Texto Pausa - Moacyr Scliar

180 visualizações

Publicada em

Desenvolver a competência leitora e escritora.
Despertar o gosto pela leitura - Fruição.
Trabalhar diferente gêneros textuais.
Desenvolver a capacidade de apreciação e réplica.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
180
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Texto Pausa - Moacyr Scliar

  1. 1. Encontro Presencial dos Professores de Língua PortuguesaEncontro Presencial dos Professores de Língua Portuguesa Pausa - Moacyr Scliar Regimar Manfrim – Pontal/SP Sandra Castro – Pontal/SPRegimar Manfrim – Pontal/SP Sandra Castro – Pontal/SP Renata Dandaro – Sertãozinho/SP Sandra Laia – Sertãozinho/SPRenata Dandaro – Sertãozinho/SP Sandra Laia – Sertãozinho/SP Rosana Bombonato – Sertãozinho/SP Sandra Moisés – Ibitiúva/SPRosana Bombonato – Sertãozinho/SP Sandra Moisés – Ibitiúva/SP Rosana Cantolini – Pontal/SP Silvia Abbud – Pontal/SPRosana Cantolini – Pontal/SP Silvia Abbud – Pontal/SP 10 /Maio /201310 /Maio /2013
  2. 2. ObjetivoObjetivo  Desenvolver a competência leitora e escritora;  Despertar o gosto pela leitura – fruição;  Trabalhar diferentes gêneros textuais;  Desenvolver a capacidade de apreciação e réplica; Público AlvoPúblico Alvo  9º AnoAno DuraçãoDuração  4 a 6 aulas
  3. 3. 1 – Ativação de conhecimento de mundo1 – Ativação de conhecimento de mundo  Trecho da música Cotidiano – Chico Buarque;  Questões motivadoras:  Você identifica a situação retratada na letra da música com o cotidiano de sua família?  O que você e sua família fazem aos domingos?  O que é rotina para você?  O que você entende por pausa?
  4. 4. 2 – Localização de informações2 – Localização de informações  Descreva a personagem principal;  O que Samuel ia fazer num hotel pequeno e sujo?. 3 – Inferências3 – Inferências  Como você imagina que seja a mulher de Samuel?;  O que o levou a frequentar esse hotel aos domingos?:
  5. 5. 4 – Contexto de Produção4 – Contexto de Produção  Pesquisa:  Vida e obra do autor?  Ideologia?  Finalidade de sua obra?  Possíveis leitores?
  6. 6. 5 - Intertextualidade5 - Intertextualidade  “Fuga da realidade” – Hýven;  “Apelo” – Dalton Trevisan ;  Reflexão e argumentação sobre valores afetivos; Elementos Composicionais e Legíveis do TextoElementos Composicionais e Legíveis do Texto  Tipo de narrador;  Discurso direto;  Adjetivação;  Linguagem metafórica
  7. 7. 6 – Percepção de outras linguagens6 – Percepção de outras linguagens  Produção de texto de opinião:  Valores afetivos;  Estilo de vida;  Rotina;  Escolha e consequências;  Relacionamento familiar  Delimitação do tema:  Rotina: trabalho e família na modernidade
  8. 8. Fuga Da Realidade Hýven  Tudo que eu queria Era encontrar A música certa e o lugar Onde eu pudesse ficar Pra viver cada segundo do meu dia Sem me importar com nada  Ontem eu fugi Sem sair daqui Fui só no meu olhar Conheci outro lugar Onde ninguém podia me encontrar Podia me encontrar  Às vezes eu me perco Buscando alguma paz No lugar errado Sem acreditar Que no momento que eu pudesse respirar E respirar e respirar e só respirar Eu olharia para esse mundo tão nublado E me enxergaria
  9. 9. ApeloApelo- Dalton Trevisan Amanhã faz um mês que a Senhora está longe de casa. Primeiros dias, para dizer a verdade, não senti falta, bom chegar tarde, esquecido na conversa de esquina. Não foi ausência por uma semana: o batom ainda no lenço, o prato na mesa por engano, a imagem de relance no espelho. Com os dias, Senhora, o leite primeira vez coalhou. A notícia de sua perda veio aos poucos: a pilha de jornais ali no chão, ninguém os guardou debaixo da escada. Toda a casa era um corredor deserto, até o canário ficou mudo. Não dar parte de fraco, ah, Senhora, fui beber com os amigos. Uma hora da noite eles se iam. Ficava só, sem o perdão de sua presença, última luz na varanda, a todas as aflições do dia. Sentia falta da pequena briga pelo sal no tomate — meu jeito de querer bem. Acaso é saudade, Senhora? Às suas violetas, na janela, não lhes poupei água e elas murcham. Não tenho botão na camisa. Calço a meia furada. Que fim levou o saca-rolha? Nenhum de nós sabe, sem a Senhora, conversar com os outros: bocas raivosas mastigando. Venha para casa, Senhora, por favor.
  10. 10. E-Referências:E-Referências: Acessível em : http://letras.mus.br/hven/565519/ Acessado em 10 mai 2013Acessível em : http://letras.mus.br/hven/565519/ Acessado em 10 mai 2013 Acessível em : http://www.google.com.br (imagens pausa) Acessado em 10 maiAcessível em : http://www.google.com.br (imagens pausa) Acessado em 10 mai 20132013 Acessível em: http://polianabrito.blogspot.com.br. Acessado em 10 maio 2013Acessível em: http://polianabrito.blogspot.com.br. Acessado em 10 maio 2013 Acessível em: www.releituras.com/daltontrevisan_apelo.asp Acessado em 10Acessível em: www.releituras.com/daltontrevisan_apelo.asp Acessado em 10 maio 2013maio 2013

×