SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO SEMANA DE CAPACITAÇÃO/2011 EDUCAÇÃO FÍS...
Sumário  (1) <ul><li>1.  Retrospectiva do CEED/8ª CR- 2010. </li></ul><ul><li>2 . Promoção da Saúde </li></ul><ul><li>* Co...
Sumário  (2) <ul><li>4.  Escola Promotora da Sa ú de </li></ul><ul><li>* IREPS / Conceito </li></ul><ul><li>*Objetivo </li...
Sumário  (3) <ul><li>8.  Saúde do Professor. </li></ul><ul><li>9.  Considerações. </li></ul><ul><li>10.  Cursos. </li></ul...
Promoção da Saúde: Uma questão da Educação.   “ Construindo coletivamente processos educativos em saúde na  escola.” ( MS,...
ESCOLA PROMOTORA DA SAÚDE <ul><li>“ Saúde  é o completo bem-estar físico, mental e social e não consiste apenas na ausênci...
Higienismo  (1)  Séc. XVII – XX. Europa/ E.U.A. <ul><li>Brasil </li></ul><ul><li>‘ Visão médico-higienista, sustentada pel...
Higienismo  (2) <ul><li>“  A escola deve a seus alunos, em primeiro lugar, saúde, depois  educação e por fim, instrução.” ...
HISTÓRICO DA PROMOÇÃO DA  SAÚDE  (1)   <ul><li>1920- Winslow : pela primeira vez, definiu saúde coletiva e relacionou a PS...
PRINCÍPIOS DA PROMOÇÃO DA SAÚDE   (OMS, 1986 / 1998) #  Concepção holística; #  Intersetorialidade; #  Empoderamento; #  P...
HISTÓRICO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE (2) ALMA – ATA  (1978)  “  Saúde para todos em 2000 ” Princípio da multifatorialidade da sa...
  Princípios : Prevenção e Promoção da saúde; Determinantes  Sociais O Acesso aos bens e serviços que lhe são essenciais e...
Estilos de vida como  problema de saúde <ul><li>(Variáveis com o grupo etário e o contexto) </li></ul><ul><li>Uso de tabac...
<ul><li>À Saúde  </li></ul><ul><li>Métodos </li></ul><ul><li>Exerc. regular aeróbio com var. e valências  específicas </li...
ESCOLA PROMOTORA DA SAÚDE  (1) Amparo legal e Diretrizes : #  1971  -  Lei 5692 (LDB) introduz a temática Saúde; #  1977  ...
ESCOLA PROMOTORA DA SAÚDE (2) Amparo legal e Diretrizes : #  1995 - Iniciativa Regional de Escolas Promotoras da saúde – I...
Escola Promotora    da Saúde: IREPS  (3) <ul><li>A Iniciativa Regional de Escolas Promotoras de Saúde -IREPS  (OMS/OPAS,19...
EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA  PROMOTORA  DA SAÚDE Atenção: #   À garantia da dinamização das atividades, a participação e a a...
Orientações de Saúde <ul><li>“ Crianças e adolescentes com sobrepeso e/ou obesidade não devem praticar esportes de impacto...
Saúde: Prof. Ed. Física <ul><li>Visitar o Médico, exames de rotina ( anuais): </li></ul><ul><li>Praticar Exerc. Físicos pa...
ESCOLA PROMOTORA DA SAÚDE E.M . ANTÔNIO AUSTREGÉSILO- 8ª CRE-2004/6 Uma intervenção  intersetorial: Escola,   Unidade de S...
PROCEDIMENTOS PEDAGÓGICOS NA ESCOLA
Extensão   <ul><li>E.M. CEL. CORSINO DO AMARANTE- 8ªCRE/2006/7 (EI- 1º, 2º ciclos formação)-PAM-Bangu. </li></ul><ul><li>E...
Envelhecer é viver.
Decreto n° 6.286 – 05/12/2007 :  Cria o Programa de Saúde na Escola(PSE). <ul><li>“ Contribuir com a formação integral dos...
Programa de Promoção  da Saúde na Escola <ul><li>Gov. Fed. +  Gov. Munic. =   Parceria financiada </li></ul><ul><li>Dinami...
Sugestões <ul><li>Criar diretriz  de P. S. municipal; </li></ul><ul><li>Convergir ações e diálogos entre as secretarias qu...
CONSIDERAÇÕES FINAIS O papel da Escola Promotora da Saúde se dilui em uma perspectiva mais ampla da Escola Promotora da Ci...
Corporeidade e Promoção de Saúde na  Iniciação Esportiva. <ul><li>Prof. Ms. Dagoberto Buarque de Assis. </li></ul><ul><li>...
Aptidão Física Relacionada: <ul><li>À Saúde </li></ul><ul><li>Res. Cárdio– respiratória </li></ul><ul><li>Composição corpo...
<ul><li>À Saúde  </li></ul><ul><li>Métodos </li></ul><ul><li>Exercício regular aeróbio com variação. </li></ul><ul><li>Ati...
Aptidão Física Relacionada: Ao Esporte Métodos >  Exercícios regulares intensos. >  Alto índice de repetições. >  Alimenta...
Exercício Físico, Promoção de Saúde  Treinamento Desportivo. <ul><li>Fonte: Revista Oficial Rio 2007. </li></ul><ul><li>Ní...
Educação Física Escolar    x    Esporte <ul><li>“  O sistema esportivo  somente  apela para categoria educação como forma ...
Iniciação Esportiva Humanizada Atividades  prazerosas. “  Pensamento rápido, raciocínio criativo, pré – disposição mental ...
Lucena por Lucena “  Eu dou  é no gogó deles.” “  Barata esperta não atravessa galinheiro.” “  Passarinho que acompanha mo...
Iniciação Esportiva <ul><li>Corporeidade </li></ul><ul><li>>  Integralidade da pessoa ( corpo,mente e afetos ) </li></ul><...
Referências Bibliográficas <ul><li>Brancht, Valter.  Educação Física, Ciências: Cenas de um Casamento (in)feliz . 2ª ed. R...
Sites e Cursos <ul><li>WWW. Saude .gov.br </li></ul><ul><li>www. Ensp.fiocruz.br </li></ul><ul><li>WWW. Scielo. org. br </...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Da promoção da saúde a escola promotora da saúde perspectivas e realidades

7.164 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.164
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
82
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Da promoção da saúde a escola promotora da saúde perspectivas e realidades

  1. 1. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO SEMANA DE CAPACITAÇÃO/2011 EDUCAÇÃO FÍSICA. Buscando a excelência pedagógica nos dias de hoje . Da Promoção da Saúde a Escola Promotora da Saúde: Perspectivas e Realidades Prof. Ms.Dagoberto Buarque de Assis Doutorando NUTES/UFRJ. [email_address]
  2. 2. Sumário (1) <ul><li>1. Retrospectiva do CEED/8ª CR- 2010. </li></ul><ul><li>2 . Promoção da Saúde </li></ul><ul><li>* Conceitos </li></ul><ul><li>* Etiologia </li></ul><ul><li>* Histórico </li></ul><ul><li>* Princípios. </li></ul><ul><li>3. Educação e Saúde </li></ul><ul><li>* Histórico. </li></ul>
  3. 3. Sumário (2) <ul><li>4. Escola Promotora da Sa ú de </li></ul><ul><li>* IREPS / Conceito </li></ul><ul><li>*Objetivo </li></ul><ul><li>* Metas </li></ul><ul><li>5. Programa de sa ú de na Escola </li></ul><ul><li>*Conceito </li></ul><ul><li>* Objetivo </li></ul><ul><li>6. Valências F í sicas P/ Promo ç ão da Sa ú de / Esporte </li></ul><ul><li>7. Educa ç ão F í sica Escolar X Esporte. </li></ul>
  4. 4. Sumário (3) <ul><li>8. Saúde do Professor. </li></ul><ul><li>9. Considerações. </li></ul><ul><li>10. Cursos. </li></ul><ul><li>11. Sites. </li></ul><ul><li>12. Referências Bibliográficas. </li></ul>
  5. 5. Promoção da Saúde: Uma questão da Educação.   “ Construindo coletivamente processos educativos em saúde na escola.” ( MS, 2004)
  6. 6. ESCOLA PROMOTORA DA SAÚDE <ul><li>“ Saúde é o completo bem-estar físico, mental e social e não consiste apenas na ausência de enfermidades.” (OMS, 1947) </li></ul><ul><li>“ Promoção da saúde é o nome dado ao processo de capacitação da comunidade para atuar na melhoria da sua qualidade de vida e saúde, incluindo uma maior participação no controle sobre os determinantes da saúde”. (Carta Ottawa, 1986. MS,1996) </li></ul><ul><li>Destaca o processo de empoderamento / autonomia . </li></ul>
  7. 7. Higienismo (1) Séc. XVII – XX. Europa/ E.U.A. <ul><li>Brasil </li></ul><ul><li>‘ Visão médico-higienista, sustentada pelo Estado, patrocinada pelos dirigentes e empresários.” </li></ul><ul><li>(ANJOS,1995,P.49). </li></ul><ul><li>Governo: Legislação , ação policial; </li></ul><ul><li>Medicina: médicos sanitaristas e psiquiatras; </li></ul><ul><li>Educação : foco no prof. primário e de Ed. Física; </li></ul><ul><li>Ed. Física Higienista : 1870 – 1930. </li></ul><ul><li>> Descontextualizada, dogmática; </li></ul><ul><li>> Aparelho ideológico do Estado; </li></ul><ul><li>> Corpos a-históricos, hierarquizados e produtivos. </li></ul><ul><li>(ROSEN, 1979; ANJOS,1995). </li></ul>
  8. 8. Higienismo (2) <ul><li>“ A escola deve a seus alunos, em primeiro lugar, saúde, depois educação e por fim, instrução.” </li></ul><ul><li>( Renè Sand, 1920 in Sá,1944,p.204) </li></ul><ul><li>“ A educação da saúde na escola deve ser feita pela professora primária. A professora é a única pessoa no serviço público, a manter completo e contínuo contato com as crianças. Daí sua natural indicação para a tarefa de proteger-lhes e aperfeiçoar-lhes a saúde.” </li></ul><ul><li>( Turner in Sá, 1944,p.204. ) </li></ul><ul><li>“ A saúde é vida a ser vivida em todas as situações escolares.” ( Sá, 1944,p.205.) </li></ul>
  9. 9. HISTÓRICO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE (1) <ul><li>1920- Winslow : pela primeira vez, definiu saúde coletiva e relacionou a PS a condições de vida do indivíduo. (OLINDA e SILVA, 2007); </li></ul><ul><li>Sigerist (1945) </li></ul><ul><li>Referências: </li></ul><ul><li> * vigilância da saúde; </li></ul><ul><li>* crítica severa à medicalização; </li></ul><ul><li>* ação sobre os fatores determinantes . Sociais de agravos à saúde. </li></ul><ul><li>Pontos de ação: </li></ul><ul><li> * Promoção da saúde; </li></ul><ul><li>* Prevenção às doenças; </li></ul><ul><li>* Tratamento dos doentes; </li></ul><ul><li>* Reabilitação. </li></ul>
  10. 10. PRINCÍPIOS DA PROMOÇÃO DA SAÚDE (OMS, 1986 / 1998) # Concepção holística; # Intersetorialidade; # Empoderamento; # Participação social; # Eqüidade; # Ações multi-estratégicas; # Sustentabilidade. ( SÍCOLI e NASCIMENTO, 2003) “ A saúde se promove proporcionando condições de vida decente, boas condições de trabalho, educação, cultura física e descanso “ ( Pereira et al, 2000 )
  11. 11. HISTÓRICO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE (2) ALMA – ATA (1978) “ Saúde para todos em 2000 ” Princípio da multifatorialidade da saúde OTTAWA (1986) # Princípios da essencialidade e da universalidade da saúde; # 2 pilares: Exercício físico e Alimentação saudável (como prevenção e tratamento de 85 % das doenças); # Orientação para a boa qualidade de vida; # Diferenciação de prevenção de doenças e promoção da saúde; # Escola apontada como espaço privilegiado para ações de educação em saúde.
  12. 12. Princípios : Prevenção e Promoção da saúde; Determinantes Sociais O Acesso aos bens e serviços que lhe são essenciais e de direito. (WHO/OMS , 1986); LEI 8080/90,MS PROMOÇÃO DA SAÚDE NA ESCOLA Alimentação Educação Lazer Moradia Meio Ambiente Trabalho Renda Saneamento Básico Transporte
  13. 13. Estilos de vida como problema de saúde <ul><li>(Variáveis com o grupo etário e o contexto) </li></ul><ul><li>Uso de tabaco, álcool e outras drogas lícitas e ilícitas; </li></ul><ul><li>Alimentação inadequada; </li></ul><ul><li>Falta de exercícios físicos; </li></ul><ul><li>Higiene pessoal; </li></ul><ul><li>Comportamento sexual de risco; </li></ul><ul><li>Direção perigosa no transito; </li></ul><ul><li>Posse e porte de arma . </li></ul>
  14. 14. <ul><li>À Saúde </li></ul><ul><li>Métodos </li></ul><ul><li>Exerc. regular aeróbio com var. e valências específicas </li></ul><ul><li>Atividades físicas moderadas. </li></ul><ul><li>Alimentação equilibrada. </li></ul><ul><li>Resultados </li></ul><ul><li>Estimulação orgânica, tendência ao equilíbrio das funções. </li></ul><ul><li>Diminuição de fatores de risco das DCANT. </li></ul><ul><li>Expectativa de aumento da longevidade e boa qualidade de vida. </li></ul><ul><li>( Pollock & Wilmore( 1993), Nielman (1999), Ghorayeb & Barros (1999). Guedes & Guedes (2003) H-Houzel(2007) </li></ul>PROMOÇÃO DA SAÚDE E EXERCÍCIO FÍSICO mudança de paradigma, 1994
  15. 15. ESCOLA PROMOTORA DA SAÚDE (1) Amparo legal e Diretrizes : # 1971 - Lei 5692 (LDB) introduz a temática Saúde; # 1977 - CFE reafirma o Programa de Saúde; # 1980 - CFE introduz a temática Doença (AFRS); # 1988 - Constituição Federal = Saúde Direito essencial; # 1993 - Relatório da UNICEF; Cuidados primários com a saúde na ed. básica e educação p/ a saúde como tema transversal ;
  16. 16. ESCOLA PROMOTORA DA SAÚDE (2) Amparo legal e Diretrizes : # 1995 - Iniciativa Regional de Escolas Promotoras da saúde – IREPS ( OMS/OPAS); # 1996 - Multieducação – o corpo em movimento; # 1998 - PCN / E.F. – Educação em Saúde; Temas transversais, Visão Epidemiológica: Prevenção, autocuidado; # 2004 - OMS – Diretrizes de alimentação escolar saudável e dinamização da E.F. escolar para maior gasto calórico; # 2006 – Port. 1010 -MS/ME– Diretrizes de alimentação e acompanhamento do estado nutricional .
  17. 17. Escola Promotora da Saúde: IREPS (3) <ul><li>A Iniciativa Regional de Escolas Promotoras de Saúde -IREPS (OMS/OPAS,1995). </li></ul><ul><li>“ As Escolas Promotoras de Saúde constituem uma grande estratégia de promoção de saúde no âmbito escolar e um mecanismo articulado de esforços e recursos multissetoriais , orientados para o melhoramento das condições de saúde e bem estar , ampliando assim as oportunidades para um aprendizado de qualidade e o desenvolvimento humano sustentável , para todos os integrantes das comunidades educativas.” ( OMS/OPAS, 2006, p.3) </li></ul>
  18. 18. EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA PROMOTORA DA SAÚDE Atenção: # À garantia da dinamização das atividades, a participação e a adequação dos conteúdos por faixa etária; # Às orientações das sociedades médicas correlatas; # Aos princípios da corporeidade (unidade corpomenteafeto, ludicidade, individualidade); # Ao estímulo permanente à compreensão da atividade física como necessidade fisiológica ( 60 % do cérebro ) que demanda a prática regular e saudável por toda a vida.
  19. 19. Orientações de Saúde <ul><li>“ Crianças e adolescentes com sobrepeso e/ou obesidade não devem praticar esportes de impacto, pois causam lesões nas zonas de crescimento, propiciando desarmonia do crescimento e lesões mio-osteo-articulares.” ( Aníbal,NESA,UERJ, 2007). </li></ul><ul><li>“ Crianças devem brincar e não praticarem esportes.” </li></ul><ul><li>(CREFITO,2007). </li></ul><ul><li>“ Esporte em nenhuma circunstância promove saúde.” </li></ul><ul><li>( Ruiz, 1992; Darido, 2008) </li></ul><ul><li>“ O prof. de Ed. Física que não inclui na sua prática cotidiana escolar a Promoção de Saúde está descontextualizado .” ( Walter Taam, 2008). </li></ul>
  20. 20. Saúde: Prof. Ed. Física <ul><li>Visitar o Médico, exames de rotina ( anuais): </li></ul><ul><li>Praticar Exerc. Físicos para Promoção de Saúde; </li></ul><ul><li>Praticar Alimentação Saudável; </li></ul><ul><li>Proteger / preservar a voz; </li></ul><ul><li>Evitar exposição excessiva ao sol, som e Exercícios Físicos; </li></ul><ul><li>Usar protetor solar; </li></ul><ul><li>Manter o corpo hidratado; </li></ul><ul><li>Utilizar o descanso estratégico a cada 2 tempos de aula (rotina); </li></ul><ul><li>Racionalizar os tempos de aula com vistas à Promoção de Saúde; </li></ul><ul><li>Discutir com Direção as condições de trabalho, é seu Direito; </li></ul><ul><li>Observar e intervir na salubridade da escola; </li></ul><ul><li>Estimular o protagonismo das atividades com foco na P.S. </li></ul><ul><li>“ A saúde é o maior patrimônio da pessoa, busque adicionar boa qualidade a sua vida. Adote um estilo de vida saudável, a sua saúde agradece ” ( ASSIS,2008). </li></ul>
  21. 21. ESCOLA PROMOTORA DA SAÚDE E.M . ANTÔNIO AUSTREGÉSILO- 8ª CRE-2004/6 Uma intervenção intersetorial: Escola, Unidade de Saúde, Família, Vila Olímpica # Educação em Saúde com foco na Obesidade (7-9 anos ,1° ciclo formação, 1º e 2º ano)- EI – 1º,2º ciclos (2006/9); # Ação interdisciplinar: Prof. de Educação Física, Prof. de turma, Direção, nutricionista, merendeiras e família; # Ações e estratégias: # Resultados em 1 ano: Obesos: 30% (-) peso; 36% (>) eutrofia; 24% (>) sobrepeso Sobrepeso: 60% (>)eutrófico; 40% (-) peso. Observação: Custo financeiro ZERO
  22. 22. PROCEDIMENTOS PEDAGÓGICOS NA ESCOLA
  23. 23. Extensão <ul><li>E.M. CEL. CORSINO DO AMARANTE- 8ªCRE/2006/7 (EI- 1º, 2º ciclos formação)-PAM-Bangu. </li></ul><ul><li>E.M. HENRIQUE DE MAGALHÃES -8ª CRE- 2006/7- CMS Waldyr Franco-CAP-5.1 –( 2º, 3º ciclos formação) </li></ul><ul><li>PEJA- PAM-BANGU – CAP-5.1- 2007 </li></ul><ul><li>Antroprometria (IMC – Circ. Abd.) Palestras Temáticas : Educação, Saúde, Ativ. Física , Ambiente. Ativ. Física Específica: Reed. Motora, Exerc.Aeróbios,Posturais e Funcionais, Recreação e Jogos. </li></ul><ul><li>Grupo: “Envelhecer é Viver ”- C.M.S. Waldyr Franco- CAP-5.1 – E.M. Antônio Austregésilo – 8ª CRE – 2007/08. </li></ul><ul><li>Acolhimento: Atenção de saúde, Exames bioquímicos, convivência, Empoderamento, Lazer. Ativ. Fís. Espec. Dança de Salão, Terapia Corporal. Gin. Terapêutica. </li></ul>
  24. 24. Envelhecer é viver.
  25. 25. Decreto n° 6.286 – 05/12/2007 : Cria o Programa de Saúde na Escola(PSE). <ul><li>“ Contribuir com a formação integral dos estudantes da rede pública de educação básica por meios de ações de prevenção, promoção e atenção à saúde.” </li></ul><ul><li>( BRASIL, 2007). </li></ul><ul><li>www.planalto.gov.br/ccivil </li></ul><ul><li>Presidência da Republica. Casa Civil. </li></ul>
  26. 26. Programa de Promoção da Saúde na Escola <ul><li>Gov. Fed. + Gov. Munic. = Parceria financiada </li></ul><ul><li>Dinamizar a Escola para prática da PSE; </li></ul><ul><li>Capacitar profissionais envolvidos; </li></ul><ul><li>Prof. da U.E > Coord. Do PSE; </li></ul><ul><li>Estratégia de Saúde da Família / SUS; </li></ul><ul><li>Contribuir para formação integral do educando ( Foco na Cidadania e Direitos Humanos); </li></ul><ul><li>Fortalecer o enfrentamento das vulnerabilidades no campo da saúde. </li></ul>
  27. 27. Sugestões <ul><li>Criar diretriz de P. S. municipal; </li></ul><ul><li>Convergir ações e diálogos entre as secretarias que atuam na P.S; </li></ul><ul><li>Sensibilizar os gestores escolares e da saúde para educação em saúde / P.S; </li></ul><ul><li>Sensibilizar o professor de Ed. Fís. para a saúde escolar; conhecimento da Res.218/97 do CNS; ações em saúde = ato médico; </li></ul><ul><li>Carga horária de Ed.Física = insuficiente; </li></ul><ul><li>Informar os responsáveis quanto a função da Ed.Física na escola. </li></ul>
  28. 28. CONSIDERAÇÕES FINAIS O papel da Escola Promotora da Saúde se dilui em uma perspectiva mais ampla da Escola Promotora da Cidadania, em um modelo de Educação para a cidadania plena que estimule o protagonismo social, mostrando que a pessoa é o sujeito do Direito, seja ele qual for, inclusive a saúde. (PAGÉS, 2007) Prof. Ms. Dagoberto Buarque de Assis Profª. Ms. Sônia Mariano Pagés Prof. Rodrigo Sancho
  29. 29. Corporeidade e Promoção de Saúde na Iniciação Esportiva. <ul><li>Prof. Ms. Dagoberto Buarque de Assis. </li></ul><ul><li>Profª. Ms. Sônia Mariano Pagés. </li></ul>
  30. 30. Aptidão Física Relacionada: <ul><li>À Saúde </li></ul><ul><li>Res. Cárdio– respiratória </li></ul><ul><li>Composição corporal </li></ul><ul><li>Aptidão músculo- esquelética </li></ul><ul><li>Força muscular </li></ul><ul><li>Resistência muscular </li></ul><ul><li>Flexibilidade > Alongamento </li></ul><ul><li>Mobilidade articular </li></ul><ul><li>Equilíbrio </li></ul><ul><li>Ao Esporte </li></ul><ul><li>Agilidade </li></ul><ul><li>Velocidade </li></ul><ul><li>Potência </li></ul><ul><li>Equilíbrio </li></ul><ul><li>Coordenação motora </li></ul><ul><li>Tempo de reação </li></ul>
  31. 31. <ul><li>À Saúde </li></ul><ul><li>Métodos </li></ul><ul><li>Exercício regular aeróbio com variação. </li></ul><ul><li>Atividades físicas moderadas. </li></ul><ul><li>Alimentação equilibrada. </li></ul><ul><li>Resultados </li></ul><ul><li>Estimulação orgânica, tendência ao equilíbrio das funções. </li></ul><ul><li>Diminuição de fatores de risco das DCNT. </li></ul><ul><li>Expectativa de aumento da longevidade e boa qualidade de vida. </li></ul><ul><li>( Pollock & Wilmore( 1993), Nielman (1999), Ghorayeb & Barros (1999). Guedes & Guedes (2003) ). </li></ul>Aptidão Física Relacionada:
  32. 32. Aptidão Física Relacionada: Ao Esporte Métodos > Exercícios regulares intensos. > Alto índice de repetições. > Alimentação específica em função da modalidade. Resultados > Risco de LER e acidentes. > Estresse generalizado. > Menor expectativa de boa qualidade de vida. > Possibilidade de ingestão de hormônios sintéticos e esteróides anabolizantes. ^ Morte súbitas em competições esportivas. ( Pollock & Wilmore (1990), Nielman (1999), Ghorayeb & Barros(1999), Guedes & Guedes (2003), Darido ( 2007-10) .
  33. 33. Exercício Físico, Promoção de Saúde Treinamento Desportivo. <ul><li>Fonte: Revista Oficial Rio 2007. </li></ul><ul><li>Nível de exigências em altos patamares voltado para eficiência biomecânica com vistas à alta performance e o futuro ? </li></ul><ul><li>Exercício Físico e a Promoção de Saúde </li></ul><ul><li>Regularidade, média intensidade e variedade com objetivo de promover a saúde e a boa qualidade de vida. </li></ul>
  34. 34. Educação Física Escolar x Esporte <ul><li>“ O sistema esportivo somente apela para categoria educação como forma de buscar legitimidade social . Estando, no entanto, orientado por outros princípios, permanece a questão educacional apenas como recurso retórico . O que importa mesmo é a medalha ! Isso não significa que ele não tem efeito educativo, ao contrário. Significa, isto sim, que a lógica que define as ações no campo esportivo ignora e não é influenciada pelo, resultado educativo. O campo ou o sistema esportivo é indiferente ao resultado que produz em termos educacionais. As ações não serão redefinidas em função de um melhor ou pior resultado educacional e, sim, em função de um melhor ou pior resultado esportivo .” ( Brancht, 2003, p.22) </li></ul>
  35. 35. Iniciação Esportiva Humanizada Atividades prazerosas. “ Pensamento rápido, raciocínio criativo, pré – disposição mental “ ( Damásio, 2000). > Respeito à individualidade e às fases de desenvolvimento biopsicossocial. > Atividades diversificadas e não repetitivas, favorece à multiplicidade de conexões neurais. > Respeito à cidadania. > Adequações ambientais. > Orientações gerais que favoreçam o cotidiano do aluno / atleta. > Apoio familiar integrado e esclarecido. > Competência profissional e atitude humanizada. > Não esquecer que o atleta é antes de tudo uma pessoa e não uma máquina de resultados.
  36. 36. Lucena por Lucena “ Eu dou é no gogó deles.” “ Barata esperta não atravessa galinheiro.” “ Passarinho que acompanha morcego, dorme de cabeça para baixo.” “ Meu filho nesta orquestra você toca o quê, bumbo, tambor, violino ou...?” “ Os cães ladram e a caravana passa.”
  37. 37. Iniciação Esportiva <ul><li>Corporeidade </li></ul><ul><li>> Integralidade da pessoa ( corpo,mente e afetos ) </li></ul><ul><li>> História de vida ( potencialidades e limitações ) </li></ul><ul><li>“ Qualquer mudança na maneira de pensar de uma pessoa e, portanto, em seus sentimentos e em seu comportamento, está condicionado a uma mudança no funcionamento do seu corpo.” ( Lowen,1970 ) </li></ul><ul><li>Promoção de Saúde </li></ul><ul><li>Ações que garantam o respeito ao direito à saúde </li></ul><ul><li>( prevenir agravos ). </li></ul>
  38. 38. Referências Bibliográficas <ul><li>Brancht, Valter. Educação Física, Ciências: Cenas de um Casamento (in)feliz . 2ª ed. Rio Grande do sul. Ijuí: Ed. Ijuí, 2003. </li></ul><ul><li>Castiel, Luis David; Guilam, Maria Cristina Rodrigues e Ferreira, Marcos Santos. Correndo Risco: Uma Introdução aos Riscos em Saúde . Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2010. </li></ul><ul><li>Luz, Madel T. Novos Saberes e Práticas em Saúde Coletiva: Estudo Sobre Racionalidades Médicas e atividades Corporais . 3ª ed. São Paulo: Hucitec, 2007. </li></ul><ul><li>Rabello, Lucíola Santos. Promoção da Saúde: a constituição social de um conceito em perspectivas comparadas . Rio de Janeiro; Ed. Fiocruz, 2010. </li></ul><ul><li>Organização Mundial de Saúde. Organização Pan-Americana de Saúde. Escolas Promotoras De Saúde: Fortalecimento da Iniciativa Regional, Estratégias e Linhas de ação 2003-2012 . Washington, D.C: OPAS, 2006. Série Promoção da Saúde Nº 4 </li></ul>
  39. 39. Sites e Cursos <ul><li>WWW. Saude .gov.br </li></ul><ul><li>www. Ensp.fiocruz.br </li></ul><ul><li>WWW. Scielo. org. br </li></ul><ul><li>www. Lilacs.org.br </li></ul><ul><li>Cursos </li></ul><ul><li>* Promoção da saúde e Desenvolvimento Social. </li></ul><ul><li>* Enfrentamento da Violência e Defesa dos Direitos na escola . ENSP/FIOCRUZ- Rio de Janeiro. </li></ul>

×