Comunicação e a Igreja

2.025 visualizações

Publicada em

Material disponibilizado no II Encontro Nacional de Pastoral da Comunicação realizado em Aparecida – SP, em Julho de 2010 – CNBB

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.025
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
151
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Comunicação e a Igreja

  1. 1. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><ul><li>Três conceitos de McLuhan: </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Tribalização </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Destribalização </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Retribalização </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  2. 2. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><ul><li>O tempo da imagem: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Visual </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Mental </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>A epifania da aparência </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Maffesoli </li></ul></ul></ul></ul>
  3. 3. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><ul><li>Todos os domínios da vida social, mesmo os reputados sérios, são “contaminados” pelo jogo das formas. Isso é demonstrado na produção das idéias, na vida religiosa, até mesmo na política. Em cada um desses casos, o ‘produto’ em questão só é aceito quando é posto em forma, quando sabe aparecer, quando nos empenhamos em embelezá-lo, em pô-lo em imagem, em suma, quando nos dedicamos a epifanizar sua aparência. (Maffesoli)‏ </li></ul></ul>
  4. 4. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><ul><li>- Tempo das tribos (Maffesoli, 1995)‏ </li></ul></ul><ul><ul><li>- Tempo das histórias (Paulo Freire)‏ </li></ul></ul><ul><ul><li>- porque a história é uma imagem (Bergson) </li></ul></ul><ul><ul><li>- Incremento das novas comunidades </li></ul></ul><ul><ul><li>(Boaventura Santos, Raquel Paiva) </li></ul></ul>
  5. 5. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>Novos modelos de comunidade definida, especialmente, por novas identidades, não só ligadas à etnia, religião e território. </li></ul><ul><li>As novas comunidades se formam a partir de interesses comuns, definidos pelo universo cultural. </li></ul><ul><li>OBS: o mercado se apropria disso, criando sua própria subjetividade </li></ul>
  6. 6. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>A TV é a grande agenciadora das novas comunidades. </li></ul><ul><li>Ela dá sentido ao estar juntos </li></ul><ul><li>E o estar juntos funda a nossa existência </li></ul><ul><li>“ Quem é esse outro que no mais profundo do meu eu é a mim mesmo que ele aciona?” (Lacan)‏ </li></ul>
  7. 7. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><ul><li>Para o indivíduo, a necessidade de pertencimento à comunidade significa também o seu enraizamento no quotidiano do outro, bem como o reconhecimento de sua própria existência. Ou seja, compartilhar o espaço, existir com o outro funda a essência do ser. (Paiva, 1998)‏ </li></ul></ul>
  8. 8. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><ul><li>Duas realidades: física e simbólica </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Muniz Sodré: real-histórico e real-virtual </li></ul></ul></ul>
  9. 9. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>● A TV propõe uma nova organização social. A produção de um espaço/tempo social absolutamente novo. O espaço implica o conceito de um modo de constitução das coisas enquanto podem ser vistas, palpadas, apreendidas. (Sodré) </li></ul>
  10. 10. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>O replanteamento das coordenadas </li></ul><ul><li>históricas do tempo e espaço. (...) a </li></ul><ul><li>técnica televisiva é realmente mágica </li></ul><ul><li>por multiplicar infinitamente o poder </li></ul><ul><li>de ubiquidade do espectador, agora </li></ul><ul><li>confrontado a uma (tele)realidad </li></ul><ul><li>simultânea, instantânea e global </li></ul><ul><li>(SODRÉ). </li></ul>
  11. 11. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>O elemento vivo das pessoas, seu motor, </li></ul><ul><li>aquilo que as faz ter vontade de viver, </li></ul><ul><li>não está no real, no cotidiano nem no </li></ul><ul><li>mundo do trabalho e sim no imaginário. </li></ul><ul><li>A televisão é a forma eletrônica mais </li></ul><ul><li>desenvolvida de dinamizar esse </li></ul><ul><li>imaginário. Ela é também a maior </li></ul><ul><li>produtora de imagens. (Marcondes Filho)‏ </li></ul>
  12. 12. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>● A maior disputa que devemos travar hoje no campo da televisão é a disputa pelo imaginário. </li></ul><ul><li>● É uma disputa que está no universo simbólico </li></ul>
  13. 13. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>● A TV pauta a vida social </li></ul><ul><ul><li>- o jornal pauta fatos, acontecimentos </li></ul></ul><ul><ul><li>- a novela, séries, programas pautam temas, problemas... </li></ul></ul><ul><li>● Reconta a história da sociedade </li></ul><ul><li>● Uma concepção de sociedade </li></ul>
  14. 14. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>A televisão no Brasil tem uma lógica </li></ul><ul><li>- A lógica do mercado </li></ul><ul><li>- A lógica do poder </li></ul><ul><li>- E a lógica da cidadania, da solidariedade que levam a uma transformação da sociedade? </li></ul>
  15. 15. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>A televisão não faz jornalismo e sim capta a </li></ul><ul><li>atenção do público para mais tarde vendê-lo </li></ul><ul><li>aos anunciantes. E esse negócio impõe uma </li></ul><ul><li>ética muito estranha à velha ética </li></ul><ul><li>jornalística. Eventualmente, o telejornal pode </li></ul><ul><li>até se alimentar da busca da verdade, porém </li></ul><ul><li>não tem aí sua deontologia . Verdade e mentira </li></ul><ul><li>deixam de ser uma questão central (BUCCI; </li></ul><ul><li>KEHL, 2004: 130)‏ </li></ul>
  16. 16. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>● Um problema de ordem de formação humanística do profissional: </li></ul><ul><ul><li>- caso da reportagem de uma TV público-estatal sobre Economia Solidária </li></ul></ul>
  17. 17. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>● A TV é o lugar da empatia, por isso mesmo da emoção </li></ul><ul><li>● A TV conta história o tempo todo </li></ul><ul><li>● Se não contar história não é TV: “a boa reportagem é uma história bem contada” </li></ul>
  18. 18. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>● São as histórias que mudam a sociedade </li></ul><ul><li>● As “histórias-imagens” criam comunidades de pertencimento </li></ul>
  19. 19. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>● A TV tem provocado mudanças lentas mas profundas na sociedade: minorias </li></ul><ul><li>● Exclusão x desigualdades (Boaventura Santos)‏ </li></ul><ul><li>● A TV é avançada nas questões culturais (exclusão); e convervadora nas questões da socioeconômicas (desigualdade). </li></ul>
  20. 20. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>Desenraizado - Carente de pertença </li></ul><ul><li>Carente de sua individualidade – baixa estima </li></ul><ul><li>Afeito ao “novo” e às explicações simplificadas de tudo </li></ul><ul><li>Avesso à obrigação - participa por paixão </li></ul><ul><li>Não quer ser massa - mas, indivíduo </li></ul>
  21. 21. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>A ética destes tempos democráticos é mais ‘indolor’, alérgica aos deveres, às obrigações e aos sacrifícios; uma ética que só se coloca em marcha pela espontânea vontade dos sujeitos (Lipovetsky, 1994). </li></ul>
  22. 22. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>Encantamento: </li></ul><ul><ul><li>É preciso incorporar o campo da emoção, do prazer, do desejo ao nosso fazer comunicação, e não apenas o campo da racionalidade. </li></ul></ul><ul><ul><li>É preciso criar rituais que dêem sentido ao fazer social = mística </li></ul></ul>
  23. 23. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>● Fazer TV é ter uma intencionalidade </li></ul><ul><li>● Pensar TV é pensar o massivo e o grupal </li></ul><ul><li>- Qualquer estratégia de comunicação hoje precisa envolver estas duas dimensões da vida social. </li></ul>
  24. 24. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>PENSAR A TV: </li></ul><ul><li>● Formar comunidades </li></ul><ul><li>● Imagens que convocam </li></ul><ul><li>● Positivo x negativo </li></ul><ul><li>● Tornar novo o que parece “envelhecido” </li></ul>
  25. 25. Comunicação e Igreja Um desafio permanente <ul><li>A TV É: </li></ul><ul><li>Espaço da imagem </li></ul><ul><li>Espaço de mostrar os efeitos e resultados concretos da ação </li></ul><ul><li>Lugar da sensibilização = mais impacto do que processo </li></ul>

×