SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Qual Foi a Primeira
Forma de Organização
Empresarial?
Qual é a Relação das Antigas
Estruturas Militares Com a Forma
de Organização Empresarial?
Como Ocorreu o
Processo da Revolução
Industrial?
Quem Foram os Personagens Que
Contribuíram Para Que a
Administração de Tornasse Uma
Ciência?
Qual a Importância da
“Administração Científica”?
Quais Foram as Principais
Contribuições de TAYLOR, FAIOL e
FORD ao Estudo da Administração?
O Homem é o Único
Animal Que Administra e,
Consequentemente, é o
Único Que Desenvolveu
Aptidão Natural Para
Complicar as Coisas
A Administração é a Ordem Que Se
Instala Quando Um Grupo de
Pessoas Coopera, a Fim de
Conciliar as Metas Estabelecidas
Por Terceiros Com Seus Objetivos
Pessoais
A Administração Estuda as Necessidades
Sociotécnicas da Empresa, Sua Cultura e
Seus Recursos a Fim de Realizar Negócios
de Forma Estruturada e Organizada
MAS, COMO e ONDE
TUDO ISSO COMEÇOU?
As Primeiras Formas de Organização:
As Igrejas Podem Ser Consideradas as Primeiras
Formas de Organização Formal da Sociedade
Ocidental e, Através dos Séculos, Elas Vêm
Exercendo Influência Sobre o Comportamento de
Milhões de Pessoas no Mundo Todo
As Organizações Militares Evoluíram das Displicentes Ordens dos
Cavaleiros Medievais Até os Tempos Modernos
Evoluíram Com Uma Hierarquia de Poder Rígida e a
Adoção de Princípios Administrativos Comuns a
Todas as Empresas da Atualidade
Mas, a Revolução Industrial Trouxe
Rápidas e Profundas Mudanças, Sociais,
Econômicas e Políticas
A Revolução Industrial Teve Início na
Inglaterra Quando James Watt Inventou a
Máquina a Vapor, em 1776
A Utilização Dessa Máquina no Processo
de Produção Provocou Uma Enorme
Industrialização, a Qual se Estendeu Pela
Europa e Por Todo os EUA
A Primeira Fase Teve o
Carvão Como a Principal
Fonte de Energia e, a
Segunda, o Ferro Como
Principal Matéria-Prima
A Segunda Fase (1860-1914) Foi
a Revolução da Eletricidade, Dos
Derivados do Petróleo Como
Fontes de Energia e, a do AÇO,
Como Fonte de Matéria-Prima
O Crescimento Desorganizado das
Empresas Exigia Uma Administração
Capaz de Substituir a Improvisação
e, Aliado à Necessidade de Maior
Produtividade, Fez Surgir a
Administração Científica
No Início do Século 20
Surgiu Frederick W.
Taylor, o Qual
Apresentou os
“Princípios da
Administração Científica
e o Estudo da
Administração Como
Uma Ciência
Ele Preconizava a Divisão do Trabalho,
Enfatizando Tempos e Métodos a Fim de
Assegurar os Objetivos da Produção
Taylor Acreditava Que Poderia Alcançar a
Máxima Produção Com um Mínimo de
Custo, Seguindo o Princípio da Seleção do
Trabalhador Certo Para a Tarefa Certa
ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA
Frederick W. Taylor
Estudou os Movimentos dos
Trabalhadores, Economizando
Tempo e Aumentando a Produção
Cronometrou o Tempo Para
Realizar Tarefas
Selecionou o Trabalhador Certo
Para a Tarefa Certa
Padronizou
Ferramentas e
Equipamentos
Seus Princípios Eram:
Planejamento, Controle e
Execução das Tarefas
TEORIA CLÁSSICA da ADMINISTRAÇÃO
Ele Substituiu as Antigas Estruturas
Organizacionais – Com Três Cargos –
Pelos Modernos “Organogramas”, os
Quais Substituíam a Figura do
“Capataz” Pela do “Gerente”
No Início do Século XX, um Engenheiro
Francês – Henry Fayol – Empregou Anos de
Trabalho a Fim de Demonstrar Que, Com
Previsão Científica e Métodos Gerenciais, os
Resultados Eram Inevitáveis
Henry Fayol
Centralizou Sua
Atenção no Papel da
Gestão Empresarial e
Nas Qualificações Dos
Gestores
Antiga Estrutura das Organizações
PRESIDENTE 1° Nível da
Hierarquia
CAPATAZES
OPERÁRIOS
2° Nível da
Hierarquia
3° Nível da
Hierarquia
PRESIDENTE
DIRETOR
GERENTE
OPERÁRIO OPERÁRIO OPERÁRIO
ESTRUTURA ORGANIZACIONAL LINEAR
Segundo Fayol, As Estruturas Organizacionais se Caracterizam Pela
Cadeia de Comando (Linha de Autoridade Que Liga as Posições da
Empresa e Especifica Quem se Subordina a Quem)
PRESIDENTE
Diretor
Comercial
Diretor
Administrativo
Diretor de
Produção
ORGANOGRAMA
Estrutura Organizacional Por Departamentos
No Organograma, as Funções São Ligadas Aos Departamentos e o
Exemplo Abaixo Caracteriza a Diretoria Comercial de Uma Empresa
Estrutura Organizacional Matricial
Gerente de Produção
Manutenção
Controle de
Qualidade PEÇAS Fabricação
OPERÁRIOS
Muito Utilizada nas Indústrias Com Mão-
de-Obra Especializada
Embora o Organograma Ainda Seja a Estrutura
Organizacional Mais Usada na Maioria das
Empresas Mundiais, Com o Advento da
Reengenharia Muitas Organizações Vêm
Colocando o Cliente no Centro das Suas Atenções
Isso Significa Que as Estruturas Organizacionais
Vem Se Tornando Mais Flexíveis, Menos
Hierarquizadas e Totalmente Voltadas a Atender
às Exigências de Sua Clientela
Sendo Assim, Já é Possível Observar Algumas
Estruturas Organizacionais Com uma Configuração
Redonda e, Não Mais, Sob a Forma de Pirâmide
CONTRIBUIÇÕES DE ELTON MAYO
AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO:
Fundou a “Escola das
Relações Humanas”
Acreditava Que o Trabalhador
Motivado Alcançava Suas Metas.
Conforme a Motivação
Empregada a
Recompensa Monetária
Era Supérflua.
Acreditava Que os Aspectos Sociais,
Psicológicos e Emocionais do
Trabalhador Eram Mais Importantes
Que os Aspectos Técnicos.
CONTRIBUIÇÕES DE HENRY FORD À ADMINISTRAÇÃO:
Primeiro Fabricante Mundial de Automóveis.
Implantou o Horário de 8
Horas / Dia, Impondo o
Modelo do “Funcionário
Padrão Ford”
Adotou o Sistema
Logístico do “Just in
Time”.
Linha de
Montagem Móvel
Os Operários Pararam de se
Locomover Pela Fábrica e,
em Função Disso, o Produto
a Ser Montado Passou a se
Deslocar Até o Operário, o
Qual Fazendo “Movimentos
Rápidos e Repetitivos”
Passou a Produzir Mais
Produção em Massa
A Linha de Montagem Móvel
Elevou Bastante a Produção da
FORD, a Qual Passou a Produzir
em Série o Modelo T-29
Essa Especialização Demonstrou
Que Quanto Mais uma Indústria
Produz, Mais Ela Aprende a
Fabricar com Qualidade, Cada
Vez Mais Rápido e Mais Barato
Linha de Montagem
(Automóveis no Brasil)
Fábrica da
Romiseta (SP)
Fábrica
Volkswagen
(SP)
Linha de Montagem (Automóveis na Europa e EUA)
Fábrica da Ferrari
(Itália) 1955
Fábrica da G.M.
EUA - 1960
CONTRIBUIÇÕES DE ALFRED
SLOAN À ADMINISTRAÇÃO:
Segundo Fabricante Mundial de
Automóveis
Lançou Outros Tipos de
Veículos e Cores Descentralizou as
Decisões
Administrativas,
Delegando Autoridade
aos Diretores das Filiais
Introduziu as Figuras
do Diretor Financeiro
e de Marketing.
TEORIA COMPORTAMENTAL (Behaviorismo)
Revelou-se na Década de 50 e Suas Propostas Serviram
de Base Para Novas Abordagens Comportamentais
Foi Influenciada Por Estudos
Comportamentais de Outros Campos da
Ciência, Como a Sociologia, a Antropologia e
Outras
Pregava Que o Bom Líder
Precisava Entender a Organização,
os Funcionários e Suas Inter-
relações.
A CONTRIBUIÇÃO DE DOUGLAS MCGREGOR:
Teoria
“X”:
Teoria “Y”:
O Funcionário Tem
Aversão ao Trabalho
O Funcionário Não
Consegue Assumir
Responsabilidades
.O Funcionário Precisa
Ser Controlado e Até
Punido Para Produzir
O Funcionário Vê o Esforço no
Trabalho Tão Naturalmente Quanto
Descansar
O Funcionário Aprende a
Aceitar e Até Procura as
Responsabilidades.
O Funcionário Procura se
Corrigir Para Alcançar
Seus Objetivos
Outros Estudiosos Que Contribuíram Para
o Estudo da Administração:
Chris Argyris: Concluiu Que as Necessidades dos Indivíduos
Eram Incompatíveis Com as Exigências da Organização.
Frederick Herzberg: Detectou Que os Empregados
Associavam Insatisfação Com o Trabalho ao Ambiente
de Trabalho: e a Satisfação Com o Trabalho, ao
Conteúdo do Mesmo.
McClelland: Dividiu os Fatores Motivacionais Que Levam o Indivíduo a
Se Comportar de Maneira Diferente em “Necessidade de Realização”,
“Necessidade de Afiliação” e “Necessidade de Poder”.
A Contribuição de William Ouchi: Teoria “Z”
Utilizando Essa Teoria os Japoneses Uniram Gerentes e
Trabalhadores em Grupos de Trabalho Coesos, Tomando Decisões
em Conjunto e Utilizando-se de “Círculos de Qualidade”.
Os Empregados Eram Envolvidos no
KAIZEN (Aprimoramento Contínuo).
Quando os Trabalhadores se Sentiam
“Sócios” da Organização, se Tornavam
Cada Vez Mais Produtivos e Dedicados
ao Trabalho.
Antes da Revolução Industrial a
Fabricação Ocorria de Forma
Artesanal Onde o Mercado Ainda
Era Inexplorado, Mas em Grande
Expansão
O Aumento da Produção
Conseguido Com a Mecanização
Industrial (em Substituição à
Artesanal) Garantiu Uma
Posição Confortável às
Empresas Emergentes
Com o Advento da Administração
Científica (de Taylor) e do
Fordismo a Lógica da Produção se
Modificou, Havendo Enormes
Melhorias na Produtividade
Devido à Especialização do
Trabalho e à Padronização dos
Produtos e Peças
Isto Foi Conseguido Porque a Demanda
do Mercado Era Superior à Produção e,
Dessa Forma, os Produtos
Padronizados e Similares Encontravam
Consumidores Receptivos
À Medida Que a Oferta de
Produtos Começou a Superar a
Procura, o Aumento da
Concorrência Fez Com Que a
Padronização Fosse
Diminuindo, no Sentido em
Que Novos Modelos Foram
Introduzidos de Forma Mais
Rápida, Reduzindo-se a Vida
Útil dos Produtos
Gradativamente, a Produção Não Vem
Mais Sendo Efetuada em Linhas Rígidas,
Necessitando Hoje de Flexibilidade
Para a Introdução de Novos Modelos e
Frequentes Alterações nos Produtos
Outra Restrição Imposta Pela Competição
Foi a Redução dos Preços de Venda dos
Produtos Industrializados
Portanto, o Atual Mercado é Composto de
Produtos de Boa Qualidade , Com Frequentes
Modificações nos Projetos, Curta Vida Útil e
Muitos Modelos à Disposição dos
Consumidores
Dessa Forma as Empresas
Modernas Precisam Saber
Produzir Com Eficiência a Fim
de Competirem em Igualdade
de Condições Com os
Concorrentes
Mas, Para Isso, Elas Devem Saber
Avaliar Seu Próprio Desempenho e
Intervir Rapidamente Para Corrigir a
Melhoria Dos Processos
Característica da
Empresa Moderna
Melhoria Contínua e Eliminação das
Perdas:
A Indústria Moderna Precisa
Concentrar Esforços na
Busca Constante do Seu
Aprimoramento, Não Apenas
em Inovações Tecnológicas,
Mas Também Eliminando
Perdas em Todos os Seus
“Processos”
As Indústrias Que Não
Conseguirem Isso Serão
Suplantadas Por Seus
Concorrentes, Pois
Atualmente Todas as
Atividades de uma Empresa
Podem Ser Aprimoradas de
Alguma Forma
Pequenos Lotes de Produção
A Fabricação na Moderna Indústria
Deve Ser Efetuada em Pequenas
Quantidades Porque Isso Tende a
Aumentar Sua Produtividade,
Forçando-a a Aprimorar Seus
Processos Produtivos
O Tempo de Preparação
das Máquinas é Visto
Pela Ótica do “Lote
Econômico” (Como Uma
Variável Independente),
Mas Quando se Pretende
a Redução dos Lotes Esta
Variável Deve Ser
Melhorada
Ou Seja, se o Tempo de Preparação das
Máquinas Não Puder Ser Reduzido, a
Produção Não Poderá Ser Efetuada em
Lotes Menores
BAIXOS ESTOQUES
Na Empresa Moderna ao Mesmo Tempo em
Que a Produção Deve Ser em Realizada em
Pequenos Lotes, os Estoques (Matérias-
Primas e Produtos Acabados) Também
Devem Ser Reduzidos
Paradas na Produção
Acontecem e o Gerente
Tradicional Acredita
Que, Quanto Maiores os
Estoques Mais Tempo
Eles Têm Para Resolver
os Problemas, Antes de
Faltarem Produtos Para
a Venda
Mas Com Poucos Estoques, as
Modificações, as Inclusões e
Exclusões de Produtos Podem Ser
Realizadas em Menos Tempo e
Proporcionarem Mais Agilidade Para
Responder ao Mercado
Fluxo Contínuo de Matérias-Primas
Trabalhando Com Lotes Pequenos e
Baixos Estoques, a Indústria Moderna
Consegue se Aproximar de um Fluxo
Contínuo de Matérias-Primas e Chegar
Perto da Produção Contínua
Comparando-se a Fábrica a
um Pequeno Restaurante: -
o Cozinheiro Coloca a Carne
da Grelha Numa Travessa;
Caminha Até o Fogão, Abre
o Forno e Retira uma Batata
Assada e Vai Até o Balcão
Pegar uma Salada
Mas, se Ele Crescesse Como as
Fábricas, a Travessa Seria Levada
Para a Grelha e Receberia um
Pedaço de Carne. Após Isso, Iria
Por Uma Lenta Esteira Até a Batata
e as Verduras. (Aí Esfriaria a
Comida do Cliente)
Filosofia da Qualidade Total
Na Empresa Tradicional a Qualidade
é Função de um Departamento
(Controle da Qualidade), o Qual é
Responsável Pela Conformidade
dos Produtos às Especificações da
Engenharia
Para Assegurar Que Isso Ocorra,
Eles Possuem “Inspetores” Que
Verificam as Matérias-Primas
Recebidas e Atuam em Pontos
Críticos do Processo Produtivo
Mas, Essa Incumbência Geralmente
Provoca Atritos Com Fornecedores e Com
a Produção, Pois Quando as Matérias-
Primas ou os Produtos Têm Baixa
Qualidade Exerce-se Pressão Sobre o
Controle de Qualidade Para Ele Liberar
os Produtos (“Só Dessa Vez”)
Principal Conceito de Qualidade
Atender às Reais
Expectativas dos Clientes
Cliente é Qualquer Pessoa,
Qualquer Empresa ou Qualquer
Processo Que se Utiliza de Um
Determinado Produto, Serviço ou
Informação
Outros Conceitos:
Qualidade Total é o
Conjunto de Ideias e
de Ações Que
Colocam a Qualidade
Como o Ponto Central
das Atividades de
Uma Empresa
1° Princípio da Qualidade:
Total
Satisfação dos
Clientes
Os Clientes São a Razão da Existência de Uma
Empresa e, Atualmente, Não Basta Atendê-los
é Preciso “Encantá-los”
2° Princípio da Qualidade:
Gerência Participativa
Liberdade, Apoio e Estímulo
Para Que as Pessoas
Manifestem Opiniões, Façam
Sugestões e Sejam Ouvidas
Naquilo Que as Compete
3° Princípio:
DESENVOLVIMENTO DE
RECURSOS HUMANOS
Busca a Valorização do Ser Humano,
Possibilitando Seu Crescimento e a Realização
Profissional. O Principal Objetivo é a Motivação
de Todos
4° Princípio da
Qualidade:
CONSTÂNCIA DE PROPÓSITOS
Para Corrigir Nossos Defeitos
Devemos Entender o Que a
Empresa Espera de Nós e, às
Vezes, é Preciso Mudar a
Forma Como Fazemos as
Coisas. Mas, Para Isso,
Necessitamos Persistência e
Compreensão dos Propósitos
da Organização
5° Princípio da
Qualidade:
APERFEIÇOAMENTO
CONTÍNUO
Não Se Conformar Com o
“Bom”, é Preciso Melhorar
Sempre Todos os Dias e Todas
as Horas
É Preciso Inovar, Criar e Assumir
Riscos, Comparando Resultados
Com o Novo Método em Termos
de Qualidade e Produtividade
6° Princípio da Qualidade:
Gerência de Processos
Uma Empresa é Um
Grande Processo
Formado Por Vários
Outros Menores,
Interligando-se e
Formando Cadeias
Cliente / Fornecedor
Para Gerenciar Esse
Processo, é Necessário
Planejar, Executar, Verificar e
Atuar Corretivamente
(O Ciclo PDCA)
7° Princípio da Qualidade:
DELEGAÇÃO DE PODERES
DELEGAR É COLOCAR
O PODER DE DECISÃO
O MAIS PERTO
POSSÍVEL DE ONDE
OCORRE A AÇÃO
8° Princípio da
Qualidade:
DISSEMINAÇÃO DA
INFORMAÇÃO
Proporcionar a Todos Amplos Conhecimentos Sobre o
Negócio da Empresa, Sua Missão e Seus Propósitos
Esquematizar os Fluxos de Informações, Garantindo a
Rapidez e a Confiança nos Dados Apurados e, Com Isso,
a Empresa Ganhará Agilidade nas Decisões
9° Princípio da
Qualidade:
Garantia da Qualidade
A Idéia Fundamental é “Fazer
Certo da 1ª Vez” e, Para Isso, é
Necessário Que os Processos
Sejam Estáveis e Tenham
Normas e Procedimentos
Formalizados, Possibilitando o
Cumprimento das Características
do Produto Acertadas Entre o
Fornecedor e o Cliente
10º Princípio da Qualidade:
Não Aceitação de Erros
Ninguém Deve Se Conformar Com
o Erro, Pois o Padrão Desejado
Deve Ser o “Defeito Zero”
No Entanto, é Preciso Saber Evitar Preventivamente os
Desvios, em Relação a Uma Situação Desejada
Portanto, na Empresa Tradicional a Qualidade é
Diretamente Proporcional Aos Custos. Ou Seja,
Havendo Aumento na Qualidade Também
Aumentam os Custos Unitários da Produção
Mas Essa Visão é Equivocada, Pois Não se
Consegue Medir Com Precisão Esses
Investimentos Para a Melhoria da Qualidade
e, Muito Menos, o Retorno Provocado Por
Eles –Que São Maiores do Que se Imagina
Na Verdade, o Retorno Provocado
Pela Qualidade Proporciona Maior
“Produtividade” e a Consequente
Redução dos “Custos Unitários”
Além Disso, Produtos de
Qualidade e Preço
Competitivo Conquistam
Mais Consumidores
Portanto, um Produto de Qualidade é Aquele
Que Atende Perfeitamente, de Forma
Confiável, Segura e no Tempo Certo às
Necessidades dos Clientes
Dessa Forma, a Empresa Moderna Deve
Atender às Necessidades dos Consumidores,
dos Empregados, dos Acionistas e da
Comunidade Onde se Instalam
Assim, na Empresa Moderna, a Qualidade Total Deve Ser
Perseguida Por Todos e em Todos os Níveis, Restando ao
Departamento de Controle de Qualidade a Função de
Coordenar e Apoiar as Atividades Relativas a Esse Assunto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e WeberModelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e WeberTonigerley Silveira
 
Administraçao Científica (Taylorismo)
Administraçao Científica (Taylorismo)Administraçao Científica (Taylorismo)
Administraçao Científica (Taylorismo)admetz01
 
Inovação empresarial e aumento da produtividade.
Inovação empresarial e aumento da produtividade.Inovação empresarial e aumento da produtividade.
Inovação empresarial e aumento da produtividade.jovensnaeconomia
 
Trabalho precursores da administração
Trabalho precursores da administraçãoTrabalho precursores da administração
Trabalho precursores da administraçãoRosemary Zillig Chile
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Tayloredgarklein
 
Administração de empresas
Administração de empresasAdministração de empresas
Administração de empresasOdirlei Turci
 
Os seguidores das idéias de taylor aula 06-03-012
Os seguidores das idéias de taylor  aula 06-03-012Os seguidores das idéias de taylor  aula 06-03-012
Os seguidores das idéias de taylor aula 06-03-012Helena Reis
 
Teoria Adm Cientifica
Teoria Adm CientificaTeoria Adm Cientifica
Teoria Adm CientificaUEM
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorRafael Santos
 
02 administração (taylorismo)
02   administração (taylorismo)02   administração (taylorismo)
02 administração (taylorismo)Elizeu Ferro
 
Apostila tecnologia industrial
Apostila tecnologia industrialApostila tecnologia industrial
Apostila tecnologia industrialMarcelo Ricardo
 
Principios de administração
Principios de administraçãoPrincipios de administração
Principios de administraçãoTaize Lima
 
Frederick Winslow Taylor
Frederick Winslow TaylorFrederick Winslow Taylor
Frederick Winslow TaylorLaura Marcht
 
Atps teorias da administração
Atps teorias da administraçãoAtps teorias da administração
Atps teorias da administraçãoSIMONE GOUVEA
 
Taylor admcientifica
Taylor admcientificaTaylor admcientifica
Taylor admcientificacarlomitro
 

Mais procurados (18)

Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e WeberModelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
 
1) administração científica
1) administração científica1) administração científica
1) administração científica
 
Administraçao Científica (Taylorismo)
Administraçao Científica (Taylorismo)Administraçao Científica (Taylorismo)
Administraçao Científica (Taylorismo)
 
Inovação empresarial e aumento da produtividade.
Inovação empresarial e aumento da produtividade.Inovação empresarial e aumento da produtividade.
Inovação empresarial e aumento da produtividade.
 
Trabalho precursores da administração
Trabalho precursores da administraçãoTrabalho precursores da administração
Trabalho precursores da administração
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
 
Administração de empresas
Administração de empresasAdministração de empresas
Administração de empresas
 
Os seguidores das idéias de taylor aula 06-03-012
Os seguidores das idéias de taylor  aula 06-03-012Os seguidores das idéias de taylor  aula 06-03-012
Os seguidores das idéias de taylor aula 06-03-012
 
Taylorismo
TaylorismoTaylorismo
Taylorismo
 
Teoria Adm Cientifica
Teoria Adm CientificaTeoria Adm Cientifica
Teoria Adm Cientifica
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylor
 
02 administração (taylorismo)
02   administração (taylorismo)02   administração (taylorismo)
02 administração (taylorismo)
 
Apostila tecnologia industrial
Apostila tecnologia industrialApostila tecnologia industrial
Apostila tecnologia industrial
 
Principios de administração
Principios de administraçãoPrincipios de administração
Principios de administração
 
Frederick Winslow Taylor
Frederick Winslow TaylorFrederick Winslow Taylor
Frederick Winslow Taylor
 
Atps teorias da administração
Atps teorias da administraçãoAtps teorias da administração
Atps teorias da administração
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Taylor admcientifica
Taylor admcientificaTaylor admcientifica
Taylor admcientifica
 

Semelhante a Administracao a evolucao das igrejas as empresas modernas

Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaHamilton Nobrega
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaHamilton F Nobrega
 
Resenha - ADM Científica: Divisão Racional do Trabalho
Resenha - ADM Científica: Divisão Racional do TrabalhoResenha - ADM Científica: Divisão Racional do Trabalho
Resenha - ADM Científica: Divisão Racional do Trabalhoadmetz01
 
Soc trabalho parte ii - aula 1 - versão blog
Soc trabalho   parte ii - aula 1 - versão blogSoc trabalho   parte ii - aula 1 - versão blog
Soc trabalho parte ii - aula 1 - versão blogCarmem Rocha
 
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2Angelo Peres
 
Administração cientifica Professor Danilo Pires
Administração cientifica  Professor Danilo  PiresAdministração cientifica  Professor Danilo  Pires
Administração cientifica Professor Danilo PiresDanilo Pires
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemRafael Lima
 
aula de administracao marco 2010
aula de administracao   marco 2010aula de administracao   marco 2010
aula de administracao marco 2010themis dovera
 
Aula engmet - parte 1
Aula   engmet - parte 1Aula   engmet - parte 1
Aula engmet - parte 1engmetodos
 
88896594-Fundamentos-Da-Enfermagem-Aula-1.pptx
88896594-Fundamentos-Da-Enfermagem-Aula-1.pptx88896594-Fundamentos-Da-Enfermagem-Aula-1.pptx
88896594-Fundamentos-Da-Enfermagem-Aula-1.pptxIsabelleSampaio10
 
Noções de Administração UC1.ppt
Noções de Administração UC1.pptNoções de Administração UC1.ppt
Noções de Administração UC1.pptGuilhermeSilveiraMor
 

Semelhante a Administracao a evolucao das igrejas as empresas modernas (20)

Administração, Gestão e a Tomada de Decisões
Administração, Gestão e a Tomada de DecisõesAdministração, Gestão e a Tomada de Decisões
Administração, Gestão e a Tomada de Decisões
 
Organização Contemporânea 3
Organização Contemporânea 3Organização Contemporânea 3
Organização Contemporânea 3
 
Evolução na Administra
Evolução na AdministraEvolução na Administra
Evolução na Administra
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
 
Resenha - ADM Científica: Divisão Racional do Trabalho
Resenha - ADM Científica: Divisão Racional do TrabalhoResenha - ADM Científica: Divisão Racional do Trabalho
Resenha - ADM Científica: Divisão Racional do Trabalho
 
Aulas de TGA
Aulas de TGAAulas de TGA
Aulas de TGA
 
Soc trabalho parte ii - aula 1 - versão blog
Soc trabalho   parte ii - aula 1 - versão blogSoc trabalho   parte ii - aula 1 - versão blog
Soc trabalho parte ii - aula 1 - versão blog
 
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2
 
Administração cientifica Professor Danilo Pires
Administração cientifica  Professor Danilo  PiresAdministração cientifica  Professor Danilo  Pires
Administração cientifica Professor Danilo Pires
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
 
Cap 2 Empreendedorismo
Cap 2 EmpreendedorismoCap 2 Empreendedorismo
Cap 2 Empreendedorismo
 
aula de administracao marco 2010
aula de administracao   marco 2010aula de administracao   marco 2010
aula de administracao marco 2010
 
Aula engmet - parte 1
Aula   engmet - parte 1Aula   engmet - parte 1
Aula engmet - parte 1
 
Aula engmet - parte 1
Aula   engmet - parte 1Aula   engmet - parte 1
Aula engmet - parte 1
 
88896594-Fundamentos-Da-Enfermagem-Aula-1.pptx
88896594-Fundamentos-Da-Enfermagem-Aula-1.pptx88896594-Fundamentos-Da-Enfermagem-Aula-1.pptx
88896594-Fundamentos-Da-Enfermagem-Aula-1.pptx
 
Apostila administração
Apostila administraçãoApostila administração
Apostila administração
 
Noções de Administração UC1.ppt
Noções de Administração UC1.pptNoções de Administração UC1.ppt
Noções de Administração UC1.ppt
 
1 noções adm tga
1 noções adm tga1 noções adm tga
1 noções adm tga
 

Mais de Polo Educacional do Méier

Mais de Polo Educacional do Méier (20)

Candidatos a emprego do curriculo a demissao
Candidatos a emprego do curriculo a demissaoCandidatos a emprego do curriculo a demissao
Candidatos a emprego do curriculo a demissao
 
Logistica origens conceitos e aplicacoes
Logistica origens conceitos e aplicacoesLogistica origens conceitos e aplicacoes
Logistica origens conceitos e aplicacoes
 
Release 6
Release 6Release 6
Release 6
 
Release 5
Release 5Release 5
Release 5
 
Release 4
Release 4Release 4
Release 4
 
Release 3
Release 3Release 3
Release 3
 
Release 2.
Release 2.Release 2.
Release 2.
 
Release 1.
Release 1.Release 1.
Release 1.
 
Apresentamos o Polo Educacional do Méier
Apresentamos o Polo Educacional do MéierApresentamos o Polo Educacional do Méier
Apresentamos o Polo Educacional do Méier
 
Faculdade Alfamerica
Faculdade AlfamericaFaculdade Alfamerica
Faculdade Alfamerica
 
Unoeste - Universidade do Oeste Paulista
 Unoeste - Universidade do Oeste Paulista Unoeste - Universidade do Oeste Paulista
Unoeste - Universidade do Oeste Paulista
 
Alfamerica seguranca, tecnologia e teologia)
Alfamerica seguranca, tecnologia e teologia)Alfamerica seguranca, tecnologia e teologia)
Alfamerica seguranca, tecnologia e teologia)
 
Alfamerica nutricao e saude
Alfamerica nutricao e saudeAlfamerica nutricao e saude
Alfamerica nutricao e saude
 
Alfamerica gestao e meio ambiente
Alfamerica gestao e meio ambienteAlfamerica gestao e meio ambiente
Alfamerica gestao e meio ambiente
 
Alfamerica direito e comunicacao
Alfamerica direito e comunicacaoAlfamerica direito e comunicacao
Alfamerica direito e comunicacao
 
Alfamerica educacao e bem estar
Alfamerica educacao e bem estarAlfamerica educacao e bem estar
Alfamerica educacao e bem estar
 
Alfamerica institucional
Alfamerica institucionalAlfamerica institucional
Alfamerica institucional
 
Aprenda a lidar com chefes
Aprenda a lidar com chefesAprenda a lidar com chefes
Aprenda a lidar com chefes
 
A arte de gerenciar pessoas nas organizacoes
A arte de gerenciar pessoas nas organizacoesA arte de gerenciar pessoas nas organizacoes
A arte de gerenciar pessoas nas organizacoes
 
Motivacao
MotivacaoMotivacao
Motivacao
 

Administracao a evolucao das igrejas as empresas modernas

  • 1. Qual Foi a Primeira Forma de Organização Empresarial? Qual é a Relação das Antigas Estruturas Militares Com a Forma de Organização Empresarial? Como Ocorreu o Processo da Revolução Industrial? Quem Foram os Personagens Que Contribuíram Para Que a Administração de Tornasse Uma Ciência? Qual a Importância da “Administração Científica”? Quais Foram as Principais Contribuições de TAYLOR, FAIOL e FORD ao Estudo da Administração?
  • 2. O Homem é o Único Animal Que Administra e, Consequentemente, é o Único Que Desenvolveu Aptidão Natural Para Complicar as Coisas A Administração é a Ordem Que Se Instala Quando Um Grupo de Pessoas Coopera, a Fim de Conciliar as Metas Estabelecidas Por Terceiros Com Seus Objetivos Pessoais A Administração Estuda as Necessidades Sociotécnicas da Empresa, Sua Cultura e Seus Recursos a Fim de Realizar Negócios de Forma Estruturada e Organizada MAS, COMO e ONDE TUDO ISSO COMEÇOU?
  • 3. As Primeiras Formas de Organização: As Igrejas Podem Ser Consideradas as Primeiras Formas de Organização Formal da Sociedade Ocidental e, Através dos Séculos, Elas Vêm Exercendo Influência Sobre o Comportamento de Milhões de Pessoas no Mundo Todo As Organizações Militares Evoluíram das Displicentes Ordens dos Cavaleiros Medievais Até os Tempos Modernos Evoluíram Com Uma Hierarquia de Poder Rígida e a Adoção de Princípios Administrativos Comuns a Todas as Empresas da Atualidade Mas, a Revolução Industrial Trouxe Rápidas e Profundas Mudanças, Sociais, Econômicas e Políticas
  • 4. A Revolução Industrial Teve Início na Inglaterra Quando James Watt Inventou a Máquina a Vapor, em 1776 A Utilização Dessa Máquina no Processo de Produção Provocou Uma Enorme Industrialização, a Qual se Estendeu Pela Europa e Por Todo os EUA A Primeira Fase Teve o Carvão Como a Principal Fonte de Energia e, a Segunda, o Ferro Como Principal Matéria-Prima A Segunda Fase (1860-1914) Foi a Revolução da Eletricidade, Dos Derivados do Petróleo Como Fontes de Energia e, a do AÇO, Como Fonte de Matéria-Prima
  • 5. O Crescimento Desorganizado das Empresas Exigia Uma Administração Capaz de Substituir a Improvisação e, Aliado à Necessidade de Maior Produtividade, Fez Surgir a Administração Científica No Início do Século 20 Surgiu Frederick W. Taylor, o Qual Apresentou os “Princípios da Administração Científica e o Estudo da Administração Como Uma Ciência Ele Preconizava a Divisão do Trabalho, Enfatizando Tempos e Métodos a Fim de Assegurar os Objetivos da Produção Taylor Acreditava Que Poderia Alcançar a Máxima Produção Com um Mínimo de Custo, Seguindo o Princípio da Seleção do Trabalhador Certo Para a Tarefa Certa
  • 6. ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA Frederick W. Taylor Estudou os Movimentos dos Trabalhadores, Economizando Tempo e Aumentando a Produção Cronometrou o Tempo Para Realizar Tarefas Selecionou o Trabalhador Certo Para a Tarefa Certa Padronizou Ferramentas e Equipamentos Seus Princípios Eram: Planejamento, Controle e Execução das Tarefas
  • 7. TEORIA CLÁSSICA da ADMINISTRAÇÃO Ele Substituiu as Antigas Estruturas Organizacionais – Com Três Cargos – Pelos Modernos “Organogramas”, os Quais Substituíam a Figura do “Capataz” Pela do “Gerente” No Início do Século XX, um Engenheiro Francês – Henry Fayol – Empregou Anos de Trabalho a Fim de Demonstrar Que, Com Previsão Científica e Métodos Gerenciais, os Resultados Eram Inevitáveis Henry Fayol Centralizou Sua Atenção no Papel da Gestão Empresarial e Nas Qualificações Dos Gestores
  • 8. Antiga Estrutura das Organizações PRESIDENTE 1° Nível da Hierarquia CAPATAZES OPERÁRIOS 2° Nível da Hierarquia 3° Nível da Hierarquia
  • 10. Segundo Fayol, As Estruturas Organizacionais se Caracterizam Pela Cadeia de Comando (Linha de Autoridade Que Liga as Posições da Empresa e Especifica Quem se Subordina a Quem)
  • 12. No Organograma, as Funções São Ligadas Aos Departamentos e o Exemplo Abaixo Caracteriza a Diretoria Comercial de Uma Empresa
  • 13. Estrutura Organizacional Matricial Gerente de Produção Manutenção Controle de Qualidade PEÇAS Fabricação OPERÁRIOS Muito Utilizada nas Indústrias Com Mão- de-Obra Especializada
  • 14. Embora o Organograma Ainda Seja a Estrutura Organizacional Mais Usada na Maioria das Empresas Mundiais, Com o Advento da Reengenharia Muitas Organizações Vêm Colocando o Cliente no Centro das Suas Atenções Isso Significa Que as Estruturas Organizacionais Vem Se Tornando Mais Flexíveis, Menos Hierarquizadas e Totalmente Voltadas a Atender às Exigências de Sua Clientela Sendo Assim, Já é Possível Observar Algumas Estruturas Organizacionais Com uma Configuração Redonda e, Não Mais, Sob a Forma de Pirâmide
  • 15. CONTRIBUIÇÕES DE ELTON MAYO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO: Fundou a “Escola das Relações Humanas” Acreditava Que o Trabalhador Motivado Alcançava Suas Metas. Conforme a Motivação Empregada a Recompensa Monetária Era Supérflua. Acreditava Que os Aspectos Sociais, Psicológicos e Emocionais do Trabalhador Eram Mais Importantes Que os Aspectos Técnicos.
  • 16. CONTRIBUIÇÕES DE HENRY FORD À ADMINISTRAÇÃO: Primeiro Fabricante Mundial de Automóveis. Implantou o Horário de 8 Horas / Dia, Impondo o Modelo do “Funcionário Padrão Ford” Adotou o Sistema Logístico do “Just in Time”.
  • 17. Linha de Montagem Móvel Os Operários Pararam de se Locomover Pela Fábrica e, em Função Disso, o Produto a Ser Montado Passou a se Deslocar Até o Operário, o Qual Fazendo “Movimentos Rápidos e Repetitivos” Passou a Produzir Mais
  • 18. Produção em Massa A Linha de Montagem Móvel Elevou Bastante a Produção da FORD, a Qual Passou a Produzir em Série o Modelo T-29 Essa Especialização Demonstrou Que Quanto Mais uma Indústria Produz, Mais Ela Aprende a Fabricar com Qualidade, Cada Vez Mais Rápido e Mais Barato
  • 19. Linha de Montagem (Automóveis no Brasil) Fábrica da Romiseta (SP) Fábrica Volkswagen (SP)
  • 20. Linha de Montagem (Automóveis na Europa e EUA) Fábrica da Ferrari (Itália) 1955 Fábrica da G.M. EUA - 1960
  • 21. CONTRIBUIÇÕES DE ALFRED SLOAN À ADMINISTRAÇÃO: Segundo Fabricante Mundial de Automóveis Lançou Outros Tipos de Veículos e Cores Descentralizou as Decisões Administrativas, Delegando Autoridade aos Diretores das Filiais Introduziu as Figuras do Diretor Financeiro e de Marketing.
  • 22. TEORIA COMPORTAMENTAL (Behaviorismo) Revelou-se na Década de 50 e Suas Propostas Serviram de Base Para Novas Abordagens Comportamentais Foi Influenciada Por Estudos Comportamentais de Outros Campos da Ciência, Como a Sociologia, a Antropologia e Outras Pregava Que o Bom Líder Precisava Entender a Organização, os Funcionários e Suas Inter- relações.
  • 23. A CONTRIBUIÇÃO DE DOUGLAS MCGREGOR: Teoria “X”: Teoria “Y”: O Funcionário Tem Aversão ao Trabalho O Funcionário Não Consegue Assumir Responsabilidades .O Funcionário Precisa Ser Controlado e Até Punido Para Produzir O Funcionário Vê o Esforço no Trabalho Tão Naturalmente Quanto Descansar O Funcionário Aprende a Aceitar e Até Procura as Responsabilidades. O Funcionário Procura se Corrigir Para Alcançar Seus Objetivos
  • 24. Outros Estudiosos Que Contribuíram Para o Estudo da Administração: Chris Argyris: Concluiu Que as Necessidades dos Indivíduos Eram Incompatíveis Com as Exigências da Organização. Frederick Herzberg: Detectou Que os Empregados Associavam Insatisfação Com o Trabalho ao Ambiente de Trabalho: e a Satisfação Com o Trabalho, ao Conteúdo do Mesmo. McClelland: Dividiu os Fatores Motivacionais Que Levam o Indivíduo a Se Comportar de Maneira Diferente em “Necessidade de Realização”, “Necessidade de Afiliação” e “Necessidade de Poder”.
  • 25. A Contribuição de William Ouchi: Teoria “Z” Utilizando Essa Teoria os Japoneses Uniram Gerentes e Trabalhadores em Grupos de Trabalho Coesos, Tomando Decisões em Conjunto e Utilizando-se de “Círculos de Qualidade”. Os Empregados Eram Envolvidos no KAIZEN (Aprimoramento Contínuo). Quando os Trabalhadores se Sentiam “Sócios” da Organização, se Tornavam Cada Vez Mais Produtivos e Dedicados ao Trabalho.
  • 26. Antes da Revolução Industrial a Fabricação Ocorria de Forma Artesanal Onde o Mercado Ainda Era Inexplorado, Mas em Grande Expansão O Aumento da Produção Conseguido Com a Mecanização Industrial (em Substituição à Artesanal) Garantiu Uma Posição Confortável às Empresas Emergentes Com o Advento da Administração Científica (de Taylor) e do Fordismo a Lógica da Produção se Modificou, Havendo Enormes Melhorias na Produtividade Devido à Especialização do Trabalho e à Padronização dos Produtos e Peças
  • 27. Isto Foi Conseguido Porque a Demanda do Mercado Era Superior à Produção e, Dessa Forma, os Produtos Padronizados e Similares Encontravam Consumidores Receptivos À Medida Que a Oferta de Produtos Começou a Superar a Procura, o Aumento da Concorrência Fez Com Que a Padronização Fosse Diminuindo, no Sentido em Que Novos Modelos Foram Introduzidos de Forma Mais Rápida, Reduzindo-se a Vida Útil dos Produtos Gradativamente, a Produção Não Vem Mais Sendo Efetuada em Linhas Rígidas, Necessitando Hoje de Flexibilidade Para a Introdução de Novos Modelos e Frequentes Alterações nos Produtos
  • 28. Outra Restrição Imposta Pela Competição Foi a Redução dos Preços de Venda dos Produtos Industrializados Portanto, o Atual Mercado é Composto de Produtos de Boa Qualidade , Com Frequentes Modificações nos Projetos, Curta Vida Útil e Muitos Modelos à Disposição dos Consumidores Dessa Forma as Empresas Modernas Precisam Saber Produzir Com Eficiência a Fim de Competirem em Igualdade de Condições Com os Concorrentes Mas, Para Isso, Elas Devem Saber Avaliar Seu Próprio Desempenho e Intervir Rapidamente Para Corrigir a Melhoria Dos Processos
  • 29. Característica da Empresa Moderna Melhoria Contínua e Eliminação das Perdas: A Indústria Moderna Precisa Concentrar Esforços na Busca Constante do Seu Aprimoramento, Não Apenas em Inovações Tecnológicas, Mas Também Eliminando Perdas em Todos os Seus “Processos” As Indústrias Que Não Conseguirem Isso Serão Suplantadas Por Seus Concorrentes, Pois Atualmente Todas as Atividades de uma Empresa Podem Ser Aprimoradas de Alguma Forma
  • 30. Pequenos Lotes de Produção A Fabricação na Moderna Indústria Deve Ser Efetuada em Pequenas Quantidades Porque Isso Tende a Aumentar Sua Produtividade, Forçando-a a Aprimorar Seus Processos Produtivos O Tempo de Preparação das Máquinas é Visto Pela Ótica do “Lote Econômico” (Como Uma Variável Independente), Mas Quando se Pretende a Redução dos Lotes Esta Variável Deve Ser Melhorada Ou Seja, se o Tempo de Preparação das Máquinas Não Puder Ser Reduzido, a Produção Não Poderá Ser Efetuada em Lotes Menores
  • 31. BAIXOS ESTOQUES Na Empresa Moderna ao Mesmo Tempo em Que a Produção Deve Ser em Realizada em Pequenos Lotes, os Estoques (Matérias- Primas e Produtos Acabados) Também Devem Ser Reduzidos Paradas na Produção Acontecem e o Gerente Tradicional Acredita Que, Quanto Maiores os Estoques Mais Tempo Eles Têm Para Resolver os Problemas, Antes de Faltarem Produtos Para a Venda Mas Com Poucos Estoques, as Modificações, as Inclusões e Exclusões de Produtos Podem Ser Realizadas em Menos Tempo e Proporcionarem Mais Agilidade Para Responder ao Mercado
  • 32. Fluxo Contínuo de Matérias-Primas Trabalhando Com Lotes Pequenos e Baixos Estoques, a Indústria Moderna Consegue se Aproximar de um Fluxo Contínuo de Matérias-Primas e Chegar Perto da Produção Contínua Comparando-se a Fábrica a um Pequeno Restaurante: - o Cozinheiro Coloca a Carne da Grelha Numa Travessa; Caminha Até o Fogão, Abre o Forno e Retira uma Batata Assada e Vai Até o Balcão Pegar uma Salada Mas, se Ele Crescesse Como as Fábricas, a Travessa Seria Levada Para a Grelha e Receberia um Pedaço de Carne. Após Isso, Iria Por Uma Lenta Esteira Até a Batata e as Verduras. (Aí Esfriaria a Comida do Cliente)
  • 33. Filosofia da Qualidade Total Na Empresa Tradicional a Qualidade é Função de um Departamento (Controle da Qualidade), o Qual é Responsável Pela Conformidade dos Produtos às Especificações da Engenharia Para Assegurar Que Isso Ocorra, Eles Possuem “Inspetores” Que Verificam as Matérias-Primas Recebidas e Atuam em Pontos Críticos do Processo Produtivo Mas, Essa Incumbência Geralmente Provoca Atritos Com Fornecedores e Com a Produção, Pois Quando as Matérias- Primas ou os Produtos Têm Baixa Qualidade Exerce-se Pressão Sobre o Controle de Qualidade Para Ele Liberar os Produtos (“Só Dessa Vez”)
  • 34. Principal Conceito de Qualidade Atender às Reais Expectativas dos Clientes Cliente é Qualquer Pessoa, Qualquer Empresa ou Qualquer Processo Que se Utiliza de Um Determinado Produto, Serviço ou Informação
  • 35. Outros Conceitos: Qualidade Total é o Conjunto de Ideias e de Ações Que Colocam a Qualidade Como o Ponto Central das Atividades de Uma Empresa
  • 36. 1° Princípio da Qualidade: Total Satisfação dos Clientes Os Clientes São a Razão da Existência de Uma Empresa e, Atualmente, Não Basta Atendê-los é Preciso “Encantá-los”
  • 37. 2° Princípio da Qualidade: Gerência Participativa Liberdade, Apoio e Estímulo Para Que as Pessoas Manifestem Opiniões, Façam Sugestões e Sejam Ouvidas Naquilo Que as Compete
  • 38. 3° Princípio: DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS Busca a Valorização do Ser Humano, Possibilitando Seu Crescimento e a Realização Profissional. O Principal Objetivo é a Motivação de Todos
  • 39. 4° Princípio da Qualidade: CONSTÂNCIA DE PROPÓSITOS Para Corrigir Nossos Defeitos Devemos Entender o Que a Empresa Espera de Nós e, às Vezes, é Preciso Mudar a Forma Como Fazemos as Coisas. Mas, Para Isso, Necessitamos Persistência e Compreensão dos Propósitos da Organização
  • 40. 5° Princípio da Qualidade: APERFEIÇOAMENTO CONTÍNUO Não Se Conformar Com o “Bom”, é Preciso Melhorar Sempre Todos os Dias e Todas as Horas É Preciso Inovar, Criar e Assumir Riscos, Comparando Resultados Com o Novo Método em Termos de Qualidade e Produtividade
  • 41. 6° Princípio da Qualidade: Gerência de Processos Uma Empresa é Um Grande Processo Formado Por Vários Outros Menores, Interligando-se e Formando Cadeias Cliente / Fornecedor Para Gerenciar Esse Processo, é Necessário Planejar, Executar, Verificar e Atuar Corretivamente (O Ciclo PDCA)
  • 42. 7° Princípio da Qualidade: DELEGAÇÃO DE PODERES DELEGAR É COLOCAR O PODER DE DECISÃO O MAIS PERTO POSSÍVEL DE ONDE OCORRE A AÇÃO
  • 43. 8° Princípio da Qualidade: DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO Proporcionar a Todos Amplos Conhecimentos Sobre o Negócio da Empresa, Sua Missão e Seus Propósitos Esquematizar os Fluxos de Informações, Garantindo a Rapidez e a Confiança nos Dados Apurados e, Com Isso, a Empresa Ganhará Agilidade nas Decisões
  • 44. 9° Princípio da Qualidade: Garantia da Qualidade A Idéia Fundamental é “Fazer Certo da 1ª Vez” e, Para Isso, é Necessário Que os Processos Sejam Estáveis e Tenham Normas e Procedimentos Formalizados, Possibilitando o Cumprimento das Características do Produto Acertadas Entre o Fornecedor e o Cliente
  • 45. 10º Princípio da Qualidade: Não Aceitação de Erros Ninguém Deve Se Conformar Com o Erro, Pois o Padrão Desejado Deve Ser o “Defeito Zero” No Entanto, é Preciso Saber Evitar Preventivamente os Desvios, em Relação a Uma Situação Desejada
  • 46. Portanto, na Empresa Tradicional a Qualidade é Diretamente Proporcional Aos Custos. Ou Seja, Havendo Aumento na Qualidade Também Aumentam os Custos Unitários da Produção Mas Essa Visão é Equivocada, Pois Não se Consegue Medir Com Precisão Esses Investimentos Para a Melhoria da Qualidade e, Muito Menos, o Retorno Provocado Por Eles –Que São Maiores do Que se Imagina Na Verdade, o Retorno Provocado Pela Qualidade Proporciona Maior “Produtividade” e a Consequente Redução dos “Custos Unitários” Além Disso, Produtos de Qualidade e Preço Competitivo Conquistam Mais Consumidores
  • 47. Portanto, um Produto de Qualidade é Aquele Que Atende Perfeitamente, de Forma Confiável, Segura e no Tempo Certo às Necessidades dos Clientes Dessa Forma, a Empresa Moderna Deve Atender às Necessidades dos Consumidores, dos Empregados, dos Acionistas e da Comunidade Onde se Instalam Assim, na Empresa Moderna, a Qualidade Total Deve Ser Perseguida Por Todos e em Todos os Níveis, Restando ao Departamento de Controle de Qualidade a Função de Coordenar e Apoiar as Atividades Relativas a Esse Assunto