11º encontro pnaic 2014 vânia ok

683 visualizações

Publicada em

caderno 7, educação estatística, pnaic 2014

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
683
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

11º encontro pnaic 2014 vânia ok

  1. 1. Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa Bom dia! Orientadora de Estudo do PNAIC Rozivania Lima Vicência, 22 de novembro 2014.
  2. 2. Acolhida Detetive e Espião
  3. 3. Detetive e Espião 1.Papéis dobrados, sendo um escrito espião e outro detetive. Os demais em branco. 2. Em grupos de 5 ou 6 pessoas, cada um recebe um papel e olha a sua função no jogo, secretamente. 3. O espião deve atingir os demais participantes com uma piscadela de olhos. À medida em que veem, os demais participantes dizem: fui atingido. 4. O Detetive deve descobrir quem é o espião. Pode dar, no máximo, um palpite errado. 5. Se o Detetive acertar o espião, ganha o jogo.
  4. 4. Leitura deleite Autores: Choi Yun-Jeong Kim Sun-Yeong Editora: Callis
  5. 5. Para Casa Socialização
  6. 6. Retomando...  Socialização referente às aplicações da ANA;  Socialização das aulas referente às sequências didáticas planejadas;  Entrega dos Relatos de experiência/ Socialização
  7. 7. Socialização Relatos de Experiências
  8. 8. Conferindo... 1. Tipo de Atividades: Sequência Didática, Projeto Didático, Atividades Permanentes, Atividades exploratórias; 2. Justificativa; 3. Conteúdos Trabalhados; (interdisciplinar) 4. Público Alvo; 5. Problematização do conteúdo; 6. Objetivos; 7. Materiais utilizados; 8. Produções das crianças; 9. Tempo definido para realização das atividades; 10. Período em que a experiência foi vivenciada; 11. Contempla várias áreas de conhecimento; 12. Eixos de ensino contemplados; 13. Direitos de aprendizagem contemplado; 14. Estratégias de avaliação; 15. Sistematização de conteúdos.
  9. 9. Iniciando a Conversa Com o conteúdo deste Caderno busca-se inserir a criança no universo da investigação, a partir de situações de interesse próprio, realizando coletas de dados e apresentando-os em gráficos e tabelas. Gráficos e tabelas, além de serem ferramentas para apresentação de dados, são recursos para a elaboração de problematizações relativas a outros eixos dos Direitos de Aprendizagem.
  10. 10. Considera-se como fundamental na atitude investigativa a preocupação em formular questões, elaborar hipóteses, escolher amostra e instrumentos adequados para a resolução de problemas, a coleta dos dados, a classificação e representação dos mesmos para uma tomada de decisão. É nesse sentido que a pesquisa pode ser pensada como o eixo principal da formação estatística dos alunos de todos os níveis de ensino.
  11. 11. Objetivo Apresentar a Educação Estatística, fornecendo ao professor elementos que permitam o planejamento de práticas pedagógicas que auxiliem a criança a reconhecer e produzir informações, em diversas situações e diferentes configurações.
  12. 12. Objetivos Específicos • ler, interpretar e fazer uso das informações expressas na forma de ícones, símbolos, signos e códigos em diversas situações e em diferentes configurações (anúncios, gráficos, tabelas, rótulos, propagandas), para a compreensão de fenômenos e práticas sociais; • formular questões que gerem pesquisas e observações para coletar dados quantitativos e qualitativos; • coletar, organizar e construir representações próprias para a comunicação de dados coletados (com ou sem o uso de materiais manipuláveis ou de desenhos); • ler e interpretar listas, tabelas simples, tabelas de dupla entrada, gráficos;
  13. 13. • elaborar listas, tabelas simples, tabelas de dupla entrada, gráfico de barras e pictóricos para comunicar a informação obtida, identificando diferentes categorias; • produzir textos a partir da interpretação de gráficos e tabelas; • problematizar e resolver situações a partir das informações contidas em tabelas e gráficos; • reconhecer e diferenciar situações determinísticas e probabilísticas; • identificar a maior ou menor chance de um evento ocorrer.
  14. 14. A PESQUISA COMO EIXO ESTRUTURADOR DE EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA Verônica Gitirana
  15. 15. MUDANÇAS DE CONTEÚDOS Ao olhar para a História da Educação, observamos que alguns conteúdos deixam de constar na grade curricular, enquanto que outros são deslocados ou introduzidos.
  16. 16. MUDANÇAS NOS CONTEÚDOS MUDANÇAS NA SOCIEDADE Tornam-se NECESSÁRIOS Tornam-se OBSOLETOS ESTUDOS DA PSICOLOGIA Compreensão em determinadas fases
  17. 17. Mudanças na sociedade: Determinados conteúdos tornam-se necessários ou obsoletos para o domínio de habilidades. Leitura de Mapas (Conteúdo Necessário) Expressões Numéricas (Conteúdo Obsoleto)
  18. 18. Estudos da Psicologia: Determinados conteúdos somente podem ser aprendidos em anos mais avançados ou alguns já podem ser compreendidos nos anos iniciais. Divisão de Frações (Conceito muito avançado) Sequências (Conceitos elementares)
  19. 19. Atenção: Antes da década de 80, a ESTATÍSTICA e assuntos correlatos, como PROBABILIDADE e ANÁLISE COMBINATÓRIA, eram trabalhados nos anos finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio. No entanto, devido a importância destes conceitos para o exercício da cidadania, indica-se trabalhar com estes conceitos já nos anos iniciais.
  20. 20. • Pelo fato de não ter aprendido tais conceitos na escola, é comum os professores fazerem os seguintes questionamentos:
  21. 21. ESTATÍSTICA Auxilia as investigações Trata quantitativamente os dados Apresenta as informações de forma planejada
  22. 22. Aprender fazer pesquisa favorece... Investigar alguma coisa PESQUISA Formação Científica do cidadão Perspectiva Interdisciplinar Formação Estatística do cidadão
  23. 23. Aprender fazer pesquisa favorece... A Estatística tem importância numa perspectiva interdisciplinar, para a formação do cidadão em outras áreas do conhecimento, pois as questões a serem investigadas são geradas nos diversos campos de conhecimento.
  24. 24. O que queremos investigar? A criança chega à escola cheia de questionamentos. A curiosidade é uma qualidade, que por falta de valorização, vai desaparecendo aos poucos.
  25. 25. A Educação Estatística ajuda a valorizar esta curiosidade. O professor pode desenvolver investigações a partir da curiosidade dos alunos, além de proporcioná-los novas questões.
  26. 26. Que população iremos investigar?
  27. 27. Levantando Hipóteses A partir do momento que as crianças enunciam suas dúvidas, podem ser estimuladas a elaborar possíveis respostas.
  28. 28. Para a pergunta: Qual o bicho de estimação preferido dos meus colegas? • Várias hipóteses de respostas serão dadas: cachorro, gato, galinha, coelho e outros. Indo além... • Uma criança pode achar que as meninas gostam mais de gatos, pois são mais dóceis e os meninos dos cães por serem mais ágeis.
  29. 29. Quem fará parte da pesquisa? Todos serão investigados ou apenas uma parte da população – uma amostra. Nos anos iniciais é importante começar uma investigação que possa ser feita com toda a população: um Censo.
  30. 30. Algumas variáveis importantes... • O nome da criança – para que nenhuma criança seja esquecida ou para que nenhuma responda duas vezes; • O gênero da criança – devido a hipótese da diferença de preferência entre meninos e meninas; • O bicho de estimação preferido – pois é a questão chave da pesquisa; • O porquê é preferido – devido as hipóteses levantadas; • A quantidade de crianças pesquisadas.
  31. 31. Como coletar os dados? Cada aluno preencherá um Cada aluno entrevistará um questionário. colega e anotará em um formulário.
  32. 32. A decisão do método de coleta e classificação dos dados é necessária para que não haja problema durante a coleta e análise dos dados coletados.
  33. 33. Como apresentar os dados? Os dados podem ser apresentados por meio de Gráficos ou de Tabelas, levando em consideração a frequência absoluta que se utiliza apenas da contagem.
  34. 34. Vamos coletar os dados? Vamos pesquisar a nossa turma: 1) QUAL O SEU CONCEITO PARA A FORMAÇÃO DO PNAIC? ( ) FRACO ( ) REGULAR ( ) BOM ( ) ÓTIMO 2) QUAL A CONTRIBUIÇÃO DO PNAIC PARA A SUA PRÁTICA PEDAGÓGICA? ( ) NENHUMA ( ) POUCA ( ) MUITA
  35. 35. LEITURA DOS DADOS •QUAL A POPULAÇÃO FOI INVESTIGADA? •QUAL A QUANTIDADE ENTREVISTADA? •CONTAGEM DAS RESPOSTAS. •CONSTRUÇÃO DE PLANILHA. •DISCUSSÃO DOS RESULTADOS.
  36. 36. LEITURA DOS DADOS
  37. 37. Como apresentar os dados? É importante apresentar os dados tratados por meio de gráficos e tabelas que tenham relação com as perguntas levantadas, e dizer o que se pode interpretar a partir deles. Uma tendência comum das crianças é fugir dos dados e falar o que acham, mesmo que os dados digam outra coisa. É preciso buscar que elas sejam críticas e contrastem o que pensam com o que os dados dizem. É importante fazer uma apresentação para comunicar os resultados e, se for o caso, tomar decisões.
  38. 38. Exibição o Vídeo: Sortudus As Aventuras do Quati
  39. 39. Alguns questionamentos: 1. Qual a relação entre o vídeo e o pensamento probabilístico? 2. O sistema de itinerários proposto nos ônibus de Sortudus é adequado? Por quê?
  40. 40. TRABALHO EM GRUPO
  41. 41. Comandos: Construção de Gráficos e tabelas Dividir a turma em 4 grupos:  Definição os objetivos;  Qual a população/ amostra? (alunos, professores, pais etc)  Levantamento das hipóteses;  Coletar os dados;  Como coletar os dados?  Elaborar o gráfico. Grupo 1: Coluna Grupo 2: Pizza Grupo 3: Barra Grupo 4: Tabela
  42. 42. Socialização
  43. 43. Sistematização A Estatística tem como um de seus objetivos organizar e resumir grandes quantidades de dados mediante o uso de medidas e representações que mostrem, de maneira sintética, o perfil dos dados coletados, as tendências e relações entre as variáveis. A partir de gráficos e tabelas podemos nos informar sobre os mais variados assuntos e, a partir dos dados, refletir sobre o que eles indicam sobre a temática. Assim, o trabalho com estatística pode ser facilmente integrado com qualquer área de conhecimento ou disciplina. Nesse sentido, é fundamental que os dados utilizados nessas representações sejam reais, pois somente dessa forma poderão subsidiar reflexões sobre fenômenos naturais ou sociais.
  44. 44. A pesquisa como atividade regular na formação do aluno pode ser definida como o conjunto de atividades orientadas e planejadas para a busca de um conhecimento novo. Considera-se como fundamental na atitude investigativa a preocupação em formular questões, elaborar hipóteses, escolher amostra e instrumentos adequados para a resolução de problemas, a coleta dos dados, a classificação e representação dos mesmos para uma tomada de decisão.
  45. 45. Almoço
  46. 46. Leitura deleite Gráficos Divertidos
  47. 47. O ENSINO DE COMBINATÓRIA NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Cristiane Azevêdo dos Santos Pessoa
  48. 48. COMBINATÓRIA Conhecida como a arte de contar! Contagem de grupos de objetos, tendo como base o raciocínio multiplicativo. Quantificar conjuntos ou subconjuntos de objetos ou de situações, selecionados de um conjunto dado.
  49. 49. De acordo com Pessoa e Borba (2009), a Combinatória nos permite quantificar conjuntos ou subconjuntos de objetos ou de situações, selecionados de um conjunto dado. A partir de determinadas estratégias, pode-se saber quantos elementos ou quantos eventos são possíveis numa dada situação, sem necessariamente ter que contá-los um a um. Na Combinatória contam-se, através de uma ação sistemática, baseando-se no raciocínio multiplicativo, grupos de possibilidades. Isso deve ser feito por meio de uma estratégia que atenda aos requisitos desses tipos de problemas, como a constituição de agrupamentos, a determinação de possibilidades e sua contagem.
  50. 50. Tipos de Problemas de Combinatória Arranjo Combinação Permutação Produto Cartesiano
  51. 51. Pensando nas características dos problemas combinatórios... Os problemas combinatórios normalmente trabalhados na Educação Básica são de quatro tipos: arranjo, combinação, permutação e produto cartesiano. Uma característica comum a todos os tipos de problemas é a necessidade de esgotar as possibilidades para se chegar à resposta. Além dessa característica, os problemas de arranjo, combinação e permutação se assemelham ou se diferenciam pela forma de escolher os elementos (se todos ou apenas alguns) e pela forma de ordená-los. O problema do tipo produto cartesiano é caracterizado pela escolha dos elementos. Vejamos alguns exemplos de problemas e suas características.
  52. 52. • É necessário esgotar as possibilidades para se chegar à resposta; • Se assemelham ou se diferenciam pela forma de escolher os elementos (se todos ou apenas alguns) e pela forma de ordená-los.
  53. 53. Trabalho em Grupos - Em grupos, resolvam os problemas a seguir, utilizando-se de estratégias como desenhos, listagens ou outras que os alunos utilizariam para resolvê-los. - Nestes oito problemas, temos quatro tipos, dois de cada. Identifiquem quais os problemas que têm as mesmas características em relação à estrutura.
  54. 54. 1. Para representante de turma de sala de aula, candidataram-se 3 pessoas (Joana, Mário e Vitória). De quantas maneiras diferentes poderão ser escolhidos o representante e o vice representante? Resp. 6 – Arranjo 2. No pula-pula do parque podem entrar duas crianças de cada vez. Amanda, Lívia e Gisele estão aguardando a vez. De quantas maneiras diferentes elas podem formar duplas para brincar no pula-pula? Resp. 3 – Combinação 3. Na estante da minha casa há fotos do meu pai, da minha mãe e do meu irmão, sendo um total de 3 porta-retratos. De quantas formar diferentes posso organizar esses porta-retratos de modo que eles fiquem lado a lado? Resp. 6 – Permutação 4. Para a festa de São João, na escola, tem 2 meninos (Pedro e João) e 4 meninas (Maria, Luiza, Clara e Beatriz) que querem dançar quadrilha. Se todos os meninos dançarem com todas as meninas, quantos pares diferentes poderão ser formados? Resp. 8 – Produto cartesiano
  55. 55. 1. Para representante de turma de sala de aula, candidataram-se 3 pessoas (Joana, Mário e Vitória). De quantas maneiras diferentes poderão ser escolhidos o representante e o vice representante? Resp. 6 – Arranjo
  56. 56. 2. No pula-pula do parque podem entrar duas crianças de cada vez. Amanda, Lívia e Gisele estão aguardando a vez. De quantas maneiras diferentes elas podem formar duplas para brincar no pula-pula? Resp. 3 – Combinação AMANDA LÍVIA GISELE Amanda e Lívia = Lívia e Amanda Lívia e Gisele = Gisele e Lívia Gisele e Amanda = Amanda e Gisele
  57. 57. 3. Na estante da minha casa há fotos do meu pai, da minha mãe e do meu irmão, sendo um total de 3 porta-retratos. De quantas formar diferentes posso organizar esses porta-retratos de modo que eles fiquem lado a lado? Resp. 6 – Permutação
  58. 58. 4. Para a festa de São João, na escola, tem 2 meninos (Pedro e João) e 4 meninas (Maria, Luiza, Clara e Beatriz) que querem dançar quadrilha. Se todos os meninos dançarem com todas as meninas, quantos pares diferentes poderão ser formados? Resp. 8 – Produto cartesiano Todos os elementos de um grupo devem ser combinados com os dos outro grupo.
  59. 59. 5. Elizabete quer criar uma senha para que outras pessoas não mexam no seu celular. Sabendo que ela só pode usar os números 1, 2 e 3, sem repeti-los na mesma senha, de quantas maneiras diferentes Elizabete poderá criar essa senha? Resp. 6 – Permutação 6. Na gincana de matemática da escola estão participando Filipe, Rafael e Bruno. De quantas maneiras diferentes podemos ter o 1º e o 2º colocado para ganhar as medalhas? Resp. 6 – Arranjo 7. Mariana tem que escolher duas amigas entre três (Juliana, Adriane e Rute) para ir com ela ao shopping. Quantas duplas diferentes de amigas Mariana poderá formar? Resp. 3 – Combinação 8. Maria tem 3 blusas (branca, verde e rosa) e 3 shorts (marrom , azul e preto) para ir à festa da escola. Quantos conjuntos ela poderá formar, combinando todas as blusas com todos os shorts? Resp. 9 – Produto cartesiano
  60. 60. Por fim: De acordo com Borba (2013), se problemas variados de Combinatória forem trabalhados desde os anos iniciais do EF, por meio de representações simbólicas apropriadas e que possibilitem uma gradual construção de procedimentos mais formais, aumentam-se as possibilidades de se chegar ao uso consciente de fórmulas de Análise Combinatória no Ensino Médio.
  61. 61. Leitura Compartilhada Págs.51 a 56
  62. 62. PROBABILIDADES NOS PRIMEIROS ANOS ESCOLARES Cristiane Rocha Ivanildo Carvalho Socialização
  63. 63. Referências Bibliográficas  BRASIL. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Caderno 7.Educação Estatística . MEC / SEB. Brasília, 2014;  Consulta do do Seminário 3 do CEEL /NEMAT.  Consulta do Material da orientadora Camila Ribeiro.
  64. 64. Teste de Matemática
  65. 65. Teste de Matemática 1. SEU/SUA PROFESSORA DITARÁ OITO NÚMEROS E VOCÊ DEVERÁ ESCREVÊ-LOS AO LADO DE CADA NÚMERO DITADO: A) VINTE E SEIS _________________ B) DUZENTOS E SEIS _________________ C) SESSENTA _________________ D) TREZENTOS E SESSENTA E QUATRO _________________ E) MIL E QUATRO _________________ F) QUARENTA E NOVE _________________ G) DOIS MIL E CATORZE _________________ H) DUZENTOS E SESSENTA _________________
  66. 66. Na representação dos números, a aluna justificou o número maior fazendo relação com a sequência da escrita numérica, ou seja, é maior quem vem depois¹. • Apresentou a hipótese de escrita Reprodução Parcial (valor de lugar até 99) quando escreveu: 10004 (1004) • Apresentou a hipótese de escrita Dúvidas quanto o papel do zero quando escreveu: 3064 (364); 2060 (260)
  67. 67. MARQUE A ALTERNATIVA CERTA NAS QUESTÕES ABAIXO: 2. MÁRIO TEM UMA COLEÇÃO DE FIGURINHAS. ELE GANHOU 14 FIGURINHAS E FICOU COM 23. QUANTAS FIGURINHAS ELE TINHA ANTES? A) 37 B) 10 C) 11 D) 9 Campo aditivo Situação de transformação com o estado inicial desconhecido QUESTÃO 2 a) 14+ 23 = 37 (escolha da operação aritmética incorreta – Erro de cálculo relacional). b) Soma todos os algarismos(1+4+2+3) ou erra a operação, uma vez que um erro comum é colocar zero quando se 'tira um número maior de um número menor. c) Erro de compreensão da lógica da operação – Cálculo numérico; em alguns casos as crianças subtraem sempre o algarismo menor do maior. Se de 3 não pode tirar 4, tira-se de 4 a quantidade 3. d) 23 – 14 = 9 (Compreensão das relações lógicas do problema e efetua corretamente o cálculo numérico)
  68. 68. Resolução de crianças – 3º ano - Q2
  69. 69. 3. JOANA TEM 26 ANOS. ELA TEM 8 ANOS A MAIS QUE SUA IRMÃ CAROLINA. QUAL A IDADE DE CAROLINA? A) 22 B) 34 C) 18 D) 20 QUESTÃO 3 Campo aditivo Situação de comparação que indica cada alternativa? a) Erro de compreensão da lógica da operação – Cálculo numérico; um erro comum é subtrair sempre os algarismos menores dos maiores. (tirar 6 de 8). b) 26 + 8 = 34 Escolha da operação aritmética errada. – Erro de cálculo relacional. c) 26 - 8 = 18 (Compreensão das relações lógicas do problema e efetua o cálculo numérico corretamente) d) Ao subtrair um algarismo maior de um menor, um erro possível é colocar zero. Então seria: 6 – 8 = 0.
  70. 70. Resolução de crianças – 3º ano – Q3
  71. 71. 4. PARA O PASSEIO DA ESCOLA 29 PESSOAS TERÃO QUE SE DIVIDIR EM CARROS COM 5 PESSOAS EM CADA CARRO. QUANTOS CARROS SERÃO NECESSÁRIOS PARA ESSE PASSEIO? A) 4 B) 6 C) 5 D) 7 Campo Multiplicativo Situação de divisão envolvendo formação de grupos QUESTÃO 4 O que indica cada alternativa? a) 29/5 = 5 com resto 4. Coloca a quantidade de pessoas que sobram e não completam mais um carro. b) 29/5 = 5 com resto 4. 5 carros com 5 pessoas e 1 carro com 4 pessoas = 6 carros (Compreensão das relações lógicas do problema) c) 29/5 = 5 com resto 4. O erro está em não considerar que é preciso mais um carro para acomodar as 4 restantes. d) Poderiam ser 7 carros com menos pessoas em cada um, mas é solicitado que tenham 5 em cada um. Pode ter resolvido também qualquer conta como, por exemplo, 9 - 2 = 7. (29)
  72. 72. Resolução de crianças – 3º ano – Q4
  73. 73. 5. DE QUANTAS MANEIRAS DIFERENTES 3 PESSOAS (JOANA, CARLOS E MELISSA) PODEM SE ORGANIZAR NA FILA DA RODA GIGANTE NO PARQUE DE DIVERSÕES? A) 3 B) 9 C) 6 D) 4 Campo Multiplicativo Situação envolvendo raciocínio combinatório QUESTÃO 5 O que indica cada alternativa? a) 3 é indicação da quantidade expressa no problema. Ou não ter esgotado todas as possibilidades. b) A criança pode ter feito: 3x3. c) 3 x 2 = 6. O mais provável é que as crianças listem as possibilidades. d) A criança pode não ter conseguido listar todas as possibilidades. Listou apenas 4.
  74. 74. Resolução de crianças – 3º ano – Q5
  75. 75. Análise das alternativas : A) Relacionou Categoria (menino) com a frequência da categoria (brincadeira de roda); B) Gabarito C) Relacionou Categoria (menina) com a frequência da categoria (brincadeira de roda); D) Relacionou Categoria (menino) com a frequência da categoria (corrida); Em relação as interpretações equivocadas dos alunos, referentes aos dados na Tabela, algumas pesquisas afirmam que os alunos ao responderem atividades que exijam análises de dados com informações próximas à sua realidade, eles respondem de acordo com a mesma, ignorando muitas vezes as informações contidas nas tabelas ou nos gráficos (OLIVEIRA E GUIMARÃES, 2012)
  76. 76. 7. MARQUE A ALTERNATIVA CERTA. QUAL DOS GRÁFICOS APRESENTA A FREQUÊCIA DE 15 CACHORROS E 10 GATOS? Análise das alternativas : A) Localizou a frequência de 15 gatos e 10 cachorros - invertendo apenas os valores do enunciado. B) Localizou a frequência de 20 gatos e 5 cachorros – sendo a barra maior para gatos e menor para cachorros; C) Localizou a frequência de 20 cachorros e 5 gatos - Identificando a barra maior para cachorros e a menor para gatos, não se preocupando com os valores apresentados na escala; D) Gabarito X
  77. 77. 8. ESTE É O DESENHO DA SALA DE AULA DE MAURÍCIO. MARQUE A ALTERNATIVA CORRETA. QUANDO ELE ENTRA PELA PORTA: A) O QUADRO DE AVISOS FICA À DIREITA DELE. B)O ARMÁRIO FICA ATRÁS DELE. C) O CESTO DE LIXO FICA À ESQUERDA DELE. D) O QUADRO FICA NA FRENTE DELE. Busca-se: Localizar-se no espaço a partir de um referencial; -Localizar-se no espaço a partir de mais de um referencial; -Reconhecer o vocabulário pertinente à lateralidade.
  78. 78. 9. QUANTOS CUBINHOS SÃO NECESSÁRIOS PARA COMPOR ESSA FIGURA? A) 22 B) 14 C) 16 D) 9 Busca-se: Utilizar raciocínio visual e espacial a partir da análise das figuras tridimensionais.
  79. 79. 10. OBSERVE AS LINHAS ABAIXO E MARQUE A ALTERNATIVA CORRETA. B) A) - C) A) A LINHA (a) É A MAIS COMPRIDA B) A LINHA (b) É A MAIS COMPRIDA C) A LINHA (c) É A MAIS COMPRIDA D) AS TRÊS LINHAS TÊM O MESMO COMPRIMENTO O QUE VOCÊ UTILIZOU PARA MEDIR? _________________________________
  80. 80. Questão 10 A questão envolve comparação de comprimento sem medidas. As figuras que compõem a questão são formadas por segmentos de retas ou linhas curvas. Trabalha comprimento como grandeza. A questão explora o uso do vocabulário relativo a comprimento: mais curto e mais comprido. Procedimentos de resolução Comparação utilizando percepção visual. Comparação utilizando materiais diversos: cordão, régua, compasso, ... Nessa questão o que está em jogo é a relação entre comprimento e espaço ocupado. As três linhas tem tamanhos semelhantes. É importante refletir sobre a questão: O QUE VOCÊ UTILIZOU PARA MEDIR?
  81. 81. Algumas questões para refletir com os professores: É preciso escolher um instrumento para medir. É importante disponibilizar materiais diversos para que os alunos selecionem o mais adequado. É importante discutir a importância da adequação do instrumento de medida. Medir com régua, nesse caso, só dá para a linha B. Usar barbante talvez fosse a melhor opção. Precisa ser algo que de volta e não seja muito grande. A adequação envolve forma e longitude. Medir a distancia até a lua com barbante!!!!! Medir o tamanho do olho da pulga com milímetro! (longitude) Medir a largura de uma cintura com régua!!! (forma)....
  82. 82. 11. OBSERVE O CALENDÁRIO. QUE DIA É A TERCEIRA QUINTA-FEIRA DESSE MÊS? A) 1 B) 15 C) 16 D) 23 Busca-se: Identificar dias da semana, meses do ano, datas e períodos de tempo, utilizando calendários e agendas. A) 1 (inicio do mês) B) 15 (é na terceira linha mas não é quinta- feira) C) 16 (resposta correta) D) 23 (4ª quinta-feira)
  83. 83. Reflexão:
  84. 84. Avaliação do Encontro
  85. 85. PARA CASA E ESCOLA  Trazer para o próximo encontro a CAIXA MATEMÁTICA (com os objetos manipuláveis para exposição)
  86. 86. Rozivania Lima wanyacastro13@gmail.com pnaic3vicencia@gmail.com Celular: (81) 9873-2269

×