Fisioterapia nas Amputações Dr. Rodney Wenke. Fisioterapeuta: Clinica Quatro Barras, Prefeitura de Quatro Barras, Centro H...
Definição: <ul><li>A amputação é o procedimento cirúrgico mais antigo que se tem conhecimento e significa retirada, geralm...
Etiologia: <ul><li>É estimado que 1 em cada 300 pessoas nos Estados Unidos sofre ou sofreu uma grande amputação. A cada an...
Etiologia: <ul><li>Acredita-se em que, dentre todas as amputações, as de membros inferiores ocorrem em 85% dos casos, send...
 
<ul><li>Estima-se que aproximadamente em 15% dos diabéticos ocorrerão AMI com um custo médio por caso avaliado em US$ 25.0...
Etiologia: <ul><li>Causada por Queimaduras </li></ul><ul><li>Causada por Congelamento </li></ul><ul><li>Congênitas </li></...
Etiologia:
Níveis  de Amputação: <ul><li>Parcial de dedos e pé – Excisão de qualquer parte de um ou mais dedos do pé;  </li></ul><ul>...
Níveis de Amputação <ul><li>Desarticulação do joelho -  retira-se a patela, a tíbia e a fíbula, ficando o fêmur totalmente...
l.  amputações através do metatarso são duvidosas. k.  as amputações através do tarso devem ser evitadas. j.  a amputação ...
i.  salve o que for possível da mão. h.  as amputações através do carpo não são boas. g.  a desarticulação do punho permit...
Metatarsos:
Lisfrank:
Chopart e Symes
Symes:
Transtibial Baixa:
Transtibial alta:
Desarticulação do Joelho:
 
 
Desarticulação do Quadril ou hemepelvictomia:
Reabilitação:
Preparação do Coto: Enfaixamento do coto :
Orientação de cuidados com o coto.
Passo a passo:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Casos especiais:
 
Próteses:
 
Colocação da Prótese:
 
 
Joelhos:
 
 
 
 
Referencias: <ul><li>De Luccia N. Reabilitação pós-amputação. In: Pitta GBB, Castro AA, Burihan E, editores. Angiologia e ...
Obrigado!! [email_address] [email_address]
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fisioterapia nas amputações

45.793 visualizações

Publicada em

Aula de reabilitação de amputados dada na uni Brasil

Fisioterapia nas amputações

  1. 1. Fisioterapia nas Amputações Dr. Rodney Wenke. Fisioterapeuta: Clinica Quatro Barras, Prefeitura de Quatro Barras, Centro Hospitalar de Reabilitação.
  2. 2. Definição: <ul><li>A amputação é o procedimento cirúrgico mais antigo que se tem conhecimento e significa retirada, geralmente, cirúrgica, total ou parcial de um membro. </li></ul><ul><li>A amputação não deve ser considerada como fim, e sim como o início de uma nova fase, que tem como principal objetivo manter e/ou devolver a dignidade e funcionalidade do paciente. </li></ul>
  3. 3. Etiologia: <ul><li>É estimado que 1 em cada 300 pessoas nos Estados Unidos sofre ou sofreu uma grande amputação. A cada ano, ocorrem 35.000 amputações decorrentes de defeito congênito e/ou cirurgia. </li></ul><ul><li>A causa mais freqüente de amputações é por doença vascular periférica, combinada ou não com diabetes. </li></ul>
  4. 4. Etiologia: <ul><li>Acredita-se em que, dentre todas as amputações, as de membros inferiores ocorrem em 85% dos casos, sendo suas causas mais comuns: </li></ul><ul><ul><li>insuficiência vascular periférica como conseqüência de diabetes; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aterosclerose; </li></ul></ul><ul><ul><li>Embolias; </li></ul></ul><ul><ul><li>tromboses arteriais; </li></ul></ul><ul><ul><li>traumatismos e </li></ul></ul><ul><ul><li>tumores malignos. </li></ul></ul><ul><li>Das causas vasculares que levam a amputação, o diabetes corresponde a 80%, e as taxas de mortalidade associada à amputação variam de 6 a 17%. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Estima-se que aproximadamente em 15% dos diabéticos ocorrerão AMI com um custo médio por caso avaliado em US$ 25.000. </li></ul><ul><li>Com uma estimativa de 5.800.000 de diabéticos, mais de 50.000 AMI/ano serão realizadas nestes pacientes, com um custo total de US$ 500 milhões/ano. </li></ul>
  6. 7. Etiologia: <ul><li>Causada por Queimaduras </li></ul><ul><li>Causada por Congelamento </li></ul><ul><li>Congênitas </li></ul><ul><li>- Malformação </li></ul><ul><li>Traumas </li></ul><ul><li>- Lesão por Esmagamento (comum em acidentes) </li></ul><ul><li>Tumores </li></ul><ul><li>- Forma profilática do Osteossarcoma </li></ul><ul><li>Infecções </li></ul><ul><li>- Osteomielite </li></ul>
  7. 8. Etiologia:
  8. 9. Níveis de Amputação: <ul><li>Parcial de dedos e pé – Excisão de qualquer parte de um ou mais dedos do pé; </li></ul><ul><li>Desarticulação do nível da articulação metatarso-falângica; </li></ul><ul><li>Parcial de dedo do pé/ ressecção em raio. Ressecção do 3º, 4º e 5º metatársicos e dedos; </li></ul><ul><li>Transmetatársico – amputação através da secção média de todos os metatarsos; ( Lisfrank e Chopart) </li></ul><ul><li>Symes – desarticulação da tíbio-társica, podendo envolver a remoção dos maléolos e das partes distais da Fibula e da tíbia; </li></ul><ul><li>Amputação transtibial – é realizada entre a amputação de Symes; </li></ul>
  9. 10. Níveis de Amputação <ul><li>Desarticulação do joelho - retira-se a patela, a tíbia e a fíbula, ficando o fêmur totalmente íntegro </li></ul><ul><li>Transfemural - longa - retira-se mais de 60% do comprimento do fêmur. </li></ul><ul><li>Transfemural - curta - retira-se menos de 35 % do comprimento do fêmur. </li></ul><ul><li>Desarticulação Coxofemoral - retira-se totalmente o fêmur. </li></ul><ul><li>Hemipelvectomia - retira-se a metade inferior da hemipelve. </li></ul><ul><li>Hemicorporectomia - retira-se a parte inferior do corpo, abaixo de L4- L5. Este procedimento dificilmente é utilizado, devido a complicações que futuramente serão evidenciadas . </li></ul>
  10. 11. l. amputações através do metatarso são duvidosas. k. as amputações através do tarso devem ser evitadas. j. a amputação de &quot;Symes&quot; permite excelentes cotos para apoio terminal. i. evitar cotos muito longos de perna. h. o nível ideal é aquele entre o 1/3 médio e o inferior. g. um bom nível será aquele entre o 1/3 superior com o médio. f. 6 cm de tíbia já são suficientes para prótese de perna; remover o perônio. Usa-se a prótese &quot;ajoelhada&quot;. e. a desarticulação de joelho após descapsulização permite cotos para apoio terminal. d . o nível transcondiliano não é bom a não ser para apoio terminal, pois a colocação da articulação de joelho deve ser externa, o que prejudica a estética e função. c. 30 a 36 cm abaixo do trocanter é um comprimento ideal de coto de coxa. b. 12 cm abaixo do trocanter são dados como comprimento mínimo para controle do coto. Assim mesmo é difícil mover as próteses com eficiência. a. evitar a desarticulação do quadril. Deixar quando possível a cabeça e a maior porção do colo do fêmur para evitar deformidade.
  11. 12. i. salve o que for possível da mão. h. as amputações através do carpo não são boas. g. a desarticulação do punho permite o uso de prótese simples com grande capacidade funcional. f. o terço médio com o inferior é o nível ideal para amputação de antebraço. e. deixar sempre um coto na antebraço por menor que seja. O uso da prótese mioelétrica é o ideal para estes casos. d. desarticulação do cotovelo da mau coto para prótese por dificuldade na colocação das articulações funcionais. c. o comprimento ideal para amputação acima do cotovelo é no terço médio com o inferior. b. cotos acima da inserção do peitoral têm pouco valor para o controle da prótese a. evitar a remoção da cabeça do úmero, o que traz deformidade de ombro dificultando o apoio do arreio.
  12. 13. Metatarsos:
  13. 14. Lisfrank:
  14. 15. Chopart e Symes
  15. 16. Symes:
  16. 17. Transtibial Baixa:
  17. 18. Transtibial alta:
  18. 19. Desarticulação do Joelho:
  19. 22. Desarticulação do Quadril ou hemepelvictomia:
  20. 23. Reabilitação:
  21. 24. Preparação do Coto: Enfaixamento do coto :
  22. 25. Orientação de cuidados com o coto.
  23. 26. Passo a passo:
  24. 44. Casos especiais:
  25. 46. Próteses:
  26. 48. Colocação da Prótese:
  27. 51. Joelhos:
  28. 56. Referencias: <ul><li>De Luccia N. Reabilitação pós-amputação. In: Pitta GBB, Castro AA, Burihan E, editores. Angiologia e cirurgia vascular: guia ilustrado. Maceió: UNCISAL/ECMAL & LAVA; 2003. </li></ul><ul><li>Jones Eduardo Agne, Limbs amputation causes identification in the University Hospital of Santa Maria, Saúde, Vol. 30 (1-2): 84-89, 2004 </li></ul><ul><li>Francieli Silva Carvalho, PREVALÊNCIA DE AMPUTAÇÃO EM MEMBROS INFERIORES DE CAUSA VASCULAR: ANÁLISE DE PRONTUÁRIOS, Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v.9(1), jan./mar., 2005 </li></ul><ul><li>Ethel Rejane Stambobovski Spichler, Estudo Brasileiro de Monitorização Global de Amputações de Membros Inferiores (MAMI) (2003) </li></ul><ul><li>http://ladufpr.tripod.com/mami.htm </li></ul><ul><li>http://www.amputação.com/etiologia-da-amputacao.html </li></ul><ul><li>http://www.amputação.com/amputacoes-vasculares.html </li></ul><ul><li>http://www.amputação.com/amputacoes-traumaticas.html </li></ul><ul><li>http://www.amputação.com/amputacoes-tumorais.html </li></ul><ul><li>http://www.amputação.com/amputacoes-congenitas.html </li></ul><ul><li>http://ortotecnica.blogspot.com/ </li></ul><ul><li>http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/amputacao.htm </li></ul><ul><li>Banco de imagens Otto bock, cordialmente cedido pela Otto Bock Brasil. </li></ul>
  29. 57. Obrigado!! [email_address] [email_address]

×