Fermentação

3.081 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.081
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fermentação

  1. 1. A Fermentação: Glicólise e Redução do Acido Pirúvico. .
  2. 2. O METABOLISMO CELULAR É o conjunto de reacções químicas essenciais à vida realizadas pelas células de todos os seres vivos. METABOLISMO CELULAR CATABOLISMO Reacções metabólicas em que os compostos orgânicos são degradados em moléculas mais simples, ocorrendo libertação de energia. ANABOLISMO Reacções metabólicas em que ocorre formação de moléculas mais complexas a partir de moléculas mais simples, ocorrendo consumo de energia.
  3. 3. AS REACÕES CATABÓLICAS Existem diversas vias catabólicas capazes de transferir a energia contida nos compostos orgânicos para moléculas de ATP. Nestas vias, intervém compostos, (como o NAD+), que transportam os protões (H+) e electrões (e-) do hidrogénio desde o substrato até um aceptor final. NAD + 2e + 2 H + forma oxidada - + oxidação NADH + H+ redução forma reduzida Reacções Catabólicas Respiração Aeróbia Respiração Anaeróbia Cujo aceptor final de electrões é: Cujos aceptores finais de electrões são: Oxigénio Outras moléculas inorgânicas Fermentação Cujos aceptores finais de electrões são: Outras moléculas orgânicas
  4. 4. A FERMENTAÇÃO E A RESPIRAÇÃO São duas vias catabólicas responsáveis pela transferência de energia de compostos orgânicos (glicose) para moléculas de ATP. Em ambos os processos estão implicadas: Reacções de descarboxilação (perda de dióxido de carbono) Reacções de fosforilação (transferência de fosfato, Pi) Transferências de energia do tipo oxidação – redução.
  5. 5. A FERMENTAÇÃO Processo simples e primitivo de obtenção de energia a partir de compostos orgânicos. Seres anaeróbios facultativos Organismos aeróbios que conservaram a capacidade de recorrer à fermentação para produzir energia, nos curtos períodos em que o oxigénio não se encontra disponível. Seres anaeróbios obrigatórios São seres que têm na fermentação a sua única fonte de obtenção de energia. A fermentação ocorre na hialoplasma das células e compreende duas etapas: Glicólise: conjunto de reacções que degradam a glicose até ácido pirúvico ou piruvato. Redução do piruvato: conjunto de reacções que conduzem à formação dos produtos da fermentação (etanol, ácido láctico, ácido acético, etc.).
  6. 6. A GLICÓLISE
  7. 7. A GLICÓLISE As moléculas de glicose vão sofrer uma série de reacções durante um processo denominado glicólise que é comum à respiração e à fermentação . A glicólise ocorre no citoplasma das células. Na glicólise, a glicose é parcialmente oxidada , formando por cada molécula: Duas moléculas de ácido pirúvico (ou piruvato), constituídas por 3 átomos de carbono cada, que ainda contêm grande quantidade de energia nas suas ligações. Duas moléculas de NADH, a partir da redução do NAD+. Quatro moléculas de ATP , embora sejam consumidas duas moléculas de ATP na fase inicial, para activar o processo.
  8. 8. A REDUÇÃO DO ÁCIDO PIRÚVICO
  9. 9. A REDUÇÃO DO ÁCIDO PIRÚVICO Os produtos finais da fermentação alcoólica e da fermentação láctica diferem em função das reacções que ocorrem a partir do ácido pirúvico. Fermentação Alcóolica: O ácido pirúvico experimenta a descarboxilação, libertando dióxido de carbono. O composto formado é reduzido a etanol, um composto formado por 2 átomos de carbono. Intervém o NADH formado na glicólise que é oxidado novamente a NAD+. Fermentação Láctica: – O ácido pirúvico experimenta redução ao combinar-se com os átomos de hidrogénio transportados pela molécula de NADH. – Forma-se ácido láctico, composto com três átomos de carbono. Podem existir outros tipos de fermentação: Fermentação acética: o produto final é o ácido acético (ex.: vinagre). Fermentação butírica: o produto final é o ácido butírico (ex.: provoca a alteração da manteiga).
  10. 10. O RENDIMENTO ENERGÉTICO DA FERMENTAÇÃO O rendimento energético da fermentação, quer alcoólica quer láctica é de 2 ATP resultantes da glicólise. Grande parte da energia da glicose permanece nas moléculas de etanol ou de ácido láctico compostos orgânicos altamente energéticos. Globalmente, pode traduzir-se a fermentação alcoólica e a fermentação láctica pelas seguintes equações químicas: Fermentação Alcoólica: Glicose + 2 ADP + 2 Pi 2 Etanol + 2 CO 2 + 2 ATP Fermentação Láctica: Glicose + 2 ADP + 2 Pi 2 Ácido láctico + 2 ATP
  11. 11. A FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA E LÁCTICA
  12. 12. A FERMENTAÇÃO E O EXERCÍCIO FÍSICO INTENSO Em caso de exercício físico intenso, as células musculares humanas, por não receberem oxigénio em quantidade suficiente, podem realizar a fermentação alcoólica, além da respiração aeróbia. Desta forma, conseguem sintetizar uma quantidade suplementar de moléculas de ATP. A acumulação de ácido láctico nos músculos é responsável pelas dores musculares que surgem durante estes períodos de intenso exercício. O ácido láctico assim formado é rapidamente metabolizado no fígado, sob pena de se tornar altamente tóxico para o nosso organismo.
  13. 13. APLICAÇÕES PRÁTICAS DA FERMENTAÇÃO Os mecanismos de fermentação nos microrganismos, além de permitirem mobilizar energia contida em moléculas orgânicas, como a glicose, conduzem também à síntese final de substâncias que têm sido utilizadas para proveito humano. Fabrico de Pão: O CO2 libertado na fermentação alcoólica fica aprisionado na massa conferindo ao pão cozido o seu aspecto alveolar. O álcool produzido evapora-se durante o cozimento da massa. Fabrico de Bebidas Alcoólicas: O CO2 é libertado e o álcool acumula-se. No fabrico de vinho as leveduras encontram-se nas uvas e no fabrico da cerveja as leveduras encontram-se nos grãos de cereais. Fabrico de Produtos Lácteos e Fermentados: A fermentação láctea é responsável pelo azedar e coagular do leite. O ácido láctico mudando o pH do meio provoca a coagulação das proteínas do leite.

×