SlideShare uma empresa Scribd logo
INTRODUÇÃO
A Teoria dos Conjuntos, um dos temas de matemática que aparecem no Enem, foi
formulada no fim do século XIX pelo matemático russo Georg Ferdinand Ludwig Philip
Cantor. Conjuntos não podem ser definidos, mas entende-se por conjunto toda lista de
objetos, símbolos que seja bem definida.
Conceitos primitivos:
- Conjunto;
- Elemento;
- Pertinência.
Ao pensarmos em uma coleção de objetos, podemos associar a conjunto. Esses objetos
da coleção são o que chamamos de elementos do conjunto. Se um elemento está
presente em um conjunto, dizemos que o elemento pertence (∈) ao conjunto. Caso
contrário, dizemos que ele não pertence.
SÍMBOLOS
A linguagem escrita pode ser simplificada com os símbolos descritos nos exemplos a
seguir:
- O elemento 1(um) pertence ao conjunto A: 3∈A
- O elemento 3 não pertence ao conjunto A: 3∉A
- Existe algum: ∃
- Qualquer que seja: ∀
- Tal que: |
Conjuntos importantes:
- Conjunto vazio: não possui nenhum elemento. É representado por ∅ ou { }.
- Conjunto unitário: possui um único elemento.
REPRESENTAÇÕES
Um conjunto pode ser representado da seguinte maneira:
Enumerando seus elementos entre chaves, separados por vírgulas;
Exemplos:
A = {–1, 0, 1}
ℕ = {0, 1, 2, 3, 4,...}
Indicando, entre chaves, uma propriedade que caracterize cada um de seus
elementos;
Exemplos:
A=x∈Z |−2<x<2
N=x∈Z x≥0
Por meio de uma figura fechada, dentro da qual podem-se escreverseus elementos.
“Diagrama de Venn-Euler”.
A N
Conjuntos Iguais
Os conjuntos A e B são iguais quando possuem os mesmos elementos. Representa-se A
= B.
Subconjuntos
O conjunto A é subconjunto de B se todo elemento de A é elemento de B. Representa-
se A⊂B(A está contido em B).
Propriedades:
Sendo A, B e C conjuntos quaisquer, tem-se:
- A ⊂ A
- ∅⊂ A
- (A⊂B e B⊂A)⇔A=B
- (A⊂B e B⊂C)=>A⊂C
Conjunto das partes
É o conjunto cujos elementos são os subconjuntos de A. É representado por P(A).
Propriedade: se o conjunto A possui n elementos, então P(A) possui 2n elementos, ou
seja, o conjunto A possui 2n subconjuntos.
OPERAÇÕES COM CONJUNTOS
União
Intuitivamente, unir dois ou mais conjuntos significa agrupá-los com intuito de torná-los
um s
Definição:
Dados dois conjuntos A e B, representa-se e define-se o conjunto união de A e B por:
A∪B= {x x∈A ou x∈B}
- A∪∅ = A (elemento neutro);
- A∪A = A (recíproca)
- A∪B=B∪A (comutativa)
- A∪(B∪C)=(A∪B)∪C (associativa)
Exemplos:
Dados os conjuntos A = {0, 1, 2, 3, 4}, B = {1, 3, 5, 7} e C = {5, 6, 7, 8, 9}, vamos
obter:
a) A ∪ B.
b) A ∪ B ∪ C.
Solução:
a) A ∪ B = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 7}
b) A ∪ B ∪ C = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}
Interseção
Intuitivamente, um elemento faz parte da interseção de dois ou mais conjuntos, se ele
pertence a todos esses conjuntos ao mesmo tempo.
Definição:
Dados dois conjuntos A e B, representa-se e define-se o conjunto interseção de
A e B por:
∈ A e x ∈ B}
Para três conjuntos arbitrários A, B e C, valem as seguintes propriedades:
- A ∩ ∅ = ∅
- A ∩ A = A (recíproca)
- A ∩ B = B ∩ A (comutativa)
- A ∩ (B ∩ C) = (A ∩ B) ∩ C (associativa)
Exemplos:
Dados os conjuntos A = {0, 1, 5}, B = {0, 2, 5, 7}, C = {4, 6, 7, 9} e D = {0, 1, 6},
vamos obter:
a) A ∩ B.
b) A ∩ C.
c) A ∩ B ∩ D.
Solução:
a) A ∩ B = {0, 5}
b) A ∩ C = Ø
c) A ∩ B ∩ D = {0}
Diferença entre conjuntos
Dados dois conjuntos A e B, define-se o conjunto diferença A - B por:
A – B = {x/ x ∈ A e x ∉ B}
Para a diferença entre conjuntos, valem as seguintes propriedades:
- A – ∅ = A
- ∅ – A = ∅
- A – A = ∅
Exemplo 1:
Dados os conjuntos A = {1, 2, 3, 4, 5}, B = {2, 4, 6}, obtenha:
a) A – B.
b) B – A.
Solução:
a) A – B = {1, 2, 3, 4, 5} – {2, 4, 6} = {1, 3, 5}
b) B – A = {2, 4, 6} – {1, 2, 3, 4, 5} = {6}
Exemplo 2:
Se A = {x natural, menor que 10 / x é par} e B = {x natural, menor que 10 / x é primo}.
Determine A – B e B – A.
Respostas:
a) A – B = {0, 4, 6, 8}
b) B – A = {3, 5, 7}
Complementar de um conjunto
Dados dois conjuntos A e V tais que A ⊂ V, representa-se o complementar de A em
relação a V porCVA, A¯ ou A'. Por definição, CVA = V – A.
São válidas as seguintes propriedades:
- CV=(A∪B)=CVA∩CVB
- CV(A∪B)=CVA∩CVB
Exemplo:
Dados os conjuntos X = {1, 2, 4}, Y = {1, 2, 3, 4, 5}, X ⊂ Y. Obter CYX.
CYX = Y – X = {1, 2, 3, 4, 5} – {1, 2, 4} = {3, 5}
Princípio da inclusão e exclusão (para dois conjuntos)
Princípio que serve para calcular o número de elemento da união de dois conjuntos A e
B, em função do número de elementos de A, de B e de A interseção B.
n(A∪B)=n(A)+n(B)−n(A∩B)
Onde:
n(A) = número de elementos do conjunto A;
n(B) = número de elementos do conjunto B;
n(A ∩ B) = número de elementos da interseção;
n(A ∪ B) = número de elementos da união.
Exemplo:
Sejam A = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7} e B = {4, 5, 6, 7, 8, 9}, temos:
- A ∪ B = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}
- A ∩ B = {4, 5, 6, 7}
Podemos comprovar pelo princípio da inclusão e exclusão que:
n(A ∪ B) = n(A) + n(B) – n(A ∩ B)
9 = 7 + 6 – 4 (verdadeiro)
EXERCÍCIOS
1. Numa turma de 42 alunos, o professor perguntou: “Quem é torcedor do
Flamengo?” 36 levantaram o braço. A seguir, perguntou: “Quem é nascido na
cidade do Rio de Janeiro?” 28 levantaram o braço. Sabendo que nenhum aluno
deixou de levantar o braço, vamos determinar quantos alunos são
flamenguistas e cariocas.
Solução
Flamenguistas: F
Cariocas: C
n(F U C) = 42 (total de alunos)
n(F) = 36; n(C) = 28; n(F C) = x
Pelo PIE, temos:
42 = 36 + 28 – x
42 = 64 – x; assim, x = 22
Logo; n(F C) = x = 22
2. (UFF) Os conjuntos não-vazios M, N e P estão, isoladamente, representados
abaixo. Considere a seguinte figura que estes conjuntos formam.
A região hachurada pode ser representada por:
a) M ∪ (N ∩ P)
b) M – (N ∪ P)
c) M ∪ (N – P)
d) N – (M ∪ P)
e) N ∪ (P ∩ M)
Solução
Opção (B). Os elementos da região hachurada pertencem a M e não
pertencem a N∪P.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conjuntos apostila i
Conjuntos apostila iConjuntos apostila i
Conjuntos apostila i
Suselaine Da Fonseca Silva
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
rosania39
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
mendel1b2010
 
Matemática conjuntos
Matemática   conjuntosMatemática   conjuntos
Matemática conjuntos
Milton Sgambatti Júnior
 
Lista de exercícios
Lista de exercíciosLista de exercícios
Lista de exercícios
lejairo
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos ConjuntosTeoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
Chromus Master
 
Matematica discreta
Matematica discretaMatematica discreta
Matematica discreta
gabaritocontabil
 
Aula 6 principio inclusaoeexclusao-casadepombos
Aula 6   principio inclusaoeexclusao-casadepombosAula 6   principio inclusaoeexclusao-casadepombos
Aula 6 principio inclusaoeexclusao-casadepombos
wab030
 
MATEMÁTICA - TEORIA DOS CONJUNTOS - AULA 2
MATEMÁTICA - TEORIA DOS CONJUNTOS - AULA 2MATEMÁTICA - TEORIA DOS CONJUNTOS - AULA 2
MATEMÁTICA - TEORIA DOS CONJUNTOS - AULA 2
Alexander Mayer
 
TEORIA DE CONJUNTOS
TEORIA DE CONJUNTOS TEORIA DE CONJUNTOS
TEORIA DE CONJUNTOS
Luciano Pessanha
 
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntosMatemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Ulrich Schiel
 
Conjunto1
Conjunto1Conjunto1
Conjunto1
Carlos Almeida
 
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
Antonio Tatero Spindler
 
Intervalos Reais, Relações e Funções (AP 03)
Intervalos Reais, Relações e Funções (AP 03)Intervalos Reais, Relações e Funções (AP 03)
Intervalos Reais, Relações e Funções (AP 03)
Secretaria de Estado de Educação do Pará
 
Nota aula 01
Nota aula 01Nota aula 01
Nota aula 01
Pitterpp
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
Horacimar Cotrim
 
Teoria dos conjuntos.PDF
Teoria dos conjuntos.PDFTeoria dos conjuntos.PDF
Teoria dos conjuntos.PDF
Jeferson S. J.
 
14 aula teoria dos conjuntos
14 aula   teoria dos conjuntos14 aula   teoria dos conjuntos
14 aula teoria dos conjuntos
jatobaesem
 
01 teoria-dos-conjuntos1
01 teoria-dos-conjuntos101 teoria-dos-conjuntos1
01 teoria-dos-conjuntos1
Bernardo José Pica
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
bethbal
 

Mais procurados (20)

Conjuntos apostila i
Conjuntos apostila iConjuntos apostila i
Conjuntos apostila i
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
 
Matemática conjuntos
Matemática   conjuntosMatemática   conjuntos
Matemática conjuntos
 
Lista de exercícios
Lista de exercíciosLista de exercícios
Lista de exercícios
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos ConjuntosTeoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
 
Matematica discreta
Matematica discretaMatematica discreta
Matematica discreta
 
Aula 6 principio inclusaoeexclusao-casadepombos
Aula 6   principio inclusaoeexclusao-casadepombosAula 6   principio inclusaoeexclusao-casadepombos
Aula 6 principio inclusaoeexclusao-casadepombos
 
MATEMÁTICA - TEORIA DOS CONJUNTOS - AULA 2
MATEMÁTICA - TEORIA DOS CONJUNTOS - AULA 2MATEMÁTICA - TEORIA DOS CONJUNTOS - AULA 2
MATEMÁTICA - TEORIA DOS CONJUNTOS - AULA 2
 
TEORIA DE CONJUNTOS
TEORIA DE CONJUNTOS TEORIA DE CONJUNTOS
TEORIA DE CONJUNTOS
 
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntosMatemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
 
Conjunto1
Conjunto1Conjunto1
Conjunto1
 
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
 
Intervalos Reais, Relações e Funções (AP 03)
Intervalos Reais, Relações e Funções (AP 03)Intervalos Reais, Relações e Funções (AP 03)
Intervalos Reais, Relações e Funções (AP 03)
 
Nota aula 01
Nota aula 01Nota aula 01
Nota aula 01
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
 
Teoria dos conjuntos.PDF
Teoria dos conjuntos.PDFTeoria dos conjuntos.PDF
Teoria dos conjuntos.PDF
 
14 aula teoria dos conjuntos
14 aula   teoria dos conjuntos14 aula   teoria dos conjuntos
14 aula teoria dos conjuntos
 
01 teoria-dos-conjuntos1
01 teoria-dos-conjuntos101 teoria-dos-conjuntos1
01 teoria-dos-conjuntos1
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
 

Destaque

Pa Lista2
Pa Lista2Pa Lista2
Pa Lista2
tioheraclito
 
Pa Lista1
Pa Lista1Pa Lista1
Pa Lista1
tioheraclito
 
Lista de exercícios pa resoluções
Lista de exercícios pa resoluçõesLista de exercícios pa resoluções
Lista de exercícios pa resoluções
profederson
 
Lista de exercícios sobre soma de P.A.
Lista de exercícios sobre soma de P.A.Lista de exercícios sobre soma de P.A.
Lista de exercícios sobre soma de P.A.
Lucas Azevedo
 
Mat pa pg exercicios gabarito
Mat pa  pg exercicios gabaritoMat pa  pg exercicios gabarito
Mat pa pg exercicios gabarito
trigono_metrico
 
PA e PG
PA e PGPA e PG

Destaque (6)

Pa Lista2
Pa Lista2Pa Lista2
Pa Lista2
 
Pa Lista1
Pa Lista1Pa Lista1
Pa Lista1
 
Lista de exercícios pa resoluções
Lista de exercícios pa resoluçõesLista de exercícios pa resoluções
Lista de exercícios pa resoluções
 
Lista de exercícios sobre soma de P.A.
Lista de exercícios sobre soma de P.A.Lista de exercícios sobre soma de P.A.
Lista de exercícios sobre soma de P.A.
 
Mat pa pg exercicios gabarito
Mat pa  pg exercicios gabaritoMat pa  pg exercicios gabarito
Mat pa pg exercicios gabarito
 
PA e PG
PA e PGPA e PG
PA e PG
 

Semelhante a Teoria dos Conjuntos

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
001+-+TEORIA+DOS+CONJUNTOS.pptx
001+-+TEORIA+DOS+CONJUNTOS.pptx001+-+TEORIA+DOS+CONJUNTOS.pptx
001+-+TEORIA+DOS+CONJUNTOS.pptx
Taline Justino
 
A1 me
A1 meA1 me
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
Mônica Almeida
 
38799_1fc35fb9dc60bb8d40e010bbc136cd44.pdf
38799_1fc35fb9dc60bb8d40e010bbc136cd44.pdf38799_1fc35fb9dc60bb8d40e010bbc136cd44.pdf
38799_1fc35fb9dc60bb8d40e010bbc136cd44.pdf
marcosjunior02
 
Conj num e interv
Conj num e intervConj num e interv
Conj num e interv
Meire de Fatima
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos ConjuntosTeoria dos Conjuntos
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
matemalu
 
Aula 2 - Conjuntos
Aula 2 - ConjuntosAula 2 - Conjuntos
Aula 2 - Conjuntos
SoterO o/
 
Matemática - Aula 1
Matemática - Aula 1Matemática - Aula 1
Matemática - Aula 1
IBEST ESCOLA
 
conjuntos.pdf
conjuntos.pdfconjuntos.pdf
conjuntos.pdf
CarlosCarrapio3
 
00Capítulo 2-conjuntos (1)
00Capítulo 2-conjuntos (1)00Capítulo 2-conjuntos (1)
00Capítulo 2-conjuntos (1)
Samira Carla Damasceno Carla
 
Apostila 001 conjuntos operações
Apostila  001 conjuntos operaçõesApostila  001 conjuntos operações
Apostila 001 conjuntos operações
con_seguir
 
06 conjuntos - operaes
06 conjuntos - operaes06 conjuntos - operaes
06 conjuntos - operaes
resolvidos
 
Dicas quentes conjuntos
Dicas quentes conjuntosDicas quentes conjuntos
Dicas quentes conjuntos
trigono_metria
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
matemalu
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos   Teoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
Luciano Pessanha
 
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
yusayakytakashyxavie
 
Conjuntos1
Conjuntos1Conjuntos1
Conjuntos1
Raquel Almeida
 
15 aula operacoes com conjuntos
15 aula   operacoes com conjuntos15 aula   operacoes com conjuntos
15 aula operacoes com conjuntos
jatobaesem
 

Semelhante a Teoria dos Conjuntos (20)

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
001+-+TEORIA+DOS+CONJUNTOS.pptx
001+-+TEORIA+DOS+CONJUNTOS.pptx001+-+TEORIA+DOS+CONJUNTOS.pptx
001+-+TEORIA+DOS+CONJUNTOS.pptx
 
A1 me
A1 meA1 me
A1 me
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
 
38799_1fc35fb9dc60bb8d40e010bbc136cd44.pdf
38799_1fc35fb9dc60bb8d40e010bbc136cd44.pdf38799_1fc35fb9dc60bb8d40e010bbc136cd44.pdf
38799_1fc35fb9dc60bb8d40e010bbc136cd44.pdf
 
Conj num e interv
Conj num e intervConj num e interv
Conj num e interv
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos ConjuntosTeoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
 
Aula 2 - Conjuntos
Aula 2 - ConjuntosAula 2 - Conjuntos
Aula 2 - Conjuntos
 
Matemática - Aula 1
Matemática - Aula 1Matemática - Aula 1
Matemática - Aula 1
 
conjuntos.pdf
conjuntos.pdfconjuntos.pdf
conjuntos.pdf
 
00Capítulo 2-conjuntos (1)
00Capítulo 2-conjuntos (1)00Capítulo 2-conjuntos (1)
00Capítulo 2-conjuntos (1)
 
Apostila 001 conjuntos operações
Apostila  001 conjuntos operaçõesApostila  001 conjuntos operações
Apostila 001 conjuntos operações
 
06 conjuntos - operaes
06 conjuntos - operaes06 conjuntos - operaes
06 conjuntos - operaes
 
Dicas quentes conjuntos
Dicas quentes conjuntosDicas quentes conjuntos
Dicas quentes conjuntos
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos   Teoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
 
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
 
Conjuntos1
Conjuntos1Conjuntos1
Conjuntos1
 
15 aula operacoes com conjuntos
15 aula   operacoes com conjuntos15 aula   operacoes com conjuntos
15 aula operacoes com conjuntos
 

Mais de Ronoaldo Cavalcante

Progressão aritmética
Progressão aritméticaProgressão aritmética
Progressão aritmética
Ronoaldo Cavalcante
 
Potenciação e radiciação
Potenciação e radiciaçãoPotenciação e radiciação
Potenciação e radiciação
Ronoaldo Cavalcante
 
Funçao crescente e decrescente exercicio
Funçao crescente e decrescente exercicioFunçao crescente e decrescente exercicio
Funçao crescente e decrescente exercicio
Ronoaldo Cavalcante
 
Trigonometria 090523202242-phpapp02
Trigonometria 090523202242-phpapp02Trigonometria 090523202242-phpapp02
Trigonometria 090523202242-phpapp02
Ronoaldo Cavalcante
 
Mat planej 9ano
Mat planej 9anoMat planej 9ano
Mat planej 9ano
Ronoaldo Cavalcante
 
Material b61331521e
Material b61331521eMaterial b61331521e
Material b61331521e
Ronoaldo Cavalcante
 

Mais de Ronoaldo Cavalcante (6)

Progressão aritmética
Progressão aritméticaProgressão aritmética
Progressão aritmética
 
Potenciação e radiciação
Potenciação e radiciaçãoPotenciação e radiciação
Potenciação e radiciação
 
Funçao crescente e decrescente exercicio
Funçao crescente e decrescente exercicioFunçao crescente e decrescente exercicio
Funçao crescente e decrescente exercicio
 
Trigonometria 090523202242-phpapp02
Trigonometria 090523202242-phpapp02Trigonometria 090523202242-phpapp02
Trigonometria 090523202242-phpapp02
 
Mat planej 9ano
Mat planej 9anoMat planej 9ano
Mat planej 9ano
 
Material b61331521e
Material b61331521eMaterial b61331521e
Material b61331521e
 

Último

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Teoria dos Conjuntos

  • 1. INTRODUÇÃO A Teoria dos Conjuntos, um dos temas de matemática que aparecem no Enem, foi formulada no fim do século XIX pelo matemático russo Georg Ferdinand Ludwig Philip Cantor. Conjuntos não podem ser definidos, mas entende-se por conjunto toda lista de objetos, símbolos que seja bem definida. Conceitos primitivos: - Conjunto; - Elemento; - Pertinência. Ao pensarmos em uma coleção de objetos, podemos associar a conjunto. Esses objetos da coleção são o que chamamos de elementos do conjunto. Se um elemento está presente em um conjunto, dizemos que o elemento pertence (∈) ao conjunto. Caso contrário, dizemos que ele não pertence. SÍMBOLOS A linguagem escrita pode ser simplificada com os símbolos descritos nos exemplos a seguir: - O elemento 1(um) pertence ao conjunto A: 3∈A - O elemento 3 não pertence ao conjunto A: 3∉A - Existe algum: ∃ - Qualquer que seja: ∀ - Tal que: | Conjuntos importantes: - Conjunto vazio: não possui nenhum elemento. É representado por ∅ ou { }. - Conjunto unitário: possui um único elemento. REPRESENTAÇÕES Um conjunto pode ser representado da seguinte maneira: Enumerando seus elementos entre chaves, separados por vírgulas; Exemplos: A = {–1, 0, 1} ℕ = {0, 1, 2, 3, 4,...} Indicando, entre chaves, uma propriedade que caracterize cada um de seus elementos; Exemplos: A=x∈Z |−2<x<2 N=x∈Z x≥0 Por meio de uma figura fechada, dentro da qual podem-se escreverseus elementos. “Diagrama de Venn-Euler”.
  • 2. A N Conjuntos Iguais Os conjuntos A e B são iguais quando possuem os mesmos elementos. Representa-se A = B. Subconjuntos O conjunto A é subconjunto de B se todo elemento de A é elemento de B. Representa- se A⊂B(A está contido em B). Propriedades: Sendo A, B e C conjuntos quaisquer, tem-se: - A ⊂ A - ∅⊂ A - (A⊂B e B⊂A)⇔A=B - (A⊂B e B⊂C)=>A⊂C Conjunto das partes É o conjunto cujos elementos são os subconjuntos de A. É representado por P(A). Propriedade: se o conjunto A possui n elementos, então P(A) possui 2n elementos, ou seja, o conjunto A possui 2n subconjuntos. OPERAÇÕES COM CONJUNTOS União Intuitivamente, unir dois ou mais conjuntos significa agrupá-los com intuito de torná-los um s Definição: Dados dois conjuntos A e B, representa-se e define-se o conjunto união de A e B por: A∪B= {x x∈A ou x∈B}
  • 3. - A∪∅ = A (elemento neutro); - A∪A = A (recíproca) - A∪B=B∪A (comutativa) - A∪(B∪C)=(A∪B)∪C (associativa) Exemplos: Dados os conjuntos A = {0, 1, 2, 3, 4}, B = {1, 3, 5, 7} e C = {5, 6, 7, 8, 9}, vamos obter: a) A ∪ B. b) A ∪ B ∪ C. Solução: a) A ∪ B = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 7} b) A ∪ B ∪ C = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} Interseção Intuitivamente, um elemento faz parte da interseção de dois ou mais conjuntos, se ele pertence a todos esses conjuntos ao mesmo tempo. Definição: Dados dois conjuntos A e B, representa-se e define-se o conjunto interseção de A e B por: ∈ A e x ∈ B}
  • 4. Para três conjuntos arbitrários A, B e C, valem as seguintes propriedades: - A ∩ ∅ = ∅ - A ∩ A = A (recíproca) - A ∩ B = B ∩ A (comutativa) - A ∩ (B ∩ C) = (A ∩ B) ∩ C (associativa) Exemplos: Dados os conjuntos A = {0, 1, 5}, B = {0, 2, 5, 7}, C = {4, 6, 7, 9} e D = {0, 1, 6}, vamos obter: a) A ∩ B. b) A ∩ C. c) A ∩ B ∩ D. Solução: a) A ∩ B = {0, 5} b) A ∩ C = Ø c) A ∩ B ∩ D = {0} Diferença entre conjuntos Dados dois conjuntos A e B, define-se o conjunto diferença A - B por: A – B = {x/ x ∈ A e x ∉ B} Para a diferença entre conjuntos, valem as seguintes propriedades: - A – ∅ = A - ∅ – A = ∅ - A – A = ∅ Exemplo 1: Dados os conjuntos A = {1, 2, 3, 4, 5}, B = {2, 4, 6}, obtenha: a) A – B. b) B – A. Solução: a) A – B = {1, 2, 3, 4, 5} – {2, 4, 6} = {1, 3, 5}
  • 5. b) B – A = {2, 4, 6} – {1, 2, 3, 4, 5} = {6} Exemplo 2: Se A = {x natural, menor que 10 / x é par} e B = {x natural, menor que 10 / x é primo}. Determine A – B e B – A. Respostas: a) A – B = {0, 4, 6, 8} b) B – A = {3, 5, 7} Complementar de um conjunto Dados dois conjuntos A e V tais que A ⊂ V, representa-se o complementar de A em relação a V porCVA, A¯ ou A'. Por definição, CVA = V – A. São válidas as seguintes propriedades: - CV=(A∪B)=CVA∩CVB - CV(A∪B)=CVA∩CVB Exemplo: Dados os conjuntos X = {1, 2, 4}, Y = {1, 2, 3, 4, 5}, X ⊂ Y. Obter CYX. CYX = Y – X = {1, 2, 3, 4, 5} – {1, 2, 4} = {3, 5} Princípio da inclusão e exclusão (para dois conjuntos) Princípio que serve para calcular o número de elemento da união de dois conjuntos A e B, em função do número de elementos de A, de B e de A interseção B. n(A∪B)=n(A)+n(B)−n(A∩B) Onde: n(A) = número de elementos do conjunto A; n(B) = número de elementos do conjunto B; n(A ∩ B) = número de elementos da interseção; n(A ∪ B) = número de elementos da união. Exemplo: Sejam A = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7} e B = {4, 5, 6, 7, 8, 9}, temos:
  • 6. - A ∪ B = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} - A ∩ B = {4, 5, 6, 7} Podemos comprovar pelo princípio da inclusão e exclusão que: n(A ∪ B) = n(A) + n(B) – n(A ∩ B) 9 = 7 + 6 – 4 (verdadeiro) EXERCÍCIOS 1. Numa turma de 42 alunos, o professor perguntou: “Quem é torcedor do Flamengo?” 36 levantaram o braço. A seguir, perguntou: “Quem é nascido na cidade do Rio de Janeiro?” 28 levantaram o braço. Sabendo que nenhum aluno deixou de levantar o braço, vamos determinar quantos alunos são flamenguistas e cariocas. Solução Flamenguistas: F Cariocas: C n(F U C) = 42 (total de alunos) n(F) = 36; n(C) = 28; n(F C) = x Pelo PIE, temos: 42 = 36 + 28 – x 42 = 64 – x; assim, x = 22 Logo; n(F C) = x = 22 2. (UFF) Os conjuntos não-vazios M, N e P estão, isoladamente, representados abaixo. Considere a seguinte figura que estes conjuntos formam.
  • 7. A região hachurada pode ser representada por: a) M ∪ (N ∩ P) b) M – (N ∪ P) c) M ∪ (N – P) d) N – (M ∪ P) e) N ∪ (P ∩ M) Solução Opção (B). Os elementos da região hachurada pertencem a M e não pertencem a N∪P.