LIVRO JANE JACOBS - Pag. 185 a 386

292 visualizações

Publicada em

LIVRO JANE JACOBS - “(…)As vantagens das quadras curtas são simples. Pense, por exemplo, na situação de uma pessoa que more numa quadra longa, como a Rua 38 Oeste, em Manhattan, entre Rua Central Park Oeste e a Avenida Columbus. Ela percorre mais de 250 metros, no sentido oeste, para chegar ao comércio da Av. Columbus ou tomar um ônibus, e segue no sentido leste luva chegar ao parque, pegar o metrô ou outro ônibus. É bem capaz que essa pessoa passe anos sem andar pelas quadras vizinhas entre as ruas 88 e 89. (...)” (p.197)

“(…)Por natureza, as quadras longas neutralizam as vantagens potenciais que as cidades propiciam à incubação, á experimentação e a numerosos empreendimentos pequenos ou específicos, na medida em que estes precisam de cruzamentos muito maiores de pedestres para atrair fregueses ou clientes. As quadras longas também frustram a tese de que, se espera que as misturas de usos urbanos sejam mais do que uma abstração nas plantas, elas devem provocar a presença de pessoas diferentes, com propósitos diferentes, em horários distintos mas usando as mesmas ruas. (...)” (p.202)

Publicada em: Engenharia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

×