Metabolismo - Substâncias orgânicas

683 visualizações

Publicada em

Substâncias orgânicas

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
683
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Metabolismo - Substâncias orgânicas

  1. 1. METABOLISMO SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS Metabolismo é o conjunto de reações químicas que ocorrem em uma célula. Se divide em anabolismo ( processo de construção de moléculas) e catabolismo ( processo de destruição de moléculas). Substâncias Orgânicas: Carboidratos, proteínas, lipídeos e ácidos nucleicos. Formadas basicamente por carbono, oxigênio, nitrogênio, fósforo e enxofre, são mais complexas e tem maior teor energético.
  2. 2. CARBOIDRATOS  Substâncias mais abundantes da natureza, formadas por carbono, hidrogênio e oxigênio. Chamadas também de glicídeos, sacarídeos ou hidratos de carbono.  Exercem função energética, podem formar componentes estruturais nas plantas ou nos tecidos conjuntivos dos animais; fazem parte do ácido nucleico.  O principal carboidrato é a glicose. A glicose é formada através da fotossíntese e é a principal fonte de energia celular para os seres vivos.
  3. 3. MONOSSACARÍDEOS  Possuem de três a sete moléculas de carbono em sua composição, sendo os mais comuns as pentoses ( função estrutural) e as hexoses ( energia = respiração celular= Glicose, frutose e galactose).  Pequenos, solúveis em água e as menores partes do carboidrato complexo.
  4. 4. OLIGOSSACARÍDEOS  Formados por dois a dez monossacarídeos, com uma ligação chamada glicosídica.  Dissacarídeos, formados pela união de dois monossacarídeos, são os mais abundantes.  - Sacarose: Formada pela união de uma glicose com uma frutose, está presente na cana-de-açúcar.  - Maltose: Formada pela união de duas glicoses, está presente em cereais maltados.  - Lactose: Formada por uma molécula de glicose e uma de galactose, está presente no leite e nos derivados.  Todas possuem função eneegética.
  5. 5. POLISSACARÍDEOS  É formado por muitos monômeros, sendo o principal a glicose.  Possuem função energética ou estrutural.  Celulose: Carboidrato de estruturação das paredes celulares dos vegetais.Os seres humanos não aproveitam a glicose como combustível, visto que não são capazes de digeri-la, pois não há a celulase.  Glicogênio: Formado pela união de glicose, se encontra no fígado como reserva energética.  Amido: Presentes em sementes, caules e frutos, também constitui um componente energético.  Quitina: Formadora de unhas, cutícula e casca dos artrópodes.
  6. 6. LIPÍDEOS GORDURAS E ÓLEOS  A principal diferença entre eles é que, em temperatura ambiente, as gorduras são sólidas e os óleos são líquidos.  São triglicerídeos, formados por três moléculas de ácido graxo e uma de glicerol.  Gorduras: Comum nos animais.Formam o tecido adiposo, que funciona como componente estrutural e como reserva energética. Além disso, atua no controle de temperatura de ursos e focas, por exemplo.  Óleos: Componentes de reserva energética comuns em vegetais, como óleos e sementes. São moléculas apolares e insolúveis em água. Podem funcionar como reserva energética, como componente estrutural de membranas e como precursores de hormônios. São basicamente formados por ácidos graxos e álcool.
  7. 7. LIPÍDEOS FOSFOLIPÍDIOS  Formados por uma ou duas moléculas de ácido graxo, ligadas a uma molécula de glicerol e uma de fósforo.  São, como todos os lipídeos, apolares.  Constituintes da membrana plasmática células. CERAS  Formadas pela união de um álcool com vários ácido graxos.  Encontradas nas ceras de ouvido, de abelha, etc. Importantes componentes nas plantas que ajudam a não perder a água das folhas.
  8. 8. LIPÍDEOS ESTEROIDES  Lipídeos circulares complexos.  Esteroides formam o colesterol, que é produzido pelo fígado.  O colesterol pode ser produzido pelo próprio corpo ( endógeno) ou sintetizado pelo consumo de substâncias de origem animal ( exógeno).  Responsável pela formação de hormônios sexuais, como a progesterona, o estrógeno e a testosterona.  Participa da síntese de proteínas lipossolúveis.
  9. 9. PROTEÍNAS AMINOÁCIDO  É a unidade básica de toda proteína.  Formado por um grupamento carboxila e um grupamento amina, que são invariáveis, e um radical variável que distingue os vinte tipos de aminoácidos.  Os vinte tipos de aminoácidos podem ser naturais ( sintetizados no organismo) e os essenciais (obtidos através da alimentação). São as moléculas mais versáteis no organismo humano. Atuam como componente estrutural da membrana , controle de metabolismo celular , defesa e transporte de susbtâncias.
  10. 10. ESTRUTURA DA PROTEÍNA  Os monômeros de aminoácidos se unem entre si, através de uma ligação peptídica, para formara as proteínas, que são formadas por muitos aminoácidos.  O número de aminoácidos que compõe uma proteína determina o número de ligações peptídicas e de moléculas de água. Estrutura primária Estrutura linear, na qual há o encadeamento de aminoácidos Estrutura secundária Estrutura na qual a forma começa a rodar,caracterizando uma estrutura helicoidal. Estrutura Terciária A estrutura helicoidal torna a rodar, caracterizando a estrutura funcional da proteína Estrutura quaternária Não está presente em todas as proteínas, porém consiste no agrupamento de vários polipetdídeos.
  11. 11. DESNATURAÇÃO DAS PROTEÍNAS  Processo no qual as proteínas são submetidas a determinadas condições e perdem sua função biológica.  São as principais: aumento de temperatura, alteração do PH e presença de determinadas substâncias químicas.  O aumento de temperatura rompe ligações peptídicas da forma terciária, provocando a diferenciação das suas novas ligações e posterior perda de função biológica.  O Ph baixo, por exemplo no leite, transforma sua consistência de líquido para cremoso. ( azeda o leite).
  12. 12. FUNÇÃO DAS PROTEÍNAS  Formação da membrana plasmática e membrana das organelas.  Colágeno e elastina: Garantem a adesão entre as células.  Queratina: Garantem a impermeabilidade de penas,pelos, etc.  Hemoglobina: Conduz o oxigênio para as células do corpo, através das hemácias do sangue.  Actina e miosina: Contração muscular;  Anticorpos: Responsáveis pela defesa imunitária do corpo.  Insulina e prolactina: Hormônios mensageiros.
  13. 13. ENZIMAS  Atuam como catalisadoras biológicas, aumentando a velocidade de uma reação química.  Sua produção ocorre no ribossomo celular.  Como as enzimas atuam na velocidade de reações químicas, são necessários três fatores para o sucesso desta:1) Colisões entre os reagentes. 2) Orientação dos reagentes. 3) Energia para a reação.  A presença de um catalisador, ou enzima, faz com que a energia necessária para a ocorrência de uma reação química seja menor e consequentemente mais rápida.  A enzima, quando atua na reação, pode atuar novamente.  Sacarase, amilase e lactase são exemplos ( Perceba que o sufixo é sempre o mesmo ).
  14. 14. A AÇÃO E A FUNÇÃO DA ENZIMA EM UMA REAÇÃO QUÍMICA AÇÃO DE UMA ENZIMA  Modelo chave-fechadura, na qual as enzimas são específicas para seu substrato.  O local de encaixe é denominado sítio ativo.  Há presença de cofatores ou coenzimas que fazem a enzima ativa. FATORES QUE AFETAM A ATUAÇÃO DE UMA ENZIMA  São eles temperatura, Ph e concentração de substrato.  Sabe-se que há uma temperatura ideal para a atuação das enzimas, que permite sua máxima eficácia. O aumento ou diminuição exarcebada da temperatura provoca a desnaturação da enzima.  PH: Indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade de uma substância. As enzimas possuem um pH ótimo, no qual sua velocidade de ação é maximizada. Com a baixa ou aumento desse Ph, também ocorre a desnaturalização.  Concentração de substrato : Quanto maior o número de substrato, menor a reação da enzima.

×