Introdução aos Fundamentos Psicológicos da Educação

6.464 visualizações

Publicada em

Material produzido para as aulas de Fundamentos Psicológicos da Educação. Anos 2011, 2012 e 2013.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.464
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
240
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução aos Fundamentos Psicológicos da Educação

  1. 1. Conhecimentos necessários à formação continuada de professores: Psicologia da Educação
  2. 2. Psicologia da Educação Termo cunhado em um livro de Thorndike (1903) para denominar uma área de conhecimento que teria, como função, auxiliar na resolução de problemas educativos
  3. 3.  Engenharia psicológica aplicada à educação rainha das ciências da educação.  Disciplina com maior peso na pesquisa educacional psicologização da educação com interferência em todas as áreas educacionais. Anos 1950 Psicologia diferencial Psicologia evolutiva Psicologia da aprendizagem  Começa a perder o protagonismo na educação não consegue resolver os problemas Anos 1960 Expansão do acesso à escola
  4. 4. A Psicologia não surgiu para responder questões educacionais Explicação da origem da consciência (mente). Psicanálise Entendimento e cura da neurose. Behaviorismo Epistemologia Genética Psicologia Histórico-cultural Explicação do comportamento. Explicação da origem e descrição do desenvolvimento da cognição humana.
  5. 5. Psicologia da Educação interface entre Psicologia e Educação (demanda de adaptação)
  6. 6. Que contribuição a Psicologia pode fazer à Educação?
  7. 7. Além das teorizações sobre desenvolvimento cognitivo e emocional e sobre diferenças individuais, o ponto focal da Psicologia da Educação foi sempre a APRENDIZAGEM
  8. 8. • Porque a aprendizagem gera “capital cultural”. • Porque estamos sempre aprendendo. • Porque podemos ser mal sucedidos. • Porque a escola visa a promover aprendizagem. Por que a APRENDIZAGEM é um assunto importante?
  9. 9. Será que a APRENDIZAGEM pode ser explicada por um princípio único? Será que uma única definição pode dar conte de definir APRENDIZAGEM? Devemos falar em APRENDIZAGEM ou em APRENDIZAGENS?
  10. 10. Aprendemos Comportamentos Habilidades sociais Atitudes Representações sociais InformaçõesConceitos Princípios Técnicas Estratégias Procedimentos
  11. 11. Todas as aprendizagens são realizadas da mesma forma?
  12. 12. Será que os envolvidos (aprendizes e mestres) estão conscientes disso? Será que essas aprendizagens envolvidas na escolarização sempre foram as mesmas? ...O processo de escolarização envolve múltiplos tipos de aprendizagem...
  13. 13. “Escolas” caracterizadas por uma demanda de aprendizagem do tipo memorístico, baseado na repetição. Antes do Renascimento A imprensa libera a memória. Explosão de informações. Ciência questiona verdades absolutas. Aprendizagem não mais voltada apenas para memorizar informações. Com o Renascimento
  14. 14. Até que ponto nossa escola, no séc. XXI, difere das primeiras escolas, centradas no ensino memorístico?
  15. 15. A Psicologia da Educação tem potencial para contribuir para o sucesso da escola no mundo atual, com toda sua complexidade e exigências, em termos de aprendizagem, sem ser a protagonista desse processo.
  16. 16. O conhecimento psicológico gerou diferentes teorias capazes explicar os diferentes tipos de aprendizagem e, consequentemente, embasar os processos de ensino.
  17. 17. As teorias da aprendizagem integram os currículos dos cursos de formação de professores.
  18. 18. E o que tem ocorrido?
  19. 19. “Professora, eu sempre penso em como vou ensinar uma coisa, nunca penso em como os alunos vão aprender!! “ (aluna do Curso de Especialização no Ensino de Ciências/ Matemática)
  20. 20. Depoimentos incluídos na dissertação de Carolina Jorge (PPGE/FaE/UFPel) (2009) Projeto de formação continuada de professores, focado nas teorias da aprendizagem: “Eu nunca tinha parado para pensar em como eu aprendia. E tampouco tinha parado para pensar em como o meu aluno aprende e se ele realmente aprende. O professor tem que ter essas questões muito claras para assim poder entender o processo de aprendizagem do aluno, podendo assim, interferir positivamente. Mas os professores de um modo geral não pensam sobre isso. Eu, por exemplo, estou pensando nisso agora, e percebo que a minha compreensão sobre aprendizagem é a base de qualquer aula que eu for dar.”
  21. 21. Todo ato pedagógico tem como base uma teoria de aprendizagem, seja ela consciente ou não.
  22. 22. Todo ensino se baseia numa concepção da aprendizagem, na maioria das vezes implícita, adquirida de modo incidental, quando o que agora é professor se viu imerso, como aluno, numa determinada cultura da aprendizagem. Toda mudança nas formas de ensinar, como as que exigem as novas fronteiras da aprendizagem, requer uma tomada de consciência e uma mudança dessas teorias implícitas sobre a aprendizagem por parte dos professores. Como dizem que acontece aos povos com sua história, que estão condenados a repeti-la se a desconhecem, nos acontece a mesma coisa com nossas teorias implícitas: enquanto não tomarmos consciência delas estaremos condenados a ver o mundo através delas (POZO, 2009).
  23. 23. A rotina do professor é tão corrida que não dá tempo de pensar nisso, a nossa atenção está voltada para a preparação das aulas e para todos os conteúdos que precisam ser dados [...]. Eu dou aula há dez anos e nunca tinha me questionado sobre como eu aprendo ou como os meus alunos aprendem. Não pensamos nisso mesmo.
  24. 24. “deixaríamos mais de um professor em dificuldades se lhe perguntássemos: O que é conhecimento? Como conhecemos? Qual é a origem do conhecimento?” [...] como o professor não tem as respostas para essas perguntas, ele acaba desenvolvendo seu trabalho “a partir de um certo saber não tematizado, apenas baseado no senso comum” (Aranha, 2006)
  25. 25. [...] um melhor conhecimento sobre o funcionamento da aprendizagem como processo psicológico pode nos ajudar a compreender melhor e, talvez a superar algumas dessas dificuldades, adaptando as atividades de instrução aos recursos, capacidades e disposições, sempre limitados, tanto de quem aprende como de quem tem de ensinar, quer dizer, ajudar os outros a aprender (POZO, 2002)
  26. 26. A Professora D lembrou de ter estudado Piaget e Vigotski na graduação, mas ressaltou: [...] nunca tinha feito o link com concepções de aprendizagem. [...] na faculdade se aprende de forma fragmentada e superficial. É tudo desmembrado, apresentam um pensador e uma teoria, acaba passando batido. A gente só decora quem é o autor e o trabalho que ele desenvolveu. Sobre ter estudado a temática da aprendizagem:
  27. 27. “[...] ajudar os mestres a estruturar melhor e mais eficazmente as situações de aprendizagem, mas também podem fazer com que os aprendizes conheçam melhor em que consiste a tarefa de aprender, de forma que tenham um maior controle sobre sues próprios processos de aprendizagem e possam planejar melhor suas atividades ou seu estudo”. (POZO, 2002) A Psicologia da Aprendizagem pode...
  28. 28. Scanme :) rcastro.bio@gmail.com / les_ted@hotmail.com Facebook.com/rodrigoinaciodecastro Twitter: @ro_castro Instagram:@ro_castro Lattes:http://lattes.cnpq.br/2120627532353496 Page on Facebook: Facebook.com/Pelotaspic

×