Doenças Sexualmente   Transmissíveis     Sífilis        Manaus/2007
Conceito A  Sífilis é uma doença infecciosa, sistêmica, de  evolução crônica,sujeita a surtos de agudização  e períodos d...
Agente etiológico Treponema pallidum A transmissão do treponema, na sífilis adquirida, é feita, principalmente, através ...
Período de Incubação  A lesão inicial da sífilis, o cancro sífilitico, surge, em média, 10 a 30 dias depois da relação se...
Classificação    Sífilis Primária      Sífilis Segundária         Sífilis Terciária           Sífilis congênita
Sífilis Primária   Inicia com uma ferida nos órgãos genitais, 1 a 2  semanas após o contágio. Essa ferida (Cancro  duro) ...
SÍFILIS PRIMÁRIA
Sífilis Segundária      Seis meses após o contágio, a doença se dissemina     por todo o corpo através do sangue. Surgem ...
SÍFILIS SECUNDÁRIA
SÍFILIS SEGUNDÁRIA     Fonte: Talhari & Neves,2002.
SÍFILIS SECUNDÁRIA              Fonte: Talhari & Neves,2002.
Sífilis Terciária  Três anos ou mais após o contágio, a doença provoca lesões no coração, no cérebro e nos ossos, podendo...
Sífilis Congênita É uma infecção causada pela disseminação hematogê-nica do Treponema pallium,da gestante para o feto. D...
SintomatologiaSífilis congênita precoce – sinais e sintoma surgem até os 2anos de vida. Os principais são:baixo peso, rini...
SÍFILIS CONGÊNITA
SÍFILIS CONGÊNITA
Diagnóstico Diferencial                  Sífilis primáriaCancro mole; herpes genital; donovanose; linfogranuloma venéreo....
Exames Laboratoriais Pesquisa direta (campo escuro)- tecnica especifica de coleta para microscopia em campo escuro. Indic...
Tratamento Sífilis Primária:  Penicilina Benzantina 2.4 milhões UI, IM em dose (1.2 milhões U.I em cada Glúteo. Sífilis S...
Referências BibliograficasTALHARI, Sinésio. NEVES, René Garrido, Doença Sexualmente Transmissíveise Manifestações Cutâneas...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

05 sífilis

6.145 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

05 sífilis

  1. 1. Doenças Sexualmente Transmissíveis Sífilis Manaus/2007
  2. 2. Conceito A Sífilis é uma doença infecciosa, sistêmica, de evolução crônica,sujeita a surtos de agudização e períodos de latência
  3. 3. Agente etiológico Treponema pallidum A transmissão do treponema, na sífilis adquirida, é feita, principalmente, através da relação sexual.
  4. 4. Período de Incubação  A lesão inicial da sífilis, o cancro sífilitico, surge, em média, 10 a 30 dias depois da relação sexual, no local de penetração do treponema.
  5. 5. Classificação  Sífilis Primária  Sífilis Segundária  Sífilis Terciária  Sífilis congênita
  6. 6. Sífilis Primária  Inicia com uma ferida nos órgãos genitais, 1 a 2 semanas após o contágio. Essa ferida (Cancro duro) é indolor e surge com uma íngua na virilha. Nas mulheres, pode passar despercebida quando acomete os órgãos internos. Desaparece mesmo sem tratamento. Sintomalogia da sífilis primária – uma lesão indolor no local da infecção é denominado Cancro.
  7. 7. SÍFILIS PRIMÁRIA
  8. 8. Sífilis Segundária  Seis meses após o contágio, a doença se dissemina por todo o corpo através do sangue. Surgem manchas em várias partes do corpo, inclusive nas palmas das mãos e plantas dos pés, às vezes acompanhadas de febre, ínguas, queda de cabelo e mal-estar.Sintomatologia sífilis secundária – apartir do cancro original, levando a umaInfecção generalizada, que envolve tronco e as extremidades, incluindo aspalmas das mãos e as solas dos pés. Os sinais generalizado de infecçãopodem incluir linfadenopatia, artrite, meningite, Alopecia, febre, mal-estar e anorexia.
  9. 9. SÍFILIS SECUNDÁRIA
  10. 10. SÍFILIS SEGUNDÁRIA Fonte: Talhari & Neves,2002.
  11. 11. SÍFILIS SECUNDÁRIA Fonte: Talhari & Neves,2002.
  12. 12. Sífilis Terciária  Três anos ou mais após o contágio, a doença provoca lesões no coração, no cérebro e nos ossos, podendo Levar a pessoa à morteSintomatologia da sífilis terciária – neste estágio a sífilis se apresenta-secomo uma doença inflamatória lentamente progressiva com potencial paraAfetar múltiplos órgãos. As manifestações mais comum neste estágio são aaortite e a neurosífilis, conforme evidenciado por demência, psicose,paresia, AVD ou meningite.
  13. 13. Sífilis Congênita É uma infecção causada pela disseminação hematogê-nica do Treponema pallium,da gestante para o feto. Durante a gravidez, ela se transmite para o feto e pode levar ao aborto, parto prematuro, feto hidrópico, RN sin- tomático e assintomático, até a morte do bebê.Obs. A transmissão pode ocorrer em qualquer fase da gestação
  14. 14. SintomatologiaSífilis congênita precoce – sinais e sintoma surgem até os 2anos de vida. Os principais são:baixo peso, rinite sanguinolente,coriza, obstrução nasal, prematuridade, osteocondrite, periostiteOu osteíte, choro ao manuseio, hepatomegalia, alterações respira-tórias/pneumonia, ictrícia, anemia severa, hidropisia, edema, pse-udoparalisia dos membros, fissura peribucal, condiloma plano, pên-figo palmo-plantar e outras lesões cutâneas.Sífilis congênita tardia – os sinais e sintomas surgem a partirdos 2 anos de vida: tíbia em lâmina de sabre, fronte olímpica, narizem sela, dentes incisivos medianos superiores deformados(dentesHutchison), mandíbula curta, arco palatino elevado, ceratite intersti-cial, surdez neurolólogica, dificuldade de aprendizado.
  15. 15. SÍFILIS CONGÊNITA
  16. 16. SÍFILIS CONGÊNITA
  17. 17. Diagnóstico Diferencial Sífilis primáriaCancro mole; herpes genital; donovanose; linfogranuloma venéreo. Sífilis secundária Farmacodemias; doenças exantemáticas não vesiculosas; hanseníase; virchowiana; colagenoses.
  18. 18. Exames Laboratoriais Pesquisa direta (campo escuro)- tecnica especifica de coleta para microscopia em campo escuro. Indicado: pesquisa em material da lesão ulcerada,suspeita das placas mucosas da fase secundária.Sorologia não treponêmica – VDRL exame qualitativo e quantitativo,importante para diagnóstico e seguimento pós-terapêutica, solicitar sempre:(em qualquer fase) todos os pacientes com DST, rotina pré-natal, e reativoapós 2 meses do aparecimento do cancro.Tratamento correto: negativo após 9 a 12 meses.Teste sorológico treponêmico (FTA-Abs Fluorescent treponema antigAbsorvent) exame qualitativo importante para confirmação da doença, reativoApós 15 dias de cancro.Não serve para seguimento da doença.Falso-positivo: hanseníase, malária, mononucleose, leptospirose, lupus erite-matoso sistêmico.
  19. 19. Tratamento Sífilis Primária:  Penicilina Benzantina 2.4 milhões UI, IM em dose (1.2 milhões U.I em cada Glúteo. Sífilis Secundária:  Penicilina Benzantina 2.4 milhões UI, IM, repetida após 1 semana. Total de 4.8 milhões UI. Sífilis Terciária:  Penicilina Benzantina 2.4 milhões UI, IM semanal, por 3 semanas. Total de 7.2 milhões U.I. Alergia à penicilina ou dessensibilização: Eritromicina (estearato/estolato) 500mg, VO de 6/6horas por 15 dias p/ sífilisRecente e por 30 dias p/ a sífilis tardia. Tetraciclina e Doxicilina, 100mg, VO, de 12/12horas, por 15 dias, na sífilisrecente e 30 dias na sífilis tardia.
  20. 20. Referências BibliograficasTALHARI, Sinésio. NEVES, René Garrido, Doença Sexualmente Transmissíveise Manifestações Cutâneas Associadas à AIDS. 2 ed. Manaus – 2002.BRASIL.M.S.Manual de Controle das DST. Brasilia,1999 – 3º edição.

×