula 2 Promoção da Saúde
Aula 2 Promoção da SaúdeAula 2 Promoção da Saúde
Aula 2 Promoção da Saúde
gerontopedia
 
Aula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da SaúdeAula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da Saúde
gerontopedia
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
Francisco Fialho
 

Semelhante a O Cuidado à Saúde na Atenção Primária (20)

Aula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saudeAula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saude
 
HUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptxHUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptx
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliada
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
 
Aula 2 Promoção da Saúde
Aula 2 Promoção da SaúdeAula 2 Promoção da Saúde
Aula 2 Promoção da Saúde
 
Aps
ApsAps
Aps
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
Aula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da SaúdeAula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da Saúde
 
Slides turma3
Slides turma3Slides turma3
Slides turma3
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
aula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdfaula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdf
 
SlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.pptSlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.ppt
 
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptPSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
 
Dilema
DilemaDilema
Dilema
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
 
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 

Mais de Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)

Mais de Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) (20)

Coletiva de imprensa sobre Intoxicação por Dietilenoglicol
Coletiva de imprensa sobre Intoxicação por DietilenoglicolColetiva de imprensa sobre Intoxicação por Dietilenoglicol
Coletiva de imprensa sobre Intoxicação por Dietilenoglicol
 
[Apresentação] Coletiva da SES-MG sobre Malária
[Apresentação] Coletiva da SES-MG sobre Malária[Apresentação] Coletiva da SES-MG sobre Malária
[Apresentação] Coletiva da SES-MG sobre Malária
 
SES-MG realiza coletiva sobre Multivacinação e Sarampo
SES-MG realiza coletiva sobre Multivacinação e SarampoSES-MG realiza coletiva sobre Multivacinação e Sarampo
SES-MG realiza coletiva sobre Multivacinação e Sarampo
 
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
 
Atenção Primária à Saúde e Direito à Saúde
Atenção Primária à Saúde e Direito à SaúdeAtenção Primária à Saúde e Direito à Saúde
Atenção Primária à Saúde e Direito à Saúde
 
O Programa Saúde em Casa e a Diretoria de Estrutura de Atenção Primária à Saúde
O Programa Saúde em Casa e a Diretoria de Estrutura de Atenção Primária à SaúdeO Programa Saúde em Casa e a Diretoria de Estrutura de Atenção Primária à Saúde
O Programa Saúde em Casa e a Diretoria de Estrutura de Atenção Primária à Saúde
 
Equidade em Saúde: Êxitos e Desafios para o Brasil
Equidade em Saúde: Êxitos e Desafios para o Brasil Equidade em Saúde: Êxitos e Desafios para o Brasil
Equidade em Saúde: Êxitos e Desafios para o Brasil
 
Tendências de Reformas de Atenção Primária à Saúde em Países Europeus
Tendências de Reformas de Atenção Primária à Saúde em Países EuropeusTendências de Reformas de Atenção Primária à Saúde em Países Europeus
Tendências de Reformas de Atenção Primária à Saúde em Países Europeus
 
Financiamento dos Primeiros Cuidados com a Saúde: o abismo entre o discurso e...
Financiamento dos Primeiros Cuidados com a Saúde: o abismo entre o discurso e...Financiamento dos Primeiros Cuidados com a Saúde: o abismo entre o discurso e...
Financiamento dos Primeiros Cuidados com a Saúde: o abismo entre o discurso e...
 
Equidade na Saúde: a Estrutura de Saúde da Família em Minas Gerais
Equidade na Saúde: a Estrutura de Saúde da Família em Minas GeraisEquidade na Saúde: a Estrutura de Saúde da Família em Minas Gerais
Equidade na Saúde: a Estrutura de Saúde da Família em Minas Gerais
 
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera MunicipalAtenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
 
Congresso aps ii
Congresso aps iiCongresso aps ii
Congresso aps ii
 
Congresso de Fortalecimento da Atenção Primária no Estado de Minas Gerais
Congresso de Fortalecimento da Atenção Primária no Estado de Minas GeraisCongresso de Fortalecimento da Atenção Primária no Estado de Minas Gerais
Congresso de Fortalecimento da Atenção Primária no Estado de Minas Gerais
 
Saúde Mais Perto de Você
Saúde Mais Perto de Você Saúde Mais Perto de Você
Saúde Mais Perto de Você
 
A Política de Atenção Primária à Saúde em Minas Gerais
A Política de Atenção Primária à Saúde em Minas GeraisA Política de Atenção Primária à Saúde em Minas Gerais
A Política de Atenção Primária à Saúde em Minas Gerais
 
Balanço Saúde - 2013
Balanço Saúde - 2013 Balanço Saúde - 2013
Balanço Saúde - 2013
 
Edital do 1 concurso cara de um focinho do outro
Edital do 1  concurso cara de um focinho do outroEdital do 1  concurso cara de um focinho do outro
Edital do 1 concurso cara de um focinho do outro
 
Edital do 1 concurso cara de um focinho do outro
Edital do 1  concurso cara de um focinho do outroEdital do 1  concurso cara de um focinho do outro
Edital do 1 concurso cara de um focinho do outro
 
Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11
Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11
Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11
 
Inspeção sanitária módulo III - Maio 2013
Inspeção sanitária módulo III - Maio 2013Inspeção sanitária módulo III - Maio 2013
Inspeção sanitária módulo III - Maio 2013
 

O Cuidado à Saúde na Atenção Primária

  • 1. O cuidado à saúde na Atenção Primária
  • 2. O cuidado à saúde na Atenção Primária  Ementa: Abordar quais são os maiores desafios no que se refere a atuação da atenção primária.
  • 3. ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE • Conjunto de intervenções de saúde no âmbito individual e coletivo que envolve: promoção, prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação. • É desenvolvida por meio do exercício de práticas gerenciais e sanitárias, democráticas e participativas, sob forma de trabalho em equipe, dirigidas às populações de territórios (território-processo) bem delimitados, das quais equipes assumem responsabilidade. • Utiliza tecnologias de elevada complexidade e baixa densidade, que devem resolver os problemas de saúde de maior freqüência e relevância das populações.
  • 4. Acessibilidade e primeiro contato Coordenação do cuidado Integralidade da atenção APS QUE DEFENDEMOS Orientação comunitária Longitudinalidade do cuidado Centralização na família
  • 5. AVANÇOS NA APS NO BRASIL E NO MUNDO Centralidade da APS na organização dos sistemas de saúde; Melhoria dos indicadores de saúde; Melhoria dos indicadores de qualidade de vida. Organização Responsabilização Resolução DEFESA ÉTICO-POLÍTICO-SOCIAL TRANSFORMAÇÃO DO MODELO ASSISTENCIAL Lógica mais cuidativa Sujeito centrado
  • 6.
  • 7. DESAFIOS 1) Macroestruturais 2) Organização da atenção 3) Micropolítica: produção do cuidado 4) Ideológico: novo sentido para a APS – representação e o valor atribuído pela sociedade.
  • 8. Desafios macroestruturais • Incremento dos recursos financeiros: ¬ Aumento da eficiência alocativa do SUS; ¬ Vinculação de recursos adicionais • Incremento quantitativo das equipes na APS: ¬ A consolidação e fixação de profissionais em determinadas regiões; ¬ A expansão para regiões integradas economicamente: grandes e médias cidades; ¬ A expansão para populações economicamente integradas: setores de classe média. • Composição das equipes • Formação de profissionais (em quantidade e qualidade) • Estabelecimento de novas relações de trabalho
  • 9.
  • 10. Desafios da organização da atenção Mudança no modelo assistencial  Rompimento da lógica hospitalocêntrica e privatista;  Instituir de fato a APS como “porta de entrada” do Sistema;  Integralidade (assistência integral, contínua e organizada); Território e população adscrita;  Foco na Família;  Longitudinalidade do Cuidado.  “Adensamento tecnológico”  A APS como centro de comunicação das RAS.
  • 11. Desafios da organização da atenção Mudança no modelo assistencial  Prática individual, dominado pela ótica curativa e acentuada divisão entre teoria e prática, entre psíquico e orgânico, entre indivíduo e sociedade.  Busca-se a superação com um CONCEITO AMPLIADO DE SAÚDE.
  • 12. Desafios da organização da atenção “ O primeiro contato” Sócio-organizacional Geográfico
  • 13. Desafios da organização da atenção Longitudinalidade  Relação de longa duração entre profissionais de saúde e usuários em suas Unidades Básicas de Saúde, independente do problema de saúde ou até mesmo da existência de algum problema.
  • 14. Desafios da organização da atenção Integralidade  Reconhecer as necessidades de saúde da população e ter os recursos para abordá-las.  Assim a APS deve prestar, diretamente, todos os serviços para as necessidades comuns e agir como um agente para a prestação de serviços para as necessidades que devem ser atendidas em outros pontos de atenção.
  • 15. Desafios da organização da atenção Coordenação  Disponibilidade de informação a respeito dos problemas de saúde e dos serviços prestados;  Faltam prontuários clínicos eletrônicos e sistemas informatizados que possam contribuir para a coordenação da atenção, quando possibilitam o compartilhamento de informações referentes ao atendimento dos usuários nos diversos pontos de atenção, entre os profissionais da APS e especialistas.
  • 16. Desafios da organização da atenção Centralização na Família Requer mudança na prática das equipes de saúde, através da abordagem familiar, intervenções personalizadas ao longo do tempo, a partir da compreensão da estrutura familiar.
  • 17. Desafios da organização da atenção A orientação comunitária  Utilização das ciências sociais;  A discussão de controle e participação social  Democracia representativa e participativa  Exercício de Cidadania
  • 18.
  • 19. Desafios micropolíticos Mudança na prática e na concepção por meio da produção do CUIDADO centrado nos sujeitos e na defesa da vida: 1. Acolhimento 2. Vínculo (afetivo e solidário) com respeito aos modos de vida dos sujeitos - usuário-família 3. Responsabilização de cada membro da equipe 4. Incentivo a participação e proatividade da comunidade 5. Constrói e negocia planos terapêuticos e estratégias de autocuidado 6. Cuidado longitudinal
  • 20. PRECISAMOS SUPERAR... Automação Tirania/autoritarismo Excessiva segmentação dos sujeitos Centralidade nos meios e não nos sujeitos “Iatrogenia” na assistência PRECISAMOS CONSTRUIR... Práticas inovadoras, críticas e reflexivas APS COMO ESPAÇO PRIVILEGIADO PARA MUDANÇA NO PROCESSO DE TRABALHO...
  • 21. Desafios micropolíticos - TRABALHO EM SAÚDE Prática social histórica e culturalmente construída. Articula as práticas dos profissionais de saúde no mundo do trabalho e das pessoas em seus diferentes modos de levar a vida.
  • 22. Desafios micropolíticos - TRABALHO EM SAÚDE Prática social realizada por diferentes profissionais (sujeitos-agentes) de diferentes culturas e formação com capacidade de: Auto-governo Liberdade Responsabilidade
  • 23. RESPONSABILIZAÇÃO/ RESPONSABILIDADE Atributo de legitimidade; responsabilizar-se pela durabilidade dos processos por meio de um agir consciente e consistente. “implicar-se pela vida e pela morte do outro, dentro de uma dada possibilidade de intervenção, nem burocratizada, nem impessoal” (Merhy, 1994, p. 138)
  • 24. Desafios micropolíticos - TRABALHO EM SAÚDE  PRÁTICAS MULTIPROFISSIONAIS E COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES DE MANEIRA NÃO-UNIFORME.
  • 25. Novas Relações em Equipe Evitar a verticalidade de uma coordenação, isto é, evitar que uma especialidade se torne uma espécie de juiz no processo de tomada de decisão; Gerar novos dispositivos que são conhecimentos que resultam de uma discussão compartilhada acerca do problema que exige solução; É preciso que decisões sejam tomadas sem que nenhum saber prevaleça sobre outro; Diálogo e cooperação entre diferentes áreas do conhecimento.
  • 26. Desafios micropolíticos TRABALHO EM SAÚDE Autonomia – Modos de viver  Liberdade para criar seu próprio futuro com base nas escolhas concretas de cada individuo.  Capacidade do sujeito de lidar com sua rede de dependências, considerando-a como componente de um viver em sociedade no qual há constantemente criação e reinvenção das formas de socialidade e dos estilos de existência.
  • 27. Desafios micropolíticos Compromisso ético-político-social da defesa do cuidado (no seu sentido ampliado) sendo a Atenção Primária à Saúde um ponto de uma rede que atravessa o modo de viver das pessoas. USUÁR IO
  • 28.
  • 29. Desafio ideológico: novo sentido para o cuidado na APS Momento atual: crise na assistência à saúde Desenvolvimento tecnológico Insatisfação das pessoas em relação a atenção  O que querem as pessoas ao procurarem um serviço de saúde?  Atendimento as suas necessidades de saúde  Atendimento as suas demandas e desejos
  • 30. Desafio ideológico: novo sentido para o cuidado na APS O cuidado pode ser usado como um conceito que pode reconstruir as práticas de saúde, atuando como uma categoria com “potencialidade reconciliadora entre as práticas assistenciais e a vida, ou seja, a possibilidade de um diálogo aberto e produtivo entre a tecnologia e a ciência e a construção livre e solidária de uma vida que se quer feliz” (Ayres, 2004).
  • 31. Desafio ideológico: novo sentido para o cuidado na APS Atenção centrada na produção de procedimentos Atenção centrada na produção de cuidados  Fragmentação  Integralidade: individuo e sistema  Técnica/ciência  Produtividade por profissional  Técnica/ciência/arte  Sujeito como eixo: atende necessidades/singularidades  Atende à demanda e não à necessidade  Gera autonomia no modo de levar a vida  Gera dependência  Multidisciplinar  Atenção feita em momentos  Atenção segue linha de temporalidade
  • 32. Desafio ideológico: novo sentido para o cuidado na APS Dimensão da gestão do cuidado Atores ou protagonistas Principais elementos: a lógica da dimensão Individual Cada um de nós Cuidar de si Autonomia Escolhas Familiar Família Ciclo de amigos Vizinhos Profissionais da saúde O médico A equipe de saúde O gerente Os gestores Apoio Proximidade Mundo da vida O preparo técnico Ética e vínculo Divisão técnica do trabalho coordenação Linhas ou rede de cuidado Financiamento Políticas Sociais Profissional Organizacional Sistêmica Societária O Estado A Sociedade Civil
  • 33. CUIDADO Ação criadora, transformadora Vínculo Estar próximo Ouvir Alteridade Criatividade RELAÇÕES DE SUBJETIVIDADE
  • 34. CAMINHOS 1) Superar a fragmentação do cuidado, construir uma outra racionalidade científica moderna 2) Organizar sistemas menos hierarquizados e burocráticos – mecanismos formais de referência e contra-referência 3) Instituir a autoridade administrativa da APS- valor central da APS na “regulação” da oferta de ações 4) Formação de NOVOS profissionais- competências e habilidades para a APS 5) Concepção de redes de cuidados - cuidado como modo de viver