SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 88
Baixar para ler offline
0
FGV - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
UNIVEL – UNIÃO EDUCACIONAL DE CASCAVEL
MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS
TURMA IV – CASCAVEL – PR
TCC – TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO
USINA FOTOVOLTAICA GREENSOLAR
Alunos:
André Alexandre Gomes Fazioni
Daniel Pereira Silveira
Elias Maracaja Neto
Robson Josué Molgaro
Thalles Belini
Thiago Naufal Santelo
Professor Orientador:
José Ângelo Santos Do Valle, D.Sc.
Cascavel – PR
2014
1
LISTA DE FIGURAS
FIGURA 1. Contextualização geográfica do empreendimento ......................10
FIGURA 2. Placas fotovoltaicas após a implantação .....................................11
FIGURA 3. Módulo Fotovoltaico utilizados no projeto ....................................12
FIGURA 4. Layout da usina após conclusão..................................................12
FIGURA 5: Estrutura Analítica dos Intervenientes .........................................31
FIGURA 6: Time do Projeto............................................................................34
FIGURA 7: Estrutura Analítica do Projeto - EAP............................................37
FIGURA 8: Fluxo para Controle de Mudanças ...............................................41
FIGURA 9: Cronograma do Projeto................................................................44
FIGURA 10: Fluxo de Controle de Mudanças e Prazos .................................45
FIGURA 11: Fluxo adotado para o aproveitamento de recursos....................46
FIGURA 12: Fluxo adotado para elaboração de relatório de progresso.........47
FIGURA 13: Organograma do Projeto............................................................62
FIGURA 14: cronograma dos eventos de comunicação.................................69
FIGURA 15: Estrutura de Armazenamento dos Documentos ........................71
FIGURA 16: Fluxo de Solicitações de Mudanças de Escopo.........................72
FIGURA 17: Fluxo para Registro de Lições Aprendidas ................................72
FIGURA 18: Estrutura Analítica dos Riscos ...................................................73
FIGURA 19: Fluxograma de Aquisições do Projeto .......................................84
2
LISTA DE GRÁFICOS
GRÁFICO 1: Projeção do Fluxo de Caixa do Projeto.....................................23
GRÁFICO 2: VPL x TMA................................................................................25
GRÁFICO 3: Participação de cada item na composição do custo do projeto.49
GRÁFICO 4: Participação de cada sub-item no projeto .................................50
GRÁFICO 5: Cronograma de desembolso – Serviços de Terceiros ..............51
GRÁFICO 6: Cronograma de desembolso – Equipamentos e materiais........52
GRÁFICO 7: Cronograma físico-financeiro para 2014 ...................................54
GRÁFICO 8: Cronograma físico-financeiro para 2015 ...................................54
GRÁFICO 9: Cronograma físico-financeiro para 2016 ...................................55
GRÁFICO 10: Percentuais de desembolso anual ..........................................55
GRÁFICO 11: Curva ´S´.................................................................................56
3
LISTA DE QUADROS
QUADRO 1: Características do empreendimento GREENSOLAR ................11
QUADRO 2: Matriz SWOT da E²S .................................................................18
QUADRO 3: Matriz de Priorização das Partes Interessadas..........................28
QUADRO 4: Matriz de Mapeamento dos Stakeholders..................................29
QUADRO 5: Matriz de Interesse dos Intervenientes ......................................30
QUADRO 6: Requisitos do produto................................................................33
QUADRO 7: Requisitos do Produto ...............................................................34
QUADRO 8: Plano de entregas do projeto.....................................................36
QUADRO 9: Dicionário da EAP......................................................................38
QUADRO 10: Níveis de priorização dos requisitos da qualidade...................59
QUADRO 11: Requisitos de Qualidade..........................................................60
QUADRO 12: Indicador de Desempenho I.....................................................60
QUADRO 13: Indicador de Desempenho II....................................................61
QUADRO 14: Indicador de Desempenho III...................................................61
QUADRO 15: Matriz de Responsabilidades...................................................63
QUADRO 16: Descrição das Funções e Atribuições......................................64
QUADRO 17: Eventos de Comunicação........................................................66
QUADRO 18: Divulgação do Projeto..............................................................70
QUADRO 19: Identificação dos Riscos ..........................................................74
QUADRO 20: Graduação de Probabilidade de Ocorrência dos Riscos .........75
QUADRO 21: Graduação de Impacto dos riscos ...........................................75
QUADRO 22: Matriz de Probabilidade X Impacto dos Riscos........................76
QUADRO 23: Graduação de Severidade dos Riscos ....................................76
QUADRO 24: Classificação dos Riscos do Projeto........................................78
QUADRO 25: Matriz de Classificação dos Riscos .........................................79
QUADRO 26: VME na Fase de Pré-Reação..................................................79
QUADRO 27: VME na Fase de Pós-Reação .................................................80
QUADRO 28: Respostas aos Riscos de Alta e Média Criticidade..................81
QUADRO 29: Respostas aos Riscos Secundários ........................................82
QUADRO 30: Matriz Make X Buy...................................................................83
4
LISTA DE TABELAS
TABELA 1: Constituição do Capital do Projeto ..............................................20
TABELA 2: Fluxo de Caixa Global do Projeto................................................21
TABELA 3: Fluxo de Caixa do Acionista........................................................22
TABELA 4: Payback Simples.........................................................................24
TABELA 5: Payback Descontado ..................................................................24
TABELA 6: Resumo dos indicadores de viabilidade......................................26
TABELA 7: Descrição do investimento inicial em reais..................................48
TABELA 8: Recursos do Projeto....................................................................49
TABELA 9: Discriminação dos Custos com Terceiros ...................................50
TABELA 10: Discriminação dos Custos com Equipamentos e Materiais.......51
TABELA 11: Discriminação dos Custos com Recursos Humanos.................52
TABELA 12: Cronograma físico-financeiro do Projeto...................................53
TABELA 13: Fluxo de caixa mensal durante a implantação do projeto .........57
TABELA 14: Valores de Reserva...................................................................80
5
SUMÁRIO
1 SUMÁRIO EXECUTIVO...........................................................................................8
2 INTRODUÇÃO.......................................................................................................10
3 SUSTENTABILIDADE ...........................................................................................14
4 ANÁLISE ESTRATÉGICA.....................................................................................17
MISSÃO, VISÃO E VALORES ............................................................................174.1
MATRIZ SWOT ...................................................................................................174.2
ANÁLISE DE MERCADO....................................................................................184.3
5 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA...........................................................20
PROJEÇÃO DO FLUXO DE CAIXA....................................................................205.1
INDICADORES DE VIABILIDADE ......................................................................235.2
6 PLANO DE GERENCIAMENTO DE STAKEHOLDERS .......................................27
7 PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO .....................................................32
TERMO DE ABERTURA DO PROJETO.............................................................327.1
DOCUMENTOS DE REQUISITOS DO PROJETO .............................................337.2
DECLARAÇÃO DE ESCOPO .............................................................................347.3
PLANO DE ENTREGAS E MARCOS DO PROJETO .........................................367.4
ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO – EAP................................................377.5
DICIONÁRIO DA EAP.........................................................................................377.6
PLANO DE MUDANÇAS DO ESCOPO ..............................................................417.7
CRITÉRIOS DE ACEITAÇÃO DO PROJETO.....................................................427.8
8 PLANO DE GERENCIAMENTO DO TEMPO........................................................43
FERRAMENTAS PARA O GERENCIAMENTO DE TEMPO...............................438.1
CRONOGRAMA..................................................................................................438.2
FLUXO DE CONTROLE DE MUDANÇAS DE PRAZOS.....................................458.3
PROCESSO ADOTADO PARA O APROVEITAMENTO CORRETO DE8.4
RECURSOS..............................................................................................................46
PROCESSO ADOTADO PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE8.5
PROGRESSO. ..........................................................................................................47
6
9 PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS ......................................................48
ORÇAMENTO.....................................................................................................489.1
RECURSOS DO PROJETO................................................................................499.2
CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO..............................................................529.3
FREQUÊNCIA DE ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE9.4
CUSTOS ...................................................................................................................58
10 PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE..............................................59
DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE...5910.1
PRIORIZAÇÃO DAS MUDANÇAS NOS REQUISITOS DE QUALIDADE E10.2
RESPOSTAS ............................................................................................................59
REQUISITOS DA QUALIDADE.........................................................................6010.3
INDICADORES DA QUALIDADE......................................................................6010.4
11 PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS..................................................62
ORGANOGRAMA .............................................................................................6211.1
PLANO DE TREINAMENTOS...........................................................................6211.2
MATRIZ DE RESPONSABILIDADES ...............................................................6211.3
DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES..............................................6311.4
12 PLANO DE GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES...................................65
EVENTOS DE COMUNICAÇÃO .......................................................................6512.1
MATRIZ DE COMUNICAÇÃO...........................................................................6712.2
CRONOGRAMA DE EVENTOS........................................................................6812.3
PLANO DE DIVULGAÇÃO DO PROJETO........................................................7012.4
PLANO DE GERENCIAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO..................................7012.5
13 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS .....................................................73
13.1 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS .......................................................................73
13.2 CRITÉRIOS ADOTADOS PARA ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA
DOS RISCOS............................................................................................................75
13.3 ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA DOS RISCOS DO PROJETO.....77
13.4 QUALIFICAÇÃO DA LISTA DE RISCOS DO PROJETO..................................79
13.5 RESPOSTAS AOS RISCOS DE ALTA E MÉDIA CRITICIDADE......................80
7
13.6 AVALIAÇÃO DE RISCOS SECUNDÁRIOS ......................................................81
14 PLANO DE GERENCIAMENTO DE AQUISIÇÕES.............................................83
PLANEJAMENTO DE COMPRAS E AQUISIÇÕES..........................................8414.1
PLANEJAMENTO DE CONTRATAÇÕES.........................................................8514.2
SOLICITAÇÃO DE RESPOSTA DOS FORNECEDORES................................8514.3
SELEÇÃO DOS FORNECEDORES .................................................................8614.4
ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATOS ...............................................................8614.5
ENCERRAMENTO DE CONTRATOS...............................................................8714.6
8
1 SUMÁRIO EXECUTIVO
Este documento apresenta o Plano de Projeto da Usina Fotovoltaica GREEN
SOLAR. O projeto consiste na implantação de uma usina fotovoltaica às margens da
BR-163, no Município de Cascavel-PR, pela quantia total de R$ 8.000.000,00 (oito
milhões de reais), no prazo máximo de 36 meses. Esta será a primeira Usina
Fotovoltaica do gênero no Brasil a ter o selo verde LEED (Leadership in Energy and
Environmental Design) do Green Building Council.
E²S – Enermix Energia Sustentável - desenvolve, financia, instala e opera
usinas de energia utilizando tecnologias fotovoltaicas testadas e comprovadas,
prestando serviços de energia solar para clientes comerciais, governamentais e
concessionários de serviços públicos.
A energia solar é uma das poucas fontes de energia completamente
renováveis que existe a disposição do ser humano. Conforme dados do Instituto
Vitae Civilis, o Brasil, por sua localização e extensão territorial, recebe energia solar
da ordem de 1013 MWh anuais, o que corresponde a cerca de 50 mil vezes o seu
consumo anual de eletricidade. A energia solar se caracteriza como inesgotável e é
considerada uma alternativa energética muito promissora para enfrentar os desafios
da expansão da oferta de energia com menor impacto ambiental.
As usinas de energia solar fotovoltaica são caracterizadas pelo seu tamanho,
tendo capacidade instalada de geração igual ou maior que 1000kwp (1MWp). Nesse
tipo de usina solar são utilizadas placas fotovoltaicas, que são dispositivos utilizados
para converter a energia da luz do sol em energia elétrica. Infelizmente, as placas
fotovoltaicas ainda têm um custo de produção muito elevado e sua geração de
energia é baixa. Atualmente, as células fotovoltaicas apresentam eficiência de
conversão da ordem de 18%.
Para o projeto GREENSOLAR a E²S se estruturou da seguinte forma: após a
definição do local onde será construída a usina, serão iniciadas as obras civis, que
comportam dois prédios: um para a parte administrativa e outro para a casa de
máquinas.
Embora os recursos financeiros para o desenvolvimento de uma usina
fotovoltaica sejam vultosos, pode-se estimar o retorno deste em poucos anos. Para
tal, desde a concepção da usina, estabelecem-se parcerias e firmam-se acordos que
garantam o negócio. Para execução do parque GREENSOLAR, haverá apoio
9
financeiro do BNDES no valor de R$5.000.000,00, e aporte de capital próprio no
valor de R$3.000.000,00, totalizando 37,5% de capital próprio e 62,7% de capital de
terceiros para execução do projeto.
O parque da usina fotovoltaica GREENSOLAR está localizado em uma área
de 3,1 hectares, localizado nas proximidades do entroncamento rodoviário entre a
BR-277 e a BR-163, no município de Cascavel, estado do Paraná.
As obras serão iniciadas em julho de 2014 com previsão de término para
Dezembro de 2016, empregando cerca de 50 trabalhadores no ápice da construção.
O investimento está previsto para ser totalmente pago em 20 anos. A E²S será a
operadora da usina.
Assim que finalizada, o GREENSOLAR terá operação assistida. A energia
gerada será destinada ao Sistema Interligado Nacional (SIN). A planta terá
capacidade instalada de 01 MW e a expectativa é de que esta produza 1800 MWh
por ano, energia suficiente para abastecer 1500 residências, evitando a emissão de
450 toneladas de carbono.
10
2 INTRODUÇÃO
GREENSOLAR consiste de um Parque solar fotovoltaico com 1MW de
potência instalada, localizado às margens da BR-163, no Município de Cascavel-PR.
O local do empreendimento foi selecionado levando-se em conta a
proximidade com um grande centro de carga, a facilidade de acesso e estar no
entorno de uma grande subestação, que será utilizada para efetuar a conexão da
central fotovoltaica ao SIN (Sistema interligado nacional). Tais elementos são
apresentados na Figura 1.
Figura 1. Contextualização geográfica do empreendimento GREENSOLAR
A usina ocupará uma área de aproximadamente 3,1 hectares e será
composta por 3492 módulos fotovoltaicos com potência individual de 300 Wp. Nessa
configuração, o empreendimento produzirá, em média, 1800 MWh por ano,
suficientes para abastecer 1500 moradias, e evitará a emissão de mais de 450
11
toneladas de CO2, conforme apresentado no Quadro 1. GREENSOLAR, depois de
instalado, será semelhante ao apresentado na Figura 2.
QUADRO 1: Características do empreendimento GREENSOLAR
Potência instalada 1MWp
Potência individual dos módulos 300 Wp
Energia gerada / ano 1885,68 MWh
CO2 evitado 450 ton
Área ocupada 3,1 hectares
Figura 2. Placas fotovoltaicas após a implantação
O trabalho de construção da GREENSOLAR envolverá a instalação de 970
bases de concreto sobre as quais serão incluídas as estruturas e os conjuntos de
painéis fotovoltaicos. O projeto contará com três edificações: guarita, casa de apoio
e sala de comando.
Com 22 quilos e medido 1970 x 990 x 50 (Altura x largura x profundidade), os
painéis com tecnologia policristalina que serão utilizados no projeto têm potência de
300Wp, conforme mostra a Figura 3.
12
Figura 3. Módulo Fotovoltaico utilizado no projeto
A sala de comando abrigará nove inversores e os equipamentos de comando
e proteção. Um transformador de 220 V/13,8 kV 1MVA fará a conexão com a rede
de distribuição da Copel. O centro administrativo será equipado com um auditório
para receber visitantes, que poderão observar os painéis da perspectiva de um
mirante. Um layout da usina GREENSOLAR é apresentado na Figura 4.
Figura 4. Layout da usina após conclusão
A usina contará com uma estação meteorológica própria, capaz de fornecer
dados de radiação solar, temperatura ambiente e temperatura na superfície dos
painéis solares. A instalação seguirá a padronização estabelecida pela Organização
Meteorológica Mundial (OMM). A usina será instalada estrategicamente próxima a
13
uma subestação da Copel Distribuição S.A (Companhia Paranaense de Energia
Elétrica).
GREENSOLAR será a primeira usina fotovoltaica do Mundo a receber
certificação internacional LEED de sustentabilidade do GBC – Green Building
Council.
14
3 SUSTENTABILIDADE
Há dois conceitos, dentro do pensamento econômico mundial, que serão a
base de uma nova equação de custos da E²S, que agregam passivos e ativos
ambientais: “A perenidade de um negócio será diretamente proporcional ao seu
padrão de sustentabilidade econômica, social e ambiental” e “Sustentabilidade não é
custo, é investimento”.
Como uma companhia referência em energia renovável, a E²S entende que o
legado que se deixa como cidadão corporativo não se baseia apenas nos tipos de
produtos que se fabrica, mas também nos métodos que se empregam. Para ajudar a
mitigar o uso de eletricidade, constroem sistemas fotovoltaicos que geram
eletricidade especificamente para os prédios que compõem o parque da usina.
Também está comprometida em monitorar e reduzir as emissões criadas
pelos processos de produção, incluindo as emissões dos gases de efeito estufa.
Temos orgulho de ser a primeira companhia brasileira no setor fotovoltaico a obter a
certificação Verificação da Pegada de Carbono da Produção da TÜV Rheinland,
fornecedor líder de serviços técnicos, reconhecido e respeitado mundialmente no
setor e o selo LEED - Leadership in Energy and Environmental Design – do Green
Bulding Council.
A avaliação da TÜV Rheinland é realizada em conformidade com a norma
internacional sobre a pegada de carbono PAS 2050:2011, uma especificação
disponível publicamente e aplicada universalmente que fornece um método para
avaliar o ciclo de vida das emissões de gases de efeito estufa de diversos bens e
serviços. Alinhado aos esforços contínuos de aprimoramento, mede-se ativamente
os fluxos de resíduos e então se trabalha constantemente para reduzi-los. A cada
ano, se atualizarão as metas de redução para garantir a manutenção do processo de
produção mais eficiente e ecologicamente correto.
Criado em 2000, pelo USGBC - Conselho de Construção Sustentável dos
EUA, a certificação LEED para construção sustentável é considerada o principal selo
para edificações no país e possui o intuito de incentivar a transformação dos
projetos, obras e operação das edificações, sempre com foco na sustentabilidade de
suas atuações.
O LEED orienta e atesta o comprometimento de uma edificação com
os princípios da sustentabilidade para a construção civil - antes, durante e depois de
15
suas obras. Emitido em mais de 143 países de todo o mundo, o selo é considerado,
hoje, a principal certificação de construção sustentável para os empreendimentos do
Brasil, onde é representado oficialmente pelo GBC-Brasil.
O sistema LEEDTM de selo verde compreende 6 categorias, sendo elas
LEED-HOMES, LEED-ND (Neighborhood Developments), LEED-CI (Commercial
Interiors), LEED-CS (Core and Shell), LEED-NC (New Constructions), e LEED-EB
(Existing Buildings).
Cada uma delas divide-se nas seguintes áreas a serem pontuadas: SS
(Sustainable Sites), WE (Water Eficiency), EA (Energy & Atmosphere), MR
(Materials & Resources), IEQ (Indoor Environmental Quality) e ID (Innovation in
Design).
O LEED orienta e atesta o comprometimento de uma edificação com
os princípios da sustentabilidade para a construção civil - antes, durante e depois de
suas obras. A certificação LEED avalia:
a) uso racional da água
b) eficiência energética
c) redução, reutilização e reciclagem de materiais e recursos
d) qualidade dos ambientes internos da edificação
e) espaço sustentável
f) inovação e tecnologia
Cada quesito tem um peso diferente na avaliação e o empreendimento
avaliado pode conseguir até 110 pontos, sendo que, para receber a certificação
LEED, é preciso ter pontuação superior a 40. Quanto maior a pontuação da
edificação, melhor será o nível do selo conquistado. Existem quatro tipos:
a) Selo LEED, conferido a empreendimentos que tiveram mais de 40 pontos;
b) Selo LEED Silver, para edificações com mais de 50 pontos;
c) Selo LEED Gold, para empreendimentos com pontuação superior a 60 e
d) Selo LEED Platinum, para edificações que conquistaram mais de 80
pontos.
Seus benefícios se dão em várias áreas:
a) Econômica
i. Diminuição dos custos operacionais
ii. Diminuição dos riscos regulatórios
iii. Valorização do imóvel para revenda ou arrendamento
16
iv. Aumento na velocidade de ocupação
v. Aumento da retenção
vi. Modernização e menor obsolescência da edificação
b) Social
i. Melhora na segurança e priorização da saúde dos trabalhadores e
ocupantes
ii. Inclusão social e aumento do senso de comunidade
iii. Capacitação profissional
iv. Conscientização de trabalhadores e usuários
v. Aumento da produtividade do funcionário; melhora na recuperação de
pacientes (em Hospitais); melhora no desempenho de alunos (em
Escolas); aumento no ímpeto de compra de consumidores (em
Comércios).
vi. Incentivo a fornecedores com maiores responsabilidades
socioambientais
vii. Aumento da satisfação e bem estar dos usuários
viii. Estímulo a políticas públicas de fomento a Construção Sustentável
c) Ambiental
i. Uso racional e redução da extração dos recursos naturais
ii. Redução do consumo de água e energia
iii. Implantação consciente e ordenada
iv. Mitigação dos efeitos das mudanças climáticas
v. Uso de materiais e tecnologias de baixo impacto ambiental
vi. Redução, tratamento e reuso dos resíduos da construção e operação.
17
4 ANÁLISE ESTRATÉGICA
MISSÃO, VISÃO E VALORES4.1
a) Missão
Atuar com responsabilidade social e ambiental transformando recursos
naturais em energia renovável buscando o desenvolvimento sustentável.
b) Visão
Ser referência nacional na implantação de parques fotovoltaicos de energia
de até 1MW até 2020.
c) Valores
i. Ética Social, Profissional E Ambiental: Conjugar os objetivos da
empresa com os anseios da sociedade, dos profissionais envolvidos e
expectativas de preservação do meio ambiente.
ii. Responsabilidade Social, Profissional E Ambiental: Condução da vida
da empresa de maneira sustentável, respeitando os direitos de todas
as partes interessadas, inclusive das futuras gerações e o
compromisso com a sustentação de todas as formas de vida.
iii. Inovação: Fomento à pesquisa e desenvolvimento de projetos que
ampliem, diversifiquem , modernizem e apresentem novas concepções
de geração de energia solar.
MATRIZ SWOT4.2
A análise estratégica do projeto foi feita através da Matriz SWOT,
apresentada no Quadro 2.
18
QUADRO 2: Matriz SWOT da E²S
THREATENS (T)
1. Falta de mão-de-obra
especializada em itens de
sustentabilidade.
2. Custos elevados da
tecnologia
3. Competição com outros
tipos de energias renováveis
com custo menor, por
exemplo: biomassa e eólica.
OPPORTUNITIES (O)
1. Geração de energia com
matriz renovável
(sustentabilidade)
2. Menos entraves dos órgãos
ambientais
3. Interesse de Investidores
estrangeiro e nacional;
4. Visibilidade em âmbito
nacional devido expansão
deste tipo de mercado.
5. Diversificação da matriz
energética
6. O Brasil possui excelentes
condições de irradiação
7. Perspectivas de crescimento
do mercado.
STRENGHS (S)
1. Localização próxima ao
centro de carga.
2. Unidade geradora de menor
porte
3. Menor impacto ambiental
4. Projeto voltado para a
sustentabilidade
ESTRATÉGIA DE
MANUTENÇÃO
1. Formação de mão de obra
especializada em
sustentabilidade (S4 T1)
ESTRATÉGIA DE
DESENVOLVIMENTO
1. Construção de novas usinas
(S3 O2 O3)
2. Divulgar o produto
enfatizando o serviço
diferenciado (S1 S2 S3 S4
O1 O4 O5)
WEAKNESSES (W)
1. Restrições orçamentárias
2. Custos elevados da
geração;
3. Pouca legislação.
ESTRATÉGIA DE
SOBREVIVÊNCIA
ESTRATÉGIA DE
CRESCIMENTO
1. Levantar capital para investir
(W1 O3 O7)
ANÁLISE DE MERCADO4.3
Para a grande maioria da população brasileira, energia solar é sinônimo de
aquecimento de água. Ainda é pouco conhecida a possibilidade de obter eletricidade
a partir do sol e muito menos o significado do termo ‘fotovoltaica’.
Segundo o Atlas de Irradiação Solar no Brasil, diariamente incide entre 4500
Wh/m2 a 6300 Wh/m2 no país. Como base de comparação, o lugar mais ensolarado
da Alemanha recebe 40% menos radiação solar que o lugar menos ensolarado do
Brasil. Apesar destas condições favoráveis, o uso de energia solar ainda não foi
considerado no plano nacional de energia 2030 e o mercado começa a aparecer em
19
2013 a partir da instalação de microgeradores devido á publicação da resolução
482/2012 da Agencia Nacional de energia Elétrica (ANEEL).
Como o país já possui uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo,
a melhor integração da energia solar fotovoltaica seria como uma fonte
complementar, aproximando a geração do consumo e reduzindo assim perdas com
transmissão.
Se nas cidades há vastas áreas sobre as edificações para a instalação de
painéis fotovoltaicos, no meio rural esta fonte energética é a opção mais limpa e
segura para levar eletricidade a comunidades isoladas e de difícil acesso.
Além disso, o Brasil possui uma das maiores reservas de silício do mundo.
Isto faz com que o país seja um local privilegiado para desenvolver uma indústria
local de produção de células fotovoltaicas gerando empregos e retornos em
impostos pagos. Para isso, seria preciso investir em pesquisas para desenvolver um
conhecimento de purificação do silício até o chamado ‘grau solar’, que é superior ao
do silício empregado na siderurgia.
20
5 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA
Atendendo a diretriz estratégica de implantação da usina fotovoltaica
GREENSOLAR, apresenta-se o estudo de viabilidade econômica. Esse estudo traz
as projeções do fluxo de caixa global e do fluxo de caixa para os acionistas,
juntamente com os indicadores de viabilidade. O detalhamento do investimento
necessário para cumprir o objetivo de implantação encontra-se no plano de
gerenciamento de custos.
PROJEÇÃO DO FLUXO DE CAIXA5.1
Abaixo são listados alguns dados relevantes a respeito do fluxo de caixa:
TABELA 1: Constituição do Capital do Projeto
VALOR % REMUNERAÇÃO
Capital Próprio (E²S) R$3.000.000,00 37,5% 15% a.a.
Capital de Terceiros
(BNDES)
R$5.000.000,00 62,5% 5% a.a.
a. TMA = (15*37,5)+(5*62,5) = 8,75%
b. Prazo do financiamento (BNDES) = 20 anos
c. Tempo de concessão da usina = 20 anos, contados a partir do inicio da
operação.
d. Preço de venda do MWh = R$350,00
e. Fator de reajuste anual = 14%
f. Energia gerada/ano = 1850 MWH/ano
Os cálculos foram feitos partindo do pressuposto da produção de 1850
MWh/ano pela usina fotovoltaica. A receita foi estipulada com base no preço de
mercado da energia solar praticada no leilão A-3 da ANEEL. Com isso, apresentam-
se as estimativas do fluxo de caixa global e do fluxo de caixa dos acionistas, nas
Tabelas 2 e 3 respectivamente.
21
TABELA 2: Fluxo de Caixa Global do Projeto
FLUXO CAIXA GLOBAL ANO 0 ANO 1 ANO 2 ANO 3 ANO 4 ANO 5 ANO 6 ANO 7 ANO 8 ANO 9 ANO 10
(+) Receita Operacional Bruta 647.500,00 738.150,00 819.346,50 909.474,62 1.009.516,82 1.120.563,67 1.243.825,68 1.380.646,50 1.532.517,62 1.701.094,55
(-) Imposto sobre vendas (10%) -64.750,00 -73.815,00 -81.934,65 -90.947,46 -100.951,68 -112.056,37 -124.382,57 -138.064,65 -153.251,76 -170.109,46
(=) Receita Operacional Liquida 582.750,00 664.335,00 737.411,85 818.527,15 908.565,14 1.008.507,31 1.119.443,11 1.242.581,85 1.379.265,86 1.530.985,10
(-) Custos dos produtos ou serviços vendidos (10%) -58.275,00 -66.433,50 -73.741,19 -81.852,72 -90.856,51 -100.850,73 -111.944,31 -124.258,19 -137.926,59 -153.098,51
(=) Lucro Operacional Bruto 524.475,00 597.901,50 663.670,67 736.674,44 817.708,63 907.656,58 1.007.498,80 1.118.323,67 1.241.339,27 1.377.886,59
(-) Despesas Administrativas -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00
(-) Despesas Comerciais (2%) -12.950,00 -14.763,00 -16.386,93 -18.189,49 -20.190,34 -22.411,27 -24.876,51 -27.612,93 -30.650,35 -34.021,89
(-) Despesas Gerais -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00
(=) Lucro Operacional - EBITDA 455.525,00 527.138,50 591.283,74 662.484,95 741.518,29 829.245,30 926.622,28 1.034.710,74 1.154.688,92 1.287.864,70
(-) Depreciação -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50
(=) Lucro antes IR - LAIR 347.072,50 420.499,00 486.268,17 559.271,94 640.306,13 730.254,08 830.096,30 940.921,17 1.063.936,77 1.200.484,09
(-) IR (25%) -86.768,13 -105.124,75 -121.567,04 -139.817,98 -160.076,53 -182.563,52 -207.524,07 -235.230,29 -265.984,19 -300.121,02
(=) Lucro Líquido 260.304,38 315.374,25 364.701,12 419.453,95 480.229,59 547.690,56 622.572,22 705.690,87 797.952,58 900.363,07
(+) Depreciação 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50
(=) Fluxo de Caixa Operacional 437.706,88 492.776,75 542.103,62 596.856,45 657.632,09 725.093,06 799.974,72 883.093,37 975.355,08 1.077.765,57
(+/-) Investimentos ou desmobilizações de equipamentos -8.000.000,00
(-) IR sobre venda de ativos
(+/-) Mudanças no capital de giro
(=) Fluxo de Caixa Global -8.000.000,00 437.706,88 492.776,75 542.103,62 596.856,45 657.632,09 725.093,06 799.974,72 883.093,37 975.355,08 1.077.765,57
ANO 11 ANO 12 ANO 13 ANO 14 ANO 15 ANO 16 ANO 17 ANO 18 ANO 19 ANO 20
(+) Receita Operacional Bruta 1.888.214,96 2.095.918,60 2.326.469,65 2.582.381,31 2.866.443,25 3.181.752,01 3.531.744,73 3.920.236,65 4.351.462,68 4.830.123,58
(-) Imposto sobre vendas (10%) -188.821,50 -209.591,86 -232.646,96 -258.238,13 -286.644,33 -318.175,20 -353.174,47 -392.023,67 -435.146,27 -483.012,36
(=) Receita Operacional Liquida 1.699.393,46 1.886.326,74 2.093.822,68 2.324.143,18 2.579.798,93 2.863.576,81 3.178.570,26 3.528.212,99 3.916.316,41 4.347.111,22
(-) Custos dos produtos ou serviços vendidos (10%) -169.939,35 -188.632,67 -209.382,27 -232.414,32 -257.979,89 -286.357,68 -317.857,03 -352.821,30 -391.631,64 -434.711,12
(=) Lucro Operacional Bruto 1.529.454,11 1.697.694,07 1.884.440,41 2.091.728,86 2.321.819,03 2.577.219,13 2.860.713,23 3.175.391,69 3.524.684,77 3.912.400,10
(-) Despesas Administrativas -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -39.999,00 -39.998,00 -39.997,00 -39.996,00
(-) Despesas Comerciais (2%) -37.764,30 -41.918,37 -46.529,39 -51.647,63 -57.328,87 -63.635,04 -70.634,89 -78.404,73 -87.029,25 -96.602,47
(-) Despesas Gerais -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -15.999,00 -15.998,00 -15.997,00 -15.996,00
(=) Lucro Operacional - EBITDA 1.435.689,82 1.599.775,69 1.781.911,02 1.984.081,23 2.208.490,17 2.457.584,09 2.734.080,34 3.040.990,95 3.381.661,52 3.759.805,63
(-) Depreciação -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50
(=) Lucro antes IR - LAIR 1.352.051,61 1.520.291,57 1.707.037,91 1.914.326,36 2.144.416,53 2.399.816,63 2.683.310,73 2.997.989,19 3.347.282,27 3.734.997,60
(-) IR (25%) -338.012,90 -380.072,89 -426.759,48 -478.581,59 -536.104,13 -599.954,16 -670.827,68 -749.497,30 -836.820,57 -933.749,40
(=) Lucro Líquido 1.014.038,71 1.140.218,68 1.280.278,44 1.435.744,77 1.608.312,40 1.799.862,47 2.012.483,05 2.248.491,89 2.510.461,70 2.801.248,20
(+) Depreciação 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50
(=) Fluxo de Caixa Operacional 1.191.441,21 1.317.621,18 1.457.680,94 1.613.147,27 1.785.714,90 1.977.264,97 2.189.885,55 2.425.894,39 2.687.864,20 2.978.650,70
(+/-) Investimentos ou desmobilizações de equipamentos 500.000,00
(-) IR sobre venda de ativos -125.000,00
(+/-) Mudanças no capital de giro
(=) Fluxo de Caixa Global 1.191.441,21 1.317.621,18 1.457.680,94 1.613.147,27 1.785.714,90 1.977.264,97 2.189.885,55 2.425.894,39 2.687.864,20 3.353.650,70
22
TABELA 3: Fluxo de Caixa do Acionista
FLUXO CAIXA DO ACIONISTA ANO 0 ANO 1 ANO 2 ANO 3 ANO 4 ANO 5 ANO 6 ANO 7 ANO 8 ANO 9 ANO 10
(+) Receita Operacional Bruta 647.500,00 738.150,00 819.346,50 909.474,62 1.009.516,82 1.120.563,67 1.243.825,68 1.380.646,50 1.532.517,62 1.701.094,55
(-) Imposto sobre vendas (10%) -64.750,00 -73.815,00 -81.934,65 -90.947,46 -100.951,68 -112.056,37 -124.382,57 -138.064,65 -153.251,76 -170.109,46
(=) Receita Operacional Liquida 582.750,00 664.335,00 737.411,85 818.527,15 908.565,14 1.008.507,31 1.119.443,11 1.242.581,85 1.379.265,86 1.530.985,10
(-) Custos dos produtos ou serviços vendidos (10%) -58.275,00 -66.433,50 -73.741,19 -81.852,72 -90.856,51 -100.850,73 -111.944,31 -124.258,19 -137.926,59 -153.098,51
(=) Lucro Operacional Bruto 524.475,00 597.901,50 663.670,67 736.674,44 817.708,63 907.656,58 1.007.498,80 1.118.323,67 1.241.339,27 1.377.886,59
(-) Despesas Administrativas -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00
(-) Despesas Comerciais (2%) -12.950,00 -14.763,00 -16.386,93 -18.189,49 -20.190,34 -22.411,27 -24.876,51 -27.612,93 -30.650,35 -34.021,89
(-) Despesas Gerais -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00
(=) Lucro Operacional - EBITDA 455.525,00 527.138,50 591.283,74 662.484,95 741.518,29 829.245,30 926.622,28 1.034.710,74 1.154.688,92 1.287.864,70
(-) Depreciação -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50
(=) Lucro antes IR - LAJIR 347.072,50 420.499,00 486.268,17 559.271,94 640.306,13 730.254,08 830.096,30 940.921,17 1.063.936,77 1.200.484,09
(-) Despesas Financeiras -250.000,00 -237.500,00 -225.000,00 -212.500,00 -200.000,00 -187.500,00 -175.000,00 -162.500,00 -150.000,00 -137.500,00
(=)Lucro antes do IR - LAIR 97.072,50 182.999,00 261.268,17 346.771,94 440.306,13 542.754,08 655.096,30 778.421,17 913.936,77 1.062.984,09
(-) IR (25%) 86.692,98 110.076,53 135.688,52 163.774,07 194.605,29 228.484,19 265.746,02
(=) Lucro Líquido 97.072,50 182.999,00 261.268,17 433.464,92 550.382,66 678.442,59 818.870,37 973.026,46 1.142.420,96 1.328.730,11
(+) Depreciação 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50
(=) Fluxo de Caixa 274.475,00 360.401,50 438.670,67 610.867,42 727.785,16 855.845,09 996.272,87 1.150.428,96 1.319.823,46 1.506.132,61
(-) Amortizações -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00
(+/-) Investimentos ou desmobilizações de equipamentos -5.000.000,00
(-) IR sobre venda de ativos
(+/-) Mudanças no capital de giro
(=) Fluxo de Caixa do Acionista -5.000.000,00 24.475,00 110.401,50 188.670,67 360.867,42 477.785,16 605.845,09 746.272,87 900.428,96 1.069.823,46 1.256.132,61
ANO 11 ANO 12 ANO 13 ANO 14 ANO 15 ANO 16 ANO 17 ANO 18 ANO 19 ANO 20
(+) Receita Operacional Bruta 1.888.214,96 2.095.918,60 2.326.469,65 2.582.381,31 2.866.443,25 3.181.752,01 3.531.744,73 3.920.236,65 4.351.462,68 4.830.123,58
(-) Imposto sobre vendas (10%) -188.821,50 -209.591,86 -232.646,96 -258.238,13 -286.644,33 -318.175,20 -353.174,47 -392.023,67 -435.146,27 -483.012,36
(=) Receita Operacional Liquida 1.699.393,46 1.886.326,74 2.093.822,68 2.324.143,18 2.579.798,93 2.863.576,81 3.178.570,26 3.528.212,99 3.916.316,41 4.347.111,22
(-) Custos dos produtos ou serviços vendidos (10%) -169.939,35 -188.632,67 -209.382,27 -232.414,32 -257.979,89 -286.357,68 -317.857,03 -352.821,30 -391.631,64 -434.711,12
(=) Lucro Operacional Bruto 1.529.454,11 1.697.694,07 1.884.440,41 2.091.728,86 2.321.819,03 2.577.219,13 2.860.713,23 3.175.391,69 3.524.684,77 3.912.400,10
(-) Despesas Administrativas -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -39.999,00 -39.998,00 -39.997,00 -39.996,00
(-) Despesas Comerciais (2%) -37.764,30 -41.918,37 -46.529,39 -51.647,63 -57.328,87 -63.635,04 -70.634,89 -78.404,73 -87.029,25 -96.602,47
(-) Despesas Gerais -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -15.999,00 -15.998,00 -15.997,00 -15.996,00
(=) Lucro Operacional - EBITDA 1.435.689,82 1.599.775,69 1.781.911,02 1.984.081,23 2.208.490,17 2.457.584,09 2.734.080,34 3.040.990,95 3.381.661,52 3.759.805,63
(-) Depreciação -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50
(=) Lucro antes IR - LAJIR 1.352.051,61 1.520.291,57 1.707.037,91 1.914.326,36 2.144.416,53 2.399.816,63 2.683.310,73 2.997.989,19 3.347.282,27 3.734.997,60
(-) Despesas Financeiras -125.000,00 -112.500,00 -100.000,00 -87.500,00 -75.000,00 -62.500,00 -50.000,00 -37.500,00 -30.000,00 -15.000,00
(=)Lucro antes do IR - LAIR 1.227.051,61 1.407.791,57 1.607.037,91 1.826.826,36 2.069.416,53 2.337.316,63 2.633.310,73 2.960.489,19 3.317.282,27 3.719.997,60
(-) IR (25%) 306.762,90 351.947,89 401.759,48 456.706,59 517.354,13 584.329,16 658.327,68 740.122,30 829.320,57 929.999,40
(=) Lucro Líquido 1.533.814,52 1.759.739,46 2.008.797,39 2.283.532,95 2.586.770,67 2.921.645,78 3.291.638,41 3.700.611,48 4.146.602,84 4.649.997,00
(+) Depreciação 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50
(=) Fluxo de Caixa 1.711.217,02 1.937.141,96 2.186.199,89 2.460.935,45 2.764.173,17 3.099.048,28 3.469.040,91 3.878.013,98 4.324.005,34 4.827.399,50
(-) Amortizações -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00
(+/-) Investimentos ou desmobilizações de equipamentos 500.000,00
(-) IR sobre venda de ativos -125.000,00
(+/-) Mudanças no capital de giro
(=) Fluxo de Caixa do Acionista 1.461.217,02 1.687.141,96 1.936.199,89 2.210.935,45 2.514.173,17 2.849.048,28 3.219.040,91 3.628.013,98 4.074.005,34 4.952.399,50
23
INDICADORES DE VIABILIDADE5.2
Com base nas projeções do fluxo de caixa calculou-se o tempo mínimo de
retorno do investimento, o retorno mínimo descontado, o valor presente líquido
(VPL), a taxa de retorno do investimento (TIR) e o índice de lucratividade (IL).
A taxa mínima de atratividade para o projeto é de 8,75%. A Figura 5 mostra o
fluxo de caixa e seu valor acumulado ao longo do período de 20 anos, que
correspondem coincidentemente aos prazos de concessão e financiamento
pactuados.
GRÁFICO 1: Projeção do Fluxo de Caixa do Projeto
-8.000.000,00
437.706,88
492.776,75
542.103,62
596.856,45
657.632,09
725.093,06
799.974,72
883.093,37
975.355,08
1.077.765,57
1.191.441,21
1.317.621,18
1.457.680,94
1.613.147,27
1.785.714,90
1.977.264,97
2.189.885,55
2.425.894,39
2.687.864,20
3.353.650,70
Ano
0
Ano
1
Ano
2
Ano
3
Ano
4
Ano
5
Ano
6
Ano
7
Ano
8
Ano
9
Ano
10
Ano
11
Ano
12
Ano
13
Ano
14
Ano
15
Ano
16
Ano
17
Ano
18
Ano
19
Ano
20
24
As informações permitem calcular o payback simples, conforme tabela 4.
TABELA 4: Payback Simples
ANO FLUXO DE CAIXA VALOR ACUMULADO
0 - -8.000.000,00
1 437.706,88 -7.562.293,13
2 492.776,75 -7.069.516,38
3 542.103,62 -6.527.412,75
4 596.856,45 -5.930.556,30
5 657.632,09 -5.272.924,20
6 725.093,06 -4.547.831,15
7 799.974,72 -3.747.856,42
8 883.093,37 -2.864.763,05
9 975.355,08 -1.889.407,97
10 1.077.765,57 -811.642,40
11 1.191.441,21 379.798,81
A análise dos dados na tabela permite concluir que o retorno do investimento
se dará em aproximadamente 10 anos e 4 meses.
A Tabela 5 apresenta o cálculo do payback descontado.
TABELA 5: Payback Descontado
ANO FLUXO DE CAIXA VALOR ACUMULADO
0 - -8.000.000,00
1 402.489,08 -7.597.510,92
2 406.691,34 -7.190.819,58
3 411.312,46 -6.779.507,12
4 416.334,38 -6.363.172,74
5 421.740,85 -5.941.431,89
6 427.517,23 -5.513.914,66
7 433.650,43 -5.080.264,23
8 440.128,73 -4.640.135,50
9 446.941,71 -4.193.193,79
10 454.080,15 -3.739.113,64
11 461.535,95 -3.277.577,69
12 469.302,01 -2.808.275,68
13 477.372,20 -2.330.903,48
14 485.741,28 -1.845.162,20
15 494.404,81 -1.350.757,39
16 503.359,13 -847.398,26
17 512.601,27 -334.796,99
18 522.128,95 187.331,96
Esse indicador mostrou que, com uma taxa mínima de atratividade de 8,75%,
o tempo de retorno do investimento será de 17 anos e 5 meses.
25
O valor presente líquido, calculado à uma taxa mínima de atratividade de
8,75%, foi de R$ 1.560.753,20. Portanto, a remuneração do investimento supera a
taxa mínima de atratividade estipulada pela E²S, obtendo uma Taxa interna de
retorno (TIR) de 10,55%.
O Gráfico 2 relaciona o valor presente líquido (VPL) e a taxa mínima de
atratividade (TMA) ou custo do capital. Esse gráfico mostra que quando o valor
presente líquido é igual a zero a taxa interna de retorno (TIR) é igual a 10,55%.
GRÁFICO 2: VPL x TMA
Calculou-se também o índice de lucratividade (IL), o qual mostrou que para
cada R$1,00 investido o projeto renderá R$1,20. Isso significa que o investimento
será recuperado, remunerado à taxa exigida e ainda haverá um excedente de
capital.
Por fim, segue abaixo a Tabela 6 que resume os resultados dos indicadores
de viabilidade econômica do projeto GREENSOLAR.
VPL = R$0,00
TIR = 10,55%
(R$10.000.000,00)
(R$5.000.000,00)
R$0,00
R$5.000.000,00
R$10.000.000,00
R$15.000.000,00
R$20.000.000,00
R$25.000.000,00
0,00% 5,00% 10,00% 15,00% 20,00% 25,00% 30,00%
VPL(R$)
TMA (%)
26
TABELA 6: Resumo dos indicadores de viabilidade
INDICADOR RESULTADO
Taxa mínima de atratividade (TMA) 8,75%
Payback simples 10 anos e 4 meses
Payback descontado 17 anos e 5 meses
Valor Presente Líquido (VPL) R$ 1.560.753,20
Taxa Interna de Retorno (TIR) 10,55%
Índice de Lucratividade (IL) 1,2
Pela análise dos indicadores pode-se concluir que o projeto é viável, pois
apresenta tempo de retorno menor do que a vida útil do empreendimento, valor
presente líquido maior do que zero (VPL > 0), taxa interna de retorno maior do que a
taxa mínima de atratividade (TIR > TMA) e o índice de lucratividade maior do que um
(IL > 1).
27
6 PLANO DE GERENCIAMENTO DE STAKEHOLDERS
O plano de gerenciamento dos intervenientes do projeto GREENSOLAR é
demonstrado neste capítulo. Apresentam-se os intervenientes dispostos na matriz
de priorização das partes interessadas (Quadro 3). Além disso, será apresentada a
matriz de mapeamento dos stakeholders (Quadro 4), a matriz de interesse dos
intervenientes (Quadro 5) bem como a estrutura analítica das partes interessadas
(Figura 5).
28
QUADRO 3: Matriz de Priorização das Partes Interessadas
PARTE INTERESSADA
Patrocinadores
Conselho
diretor
Presidência
GP
Equipedo
projeto
Engenheiros
Fornecedores
Operários
Dep.
Aquisições
Dep.RH
Agências
reguladoras
Ministériode
MinaseEnergia
Imprensa
ClienteFinal
TOTALDA
LINHA
RANKING
Patrocinadores 5 1 1 5 10 10 10 10 10 1/5 1/5 5 10 77,4 3º
Conselho diretor 1/5 1 1 1 1 5 10 10 10 1/5 1/5 5 10 54,6 6º
Presidência 1 1 1 1 5 5 5 5 5 1/5 1/5 5 10 44,4 7º
GP 1 1 1 5 5 5 5 10 10 1/5 1/5 5 10 58,4 4º
Equipe do projeto 1/5 1 1 1/5 5 5 5 5 5 1/10 1/10 5 5 37,6 8º
Engenheiros 1/10 1 1/5 1/5 1/5 5 5 1 1 1/10 1/10 5 5 23,9 11º
Fornecedores 1/10 1/5 1/5 1/5 1/5 1/5 1 10 10 1/5 1/5 1 5 28.5 9º
Operários 1/10 1/10 1/5 1/5 1/5 1/5 1 10 10 1/10 1/10 1 1 24.2 10º
Dep. Aquisições 1/10 1/10 1/5 1/10 1/5 1 1/10 1/10 1 1/10 1/10 1/5 1/5 3,5 13º
Dep. RH 1/10 1/10 1/5 1/10 1/5 1 1/10 1/10 1 1/10 1/10 1/5 1/5 3,5 14º
Agências reguladoras 5 5 5 5 10 10 5 10 10 10 1/5 5 10 90,2 2º
Ministério de Minas e Energia 5 5 5 5 10 10 5 10 10 10 5 10 10 100 1º
Imprensa 5 5 5 5 5 5 1 10 5 5 1/5 1/10 5 56,3 5º
Cliente Final 1/10 1/10 1/10 1/10 1/5 1/5 1/5 1 5 5 1/10 1/10 1/5 12,4 12º
29
QUADRO 4: Matriz de Mapeamento dos Stakeholders
STAKEHOLDER INTERESSES
IMPACTO GERENCIAL
(ALTO (+/-), MÉDIO OU BAIXO)
EXPECTATIVAS
Patrocinadores
 Econômico
 Progresso do Projeto
Alto (+)
 Projeto seja bem planejado e que este planejamento seja respeitado
 Políticas sejam seguidas
 Problemas levantados rapidamente
Conselho diretor
 Estratégia do projeto
 Entregáveis do projeto
Alto (+)
 Receber reportes do desenvolvimento do projeto
 Aprovar o planejamento do projeto
Presidência
 Implementação do projeto GREENSOLAR
 Adesão aos padrões técnicos e legais
Alto (+)
 Receber reportes do andamento do projeto
 Ser notificado quando das mudanças de estratégia
Gerentes de Projeto
 Reconhecimento pessoal
 Financeiro
 Auto-formação
Alto (+)
 Participar ativamente ao planejamento do projeto
 Ter voz ativa durante o desenvolvimento do projeto
 Liderar o projeto
Equipe do projeto
 Direcionamento e delegação clara de tarefas
 Mudança nos processos e políticas do negócio
Médio
 Participar da revisão e feedback dos entregáveis
 Receber delegação pela qualidade
Engenheiros
 Mostrar habilidades
 Econômico (Reconhecimento salarial)
Baixo
 Estar informado sobre mudanças no projeto
 Ser atendido quanto a qualidade de produtos e serviços
Fornecedores
 Fornecer matérias e serviços em grande quantidade
 Crescimento econômico
Baixo
 Vender produtos a preços elevados, acima de mercado.
 Disputar as vendas com poucos concorrentes
Operários
 Benefícios
 Segurança
Baixo
 Aumento salarial
Departamento de Aquisições
 Qualidade do projeto
 Gerenciar todas as aquisições do projeto
 Participar do planejamento
Médio
 Orçamento disponível
 Fornecedores responsáveis e produtos entregues dentro do prazo
Departamento de RH
 Qualidade dos serviços executados
 Gerenciar contratações
 Saúde e segurança
 Participar do planejamento
Médio
 Orçamento disponível
 Planejamento seja respeitado
 Política de contratação ágil e eficiente
Agências reguladoras
 Documentação do projeto em conformidade
 Qualidade do projeto
 Interesses políticos
Alto(-)
 Projeto em conformidade com as normas reguladoras
 Atendimento de padrões
Ministério de Minas e Energia
 Desenvolvimento tecnológico
 Interesse em propagandas políticas
Alto(-)
 Aumento da produção energética do país
 Rápida e eficiente operação do sistema
 Aumento da produção de energia limpa e sustentável
Imprensa
 Audiência
 Notoriedade
Alto (-)
 Ter acesso a informações sobre o projeto
 Assessoria de imprensa do projeto, solidário e cooperante
Cliente Final  Econômico Baixo
 Economia com a conta de energia (Baixo custo)
 Demanda energética atendida (Evitar quedas de energia)
30
QUADRO 5: Matriz de Interesse dos Intervenientes
TIPOS DE INTERESSE
RESULTADO30%
TIPOS DE INFLUÊNCIA
RESULTADO70%
RESULTADOFINAL
EXPECTATIVAS
AÇÕESESTRATÉGICAS
VALORDASAÇÕESEMR$
Técnico
Econômico
Planejamento
Legal
Político
SaúdeeSegurança
Oportunista
Qualidade
Sobrevivência
Documentação
Iniciador
Filtro
Influenciador
Decisor
Comprador
Usuário
PESO 2 2 9 5 10 3 6 8 7 5 5 6 7 10 9 8
Patrocinadores 1 3 2 2 2 2 3 3 3 1 129 3 3 3 3 2 2 118 121,3 Lucratividade do projeto Apresentação de EVA 4.000,00
Conselho Diretor 2 3 3 2 2 1 3 2 3 2 135 3 2 3 3 1 2 103 112,6 Cumprimento e lucratividade do projeto Apresentação de EVA 1.500,00
Presidência 1 3 2 1 3 1 3 2 3 1 124 2 2 3 3 1 2 98 105,8 Cumprimento e lucratividade do projeto Apresentação de EVA 2.000,00
Gerentes De Projeto 3 2 3 3 1 3 1 3 3 3 137 1 3 2 2 2 1 92 105,5 Qualidade do projeto Controle e monitoramento 15.000,00
Equipe Do Projeto 3 1 3 3 1 3 1 3 3 3 135 1 2 1 1 2 2 68 88,1 Qualidade do projeto
Descrição detalhada dos requisitos
de qualidade
2.000,00
Engenheiros 3 1 3 2 1 2 2 3 3 2 136 1 2 3 1 2 2 91 104,5 Requisitos técnicos
Descrição detalhada dos requisitos
do escopo
7.000,00
Fornecedores 3 3 1 2 2 1 2 3 2 1 109 1 1 1 1 3 1 63 76,8 Preço acima do mercado
Processo de qualificação de
fornecedores
1.500,00
Operários 3 1 1 1 1 3 1 2 3 1 89 1 1 1 1 1 1 45 58,2 Bonificação Divulgação das regras de bonificação 500,00
Departamento de Aquisições 3 2 3 3 1 2 1 3 2 3 127 1 3 2 2 3 1 92 102,5 Requisitos de aquisições
Descrição detalhada da declaração
de trabalho das aquisições
1.000,00
Departamento de Recursos
Humanos
3 2 3 3 1 3 1 3 2 3 130 1 3 2 2 2 1 83 97,1 Contratações Revisão da descrição de cargos 500,00
Agências Reguladoras 3 1 2 3 3 3 1 3 1 3 132 1 3 3 1 1 2 79 94,9 Legislação
Contratação de assessoria técnica e
jurídica
18.000,00
Ministério De Minas e
Energia
2 3 2 3 3 1 3 3 1 3 140 1 3 3 1 1 2 79 97,3
Desenvolvimento tecnológico e potencial
energético
Descrição técnica detalhada,
incluindo potencial de geração
3.500,00
Imprensa 1 3 2 3 2 2 3 2 1 1 113 1 2 3 1 1 3 81 90,6 Audiência e notoriedade Plano de comunicação para imprensa 2.750,00
Cliente Final 1 2 1 2 1 3 2 3 2 1 99 1 1 1 1 1 2 53 66,8 Economia em energia
Divulgação de benefícios da energia
sustentável.
2.000,00
TOTAL 61.250,00
3 Alto 2 Médio 1 Baixo
31
FIGURA 5: Estrutura Analítica dos Intervenientes
32
7 PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO
TERMO DE ABERTURA DO PROJETO7.1
a) Titulo do Projeto
USINA FOTOVOLTAICA GREENSOLAR
b) Objetivo
Construir a usina fotovoltaica GREENSOLAR, às margens da BR-163, nas
proximidades do entroncamento com a BR-277, na cidade de Cascavel-PR,
utilizando 3492 módulos fotovoltaicos de 300 Wp, totalizando 01 MWp de potência
instalada.
c) Justificativa
Aproveitar oportunidade de negócio apresentada através de leilão A-3 da
ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica.
d) Gerente de Projetos, suas responsabilidades e sua autoridade
Graciolina Sant´ana da Rosa é a gerente do projeto. Sua autoridade permite
contratar, realizar compras e gerenciar os recursos humanos utilizando seus próprios
critérios. Na área financeira, sua autoridade está limitada a certas autonomias, que
serão definidas no plano de gerenciamento de custos. No caso de relacionamento
externo ao projeto sua autoridade é inerente a seu posto na organização.
e) Necessidades básicas do trabalho a ser realizado
Nas necessidades do projeto estão incluídos todos os projetos referentes à
construção do parque Solar, contemplando os itens que visam o selo LEED, além da
compra e instalação de toda a infraestrutura necessária para o funcionamento do
parque, bem como a contratação e treinamento da equipe do projeto e os testes
iniciais de operação.
f) Descrição do Projeto
i. Produto do Projeto
33
Parque solar fotovoltaico com 1MW de potência instalada, a ser instalado nas
proximidades do entroncamento entre as rodovias BR-163 e BR-277, na cidade de
Cascavel-PR, utilizando 3492 módulos fotovoltaicos de 300 Wp.
ii. Cronograma básico do projeto
Os trabalhos terão início em Janeiro de 2014 findando em aproximadamente
36 meses (12/2016).
iii. Estimativas iniciais de custo
O orçamento inicial é de R$8.000.000,00.
DOCUMENTOS DE REQUISITOS DO PROJETO7.2
Os quadros 6 e 7 descrevem as principais funcionalidades necessárias para
entregar os resultados e benefícios às partes interessadas.
QUADRO 6: Requisitos do produto
CÓDIGO DESCRIÇÃO
PARTE
INTERESSADA
FONTE OU
ORIGEM
PRIORIDADE
RP01
A unidade geradora
deverá possuir 1MW
de potência instalada.
Cliente
Termo de
Abertura
1
RP02
A estrutura física da
unidade deve ter
certificação LEED do
Green Building
Council.
Cliente
Ofício
enviado
1
RP03
As instalações
deverão atender aos
requisitos ambientais
vigentes.
IAP
Legislação
ambiental
vigente
2
RP04
A unidade deverá ser
montada em um
terreno de
propriedade da
empresa, e que o
mesmo seja apto a
receber o projeto.
Gerente do Projeto
Termo de
Abertura
2
RP05
A conexão da usina à
rede de AT fará parte
das entregas do
projeto.
Cliente
Termo de
Abertura
3
34
QUADRO 7: Requisitos do Produto
CÓDIGO DESCRIÇÃO
PARTE
INTERESSADA
FONTE OU
ORIGEM
PRIORIDADE
RP01
Montar um equipe dedicada
à gerenciar o projeto
Cliente
Ofício
enviado
1
RP02
Prazo de 36 (trinta) meses
para conclusão do projeto
Cliente
Termo de
Abertura
1
RP03
Membros que integrarão a
equipe de gerenciamento do
projeto devem ter, no
mínimo, um ano de
experiência
em gerenciamento de
projeto.
Cliente
Ofício
enviado
3
RP04
Não exceder os custos do
projeto em mais que 10% do
valor do investimento inicial
Cliente
Ofício
enviado
1
DECLARAÇÃO DE ESCOPO7.3
a) Time do Projeto
O time do projeto está relacionado na Figura 6.
FIGURA 6: Time do Projeto
b) Objetivo do projeto
Construir a usina fotovoltaica GREENSOLAR, às margens da BR-163, nas
proximidades do entroncamento com a BR-277, na cidade de Cascavel-PR,
utilizando 3492 módulos fotovoltaicos de 300 Wp, totalizando 01 MWp de potência
instalada.
35
c) Justificativa do projeto
Aproveitar oportunidade de negócio, apresentada através de leilão A-3 do
ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica.
d) Produto do projeto
Parque solar fotovoltaico com 1MW de potência instalada, a ser instalado nas
proximidades do entroncamento entre as rodovias BR-163 e BR-277, na cidade de
Cascavel-PR, utilizando 3492 módulos fotovoltaicos de 300 Wp.
e) Cliente
i. ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica
ii. MME – Ministério de Minas e Energia
f) Patrocinador
i. BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social
ii. E²S – Enermix Energia Sustentável
g) Expectativa do cliente
i. Projeto em conformidade com termo de abertura
ii. Projeto entregue dentro do prazo previsto
iii. Projeto entregue dentro do orçamento previsto
h) Fatores de sucesso do projeto
i. Suporte do patrocinador
ii. Comunicação eficiente dentro do time do projeto
iii. Manter os todos os stakeholders informados sobre o projeto
i) Restrições
i. Prazo de 36 meses para execução
ii. Orçamento limitado à R$8.000.000,00
iii. Mão-de-obra insuficiente e inexperiente
j) Premissas
i. Apoio irrestrito de todos os stakeholders
36
ii. A equipe do projeto receberá o terreno totalmente apto para receber o
empreendimento, livre de qualquer empecilho técnico ou administrativo.
iii. Os fornecedores cumprirão os prazos estipulados
iv. Mão-de-obra qualificada disponível
k) Exclusões específicas
i. Não fará parte do escopo do projeto a compra do terreno onde será
instalada a obra.
ii. Não fará parte do escopo do projeto os trâmites legais para a venda da
eletricidade gerada pelo parque solar à companhia de energia elétrica.
iii. Não fará parte do escopo do projeto a manutenção dos equipamentos
instalados na obra.
iv. Não fará parte do projeto a contratação de pessoal responsável pela
administração da obra em regime operacional.
PLANO DE ENTREGAS E MARCOS DO PROJETO7.4
O plano de entregas com os marcos do projeto está relacionado no quadro 8.
QUADRO 8: Plano de entregas do projeto
ENTREGA DESCRIÇÃO TÉRMINO
Fase de iniciação
Gerente de Projetos Definido 01/01/2014
Termo de abertura aprovado 15/01/2014
Fase de planejamento
Declaração de escopo aprovado 25/04/2014
Cronograma definido 30/04/2014
Orçamento definido 09/05/2014
Plano do projeto concluído 21/05/2014
Plano do projeto aprovado 30/05/2014
Fase de execução
Projetos de engenharia 01/01/2015
Aquisições 01/07/2015
Instalação de equipamentos 01/07/2016
Recrutamento e seleção 01/07/2015
Conexão à rede de AT 01/09/2016
Fase de finalização
Projeto concluído 01/12/2016
Lições aprendidas registradas 31/12/2016
Contratos encerrados 31/12/2016
37
ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO – EAP7.5
A EAP do projeto está apresentada na Figura 7.
FIGURA 7: Estrutura Analítica do Projeto - EAP
DICIONÁRIO DA EAP7.6
O dicionário da EAP está apresentado no Quadro 9.
38
QUADRO 9: Dicionário da EAP
IDENTIFICAÇÃO
DA EAP
PACOTE DE TRABALHO DESCRIÇÃO
CRITÉRIO DE
ACEITE
1.1 PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO
1.1.1
Plano de Ger. Escopo.
Plano que descreve as
entregas a declaração do
trabalho, a EAP, o
dicionário da EAP do
projeto.
Assinatura de
gerente do Projeto
1.1.2 Plano de ger. Tempo.
Descrição de todas as
atividades em um
cronograma, com
controle de realização e
prazos.
Assinatura do
gerente do Projeto
1.1.3
Plano de ger. Pessoas.
Atividades de
recrutamento e seleção,
contratação e
capacitação dos recursos
humanos para o projeto.
Assinatura do
gerente do Projeto
1.1.4
Plano de ger. Riscos.
Descreve os riscos
previstos para o Projeto
classificando-os
qualitativa e
quantitativamente e
explicitando o plano de
ações a serem tomadas
para potencializar o efeito
de oportunidades e
neutralizar o impacto de
ameaças.
Revisado pela
equipe de
planejamento do
Projeto.
1.1.5
Plano de ger. Custos.
Descreve o orçamento e
fluxo de desembolso do
projeto
Assinatura do
gerente do Projeto.
1.1.6
Plano de ger. Comunicações.
Define quais stakeholders
do projeto necessitam
informações, quais
informações, quando e
como estas informações
serão fornecidas.
Revisado pela
equipe de
planejamento.
1.1.7
Plano de ger.
Aquisições.
Descreve os
equipamentos e materiais
diversos a serem
adquiridos, definindo
preços, prazos de
aquisição e entrega e a
forma de compra.
Revisada pela
equipe de
planejamento do
projeto.
1.1.8 Plano de ger. Integração
Define e descreve todos
os processos e pessoas
envolvidas no projeto,
evidenciando a
interdependência entre
eles.
Assinatura do
gerente do Projeto.
1.1.9 Controle e encerramento
Acompanhamento das
fases do plano de
gerenciamento do projeto
Assinatura do
gerente do Projeto.
1.2 PROJETOS DE ENGENHARIA
1.2.1 Projeto Elétrico.
Projeto executivo do
parque gerador,
compreendendo a
O aceite será dado
de acordo com o
plano de
39
IDENTIFICAÇÃO
DA EAP
PACOTE DE TRABALHO DESCRIÇÃO
CRITÉRIO DE
ACEITE
instalações das placas
geradoras de energia,
inversores, painéis
elétricos e fiações.
gerenciamento de
escopo
1.2.1.1
Memorial Descritivo
Especificação dos
projetos, lista de
materiais necessários
que servirá como base
para aquisição dos
serviços de instalações
Elétricas e Hidráulicas.
O aceite será dado
de acordo com o
plano de
gerenciamento de
escopo
1.2.1.2
Layout de instalação de
painéis solares
É uma planta geral
contendo toda a
infraestrutura indicando a
posição e localização de
cada painel solar.
O aceite será dado
de acordo com o
plano de
gerenciamento de
escopo
1.2.1.3 Especificação dos
componentes do sistema
Definições e
especificação dos
componentes que farão
parte do sistema
fotovoltaico e do sistema
gerador de energia
O aceite será dado
de acordo com o
plano de
gerenciamento de
escopo
1.2.2 Projeto civil
É a entrega do projeto
executivo: Arquitetônico,
estrutural, iluminação,
lógica e elétrica, rede de
computadores, telefônico
para atender as
instalações prediais.
Assinatura do
engenheiro civil.
1.2.2.1 Layout geral
É uma planta geral
contendo toda
infraestrutura necessária
para instalação do parque
gerador
O aceite será dado
pelo Gerente do
Projeto desde que
atenda os
requisitos impostos
pelo conselho
diretor.
1.2.2.2 Layout administrativo
Arranjo do escritório a ser
utilizando para locar a
parte administrativa do
parque gerador.
O aceite será dado
de acordo com
1.1.1.
1.2.2.3 Layout almoxarifado
Arranjo físico com espaço
necessário para gestão,
guarda e conservação de
materiais que serão
utilizados desde a
concepção do parque
gerador até seu pleno
funcionamento.
O aceite será dado
de acordo com
1.1.1.
1.3 AQUISIÇÕES
1.3.1
Compra de equipamentos e
materiais
Definições e
especificação dos
equipamentos e materiais
necessários á
implantação do parque
fotovoltaico.
O aceite será dado
pelo Gerente de
Projeto
1.3.2 Compra de móveis
Aquisição de móveis e
utensílios para escritório.
O aceite será dado
pelo Gerente de
40
IDENTIFICAÇÃO
DA EAP
PACOTE DE TRABALHO DESCRIÇÃO
CRITÉRIO DE
ACEITE
Projeto
1.3.3
Contratação de M.O para a
fase de implantação
Processo para Seleção,
contratação e
treinamento de pessoal
recrutado para
construção do parque
solar.
O aceite será dado
pelo Gerente de
RH.
1.4 INSTALAÇÃO
1.4.1 Montagem de equipamentos
Serviço de montagem
das unidades geradoras
de energia solar (placas
fotovoltaicas).
Termo de
recebimento.
1.4.2 Obra civil
Edificação de adequação
do espaço para atender o
layout geral
O aceite será dado
pelo Gerente de
Projeto
1.4.3 Conexão a rede de AT
Conectar o parque
gerador com a rede de
alta tensão da
concessionária de
energia elétrica.
O aceite será dado
Gerente Projeto
1.4.4 Testes e comissionamento
Teste de funcionamento
dos equipamentos
geradores de energia.
Termo de
recebimento.
1.5 ENCERRAMENTO DO PROJETO
1.5.1 Desmobilização da equipe.
A equipe do projeto será
desmobilizada.
Entrega do projeto.
1.5.2 Encerramento dos contratos
Contratos serão
encerrados.
Termo de aceite e
encerramento dos
contratos
assinados e livre
de pendências.
1.5.3 Termo de aceite do projeto
Reunião final com o time
do projeto para concluir e
avaliar lições aprendidas
juntamente com o cliente.
Termo de aceite
assinado
1.5.4 Relatório de lições aprendidas
Avaliações e registro das
lições aprendidas durante
as fases do projeto.
Registro das lições
documentadas.
41
PLANO DE MUDANÇAS DO ESCOPO7.7
Todas as mudanças no escopo devem ser avaliadas e classificadas dentro do
sistema de controle de mudança do escopo. O controle integrado de mudanças, a
ser utilizado pelo Comitê de Mudanças, será realizado conforme o fluxo de
processos da Figura 8.
FIGURA 8: Fluxo para Controle de Mudanças
42
CRITÉRIOS DE ACEITAÇÃO DO PROJETO7.8
O projeto será aceito quando:
a) a documentação do fluxo de processo, modelos de documentos, relatórios e
manuais for disponibilizada para uso geral da unidade produtiva;
b) estiver concluída a nova unidade geradora com capacidade instalada de
1MW.
c) a unidade geradora estiver conectada e entregando energia elétrica ao
sistema de transmissão de energia.
43
8 PLANO DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
FERRAMENTAS PARA O GERENCIAMENTO DE TEMPO8.1
a) O gerenciamento de tempo será realizado utilizando a ferramenta Microsoft
Office Project 2013.
b) A atualização dos prazos do projeto será realizada no Microsoft Project 2013
através da disponibilização dos seguintes relatórios:
i. Gráfico de Gantt
ii. Percentual completo
c) Serão consideradas críticas todas as atividades com folga menor ou igual a
três dias. Uma folga de três dias ou menos não será considerada como
disponibilidade, devido a remanejamento de horas de trabalho no projeto.
d) As mudanças no prazo inicialmente previsto para o projeto devem ser
avaliadas e classificadas dentro do sistema de controle de mudanças de
tempo.
e) Serão considerados atrasos os decorrentes de medidas corretivas, que, se
influenciadoras do sucesso do projeto, deverão ser integradas ao plano.
Inovações e novos recursos não serão abordados pelo gerenciamento de
tempo e serão passíveis de negociação de prazos ou serão ignorados.
f) A atualização da linha de base do projeto somente será permitida com
autorização expressa do gerente de projeto e do patrocinador, sendo a linha
de base anterior arquivada, documentada e publicada para fins de lições
aprendidas.
g) As solicitações de mudanças nos prazos previamente definidos deverão ser
feitas por escrito ou através de e-mail, conforme descrito no plano de
comunicação do projeto.
CRONOGRAMA8.2
O cronograma do projeto é apresentado na Figura 9.
44
FIGURA 9: Cronograma do Projeto
45
FLUXO DE CONTROLE DE MUDANÇAS DE PRAZOS8.3
Todas as mudanças nos prazos e atrasos/adiantamentos do projeto
devem ser tratadas conforme descritos na figura 10.
FIGURA 10: Fluxo de Controle de Mudanças e Prazos
46
PROCESSO ADOTADO PARA O APROVEITAMENTO CORRETO DE8.4
RECURSOS
A verificação será realizada através do Microsoft Project no modo de
exibição diagrama de rede e a redistribuição, como parte do gerenciamento dos
prazos do projeto, será diária, conforme ilustrado na figura 11.
FIGURA 11: Fluxo adotado para o aproveitamento de recursos
47
PROCESSO ADOTADO PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE8.5
PROGRESSO.
O relatório de progresso mensal deve ser elaborado conforme
fluxograma apresentado na figura 12.
FIGURA 12: Fluxo adotado para elaboração de relatório de progresso
48
9 PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS
a) A atualização do orçamento do projeto de construção do Parque Solar
de 1MW será realizada no Microsoft Office Project.
b) O gerenciamento de custos será realizado com base no orçamento
projetado, bem como através do fluxo de caixa.
c) A atualização do projeto deve ser realizada diariamente, sua publicação
será semanal, e discutida a evolução nas reuniões mensais.
d) A estimativa de custos toma como base a EAP do projeto e os itens que
serão demandados para a realização do mesmo.
ORÇAMENTO9.1
O orçamento foi realizado levando em consideração os pacotes de
trabalho apresentados na EAP do projeto, e está descrito na Tabela 7.
TABELA 7: Descrição do investimento inicial em reais
ITENS VALOR (R$)
Projeto elétrico R$ 75.000,00
Projeto civil R$ 50.000,00
Obra elétrica R$ 1.674.491,00
Obra civil R$ 1.050.000,00
Recursos Humanos R$ 1.602.459,00
Móveis de escritório R$ 95.000,00
Painéis fotovoltaicos R$ 2.171.833,72
Inversores R$ 1.281.216,28
Total R$ 8.000.000,00
Na sequência é apresentada, no gráfico 3, a participação de cada item
na composição do custo do projeto.
49
GRÁFICO 3: Participação de cada item na composição do custo do projeto
RECURSOS DO PROJETO9.2
O planejamento dos recursos do projeto foi baseado nas informações
fornecidas pela EAP do Projeto e pela Declaração de Escopo, citados neste
documento.
Os recursos financeiros foram alocados como demonstrado na tabela 8.
Cada desembolso efetuado neste projeto deve referenciar o subitem
orçamentário, a fim de controlar o fluxo financeiro do projeto. O gráfico 4
demonstra a participação de cada subitem no projeto.
TABELA 8: Recursos do Projeto
SUBITEM VALOR (R$)
Serviços de Terceiros R$ 2.849.491,00
Equipamentos e Materiais R$ 3.548.050,00
Recursos Humanos R$ 1.602.459,00
Total R$ 8.000.000,00
0,94%
0,63%
16,38%
13,13%
24,59%
1,19%
27,15%
16,02%
Projeto elétrico
Projeto civil
Obra elétrica
Obra civil
Recursos Humanos
Móveis de escritório
Painéis fotovoltaicos
Inversores
50
GRÁFICO 4: Participação de cada subitem no projeto
Relativo aos custos com terceirizados, os mesmos são apresentados na
tabela 9, bem como no gráfico 5.
TABELA 9: Discriminação dos Custos com Terceiros
RECURSO DESEMBOLSO TOTAL
Projeto elétrico R$ 75.000,00
Projeto civil R$ 50.000,00
Obra elétrica R$ 1.674.491,00
Obra civil R$ 1.050.000,00
Total R$ 2.849.491,00
31,06%
44,35%
24,59% Serviços de Terceiros
Equipamento e
Materiais
Recursos Humanos
51
GRÁFICO 5: Cronograma de desembolso – Serviços de Terceiros
Os custos com equipamentos e materiais são mostrados na tabela 10, e
no gráfico 6, respectivamente.
TABELA 10: Discriminação dos Custos com
Equipamentos e Materiais
DESCRIÇÃO DESEMBOLSO TOTAL
Móveis de escritório R$ 95.000,00
Painéis fotovoltaicos R$ 2.171.833,72
Inversores R$ 1.281.216,28
Total R$ 3.548.050,00
R$75.000,00 R$50.000,00
R$1.050.000,00
R$1.674.491,00
out-14 out-14 fev-16 jul-16
Projeto Elétrico Projeto Civil Obra civil Obra elétrica
52
GRÁFICO 6: Cronograma de desembolso – Equipamentos e materiais
Quanto as despesas com recursos humanos, os mesmos são
apresentados na tabela 11 e no gráfico 7.
TABELA 11: Discriminação dos Custos com Recursos Humanos
RECURSO
TOTAL DE
MESES NO
PROJETO
SALÁRIO
DESEMBOLSO
TOTAL
Gerente do Projeto 36 R$ 14.000,00 R$ 504.000,00
Secretária 36 R$ 2.110,00 R$ 75.960,00
Gerente Técnico de Projeto 30 R$ 8.000,00 R$ 240.000,00
Engenheiro de Qualidade e Segurança 30 R$ 6.400,00 R$ 192.000,00
Técnico em Energia Solar 30 R$ 2.900,00 R$ 87.000,00
Técnico em Edificações 30 R$ 2.900,00 R$ 87.000,00
Gerente Administrativo-financeiro 30 R$ 8.000,00 R$ 240.000,00
Analista de Aquisições 30 R$ 1.961,10 R$ 58.833,00
Analista de Recursos Humanos 30 R$ 1.961,10 R$ 58.833,00
Analista Financeiro 30 R$ 1.961,10 R$ 58.833,00
TOTAL R$ 1.602.459,00
CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO9.3
A tabela 12 apresenta o cronograma físico-financeiro do projeto
GREENSOLAR.
R$95.000,00
R$3.453.050,00
mar-15 jul-15
Moveis de escritório Painéis Fotovoltaicos + Inversores
53
TABELA 12: Cronograma físico-financeiro do Projeto
2014 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL
Recursos Humanos 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 397.819,80
Projeto elétrico 75.000,00 75.000,00
Projeto civil 50.000,00 50.000,00
Obra elétrica 0,00
Obra civil 0,00
Móveis de escritório 0,00
Painéis fotovoltaicos + Inversores 0,00
SUBTOTAL 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 50.193,30 50.193,30 50.193,30 175.193,30 50.193,30 50.193,30 522.819,80
2015 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL
Recursos Humanos 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 602.319,60
Projeto elétrico 0,00
Projeto civil 0,00
Obra elétrica 0,00
Obra civil 0,00
Móveis de escritório 95.000,00 95.000,00
Painéis fotovoltaicos + Inversores 3.453.050,00 3.453.050,00
SUBTOTAL 50.193,30 50.193,30 145.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 3.503.243,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 4.150.369,60
2016 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL
Recursos Humanos 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 602.319,60
Projeto elétrico 0,00
Projeto civil 0,00
Obra elétrica 1.674.491,00 1.674.491,00
Obra civil 1.050.000,00 1.050.000,00
Móveis de escritório 0,00
Painéis fotovoltaicos + Inversores 0,00
SUBTOTAL 50.193,30 1.100.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 1.724.684,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 3.326.810,60
TOTAL 8.000.000,00
54
Os gráficos 7, 8, e 9 demonstram o cronograma físico-financeiro para cada
ano do projeto.
GRÁFICO 7: Cronograma físico-financeiro para 2014
GRÁFICO 8: Cronograma físico-financeiro para 2015
55
GRÁFICO 9: Cronograma físico-financeiro para 2016
O gráfico 10 destaca os percentuais do desembolso em cada ano do projeto.
GRÁFICO 10: Percentuais de desembolso anual
A evolução das receitas e despesas está descrita no gráfico 11, bem como a
curva ´S´ do projeto.
6,54%
51,88%
41,59%
2014
2015
2016
56
GRÁFICO 11: Curva ´S´
3.000.000,00
5.000.000,00
7.800.000,00
8.000.000,00
-1.000.000,00
0,00
1.000.000,00
2.000.000,00
3.000.000,00
4.000.000,00
5.000.000,00
6.000.000,00
7.000.000,00
8.000.000,00
9.000.000,00
jan/14
mar/14
mai/14
jul/14
set/14
nov/14
jan/15
mar/15
mai/15
jul/15
set/15
nov/15
jan/16
mar/16
mai/16
jul/16
set/16
nov/16
Despesas
Receitas
57
TABELA 13: Fluxo de caixa mensal durante a implantação do projeto
RECEITAS
Recursos Próprios R$ 3.000.000,00
BNDES R$ 5.000.000,00
TOTAL R$ 8.000.000,00
JAN/14 FEV/14 MAR/14 ABR/14 MAI/14 JUN/14 JUL/14 AGO/14 SET/14 OUT/14 NOV/14 DEZ/14
Aporte 3.000.000,00
Receita 3.000.000,00 2.983.890,00 2.967.780,00 2.951.670,00 2.935.560,00 2.919.450,00 2.903.340,00 2.853.146,70 2.802.953,40 2.752.760,10 2.577.566,80 2.527.373,50
Despesas -16.110,00 -16.110,00 -16.110,00 -16.110,00 -16.110,00 -16.110,00 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -175.193,30 -50.193,30 -50.193,30
SALDO 2.983.890,00 2.967.780,00 2.951.670,00 2.935.560,00 2.919.450,00 2.903.340,00 2.853.146,70 2.802.953,40 2.752.760,10 2.577.566,80 2.527.373,50 2.477.180,20
JAN/15 FEV/15 MAR/15 ABR/15 MAI/15 JUN/15 JUL/15 AGO/15 SET/15 OUT/15 NOV/15 DEZ/15
Aporte 2.000.000,00 2.800.000,00
Receita 4.477.180,20 4.426.986,90 4.376.793,60 4.231.600,30 4.181.407,00 4.131.213,70 6.881.020,40 3.377.777,10 3.327.583,80 3.277.390,50 3.227.197,20 3.177.003,90
Despesas -50.193,30 -50.193,30 -145.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -3.503.243,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30
SALDO 4.426.986,90 4.376.793,60 4.231.600,30 4.181.407,00 4.131.213,70 4.081.020,40 3.377.777,10 3.327.583,80 3.277.390,50 3.227.197,20 3.177.003,90 3.126.810,60
JAN/16 FEV/16 MAR/16 ABR/16 MAI/16 JUN/16 JUL/16 AGO/16 SET/16 OUT/16 NOV/16 DEZ/16
Aporte 200.000,00
Receita 3.126.810,60 3.076.617,30 1.976.424,00 1.926.230,70 1.876.037,40 1.825.844,10 1.775.650,80 50.966,50 200.773,20 150.579,90 100.386,60 50.193,30
Despesas -50.193,30 -1.100.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -1.724.684,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30
SALDO 3.076.617,30 1.976.424,00 1.926.230,70 1.876.037,40 1.825.844,10 1.775.650,80 50.966,50 773,20 150.579,90 100.386,60 50.193,30 0,00
58
FREQUÊNCIA DE ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE9.4
CUSTOS
O plano de gerenciamento de custos deve ser atualizado diariamente e
reavaliado em reuniões mensais de acompanhamento do projeto.
59
10 PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE
DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE10.1
I. O gerenciamento da qualidade será realizado com base na norma ISO
9001/2008, na qual a empresa foi certificada, pois age em conformidade com
os seus processos.
II. Os procedimentos preconizados pela ISO para os projetos da empresa não
estão descritos neste plano por fazerem parte dos procedimentos de
qualidade da empresa.
III. Todas as reclamações provenientes de clientes, bem como produtos e/ou
entregas não conformes com a declaração de escopo, deverão ser tratados
como medidas corretivas no plano de gerenciamento da qualidade.
PRIORIZAÇÃO DAS MUDANÇAS NOS REQUISITOS DE QUALIDADE E10.2
RESPOSTAS
As mudanças dos requisitos de qualidade são classificadas em quatro níveis
de prioridade, de acordo com o quadro 10.
QUADRO 10: Níveis de priorização dos requisitos da qualidade
PRIORIDADES IMPACTO URGÊNCIA RESPONSÁVEL INTERVENÇÃO AÇÃO
PR00 Alto Alto
Gerente de
Projetos
Imediata
Acionar o
patrocinador
PR01 Médio
Alto ou
Médio
Gerente de
Projetos
Imediata
Medidas de
Controle do GP
PR02 Baixo Baixo
Equipe do
Projetos
Média
Alinhamento c/
equipes e
terceiros
PR03
Muito
Baixo
Muito
Baixo
Equipe do
Projetos
Baixa
Tratar após
prioridades 0, 1
e 2
Os requisitos da qualidade do projeto devem ser avaliados semanalmente em
reunião, prevista no plano de gerenciamento das comunicações.
60
REQUISITOS DA QUALIDADE10.3
Os requisitos da qualidade são apresentados no quadro 12. Quanto aos
requisitos específicos da gestão da qualidade, estes são listados a seguir:
I. Relatório de Desempenho
II. Atas de reuniões
III. Análise Crítica
IV. Auditoria
V. Melhoria da Qualidade
QUADRO 11: Requisitos de Qualidade
CÓDIGO DESCRIÇÃO
PARTE
INTERESSADA
FONTE OU
ORIGEM
PRIORIDADE
RQ01
Equipamentos certificados por
organismos internacionais
Cliente
Ofício
enviado
1
RQ02
A estrutura física da unidade
geradora deve ter a
certificação LEED do Green
Building Council.
Cliente
Ofício
enviado
1
INDICADORES DA QUALIDADE10.4
A progressão do projeto será avaliada por folha de identificação de
Indicadores de Desempenho - KPI, para monitorar resultados e eliminar as causas
de desempenho insatisfatório. Os quadros 13, 14 e 15 trazem os parâmetros
monitorados.
QUADRO 12: Indicador de Desempenho I
CAMPO QUALIDADE
Nome Indicador Qualidade de Montagem
Sigla IQM
Periodicidade de obtenção A cada lote de módulos fotovoltaicos instalados.
Objetivo Avaliar qualidade do serviço de montagem
Fonte Equipe técnica de campo
Destino Gerente de projetos e de Qualidade
Fórmula
Meta IQM < 2%
61
QUADRO 13: Indicador de Desempenho II
CAMPO PRODUTIVIDADE
Nome Indicador de Eficiência de Montagem
Sigla IEM
Periodicidade de obtenção A cada lote de módulos fotovoltaicos instalados.
Objetivo Avaliar a eficiência dos montadores contratados.
Fonte Equipe técnica de campo
Destino Gerente de projetos e de Qualidade
Fórmula
Meta IEM >10 Módulos por funcionários
QUADRO 14: Indicador de Desempenho III
CAMPO CAPACIDADE
Nome Indicador de Capacidade de Montagem
Sigla ICM
Periodicidade de obtenção A cada lote de módulos fotovoltaicos instalados.
Objetivo Avaliar o tempo de ciclo de montagem.
Fonte Equipe técnica de campo
Destino Gerente de projetos e de Qualidade
Fórmula
Meta IEM > 2 Lotes por mês
62
11 PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS
ORGANOGRAMA11.1
Os profissionais alocados no projeto estão representados no organograma a
seguir (Figura 13).
FIGURA 13: Organograma do Projeto
PLANO DE TREINAMENTOS11.2
Devido ao ineditismo do projeto GREENSOLAR quanto às práticas de
sustentabilidade, bem como quanto a intenção em buscar a certificação LEED, é
dada ênfase no treinamento sobre sustentabilidade e nos procedimentos e check-list
da ONG Green Building Council e certificação LEED.
MATRIZ DE RESPONSABILIDADES11.3
O nível de envolvimento dos profissionais diante das principais entregas do
projeto está elencado na matriz de responsabilidades, ilustrada no quadro 15.
63
QUADRO 15: Matriz de Responsabilidades
FUNÇÃO
PLANO DE
GERENCIAMENTO
DO PROJETO
PROJETOS DE
ENGENHARIA
AQUISIÇÕES INSTALAÇÃO
ENCERRAMENTO
DO PROJETO
Gerente do
Projeto
R A S A R
Secretária A A
Gerente
Técnico de
Projeto
S R R S
Engenheiro de
Qualidade e
Segurança
S S
Técnico em
Energia Solar
A A
Técnico em
Edificações
A A
Gerente
Administrativo-
financeiro
S R S
Analista de
Aquisições
A
Analista de
Recursos
Humanos
A
Analista
Financeiro
A
Legenda: R – Responsável; S – Suplente; A – Apoio
DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES11.4
A fim de dirimir dúvidas quanto as atribuições de cada profissional na
execução do projeto, elaborou-se o quadro 16 com a descrição das funções e
atribuições.
64
QUADRO 16: Descrição das Funções e Atribuições
FUNÇÃO RESPONSABILIDADES
Gerente do Projeto
Conduzir o projeto de forma a seguir o plano estabelecido.
Aprova a contratação de empresas parceiras e recursos humanos alocados
pelas mesmas.
Reportar o andamento do projeto ao patrocinador.
Secretária Facilitar e acompanhar a comunicação interna e externa do projeto
Prestar apoio ao gerente de projeto na condução do projeto.
Gerente Técnico de
Projeto
Verificação diária do andamento da obra, acompanhando o cumprimento da
execução dentro das melhores práticas de sustentabilidade.
Acompanhar e auditar as empresas parceiras quanto a realização dos
trabalhos.
Análise e aprovação de qualquer alteração de escopo da parte técnica junto
com o Gerente de Projeto.
Análise e aprovação de qualquer alteração do plano de gerenciamento de
riscos, junto com o Gerente de Projeto.
Concepção do projeto, de forma que o mesmo contemple os requisitos para
a certificação LEED.
Engenheiro de
Qualidade e Segurança
Fazer o acompanhamento técnico da obra e verificação do cumprimento
da obra junto ao Gerente Técnico de Projeto.
Avaliar a qualidade e o atendimento dos requisitos de sustentabilidade.
Procurar as melhores soluções disponíveis no mercado para melhoria de
recuperação de energia e água.
Técnico em Energia
Solar
Participar na elaboração dos projetos elétricos
Acompanhar e realizar as medições de desempenho das instalações elétricas
Técnico em Edificações
Participar na elaboração dos projetos civis
Acompanhar e realizar as medições de desempenho das instalações civis
Gerente Administrativo-
financeiro
Compra dos materiais e equipamentos necessários
Contratação da mão-de-obra
Execução da obra dentro dos recursos planejados e disponibilizados no
escopo do projeto original.
Responsável pelo acompanhamento, análise e aprovação de qualquer
alteração de escopo na parte financeira, aquisições e recursos humanos,
junto com o Gerente do Projeto.
Analista de Aquisições
Compras e emissão de ordens de compras
Qualificar fornecedores
Receber e verificar pedidos e realizar cotações
Analista de Recursos
Humanos
Acompanhar ponto eletrônico
Admissão e demissão
Controlar e manter atualizada a lista dos colaboradores
Gerar folhas de pagamentos
Controlar documentação de terceirizados
Analista Financeiro
Elaborar relatórios financeiros
Lançar informações financeiras no sistema
Realizar a programação de pagamentos
Realizar o pagamento de fornecedores e prestadores de serviço
Acompanhar o desempenho financeiro
65
12 PLANO DE GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES
O gerenciamento das comunicações do projeto será realizado através dos
processos de comunicação formal, estando incluído nessa categoria:
I. E-mails;
II. Telefone;
III. Cartas;
IV. Edital;
V. Murais;
VI. Documentos impressos;
VII. Reuniões com ata lavrada.
EVENTOS DE COMUNICAÇÃO12.1
O projeto contará com os seguintes eventos de comunicação, apresentados
no quadro 17.
66
QUADRO 17: Eventos de Comunicação
REUNIÃO DESCRIÇÃO
Reunião de Lançamento
(Kick-Off)
Reunião também chamada de “Reunião de Kick-Off” ou o pontapé inicial.
Evento que será realizado para dar partida ao projeto. Nessa reunião será
apresentado informações relativas aos objetivos, importância, prazos e
custos do projeto. Devem ser apresentadas as principais entregas do
projeto juntamente com os elementos de alto nível da WBS. Servirá
também para que o Gerente de Projeto aja no intuito de motivar a si
mesmo e principalmente sua equipe de trabalho, visando construir um
ambiente coorporativo, integrado e colaborativo.
Notícias Diárias
Informações diárias corriqueiras referentes ao avanço do projeto
apresentado em editais, e-mail, murais e cartas como indicadores e
relatórios pertinentes e mudanças importantes.
Reunião de avaliação do
progresso projeto
Estas reuniões trimestrais serão comandadas pelo Gerente de Projeto,
juntamente com o coordenador do gerenciamento de tempo do projeto.
Nela será avaliada a efetividade dos planos de gerenciamento do projeto
verificando se os mesmos estão de acordo com as necessidades do
projeto e verificando se existem necessidades de atualização nos mesmos.
Os responsáveis pelos planos emitem opiniões sobre possíveis mudanças,
que se aprovadas pelo Gerente do Projeto, devem resultar em mudanças
nos devidos planos. Esta será a hora de adequar o projeto entre o
planejado e o realizado.
Prestação de conta
Reuniões realizadas bimestralmente, bem como no final do projeto.
Nessas reuniões que serão em forma de audiência pública o gerente de
aquisições prestará conta dos gastos e apresentará o fluxo de desembolso
do projeto.
Entrega produtos e
materiais
Informações prestadas a cada 2 semanas por telefone ou formulário pelo
gerente de aquisições sobre recebimento de materiais.
Comunicação de
Alcance de Marcos do
Projeto
Estes eventos devem ser distribuídos formalmente por meio de cartas e
documentos impressos aos patrocinadores, escalão presidencial e
gerencial do projeto. Aos demais, serão distribuídos e-mails e também
serão por dispostos nos murais de avisos, sempre que um marco é
alcançado.
Reunião de
Encerramento do Projeto
Essa reunião será dedicada a apresentação dos resultados alcançados
pelo projeto, discutindo os elementos de sucesso e os de insucesso, bem
como discutir as falhas e problemas encontrados durante a execução dos
mesmos, e também argumentar sobre as lições aprendidas e o que fica
para os próximos projetos.
67
MATRIZ DE COMUNICAÇÃO12.2
Todas as reuniões serão realizadas na sala de reuniões da ala de projetos, no
horário planejado, podendo ser diferente para cada uma das reuniões, dependendo
da disponibilidade dos gerentes de projeto.
As reuniões deverão seguir o cronograma e a equipe e participantes deverão
ser convocados via telefone e e-mail ou carta pelo coordenador de comunicação,
com no mínimo um dia de antecedência. A matriz de comunicação é demonstrada
no quadro 15.
QUADRO 15: Matriz de Comunicação
EVENTO COMUNICADOR AUDIÊNCIA CANAL FREQUENCIA FEEDBACK DURAÇÃO
Reunião
Lançamento
Gerente de
Projeto
Equipe do
Projeto
Reunião Única vez ATA 3 horas
Notícias
Diárias
Gerente de
Projeto
Equipe do
Projeto
E-mail,
editais,
murais e
carta
Diariamente
Conversas
informais
-
Reunião de
Avaliação do
Progresso do
projeto
Gerente de
Projeto e Coord.
Gerenciamento
de Tempo
Equipe do
Projeto
Reunião
Trimestral - as
segundas-
feiras
ATA 2 horas
Prestação de
conta
Gerente de
aquisições
Audiência
pública
Reunião
Bimestral - 1º
semana do
mês
Aprovação
da
prestação
de conta
1 hora
Entrega
produtos e
materiais
Gerente de
aquisições
Equipe do
Projeto
Formulário
e telefone
Cada 2
semanas
Material
recebido
-
Comunicação
de Alcance
de Marcos do
Projeto
Gerente de
Projeto
Equipe do
Projeto,
Patrocinadores
e Presidência
Cartas,
documentos
impressos,
e-mail,
mural
Sempre que o
projeto
alcançar um
marco
Documento
impresso
-
Reunião de
Encerramento
Gerente de
Projeto
Equipe do
projeto e
Patrocinadores
Reunião
Final do
projeto
ATA 4 horas
Toda reunião deve apresentar ata de reunião com, no mínimo, os seguintes
dados:
a) Lista de presença;
b) Pauta;
c) Pendências não solucionadas;
68
d) Pendências levantadas na reunião;
e) Responsável pelas ações;
f) Decisões tomadas;
g) Aprovações.
CRONOGRAMA DE EVENTOS12.3
A figura 14 mostra o cronograma dos eventos da comunicação. Com exceção
das reuniões de lançamento e encerramento, todas as demais ocorrerão
diariamente, semanalmente ou mensalmente, podendo sofrer alterações durante o
projeto, e neste caso, todos serão informados a respeito da mudança.
69
FIGURA 14: cronograma dos eventos de comunicação
70
PLANO DE DIVULGAÇÃO DO PROJETO12.4
O plano de divulgação do projeto, com suas fases e respectivos responsáveis,
está descrito no quadro 18, contendo os principais documentos, eventos de
comunicação, relatórios com os respectivos envolvidos e responsabilidades. Esta
comunicação estará sendo feita através da intranet do projeto, murais, documentos
formais e técnicos, além da divulgação do desenvolvimento e dos objetivos do
projeto para a imprensa e população.
QUADRO 18: Divulgação do Projeto
ATIVIDADES PRESIDENTE INVESTIDOR GP EQUIPE
Orçamento A A R,I P
Cronograma A R,I P
Plano de comunicação A R P,I
Reuniões Trimestrais R,I P
Relatório Investidor mensal R,I P
Relatório Patrocinador mensal I P R P
Reunião Fechamento I P R P
Relatório de lições aprendidas P R,I P
Relatório de validação I R P
Divulgação Quinzenal Imprensa A,I P R P
P – Participa A – Aprova R – Responsável I – Informa
PLANO DE GERENCIAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO12.5
O plano de gerenciamento da documentação do projeto GREENSOLAR tem
por objetivo estabelecer diretrizes e espaços para que a equipe faça o
armazenamento de todas as informações relacionadas com as atividades do projeto.
O gerente do projeto, juntamente com sua equipe, terá um diretório específico na
intranet do projeto para fazer este armazenamento, além do que, neste diretório
também estarão alocados os registros de solicitação de mudanças de escopo e os
registros de lições aprendidas.
a) Diretório da Equipe de Projeto
A estrutura de armazenamento e distribuição da informação será realizada e
distribuída no diretório <PMOGREENSOLAR> sob domínio do escritório de
71
projetos que contará com um servidor que atenda às necessidades de
armazenamento e processamento das necessidades corporativas, ferramentas de
gerenciamento e os documentos do projeto, conforme identificação já mencionada.
Os usuários deverão obter autorização e senha para acessar e salvar, conforme
nível hierárquico da estrutura organizacional do projeto.
A estrutura de armazenamento dos documentos deve seguir o padrão
apresentado na figura 15.
FIGURA 15: Estrutura de Armazenamento dos Documentos
b) Registro Das Solicitações de Mudanças de Escopo
As mudanças de escopo serão registradas durante todo o projeto. Durante as
reuniões de avaliação do desenvolvimento do projeto serão armazenados todos os
registros de solicitações de mudanças do escopo e registrados na ata da reunião.
Estes registros de mudanças serão classificados de acordo com a prioridade
(1 a 4), consequências da mudança, a área afetada e custos.
As solicitações de mudanças no projeto serão armazenadas pelo escritório de
projeto e distribuídas para consultas futuras na intranet do projeto, no diretório
apresentado na figura 16.
72
FIGURA 16: Fluxo de Solicitações de Mudanças de Escopo
I. Registro de Lições aprendidas
As lições aprendidas do projeto serão registradas durante todo o ciclo de vida
do projeto. As reuniões do Comitê de Mudanças irão compilar os registros do
período e o registro será anexado a ata de reunião do projeto.
As lições aprendidas serão classificadas de acordo com a influência sobre o
projeto (positiva ou negativa) e a área afetada.
O diretório da intranet onde serão armazenados os registros é mostrado na
figura 17.
FIGURA 17: Fluxo para Registro de Lições Aprendidas
73
13 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
13.1 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS
A figura 18 apresenta a Estrutura Analítica dos Riscos (EAR). No quadro 19
constam os riscos identificados no projeto GREENSOLAR, assim como suas causas,
consequências e a classificação em gênero de ameaça ou oportunidade.
FIGURA 18: Estrutura Analítica dos Riscos
74
QUADRO 19: Identificação dos Riscos
ID Categoria Risco Causa Consequência Classe
1 Comercial
Atraso na
entrega das
mercadorias
Poucos
fornecedores
Atraso no
cronograma
Ameaça
2 Comercial
Custo da
contratação de
empreiteiros
acima do
previsto
Problema na
negociação dos
contratos dos
empreiteiros
Elevação do
custo do projeto
Ameaça
3 Externo
Falta de capital
do capital para
execução do
projeto
conforme
cronograma
Indisponibilidade
de fluxo de caixa
pelo cliente
Atraso ou
paralisação
parcial do projeto
Ameaça
4 Externo
Influência de
fatores
climáticos na
execução da
obra
Índice
pluviométrico
acima do nível
médio indicado
em históricos da
região
Atraso no
cronograma,
aumento do
custo por
retrabalho se
existir dano na
obra.
Ameaça
5 Externo
Inflação 5%
acima da
média dos
últimos 5 anos
Crise econômica
mundial
Elevação do
custo do projeto
Ameaça
6 Externo
Redução do
custo de
insumos em
7%
Parceria com
fornecedores
Redução do
custo da obra
Oportunidade
7 Externo
Ações na
justiça civil
Problemas
gerados pela
obra em seus
arredores
Pagamento de
indenizações,
aumentando o
custo do projeto.
Ameaça
8 Gerenciamento
Acidentes de
trabalho,
causando
afastamentos.
Indisponibilidade
de EPIs,
treinamento
inadequado.
Redução do
efetivo
disponível,
causando atraso
no projeto.
Ameaça
9 Gerenciamento
Embargo da
obra
Acidente com
vítimas fatais
Paralisação da
obra, multa e
atraso no
projeto.
Ameaça
10 Gerenciamento
Embargo da
obra
Falta de ART´s,
projetos, licenças
no canteiro da
obra.
Paralisação da
obra, multa e
atraso no
projeto.
Ameaça
11 Gerenciamento
Ações na
justiça do
Trabalho
Reinvindicações
de diretos
trabalhistas não
pagos
Pagamento de
indenizações a
funcionários
desligados,
aumentando o
custo do projeto.
Ameaça
12 Gerenciamento
Ações na
justiça civil
Problemas
contratuais com
empreiteiros
Pagamento de
indenizações a
empreiteiros com
aumento do
custo do projeto
Ameaça
75
13.2 CRITÉRIOS ADOTADOS PARA ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA
DOS RISCOS
Para realizar a análise qualitativa dos riscos estão sendo utilizados critérios
especificados nos quadros 20 e 21 a seguir, existindo o aumento gradual conforme
aumento da probabilidade do risco com o grau do impacto do risco.
QUADRO 20: Graduação de Probabilidade de Ocorrência dos Riscos
GRAU FAIXA DE VARIAÇÃO DESCRIÇÃO
Muito Alto Superior a 0,7 Risco Eminente
Alto Entre 0,7 e 0,5 Existe uma alta probabilidade que o risco aconteça
Médio Entre 0,5 e 0,3 Existe uma média probabilidade que o risco aconteça
Baixo Entre 0,3 e 0,1 Existe uma baixa probabilidade que o risco se torne aconteça
Muito Baixo Inferior a 0,1 Existe uma remota possibilidade de que o risco aconteça
QUADRO 21: Graduação de Impacto dos riscos
GRAU FAIXA DE VARIAÇÃO DESCRIÇÃO
Muito Alto Superior a 0,7 Impacto irá causar uma extrema repercussão na execução do projeto
Alto Entre 0,7 e 0,5 Impacto irá causar uma grave repercussão na execução do projeto
Médio Entre 0,5 e 0,3 Impacto irá causar média repercussão na execução do projeto
Baixo Entre 0,3 e 0,1 Impacto irá causar uma pouca repercussão na execução do projeto
Muito Baixo Inferior a 0,1 Impacto irá causar uma repercussão quase nula na execução do projeto
No quadro 22 é apresentada a matriz de vulnerabilidade (Probabilidade x
Impacto) para elaboração dos riscos do projeto.
13 Gerenciamento
Perda de
liderança
Má gestão com
colaboradores
Atraso no
cronograma,
aumento do
custo com
treinamentos
para
restabelecimento
da gestão.
Ameaça
14 Técnico
Reprovação do
projeto nos
órgãos públicos
Não atender pré-
requisitos dos
órgãos públicos
Retrabalho de
adequação do
projeto conforme
exigências
Ameaça
15 Técnico
Falta de mão
de obra
especializa em
projetos deste
gênero
Falta de
treinamento
devido ser novo
mercado
Atraso no
cronograma,
aumento do
custo por
retrabalho,
existindo a
necessidade de
treinamento.
Ameaça
76
QUADRO 22: Matriz de Probabilidade X Impacto dos Riscos
PROBABILIDADE AMEAÇAS OPORTUNIDADES
0,90 0,045 0,090 0,180 0,270 0,360 0,450 0,540 0,630 0,720 0,720 0,630 0,540 0,450 0,360 0,270 0,180 0,090 0,045
0,80 0,040 0,080 0,160 0,240 0,320 0,400 0,480 0,560 0,640 0,640 0,560 0,480 0,400 0,320 0,240 0,160 0,080 0,040
0,70 0,035 0,070 0,140 0,210 0,280 0,350 0,420 0,490 0,560 0,560 0,490 0,420 0,350 0,280 0,210 0,140 0,070 0,035
0,60 0,030 0,060 0,120 0,180 0,240 0,300 0,360 0,420 0,480 0,480 0,420 0,360 0,300 0,240 0,180 0,120 0,060 0,030
0,50 0,025 0,050 0,100 0,150 0,200 0,250 0,300 0,350 0,400 0,400 0,350 0,300 0,250 0,200 0,150 0,100 0,050 0,025
0,40 0,020 0,040 0,080 0,120 0,160 0,200 0,240 0,280 0,320 0,320 0,280 0,240 0,200 0,160 0,120 0,080 0,040 0,020
0,30 0,015 0,030 0,060 0,090 0,120 0,150 0,180 0,210 0,240 0,240 0,210 0,180 0,150 0,120 0,090 0,060 0,030 0,015
0,20 0,010 0,020 0,040 0,060 0,080 0,100 0,120 0,140 0,160 0,160 0,140 0,120 0,100 0,080 0,060 0,040 0,020 0,010
0,10 0,005 0,010 0,020 0,030 0,040 0,050 0,060 0,070 0,080 0,080 0,070 0,060 0,050 0,040 0,030 0,020 0,010 0,005
0,05 0,0025 0,005 0,010 0,015 0,020 0,025 0,030 0,035 0,040 0,040 0,035 0,030 0,025 0,020 0,015 0,010 0,005 0,0025
0,05 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80 0,80 0,70 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 0,05
IMPACTO
QUADRO 23: Graduação de Severidade dos Riscos
GRADUAÇÃO FAIXA DESCRIÇÃO
Alta Maior que 0,17 Risco de alta severidade
Media Entre 0,05 e a,17 Risco médio de severidade
Baixa Inferior a 0,05 Risco de baixa severidade
77
13.3 ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA DOS RISCOS DO PROJETO
A análise é baseada nas tabelas e figuras expostas anteriormente neste
documento. Com isso é possível realizar a classificação de severidade de todos os
riscos detalhados no projeto GREENSOLAR, conforme pode ser analisado no
quadro 24.
Plano de Projeto - GREENSOLAR
Plano de Projeto - GREENSOLAR
Plano de Projeto - GREENSOLAR
Plano de Projeto - GREENSOLAR
Plano de Projeto - GREENSOLAR
Plano de Projeto - GREENSOLAR
Plano de Projeto - GREENSOLAR
Plano de Projeto - GREENSOLAR
Plano de Projeto - GREENSOLAR
Plano de Projeto - GREENSOLAR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proposta consultoria iuri vieira gomez - cópia
Proposta consultoria   iuri vieira gomez - cópiaProposta consultoria   iuri vieira gomez - cópia
Proposta consultoria iuri vieira gomez - cópiaCleverson Roberto Gomes
 
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...Paulo H Bueno
 
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De ProjetoExemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projetolhencar
 
Projeto de Usina de Geração de Energia Elétrica Solar
Projeto de Usina de Geração de Energia Elétrica SolarProjeto de Usina de Geração de Energia Elétrica Solar
Projeto de Usina de Geração de Energia Elétrica SolarMarco Coghi
 
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)Mikoian Rios Rios
 
Tabela conversão polegadas em milimetros
Tabela conversão polegadas em milimetrosTabela conversão polegadas em milimetros
Tabela conversão polegadas em milimetrosLuciano Niespodzinski
 
Escopo custo e tempo gerando a qualidade do projeto
Escopo custo e tempo gerando a qualidade do projetoEscopo custo e tempo gerando a qualidade do projeto
Escopo custo e tempo gerando a qualidade do projetoSilas Serpa
 
Relatório de inspeção de segurança
Relatório de inspeção de segurançaRelatório de inspeção de segurança
Relatório de inspeção de segurançaVanda Sá
 
Manual galpoes
Manual galpoesManual galpoes
Manual galpoesJairo Luis
 
Plano de gerenciamento do cronograma (2)
Plano de gerenciamento do cronograma (2)Plano de gerenciamento do cronograma (2)
Plano de gerenciamento do cronograma (2)Flavia Skilhan Lopes
 
Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalho
Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalhoModelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalho
Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalhoJoão Luiz Lellis da Silva
 
Check list conformidade_nr_13 caldeiras e vasos de pressão -segurança nwn
Check list conformidade_nr_13 caldeiras e vasos de pressão -segurança nwnCheck list conformidade_nr_13 caldeiras e vasos de pressão -segurança nwn
Check list conformidade_nr_13 caldeiras e vasos de pressão -segurança nwnAlexsandro Lino Barbosa
 

Mais procurados (20)

APRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIA
APRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIAAPRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIA
APRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIA
 
Apostila - ProjectLibre 1.5
Apostila - ProjectLibre 1.5Apostila - ProjectLibre 1.5
Apostila - ProjectLibre 1.5
 
Proposta consultoria iuri vieira gomez - cópia
Proposta consultoria   iuri vieira gomez - cópiaProposta consultoria   iuri vieira gomez - cópia
Proposta consultoria iuri vieira gomez - cópia
 
Modelo de LTCAT
Modelo de LTCATModelo de LTCAT
Modelo de LTCAT
 
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
 
Modelo de ppra
Modelo de ppraModelo de ppra
Modelo de ppra
 
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De ProjetoExemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
 
Plano de Projeto - GREENSOLAR
Plano de Projeto - GREENSOLARPlano de Projeto - GREENSOLAR
Plano de Projeto - GREENSOLAR
 
Projeto de Usina de Geração de Energia Elétrica Solar
Projeto de Usina de Geração de Energia Elétrica SolarProjeto de Usina de Geração de Energia Elétrica Solar
Projeto de Usina de Geração de Energia Elétrica Solar
 
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)
 
Modelo de pcmso
Modelo de pcmsoModelo de pcmso
Modelo de pcmso
 
Tabela conversão polegadas em milimetros
Tabela conversão polegadas em milimetrosTabela conversão polegadas em milimetros
Tabela conversão polegadas em milimetros
 
Nbr16325 1
Nbr16325 1Nbr16325 1
Nbr16325 1
 
Ltcat modelo
Ltcat   modeloLtcat   modelo
Ltcat modelo
 
Escopo custo e tempo gerando a qualidade do projeto
Escopo custo e tempo gerando a qualidade do projetoEscopo custo e tempo gerando a qualidade do projeto
Escopo custo e tempo gerando a qualidade do projeto
 
Relatório de inspeção de segurança
Relatório de inspeção de segurançaRelatório de inspeção de segurança
Relatório de inspeção de segurança
 
Manual galpoes
Manual galpoesManual galpoes
Manual galpoes
 
Plano de gerenciamento do cronograma (2)
Plano de gerenciamento do cronograma (2)Plano de gerenciamento do cronograma (2)
Plano de gerenciamento do cronograma (2)
 
Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalho
Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalhoModelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalho
Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalho
 
Check list conformidade_nr_13 caldeiras e vasos de pressão -segurança nwn
Check list conformidade_nr_13 caldeiras e vasos de pressão -segurança nwnCheck list conformidade_nr_13 caldeiras e vasos de pressão -segurança nwn
Check list conformidade_nr_13 caldeiras e vasos de pressão -segurança nwn
 

Semelhante a Plano de Projeto - GREENSOLAR

Tcc escola educacao Gerenciamento de Projetos
Tcc escola educacao Gerenciamento de ProjetosTcc escola educacao Gerenciamento de Projetos
Tcc escola educacao Gerenciamento de ProjetosIverson moya
 
Fipecafi port net
Fipecafi port netFipecafi port net
Fipecafi port netMenanes
 
Tecnologia sob o ponto de vista do fabricante
Tecnologia sob o ponto de vista do fabricanteTecnologia sob o ponto de vista do fabricante
Tecnologia sob o ponto de vista do fabricanteNuno Tasso de Figueiredo
 
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditiva
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditivaTendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditiva
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditivacictec
 
DFC e DVA - 2ª ed. | IOB e-Store
DFC e DVA - 2ª ed. | IOB e-StoreDFC e DVA - 2ª ed. | IOB e-Store
DFC e DVA - 2ª ed. | IOB e-StoreIOB News
 
01 estudo de viabilidade municipios sal (3)
01 estudo de viabilidade municipios sal (3)01 estudo de viabilidade municipios sal (3)
01 estudo de viabilidade municipios sal (3)Luis Delgado
 
Relatorio de gestao_e_contas_2015
Relatorio de gestao_e_contas_2015Relatorio de gestao_e_contas_2015
Relatorio de gestao_e_contas_2015Heron Carvalho
 
Utc fs sistemas de análise e apoio a decisão final
Utc fs sistemas de análise e apoio a decisão finalUtc fs sistemas de análise e apoio a decisão final
Utc fs sistemas de análise e apoio a decisão finalNuno Tasso de Figueiredo
 
Localização de uma Central Nuclear em Portugal Continental
Localização de uma Central Nuclear em Portugal ContinentalLocalização de uma Central Nuclear em Portugal Continental
Localização de uma Central Nuclear em Portugal ContinentalNimble Portal Consulting
 
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-Store
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-StoreAnálise Financeira e Orçamentária - IOB e-Store
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-StoreIOB News
 
Nr20 avancado final
Nr20 avancado finalNr20 avancado final
Nr20 avancado finalcathemarques
 
Plano de Projeto - Grupo Ajax
Plano de Projeto - Grupo AjaxPlano de Projeto - Grupo Ajax
Plano de Projeto - Grupo AjaxPre Amadeus
 
Manual operacional de educação integral
Manual operacional de educação integralManual operacional de educação integral
Manual operacional de educação integralclaricewilcackpires
 
Relatório descritivo do curso de Educação a Distância: Construindo um Pro...
Relatório descritivo do curso de Educação a Distância: Construindo um Pro...Relatório descritivo do curso de Educação a Distância: Construindo um Pro...
Relatório descritivo do curso de Educação a Distância: Construindo um Pro...Caio Moreno
 
Po Contabilidade
Po ContabilidadePo Contabilidade
Po Contabilidadepipoka90
 

Semelhante a Plano de Projeto - GREENSOLAR (20)

Tcc escola educacao Gerenciamento de Projetos
Tcc escola educacao Gerenciamento de ProjetosTcc escola educacao Gerenciamento de Projetos
Tcc escola educacao Gerenciamento de Projetos
 
Fipecafi port net
Fipecafi port netFipecafi port net
Fipecafi port net
 
Fusões & aquisições relatório final
Fusões & aquisições relatório finalFusões & aquisições relatório final
Fusões & aquisições relatório final
 
Tecnologia sob o ponto de vista do fabricante
Tecnologia sob o ponto de vista do fabricanteTecnologia sob o ponto de vista do fabricante
Tecnologia sob o ponto de vista do fabricante
 
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditiva
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditivaTendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditiva
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditiva
 
DFC e DVA - 2ª ed. | IOB e-Store
DFC e DVA - 2ª ed. | IOB e-StoreDFC e DVA - 2ª ed. | IOB e-Store
DFC e DVA - 2ª ed. | IOB e-Store
 
01 estudo de viabilidade municipios sal (3)
01 estudo de viabilidade municipios sal (3)01 estudo de viabilidade municipios sal (3)
01 estudo de viabilidade municipios sal (3)
 
Relatorio de gestao_e_contas_2015
Relatorio de gestao_e_contas_2015Relatorio de gestao_e_contas_2015
Relatorio de gestao_e_contas_2015
 
Utc fs sistemas de análise e apoio a decisão final
Utc fs sistemas de análise e apoio a decisão finalUtc fs sistemas de análise e apoio a decisão final
Utc fs sistemas de análise e apoio a decisão final
 
Localização de uma Central Nuclear em Portugal Continental
Localização de uma Central Nuclear em Portugal ContinentalLocalização de uma Central Nuclear em Portugal Continental
Localização de uma Central Nuclear em Portugal Continental
 
Plano de projeto gp mateus schuch
Plano de projeto gp mateus schuchPlano de projeto gp mateus schuch
Plano de projeto gp mateus schuch
 
Condomínio Reserva Natural
Condomínio Reserva NaturalCondomínio Reserva Natural
Condomínio Reserva Natural
 
Florianópolis - Estudos ambientais
Florianópolis - Estudos ambientaisFlorianópolis - Estudos ambientais
Florianópolis - Estudos ambientais
 
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-Store
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-StoreAnálise Financeira e Orçamentária - IOB e-Store
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-Store
 
Planejamento-Estratégico.pdf
Planejamento-Estratégico.pdfPlanejamento-Estratégico.pdf
Planejamento-Estratégico.pdf
 
Nr20 avancado final
Nr20 avancado finalNr20 avancado final
Nr20 avancado final
 
Plano de Projeto - Grupo Ajax
Plano de Projeto - Grupo AjaxPlano de Projeto - Grupo Ajax
Plano de Projeto - Grupo Ajax
 
Manual operacional de educação integral
Manual operacional de educação integralManual operacional de educação integral
Manual operacional de educação integral
 
Relatório descritivo do curso de Educação a Distância: Construindo um Pro...
Relatório descritivo do curso de Educação a Distância: Construindo um Pro...Relatório descritivo do curso de Educação a Distância: Construindo um Pro...
Relatório descritivo do curso de Educação a Distância: Construindo um Pro...
 
Po Contabilidade
Po ContabilidadePo Contabilidade
Po Contabilidade
 

Mais de Robson Josué Molgaro

Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio
Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio
Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio Robson Josué Molgaro
 
Introdução a energia solar fotovoltaica
Introdução a energia solar fotovoltaicaIntrodução a energia solar fotovoltaica
Introdução a energia solar fotovoltaicaRobson Josué Molgaro
 
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicos
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicosFundamentos da eletricidade - Conceitos básicos
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicosRobson Josué Molgaro
 
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no Brasil
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no BrasilSISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no Brasil
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no BrasilRobson Josué Molgaro
 
Algoritmo genético aplicado no planejamento da operação de um parque eólico
Algoritmo genético aplicado no planejamento da operação de um parque eólicoAlgoritmo genético aplicado no planejamento da operação de um parque eólico
Algoritmo genético aplicado no planejamento da operação de um parque eólicoRobson Josué Molgaro
 
Dimensionamento de um sistema fotovoltaico conectado à rede para uma residênc...
Dimensionamento de um sistema fotovoltaico conectado à rede para uma residênc...Dimensionamento de um sistema fotovoltaico conectado à rede para uma residênc...
Dimensionamento de um sistema fotovoltaico conectado à rede para uma residênc...Robson Josué Molgaro
 

Mais de Robson Josué Molgaro (10)

Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio
Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio
Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio
 
Institucional Master Solar
Institucional Master SolarInstitucional Master Solar
Institucional Master Solar
 
LEVITAÇÃO MAGNÉTICA
LEVITAÇÃO MAGNÉTICALEVITAÇÃO MAGNÉTICA
LEVITAÇÃO MAGNÉTICA
 
Introdução a energia solar fotovoltaica
Introdução a energia solar fotovoltaicaIntrodução a energia solar fotovoltaica
Introdução a energia solar fotovoltaica
 
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicos
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicosFundamentos da eletricidade - Conceitos básicos
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicos
 
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no Brasil
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no BrasilSISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no Brasil
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no Brasil
 
Algoritmo genético aplicado no planejamento da operação de um parque eólico
Algoritmo genético aplicado no planejamento da operação de um parque eólicoAlgoritmo genético aplicado no planejamento da operação de um parque eólico
Algoritmo genético aplicado no planejamento da operação de um parque eólico
 
Geração heliotérmica
Geração heliotérmicaGeração heliotérmica
Geração heliotérmica
 
Dimensionamento de um sistema fotovoltaico conectado à rede para uma residênc...
Dimensionamento de um sistema fotovoltaico conectado à rede para uma residênc...Dimensionamento de um sistema fotovoltaico conectado à rede para uma residênc...
Dimensionamento de um sistema fotovoltaico conectado à rede para uma residênc...
 
Energia Maremotriz
Energia MaremotrizEnergia Maremotriz
Energia Maremotriz
 

Último

Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfAroldoMenezes1
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 

Último (9)

Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 

Plano de Projeto - GREENSOLAR

  • 1. 0 FGV - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS UNIVEL – UNIÃO EDUCACIONAL DE CASCAVEL MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS TURMA IV – CASCAVEL – PR TCC – TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO USINA FOTOVOLTAICA GREENSOLAR Alunos: André Alexandre Gomes Fazioni Daniel Pereira Silveira Elias Maracaja Neto Robson Josué Molgaro Thalles Belini Thiago Naufal Santelo Professor Orientador: José Ângelo Santos Do Valle, D.Sc. Cascavel – PR 2014
  • 2. 1 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1. Contextualização geográfica do empreendimento ......................10 FIGURA 2. Placas fotovoltaicas após a implantação .....................................11 FIGURA 3. Módulo Fotovoltaico utilizados no projeto ....................................12 FIGURA 4. Layout da usina após conclusão..................................................12 FIGURA 5: Estrutura Analítica dos Intervenientes .........................................31 FIGURA 6: Time do Projeto............................................................................34 FIGURA 7: Estrutura Analítica do Projeto - EAP............................................37 FIGURA 8: Fluxo para Controle de Mudanças ...............................................41 FIGURA 9: Cronograma do Projeto................................................................44 FIGURA 10: Fluxo de Controle de Mudanças e Prazos .................................45 FIGURA 11: Fluxo adotado para o aproveitamento de recursos....................46 FIGURA 12: Fluxo adotado para elaboração de relatório de progresso.........47 FIGURA 13: Organograma do Projeto............................................................62 FIGURA 14: cronograma dos eventos de comunicação.................................69 FIGURA 15: Estrutura de Armazenamento dos Documentos ........................71 FIGURA 16: Fluxo de Solicitações de Mudanças de Escopo.........................72 FIGURA 17: Fluxo para Registro de Lições Aprendidas ................................72 FIGURA 18: Estrutura Analítica dos Riscos ...................................................73 FIGURA 19: Fluxograma de Aquisições do Projeto .......................................84
  • 3. 2 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1: Projeção do Fluxo de Caixa do Projeto.....................................23 GRÁFICO 2: VPL x TMA................................................................................25 GRÁFICO 3: Participação de cada item na composição do custo do projeto.49 GRÁFICO 4: Participação de cada sub-item no projeto .................................50 GRÁFICO 5: Cronograma de desembolso – Serviços de Terceiros ..............51 GRÁFICO 6: Cronograma de desembolso – Equipamentos e materiais........52 GRÁFICO 7: Cronograma físico-financeiro para 2014 ...................................54 GRÁFICO 8: Cronograma físico-financeiro para 2015 ...................................54 GRÁFICO 9: Cronograma físico-financeiro para 2016 ...................................55 GRÁFICO 10: Percentuais de desembolso anual ..........................................55 GRÁFICO 11: Curva ´S´.................................................................................56
  • 4. 3 LISTA DE QUADROS QUADRO 1: Características do empreendimento GREENSOLAR ................11 QUADRO 2: Matriz SWOT da E²S .................................................................18 QUADRO 3: Matriz de Priorização das Partes Interessadas..........................28 QUADRO 4: Matriz de Mapeamento dos Stakeholders..................................29 QUADRO 5: Matriz de Interesse dos Intervenientes ......................................30 QUADRO 6: Requisitos do produto................................................................33 QUADRO 7: Requisitos do Produto ...............................................................34 QUADRO 8: Plano de entregas do projeto.....................................................36 QUADRO 9: Dicionário da EAP......................................................................38 QUADRO 10: Níveis de priorização dos requisitos da qualidade...................59 QUADRO 11: Requisitos de Qualidade..........................................................60 QUADRO 12: Indicador de Desempenho I.....................................................60 QUADRO 13: Indicador de Desempenho II....................................................61 QUADRO 14: Indicador de Desempenho III...................................................61 QUADRO 15: Matriz de Responsabilidades...................................................63 QUADRO 16: Descrição das Funções e Atribuições......................................64 QUADRO 17: Eventos de Comunicação........................................................66 QUADRO 18: Divulgação do Projeto..............................................................70 QUADRO 19: Identificação dos Riscos ..........................................................74 QUADRO 20: Graduação de Probabilidade de Ocorrência dos Riscos .........75 QUADRO 21: Graduação de Impacto dos riscos ...........................................75 QUADRO 22: Matriz de Probabilidade X Impacto dos Riscos........................76 QUADRO 23: Graduação de Severidade dos Riscos ....................................76 QUADRO 24: Classificação dos Riscos do Projeto........................................78 QUADRO 25: Matriz de Classificação dos Riscos .........................................79 QUADRO 26: VME na Fase de Pré-Reação..................................................79 QUADRO 27: VME na Fase de Pós-Reação .................................................80 QUADRO 28: Respostas aos Riscos de Alta e Média Criticidade..................81 QUADRO 29: Respostas aos Riscos Secundários ........................................82 QUADRO 30: Matriz Make X Buy...................................................................83
  • 5. 4 LISTA DE TABELAS TABELA 1: Constituição do Capital do Projeto ..............................................20 TABELA 2: Fluxo de Caixa Global do Projeto................................................21 TABELA 3: Fluxo de Caixa do Acionista........................................................22 TABELA 4: Payback Simples.........................................................................24 TABELA 5: Payback Descontado ..................................................................24 TABELA 6: Resumo dos indicadores de viabilidade......................................26 TABELA 7: Descrição do investimento inicial em reais..................................48 TABELA 8: Recursos do Projeto....................................................................49 TABELA 9: Discriminação dos Custos com Terceiros ...................................50 TABELA 10: Discriminação dos Custos com Equipamentos e Materiais.......51 TABELA 11: Discriminação dos Custos com Recursos Humanos.................52 TABELA 12: Cronograma físico-financeiro do Projeto...................................53 TABELA 13: Fluxo de caixa mensal durante a implantação do projeto .........57 TABELA 14: Valores de Reserva...................................................................80
  • 6. 5 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO...........................................................................................8 2 INTRODUÇÃO.......................................................................................................10 3 SUSTENTABILIDADE ...........................................................................................14 4 ANÁLISE ESTRATÉGICA.....................................................................................17 MISSÃO, VISÃO E VALORES ............................................................................174.1 MATRIZ SWOT ...................................................................................................174.2 ANÁLISE DE MERCADO....................................................................................184.3 5 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA...........................................................20 PROJEÇÃO DO FLUXO DE CAIXA....................................................................205.1 INDICADORES DE VIABILIDADE ......................................................................235.2 6 PLANO DE GERENCIAMENTO DE STAKEHOLDERS .......................................27 7 PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO .....................................................32 TERMO DE ABERTURA DO PROJETO.............................................................327.1 DOCUMENTOS DE REQUISITOS DO PROJETO .............................................337.2 DECLARAÇÃO DE ESCOPO .............................................................................347.3 PLANO DE ENTREGAS E MARCOS DO PROJETO .........................................367.4 ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO – EAP................................................377.5 DICIONÁRIO DA EAP.........................................................................................377.6 PLANO DE MUDANÇAS DO ESCOPO ..............................................................417.7 CRITÉRIOS DE ACEITAÇÃO DO PROJETO.....................................................427.8 8 PLANO DE GERENCIAMENTO DO TEMPO........................................................43 FERRAMENTAS PARA O GERENCIAMENTO DE TEMPO...............................438.1 CRONOGRAMA..................................................................................................438.2 FLUXO DE CONTROLE DE MUDANÇAS DE PRAZOS.....................................458.3 PROCESSO ADOTADO PARA O APROVEITAMENTO CORRETO DE8.4 RECURSOS..............................................................................................................46 PROCESSO ADOTADO PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE8.5 PROGRESSO. ..........................................................................................................47
  • 7. 6 9 PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS ......................................................48 ORÇAMENTO.....................................................................................................489.1 RECURSOS DO PROJETO................................................................................499.2 CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO..............................................................529.3 FREQUÊNCIA DE ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE9.4 CUSTOS ...................................................................................................................58 10 PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE..............................................59 DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE...5910.1 PRIORIZAÇÃO DAS MUDANÇAS NOS REQUISITOS DE QUALIDADE E10.2 RESPOSTAS ............................................................................................................59 REQUISITOS DA QUALIDADE.........................................................................6010.3 INDICADORES DA QUALIDADE......................................................................6010.4 11 PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS..................................................62 ORGANOGRAMA .............................................................................................6211.1 PLANO DE TREINAMENTOS...........................................................................6211.2 MATRIZ DE RESPONSABILIDADES ...............................................................6211.3 DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES..............................................6311.4 12 PLANO DE GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES...................................65 EVENTOS DE COMUNICAÇÃO .......................................................................6512.1 MATRIZ DE COMUNICAÇÃO...........................................................................6712.2 CRONOGRAMA DE EVENTOS........................................................................6812.3 PLANO DE DIVULGAÇÃO DO PROJETO........................................................7012.4 PLANO DE GERENCIAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO..................................7012.5 13 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS .....................................................73 13.1 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS .......................................................................73 13.2 CRITÉRIOS ADOTADOS PARA ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA DOS RISCOS............................................................................................................75 13.3 ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA DOS RISCOS DO PROJETO.....77 13.4 QUALIFICAÇÃO DA LISTA DE RISCOS DO PROJETO..................................79 13.5 RESPOSTAS AOS RISCOS DE ALTA E MÉDIA CRITICIDADE......................80
  • 8. 7 13.6 AVALIAÇÃO DE RISCOS SECUNDÁRIOS ......................................................81 14 PLANO DE GERENCIAMENTO DE AQUISIÇÕES.............................................83 PLANEJAMENTO DE COMPRAS E AQUISIÇÕES..........................................8414.1 PLANEJAMENTO DE CONTRATAÇÕES.........................................................8514.2 SOLICITAÇÃO DE RESPOSTA DOS FORNECEDORES................................8514.3 SELEÇÃO DOS FORNECEDORES .................................................................8614.4 ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATOS ...............................................................8614.5 ENCERRAMENTO DE CONTRATOS...............................................................8714.6
  • 9. 8 1 SUMÁRIO EXECUTIVO Este documento apresenta o Plano de Projeto da Usina Fotovoltaica GREEN SOLAR. O projeto consiste na implantação de uma usina fotovoltaica às margens da BR-163, no Município de Cascavel-PR, pela quantia total de R$ 8.000.000,00 (oito milhões de reais), no prazo máximo de 36 meses. Esta será a primeira Usina Fotovoltaica do gênero no Brasil a ter o selo verde LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) do Green Building Council. E²S – Enermix Energia Sustentável - desenvolve, financia, instala e opera usinas de energia utilizando tecnologias fotovoltaicas testadas e comprovadas, prestando serviços de energia solar para clientes comerciais, governamentais e concessionários de serviços públicos. A energia solar é uma das poucas fontes de energia completamente renováveis que existe a disposição do ser humano. Conforme dados do Instituto Vitae Civilis, o Brasil, por sua localização e extensão territorial, recebe energia solar da ordem de 1013 MWh anuais, o que corresponde a cerca de 50 mil vezes o seu consumo anual de eletricidade. A energia solar se caracteriza como inesgotável e é considerada uma alternativa energética muito promissora para enfrentar os desafios da expansão da oferta de energia com menor impacto ambiental. As usinas de energia solar fotovoltaica são caracterizadas pelo seu tamanho, tendo capacidade instalada de geração igual ou maior que 1000kwp (1MWp). Nesse tipo de usina solar são utilizadas placas fotovoltaicas, que são dispositivos utilizados para converter a energia da luz do sol em energia elétrica. Infelizmente, as placas fotovoltaicas ainda têm um custo de produção muito elevado e sua geração de energia é baixa. Atualmente, as células fotovoltaicas apresentam eficiência de conversão da ordem de 18%. Para o projeto GREENSOLAR a E²S se estruturou da seguinte forma: após a definição do local onde será construída a usina, serão iniciadas as obras civis, que comportam dois prédios: um para a parte administrativa e outro para a casa de máquinas. Embora os recursos financeiros para o desenvolvimento de uma usina fotovoltaica sejam vultosos, pode-se estimar o retorno deste em poucos anos. Para tal, desde a concepção da usina, estabelecem-se parcerias e firmam-se acordos que garantam o negócio. Para execução do parque GREENSOLAR, haverá apoio
  • 10. 9 financeiro do BNDES no valor de R$5.000.000,00, e aporte de capital próprio no valor de R$3.000.000,00, totalizando 37,5% de capital próprio e 62,7% de capital de terceiros para execução do projeto. O parque da usina fotovoltaica GREENSOLAR está localizado em uma área de 3,1 hectares, localizado nas proximidades do entroncamento rodoviário entre a BR-277 e a BR-163, no município de Cascavel, estado do Paraná. As obras serão iniciadas em julho de 2014 com previsão de término para Dezembro de 2016, empregando cerca de 50 trabalhadores no ápice da construção. O investimento está previsto para ser totalmente pago em 20 anos. A E²S será a operadora da usina. Assim que finalizada, o GREENSOLAR terá operação assistida. A energia gerada será destinada ao Sistema Interligado Nacional (SIN). A planta terá capacidade instalada de 01 MW e a expectativa é de que esta produza 1800 MWh por ano, energia suficiente para abastecer 1500 residências, evitando a emissão de 450 toneladas de carbono.
  • 11. 10 2 INTRODUÇÃO GREENSOLAR consiste de um Parque solar fotovoltaico com 1MW de potência instalada, localizado às margens da BR-163, no Município de Cascavel-PR. O local do empreendimento foi selecionado levando-se em conta a proximidade com um grande centro de carga, a facilidade de acesso e estar no entorno de uma grande subestação, que será utilizada para efetuar a conexão da central fotovoltaica ao SIN (Sistema interligado nacional). Tais elementos são apresentados na Figura 1. Figura 1. Contextualização geográfica do empreendimento GREENSOLAR A usina ocupará uma área de aproximadamente 3,1 hectares e será composta por 3492 módulos fotovoltaicos com potência individual de 300 Wp. Nessa configuração, o empreendimento produzirá, em média, 1800 MWh por ano, suficientes para abastecer 1500 moradias, e evitará a emissão de mais de 450
  • 12. 11 toneladas de CO2, conforme apresentado no Quadro 1. GREENSOLAR, depois de instalado, será semelhante ao apresentado na Figura 2. QUADRO 1: Características do empreendimento GREENSOLAR Potência instalada 1MWp Potência individual dos módulos 300 Wp Energia gerada / ano 1885,68 MWh CO2 evitado 450 ton Área ocupada 3,1 hectares Figura 2. Placas fotovoltaicas após a implantação O trabalho de construção da GREENSOLAR envolverá a instalação de 970 bases de concreto sobre as quais serão incluídas as estruturas e os conjuntos de painéis fotovoltaicos. O projeto contará com três edificações: guarita, casa de apoio e sala de comando. Com 22 quilos e medido 1970 x 990 x 50 (Altura x largura x profundidade), os painéis com tecnologia policristalina que serão utilizados no projeto têm potência de 300Wp, conforme mostra a Figura 3.
  • 13. 12 Figura 3. Módulo Fotovoltaico utilizado no projeto A sala de comando abrigará nove inversores e os equipamentos de comando e proteção. Um transformador de 220 V/13,8 kV 1MVA fará a conexão com a rede de distribuição da Copel. O centro administrativo será equipado com um auditório para receber visitantes, que poderão observar os painéis da perspectiva de um mirante. Um layout da usina GREENSOLAR é apresentado na Figura 4. Figura 4. Layout da usina após conclusão A usina contará com uma estação meteorológica própria, capaz de fornecer dados de radiação solar, temperatura ambiente e temperatura na superfície dos painéis solares. A instalação seguirá a padronização estabelecida pela Organização Meteorológica Mundial (OMM). A usina será instalada estrategicamente próxima a
  • 14. 13 uma subestação da Copel Distribuição S.A (Companhia Paranaense de Energia Elétrica). GREENSOLAR será a primeira usina fotovoltaica do Mundo a receber certificação internacional LEED de sustentabilidade do GBC – Green Building Council.
  • 15. 14 3 SUSTENTABILIDADE Há dois conceitos, dentro do pensamento econômico mundial, que serão a base de uma nova equação de custos da E²S, que agregam passivos e ativos ambientais: “A perenidade de um negócio será diretamente proporcional ao seu padrão de sustentabilidade econômica, social e ambiental” e “Sustentabilidade não é custo, é investimento”. Como uma companhia referência em energia renovável, a E²S entende que o legado que se deixa como cidadão corporativo não se baseia apenas nos tipos de produtos que se fabrica, mas também nos métodos que se empregam. Para ajudar a mitigar o uso de eletricidade, constroem sistemas fotovoltaicos que geram eletricidade especificamente para os prédios que compõem o parque da usina. Também está comprometida em monitorar e reduzir as emissões criadas pelos processos de produção, incluindo as emissões dos gases de efeito estufa. Temos orgulho de ser a primeira companhia brasileira no setor fotovoltaico a obter a certificação Verificação da Pegada de Carbono da Produção da TÜV Rheinland, fornecedor líder de serviços técnicos, reconhecido e respeitado mundialmente no setor e o selo LEED - Leadership in Energy and Environmental Design – do Green Bulding Council. A avaliação da TÜV Rheinland é realizada em conformidade com a norma internacional sobre a pegada de carbono PAS 2050:2011, uma especificação disponível publicamente e aplicada universalmente que fornece um método para avaliar o ciclo de vida das emissões de gases de efeito estufa de diversos bens e serviços. Alinhado aos esforços contínuos de aprimoramento, mede-se ativamente os fluxos de resíduos e então se trabalha constantemente para reduzi-los. A cada ano, se atualizarão as metas de redução para garantir a manutenção do processo de produção mais eficiente e ecologicamente correto. Criado em 2000, pelo USGBC - Conselho de Construção Sustentável dos EUA, a certificação LEED para construção sustentável é considerada o principal selo para edificações no país e possui o intuito de incentivar a transformação dos projetos, obras e operação das edificações, sempre com foco na sustentabilidade de suas atuações. O LEED orienta e atesta o comprometimento de uma edificação com os princípios da sustentabilidade para a construção civil - antes, durante e depois de
  • 16. 15 suas obras. Emitido em mais de 143 países de todo o mundo, o selo é considerado, hoje, a principal certificação de construção sustentável para os empreendimentos do Brasil, onde é representado oficialmente pelo GBC-Brasil. O sistema LEEDTM de selo verde compreende 6 categorias, sendo elas LEED-HOMES, LEED-ND (Neighborhood Developments), LEED-CI (Commercial Interiors), LEED-CS (Core and Shell), LEED-NC (New Constructions), e LEED-EB (Existing Buildings). Cada uma delas divide-se nas seguintes áreas a serem pontuadas: SS (Sustainable Sites), WE (Water Eficiency), EA (Energy & Atmosphere), MR (Materials & Resources), IEQ (Indoor Environmental Quality) e ID (Innovation in Design). O LEED orienta e atesta o comprometimento de uma edificação com os princípios da sustentabilidade para a construção civil - antes, durante e depois de suas obras. A certificação LEED avalia: a) uso racional da água b) eficiência energética c) redução, reutilização e reciclagem de materiais e recursos d) qualidade dos ambientes internos da edificação e) espaço sustentável f) inovação e tecnologia Cada quesito tem um peso diferente na avaliação e o empreendimento avaliado pode conseguir até 110 pontos, sendo que, para receber a certificação LEED, é preciso ter pontuação superior a 40. Quanto maior a pontuação da edificação, melhor será o nível do selo conquistado. Existem quatro tipos: a) Selo LEED, conferido a empreendimentos que tiveram mais de 40 pontos; b) Selo LEED Silver, para edificações com mais de 50 pontos; c) Selo LEED Gold, para empreendimentos com pontuação superior a 60 e d) Selo LEED Platinum, para edificações que conquistaram mais de 80 pontos. Seus benefícios se dão em várias áreas: a) Econômica i. Diminuição dos custos operacionais ii. Diminuição dos riscos regulatórios iii. Valorização do imóvel para revenda ou arrendamento
  • 17. 16 iv. Aumento na velocidade de ocupação v. Aumento da retenção vi. Modernização e menor obsolescência da edificação b) Social i. Melhora na segurança e priorização da saúde dos trabalhadores e ocupantes ii. Inclusão social e aumento do senso de comunidade iii. Capacitação profissional iv. Conscientização de trabalhadores e usuários v. Aumento da produtividade do funcionário; melhora na recuperação de pacientes (em Hospitais); melhora no desempenho de alunos (em Escolas); aumento no ímpeto de compra de consumidores (em Comércios). vi. Incentivo a fornecedores com maiores responsabilidades socioambientais vii. Aumento da satisfação e bem estar dos usuários viii. Estímulo a políticas públicas de fomento a Construção Sustentável c) Ambiental i. Uso racional e redução da extração dos recursos naturais ii. Redução do consumo de água e energia iii. Implantação consciente e ordenada iv. Mitigação dos efeitos das mudanças climáticas v. Uso de materiais e tecnologias de baixo impacto ambiental vi. Redução, tratamento e reuso dos resíduos da construção e operação.
  • 18. 17 4 ANÁLISE ESTRATÉGICA MISSÃO, VISÃO E VALORES4.1 a) Missão Atuar com responsabilidade social e ambiental transformando recursos naturais em energia renovável buscando o desenvolvimento sustentável. b) Visão Ser referência nacional na implantação de parques fotovoltaicos de energia de até 1MW até 2020. c) Valores i. Ética Social, Profissional E Ambiental: Conjugar os objetivos da empresa com os anseios da sociedade, dos profissionais envolvidos e expectativas de preservação do meio ambiente. ii. Responsabilidade Social, Profissional E Ambiental: Condução da vida da empresa de maneira sustentável, respeitando os direitos de todas as partes interessadas, inclusive das futuras gerações e o compromisso com a sustentação de todas as formas de vida. iii. Inovação: Fomento à pesquisa e desenvolvimento de projetos que ampliem, diversifiquem , modernizem e apresentem novas concepções de geração de energia solar. MATRIZ SWOT4.2 A análise estratégica do projeto foi feita através da Matriz SWOT, apresentada no Quadro 2.
  • 19. 18 QUADRO 2: Matriz SWOT da E²S THREATENS (T) 1. Falta de mão-de-obra especializada em itens de sustentabilidade. 2. Custos elevados da tecnologia 3. Competição com outros tipos de energias renováveis com custo menor, por exemplo: biomassa e eólica. OPPORTUNITIES (O) 1. Geração de energia com matriz renovável (sustentabilidade) 2. Menos entraves dos órgãos ambientais 3. Interesse de Investidores estrangeiro e nacional; 4. Visibilidade em âmbito nacional devido expansão deste tipo de mercado. 5. Diversificação da matriz energética 6. O Brasil possui excelentes condições de irradiação 7. Perspectivas de crescimento do mercado. STRENGHS (S) 1. Localização próxima ao centro de carga. 2. Unidade geradora de menor porte 3. Menor impacto ambiental 4. Projeto voltado para a sustentabilidade ESTRATÉGIA DE MANUTENÇÃO 1. Formação de mão de obra especializada em sustentabilidade (S4 T1) ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO 1. Construção de novas usinas (S3 O2 O3) 2. Divulgar o produto enfatizando o serviço diferenciado (S1 S2 S3 S4 O1 O4 O5) WEAKNESSES (W) 1. Restrições orçamentárias 2. Custos elevados da geração; 3. Pouca legislação. ESTRATÉGIA DE SOBREVIVÊNCIA ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO 1. Levantar capital para investir (W1 O3 O7) ANÁLISE DE MERCADO4.3 Para a grande maioria da população brasileira, energia solar é sinônimo de aquecimento de água. Ainda é pouco conhecida a possibilidade de obter eletricidade a partir do sol e muito menos o significado do termo ‘fotovoltaica’. Segundo o Atlas de Irradiação Solar no Brasil, diariamente incide entre 4500 Wh/m2 a 6300 Wh/m2 no país. Como base de comparação, o lugar mais ensolarado da Alemanha recebe 40% menos radiação solar que o lugar menos ensolarado do Brasil. Apesar destas condições favoráveis, o uso de energia solar ainda não foi considerado no plano nacional de energia 2030 e o mercado começa a aparecer em
  • 20. 19 2013 a partir da instalação de microgeradores devido á publicação da resolução 482/2012 da Agencia Nacional de energia Elétrica (ANEEL). Como o país já possui uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo, a melhor integração da energia solar fotovoltaica seria como uma fonte complementar, aproximando a geração do consumo e reduzindo assim perdas com transmissão. Se nas cidades há vastas áreas sobre as edificações para a instalação de painéis fotovoltaicos, no meio rural esta fonte energética é a opção mais limpa e segura para levar eletricidade a comunidades isoladas e de difícil acesso. Além disso, o Brasil possui uma das maiores reservas de silício do mundo. Isto faz com que o país seja um local privilegiado para desenvolver uma indústria local de produção de células fotovoltaicas gerando empregos e retornos em impostos pagos. Para isso, seria preciso investir em pesquisas para desenvolver um conhecimento de purificação do silício até o chamado ‘grau solar’, que é superior ao do silício empregado na siderurgia.
  • 21. 20 5 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA Atendendo a diretriz estratégica de implantação da usina fotovoltaica GREENSOLAR, apresenta-se o estudo de viabilidade econômica. Esse estudo traz as projeções do fluxo de caixa global e do fluxo de caixa para os acionistas, juntamente com os indicadores de viabilidade. O detalhamento do investimento necessário para cumprir o objetivo de implantação encontra-se no plano de gerenciamento de custos. PROJEÇÃO DO FLUXO DE CAIXA5.1 Abaixo são listados alguns dados relevantes a respeito do fluxo de caixa: TABELA 1: Constituição do Capital do Projeto VALOR % REMUNERAÇÃO Capital Próprio (E²S) R$3.000.000,00 37,5% 15% a.a. Capital de Terceiros (BNDES) R$5.000.000,00 62,5% 5% a.a. a. TMA = (15*37,5)+(5*62,5) = 8,75% b. Prazo do financiamento (BNDES) = 20 anos c. Tempo de concessão da usina = 20 anos, contados a partir do inicio da operação. d. Preço de venda do MWh = R$350,00 e. Fator de reajuste anual = 14% f. Energia gerada/ano = 1850 MWH/ano Os cálculos foram feitos partindo do pressuposto da produção de 1850 MWh/ano pela usina fotovoltaica. A receita foi estipulada com base no preço de mercado da energia solar praticada no leilão A-3 da ANEEL. Com isso, apresentam- se as estimativas do fluxo de caixa global e do fluxo de caixa dos acionistas, nas Tabelas 2 e 3 respectivamente.
  • 22. 21 TABELA 2: Fluxo de Caixa Global do Projeto FLUXO CAIXA GLOBAL ANO 0 ANO 1 ANO 2 ANO 3 ANO 4 ANO 5 ANO 6 ANO 7 ANO 8 ANO 9 ANO 10 (+) Receita Operacional Bruta 647.500,00 738.150,00 819.346,50 909.474,62 1.009.516,82 1.120.563,67 1.243.825,68 1.380.646,50 1.532.517,62 1.701.094,55 (-) Imposto sobre vendas (10%) -64.750,00 -73.815,00 -81.934,65 -90.947,46 -100.951,68 -112.056,37 -124.382,57 -138.064,65 -153.251,76 -170.109,46 (=) Receita Operacional Liquida 582.750,00 664.335,00 737.411,85 818.527,15 908.565,14 1.008.507,31 1.119.443,11 1.242.581,85 1.379.265,86 1.530.985,10 (-) Custos dos produtos ou serviços vendidos (10%) -58.275,00 -66.433,50 -73.741,19 -81.852,72 -90.856,51 -100.850,73 -111.944,31 -124.258,19 -137.926,59 -153.098,51 (=) Lucro Operacional Bruto 524.475,00 597.901,50 663.670,67 736.674,44 817.708,63 907.656,58 1.007.498,80 1.118.323,67 1.241.339,27 1.377.886,59 (-) Despesas Administrativas -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 (-) Despesas Comerciais (2%) -12.950,00 -14.763,00 -16.386,93 -18.189,49 -20.190,34 -22.411,27 -24.876,51 -27.612,93 -30.650,35 -34.021,89 (-) Despesas Gerais -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 (=) Lucro Operacional - EBITDA 455.525,00 527.138,50 591.283,74 662.484,95 741.518,29 829.245,30 926.622,28 1.034.710,74 1.154.688,92 1.287.864,70 (-) Depreciação -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 (=) Lucro antes IR - LAIR 347.072,50 420.499,00 486.268,17 559.271,94 640.306,13 730.254,08 830.096,30 940.921,17 1.063.936,77 1.200.484,09 (-) IR (25%) -86.768,13 -105.124,75 -121.567,04 -139.817,98 -160.076,53 -182.563,52 -207.524,07 -235.230,29 -265.984,19 -300.121,02 (=) Lucro Líquido 260.304,38 315.374,25 364.701,12 419.453,95 480.229,59 547.690,56 622.572,22 705.690,87 797.952,58 900.363,07 (+) Depreciação 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 (=) Fluxo de Caixa Operacional 437.706,88 492.776,75 542.103,62 596.856,45 657.632,09 725.093,06 799.974,72 883.093,37 975.355,08 1.077.765,57 (+/-) Investimentos ou desmobilizações de equipamentos -8.000.000,00 (-) IR sobre venda de ativos (+/-) Mudanças no capital de giro (=) Fluxo de Caixa Global -8.000.000,00 437.706,88 492.776,75 542.103,62 596.856,45 657.632,09 725.093,06 799.974,72 883.093,37 975.355,08 1.077.765,57 ANO 11 ANO 12 ANO 13 ANO 14 ANO 15 ANO 16 ANO 17 ANO 18 ANO 19 ANO 20 (+) Receita Operacional Bruta 1.888.214,96 2.095.918,60 2.326.469,65 2.582.381,31 2.866.443,25 3.181.752,01 3.531.744,73 3.920.236,65 4.351.462,68 4.830.123,58 (-) Imposto sobre vendas (10%) -188.821,50 -209.591,86 -232.646,96 -258.238,13 -286.644,33 -318.175,20 -353.174,47 -392.023,67 -435.146,27 -483.012,36 (=) Receita Operacional Liquida 1.699.393,46 1.886.326,74 2.093.822,68 2.324.143,18 2.579.798,93 2.863.576,81 3.178.570,26 3.528.212,99 3.916.316,41 4.347.111,22 (-) Custos dos produtos ou serviços vendidos (10%) -169.939,35 -188.632,67 -209.382,27 -232.414,32 -257.979,89 -286.357,68 -317.857,03 -352.821,30 -391.631,64 -434.711,12 (=) Lucro Operacional Bruto 1.529.454,11 1.697.694,07 1.884.440,41 2.091.728,86 2.321.819,03 2.577.219,13 2.860.713,23 3.175.391,69 3.524.684,77 3.912.400,10 (-) Despesas Administrativas -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -39.999,00 -39.998,00 -39.997,00 -39.996,00 (-) Despesas Comerciais (2%) -37.764,30 -41.918,37 -46.529,39 -51.647,63 -57.328,87 -63.635,04 -70.634,89 -78.404,73 -87.029,25 -96.602,47 (-) Despesas Gerais -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -15.999,00 -15.998,00 -15.997,00 -15.996,00 (=) Lucro Operacional - EBITDA 1.435.689,82 1.599.775,69 1.781.911,02 1.984.081,23 2.208.490,17 2.457.584,09 2.734.080,34 3.040.990,95 3.381.661,52 3.759.805,63 (-) Depreciação -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 (=) Lucro antes IR - LAIR 1.352.051,61 1.520.291,57 1.707.037,91 1.914.326,36 2.144.416,53 2.399.816,63 2.683.310,73 2.997.989,19 3.347.282,27 3.734.997,60 (-) IR (25%) -338.012,90 -380.072,89 -426.759,48 -478.581,59 -536.104,13 -599.954,16 -670.827,68 -749.497,30 -836.820,57 -933.749,40 (=) Lucro Líquido 1.014.038,71 1.140.218,68 1.280.278,44 1.435.744,77 1.608.312,40 1.799.862,47 2.012.483,05 2.248.491,89 2.510.461,70 2.801.248,20 (+) Depreciação 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 (=) Fluxo de Caixa Operacional 1.191.441,21 1.317.621,18 1.457.680,94 1.613.147,27 1.785.714,90 1.977.264,97 2.189.885,55 2.425.894,39 2.687.864,20 2.978.650,70 (+/-) Investimentos ou desmobilizações de equipamentos 500.000,00 (-) IR sobre venda de ativos -125.000,00 (+/-) Mudanças no capital de giro (=) Fluxo de Caixa Global 1.191.441,21 1.317.621,18 1.457.680,94 1.613.147,27 1.785.714,90 1.977.264,97 2.189.885,55 2.425.894,39 2.687.864,20 3.353.650,70
  • 23. 22 TABELA 3: Fluxo de Caixa do Acionista FLUXO CAIXA DO ACIONISTA ANO 0 ANO 1 ANO 2 ANO 3 ANO 4 ANO 5 ANO 6 ANO 7 ANO 8 ANO 9 ANO 10 (+) Receita Operacional Bruta 647.500,00 738.150,00 819.346,50 909.474,62 1.009.516,82 1.120.563,67 1.243.825,68 1.380.646,50 1.532.517,62 1.701.094,55 (-) Imposto sobre vendas (10%) -64.750,00 -73.815,00 -81.934,65 -90.947,46 -100.951,68 -112.056,37 -124.382,57 -138.064,65 -153.251,76 -170.109,46 (=) Receita Operacional Liquida 582.750,00 664.335,00 737.411,85 818.527,15 908.565,14 1.008.507,31 1.119.443,11 1.242.581,85 1.379.265,86 1.530.985,10 (-) Custos dos produtos ou serviços vendidos (10%) -58.275,00 -66.433,50 -73.741,19 -81.852,72 -90.856,51 -100.850,73 -111.944,31 -124.258,19 -137.926,59 -153.098,51 (=) Lucro Operacional Bruto 524.475,00 597.901,50 663.670,67 736.674,44 817.708,63 907.656,58 1.007.498,80 1.118.323,67 1.241.339,27 1.377.886,59 (-) Despesas Administrativas -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 (-) Despesas Comerciais (2%) -12.950,00 -14.763,00 -16.386,93 -18.189,49 -20.190,34 -22.411,27 -24.876,51 -27.612,93 -30.650,35 -34.021,89 (-) Despesas Gerais -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 (=) Lucro Operacional - EBITDA 455.525,00 527.138,50 591.283,74 662.484,95 741.518,29 829.245,30 926.622,28 1.034.710,74 1.154.688,92 1.287.864,70 (-) Depreciação -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 (=) Lucro antes IR - LAJIR 347.072,50 420.499,00 486.268,17 559.271,94 640.306,13 730.254,08 830.096,30 940.921,17 1.063.936,77 1.200.484,09 (-) Despesas Financeiras -250.000,00 -237.500,00 -225.000,00 -212.500,00 -200.000,00 -187.500,00 -175.000,00 -162.500,00 -150.000,00 -137.500,00 (=)Lucro antes do IR - LAIR 97.072,50 182.999,00 261.268,17 346.771,94 440.306,13 542.754,08 655.096,30 778.421,17 913.936,77 1.062.984,09 (-) IR (25%) 86.692,98 110.076,53 135.688,52 163.774,07 194.605,29 228.484,19 265.746,02 (=) Lucro Líquido 97.072,50 182.999,00 261.268,17 433.464,92 550.382,66 678.442,59 818.870,37 973.026,46 1.142.420,96 1.328.730,11 (+) Depreciação 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 (=) Fluxo de Caixa 274.475,00 360.401,50 438.670,67 610.867,42 727.785,16 855.845,09 996.272,87 1.150.428,96 1.319.823,46 1.506.132,61 (-) Amortizações -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 (+/-) Investimentos ou desmobilizações de equipamentos -5.000.000,00 (-) IR sobre venda de ativos (+/-) Mudanças no capital de giro (=) Fluxo de Caixa do Acionista -5.000.000,00 24.475,00 110.401,50 188.670,67 360.867,42 477.785,16 605.845,09 746.272,87 900.428,96 1.069.823,46 1.256.132,61 ANO 11 ANO 12 ANO 13 ANO 14 ANO 15 ANO 16 ANO 17 ANO 18 ANO 19 ANO 20 (+) Receita Operacional Bruta 1.888.214,96 2.095.918,60 2.326.469,65 2.582.381,31 2.866.443,25 3.181.752,01 3.531.744,73 3.920.236,65 4.351.462,68 4.830.123,58 (-) Imposto sobre vendas (10%) -188.821,50 -209.591,86 -232.646,96 -258.238,13 -286.644,33 -318.175,20 -353.174,47 -392.023,67 -435.146,27 -483.012,36 (=) Receita Operacional Liquida 1.699.393,46 1.886.326,74 2.093.822,68 2.324.143,18 2.579.798,93 2.863.576,81 3.178.570,26 3.528.212,99 3.916.316,41 4.347.111,22 (-) Custos dos produtos ou serviços vendidos (10%) -169.939,35 -188.632,67 -209.382,27 -232.414,32 -257.979,89 -286.357,68 -317.857,03 -352.821,30 -391.631,64 -434.711,12 (=) Lucro Operacional Bruto 1.529.454,11 1.697.694,07 1.884.440,41 2.091.728,86 2.321.819,03 2.577.219,13 2.860.713,23 3.175.391,69 3.524.684,77 3.912.400,10 (-) Despesas Administrativas -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -40.000,00 -39.999,00 -39.998,00 -39.997,00 -39.996,00 (-) Despesas Comerciais (2%) -37.764,30 -41.918,37 -46.529,39 -51.647,63 -57.328,87 -63.635,04 -70.634,89 -78.404,73 -87.029,25 -96.602,47 (-) Despesas Gerais -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -16.000,00 -15.999,00 -15.998,00 -15.997,00 -15.996,00 (=) Lucro Operacional - EBITDA 1.435.689,82 1.599.775,69 1.781.911,02 1.984.081,23 2.208.490,17 2.457.584,09 2.734.080,34 3.040.990,95 3.381.661,52 3.759.805,63 (-) Depreciação -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 -177.402,50 (=) Lucro antes IR - LAJIR 1.352.051,61 1.520.291,57 1.707.037,91 1.914.326,36 2.144.416,53 2.399.816,63 2.683.310,73 2.997.989,19 3.347.282,27 3.734.997,60 (-) Despesas Financeiras -125.000,00 -112.500,00 -100.000,00 -87.500,00 -75.000,00 -62.500,00 -50.000,00 -37.500,00 -30.000,00 -15.000,00 (=)Lucro antes do IR - LAIR 1.227.051,61 1.407.791,57 1.607.037,91 1.826.826,36 2.069.416,53 2.337.316,63 2.633.310,73 2.960.489,19 3.317.282,27 3.719.997,60 (-) IR (25%) 306.762,90 351.947,89 401.759,48 456.706,59 517.354,13 584.329,16 658.327,68 740.122,30 829.320,57 929.999,40 (=) Lucro Líquido 1.533.814,52 1.759.739,46 2.008.797,39 2.283.532,95 2.586.770,67 2.921.645,78 3.291.638,41 3.700.611,48 4.146.602,84 4.649.997,00 (+) Depreciação 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 177.402,50 (=) Fluxo de Caixa 1.711.217,02 1.937.141,96 2.186.199,89 2.460.935,45 2.764.173,17 3.099.048,28 3.469.040,91 3.878.013,98 4.324.005,34 4.827.399,50 (-) Amortizações -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 -250.000,00 (+/-) Investimentos ou desmobilizações de equipamentos 500.000,00 (-) IR sobre venda de ativos -125.000,00 (+/-) Mudanças no capital de giro (=) Fluxo de Caixa do Acionista 1.461.217,02 1.687.141,96 1.936.199,89 2.210.935,45 2.514.173,17 2.849.048,28 3.219.040,91 3.628.013,98 4.074.005,34 4.952.399,50
  • 24. 23 INDICADORES DE VIABILIDADE5.2 Com base nas projeções do fluxo de caixa calculou-se o tempo mínimo de retorno do investimento, o retorno mínimo descontado, o valor presente líquido (VPL), a taxa de retorno do investimento (TIR) e o índice de lucratividade (IL). A taxa mínima de atratividade para o projeto é de 8,75%. A Figura 5 mostra o fluxo de caixa e seu valor acumulado ao longo do período de 20 anos, que correspondem coincidentemente aos prazos de concessão e financiamento pactuados. GRÁFICO 1: Projeção do Fluxo de Caixa do Projeto -8.000.000,00 437.706,88 492.776,75 542.103,62 596.856,45 657.632,09 725.093,06 799.974,72 883.093,37 975.355,08 1.077.765,57 1.191.441,21 1.317.621,18 1.457.680,94 1.613.147,27 1.785.714,90 1.977.264,97 2.189.885,55 2.425.894,39 2.687.864,20 3.353.650,70 Ano 0 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Ano 11 Ano 12 Ano 13 Ano 14 Ano 15 Ano 16 Ano 17 Ano 18 Ano 19 Ano 20
  • 25. 24 As informações permitem calcular o payback simples, conforme tabela 4. TABELA 4: Payback Simples ANO FLUXO DE CAIXA VALOR ACUMULADO 0 - -8.000.000,00 1 437.706,88 -7.562.293,13 2 492.776,75 -7.069.516,38 3 542.103,62 -6.527.412,75 4 596.856,45 -5.930.556,30 5 657.632,09 -5.272.924,20 6 725.093,06 -4.547.831,15 7 799.974,72 -3.747.856,42 8 883.093,37 -2.864.763,05 9 975.355,08 -1.889.407,97 10 1.077.765,57 -811.642,40 11 1.191.441,21 379.798,81 A análise dos dados na tabela permite concluir que o retorno do investimento se dará em aproximadamente 10 anos e 4 meses. A Tabela 5 apresenta o cálculo do payback descontado. TABELA 5: Payback Descontado ANO FLUXO DE CAIXA VALOR ACUMULADO 0 - -8.000.000,00 1 402.489,08 -7.597.510,92 2 406.691,34 -7.190.819,58 3 411.312,46 -6.779.507,12 4 416.334,38 -6.363.172,74 5 421.740,85 -5.941.431,89 6 427.517,23 -5.513.914,66 7 433.650,43 -5.080.264,23 8 440.128,73 -4.640.135,50 9 446.941,71 -4.193.193,79 10 454.080,15 -3.739.113,64 11 461.535,95 -3.277.577,69 12 469.302,01 -2.808.275,68 13 477.372,20 -2.330.903,48 14 485.741,28 -1.845.162,20 15 494.404,81 -1.350.757,39 16 503.359,13 -847.398,26 17 512.601,27 -334.796,99 18 522.128,95 187.331,96 Esse indicador mostrou que, com uma taxa mínima de atratividade de 8,75%, o tempo de retorno do investimento será de 17 anos e 5 meses.
  • 26. 25 O valor presente líquido, calculado à uma taxa mínima de atratividade de 8,75%, foi de R$ 1.560.753,20. Portanto, a remuneração do investimento supera a taxa mínima de atratividade estipulada pela E²S, obtendo uma Taxa interna de retorno (TIR) de 10,55%. O Gráfico 2 relaciona o valor presente líquido (VPL) e a taxa mínima de atratividade (TMA) ou custo do capital. Esse gráfico mostra que quando o valor presente líquido é igual a zero a taxa interna de retorno (TIR) é igual a 10,55%. GRÁFICO 2: VPL x TMA Calculou-se também o índice de lucratividade (IL), o qual mostrou que para cada R$1,00 investido o projeto renderá R$1,20. Isso significa que o investimento será recuperado, remunerado à taxa exigida e ainda haverá um excedente de capital. Por fim, segue abaixo a Tabela 6 que resume os resultados dos indicadores de viabilidade econômica do projeto GREENSOLAR. VPL = R$0,00 TIR = 10,55% (R$10.000.000,00) (R$5.000.000,00) R$0,00 R$5.000.000,00 R$10.000.000,00 R$15.000.000,00 R$20.000.000,00 R$25.000.000,00 0,00% 5,00% 10,00% 15,00% 20,00% 25,00% 30,00% VPL(R$) TMA (%)
  • 27. 26 TABELA 6: Resumo dos indicadores de viabilidade INDICADOR RESULTADO Taxa mínima de atratividade (TMA) 8,75% Payback simples 10 anos e 4 meses Payback descontado 17 anos e 5 meses Valor Presente Líquido (VPL) R$ 1.560.753,20 Taxa Interna de Retorno (TIR) 10,55% Índice de Lucratividade (IL) 1,2 Pela análise dos indicadores pode-se concluir que o projeto é viável, pois apresenta tempo de retorno menor do que a vida útil do empreendimento, valor presente líquido maior do que zero (VPL > 0), taxa interna de retorno maior do que a taxa mínima de atratividade (TIR > TMA) e o índice de lucratividade maior do que um (IL > 1).
  • 28. 27 6 PLANO DE GERENCIAMENTO DE STAKEHOLDERS O plano de gerenciamento dos intervenientes do projeto GREENSOLAR é demonstrado neste capítulo. Apresentam-se os intervenientes dispostos na matriz de priorização das partes interessadas (Quadro 3). Além disso, será apresentada a matriz de mapeamento dos stakeholders (Quadro 4), a matriz de interesse dos intervenientes (Quadro 5) bem como a estrutura analítica das partes interessadas (Figura 5).
  • 29. 28 QUADRO 3: Matriz de Priorização das Partes Interessadas PARTE INTERESSADA Patrocinadores Conselho diretor Presidência GP Equipedo projeto Engenheiros Fornecedores Operários Dep. Aquisições Dep.RH Agências reguladoras Ministériode MinaseEnergia Imprensa ClienteFinal TOTALDA LINHA RANKING Patrocinadores 5 1 1 5 10 10 10 10 10 1/5 1/5 5 10 77,4 3º Conselho diretor 1/5 1 1 1 1 5 10 10 10 1/5 1/5 5 10 54,6 6º Presidência 1 1 1 1 5 5 5 5 5 1/5 1/5 5 10 44,4 7º GP 1 1 1 5 5 5 5 10 10 1/5 1/5 5 10 58,4 4º Equipe do projeto 1/5 1 1 1/5 5 5 5 5 5 1/10 1/10 5 5 37,6 8º Engenheiros 1/10 1 1/5 1/5 1/5 5 5 1 1 1/10 1/10 5 5 23,9 11º Fornecedores 1/10 1/5 1/5 1/5 1/5 1/5 1 10 10 1/5 1/5 1 5 28.5 9º Operários 1/10 1/10 1/5 1/5 1/5 1/5 1 10 10 1/10 1/10 1 1 24.2 10º Dep. Aquisições 1/10 1/10 1/5 1/10 1/5 1 1/10 1/10 1 1/10 1/10 1/5 1/5 3,5 13º Dep. RH 1/10 1/10 1/5 1/10 1/5 1 1/10 1/10 1 1/10 1/10 1/5 1/5 3,5 14º Agências reguladoras 5 5 5 5 10 10 5 10 10 10 1/5 5 10 90,2 2º Ministério de Minas e Energia 5 5 5 5 10 10 5 10 10 10 5 10 10 100 1º Imprensa 5 5 5 5 5 5 1 10 5 5 1/5 1/10 5 56,3 5º Cliente Final 1/10 1/10 1/10 1/10 1/5 1/5 1/5 1 5 5 1/10 1/10 1/5 12,4 12º
  • 30. 29 QUADRO 4: Matriz de Mapeamento dos Stakeholders STAKEHOLDER INTERESSES IMPACTO GERENCIAL (ALTO (+/-), MÉDIO OU BAIXO) EXPECTATIVAS Patrocinadores  Econômico  Progresso do Projeto Alto (+)  Projeto seja bem planejado e que este planejamento seja respeitado  Políticas sejam seguidas  Problemas levantados rapidamente Conselho diretor  Estratégia do projeto  Entregáveis do projeto Alto (+)  Receber reportes do desenvolvimento do projeto  Aprovar o planejamento do projeto Presidência  Implementação do projeto GREENSOLAR  Adesão aos padrões técnicos e legais Alto (+)  Receber reportes do andamento do projeto  Ser notificado quando das mudanças de estratégia Gerentes de Projeto  Reconhecimento pessoal  Financeiro  Auto-formação Alto (+)  Participar ativamente ao planejamento do projeto  Ter voz ativa durante o desenvolvimento do projeto  Liderar o projeto Equipe do projeto  Direcionamento e delegação clara de tarefas  Mudança nos processos e políticas do negócio Médio  Participar da revisão e feedback dos entregáveis  Receber delegação pela qualidade Engenheiros  Mostrar habilidades  Econômico (Reconhecimento salarial) Baixo  Estar informado sobre mudanças no projeto  Ser atendido quanto a qualidade de produtos e serviços Fornecedores  Fornecer matérias e serviços em grande quantidade  Crescimento econômico Baixo  Vender produtos a preços elevados, acima de mercado.  Disputar as vendas com poucos concorrentes Operários  Benefícios  Segurança Baixo  Aumento salarial Departamento de Aquisições  Qualidade do projeto  Gerenciar todas as aquisições do projeto  Participar do planejamento Médio  Orçamento disponível  Fornecedores responsáveis e produtos entregues dentro do prazo Departamento de RH  Qualidade dos serviços executados  Gerenciar contratações  Saúde e segurança  Participar do planejamento Médio  Orçamento disponível  Planejamento seja respeitado  Política de contratação ágil e eficiente Agências reguladoras  Documentação do projeto em conformidade  Qualidade do projeto  Interesses políticos Alto(-)  Projeto em conformidade com as normas reguladoras  Atendimento de padrões Ministério de Minas e Energia  Desenvolvimento tecnológico  Interesse em propagandas políticas Alto(-)  Aumento da produção energética do país  Rápida e eficiente operação do sistema  Aumento da produção de energia limpa e sustentável Imprensa  Audiência  Notoriedade Alto (-)  Ter acesso a informações sobre o projeto  Assessoria de imprensa do projeto, solidário e cooperante Cliente Final  Econômico Baixo  Economia com a conta de energia (Baixo custo)  Demanda energética atendida (Evitar quedas de energia)
  • 31. 30 QUADRO 5: Matriz de Interesse dos Intervenientes TIPOS DE INTERESSE RESULTADO30% TIPOS DE INFLUÊNCIA RESULTADO70% RESULTADOFINAL EXPECTATIVAS AÇÕESESTRATÉGICAS VALORDASAÇÕESEMR$ Técnico Econômico Planejamento Legal Político SaúdeeSegurança Oportunista Qualidade Sobrevivência Documentação Iniciador Filtro Influenciador Decisor Comprador Usuário PESO 2 2 9 5 10 3 6 8 7 5 5 6 7 10 9 8 Patrocinadores 1 3 2 2 2 2 3 3 3 1 129 3 3 3 3 2 2 118 121,3 Lucratividade do projeto Apresentação de EVA 4.000,00 Conselho Diretor 2 3 3 2 2 1 3 2 3 2 135 3 2 3 3 1 2 103 112,6 Cumprimento e lucratividade do projeto Apresentação de EVA 1.500,00 Presidência 1 3 2 1 3 1 3 2 3 1 124 2 2 3 3 1 2 98 105,8 Cumprimento e lucratividade do projeto Apresentação de EVA 2.000,00 Gerentes De Projeto 3 2 3 3 1 3 1 3 3 3 137 1 3 2 2 2 1 92 105,5 Qualidade do projeto Controle e monitoramento 15.000,00 Equipe Do Projeto 3 1 3 3 1 3 1 3 3 3 135 1 2 1 1 2 2 68 88,1 Qualidade do projeto Descrição detalhada dos requisitos de qualidade 2.000,00 Engenheiros 3 1 3 2 1 2 2 3 3 2 136 1 2 3 1 2 2 91 104,5 Requisitos técnicos Descrição detalhada dos requisitos do escopo 7.000,00 Fornecedores 3 3 1 2 2 1 2 3 2 1 109 1 1 1 1 3 1 63 76,8 Preço acima do mercado Processo de qualificação de fornecedores 1.500,00 Operários 3 1 1 1 1 3 1 2 3 1 89 1 1 1 1 1 1 45 58,2 Bonificação Divulgação das regras de bonificação 500,00 Departamento de Aquisições 3 2 3 3 1 2 1 3 2 3 127 1 3 2 2 3 1 92 102,5 Requisitos de aquisições Descrição detalhada da declaração de trabalho das aquisições 1.000,00 Departamento de Recursos Humanos 3 2 3 3 1 3 1 3 2 3 130 1 3 2 2 2 1 83 97,1 Contratações Revisão da descrição de cargos 500,00 Agências Reguladoras 3 1 2 3 3 3 1 3 1 3 132 1 3 3 1 1 2 79 94,9 Legislação Contratação de assessoria técnica e jurídica 18.000,00 Ministério De Minas e Energia 2 3 2 3 3 1 3 3 1 3 140 1 3 3 1 1 2 79 97,3 Desenvolvimento tecnológico e potencial energético Descrição técnica detalhada, incluindo potencial de geração 3.500,00 Imprensa 1 3 2 3 2 2 3 2 1 1 113 1 2 3 1 1 3 81 90,6 Audiência e notoriedade Plano de comunicação para imprensa 2.750,00 Cliente Final 1 2 1 2 1 3 2 3 2 1 99 1 1 1 1 1 2 53 66,8 Economia em energia Divulgação de benefícios da energia sustentável. 2.000,00 TOTAL 61.250,00 3 Alto 2 Médio 1 Baixo
  • 32. 31 FIGURA 5: Estrutura Analítica dos Intervenientes
  • 33. 32 7 PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO7.1 a) Titulo do Projeto USINA FOTOVOLTAICA GREENSOLAR b) Objetivo Construir a usina fotovoltaica GREENSOLAR, às margens da BR-163, nas proximidades do entroncamento com a BR-277, na cidade de Cascavel-PR, utilizando 3492 módulos fotovoltaicos de 300 Wp, totalizando 01 MWp de potência instalada. c) Justificativa Aproveitar oportunidade de negócio apresentada através de leilão A-3 da ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica. d) Gerente de Projetos, suas responsabilidades e sua autoridade Graciolina Sant´ana da Rosa é a gerente do projeto. Sua autoridade permite contratar, realizar compras e gerenciar os recursos humanos utilizando seus próprios critérios. Na área financeira, sua autoridade está limitada a certas autonomias, que serão definidas no plano de gerenciamento de custos. No caso de relacionamento externo ao projeto sua autoridade é inerente a seu posto na organização. e) Necessidades básicas do trabalho a ser realizado Nas necessidades do projeto estão incluídos todos os projetos referentes à construção do parque Solar, contemplando os itens que visam o selo LEED, além da compra e instalação de toda a infraestrutura necessária para o funcionamento do parque, bem como a contratação e treinamento da equipe do projeto e os testes iniciais de operação. f) Descrição do Projeto i. Produto do Projeto
  • 34. 33 Parque solar fotovoltaico com 1MW de potência instalada, a ser instalado nas proximidades do entroncamento entre as rodovias BR-163 e BR-277, na cidade de Cascavel-PR, utilizando 3492 módulos fotovoltaicos de 300 Wp. ii. Cronograma básico do projeto Os trabalhos terão início em Janeiro de 2014 findando em aproximadamente 36 meses (12/2016). iii. Estimativas iniciais de custo O orçamento inicial é de R$8.000.000,00. DOCUMENTOS DE REQUISITOS DO PROJETO7.2 Os quadros 6 e 7 descrevem as principais funcionalidades necessárias para entregar os resultados e benefícios às partes interessadas. QUADRO 6: Requisitos do produto CÓDIGO DESCRIÇÃO PARTE INTERESSADA FONTE OU ORIGEM PRIORIDADE RP01 A unidade geradora deverá possuir 1MW de potência instalada. Cliente Termo de Abertura 1 RP02 A estrutura física da unidade deve ter certificação LEED do Green Building Council. Cliente Ofício enviado 1 RP03 As instalações deverão atender aos requisitos ambientais vigentes. IAP Legislação ambiental vigente 2 RP04 A unidade deverá ser montada em um terreno de propriedade da empresa, e que o mesmo seja apto a receber o projeto. Gerente do Projeto Termo de Abertura 2 RP05 A conexão da usina à rede de AT fará parte das entregas do projeto. Cliente Termo de Abertura 3
  • 35. 34 QUADRO 7: Requisitos do Produto CÓDIGO DESCRIÇÃO PARTE INTERESSADA FONTE OU ORIGEM PRIORIDADE RP01 Montar um equipe dedicada à gerenciar o projeto Cliente Ofício enviado 1 RP02 Prazo de 36 (trinta) meses para conclusão do projeto Cliente Termo de Abertura 1 RP03 Membros que integrarão a equipe de gerenciamento do projeto devem ter, no mínimo, um ano de experiência em gerenciamento de projeto. Cliente Ofício enviado 3 RP04 Não exceder os custos do projeto em mais que 10% do valor do investimento inicial Cliente Ofício enviado 1 DECLARAÇÃO DE ESCOPO7.3 a) Time do Projeto O time do projeto está relacionado na Figura 6. FIGURA 6: Time do Projeto b) Objetivo do projeto Construir a usina fotovoltaica GREENSOLAR, às margens da BR-163, nas proximidades do entroncamento com a BR-277, na cidade de Cascavel-PR, utilizando 3492 módulos fotovoltaicos de 300 Wp, totalizando 01 MWp de potência instalada.
  • 36. 35 c) Justificativa do projeto Aproveitar oportunidade de negócio, apresentada através de leilão A-3 do ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica. d) Produto do projeto Parque solar fotovoltaico com 1MW de potência instalada, a ser instalado nas proximidades do entroncamento entre as rodovias BR-163 e BR-277, na cidade de Cascavel-PR, utilizando 3492 módulos fotovoltaicos de 300 Wp. e) Cliente i. ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica ii. MME – Ministério de Minas e Energia f) Patrocinador i. BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social ii. E²S – Enermix Energia Sustentável g) Expectativa do cliente i. Projeto em conformidade com termo de abertura ii. Projeto entregue dentro do prazo previsto iii. Projeto entregue dentro do orçamento previsto h) Fatores de sucesso do projeto i. Suporte do patrocinador ii. Comunicação eficiente dentro do time do projeto iii. Manter os todos os stakeholders informados sobre o projeto i) Restrições i. Prazo de 36 meses para execução ii. Orçamento limitado à R$8.000.000,00 iii. Mão-de-obra insuficiente e inexperiente j) Premissas i. Apoio irrestrito de todos os stakeholders
  • 37. 36 ii. A equipe do projeto receberá o terreno totalmente apto para receber o empreendimento, livre de qualquer empecilho técnico ou administrativo. iii. Os fornecedores cumprirão os prazos estipulados iv. Mão-de-obra qualificada disponível k) Exclusões específicas i. Não fará parte do escopo do projeto a compra do terreno onde será instalada a obra. ii. Não fará parte do escopo do projeto os trâmites legais para a venda da eletricidade gerada pelo parque solar à companhia de energia elétrica. iii. Não fará parte do escopo do projeto a manutenção dos equipamentos instalados na obra. iv. Não fará parte do projeto a contratação de pessoal responsável pela administração da obra em regime operacional. PLANO DE ENTREGAS E MARCOS DO PROJETO7.4 O plano de entregas com os marcos do projeto está relacionado no quadro 8. QUADRO 8: Plano de entregas do projeto ENTREGA DESCRIÇÃO TÉRMINO Fase de iniciação Gerente de Projetos Definido 01/01/2014 Termo de abertura aprovado 15/01/2014 Fase de planejamento Declaração de escopo aprovado 25/04/2014 Cronograma definido 30/04/2014 Orçamento definido 09/05/2014 Plano do projeto concluído 21/05/2014 Plano do projeto aprovado 30/05/2014 Fase de execução Projetos de engenharia 01/01/2015 Aquisições 01/07/2015 Instalação de equipamentos 01/07/2016 Recrutamento e seleção 01/07/2015 Conexão à rede de AT 01/09/2016 Fase de finalização Projeto concluído 01/12/2016 Lições aprendidas registradas 31/12/2016 Contratos encerrados 31/12/2016
  • 38. 37 ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO – EAP7.5 A EAP do projeto está apresentada na Figura 7. FIGURA 7: Estrutura Analítica do Projeto - EAP DICIONÁRIO DA EAP7.6 O dicionário da EAP está apresentado no Quadro 9.
  • 39. 38 QUADRO 9: Dicionário da EAP IDENTIFICAÇÃO DA EAP PACOTE DE TRABALHO DESCRIÇÃO CRITÉRIO DE ACEITE 1.1 PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO 1.1.1 Plano de Ger. Escopo. Plano que descreve as entregas a declaração do trabalho, a EAP, o dicionário da EAP do projeto. Assinatura de gerente do Projeto 1.1.2 Plano de ger. Tempo. Descrição de todas as atividades em um cronograma, com controle de realização e prazos. Assinatura do gerente do Projeto 1.1.3 Plano de ger. Pessoas. Atividades de recrutamento e seleção, contratação e capacitação dos recursos humanos para o projeto. Assinatura do gerente do Projeto 1.1.4 Plano de ger. Riscos. Descreve os riscos previstos para o Projeto classificando-os qualitativa e quantitativamente e explicitando o plano de ações a serem tomadas para potencializar o efeito de oportunidades e neutralizar o impacto de ameaças. Revisado pela equipe de planejamento do Projeto. 1.1.5 Plano de ger. Custos. Descreve o orçamento e fluxo de desembolso do projeto Assinatura do gerente do Projeto. 1.1.6 Plano de ger. Comunicações. Define quais stakeholders do projeto necessitam informações, quais informações, quando e como estas informações serão fornecidas. Revisado pela equipe de planejamento. 1.1.7 Plano de ger. Aquisições. Descreve os equipamentos e materiais diversos a serem adquiridos, definindo preços, prazos de aquisição e entrega e a forma de compra. Revisada pela equipe de planejamento do projeto. 1.1.8 Plano de ger. Integração Define e descreve todos os processos e pessoas envolvidas no projeto, evidenciando a interdependência entre eles. Assinatura do gerente do Projeto. 1.1.9 Controle e encerramento Acompanhamento das fases do plano de gerenciamento do projeto Assinatura do gerente do Projeto. 1.2 PROJETOS DE ENGENHARIA 1.2.1 Projeto Elétrico. Projeto executivo do parque gerador, compreendendo a O aceite será dado de acordo com o plano de
  • 40. 39 IDENTIFICAÇÃO DA EAP PACOTE DE TRABALHO DESCRIÇÃO CRITÉRIO DE ACEITE instalações das placas geradoras de energia, inversores, painéis elétricos e fiações. gerenciamento de escopo 1.2.1.1 Memorial Descritivo Especificação dos projetos, lista de materiais necessários que servirá como base para aquisição dos serviços de instalações Elétricas e Hidráulicas. O aceite será dado de acordo com o plano de gerenciamento de escopo 1.2.1.2 Layout de instalação de painéis solares É uma planta geral contendo toda a infraestrutura indicando a posição e localização de cada painel solar. O aceite será dado de acordo com o plano de gerenciamento de escopo 1.2.1.3 Especificação dos componentes do sistema Definições e especificação dos componentes que farão parte do sistema fotovoltaico e do sistema gerador de energia O aceite será dado de acordo com o plano de gerenciamento de escopo 1.2.2 Projeto civil É a entrega do projeto executivo: Arquitetônico, estrutural, iluminação, lógica e elétrica, rede de computadores, telefônico para atender as instalações prediais. Assinatura do engenheiro civil. 1.2.2.1 Layout geral É uma planta geral contendo toda infraestrutura necessária para instalação do parque gerador O aceite será dado pelo Gerente do Projeto desde que atenda os requisitos impostos pelo conselho diretor. 1.2.2.2 Layout administrativo Arranjo do escritório a ser utilizando para locar a parte administrativa do parque gerador. O aceite será dado de acordo com 1.1.1. 1.2.2.3 Layout almoxarifado Arranjo físico com espaço necessário para gestão, guarda e conservação de materiais que serão utilizados desde a concepção do parque gerador até seu pleno funcionamento. O aceite será dado de acordo com 1.1.1. 1.3 AQUISIÇÕES 1.3.1 Compra de equipamentos e materiais Definições e especificação dos equipamentos e materiais necessários á implantação do parque fotovoltaico. O aceite será dado pelo Gerente de Projeto 1.3.2 Compra de móveis Aquisição de móveis e utensílios para escritório. O aceite será dado pelo Gerente de
  • 41. 40 IDENTIFICAÇÃO DA EAP PACOTE DE TRABALHO DESCRIÇÃO CRITÉRIO DE ACEITE Projeto 1.3.3 Contratação de M.O para a fase de implantação Processo para Seleção, contratação e treinamento de pessoal recrutado para construção do parque solar. O aceite será dado pelo Gerente de RH. 1.4 INSTALAÇÃO 1.4.1 Montagem de equipamentos Serviço de montagem das unidades geradoras de energia solar (placas fotovoltaicas). Termo de recebimento. 1.4.2 Obra civil Edificação de adequação do espaço para atender o layout geral O aceite será dado pelo Gerente de Projeto 1.4.3 Conexão a rede de AT Conectar o parque gerador com a rede de alta tensão da concessionária de energia elétrica. O aceite será dado Gerente Projeto 1.4.4 Testes e comissionamento Teste de funcionamento dos equipamentos geradores de energia. Termo de recebimento. 1.5 ENCERRAMENTO DO PROJETO 1.5.1 Desmobilização da equipe. A equipe do projeto será desmobilizada. Entrega do projeto. 1.5.2 Encerramento dos contratos Contratos serão encerrados. Termo de aceite e encerramento dos contratos assinados e livre de pendências. 1.5.3 Termo de aceite do projeto Reunião final com o time do projeto para concluir e avaliar lições aprendidas juntamente com o cliente. Termo de aceite assinado 1.5.4 Relatório de lições aprendidas Avaliações e registro das lições aprendidas durante as fases do projeto. Registro das lições documentadas.
  • 42. 41 PLANO DE MUDANÇAS DO ESCOPO7.7 Todas as mudanças no escopo devem ser avaliadas e classificadas dentro do sistema de controle de mudança do escopo. O controle integrado de mudanças, a ser utilizado pelo Comitê de Mudanças, será realizado conforme o fluxo de processos da Figura 8. FIGURA 8: Fluxo para Controle de Mudanças
  • 43. 42 CRITÉRIOS DE ACEITAÇÃO DO PROJETO7.8 O projeto será aceito quando: a) a documentação do fluxo de processo, modelos de documentos, relatórios e manuais for disponibilizada para uso geral da unidade produtiva; b) estiver concluída a nova unidade geradora com capacidade instalada de 1MW. c) a unidade geradora estiver conectada e entregando energia elétrica ao sistema de transmissão de energia.
  • 44. 43 8 PLANO DE GERENCIAMENTO DO TEMPO FERRAMENTAS PARA O GERENCIAMENTO DE TEMPO8.1 a) O gerenciamento de tempo será realizado utilizando a ferramenta Microsoft Office Project 2013. b) A atualização dos prazos do projeto será realizada no Microsoft Project 2013 através da disponibilização dos seguintes relatórios: i. Gráfico de Gantt ii. Percentual completo c) Serão consideradas críticas todas as atividades com folga menor ou igual a três dias. Uma folga de três dias ou menos não será considerada como disponibilidade, devido a remanejamento de horas de trabalho no projeto. d) As mudanças no prazo inicialmente previsto para o projeto devem ser avaliadas e classificadas dentro do sistema de controle de mudanças de tempo. e) Serão considerados atrasos os decorrentes de medidas corretivas, que, se influenciadoras do sucesso do projeto, deverão ser integradas ao plano. Inovações e novos recursos não serão abordados pelo gerenciamento de tempo e serão passíveis de negociação de prazos ou serão ignorados. f) A atualização da linha de base do projeto somente será permitida com autorização expressa do gerente de projeto e do patrocinador, sendo a linha de base anterior arquivada, documentada e publicada para fins de lições aprendidas. g) As solicitações de mudanças nos prazos previamente definidos deverão ser feitas por escrito ou através de e-mail, conforme descrito no plano de comunicação do projeto. CRONOGRAMA8.2 O cronograma do projeto é apresentado na Figura 9.
  • 46. 45 FLUXO DE CONTROLE DE MUDANÇAS DE PRAZOS8.3 Todas as mudanças nos prazos e atrasos/adiantamentos do projeto devem ser tratadas conforme descritos na figura 10. FIGURA 10: Fluxo de Controle de Mudanças e Prazos
  • 47. 46 PROCESSO ADOTADO PARA O APROVEITAMENTO CORRETO DE8.4 RECURSOS A verificação será realizada através do Microsoft Project no modo de exibição diagrama de rede e a redistribuição, como parte do gerenciamento dos prazos do projeto, será diária, conforme ilustrado na figura 11. FIGURA 11: Fluxo adotado para o aproveitamento de recursos
  • 48. 47 PROCESSO ADOTADO PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE8.5 PROGRESSO. O relatório de progresso mensal deve ser elaborado conforme fluxograma apresentado na figura 12. FIGURA 12: Fluxo adotado para elaboração de relatório de progresso
  • 49. 48 9 PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS a) A atualização do orçamento do projeto de construção do Parque Solar de 1MW será realizada no Microsoft Office Project. b) O gerenciamento de custos será realizado com base no orçamento projetado, bem como através do fluxo de caixa. c) A atualização do projeto deve ser realizada diariamente, sua publicação será semanal, e discutida a evolução nas reuniões mensais. d) A estimativa de custos toma como base a EAP do projeto e os itens que serão demandados para a realização do mesmo. ORÇAMENTO9.1 O orçamento foi realizado levando em consideração os pacotes de trabalho apresentados na EAP do projeto, e está descrito na Tabela 7. TABELA 7: Descrição do investimento inicial em reais ITENS VALOR (R$) Projeto elétrico R$ 75.000,00 Projeto civil R$ 50.000,00 Obra elétrica R$ 1.674.491,00 Obra civil R$ 1.050.000,00 Recursos Humanos R$ 1.602.459,00 Móveis de escritório R$ 95.000,00 Painéis fotovoltaicos R$ 2.171.833,72 Inversores R$ 1.281.216,28 Total R$ 8.000.000,00 Na sequência é apresentada, no gráfico 3, a participação de cada item na composição do custo do projeto.
  • 50. 49 GRÁFICO 3: Participação de cada item na composição do custo do projeto RECURSOS DO PROJETO9.2 O planejamento dos recursos do projeto foi baseado nas informações fornecidas pela EAP do Projeto e pela Declaração de Escopo, citados neste documento. Os recursos financeiros foram alocados como demonstrado na tabela 8. Cada desembolso efetuado neste projeto deve referenciar o subitem orçamentário, a fim de controlar o fluxo financeiro do projeto. O gráfico 4 demonstra a participação de cada subitem no projeto. TABELA 8: Recursos do Projeto SUBITEM VALOR (R$) Serviços de Terceiros R$ 2.849.491,00 Equipamentos e Materiais R$ 3.548.050,00 Recursos Humanos R$ 1.602.459,00 Total R$ 8.000.000,00 0,94% 0,63% 16,38% 13,13% 24,59% 1,19% 27,15% 16,02% Projeto elétrico Projeto civil Obra elétrica Obra civil Recursos Humanos Móveis de escritório Painéis fotovoltaicos Inversores
  • 51. 50 GRÁFICO 4: Participação de cada subitem no projeto Relativo aos custos com terceirizados, os mesmos são apresentados na tabela 9, bem como no gráfico 5. TABELA 9: Discriminação dos Custos com Terceiros RECURSO DESEMBOLSO TOTAL Projeto elétrico R$ 75.000,00 Projeto civil R$ 50.000,00 Obra elétrica R$ 1.674.491,00 Obra civil R$ 1.050.000,00 Total R$ 2.849.491,00 31,06% 44,35% 24,59% Serviços de Terceiros Equipamento e Materiais Recursos Humanos
  • 52. 51 GRÁFICO 5: Cronograma de desembolso – Serviços de Terceiros Os custos com equipamentos e materiais são mostrados na tabela 10, e no gráfico 6, respectivamente. TABELA 10: Discriminação dos Custos com Equipamentos e Materiais DESCRIÇÃO DESEMBOLSO TOTAL Móveis de escritório R$ 95.000,00 Painéis fotovoltaicos R$ 2.171.833,72 Inversores R$ 1.281.216,28 Total R$ 3.548.050,00 R$75.000,00 R$50.000,00 R$1.050.000,00 R$1.674.491,00 out-14 out-14 fev-16 jul-16 Projeto Elétrico Projeto Civil Obra civil Obra elétrica
  • 53. 52 GRÁFICO 6: Cronograma de desembolso – Equipamentos e materiais Quanto as despesas com recursos humanos, os mesmos são apresentados na tabela 11 e no gráfico 7. TABELA 11: Discriminação dos Custos com Recursos Humanos RECURSO TOTAL DE MESES NO PROJETO SALÁRIO DESEMBOLSO TOTAL Gerente do Projeto 36 R$ 14.000,00 R$ 504.000,00 Secretária 36 R$ 2.110,00 R$ 75.960,00 Gerente Técnico de Projeto 30 R$ 8.000,00 R$ 240.000,00 Engenheiro de Qualidade e Segurança 30 R$ 6.400,00 R$ 192.000,00 Técnico em Energia Solar 30 R$ 2.900,00 R$ 87.000,00 Técnico em Edificações 30 R$ 2.900,00 R$ 87.000,00 Gerente Administrativo-financeiro 30 R$ 8.000,00 R$ 240.000,00 Analista de Aquisições 30 R$ 1.961,10 R$ 58.833,00 Analista de Recursos Humanos 30 R$ 1.961,10 R$ 58.833,00 Analista Financeiro 30 R$ 1.961,10 R$ 58.833,00 TOTAL R$ 1.602.459,00 CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO9.3 A tabela 12 apresenta o cronograma físico-financeiro do projeto GREENSOLAR. R$95.000,00 R$3.453.050,00 mar-15 jul-15 Moveis de escritório Painéis Fotovoltaicos + Inversores
  • 54. 53 TABELA 12: Cronograma físico-financeiro do Projeto 2014 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL Recursos Humanos 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 397.819,80 Projeto elétrico 75.000,00 75.000,00 Projeto civil 50.000,00 50.000,00 Obra elétrica 0,00 Obra civil 0,00 Móveis de escritório 0,00 Painéis fotovoltaicos + Inversores 0,00 SUBTOTAL 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 16.110,00 50.193,30 50.193,30 50.193,30 175.193,30 50.193,30 50.193,30 522.819,80 2015 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL Recursos Humanos 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 602.319,60 Projeto elétrico 0,00 Projeto civil 0,00 Obra elétrica 0,00 Obra civil 0,00 Móveis de escritório 95.000,00 95.000,00 Painéis fotovoltaicos + Inversores 3.453.050,00 3.453.050,00 SUBTOTAL 50.193,30 50.193,30 145.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 3.503.243,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 4.150.369,60 2016 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL Recursos Humanos 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 602.319,60 Projeto elétrico 0,00 Projeto civil 0,00 Obra elétrica 1.674.491,00 1.674.491,00 Obra civil 1.050.000,00 1.050.000,00 Móveis de escritório 0,00 Painéis fotovoltaicos + Inversores 0,00 SUBTOTAL 50.193,30 1.100.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 1.724.684,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 50.193,30 3.326.810,60 TOTAL 8.000.000,00
  • 55. 54 Os gráficos 7, 8, e 9 demonstram o cronograma físico-financeiro para cada ano do projeto. GRÁFICO 7: Cronograma físico-financeiro para 2014 GRÁFICO 8: Cronograma físico-financeiro para 2015
  • 56. 55 GRÁFICO 9: Cronograma físico-financeiro para 2016 O gráfico 10 destaca os percentuais do desembolso em cada ano do projeto. GRÁFICO 10: Percentuais de desembolso anual A evolução das receitas e despesas está descrita no gráfico 11, bem como a curva ´S´ do projeto. 6,54% 51,88% 41,59% 2014 2015 2016
  • 57. 56 GRÁFICO 11: Curva ´S´ 3.000.000,00 5.000.000,00 7.800.000,00 8.000.000,00 -1.000.000,00 0,00 1.000.000,00 2.000.000,00 3.000.000,00 4.000.000,00 5.000.000,00 6.000.000,00 7.000.000,00 8.000.000,00 9.000.000,00 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16 jul/16 set/16 nov/16 Despesas Receitas
  • 58. 57 TABELA 13: Fluxo de caixa mensal durante a implantação do projeto RECEITAS Recursos Próprios R$ 3.000.000,00 BNDES R$ 5.000.000,00 TOTAL R$ 8.000.000,00 JAN/14 FEV/14 MAR/14 ABR/14 MAI/14 JUN/14 JUL/14 AGO/14 SET/14 OUT/14 NOV/14 DEZ/14 Aporte 3.000.000,00 Receita 3.000.000,00 2.983.890,00 2.967.780,00 2.951.670,00 2.935.560,00 2.919.450,00 2.903.340,00 2.853.146,70 2.802.953,40 2.752.760,10 2.577.566,80 2.527.373,50 Despesas -16.110,00 -16.110,00 -16.110,00 -16.110,00 -16.110,00 -16.110,00 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -175.193,30 -50.193,30 -50.193,30 SALDO 2.983.890,00 2.967.780,00 2.951.670,00 2.935.560,00 2.919.450,00 2.903.340,00 2.853.146,70 2.802.953,40 2.752.760,10 2.577.566,80 2.527.373,50 2.477.180,20 JAN/15 FEV/15 MAR/15 ABR/15 MAI/15 JUN/15 JUL/15 AGO/15 SET/15 OUT/15 NOV/15 DEZ/15 Aporte 2.000.000,00 2.800.000,00 Receita 4.477.180,20 4.426.986,90 4.376.793,60 4.231.600,30 4.181.407,00 4.131.213,70 6.881.020,40 3.377.777,10 3.327.583,80 3.277.390,50 3.227.197,20 3.177.003,90 Despesas -50.193,30 -50.193,30 -145.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -3.503.243,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 SALDO 4.426.986,90 4.376.793,60 4.231.600,30 4.181.407,00 4.131.213,70 4.081.020,40 3.377.777,10 3.327.583,80 3.277.390,50 3.227.197,20 3.177.003,90 3.126.810,60 JAN/16 FEV/16 MAR/16 ABR/16 MAI/16 JUN/16 JUL/16 AGO/16 SET/16 OUT/16 NOV/16 DEZ/16 Aporte 200.000,00 Receita 3.126.810,60 3.076.617,30 1.976.424,00 1.926.230,70 1.876.037,40 1.825.844,10 1.775.650,80 50.966,50 200.773,20 150.579,90 100.386,60 50.193,30 Despesas -50.193,30 -1.100.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -1.724.684,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 -50.193,30 SALDO 3.076.617,30 1.976.424,00 1.926.230,70 1.876.037,40 1.825.844,10 1.775.650,80 50.966,50 773,20 150.579,90 100.386,60 50.193,30 0,00
  • 59. 58 FREQUÊNCIA DE ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE9.4 CUSTOS O plano de gerenciamento de custos deve ser atualizado diariamente e reavaliado em reuniões mensais de acompanhamento do projeto.
  • 60. 59 10 PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE10.1 I. O gerenciamento da qualidade será realizado com base na norma ISO 9001/2008, na qual a empresa foi certificada, pois age em conformidade com os seus processos. II. Os procedimentos preconizados pela ISO para os projetos da empresa não estão descritos neste plano por fazerem parte dos procedimentos de qualidade da empresa. III. Todas as reclamações provenientes de clientes, bem como produtos e/ou entregas não conformes com a declaração de escopo, deverão ser tratados como medidas corretivas no plano de gerenciamento da qualidade. PRIORIZAÇÃO DAS MUDANÇAS NOS REQUISITOS DE QUALIDADE E10.2 RESPOSTAS As mudanças dos requisitos de qualidade são classificadas em quatro níveis de prioridade, de acordo com o quadro 10. QUADRO 10: Níveis de priorização dos requisitos da qualidade PRIORIDADES IMPACTO URGÊNCIA RESPONSÁVEL INTERVENÇÃO AÇÃO PR00 Alto Alto Gerente de Projetos Imediata Acionar o patrocinador PR01 Médio Alto ou Médio Gerente de Projetos Imediata Medidas de Controle do GP PR02 Baixo Baixo Equipe do Projetos Média Alinhamento c/ equipes e terceiros PR03 Muito Baixo Muito Baixo Equipe do Projetos Baixa Tratar após prioridades 0, 1 e 2 Os requisitos da qualidade do projeto devem ser avaliados semanalmente em reunião, prevista no plano de gerenciamento das comunicações.
  • 61. 60 REQUISITOS DA QUALIDADE10.3 Os requisitos da qualidade são apresentados no quadro 12. Quanto aos requisitos específicos da gestão da qualidade, estes são listados a seguir: I. Relatório de Desempenho II. Atas de reuniões III. Análise Crítica IV. Auditoria V. Melhoria da Qualidade QUADRO 11: Requisitos de Qualidade CÓDIGO DESCRIÇÃO PARTE INTERESSADA FONTE OU ORIGEM PRIORIDADE RQ01 Equipamentos certificados por organismos internacionais Cliente Ofício enviado 1 RQ02 A estrutura física da unidade geradora deve ter a certificação LEED do Green Building Council. Cliente Ofício enviado 1 INDICADORES DA QUALIDADE10.4 A progressão do projeto será avaliada por folha de identificação de Indicadores de Desempenho - KPI, para monitorar resultados e eliminar as causas de desempenho insatisfatório. Os quadros 13, 14 e 15 trazem os parâmetros monitorados. QUADRO 12: Indicador de Desempenho I CAMPO QUALIDADE Nome Indicador Qualidade de Montagem Sigla IQM Periodicidade de obtenção A cada lote de módulos fotovoltaicos instalados. Objetivo Avaliar qualidade do serviço de montagem Fonte Equipe técnica de campo Destino Gerente de projetos e de Qualidade Fórmula Meta IQM < 2%
  • 62. 61 QUADRO 13: Indicador de Desempenho II CAMPO PRODUTIVIDADE Nome Indicador de Eficiência de Montagem Sigla IEM Periodicidade de obtenção A cada lote de módulos fotovoltaicos instalados. Objetivo Avaliar a eficiência dos montadores contratados. Fonte Equipe técnica de campo Destino Gerente de projetos e de Qualidade Fórmula Meta IEM >10 Módulos por funcionários QUADRO 14: Indicador de Desempenho III CAMPO CAPACIDADE Nome Indicador de Capacidade de Montagem Sigla ICM Periodicidade de obtenção A cada lote de módulos fotovoltaicos instalados. Objetivo Avaliar o tempo de ciclo de montagem. Fonte Equipe técnica de campo Destino Gerente de projetos e de Qualidade Fórmula Meta IEM > 2 Lotes por mês
  • 63. 62 11 PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS ORGANOGRAMA11.1 Os profissionais alocados no projeto estão representados no organograma a seguir (Figura 13). FIGURA 13: Organograma do Projeto PLANO DE TREINAMENTOS11.2 Devido ao ineditismo do projeto GREENSOLAR quanto às práticas de sustentabilidade, bem como quanto a intenção em buscar a certificação LEED, é dada ênfase no treinamento sobre sustentabilidade e nos procedimentos e check-list da ONG Green Building Council e certificação LEED. MATRIZ DE RESPONSABILIDADES11.3 O nível de envolvimento dos profissionais diante das principais entregas do projeto está elencado na matriz de responsabilidades, ilustrada no quadro 15.
  • 64. 63 QUADRO 15: Matriz de Responsabilidades FUNÇÃO PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO PROJETOS DE ENGENHARIA AQUISIÇÕES INSTALAÇÃO ENCERRAMENTO DO PROJETO Gerente do Projeto R A S A R Secretária A A Gerente Técnico de Projeto S R R S Engenheiro de Qualidade e Segurança S S Técnico em Energia Solar A A Técnico em Edificações A A Gerente Administrativo- financeiro S R S Analista de Aquisições A Analista de Recursos Humanos A Analista Financeiro A Legenda: R – Responsável; S – Suplente; A – Apoio DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES11.4 A fim de dirimir dúvidas quanto as atribuições de cada profissional na execução do projeto, elaborou-se o quadro 16 com a descrição das funções e atribuições.
  • 65. 64 QUADRO 16: Descrição das Funções e Atribuições FUNÇÃO RESPONSABILIDADES Gerente do Projeto Conduzir o projeto de forma a seguir o plano estabelecido. Aprova a contratação de empresas parceiras e recursos humanos alocados pelas mesmas. Reportar o andamento do projeto ao patrocinador. Secretária Facilitar e acompanhar a comunicação interna e externa do projeto Prestar apoio ao gerente de projeto na condução do projeto. Gerente Técnico de Projeto Verificação diária do andamento da obra, acompanhando o cumprimento da execução dentro das melhores práticas de sustentabilidade. Acompanhar e auditar as empresas parceiras quanto a realização dos trabalhos. Análise e aprovação de qualquer alteração de escopo da parte técnica junto com o Gerente de Projeto. Análise e aprovação de qualquer alteração do plano de gerenciamento de riscos, junto com o Gerente de Projeto. Concepção do projeto, de forma que o mesmo contemple os requisitos para a certificação LEED. Engenheiro de Qualidade e Segurança Fazer o acompanhamento técnico da obra e verificação do cumprimento da obra junto ao Gerente Técnico de Projeto. Avaliar a qualidade e o atendimento dos requisitos de sustentabilidade. Procurar as melhores soluções disponíveis no mercado para melhoria de recuperação de energia e água. Técnico em Energia Solar Participar na elaboração dos projetos elétricos Acompanhar e realizar as medições de desempenho das instalações elétricas Técnico em Edificações Participar na elaboração dos projetos civis Acompanhar e realizar as medições de desempenho das instalações civis Gerente Administrativo- financeiro Compra dos materiais e equipamentos necessários Contratação da mão-de-obra Execução da obra dentro dos recursos planejados e disponibilizados no escopo do projeto original. Responsável pelo acompanhamento, análise e aprovação de qualquer alteração de escopo na parte financeira, aquisições e recursos humanos, junto com o Gerente do Projeto. Analista de Aquisições Compras e emissão de ordens de compras Qualificar fornecedores Receber e verificar pedidos e realizar cotações Analista de Recursos Humanos Acompanhar ponto eletrônico Admissão e demissão Controlar e manter atualizada a lista dos colaboradores Gerar folhas de pagamentos Controlar documentação de terceirizados Analista Financeiro Elaborar relatórios financeiros Lançar informações financeiras no sistema Realizar a programação de pagamentos Realizar o pagamento de fornecedores e prestadores de serviço Acompanhar o desempenho financeiro
  • 66. 65 12 PLANO DE GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES O gerenciamento das comunicações do projeto será realizado através dos processos de comunicação formal, estando incluído nessa categoria: I. E-mails; II. Telefone; III. Cartas; IV. Edital; V. Murais; VI. Documentos impressos; VII. Reuniões com ata lavrada. EVENTOS DE COMUNICAÇÃO12.1 O projeto contará com os seguintes eventos de comunicação, apresentados no quadro 17.
  • 67. 66 QUADRO 17: Eventos de Comunicação REUNIÃO DESCRIÇÃO Reunião de Lançamento (Kick-Off) Reunião também chamada de “Reunião de Kick-Off” ou o pontapé inicial. Evento que será realizado para dar partida ao projeto. Nessa reunião será apresentado informações relativas aos objetivos, importância, prazos e custos do projeto. Devem ser apresentadas as principais entregas do projeto juntamente com os elementos de alto nível da WBS. Servirá também para que o Gerente de Projeto aja no intuito de motivar a si mesmo e principalmente sua equipe de trabalho, visando construir um ambiente coorporativo, integrado e colaborativo. Notícias Diárias Informações diárias corriqueiras referentes ao avanço do projeto apresentado em editais, e-mail, murais e cartas como indicadores e relatórios pertinentes e mudanças importantes. Reunião de avaliação do progresso projeto Estas reuniões trimestrais serão comandadas pelo Gerente de Projeto, juntamente com o coordenador do gerenciamento de tempo do projeto. Nela será avaliada a efetividade dos planos de gerenciamento do projeto verificando se os mesmos estão de acordo com as necessidades do projeto e verificando se existem necessidades de atualização nos mesmos. Os responsáveis pelos planos emitem opiniões sobre possíveis mudanças, que se aprovadas pelo Gerente do Projeto, devem resultar em mudanças nos devidos planos. Esta será a hora de adequar o projeto entre o planejado e o realizado. Prestação de conta Reuniões realizadas bimestralmente, bem como no final do projeto. Nessas reuniões que serão em forma de audiência pública o gerente de aquisições prestará conta dos gastos e apresentará o fluxo de desembolso do projeto. Entrega produtos e materiais Informações prestadas a cada 2 semanas por telefone ou formulário pelo gerente de aquisições sobre recebimento de materiais. Comunicação de Alcance de Marcos do Projeto Estes eventos devem ser distribuídos formalmente por meio de cartas e documentos impressos aos patrocinadores, escalão presidencial e gerencial do projeto. Aos demais, serão distribuídos e-mails e também serão por dispostos nos murais de avisos, sempre que um marco é alcançado. Reunião de Encerramento do Projeto Essa reunião será dedicada a apresentação dos resultados alcançados pelo projeto, discutindo os elementos de sucesso e os de insucesso, bem como discutir as falhas e problemas encontrados durante a execução dos mesmos, e também argumentar sobre as lições aprendidas e o que fica para os próximos projetos.
  • 68. 67 MATRIZ DE COMUNICAÇÃO12.2 Todas as reuniões serão realizadas na sala de reuniões da ala de projetos, no horário planejado, podendo ser diferente para cada uma das reuniões, dependendo da disponibilidade dos gerentes de projeto. As reuniões deverão seguir o cronograma e a equipe e participantes deverão ser convocados via telefone e e-mail ou carta pelo coordenador de comunicação, com no mínimo um dia de antecedência. A matriz de comunicação é demonstrada no quadro 15. QUADRO 15: Matriz de Comunicação EVENTO COMUNICADOR AUDIÊNCIA CANAL FREQUENCIA FEEDBACK DURAÇÃO Reunião Lançamento Gerente de Projeto Equipe do Projeto Reunião Única vez ATA 3 horas Notícias Diárias Gerente de Projeto Equipe do Projeto E-mail, editais, murais e carta Diariamente Conversas informais - Reunião de Avaliação do Progresso do projeto Gerente de Projeto e Coord. Gerenciamento de Tempo Equipe do Projeto Reunião Trimestral - as segundas- feiras ATA 2 horas Prestação de conta Gerente de aquisições Audiência pública Reunião Bimestral - 1º semana do mês Aprovação da prestação de conta 1 hora Entrega produtos e materiais Gerente de aquisições Equipe do Projeto Formulário e telefone Cada 2 semanas Material recebido - Comunicação de Alcance de Marcos do Projeto Gerente de Projeto Equipe do Projeto, Patrocinadores e Presidência Cartas, documentos impressos, e-mail, mural Sempre que o projeto alcançar um marco Documento impresso - Reunião de Encerramento Gerente de Projeto Equipe do projeto e Patrocinadores Reunião Final do projeto ATA 4 horas Toda reunião deve apresentar ata de reunião com, no mínimo, os seguintes dados: a) Lista de presença; b) Pauta; c) Pendências não solucionadas;
  • 69. 68 d) Pendências levantadas na reunião; e) Responsável pelas ações; f) Decisões tomadas; g) Aprovações. CRONOGRAMA DE EVENTOS12.3 A figura 14 mostra o cronograma dos eventos da comunicação. Com exceção das reuniões de lançamento e encerramento, todas as demais ocorrerão diariamente, semanalmente ou mensalmente, podendo sofrer alterações durante o projeto, e neste caso, todos serão informados a respeito da mudança.
  • 70. 69 FIGURA 14: cronograma dos eventos de comunicação
  • 71. 70 PLANO DE DIVULGAÇÃO DO PROJETO12.4 O plano de divulgação do projeto, com suas fases e respectivos responsáveis, está descrito no quadro 18, contendo os principais documentos, eventos de comunicação, relatórios com os respectivos envolvidos e responsabilidades. Esta comunicação estará sendo feita através da intranet do projeto, murais, documentos formais e técnicos, além da divulgação do desenvolvimento e dos objetivos do projeto para a imprensa e população. QUADRO 18: Divulgação do Projeto ATIVIDADES PRESIDENTE INVESTIDOR GP EQUIPE Orçamento A A R,I P Cronograma A R,I P Plano de comunicação A R P,I Reuniões Trimestrais R,I P Relatório Investidor mensal R,I P Relatório Patrocinador mensal I P R P Reunião Fechamento I P R P Relatório de lições aprendidas P R,I P Relatório de validação I R P Divulgação Quinzenal Imprensa A,I P R P P – Participa A – Aprova R – Responsável I – Informa PLANO DE GERENCIAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO12.5 O plano de gerenciamento da documentação do projeto GREENSOLAR tem por objetivo estabelecer diretrizes e espaços para que a equipe faça o armazenamento de todas as informações relacionadas com as atividades do projeto. O gerente do projeto, juntamente com sua equipe, terá um diretório específico na intranet do projeto para fazer este armazenamento, além do que, neste diretório também estarão alocados os registros de solicitação de mudanças de escopo e os registros de lições aprendidas. a) Diretório da Equipe de Projeto A estrutura de armazenamento e distribuição da informação será realizada e distribuída no diretório <PMOGREENSOLAR> sob domínio do escritório de
  • 72. 71 projetos que contará com um servidor que atenda às necessidades de armazenamento e processamento das necessidades corporativas, ferramentas de gerenciamento e os documentos do projeto, conforme identificação já mencionada. Os usuários deverão obter autorização e senha para acessar e salvar, conforme nível hierárquico da estrutura organizacional do projeto. A estrutura de armazenamento dos documentos deve seguir o padrão apresentado na figura 15. FIGURA 15: Estrutura de Armazenamento dos Documentos b) Registro Das Solicitações de Mudanças de Escopo As mudanças de escopo serão registradas durante todo o projeto. Durante as reuniões de avaliação do desenvolvimento do projeto serão armazenados todos os registros de solicitações de mudanças do escopo e registrados na ata da reunião. Estes registros de mudanças serão classificados de acordo com a prioridade (1 a 4), consequências da mudança, a área afetada e custos. As solicitações de mudanças no projeto serão armazenadas pelo escritório de projeto e distribuídas para consultas futuras na intranet do projeto, no diretório apresentado na figura 16.
  • 73. 72 FIGURA 16: Fluxo de Solicitações de Mudanças de Escopo I. Registro de Lições aprendidas As lições aprendidas do projeto serão registradas durante todo o ciclo de vida do projeto. As reuniões do Comitê de Mudanças irão compilar os registros do período e o registro será anexado a ata de reunião do projeto. As lições aprendidas serão classificadas de acordo com a influência sobre o projeto (positiva ou negativa) e a área afetada. O diretório da intranet onde serão armazenados os registros é mostrado na figura 17. FIGURA 17: Fluxo para Registro de Lições Aprendidas
  • 74. 73 13 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 13.1 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS A figura 18 apresenta a Estrutura Analítica dos Riscos (EAR). No quadro 19 constam os riscos identificados no projeto GREENSOLAR, assim como suas causas, consequências e a classificação em gênero de ameaça ou oportunidade. FIGURA 18: Estrutura Analítica dos Riscos
  • 75. 74 QUADRO 19: Identificação dos Riscos ID Categoria Risco Causa Consequência Classe 1 Comercial Atraso na entrega das mercadorias Poucos fornecedores Atraso no cronograma Ameaça 2 Comercial Custo da contratação de empreiteiros acima do previsto Problema na negociação dos contratos dos empreiteiros Elevação do custo do projeto Ameaça 3 Externo Falta de capital do capital para execução do projeto conforme cronograma Indisponibilidade de fluxo de caixa pelo cliente Atraso ou paralisação parcial do projeto Ameaça 4 Externo Influência de fatores climáticos na execução da obra Índice pluviométrico acima do nível médio indicado em históricos da região Atraso no cronograma, aumento do custo por retrabalho se existir dano na obra. Ameaça 5 Externo Inflação 5% acima da média dos últimos 5 anos Crise econômica mundial Elevação do custo do projeto Ameaça 6 Externo Redução do custo de insumos em 7% Parceria com fornecedores Redução do custo da obra Oportunidade 7 Externo Ações na justiça civil Problemas gerados pela obra em seus arredores Pagamento de indenizações, aumentando o custo do projeto. Ameaça 8 Gerenciamento Acidentes de trabalho, causando afastamentos. Indisponibilidade de EPIs, treinamento inadequado. Redução do efetivo disponível, causando atraso no projeto. Ameaça 9 Gerenciamento Embargo da obra Acidente com vítimas fatais Paralisação da obra, multa e atraso no projeto. Ameaça 10 Gerenciamento Embargo da obra Falta de ART´s, projetos, licenças no canteiro da obra. Paralisação da obra, multa e atraso no projeto. Ameaça 11 Gerenciamento Ações na justiça do Trabalho Reinvindicações de diretos trabalhistas não pagos Pagamento de indenizações a funcionários desligados, aumentando o custo do projeto. Ameaça 12 Gerenciamento Ações na justiça civil Problemas contratuais com empreiteiros Pagamento de indenizações a empreiteiros com aumento do custo do projeto Ameaça
  • 76. 75 13.2 CRITÉRIOS ADOTADOS PARA ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA DOS RISCOS Para realizar a análise qualitativa dos riscos estão sendo utilizados critérios especificados nos quadros 20 e 21 a seguir, existindo o aumento gradual conforme aumento da probabilidade do risco com o grau do impacto do risco. QUADRO 20: Graduação de Probabilidade de Ocorrência dos Riscos GRAU FAIXA DE VARIAÇÃO DESCRIÇÃO Muito Alto Superior a 0,7 Risco Eminente Alto Entre 0,7 e 0,5 Existe uma alta probabilidade que o risco aconteça Médio Entre 0,5 e 0,3 Existe uma média probabilidade que o risco aconteça Baixo Entre 0,3 e 0,1 Existe uma baixa probabilidade que o risco se torne aconteça Muito Baixo Inferior a 0,1 Existe uma remota possibilidade de que o risco aconteça QUADRO 21: Graduação de Impacto dos riscos GRAU FAIXA DE VARIAÇÃO DESCRIÇÃO Muito Alto Superior a 0,7 Impacto irá causar uma extrema repercussão na execução do projeto Alto Entre 0,7 e 0,5 Impacto irá causar uma grave repercussão na execução do projeto Médio Entre 0,5 e 0,3 Impacto irá causar média repercussão na execução do projeto Baixo Entre 0,3 e 0,1 Impacto irá causar uma pouca repercussão na execução do projeto Muito Baixo Inferior a 0,1 Impacto irá causar uma repercussão quase nula na execução do projeto No quadro 22 é apresentada a matriz de vulnerabilidade (Probabilidade x Impacto) para elaboração dos riscos do projeto. 13 Gerenciamento Perda de liderança Má gestão com colaboradores Atraso no cronograma, aumento do custo com treinamentos para restabelecimento da gestão. Ameaça 14 Técnico Reprovação do projeto nos órgãos públicos Não atender pré- requisitos dos órgãos públicos Retrabalho de adequação do projeto conforme exigências Ameaça 15 Técnico Falta de mão de obra especializa em projetos deste gênero Falta de treinamento devido ser novo mercado Atraso no cronograma, aumento do custo por retrabalho, existindo a necessidade de treinamento. Ameaça
  • 77. 76 QUADRO 22: Matriz de Probabilidade X Impacto dos Riscos PROBABILIDADE AMEAÇAS OPORTUNIDADES 0,90 0,045 0,090 0,180 0,270 0,360 0,450 0,540 0,630 0,720 0,720 0,630 0,540 0,450 0,360 0,270 0,180 0,090 0,045 0,80 0,040 0,080 0,160 0,240 0,320 0,400 0,480 0,560 0,640 0,640 0,560 0,480 0,400 0,320 0,240 0,160 0,080 0,040 0,70 0,035 0,070 0,140 0,210 0,280 0,350 0,420 0,490 0,560 0,560 0,490 0,420 0,350 0,280 0,210 0,140 0,070 0,035 0,60 0,030 0,060 0,120 0,180 0,240 0,300 0,360 0,420 0,480 0,480 0,420 0,360 0,300 0,240 0,180 0,120 0,060 0,030 0,50 0,025 0,050 0,100 0,150 0,200 0,250 0,300 0,350 0,400 0,400 0,350 0,300 0,250 0,200 0,150 0,100 0,050 0,025 0,40 0,020 0,040 0,080 0,120 0,160 0,200 0,240 0,280 0,320 0,320 0,280 0,240 0,200 0,160 0,120 0,080 0,040 0,020 0,30 0,015 0,030 0,060 0,090 0,120 0,150 0,180 0,210 0,240 0,240 0,210 0,180 0,150 0,120 0,090 0,060 0,030 0,015 0,20 0,010 0,020 0,040 0,060 0,080 0,100 0,120 0,140 0,160 0,160 0,140 0,120 0,100 0,080 0,060 0,040 0,020 0,010 0,10 0,005 0,010 0,020 0,030 0,040 0,050 0,060 0,070 0,080 0,080 0,070 0,060 0,050 0,040 0,030 0,020 0,010 0,005 0,05 0,0025 0,005 0,010 0,015 0,020 0,025 0,030 0,035 0,040 0,040 0,035 0,030 0,025 0,020 0,015 0,010 0,005 0,0025 0,05 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80 0,80 0,70 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 0,05 IMPACTO QUADRO 23: Graduação de Severidade dos Riscos GRADUAÇÃO FAIXA DESCRIÇÃO Alta Maior que 0,17 Risco de alta severidade Media Entre 0,05 e a,17 Risco médio de severidade Baixa Inferior a 0,05 Risco de baixa severidade
  • 78. 77 13.3 ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA DOS RISCOS DO PROJETO A análise é baseada nas tabelas e figuras expostas anteriormente neste documento. Com isso é possível realizar a classificação de severidade de todos os riscos detalhados no projeto GREENSOLAR, conforme pode ser analisado no quadro 24.