Palestra VRaptor 3

182 visualizações

Publicada em

Slides utilizados para uma palestra sobre VRaptor 3, um framework brasileiro criado pela Caleum.

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

Palestra VRaptor 3

  1. 1.  O que é o VRaptor?  Primeiro contato  Injeção de dependências  Enviando dados via form  Escopos definidos  Validação  REST
  2. 2.  Framework MVC brasileiro  Desenvolvido pela Caelum  Inspirado no Ruby on Rails  Focado no desenvolvimento ágil  Diminui drasticamente tempo de trabalho  Convenção sobre configuração  Roda sobre o Spring
  3. 3.  O que é o VRaptor?  Primeiro contato  Injeção de dependências  Enviando dados via form  Escopos definidos  Validação  REST
  4. 4.  Convenção de acesso à view: WEB-INF/jsp/{nomeDoResource}/{nomeDoMétodo}.jsp  No nosso caso: WEB-INF/jsp/olaMundo/ola.jsp  Como acessaremos a view: localhost:8080/PalestraVRaptor/olaMundo/ola
  5. 5.  O que é o VRaptor?  Primeiro contato  Injeção de dependências  Enviando dados via form  Escopos definidos  Validação  REST
  6. 6.  Quais são minhas dependências?  Quem instanciará as classes?  Como o Vraptor sabe disso?
  7. 7.  O que é o VRaptor?  Primeiro contato  Injeção de dependências  Enviando dados via form  Escopos definidos  Validação  REST
  8. 8.  O que é o VRaptor?  Primeiro contato  Injeção de dependências  Enviando dados via form  Escopos definidos  Validação  REST
  9. 9.  @RequestScoped (padrão)  @SessionScoped  @ApplicationScoped  @PrototypeScoped
  10. 10.  @PostConstruct: assim que o escopo for iniciado  @PreDestroy: assim que o escopo for finalizado
  11. 11.  O que é o VRaptor?  Primeiro contato  Injeção de dependências  Enviando dados via form  Escopos definidos  Validação  REST
  12. 12.  Componente Validator do VRaptor  Maneira clássica  Maneira fluente  Integração com o Hibernate Validator  Especificar para qual lógica encaminhar
  13. 13.  Validador do VRaptor integrado com o Hibernate Validator
  14. 14.  O que é o VRaptor?  Primeiro contato  Injeção de dependências  Enviando dados via form  Escopos definidos  Validação  REST
  15. 15.  Representation State Tranfer  Padrão arquitetural  Endereçamento de forma padronizada (nice urls)  Maior visibilidade para componentes intermediários  Diminui acoplamento entre cliente e servidor
  16. 16. Substantivos Verbos Content types
  17. 17.  URI (Unified Resource Identifier)  Nome dos recursos  Recursos != Ações  Má prática: /produto/adiciona
  18. 18.  Conjunto pequeno e fixo de operações  Interface uniforme  Operações HTTP: › Get, Post, Put, › Delete, Head, Options, Trace
  19. 19.  Get: recuperar dados de um recurso  Post: adiciona dados de um recurso  Put: adiciona ou modifica dados  Delete: deleta o recurso representado na URI  Head, Options, Trace: recuperam metadados da URI
  20. 20.  Alta produtividade  Curva de aprendizado  Testabilidade  Economia  Flexibilidade  Melhores práticas de desenvolvimento

×