05 sífilis

5.976 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.976
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
160
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

05 sífilis

  1. 1. Doenças Sexualmente Transmissíveis Sífilis Manaus/2007
  2. 2. Conceito A Sífilis é uma doença infecciosa, sistêmica, de evolução crônica,sujeita a surtos de agudização e períodos de latência
  3. 3. Agente etiológico Treponema pallidum A transmissão do treponema, na sífilis adquirida, é feita, principalmente, através da relação sexual.
  4. 4. Período de Incubação  A lesão inicial da sífilis, o cancro sífilitico, surge, em média, 10 a 30 dias depois da relação sexual, no local de penetração do treponema.
  5. 5. Classificação  Sífilis Primária  Sífilis Segundária  Sífilis Terciária  Sífilis congênita
  6. 6. Sífilis Primária  Inicia com uma ferida nos órgãos genitais, 1 a 2 semanas após o contágio. Essa ferida (Cancro duro) é indolor e surge com uma íngua na virilha. Nas mulheres, pode passar despercebida quando acomete os órgãos internos. Desaparece mesmo sem tratamento. Sintomalogia da sífilis primária – uma lesão indolor no local da infecção é denominado Cancro.
  7. 7. SÍFILIS PRIMÁRIA
  8. 8. Sífilis Segundária  Seis meses após o contágio, a doença se dissemina por todo o corpo através do sangue. Surgem manchas em várias partes do corpo, inclusive nas palmas das mãos e plantas dos pés, às vezes acompanhadas de febre, ínguas, queda de cabelo e mal-estar.Sintomatologia sífilis secundária – apartir do cancro original, levando a umaInfecção generalizada, que envolve tronco e as extremidades, incluindo aspalmas das mãos e as solas dos pés. Os sinais generalizado de infecçãopodem incluir linfadenopatia, artrite, meningite, Alopecia, febre, mal-estar e anorexia.
  9. 9. SÍFILIS SECUNDÁRIA
  10. 10. SÍFILIS SEGUNDÁRIA Fonte: Talhari & Neves,2002.
  11. 11. SÍFILIS SECUNDÁRIA Fonte: Talhari & Neves,2002.
  12. 12. Sífilis Terciária  Três anos ou mais após o contágio, a doença provoca lesões no coração, no cérebro e nos ossos, podendo Levar a pessoa à morteSintomatologia da sífilis terciária – neste estágio a sífilis se apresenta-secomo uma doença inflamatória lentamente progressiva com potencial paraAfetar múltiplos órgãos. As manifestações mais comum neste estágio são aaortite e a neurosífilis, conforme evidenciado por demência, psicose,paresia, AVD ou meningite.
  13. 13. Sífilis Congênita É uma infecção causada pela disseminação hematogê-nica do Treponema pallium,da gestante para o feto. Durante a gravidez, ela se transmite para o feto e pode levar ao aborto, parto prematuro, feto hidrópico, RN sin- tomático e assintomático, até a morte do bebê.Obs. A transmissão pode ocorrer em qualquer fase da gestação
  14. 14. SintomatologiaSífilis congênita precoce – sinais e sintoma surgem até os 2anos de vida. Os principais são:baixo peso, rinite sanguinolente,coriza, obstrução nasal, prematuridade, osteocondrite, periostiteOu osteíte, choro ao manuseio, hepatomegalia, alterações respira-tórias/pneumonia, ictrícia, anemia severa, hidropisia, edema, pse-udoparalisia dos membros, fissura peribucal, condiloma plano, pên-figo palmo-plantar e outras lesões cutâneas.Sífilis congênita tardia – os sinais e sintomas surgem a partirdos 2 anos de vida: tíbia em lâmina de sabre, fronte olímpica, narizem sela, dentes incisivos medianos superiores deformados(dentesHutchison), mandíbula curta, arco palatino elevado, ceratite intersti-cial, surdez neurolólogica, dificuldade de aprendizado.
  15. 15. SÍFILIS CONGÊNITA
  16. 16. SÍFILIS CONGÊNITA
  17. 17. Diagnóstico Diferencial Sífilis primáriaCancro mole; herpes genital; donovanose; linfogranuloma venéreo. Sífilis secundária Farmacodemias; doenças exantemáticas não vesiculosas; hanseníase; virchowiana; colagenoses.
  18. 18. Exames Laboratoriais Pesquisa direta (campo escuro)- tecnica especifica de coleta para microscopia em campo escuro. Indicado: pesquisa em material da lesão ulcerada,suspeita das placas mucosas da fase secundária.Sorologia não treponêmica – VDRL exame qualitativo e quantitativo,importante para diagnóstico e seguimento pós-terapêutica, solicitar sempre:(em qualquer fase) todos os pacientes com DST, rotina pré-natal, e reativoapós 2 meses do aparecimento do cancro.Tratamento correto: negativo após 9 a 12 meses.Teste sorológico treponêmico (FTA-Abs Fluorescent treponema antigAbsorvent) exame qualitativo importante para confirmação da doença, reativoApós 15 dias de cancro.Não serve para seguimento da doença.Falso-positivo: hanseníase, malária, mononucleose, leptospirose, lupus erite-matoso sistêmico.
  19. 19. Tratamento Sífilis Primária:  Penicilina Benzantina 2.4 milhões UI, IM em dose (1.2 milhões U.I em cada Glúteo. Sífilis Secundária:  Penicilina Benzantina 2.4 milhões UI, IM, repetida após 1 semana. Total de 4.8 milhões UI. Sífilis Terciária:  Penicilina Benzantina 2.4 milhões UI, IM semanal, por 3 semanas. Total de 7.2 milhões U.I. Alergia à penicilina ou dessensibilização: Eritromicina (estearato/estolato) 500mg, VO de 6/6horas por 15 dias p/ sífilisRecente e por 30 dias p/ a sífilis tardia. Tetraciclina e Doxicilina, 100mg, VO, de 12/12horas, por 15 dias, na sífilisrecente e 30 dias na sífilis tardia.
  20. 20. Referências BibliograficasTALHARI, Sinésio. NEVES, René Garrido, Doença Sexualmente Transmissíveise Manifestações Cutâneas Associadas à AIDS. 2 ed. Manaus – 2002.BRASIL.M.S.Manual de Controle das DST. Brasilia,1999 – 3º edição.

×