Encontro de familias 2011

610 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Encontro de familias 2011

  1. 1. Os cuidados dentários na Hemofilia Rui Moreira Médico Assistente Hospitalar de Estomatologia Sábado -10 de Setembro- Associação Potuguesa de Hemofilia e de outras Coagulopatias Congénitas Encontro de Familias 10 e 11 de Setembro de 2011
  2. 2. INTRODUÇÃO • Os pacientes com coagulopatias – Dificuldades na Saúde Oral • Gengivorragias – Espontâneas – Traumaticas • medo de sangrar – Escovagem – Fio dental • pode aumentar o risco – Gengivite – Periodontite – Cárie
  3. 3. INTRODUÇÃO • Os cuidados profiláticos, restauradores e cirúrgicos dos pacientes com coagulopatias devem ser realizados por clínicos que têm conhecimento sobre a patologia, as complicações e as opções do tratamento associadas a estas circunstâncias • Hospitais – Serviços de Estomatologia – Serviços de Hematologia
  4. 4. INTRODUÇÃO Reconhecimento inicial  desordem sanguínea  pode ocorrer durante procedimentos estomatologicos  Colheita de Historia Clínica e Familiar  Exame clínico  Estudo analítico  Hemograma  Coagulação  Antes de realizar qualquer tratamento O paciente deve ser imediatamente encaminhado para um Hematologista
  5. 5. INTRODUÇÃO • Pacientes portadores de coagulopatias hereditárias apresentam alto risco de sangramento na cavidade oral – procedimentos cirúrgicos – traumas mucosos • Cuidados – Aspiração – Moldagens para confecção de próteses – Isolamento absoluto (proteção das mucosas)
  6. 6. COAGULOPATIAS HEREDITARIAS doenças hemorrágicas resultantes de deficiência quantitativa e/ou qualitativa de uma ou mais proteínas plasmáticas (fatores da coagulação) as mais comuns  Hemofilia  Doença de von Willebrand
  7. 7. COAGULOPATIAS HEREDITARIAS • Hemofilia – distúrbio genético • Hereditario (historia familiar) • Mutação espontânea (30%) – 1:8.000 – diminuição ou ausência de um dos fatores de coagulação – sangramento prolongado – formas comuns • hemofilia A (clássica) – deficiência quantitativa do fator VIII • hemofilia B (doença de Christmas) – deficiência quantitativa do fator IX
  8. 8. COAGULOPATIAS HEREDITARIAS • Hemofilia A – distúrbio ligado aos genes do cromossoma X – mulheres são portadoras – homens manifestam • Hemofilia B – associada ao cromossoma X – Pode-se manifestar nos 2 sexos
  9. 9. COAGULOPATIAS HEREDITARIAS • Gravidade da doença – extensão da deficiência do fator de coagulação – Severa • [ ]<1% • episódios de hemorragias espontâneas ou após lesões mínimas • articulações e músculos (alterações funcionais dos membros) – Moderada • [1 a 5%] • Hemorragias ocasinais – Espontâneas – Hemoartroses – Leve • [6 a 25%] • Hemorragias severas após cirurgias minor
  10. 10. COAGULOPATIAS HEREDITARIAS • Doença de von Willebrand – distúrbio hemorrágico hereditário – Alt no fator de von Willebrand – o mais comum dos distúrbios hemorrágicos – prevalência 1% a 3% – manifestações clínicas • hematomas fáceis • epistaxes frequentes • menorragias
  11. 11. COAGULOPATIAS HEREDITARIAS • Doença de von Willebrand – Clasificação • Tipo I a IV • Severidade variavel – Formas clínicas leves ++ • desmopressina – Formas clínicas severas • elevar os níveis do fator vW • Concentrados de factor VIII
  12. 12. COAGULOPATIAS HEREDITARIAS • Tratamento das coagulopatias – depende da • Severidade + Procedimento – pouco invasivo em doença leve » ligeira ou nenhuma modificação – Doença severa » Minimizar o risco do paciente » Restaurando o sistema hemostático aos níveis aceitáveis » Manutenção da hemostase por métodos locais e adjuvantes – Hematologista deve ser consultado antes de qualquer procedimento invasivo
  13. 13. COAGULOPATIAS HEREDITARIAS • Tratamento – Episódios hemorrágicos alveolares • fator de coagulação • selante de fibrina + sutura • Outras substâncias hemostáticas coadjuvantes
  14. 14. PREVENÇÃO • Redução da necessidade de Tx • Escovar 2xdia com pasta fluoretada – 1,000-ppm em crianças com menos de 7 anos. – 1,400-ppm acima dos 7 anos • A escova deve ser de dureza média – Duras => abrasão dentaria – Moles => incapazes de remover placa bacteriana • Limpeza interdental – Fio ou fita dental, escovilhões – Prevenção de caries e dç periodontal • Suplementos de fluor – Gotas, comprimidos – colutórios
  15. 15. PREVENÇÃO • Exposição a alimentos e bebidas com alto grau de acidez e açúcar – Limitada aos periodos das refeições – Máx: 3xdia – Evitar pH oral < 5,5 – Adoçantes • Alternativa • Aspartame, sorbitol, acesulfatame, … • Visitas regulares ao profissional de saude oral – De 6 em 6 meses
  16. 16. CUIDADOS DENTÁRIOS  Escolha dos medicamentos  Analgésicos  Paracetamol  AINE’s  Contra-indicados  aspirina e seus derivados  anti-agregantes plaquetários  Hematologista deve ser consultado antes da sua prescrição
  17. 17. CUIDADOS DENTÁRIOS • Técnica anestésica – Anestesia troncular • deve ser evitada • hemorragia retromolar – Trismus – Asfixia • precedida por reposição dos fatores de coagulação – elevar o fator até 30% – Hematologista
  18. 18. CUIDADOS DENTÁRIOS • Técnica anestésica – Anestesia local • infiltrativa, intrapulpar e intraligamentar • preferência • vasoconstrictores possam fornecer hemostasia local adicional – Atenção ao efeito “rebound” • informar sobre os riscos do trauma oral local antes do final do efeito anestésico • hematomas após técnicas anestésicas infiltrativas – Raro – Gelo picado » local por 20 minutos, com intervalos de 20 minutos de repouso » 24 horas – Sedação e analgesia com diazepam ou óxido nitroso • Se for indicado evitar anestesia (geral)
  19. 19. CUIDADOS DENTÁRIOS • Periodontia – Saúde periodontal • Importante • tecidos gengivais inflamados e hiperemicos apresentam maior risco de sangramento. – Periodontites • mobilidade dentária • necessidade de extração • sondagem periodontal, raspagem e alisamento – Supragengival » Risco de hemorragia baixo – Subgengival » procedimento com cuidado » recolocação do fator raramente necessária
  20. 20. CUIDADOS DENTÁRIOS • Periodontia – Periodontites • Raspagem complicada com hemorragia – compressão de gaze ou algodão embebido em antifibrinolíticos, em ácido tricloroacético a 10% ou cimento cirúrgico – antifibrinolítico PO • instrumentação ultra-sônica – Menor trauma • doença periodontal severa – 1º raspagem supragengival + higiene bucal – 2º raspagem subgengival (inflamação diminuida) – 3º cirurgia periodontal (se insucesso do Tx periodontal conservador) • Cirurgia Periodontal – elevado risco hemorragico – reposição dos fatores de coagulação – Antifibrinolíticos – meios hemostáticos locais (Selante de Fibrina, cimento cirúrgico,…)
  21. 21. CUIDADOS DENTÁRIOS • Dentisteria – Baixo risco – Instrumentação • Evitar ferimentos, hematomas ou equimoses – diques de borracha, grampos, matrizes e cunhas de madeira – Aspiradores de saliva – controlados com » compressão local » água fria » ATA a 20% » fio retrátil embebido em solução hemostática • Isolamento do campo operatório (dique de borracha) – Protege – Crianças
  22. 22. CUIDADOS DENTÁRIOS • Endodontia – Baixo risco – reposição dos fatores de coagulação • técnica anestésica do bloqueio do alveolar inferior – Pulpectomia • Cuidado • assegurar de que os instrumentos não ultrapassem o ápice • Hemorragia intracanal – tecido pulpar remanescente – hipoclorito de sódio + hidróxido de cálcio – derivados do formaldeído
  23. 23. CUIDADOS DENTÁRIOS • Prótese – Baixo risco de equimose durante a confecção – Bem ajustadas – Dentes remanescentes saudaveis
  24. 24. CUIDADOS DENTÁRIOS • Ortodontia – Sem contra-indicações – cuidado na colocação de bandas subgengivais e braquetes • para que não haja trauma nos tecidos moles. – manter uma boa higiene bucal
  25. 25. CUIDADOS DENTÁRIOS • Cirurgia Oral – Avaliar risco/beneficio • só deve ser realizada se for indispensável • grande risco hemorragico – Hematologista deve ser consultado – Pacientes com doença severa devem ser tratados em centros especializados
  26. 26. CUIDADOS DENTÁRIOS • Cirurgia Oral – Extração de sisos • Procedimento de alto risco hemorrágico • reposição prévia de concentrados de fatores de coagulação • Deve ser realizado por um profissional capacitado ou que este seja realizado sob sua supervisão, para que as possíveis intercorrências possam ser devidamente diagnosticadas e tratadas • Antifibrinolítico – ácido tranexâmico ou ácido épsilon amino-capróico – via oral – Início: 24 horas antes – Manutenção: 7 dias – Local • Bochecho com clorohexidina durante 2 minutos – antes do anestesico local • Extração dentaria atraumatica • Sutura • Selante de fibrina ou celulose oxidada (Surgicel ®) no alveolo
  27. 27. CUIDADOS DENTÁRIOS • Cirurgia Oral – Pos-operatório • durante 24h – Não bochechar – Não fumar – Dieta mole/líquida fria – Não realizar exercicio fisico • Medicação – Analgesia – Bochechos com água salgada (1 colher de sal num copo de água), 4xdia, durante 7 dias – Colutórios desinfectantes • Contactos em caso de emergência
  28. 28. CONCLUSÃO • Os doentes devem alertar ao profissional de saúde oral que são portadores de uma doença da coagulação ou que têm historia familiar antes de iniciar qualquer procedimento • Os pacientes com coagulopatias podem ser submetidos a qualquer procedimento odontológico, desde que sejam tomados os cuidados necessários • O tratamento desses pacientes deve ser sempre bem planeado pelo profissional de saúde oral em conjunto com o hematologista e o doente, visando maior segurança e conforto ao paciente e à equipa profissional • Para isso, é imprescindível que o profissional de saúde oral tenha conhecimento das diversas patologias hemorrágicas existentes, bem como das manifestações clínicas e possíveis complicações por elas apresentadas
  29. 29. CONCLUSÃO • Gengivorragia espontânea ou traumatismo oral – Hemorragia, equimose ou hematoma endobucal – Gelo picado • local por 20 minutos, com intervalos de 20 minutos de repouso • 24 horas – Compressão local • “trincar” algodão ou compressas • Embebido em agentes antifibrinoliticos (se tiver) – Gel oral (ou Colutórios) • Desinfectante • Sem bochechos – Dieta líquida fria • Até 48h sem novo episodio de hemorragia – Se hemorragia persistente ou intensa • Que não cedeu á acção conjunta dos procedimentos anteriores • Contactar o Médico Assistente – Hematologista – Estomatologista • Serviço de Urgência
  30. 30. VIDEO • ..Os meus documentosOs meus vídeosvideo.ruihigiene oral.wmv
  31. 31. INFECÇÃO DENTARIAS • Exodontia • Endodontia • Antibioticos – Infeção aguda bacteriana – Streptococcus viridans, coccos gram- positivo anaerobios e gram-negativos anaerobicos – Penicilina (1ª linha) • Alergicos: eritromicina ou clindamicina – Metronidazole (eficaz em anaeróbios)
  32. 32. INFECÇÃO PERIODONTAL • Bolsas periodontais – Bacterias anaerobias ++ – Higiene oral preventiva – Metronidazol (associação com penicilina ou eritromicina)
  33. 33. TRATAMENTO TÓPICO • Colutórios desinfectantes – Fase de higienização – Gluconato de clorohexidina • Colutório, spray, gel • 2xdia • Bochechos de 30 a 60 seg • Gel pode ser usado como “aditivo” • Tendencia a tingir os dentes • Tempo de Tx limitado – Iodopovidona • Colutório • Periodontites agudas • Irrigação de bolsas gengivais • Cuidado na gravidez
  34. 34. EMERGENCIAS DENTARIAS • Dor de dentes – Caries • Antibioticos • Pulpectomia • Ganhar tempo para planear extração • Hemorragia periodontal – Antibioticos – Até consulta • Trauma dental – Geralmente envolve dente + gengiva – Medidas locais • Geralmente controlam gengivorragia • Imobilizaçao de dentes # ou moveis
  35. 35. • Arquivos em Odontologia Volume 46 Nº 03 • Julho/Setembro de 2010 • l l 176 • Atendimento odontológico em pacientes com Hemofilia • e Doença de von Willebrand • Dental care in patients with Hemophilia and von Willebrand • Disease • Rogério Vera Cruz Ferro Marques1, Daniele Meira Conde1, Fernanda Ferreira Lopes2, Cláudia Maria • Coelho Alves2

×