PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA
Guajará-Mirim
Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000
e-mai...
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA
Guajará-Mirim
Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000
e-mai...
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA
Guajará-Mirim
Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000
e-mai...
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA
Guajará-Mirim
Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000
e-mai...
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA
Guajará-Mirim
Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000
e-mai...
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA
Guajará-Mirim
Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000
e-mai...
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA
Guajará-Mirim
Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000
e-mai...
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA
Guajará-Mirim
Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000
e-mai...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Justiça de Rondônia condena ex-prefeito e ex-secretário de Educação de Guajará-Mirim

464 visualizações

Publicada em

A decisão é da juíza de Direito Karina Miguel Sobral, da 1ª Vara Cível de Guajará-Mirim. Cabe recurso da decisão

Publicada em: Internet
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
464
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
152
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Justiça de Rondônia condena ex-prefeito e ex-secretário de Educação de Guajará-Mirim

  1. 1. PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Guajará-Mirim Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000 e-mail: gum1civel@tjro.jus.br Fl.______ _________________________ Rita de Cássia de Brito Morais Cad. 203162 Documento assinado digitalmente em 23/11/2015 17:56:15 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001. Signatário: KARINA MIGUEL SOBRAL:101225-8 GUM1CIVEL-01 - Número Verificador: 1015.2008.0014.2011.61930 - Validar em www.tjro.jus.br/adoc Pág. 1 de 8 CONCLUSÃO Aos 15 dias do mês de Março de 2012, faço estes autos conclusos a Juíza de Direito Karina Miguel Sobral. Eu, _________ Rita de Cássia de Brito Morais - Escrivã(o) Judicial, escrevi conclusos. Vara: 1ª Vara Cível Processo: 0014201-85.2008.8.22.0015 Classe: Ação Civil de Improbidade Administrativa Autor: Ministério Público do Estado de Rondônia Requerido: Cláudio Roberto Scolari Pilon; Josemar Almeida Souza SENTENÇA O Ministério Público do Estado de Rondônia propôs Ação Civil Pública por Ato de Improbidade Administrativa em face de Cláudio Roberto Scolari Pilon e Josemar Almeida Souza, em que alega terem os requeridos praticado ato de improbidade consistente em prejuízo ao erário e na violação dos princípios da Administração Pública, nos termos dos artigos 10 e 11 da Lei n. 8.429/1992. Consta na inicial que, no ano de 2003, os requeridos Cláudio Pilon (Prefeito) e Josemar Souza (Secretário municipal de educação) teriam praticado diversas ilegalidades no exercício de suas funções, que refletem em violação aos princípios da legalidade, da eficiência, da moralidade, probidade e lealdade, como a concessão de diárias sem comprovação e o pagamento do próprio salário com recursos do FUNDEF. Assim, requer seja julgado procedente o pedido, para condenar os réus às sanções do artigo 12, incisos II ou III da Lei n. 8.429/1992. Com a inicial vieram os documentos de fls. 07/244. Os requeridos foram notificados, sendo que Cláudio Roberto Scolari Pilon apresentou defesa preliminar às fls. 256/288, acompanhada dos documentos de fls. 289/304. Josemar Almeida Souza, embora notificado, deixou transcorrer in albis o prazo para apresentação de defesa preliminar. Recebida a inicial, em decisão de fls. 305/306, foram citados os requeridos, tendo Cláudio Pilon apresentado contestação às fls. 311/345 e Josemar não apresentou sua defesa, conforme certidão de fls. 345-verso. O Ministério Público manifestou-se às fls. 363, pela ausência de interesse na produção de prova oral e requereu o julgamento antecipado da lide. Citado para integrar a lide, o Município de Guajará-Mirim, manifestou-se às fls. 367, pelo seu interesse, igualmente pugnando pelo julgamento antecipado da lide.
  2. 2. PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Guajará-Mirim Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000 e-mail: gum1civel@tjro.jus.br Fl.______ _________________________ Rita de Cássia de Brito Morais Cad. 203162 Documento assinado digitalmente em 23/11/2015 17:56:15 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001. Signatário: KARINA MIGUEL SOBRAL:101225-8 GUM1CIVEL-01 - Número Verificador: 1015.2008.0014.2011.61930 - Validar em www.tjro.jus.br/adoc Pág. 2 de 8 Ante o fato de que o julgamento do Processo n. 0845/06-TCE-RO, convertido em Tomada de Contas Especial, que tramitou perante o Tribunal de Contas do Estado de Rondônia ser relevante para o deslinde do feito, foram encaminhados os Ofícios de fls. 369/370/371/372, sobre o andamento do feito, pelo que em 24/08/2010 foi intimado o autor para que se manifestasse quanto à possibilidade de suspensão do feito para aguardar o julgamento definitivo do processo (fls. 394). Não se opondo o autor, foi determinada a suspensão do processo por 05 meses em 06/09/2010 (fls. 395), prorrogado por mais 04 meses em 19/04/2011 (fls. 418), ante a informação prestada pelo TCE/RO às fls. 398. Em Ofício n. 1177/Pleno/SGS/11, o Tribunal de Contas do Estado informou em 04/11/2011 o julgamento do processo (fls. 420), encaminhando o voto, o relatório e o acórdão (fls. 422/448). Intimadas as partes (fls. 449), o Ministério Público manifestou-se novamente pelo julgamento antecipado da lide (fls. 450) e, por seu turno, os requeridos não se manifestaram, conforme certidão de fls. 451. Vistos em correição em 14/02/2014, e novamente em 06/05/2015. É o relatório. Decido. FUNDAMENTAÇÃO DA PRELIMINAR Preambularmente, há que se declarar a revelia do requerido Josemar Almeida Souza, que tendo sido regularmente citado, deixou de apresentar defesa, pelo que aplico-lhe os efeitos do artigo 319 do CPC. Em contestação, o requerido Cláudio Pilon alegou preliminar de carência de ação, ante a impossibilidade jurídica do pedido, pois como Prefeito à época dos fatos narrados, não poderia responder pela conduta descrita na peça inaugural, tendo em vista que os agentes públicos cometem crime de responsabilidade, estando sujeitos ao decreto Lei n. 201/67 e não à Lei de Improbidade Administrativa – LIA, não tendo sido demonstrada sua intenção de lesar o erário. A Lei de Improbidade Administrativa prevê, em seu art. 2º, reputar- se agente público "todo aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função." Do referido dispositivo, retira-se que é a ação civil pública meio adequado para se processar agente político por prática de ato de improbidade, independentemente de sua conduta configurar crime de responsabilidade.
  3. 3. PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Guajará-Mirim Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000 e-mail: gum1civel@tjro.jus.br Fl.______ _________________________ Rita de Cássia de Brito Morais Cad. 203162 Documento assinado digitalmente em 23/11/2015 17:56:15 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001. Signatário: KARINA MIGUEL SOBRAL:101225-8 GUM1CIVEL-01 - Número Verificador: 1015.2008.0014.2011.61930 - Validar em www.tjro.jus.br/adoc Pág. 3 de 8 Não se pode confundir as sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa com as dos crimes de responsabilidade, sendo certo que o agente político se sujeita a ambas disciplinas, conforme o ato por ele praticado. O próprio texto da lei esclarece, no art. 12, caput, da Lei n. 8.429/92, de forma taxativa: "independentemente das sanções penais, civis e administrativas, previstas na legislação específica, está o responsável pelo ato de improbidade sujeito às sanções nela previstas." Depreende-se, portanto, inequivocamente, que a Lei n. 8.429/92 é aplicável a todos agentes públicos, incluídos neste rol os agentes políticos que, por ação ou omissão, pratiquem ato de improbidade administrativa. Assim, o fato de os agentes políticos estarem regidos por normas especiais no que tange ao crime de responsabilidade, não obsta o ajuizamento de ação civil pública por ato de improbidade administrativa, já que na condição de agentes políticos também se encontram submetidos às normas da Lei n. 8.429/92, motivo pelo qual afasto a alegação de impossibilidade jurídica do pedido. DO MÉRITO No mérito, defende o requerido Cláudio Roberto Scolari Pilon que não foram demonstrados o dolo ou a má-fé e nem prova do dano ao erário municipal, afirmando que os serviços públicos oferecidos pela secretaria de educação não foram prejudicados, não se configurando nenhuma conduta ímproba. Com efeito, a tipificação do art. 10 da Lei de Improbidade Administrativa, apesar de prever a modalidade culposa, exige prova inequívoca de prejuízo ao erário. Sobre as condutas descritas no artigo 10 da Lei 8.429/92, leciona o professor MAURO ROBERTO GOMES DE MATTOS: para que haja subsunção na hipótese em tela, a conduta do agente público, ainda que seja omissão, dolosa ou culposa, deverá acarretar prejuízo para o erário, causando-lhe lesão (O Limite da Improbidade Administrativa, Rio de Janeiro, Forense, 2010, p. 264). Nesse sentido, tem se manifestado o Superior Tribunal de Justiça: PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. RECURSO ESPECIAL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. ART. 10 DA LEI N. 8.429/92. NAO RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PATRONAIS. SANEAMENTO DAS CONTAS PÚBLICAS. INEXISTÊNCIA DE PREJUÍZO AO ERÁRIO. AUSÊNCIA DE SUBSUNÇAO DO ATO REPUTADO ÍMPROBO AO TIPO PREVISTO INDIGITADO DISPOSITIVO. 1. A configuração dos atos de improbidade administrativa previstos no art.
  4. 4. PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Guajará-Mirim Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000 e-mail: gum1civel@tjro.jus.br Fl.______ _________________________ Rita de Cássia de Brito Morais Cad. 203162 Documento assinado digitalmente em 23/11/2015 17:56:15 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001. Signatário: KARINA MIGUEL SOBRAL:101225-8 GUM1CIVEL-01 - Número Verificador: 1015.2008.0014.2011.61930 - Validar em www.tjro.jus.br/adoc Pág. 4 de 8 10 da Lei de Improbidade Administrativa (atos de Improbidade Administrativa que causam prejuízo ao erário), à luz da atual jurisprudência do STJ, exige a presença do efetivo dano ao erário (critério objetivo) e, ao menos, culpa. Precedentes: AgRg no Ag 1.386.249/RJ, Relator Ministro Benedito Gonçalves, Primeira Turma, DJe 13/4/2012; EREsp 479.812/SP, Relator Ministro Teori Albino Zvascki, Primeira Seção, DJe 27/09/2010; e AgRg no AREsp 21.662/SP, Relator Ministro Napoleão Nunes Maia Filho, Primeira Turma, DJe 15/2/2012. (...). 5. Recurso especial provido (REsp. 1.206.741/SP, Rel. Min. BENEDITO GONÇALVES, DJe 23.05.2012). ADMINISTRATIVO. RECURSO ESPECIAL. IMPUTAÇÃO DE ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. IMPUTAÇÃO CALCADA NO ART. 10 DA LEI 8.429/92. INDISPENSÁVEL A COMPROVAÇÃO DO EFETIVO PREJUÍZO AO ERÁRIO. PRECEDENTES STJ. TRIBUNAL A QUO QUE AFIRMOU AUSENTE A PROVA DA OCORRÊNCIA DE DANO AO ERÁRIO OU DE MÁ-FÉ DOS RECORRIDOS. REQUISITOS DA TIPICIDADE ÍMPROBA NÃO DEMONSTRADOS. RECURSO ESPECIAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS AO QUAL SE NEGA PROVIMENTO. 1. Este colendo Superior Tribunal de Justiça já decidiu, reiteradamente, que nos atos de improbidade administrativa descritos no art. 10 da Lei 8.429/92, é indispensável a demonstração de efetivo dano ao erário. Precedentes: REsp. 1.233.502/MG, Rel. Min. CESAR ASFOR ROCHA, DJe 23.08.2012; REsp. 1.206.741, Rel. Min. BENEDITO GONÇALVES, DJe 23.05.2012. 2. In casu, o voto condutor do acórdão recorrido consignou não haver prova da ocorrência de dano ao erário ou de má-fé dos recorridos; assim, não restou demonstrado o preenchimento dos requisitos da tipicidade ímproba. 3. Parecer do MPF pelo não conhecimento do Recurso Especial. 4. Recurso Especial do MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ao qual se nega provimento. (STJ - REsp: 1173677 MG 2010/0003634-6, Relator: Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO, Data de Julgamento: 20/08/2013, T1 - PRIMEIRA TURMA, Data de Publicação: DJe 30/08/2013). Ainda, sobre a necessidade de demonstração de lesão ao patrimônio público, leciona Waldo Fazzio Júnior: “Tem-se ato de improbidade que causa lesão ao patrimônio público econômico quando o agente público facilita, permite ou concorre para a apropriação ou uso de bens, rendas, valores, verbas e coisas (móveis ou imóveis) do patrimônio público econômico, por terceiro, pessoa física ou jurídica. Também quando doa sem observar formalidades legais ou regulamentares, permite ou facilita a aquisição de bem ou serviço por preço superfaturado e, bem assim, a alienação, permuta ou locação de bem ou prestação de serviço por valor subestimado”. (, op. cit., p. 122). Na espécie, constata-se às fls. 422/448, que o Tribunal de Contas
  5. 5. PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Guajará-Mirim Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000 e-mail: gum1civel@tjro.jus.br Fl.______ _________________________ Rita de Cássia de Brito Morais Cad. 203162 Documento assinado digitalmente em 23/11/2015 17:56:15 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001. Signatário: KARINA MIGUEL SOBRAL:101225-8 GUM1CIVEL-01 - Número Verificador: 1015.2008.0014.2011.61930 - Validar em www.tjro.jus.br/adoc Pág. 5 de 8 do Estado de Rondônia julgou Representação sobre possíveis irregularidades na aplicação dos recursos do FUNDEF no município de Guajará-Mirim (Processo n. 0845/2004), convertida em Tomada de Contas Especial (Decisão n. 75/2007), considerando-a irregular, nos termos do artigo 16, inciso III, “b” da Lei Complementar Estadual n. 154/96: Art. 16 – As contas serão julgadas: […] III - irregulares, quando comprovadas quaisquer das seguintes ocorrências: [...] b) prática de ato de gestão ilegal, ilegítimo, antieconômico ou infração à norma legal ou regulamentar de natureza contábil, financeira, orçamentária, operacional ou patrimonial; [...]” Mister destacar que o processo de Tomada de Contas Especial é um processo específico, com rito próprio, para apurar responsabilidade por ocorrência de dano à administração pública e obtenção do respectivo ressarcimento. Assim, em julgamento pelos Conselheiros do TCE/RO, foram responsabilizados solidariamente o ex-prefeito Cláudio Pilon e o ex-secretário municipal da educação, Josemar Souza, em razão das diversas irregularidades constatadas. Dentre estas, destaque-se a concessão injustificada de diárias concedidas à Franciney Cardoso Teixeira e Marluce Araújo dos Santos, no valor total de R$480,00 (quatrocentos e oitenta reais); a ausência de cumprimento da aplicação do mínimo de 25% à educação, determinada pelo artigo 212 da Constituição Federal; e o saldo bancário a menor existente na conta do FUNDEF, no total de R$16.164,22 (dezesseis mil cento e sessenta e quatro reais e vinte e dois centavos), sem a devida comprovação de aplicação na manutenção do ensino. Em contestação, o requerido Cláudio Roberto Scolari Pilon afirma que os auditores não consideraram as despesas referentes aos restos a pagar de 2002. Aponta que foram considerados tão somente os processos apresentados à equipe de inspeção e, em decorrência disso, incorreram em interpretação equivocada das demonstrações contábeis do município. Ora, o dever de prestar contas é imposto aos gestores públicos por força do que estabelece o art. 70, parágrafo único, da Constituição Federal. Significa dizer que os gestores que administram a res publica têm obrigação de prestar contas. Essa obrigação é materializada exatamente mediante a apresentação de todos os documentos referentes às suas contas ao Tribunal de Contas do Estado, que tem a função de examinar e julgar a regularidade da gestão. Dessa maneira, era obrigação do gestor público a apresentação de todos os documentos/processos à equipe de inspeção. Ademais, os argumentos do
  6. 6. PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Guajará-Mirim Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000 e-mail: gum1civel@tjro.jus.br Fl.______ _________________________ Rita de Cássia de Brito Morais Cad. 203162 Documento assinado digitalmente em 23/11/2015 17:56:15 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001. Signatário: KARINA MIGUEL SOBRAL:101225-8 GUM1CIVEL-01 - Número Verificador: 1015.2008.0014.2011.61930 - Validar em www.tjro.jus.br/adoc Pág. 6 de 8 requerido não encontram suporte nos documentos apresentados, sendo que a elaboração unilateral de tabelas e planilhas apresentadas com a defesa não as tornam suficientes para ilidir as conclusões apresentadas pelo TCE/RO. Anoto, ainda, que não cabe ao Poder Judiciário, mormente nesta sede, em razão da distribuição de competências, a análise sobre o acerto ou equívoco do TCE, quando do julgamento das contas e documentos apresentados, devendo ser examinado, exclusivamente, se o processo obedeceu aos trâmites prescritos e sob este ponto não vislumbro nenhuma irregularidade. Sem dúvida, in casu, o dano ao erário ficou claramente comprovado no bojo dos autos, seja pelo desvio de valores do FUNDEF, seja pela ausência de comprovação das diárias concedidas a servidores, no valor total de R$480,00 (como igualmente reconhecido pelo TCE), pelo descumprimento do art. 212, da CF, art. 60, da ADCT, do art. 7º da Lei 8.424/96, pelo que entendo configurada a violação aos artigos 10 e 11 da Lei de Improbidade Administrativa, não se desincumbindo os requeridos dos ônus previstos no artigo 333, inciso II do Código de Processo Civil, pelo que entendo cabível ao caso concreto a imputação das sanções dos incisos II e III do artigo 12 da LIA. É mister assinalar que a ausência de comprovação das diárias concedidas a servidores limitou-se ao valor total de R$480,00, como também reconhecido pelo TCE, não tendo o autor demonstrado que as demais diárias indicadas na inicial também não foram comprovadas, haja vista que a prestação de contas foi considerada irregular somente em relação à falta de comprovação de diárias destinadas a dois servidores, no total de R$480,00. Contudo, as cominações previstas no art. 12 da Lei nº 8.429/1992 não determinam, necessariamente, aplicação cumulativa, devendo ser observado o caso concreto, em respeito aos princípios da razoabilidade, proporcionalidade, adequação e racionalidade na interpretação do dispositivo. Neste sentido: ADMINISTRATIVO. LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. APLICAÇÃO DA PENA. 1. A aplicação da pena, em improbidade administrativa, deve ser empregada de forma que seja considerada a gravidade do ilícito, a extensão do dano e o proveito patrimonial obtido. 2. Pena de multa pecuniária no valor de 12 (doze) vezes o valor do subsídio pago a vereador do município. 3. Publicidade de promoção pessoal para fins eleitorais por conta do erário público. 4. Aplicação das penas de suspensão de direitos políticos e perda do cargo que não se justificam. 5. Razoabilidade e proporcionalidade da pena aplicada. 6.Recurso especial conhecido e não-provido (REsp 929.289-MG, rel. Min. José Delgado, Primeira Turma, julgado em 18-12-07, DJ 28-02-08, p. 77). Ainda no que concerne às sanções da Lei de Improbidade, esclarece José dos Santos Carvalho Filho que: “A aplicação das sanções pressupõe a observância do princípio da
  7. 7. PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Guajará-Mirim Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000 e-mail: gum1civel@tjro.jus.br Fl.______ _________________________ Rita de Cássia de Brito Morais Cad. 203162 Documento assinado digitalmente em 23/11/2015 17:56:15 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001. Signatário: KARINA MIGUEL SOBRAL:101225-8 GUM1CIVEL-01 - Número Verificador: 1015.2008.0014.2011.61930 - Validar em www.tjro.jus.br/adoc Pág. 7 de 8 proporcionalidade, exigindo-se correlação entre a natureza da conduta de improbidade administrativa e a penalidade a ser imposta ao autor. A aplicação do princípio é relevantíssima no caso de improbidade em virtude de a lei apresentar tipos abertos, dando margem a interpretações abusivas. Desse modo, condutas de menor gravidade não são suscetíveis de sanções mais severas do que exige a natureza da conduta (in Manual de Direito Administrativo. 15 ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006. p. 882).” Desta feita, tendo em vista que o requerente pleiteou a perda da função pública, a suspensão dos direitos políticos, condenação em multa civil e proibição de contratar com o Poder Público e condenação dos réus ao pagamento das custas processuais devidas pelo princípio da sucumbência, aplicando-se os princípios da razoabilidade, proporcionalidade, adequação e racionalidade, passo ao: DISPOSITIVO Posto isso, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido inicial, com fulcro no artigo 269, inciso I, do Código de Processo Civil para: CONDENAR os réus Cláudio Roberto Scolari Pilon e Josemar Almeida Souza, nas seguintes penalidades: a) perda da função pública que eventualmente estejam ocupando; b) suspensão dos direitos políticos pelo prazo de 05 (cinco) anos; c) multa civil em montante equivalente a 05 (cinco) vezes o valor do dano ao erário (R$480,00), solidariamente aos réus, corrigido monetariamente. Sobre esta quantia também incidirá juros de 1% ao mês contados desde a publicação da sentença até o efetivo pagamento; c.1) A multa civil deverá revertida em favor do Fundo Municipal de Educação de Guajará-Mirim/RO, nos termos do art. 18 da Lei nº 8.429/92. d) a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 05 (cinco) anos. Condeno, ainda, os réus ao pagamento das custas processuais, por rata. Sentença registrada e publicada automaticamente no SAP. Intimem-se.
  8. 8. PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Guajará-Mirim Av. 15 de Novembro c / Campos Sales, 1981, Serraria, 76.850-000 e-mail: gum1civel@tjro.jus.br Fl.______ _________________________ Rita de Cássia de Brito Morais Cad. 203162 Documento assinado digitalmente em 23/11/2015 17:56:15 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001. Signatário: KARINA MIGUEL SOBRAL:101225-8 GUM1CIVEL-01 - Número Verificador: 1015.2008.0014.2011.61930 - Validar em www.tjro.jus.br/adoc Pág. 8 de 8 Transitada em julgado e inexistindo o pagamento voluntário, caso haja requerimento, intimem-se os requeridos para efetuarem o pagamento da condenação, no prazo de 15 dias, sob pena de acréscimo de 10%, conforme previsão do art. 475-J, CPC. Após a certificação do trânsito em julgado: a) intime-se o MP e o Fundo Municipal de Educação de Guajará- Mirim para, concorrentemente, providenciarem a execução dos capítulos condenatórios de obrigação de pagar quantias em dinheiro; b) oficie-se ao Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia, acerca da suspensão dos direitos políticos dos requeridos; c) oficiem-se à Administração Federal, Estadual e do Município de Guajará-Mirim/RO, ao Tribunal de Contas da União - TCU; ao Tribunal de Contas do Estado de Rondônia; ao Banco Central do Brasil - BCB; ao Banco do Brasil S/A; à Caixa Econômica Federal - CEF; e ao Banco da Amazônia - BASA, dando notícia desta SENTENÇA, para que eles observem a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou de creditícios, pelo prazo de 05 (cinco) anos; d) providencie-se o cadastramento deste processo na página do Conselho Nacional de Justiça - CNJ na internet, em cumprimento do disposto na Resolução nº 44/2007 do CNJ, que criou o Cadastro Nacional de Condenados por Ato de Improbidade Administrativa. Após, nada sendo requerido, arquive-se. Guajará -Mirim-RO, segunda-feira, 23 de novembro de 2015. Karina Miguel Sobral Juíza de Direito RECEBIMENTO Aos ____ dias do mês de Novembro de 2015. Eu, _________ Rita de Cássia de Brito Morais - Escrivã(o) Judicial, recebi estes autos. REGISTRO NO LIVRO DIGITAL Certifico e dou fé que a sentença retro, mediante lançamento automático, foi registrada no livro eletrônico sob o número 1182/2015.

×