Ecossistemas em mudanca sucessao ecologica

479 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
479
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ecossistemas em mudanca sucessao ecologica

  1. 1. As comunidades naturais mudam ao longo do tempo, substituindo-se umas às outras numa dada área. Além disso a vida pode instalar-se e proliferar em locais que nunca foram povoados anteriormente, é o que acontece com as ilhas vulcânicas, que, dada a sua origem, eram inicialmente desprovidas de vida. Como são colonizadas as ilhas por seres vivos? Figura 1 – A instalação da vida nas ilhas de origem vulcânica.
  2. 2. A dispersão dos seres vivos a longa distância pode ser realizada de diversas formas: pelo mar, o caso de sementes e frutos que suportam bem a água salgada; há animais terrestres que podem viajar transportados por troncos, que funcionam como verdadeiras jangadas; pelo ar, como é o caso dos esporos e sementes de algumas plantas e muitos insectos. As aves aproveitam correntes de ar favoráveis para vencer longas distâncias e transportam inúmeros organismos vivos consigo, sementes presas nas penas e no bico, ou sementes não digeridas juntamente com a fezes, no exterior. libertadas Figura 2 – Processos de colonização de locais longínquos, pelos seres vivos.
  3. 3. Os primeiros seres vivos a fixarem-se numa região anteriormente não habitada são geralmente organismos pouco exigentes e constituem a comunidade pioneira. Sobre as rochas nuas ou sobre a fina película de solo resultante da acção dos agentes erosivos sobre a rocha-mãe, a comunidade pioneira é muitas vezes constituída por líquenes. Os líquenes elaboram substâncias que atacam as rochas, contribuindo assim para a abertura de fendas, que vão sendo preenchidas por poeiras e produtos resultantes da decomposição dos próprios líquenes. Origina-se deste modo um solo simples. Figura 3 – Os líquenes facilitam a erosão das rochas.
  4. 4. Após as chuvas, o solo formado retém água, e nele podem viver, então, os musgos ou podem germinar sementes de plantas herbáceas. As raízes das plantas penetram nas fendas das rochas. Excrementos de aves e de outros animais migradores podem também enriquecer o solo assim constituído. Na colonização de zonas estéreis intervêm vários agentes, como o vento, a água e os próprios seres vivos. Figura 4 – Os musgos continuam o processo erosivo iniciado pelos líquenes.
  5. 5. Os seres vivos da comunidade pioneira mudam gradualmente as condições do meio, o que permite que outras espécies se fixem, substituindo progressivamente as espécies pioneiras. Vão-se sucedendo comunidades mais estáveis e duradouras – comunidades seriais, até à instalação de uma comunidade final, comunidade clímax. A evolução gradual que ocorre num ecossistema, desde uma comunidade inicial simples até outras comunidades mais complexas, duradouras e estáveis, tem o nome de sucessão ecológica. Se a sucessão ecológica se inicia numa área anteriormente Número de espécies estéril, é chamada sucessão primária. Figura 5 – Variação do número de espécies de plantas numa sucessão primária no Alasca.
  6. 6. Por vezes, devido a catástrofes naturais ou à intervenção humana, a comunidade final pode ser destruída ou, pelo menos, parcialmente aniquilada. Subsequentemente, uma nova comunidade pode surgir nesse local e evoluir no tempo, constituindo este processo uma sucessão secundária. Os ecossistemas são, pois, estruturas dinâmicas, cujas comunidades e respectivas interacções estão em permanente alteração. Figura 6 – Catástrofes que podem destruir total ou parcialmente a comunidade clímax.

×