SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA
INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS
CURSO DE PEDAGOGIA
Fernanda Chaves
Marilene Rodrigues
Mirley Silva
Sabrine Costa
Sandra Jacob
Professora: Maria José
INTERTEXTUALIDADE
ALAVARCE, CS. A ironia e suas refrações: um estudo sobre a dissonância na paródia e no riso [online]. São Paulo: Editora UNESP; São
Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.
OLIVEIRA, Luciana Izídio, et al. Intertextualidade. Disponível em < http://www.uenp.edu.br/trabalhos/cj/anais/soLetras2009/Luciana%20
Is%C3%ADdio%20de%20Oliveira.pdf >. Acesso em 9 de maio de 2016.
BELO HORIZONTE : 12 DE MAIO DE 2016
PARÓDIA
“Paródia é a recriação de um texto, geralmente célebre, conhecido, uma reescritura de caráter
contestador, irônico, zombeteiro, crítico, satírico, humorístico, jocoso. A paródia constrói, assim, um
percurso de desvio em relação ao texto parodiado, numa espécie de insubordinação crítica, cômica”
(ALAVARCE, 2009).Utilizamos, como exemplo, o quadro Monalisa de Leonardo Da Vinci parodiado
pela Bombril.
Esta propaganda apropriou-se da popularidade de uma das obras mais famosas do mundo.
Para compreender a frase: “Mon Bijou deixa sua roupa uma perfeita obra prima”, o consumidor neces-
sita de um conhecimento prévio da obra Monalisa, de Leonardo Da Vinci, considerada uma obra prima
por reunir algumas das principais contribuições do pintor à arte ocidental. As inovações trazidas por
sua pintura influenciaram a técnica de diversos artistas. Esta propaganda, embora cômica, foi útil para
promover a venda do produto “Mon Bijou” e reforçar a marca junto ao consumidor. De forma diverti-
da, também designa a eficiência do produto ao remetê-lo a um quadro conhecido mundialmente como
uma obra prima. Comercialmente, podemos deduzir que, utilizando-se de uma propaganda criativa em
torno deste produto e da marca Bombril, foi ressaltada sua excelência, com o objetivo de conferir sta-
tus de qualidade imensurável àquele amaciante, induzindo o consumidor à compra do produto. Assim,
esta propaganda de caráter cômico tem objetivo publicitário.
OUTRO TIPO DE INTERTEXTUALIDADE : ALUSÃO
Alusão é “referência vaga, de maneira indireta, a um autor ou obra” (OLIVEIRA, et al., 2009).
A imagem retrata a votação do impeachment contra a presidente Dilma Roussef pela Câmara
dos Deputados ocorrido no dia 17 de abril de 2016. Na imagem a frase: “A tua piscina está cheia de
ratos” faz alusão à música de Cazuza: “O Tempo Não Para”.
(...)
“A tua piscina tá cheia de ratos
Tuas idéias não correspondem aos fatos
O tempo não pára”
(...)
A “piscina” nos remete à instituição pública Câmara dos Deputados, que integra o Poder Le-
gislativo cumprindo papel imprescindível perante a sociedade brasileira, visto que desempenha três
funções primordiais para a consolidação da democracia: representar o povo, legislar sobre os assuntos
de interesse nacional e fiscalizar a aplicação dos recursos públicos. “Cheia de ratos” coloca em evidên-
cia as imperfeições moral e ética presentes nesta instituição, que deveriam ser intensamente combati-
das pelo Código de Ética e Decoro Parlamentar. Portanto, a corrupção política é comparada aos ratos
que proliferam, em todas as partes, inclusive na “piscina” dos políticos corruptos, aqui representada
pela Câmara dos Deputados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
guestd9a4ef3c
 
Projeto Carta do Leitor
Projeto Carta do LeitorProjeto Carta do Leitor
Projeto Carta do Leitor
Ana Luiza Lima
 

Mais procurados (20)

Plano de curso de arte E.M BNCC 2019
Plano de curso de arte E.M BNCC 2019Plano de curso de arte E.M BNCC 2019
Plano de curso de arte E.M BNCC 2019
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
 
Apresentacao literatura africana
Apresentacao literatura africanaApresentacao literatura africana
Apresentacao literatura africana
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
 
Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
A poesia parnasiana.
A poesia parnasiana.A poesia parnasiana.
A poesia parnasiana.
 
Guia de aprendizagem arte
Guia de aprendizagem   arteGuia de aprendizagem   arte
Guia de aprendizagem arte
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
 
Autobiografia-
Autobiografia-Autobiografia-
Autobiografia-
 
Lista de Exercícios Primeira Geração Modernista
Lista de Exercícios Primeira Geração ModernistaLista de Exercícios Primeira Geração Modernista
Lista de Exercícios Primeira Geração Modernista
 
Projeto Carta do Leitor
Projeto Carta do LeitorProjeto Carta do Leitor
Projeto Carta do Leitor
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 
Introdução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literaturaIntrodução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literatura
 
Literatura africana
Literatura africanaLiteratura africana
Literatura africana
 

Semelhante a PARODIA E ALUSAO (6)

Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina AbibCom quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
 
Apresentação final poesia
Apresentação final poesiaApresentação final poesia
Apresentação final poesia
 
Temporalidades em Manoel de Barros
Temporalidades em Manoel de BarrosTemporalidades em Manoel de Barros
Temporalidades em Manoel de Barros
 
Temporalidades em Manoel de Barros
Temporalidades em Manoel de BarrosTemporalidades em Manoel de Barros
Temporalidades em Manoel de Barros
 
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDOA REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
 
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDOA REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO
 

Mais de Sandra Lourenco (6)

CARTILHA : ALFABETIZAÇÃO
CARTILHA : ALFABETIZAÇÃOCARTILHA : ALFABETIZAÇÃO
CARTILHA : ALFABETIZAÇÃO
 
O LÚDICO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA
O LÚDICO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇAO LÚDICO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA
O LÚDICO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA
 
SLIDE:O LÚDICO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA
SLIDE:O LÚDICO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇASLIDE:O LÚDICO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA
SLIDE:O LÚDICO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA
 
BNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENSBNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENS
 
TENDENCIA PROGRESSISTA LIBERTADORA
TENDENCIA PROGRESSISTA LIBERTADORATENDENCIA PROGRESSISTA LIBERTADORA
TENDENCIA PROGRESSISTA LIBERTADORA
 
NASCEM OS ESTUDOS SOBRE O CURRÍCULO
NASCEM OS ESTUDOS SOBRE O CURRÍCULONASCEM OS ESTUDOS SOBRE O CURRÍCULO
NASCEM OS ESTUDOS SOBRE O CURRÍCULO
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 

PARODIA E ALUSAO

  • 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Fernanda Chaves Marilene Rodrigues Mirley Silva Sabrine Costa Sandra Jacob Professora: Maria José INTERTEXTUALIDADE ALAVARCE, CS. A ironia e suas refrações: um estudo sobre a dissonância na paródia e no riso [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. OLIVEIRA, Luciana Izídio, et al. Intertextualidade. Disponível em < http://www.uenp.edu.br/trabalhos/cj/anais/soLetras2009/Luciana%20 Is%C3%ADdio%20de%20Oliveira.pdf >. Acesso em 9 de maio de 2016. BELO HORIZONTE : 12 DE MAIO DE 2016
  • 2. PARÓDIA “Paródia é a recriação de um texto, geralmente célebre, conhecido, uma reescritura de caráter contestador, irônico, zombeteiro, crítico, satírico, humorístico, jocoso. A paródia constrói, assim, um percurso de desvio em relação ao texto parodiado, numa espécie de insubordinação crítica, cômica” (ALAVARCE, 2009).Utilizamos, como exemplo, o quadro Monalisa de Leonardo Da Vinci parodiado pela Bombril. Esta propaganda apropriou-se da popularidade de uma das obras mais famosas do mundo. Para compreender a frase: “Mon Bijou deixa sua roupa uma perfeita obra prima”, o consumidor neces- sita de um conhecimento prévio da obra Monalisa, de Leonardo Da Vinci, considerada uma obra prima por reunir algumas das principais contribuições do pintor à arte ocidental. As inovações trazidas por sua pintura influenciaram a técnica de diversos artistas. Esta propaganda, embora cômica, foi útil para promover a venda do produto “Mon Bijou” e reforçar a marca junto ao consumidor. De forma diverti- da, também designa a eficiência do produto ao remetê-lo a um quadro conhecido mundialmente como uma obra prima. Comercialmente, podemos deduzir que, utilizando-se de uma propaganda criativa em torno deste produto e da marca Bombril, foi ressaltada sua excelência, com o objetivo de conferir sta- tus de qualidade imensurável àquele amaciante, induzindo o consumidor à compra do produto. Assim, esta propaganda de caráter cômico tem objetivo publicitário.
  • 3. OUTRO TIPO DE INTERTEXTUALIDADE : ALUSÃO Alusão é “referência vaga, de maneira indireta, a um autor ou obra” (OLIVEIRA, et al., 2009). A imagem retrata a votação do impeachment contra a presidente Dilma Roussef pela Câmara dos Deputados ocorrido no dia 17 de abril de 2016. Na imagem a frase: “A tua piscina está cheia de ratos” faz alusão à música de Cazuza: “O Tempo Não Para”. (...) “A tua piscina tá cheia de ratos Tuas idéias não correspondem aos fatos O tempo não pára” (...) A “piscina” nos remete à instituição pública Câmara dos Deputados, que integra o Poder Le- gislativo cumprindo papel imprescindível perante a sociedade brasileira, visto que desempenha três funções primordiais para a consolidação da democracia: representar o povo, legislar sobre os assuntos de interesse nacional e fiscalizar a aplicação dos recursos públicos. “Cheia de ratos” coloca em evidên- cia as imperfeições moral e ética presentes nesta instituição, que deveriam ser intensamente combati- das pelo Código de Ética e Decoro Parlamentar. Portanto, a corrupção política é comparada aos ratos que proliferam, em todas as partes, inclusive na “piscina” dos políticos corruptos, aqui representada pela Câmara dos Deputados.