SlideShare uma empresa Scribd logo
Retratos da Deficiência
no Brasil
Marcelo Neri
com a colaboração de:
Alexandre Pinto
Wagner Soares
Hessia Costilla
“Retratos da Deficiência no Brasil é uma obra realizada pelo Centro de Políticas Sociais
da Fundação Getúlio Vargas que integra o Programa Diversidade, desenvolvido pela
Fundação Banco do Brasil”.
Retratos da deficiência no Brasil (PPD) / Marcelo Neri
...[et al.]. - Rio de Janeiro : FGV/IBRE, CPS, 2003.
250 p.
1. Deficientes - Brasil. 2. Discriminação contra o
deficiente - Brasil. 3. Inclusão social - Brasil. 4.
Deficientes - Mercado de trabalho - Brasil. I. Neri,
Marcelo Cortes. II. Fundação Getulio Vargas. Instituto
Brasileiro de Economia. Centro de Políticas
Sociais.
© 2003 CPS/IBRE/FGV 2003
todos os direitos reservados
CDD - 362.4
SUMÁRIO
Capítulo 1: Introdução
- Organização
Capítulo 2: Retratos da Deficiência
- Retratos Antigos da Deficiência: A Evolução do Conceito no Tempo
Inquéritos 1872, 1900 e Censo 1920
Censo de 1940
PNAD 1981
Censo 1991
PNAD 1998
PCV / SEADE 1998
- Retrato de Alta Definição: O Censo 2000
- Retrato Panorâmico da Deficiência
- Retrato Panorâmico da Percepção de Incapacidade
Capítulo 3: Mapas da Deficiência
- Análise de correlações entre Dados Espaciais
- Tabelas Espaciais
- Mapa da Diversidade
- Mapa de Ativos
- Mapa de Rendas
- Mapa da Pobreza
- Análise da Desigualdade
Decomposição da Desigualdade de Renda
Diferenciais de Salário
Capítulo 4: Inclusão Social e Políticas Setoriais
- Saúde
- Educação
- Esporte, Lazer e Cultura
- Família
- Ambiente Físico e Transporte
- Ações Compensatórias
Capítulo 5: Inclusão Empregatícia Formal
- Retratos da Inclusão Empregatícia Formal das PPDs
- Diferenciais de Salário
- Lei de Cotas: Conjunto de Leis Trabalhistas para as Pessoas com
Deficiência
- Análise Multivariada: Avaliação Empírica do Sistema de Cotas
- Efetividade e Potenciais Impactos da Lei de Cotas
- Políticas de Inclusão Trabalhista
Capítulo 6: Conclusão
Bibliografia
Apresentação
Fundação Banco do Brasil
Conhecer, divulgar e transformar
Contribuir com a transformação social do país através do desenvolvimento de
programas em diversas áreas, como educação, saúde, geração de trabalho e renda, meio
ambiente e inclusão social. Este é o trabalho da Fundação Banco do Brasil que, em 15
anos de atividade, esteve presente com suas ações em mais de 2,3 mil municípios
brasileiros. Atualmente a instituição pode convocar o testemunho de mais de 700
municípios que contam com pelo menos um de seus 10 programas sociais e de cerca de
3,2 milhões brasileiros – somente em 2002 - beneficiados por suas ações.
Tão diversos quanto os produtos do seu instituidor e tão abrangentes quanto a rede de
agências Banco do Brasil, os programas da Fundação atendem diferentes públicos: de
crianças e adolescentes com câncer a pequenos empreendedores urbanos e rurais, de
estudantes da rede pública de ensino a jovens e adultos que não tiveram a oportunidade
da alfabetização.
Com ações continuadas, a Fundação investe na identificação de processos que possam
ser reaplicados em diversas comunidades. A prática do investimento social e o apoio e
disseminação de soluções auto-sustentáveis se alinham à política estrutural do programa
Fome Zero, tanto na geração de renda quanto na produção de alimentos.
No âmbito da inclusão social, a Fundação tem buscado discutir a noção de diversidade.
Sinônimo de riqueza e de valorização das relações humanas, o tema é também um
princípio básico da cidadania, na medida em que todos os cidadãos devem ter o direito
de desenvolver suas potencialidades.
Nesse contexto, a instituição decidiu criar o seu programa Diversidade, cujo foco de
ação priorizado foi a pessoa portadora de deficiência. Traçar um retrato fiel de 24
milhões de brasileiros – de acordo com os dados apurados pelo Censo 2000 - requereu o
estabelecimento de parcerias. O objetivo era claro: produzir um trabalho que
contribuísse para a promoção da inclusão social de segmentos estigmatizados através da
articulação, geração e disseminação de conhecimento.
O lançamento da publicação Retratos da Deficiência no Brasil é o resultado desse
trabalho, que busca expor a realidade e os números que desvendam o universo das
pessoas portadoras de deficiência.
Nesse sentido, o Retratos da Deficiência no Brasil aborda, entre outras coisas, as
condições de moradia e a distribuição geográfica, os níveis de capacitação profissional e
o nível de renda, o acesso aos serviços públicos e privados, a expectativa e a qualidade
de vida das pessoas portadoras de deficiência.
Com essa pesquisa, realizada a partir da geração e compilação dos dados estatísticos e
de levantamento bibliográfico disponíveis sobre a deficiência, a Fundação Banco do
Brasil acredita colaborar com a redução da desinformação e do preconceito que
norteiam o tema, incentivar novas pesquisas, fomentar a discussão da diversidade e
contribuir para uma mudança cultural da sociedade.
Mais do que formas de representar pessoas, coisas e situações, os retratos têm o poder
de despertar, conscientizar, retratar, mobilizar e corrigir. Retratos da Deficiência no
Brasil chegou para isso. Afinal, a diversidade inclui todo mundo - inclui você.
Jacques Pena
Presidente
Fundação Banco do Brasil
Apresentação
Fundação Getulio Vargas
Há mais de meio século, quando o inesquecível Luiz Simões Lopes, com seu idealismo,
e perseverança, conseguiu lançar a idéia da criação de uma entidade voltada ao preparo
de pessoal qualificado para a administração pública e privada, logo ao ser ela
implantada e aprovado seu estatuto, expandiu-se o seu objetivo: do campo restrito da
administração passou ao mais amplo das ciências sociais; não se limitou ao ensino e
estendeu-se também à pesquisa e à informação.
A Fundação Getulio Vargas, desde 1944, incorpora de maneira contínua tecnologia,
pesquisa científica, gestão de informação e capacitação acadêmica e profissional na sua
prestação de serviços para a sociedade brasileira. A missão da FGV é “Avançar nas
fronteiras do conhecimento na área das Ciências Sociais e afins, produzindo e
transmitindo idéias, dados e informações, além de conservá-las e sistematizá-las, de
modo a contribuir para o desenvolvimento sócio-econômico do país, para melhoria dos
padrões éticos nacionais, para uma governança responsável e compartilhada e para a
inserção do país no cenário internacional."
Criado em 1951, o Instituto Brasileiro de Economia funciona como Think Tank da
Fundação Getulio Vargas. É responsável pelo levantamento dos dados que servem de
base para o cálculo dos índices de preço mais utilizados no país. Foi o IBRE que, pela
primeira vez, contabilizou o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.
O IBRE é composto pelos seguintes setores: DGD - Divisão de Gestão de Dados, que
engloba os núcleos de estudos de preços, custos e estatísticas; CPS - Centro de Políticas
Sociais; CEA - Centro de Estudos Agrícolas; COOP - Coordenadoria de Projetos; e
Divisão de Publicações e Eventos, responsável pela publicação das revistas Conjuntura
Econômica e Agroanalysis e pelo desenvolvimento e realização de seminários onde
grandes questões econômicas nacionais e internacionais são discutidas e analisadas.
O Centro de Políticas Sociais (CCPPSS) é a área da Fundação Getulio Vargas que busca
estreitar as relações entre a pesquisa aplicada e a implantação de políticas de inclusão
social. O CPS busca através da geração de estatísticas e análises, do levantamento de
pesquisas de campo, do processamento de microdados, do treinamento de gestores e da
participação ativa no debate público contribuir para o desenho e implementação de
iniciativas sociais, públicas ou privadas, setoriais ou gerais, a níveis nacional, local ou
internacional. O CPS disponibiliza seus estudos e estatísticas através de artigos em
jornais e revistas e de textos acadêmicos tornados públicos em revistas especializadas,
congressos e seminários.
As pessoas com deficiência possuem limitações físicas ou mentais que muitas vezes não
as incapacitam, ou provocam desvantagens para determinada atividade, mas geram
estigmas individuais e coletivos. Essas deficiências sociais se apresentam como
desvantagens, uma vez que estereótipos e discriminações impedem que a pessoa com
deficiência tenha vida normal em sociedade. Uma das principais fontes de preconceitos
é a desinformação existente acerca das potencialidades, desejos e dificuldades, deste
grupo da população. Ajudar a preencher esta lacuna constitui a principal contribuição da
presente pesquisa.
Carlos Ivan Simonsen Leal
Presidente da Fundação Getúlio Vargas
Agradecimentos
Para concretizar esse trabalho, a Fundação Banco do Brasil e a Fundação Getúlio
Vargas contaram com o importante apoio de diversas pessoas e instituições.
Aos profissionais e voluntários, aos dirigentes de organizações governamentais e não
governamentais e aos incentivadores que possibilitaram revelar através de pesquisas os
Retratos da Deficiência no Brasil, queremos registrar nosso muito obrigado.
Em especial, agradecemos à Secretaria Especial de Desenvolvimento Humano, ao
Conade, à Corde, ao IBGE, à Rede Saci/USP, ao Ministério Público, ao Insti tuto Guga
Kuerten, ao IPEA, ao Senac Terceiro Setor, à OIT Brasil, à Escola de Gente, à Andi, à
Fundação Maurício Sirotski Sobrinho, ao Instituo Anis, ao Instituto Laramara, à Revista
Sentidos, à UFRJ/NCE, ao Ceal, à Fundação Catarinense de Educação Especi al e à
APABB. O comentário de Maria Teresa Mantoan e Eugênia Augusta Gonzaga Fávero
foi de fundamental importância no fechamento da pesquisa, a elas o nosso muito
obrigado.
À diretoria da Fundação Banco do Brasil, e em particular a carlos frederico vieira, à
Cristina de Albuquerque Berçot, à Dulcejane de Souza Vaz e à Gleice Assumpção.
A Maurício de Faria, Iracema de Moraes e Carlos Henriques Marcondes, a Luis
Gonzaga Leite, Sérgio Herdy, Evelyse Mendes, Marieta Ferreira, Bertholdo Monteiro e
José Gil Dieguez agradecemos pelo apoio no desenvolvimento da pesquisa.
A todos os demais integrantes da equipe do CPS, em particular à Alessandra Pieroni,
Cristiane Soares, Fabiano Giovanini, Hugo Simas, Juliana Leite, Luisa Carvalhaes,
Raquel Luzente, Renata Pedro e Samanta Monte. A Marcos Côrtes e Ana Paula Pereira
Lopes pelo exemplo de vida.
Agradecemos, enfim, a todas as pessoas e instituições que efetivamente apóiam o
programa Diversidade e a inclusão social.
Prefácio
O azul, branco e vermelho está associado aos ideais da revolução francesa:
solidariedade, igualdade e fraternidade. Agora se fosse para associar atributos ao nosso
verde e amarelo, o que você escolheria?
Eu diria diversidade e desigualdade. Desigualdade é uma marca brasileira que
tem passado incólume ao longo dos séculos. Amarelo do ouro extraído, inicialmente por
índios, depois por africanos, os últimos escravos do hemisfério ocidental a serem
libertados. Somos o país mais desigual do continente mais desigual do planeta. Estamos
a pelo menos três décadas no podium mundial da iniqüidade de renda.
Já a diversidade brasileira está em cada um, tendo sido comparada a um
caldeirão fervente mesclando etnias, crenças e religiões. A toda hora repetimos, como se
para convencer a nós mesmos, que aqui não existe discriminação. Na nossa pseudo-
democracia racial todos tem mesma cor, digamos verde de vários tons. Verde que te
quero verde da diversidade das nossas matas. Verde uma cor secundária, resultado da
combinação do amarelo com o tudo azul, captaria a amálgama da diversidade brasileira.
Só que no Brasil, os verdes mais escuros costumam morar em barracos e subir no
elevador dos fundos dos prédios dos verdes claros.
O combate à pobreza e à desigualdade passa por reconhecer diferenças e impedir
que estas diferenças se traduzam em desigualdades. Diversidade não deve ser sinônimo
de adversidade para os diferentes. O que pode ser feito para colocar os grupos
historicamente excluídos como mulheres negras e/ou deficientes em situação de
igualdade com o restante da população? São válidas políticas que usem a desigualdade
inicial para conseguir a equidade? Isto significaria tratar os desiguais na medida da sua
desigualdade. Mas para isto a sociedade precisa conhecer em profundidade cada grupo
excluído. A deficiência de conhecimentos é particularmente alta em relação ao grupo de
pessoas com deficiência.
Existem diferenças entre grupos do tema diversidade. A deficiência é uma
característica adquirida assim como, por exemplo, a pobreza ou a idade, já gênero e raça
são atributos fixos. Toda pessoa é passível de adquirir alguma deficiência física ou
mental ao longo do seu ciclo de vida. A proteção social neste caso está também ligada à
noção de risco de qualquer adquirir alguma deficiência. Este aspecto contrasta com
políticas sociais ligadas a outros grupos excluídos como afro-descendentes quando
falamos de mudanças distributivas. O tratamento das políticas públicas à questão da
deficiência está relacionado a um seguro social de caráter universal.
O grupo de pessoas com deficiência é pioneiro em algumas conquistas sociais.
Por exemplo, enquanto a sociedade brasileira começa a debater a implementação de
cotas para afro-descendentes, já existe uma lei de cotas em operação para pessoas com
deficiência. A política de assistência social constitui outro exemplo do pionerismo das
pessoas com deficiência, a Constituição brasileira garante um salário mínimo mensal às
pessoas com deficiência que são miseráveis. A análise dessas políticas sociais pode
gerar lições relevantes não só para as pessoas com deficiência como para outros grupos
do tema diversidade. Agora , o pioneirismo significa a necessidade constante de
aprimorar políticas.
Esta monografia traça um retrato do universo das pessoas com deficiência, cuja
temática responde a perguntas tais como quantos são, quem são, onde moram, o que
fazem. A partir do diagnóstico propomos alternativas de políticas de inclusão social,
passando por diferentes canais de inserção como escola, saúde, família, transferências
de renda, até a sua inclusão trabalhista, anseio de todo cidadão. O leitor está convidado
a explorar o extenso banco de dados disponibilizado, com estatísticas, leis e referências
bibliográficas de forma a permitir a cada um elaborar os seus próprios retratos das
pessoas com deficiência.
A principal característica da pesquisa é a sua multidimensionalidade uma vez
que abordamos diversos tipos e graus de deficiência combinados com uma variedade de
atributos sócio-demográficos e políticas associadas usando múltiplas bases de dados
referentes a momentos distintos, isto num país de dimensões continentais com níveis de
desigualdade e heterogeneidade do Brasil. Esta complexidade deve ser resumida para
que possamos dar conta da floresta sem perder de perspectiva a diversidade de suas
árvores1
.
A abordagem aqui adotada é baseada na aplicação de técnicas empíricas a dados
estatísticos, em particular através do processamento de uma formidável coleção de
microdados, correspondendo às respostas de dezenas de milhões de brasileiros
efetivamente entrevistados ao longo de décadas. Na apresentação dos resultados fomos
fiéis aos termos usados nos questionários de cada época em que os mesmos foram
1
Um verso do Dharma Body of the Buda diz: rosas, rosas, rosas; as flores são fáceis de pintar; as folhas
difíceis. As pessoas em seus infinitos nuances são mais difíceis e desafiadoras de retratar do que folhas,
árvores ou florestas .
aplicados. Como os primeiros dados analisados datam desde antes da abolição da
escravatura no país, é natural que a terminologia então usada, pareça hoje inadequada. A
melhor forma de respeitar a opinião dos entrevistados de cada época é preservar o
contexto em que a informação foi coletada. Apesar da restrição artística imposta pela
estrutura das perguntas sobre deficiências contidas nos questionários, não nos
permitimos retocar os auto-retratos pintados por sucessivas gerações de brasileiros.
Cabe lembrar que perseguimos durante todo texto uma perspectiva inclusiva das
pessoas e de suas opiniões. Olhamos mais para potencialidades do que para carências;
nos preocupamos mais com os estoques de riqueza do que com a insuficiência da renda;
defendemos mais políticas estruturais que possibilitem a geração de renda futura do que
políticas que busquem apenas compensar problemas passados. buscamos apreender
mais com as respostas diretas das pessoas com deficiência, os verdadeiros protagonistas
de sua inclusão social, do que tentar ensiná-las o que elas já sabem, e a maioria de nós
ainda não consegue perceber.
Marcelo Neri
Chefe do Centro de Políticas Sociais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Edital 112 2014 sagi
Edital 112 2014 sagiEdital 112 2014 sagi
O ibrappiano ed1.17 ONLINE
O ibrappiano ed1.17 ONLINEO ibrappiano ed1.17 ONLINE
O ibrappiano ed1.17 ONLINE
IBRAPP Share
 
Cadernos de Estudos: Desenvolvimento Social em Debate - número 23
Cadernos de Estudos: Desenvolvimento Social em Debate - número 23Cadernos de Estudos: Desenvolvimento Social em Debate - número 23
Cadernos de Estudos: Desenvolvimento Social em Debate - número 23
Secretaria Especial do Desenvolvimento Social
 
O Brasil sem miséria
O Brasil sem misériaO Brasil sem miséria
Coordenação e gestão local de programas integrados de atenção à primeira infâ...
Coordenação e gestão local de programas integrados de atenção à primeira infâ...Coordenação e gestão local de programas integrados de atenção à primeira infâ...
Coordenação e gestão local de programas integrados de atenção à primeira infâ...
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Relatório de atividades semas
Relatório de atividades semasRelatório de atividades semas
Relatório de atividades semas
Cicero Coutinho
 
Cadernos de Estudos nº 17: Desenvolvimento Social em Debate
Cadernos de Estudos nº 17: Desenvolvimento Social em DebateCadernos de Estudos nº 17: Desenvolvimento Social em Debate
Cadernos de Estudos nº 17: Desenvolvimento Social em Debate
Secretaria Especial do Desenvolvimento Social
 
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAELAPRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
“História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil”
“História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil”“História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil”
“História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil”
Rosane Domingues
 
Apresentação gt da igualdade racial 2017
Apresentação gt da igualdade racial 2017Apresentação gt da igualdade racial 2017
Apresentação gt da igualdade racial 2017
Eudmar nunes bastos
 
História do movimento político das pessoas com deficiência n
História do movimento político das pessoas com deficiência nHistória do movimento político das pessoas com deficiência n
História do movimento político das pessoas com deficiência n
uberlandiaacessivel
 
Projeto educação fiscal e cidadania
Projeto educação fiscal e cidadaniaProjeto educação fiscal e cidadania
Projeto educação fiscal e cidadania
midiasnaeducacaonte01
 
Historia do Movimento PcD no Brasil
Historia do Movimento PcD no BrasilHistoria do Movimento PcD no Brasil
Historia do Movimento PcD no Brasil
Scott Rains
 
Cadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em Debate
Cadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em DebateCadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em Debate
Cadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em Debate
Secretaria Especial do Desenvolvimento Social
 
Flac 2012
Flac 2012Flac 2012
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
Luciano Silveira
 
Perfil das pessoas e famílias no Cadastro Único do Governo Federal - 2013
Perfil das pessoas e famílias no Cadastro Único do Governo Federal - 2013 Perfil das pessoas e famílias no Cadastro Único do Governo Federal - 2013
Perfil das pessoas e famílias no Cadastro Único do Governo Federal - 2013
Secretaria Especial do Desenvolvimento Social
 
Pro jovem Adolescente - Apresentação do Programa
Pro jovem Adolescente - Apresentação do ProgramaPro jovem Adolescente - Apresentação do Programa
Pro jovem Adolescente - Apresentação do Programa
Adilson P Motta Motta
 
Projeto ong
Projeto ongProjeto ong
Projeto ong
alphaju
 
Cadastro unico : Grupos Populacionais.
Cadastro unico : Grupos Populacionais.Cadastro unico : Grupos Populacionais.
Cadastro unico : Grupos Populacionais.
Italo Mota
 

Mais procurados (20)

Edital 112 2014 sagi
Edital 112 2014 sagiEdital 112 2014 sagi
Edital 112 2014 sagi
 
O ibrappiano ed1.17 ONLINE
O ibrappiano ed1.17 ONLINEO ibrappiano ed1.17 ONLINE
O ibrappiano ed1.17 ONLINE
 
Cadernos de Estudos: Desenvolvimento Social em Debate - número 23
Cadernos de Estudos: Desenvolvimento Social em Debate - número 23Cadernos de Estudos: Desenvolvimento Social em Debate - número 23
Cadernos de Estudos: Desenvolvimento Social em Debate - número 23
 
O Brasil sem miséria
O Brasil sem misériaO Brasil sem miséria
O Brasil sem miséria
 
Coordenação e gestão local de programas integrados de atenção à primeira infâ...
Coordenação e gestão local de programas integrados de atenção à primeira infâ...Coordenação e gestão local de programas integrados de atenção à primeira infâ...
Coordenação e gestão local de programas integrados de atenção à primeira infâ...
 
Relatório de atividades semas
Relatório de atividades semasRelatório de atividades semas
Relatório de atividades semas
 
Cadernos de Estudos nº 17: Desenvolvimento Social em Debate
Cadernos de Estudos nº 17: Desenvolvimento Social em DebateCadernos de Estudos nº 17: Desenvolvimento Social em Debate
Cadernos de Estudos nº 17: Desenvolvimento Social em Debate
 
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAELAPRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
 
“História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil”
“História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil”“História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil”
“História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil”
 
Apresentação gt da igualdade racial 2017
Apresentação gt da igualdade racial 2017Apresentação gt da igualdade racial 2017
Apresentação gt da igualdade racial 2017
 
História do movimento político das pessoas com deficiência n
História do movimento político das pessoas com deficiência nHistória do movimento político das pessoas com deficiência n
História do movimento político das pessoas com deficiência n
 
Projeto educação fiscal e cidadania
Projeto educação fiscal e cidadaniaProjeto educação fiscal e cidadania
Projeto educação fiscal e cidadania
 
Historia do Movimento PcD no Brasil
Historia do Movimento PcD no BrasilHistoria do Movimento PcD no Brasil
Historia do Movimento PcD no Brasil
 
Cadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em Debate
Cadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em DebateCadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em Debate
Cadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em Debate
 
Flac 2012
Flac 2012Flac 2012
Flac 2012
 
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
 
Perfil das pessoas e famílias no Cadastro Único do Governo Federal - 2013
Perfil das pessoas e famílias no Cadastro Único do Governo Federal - 2013 Perfil das pessoas e famílias no Cadastro Único do Governo Federal - 2013
Perfil das pessoas e famílias no Cadastro Único do Governo Federal - 2013
 
Pro jovem Adolescente - Apresentação do Programa
Pro jovem Adolescente - Apresentação do ProgramaPro jovem Adolescente - Apresentação do Programa
Pro jovem Adolescente - Apresentação do Programa
 
Projeto ong
Projeto ongProjeto ong
Projeto ong
 
Cadastro unico : Grupos Populacionais.
Cadastro unico : Grupos Populacionais.Cadastro unico : Grupos Populacionais.
Cadastro unico : Grupos Populacionais.
 

Semelhante a Retratos da deficiencia no brasil

Guia direitos idosos
Guia direitos idososGuia direitos idosos
Guia direitos idosos
Mauro Moraes
 
Apresentação CIEE
Apresentação CIEEApresentação CIEE
Apresentação CIEE
Fórum Habilis
 
Projeto incentivo srf
Projeto incentivo srfProjeto incentivo srf
Projeto incentivo srf
Rosane Fontoura
 
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Projeto de-vida-caminhos (1)
Projeto de-vida-caminhos (1)Projeto de-vida-caminhos (1)
Projeto de-vida-caminhos (1)
Valcemi Ferreira
 
Projeto de vida: Caminhos para o desenvolvimento integral
Projeto de vida: Caminhos para o desenvolvimento integralProjeto de vida: Caminhos para o desenvolvimento integral
Projeto de vida: Caminhos para o desenvolvimento integral
Vocação
 
Fortalecendo Projetos de Vida
Fortalecendo Projetos de VidaFortalecendo Projetos de Vida
Fortalecendo Projetos de Vida
Vocação
 
Mapeamentos
MapeamentosMapeamentos
Mapeamentos
efnaristo
 
Artigo publicado sobre a percepção de jovens aprendizes
Artigo publicado  sobre a percepção de jovens aprendizes Artigo publicado  sobre a percepção de jovens aprendizes
Artigo publicado sobre a percepção de jovens aprendizes
Silvia Costa
 
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor SociedadeMais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
JSD Distrital de Lisboa
 
Midia e deficiencia
Midia e deficienciaMidia e deficiencia
Midia e deficiencia
Eduardo Prado
 
Política Nacional PIAJ Cáritas.pdf
Política Nacional PIAJ Cáritas.pdfPolítica Nacional PIAJ Cáritas.pdf
Política Nacional PIAJ Cáritas.pdf
KNHBrasilSECOeBahia
 
Pindoretama2009
Pindoretama2009Pindoretama2009
Projeto Escola Viva Construindo
Projeto Escola Viva ConstruindoProjeto Escola Viva Construindo
Projeto Escola Viva Construindo
asustecnologia
 
12.2.8. #1 maria piedade brandão
12.2.8. #1 maria piedade brandão12.2.8. #1 maria piedade brandão
12.2.8. #1 maria piedade brandão
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Catalogo de estratégias comunitarias
Catalogo de estratégias comunitariasCatalogo de estratégias comunitarias
Catalogo de estratégias comunitarias
Alinebrauna Brauna
 
Diagnóstico Social de Edealina
Diagnóstico Social de EdealinaDiagnóstico Social de Edealina
Diagnóstico Social de Edealina
Cras Edealina
 
Livro "O Jovem e Seu Projeto de Vida"
Livro "O Jovem e Seu Projeto de Vida"Livro "O Jovem e Seu Projeto de Vida"
Livro "O Jovem e Seu Projeto de Vida"
Vocação
 
Suas e a Primeira Infância
Suas e a Primeira InfânciaSuas e a Primeira Infância
Suas e a Primeira Infância
Isabela Ferreira
 
13 suas case vermelho
13  suas case vermelho13  suas case vermelho
13 suas case vermelho
Alinebrauna Brauna
 

Semelhante a Retratos da deficiencia no brasil (20)

Guia direitos idosos
Guia direitos idososGuia direitos idosos
Guia direitos idosos
 
Apresentação CIEE
Apresentação CIEEApresentação CIEE
Apresentação CIEE
 
Projeto incentivo srf
Projeto incentivo srfProjeto incentivo srf
Projeto incentivo srf
 
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
 
Projeto de-vida-caminhos (1)
Projeto de-vida-caminhos (1)Projeto de-vida-caminhos (1)
Projeto de-vida-caminhos (1)
 
Projeto de vida: Caminhos para o desenvolvimento integral
Projeto de vida: Caminhos para o desenvolvimento integralProjeto de vida: Caminhos para o desenvolvimento integral
Projeto de vida: Caminhos para o desenvolvimento integral
 
Fortalecendo Projetos de Vida
Fortalecendo Projetos de VidaFortalecendo Projetos de Vida
Fortalecendo Projetos de Vida
 
Mapeamentos
MapeamentosMapeamentos
Mapeamentos
 
Artigo publicado sobre a percepção de jovens aprendizes
Artigo publicado  sobre a percepção de jovens aprendizes Artigo publicado  sobre a percepção de jovens aprendizes
Artigo publicado sobre a percepção de jovens aprendizes
 
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor SociedadeMais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
 
Midia e deficiencia
Midia e deficienciaMidia e deficiencia
Midia e deficiencia
 
Política Nacional PIAJ Cáritas.pdf
Política Nacional PIAJ Cáritas.pdfPolítica Nacional PIAJ Cáritas.pdf
Política Nacional PIAJ Cáritas.pdf
 
Pindoretama2009
Pindoretama2009Pindoretama2009
Pindoretama2009
 
Projeto Escola Viva Construindo
Projeto Escola Viva ConstruindoProjeto Escola Viva Construindo
Projeto Escola Viva Construindo
 
12.2.8. #1 maria piedade brandão
12.2.8. #1 maria piedade brandão12.2.8. #1 maria piedade brandão
12.2.8. #1 maria piedade brandão
 
Catalogo de estratégias comunitarias
Catalogo de estratégias comunitariasCatalogo de estratégias comunitarias
Catalogo de estratégias comunitarias
 
Diagnóstico Social de Edealina
Diagnóstico Social de EdealinaDiagnóstico Social de Edealina
Diagnóstico Social de Edealina
 
Livro "O Jovem e Seu Projeto de Vida"
Livro "O Jovem e Seu Projeto de Vida"Livro "O Jovem e Seu Projeto de Vida"
Livro "O Jovem e Seu Projeto de Vida"
 
Suas e a Primeira Infância
Suas e a Primeira InfânciaSuas e a Primeira Infância
Suas e a Primeira Infância
 
13 suas case vermelho
13  suas case vermelho13  suas case vermelho
13 suas case vermelho
 

Mais de Rosane Domingues

Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Rosane Domingues
 
Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia
Rosane Domingues
 
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - InovaAcolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
Rosane Domingues
 
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELOAcolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
Rosane Domingues
 
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
Rosane Domingues
 
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
Rosane Domingues
 
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Rosane Domingues
 
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Rosane Domingues
 
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Rosane Domingues
 
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
Rosane Domingues
 
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
Rosane Domingues
 
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIALMANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
Rosane Domingues
 
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
Rosane Domingues
 
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
Rosane Domingues
 
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
Plano municipal - CULTURA- social  - 2012Plano municipal - CULTURA- social  - 2012
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
Rosane Domingues
 
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
Rosane Domingues
 

Mais de Rosane Domingues (20)

Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
 
Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia
 
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - InovaAcolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
 
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELOAcolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
 
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
 
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
 
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
 
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
 
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
 
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
 
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
 
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIALMANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
 
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
 
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
 
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
Plano municipal - CULTURA- social  - 2012Plano municipal - CULTURA- social  - 2012
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
 
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
 
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
 
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 

Último

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 

Último (20)

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 

Retratos da deficiencia no brasil

  • 1. Retratos da Deficiência no Brasil Marcelo Neri com a colaboração de: Alexandre Pinto Wagner Soares Hessia Costilla
  • 2. “Retratos da Deficiência no Brasil é uma obra realizada pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas que integra o Programa Diversidade, desenvolvido pela Fundação Banco do Brasil”. Retratos da deficiência no Brasil (PPD) / Marcelo Neri ...[et al.]. - Rio de Janeiro : FGV/IBRE, CPS, 2003. 250 p. 1. Deficientes - Brasil. 2. Discriminação contra o deficiente - Brasil. 3. Inclusão social - Brasil. 4. Deficientes - Mercado de trabalho - Brasil. I. Neri, Marcelo Cortes. II. Fundação Getulio Vargas. Instituto Brasileiro de Economia. Centro de Políticas Sociais. © 2003 CPS/IBRE/FGV 2003 todos os direitos reservados CDD - 362.4
  • 3. SUMÁRIO Capítulo 1: Introdução - Organização Capítulo 2: Retratos da Deficiência - Retratos Antigos da Deficiência: A Evolução do Conceito no Tempo Inquéritos 1872, 1900 e Censo 1920 Censo de 1940 PNAD 1981 Censo 1991 PNAD 1998 PCV / SEADE 1998 - Retrato de Alta Definição: O Censo 2000 - Retrato Panorâmico da Deficiência - Retrato Panorâmico da Percepção de Incapacidade Capítulo 3: Mapas da Deficiência - Análise de correlações entre Dados Espaciais - Tabelas Espaciais - Mapa da Diversidade - Mapa de Ativos - Mapa de Rendas - Mapa da Pobreza - Análise da Desigualdade Decomposição da Desigualdade de Renda Diferenciais de Salário
  • 4. Capítulo 4: Inclusão Social e Políticas Setoriais - Saúde - Educação - Esporte, Lazer e Cultura - Família - Ambiente Físico e Transporte - Ações Compensatórias Capítulo 5: Inclusão Empregatícia Formal - Retratos da Inclusão Empregatícia Formal das PPDs - Diferenciais de Salário - Lei de Cotas: Conjunto de Leis Trabalhistas para as Pessoas com Deficiência - Análise Multivariada: Avaliação Empírica do Sistema de Cotas - Efetividade e Potenciais Impactos da Lei de Cotas - Políticas de Inclusão Trabalhista Capítulo 6: Conclusão Bibliografia
  • 5. Apresentação Fundação Banco do Brasil Conhecer, divulgar e transformar Contribuir com a transformação social do país através do desenvolvimento de programas em diversas áreas, como educação, saúde, geração de trabalho e renda, meio ambiente e inclusão social. Este é o trabalho da Fundação Banco do Brasil que, em 15 anos de atividade, esteve presente com suas ações em mais de 2,3 mil municípios brasileiros. Atualmente a instituição pode convocar o testemunho de mais de 700 municípios que contam com pelo menos um de seus 10 programas sociais e de cerca de 3,2 milhões brasileiros – somente em 2002 - beneficiados por suas ações. Tão diversos quanto os produtos do seu instituidor e tão abrangentes quanto a rede de agências Banco do Brasil, os programas da Fundação atendem diferentes públicos: de crianças e adolescentes com câncer a pequenos empreendedores urbanos e rurais, de estudantes da rede pública de ensino a jovens e adultos que não tiveram a oportunidade da alfabetização. Com ações continuadas, a Fundação investe na identificação de processos que possam ser reaplicados em diversas comunidades. A prática do investimento social e o apoio e disseminação de soluções auto-sustentáveis se alinham à política estrutural do programa Fome Zero, tanto na geração de renda quanto na produção de alimentos. No âmbito da inclusão social, a Fundação tem buscado discutir a noção de diversidade. Sinônimo de riqueza e de valorização das relações humanas, o tema é também um princípio básico da cidadania, na medida em que todos os cidadãos devem ter o direito de desenvolver suas potencialidades. Nesse contexto, a instituição decidiu criar o seu programa Diversidade, cujo foco de ação priorizado foi a pessoa portadora de deficiência. Traçar um retrato fiel de 24 milhões de brasileiros – de acordo com os dados apurados pelo Censo 2000 - requereu o
  • 6. estabelecimento de parcerias. O objetivo era claro: produzir um trabalho que contribuísse para a promoção da inclusão social de segmentos estigmatizados através da articulação, geração e disseminação de conhecimento. O lançamento da publicação Retratos da Deficiência no Brasil é o resultado desse trabalho, que busca expor a realidade e os números que desvendam o universo das pessoas portadoras de deficiência. Nesse sentido, o Retratos da Deficiência no Brasil aborda, entre outras coisas, as condições de moradia e a distribuição geográfica, os níveis de capacitação profissional e o nível de renda, o acesso aos serviços públicos e privados, a expectativa e a qualidade de vida das pessoas portadoras de deficiência. Com essa pesquisa, realizada a partir da geração e compilação dos dados estatísticos e de levantamento bibliográfico disponíveis sobre a deficiência, a Fundação Banco do Brasil acredita colaborar com a redução da desinformação e do preconceito que norteiam o tema, incentivar novas pesquisas, fomentar a discussão da diversidade e contribuir para uma mudança cultural da sociedade. Mais do que formas de representar pessoas, coisas e situações, os retratos têm o poder de despertar, conscientizar, retratar, mobilizar e corrigir. Retratos da Deficiência no Brasil chegou para isso. Afinal, a diversidade inclui todo mundo - inclui você. Jacques Pena Presidente Fundação Banco do Brasil
  • 7. Apresentação Fundação Getulio Vargas Há mais de meio século, quando o inesquecível Luiz Simões Lopes, com seu idealismo, e perseverança, conseguiu lançar a idéia da criação de uma entidade voltada ao preparo de pessoal qualificado para a administração pública e privada, logo ao ser ela implantada e aprovado seu estatuto, expandiu-se o seu objetivo: do campo restrito da administração passou ao mais amplo das ciências sociais; não se limitou ao ensino e estendeu-se também à pesquisa e à informação. A Fundação Getulio Vargas, desde 1944, incorpora de maneira contínua tecnologia, pesquisa científica, gestão de informação e capacitação acadêmica e profissional na sua prestação de serviços para a sociedade brasileira. A missão da FGV é “Avançar nas fronteiras do conhecimento na área das Ciências Sociais e afins, produzindo e transmitindo idéias, dados e informações, além de conservá-las e sistematizá-las, de modo a contribuir para o desenvolvimento sócio-econômico do país, para melhoria dos padrões éticos nacionais, para uma governança responsável e compartilhada e para a inserção do país no cenário internacional." Criado em 1951, o Instituto Brasileiro de Economia funciona como Think Tank da Fundação Getulio Vargas. É responsável pelo levantamento dos dados que servem de base para o cálculo dos índices de preço mais utilizados no país. Foi o IBRE que, pela primeira vez, contabilizou o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. O IBRE é composto pelos seguintes setores: DGD - Divisão de Gestão de Dados, que engloba os núcleos de estudos de preços, custos e estatísticas; CPS - Centro de Políticas Sociais; CEA - Centro de Estudos Agrícolas; COOP - Coordenadoria de Projetos; e Divisão de Publicações e Eventos, responsável pela publicação das revistas Conjuntura Econômica e Agroanalysis e pelo desenvolvimento e realização de seminários onde grandes questões econômicas nacionais e internacionais são discutidas e analisadas.
  • 8. O Centro de Políticas Sociais (CCPPSS) é a área da Fundação Getulio Vargas que busca estreitar as relações entre a pesquisa aplicada e a implantação de políticas de inclusão social. O CPS busca através da geração de estatísticas e análises, do levantamento de pesquisas de campo, do processamento de microdados, do treinamento de gestores e da participação ativa no debate público contribuir para o desenho e implementação de iniciativas sociais, públicas ou privadas, setoriais ou gerais, a níveis nacional, local ou internacional. O CPS disponibiliza seus estudos e estatísticas através de artigos em jornais e revistas e de textos acadêmicos tornados públicos em revistas especializadas, congressos e seminários. As pessoas com deficiência possuem limitações físicas ou mentais que muitas vezes não as incapacitam, ou provocam desvantagens para determinada atividade, mas geram estigmas individuais e coletivos. Essas deficiências sociais se apresentam como desvantagens, uma vez que estereótipos e discriminações impedem que a pessoa com deficiência tenha vida normal em sociedade. Uma das principais fontes de preconceitos é a desinformação existente acerca das potencialidades, desejos e dificuldades, deste grupo da população. Ajudar a preencher esta lacuna constitui a principal contribuição da presente pesquisa. Carlos Ivan Simonsen Leal Presidente da Fundação Getúlio Vargas
  • 9. Agradecimentos Para concretizar esse trabalho, a Fundação Banco do Brasil e a Fundação Getúlio Vargas contaram com o importante apoio de diversas pessoas e instituições. Aos profissionais e voluntários, aos dirigentes de organizações governamentais e não governamentais e aos incentivadores que possibilitaram revelar através de pesquisas os Retratos da Deficiência no Brasil, queremos registrar nosso muito obrigado. Em especial, agradecemos à Secretaria Especial de Desenvolvimento Humano, ao Conade, à Corde, ao IBGE, à Rede Saci/USP, ao Ministério Público, ao Insti tuto Guga Kuerten, ao IPEA, ao Senac Terceiro Setor, à OIT Brasil, à Escola de Gente, à Andi, à Fundação Maurício Sirotski Sobrinho, ao Instituo Anis, ao Instituto Laramara, à Revista Sentidos, à UFRJ/NCE, ao Ceal, à Fundação Catarinense de Educação Especi al e à APABB. O comentário de Maria Teresa Mantoan e Eugênia Augusta Gonzaga Fávero foi de fundamental importância no fechamento da pesquisa, a elas o nosso muito obrigado. À diretoria da Fundação Banco do Brasil, e em particular a carlos frederico vieira, à Cristina de Albuquerque Berçot, à Dulcejane de Souza Vaz e à Gleice Assumpção. A Maurício de Faria, Iracema de Moraes e Carlos Henriques Marcondes, a Luis Gonzaga Leite, Sérgio Herdy, Evelyse Mendes, Marieta Ferreira, Bertholdo Monteiro e José Gil Dieguez agradecemos pelo apoio no desenvolvimento da pesquisa. A todos os demais integrantes da equipe do CPS, em particular à Alessandra Pieroni, Cristiane Soares, Fabiano Giovanini, Hugo Simas, Juliana Leite, Luisa Carvalhaes, Raquel Luzente, Renata Pedro e Samanta Monte. A Marcos Côrtes e Ana Paula Pereira Lopes pelo exemplo de vida. Agradecemos, enfim, a todas as pessoas e instituições que efetivamente apóiam o programa Diversidade e a inclusão social.
  • 10. Prefácio O azul, branco e vermelho está associado aos ideais da revolução francesa: solidariedade, igualdade e fraternidade. Agora se fosse para associar atributos ao nosso verde e amarelo, o que você escolheria? Eu diria diversidade e desigualdade. Desigualdade é uma marca brasileira que tem passado incólume ao longo dos séculos. Amarelo do ouro extraído, inicialmente por índios, depois por africanos, os últimos escravos do hemisfério ocidental a serem libertados. Somos o país mais desigual do continente mais desigual do planeta. Estamos a pelo menos três décadas no podium mundial da iniqüidade de renda. Já a diversidade brasileira está em cada um, tendo sido comparada a um caldeirão fervente mesclando etnias, crenças e religiões. A toda hora repetimos, como se para convencer a nós mesmos, que aqui não existe discriminação. Na nossa pseudo- democracia racial todos tem mesma cor, digamos verde de vários tons. Verde que te quero verde da diversidade das nossas matas. Verde uma cor secundária, resultado da combinação do amarelo com o tudo azul, captaria a amálgama da diversidade brasileira. Só que no Brasil, os verdes mais escuros costumam morar em barracos e subir no elevador dos fundos dos prédios dos verdes claros. O combate à pobreza e à desigualdade passa por reconhecer diferenças e impedir que estas diferenças se traduzam em desigualdades. Diversidade não deve ser sinônimo de adversidade para os diferentes. O que pode ser feito para colocar os grupos historicamente excluídos como mulheres negras e/ou deficientes em situação de igualdade com o restante da população? São válidas políticas que usem a desigualdade inicial para conseguir a equidade? Isto significaria tratar os desiguais na medida da sua desigualdade. Mas para isto a sociedade precisa conhecer em profundidade cada grupo excluído. A deficiência de conhecimentos é particularmente alta em relação ao grupo de pessoas com deficiência. Existem diferenças entre grupos do tema diversidade. A deficiência é uma característica adquirida assim como, por exemplo, a pobreza ou a idade, já gênero e raça são atributos fixos. Toda pessoa é passível de adquirir alguma deficiência física ou mental ao longo do seu ciclo de vida. A proteção social neste caso está também ligada à noção de risco de qualquer adquirir alguma deficiência. Este aspecto contrasta com políticas sociais ligadas a outros grupos excluídos como afro-descendentes quando
  • 11. falamos de mudanças distributivas. O tratamento das políticas públicas à questão da deficiência está relacionado a um seguro social de caráter universal. O grupo de pessoas com deficiência é pioneiro em algumas conquistas sociais. Por exemplo, enquanto a sociedade brasileira começa a debater a implementação de cotas para afro-descendentes, já existe uma lei de cotas em operação para pessoas com deficiência. A política de assistência social constitui outro exemplo do pionerismo das pessoas com deficiência, a Constituição brasileira garante um salário mínimo mensal às pessoas com deficiência que são miseráveis. A análise dessas políticas sociais pode gerar lições relevantes não só para as pessoas com deficiência como para outros grupos do tema diversidade. Agora , o pioneirismo significa a necessidade constante de aprimorar políticas. Esta monografia traça um retrato do universo das pessoas com deficiência, cuja temática responde a perguntas tais como quantos são, quem são, onde moram, o que fazem. A partir do diagnóstico propomos alternativas de políticas de inclusão social, passando por diferentes canais de inserção como escola, saúde, família, transferências de renda, até a sua inclusão trabalhista, anseio de todo cidadão. O leitor está convidado a explorar o extenso banco de dados disponibilizado, com estatísticas, leis e referências bibliográficas de forma a permitir a cada um elaborar os seus próprios retratos das pessoas com deficiência. A principal característica da pesquisa é a sua multidimensionalidade uma vez que abordamos diversos tipos e graus de deficiência combinados com uma variedade de atributos sócio-demográficos e políticas associadas usando múltiplas bases de dados referentes a momentos distintos, isto num país de dimensões continentais com níveis de desigualdade e heterogeneidade do Brasil. Esta complexidade deve ser resumida para que possamos dar conta da floresta sem perder de perspectiva a diversidade de suas árvores1 . A abordagem aqui adotada é baseada na aplicação de técnicas empíricas a dados estatísticos, em particular através do processamento de uma formidável coleção de microdados, correspondendo às respostas de dezenas de milhões de brasileiros efetivamente entrevistados ao longo de décadas. Na apresentação dos resultados fomos fiéis aos termos usados nos questionários de cada época em que os mesmos foram 1 Um verso do Dharma Body of the Buda diz: rosas, rosas, rosas; as flores são fáceis de pintar; as folhas difíceis. As pessoas em seus infinitos nuances são mais difíceis e desafiadoras de retratar do que folhas, árvores ou florestas .
  • 12. aplicados. Como os primeiros dados analisados datam desde antes da abolição da escravatura no país, é natural que a terminologia então usada, pareça hoje inadequada. A melhor forma de respeitar a opinião dos entrevistados de cada época é preservar o contexto em que a informação foi coletada. Apesar da restrição artística imposta pela estrutura das perguntas sobre deficiências contidas nos questionários, não nos permitimos retocar os auto-retratos pintados por sucessivas gerações de brasileiros. Cabe lembrar que perseguimos durante todo texto uma perspectiva inclusiva das pessoas e de suas opiniões. Olhamos mais para potencialidades do que para carências; nos preocupamos mais com os estoques de riqueza do que com a insuficiência da renda; defendemos mais políticas estruturais que possibilitem a geração de renda futura do que políticas que busquem apenas compensar problemas passados. buscamos apreender mais com as respostas diretas das pessoas com deficiência, os verdadeiros protagonistas de sua inclusão social, do que tentar ensiná-las o que elas já sabem, e a maioria de nós ainda não consegue perceber. Marcelo Neri Chefe do Centro de Políticas Sociais