Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Pataias
Ano Letivo de 2011/12
Ciências Naturais – 9º ano de escolaridade
Ficha Informa...
Na boca o alimento fica muito pouco tempo, pelo que nem todo o amido é transformado em
maltose pela amilase salivar, esta ...
Assim, assiste-se apenas à digestão química de algumas proteínas:

Proteínas

Péptidos
Pepsina

E

E há uma digestão muito...
A bilís não contém enzimas, mas os sucos intestinal e pancreático, no seu conjunto, apresentam
proteases, lipases, amilase...
DIGESTÃO MECÂNICA
Mistura do quimo com os sucos pancreático, intestinal e com a bilis, por movimentos pendulares.

Movimen...
2- Digestão dos Prótidos

Proteínas

Péptidos
Proteases

Péptidos

Aminoácidos
Peptidases

3- Digestão dos Lípidos

a) Emu...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Digestão

1.050 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.050
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Digestão

  1. 1. Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Pataias Ano Letivo de 2011/12 Ciências Naturais – 9º ano de escolaridade Ficha Informativa A Fisiologia da Digestão A digestão é um processo sequencial e progressivo que se inicia na boca e continua ao longo do tubo digestivo até ao intestino delgado. ☺ A DIGESTÃO NA BOCA DIGESTÃO MECÂNICA Mastigação – os dentes cortam, rasgam e esmagam os alimentos, em partículas mais pequenas para serem deglutidas sem sufocação, o que facilita também a digestão química. Insalivação – a língua ajuda a misturar os alimentos com a saliva, o que facilita a mastigação pois os alimentos ficam mais moles. Ao mesmo tempo que se dá a digestão mecânica, decorre a digestão química ... DIGESTÃO QUÍMICA Na boca só há digestão de glícidos e apenas de amido, sendo a reação de transformação simplificada do seguinte modo: G G G G G G Amido Maltose Amilase Salivar
  2. 2. Na boca o alimento fica muito pouco tempo, pelo que nem todo o amido é transformado em maltose pela amilase salivar, esta ação continua, contudo, até ao estômago, porque a saliva envolve o bolo alimentar, acompanhando-o durante todo o processo de deglutição, possibilitando que mais algum amido seja convertido em maltose. DEGLUTIÇÃO – passagem do bolo alimentar para o estômago, por uma onda de contrações musculares da parede do esófago – ondas peristálticas ou movimentos peristálticos. A deglutição fica completa quando a cárdia fecha e o bolo alimentar cai no estômago. ☺ A DIGESTÃO NO ESTÔMAGO DIGESTÃO MECÂNICA Cárdia Piloro Mistura dos alimentos com o suco gástrico, o que leva à sua fragmentação. Evacuação do quimo para o intestino delgado, sob a forma de jatos intermitentes, por movimentos peristálticos, na direção cárdia-piloro. Ao mesmo tempo que se dá a digestão mecânica, decorre a digestão química ... DIGESTÃO QUÍMICA No estômago o bolo alimentar vai encontrar o suco gástrico ou estomacal, com a seguinte composição: • Uma protease, a pepsina, com rendimento máximo em meios com pH ácido. • Lipase gástrica ou estomacal. • Ácido clorídrico, que dissolve alguns alimentos e cria a acidez necessária para a atuação das enzimas estomacais. Mata a maioria das bactérias ingeridas com os alimentos. • Muco, que protege as paredes do estômago da ação do próprio suco estomacal.
  3. 3. Assim, assiste-se apenas à digestão química de algumas proteínas: Proteínas Péptidos Pepsina E E há uma digestão muito pequena de lípidos: Lípidos Ácidos Gordos + Glicerol Lipase Gástrica No estômago para a digestão de glícidos, concretamente de amido, pois a amilase salivar fica inativa, é incapaz de atuar no meio ácido existente no estômago. Como resultado da digestão mecânica e química no estômago forma-se uma massa semilíquida, o quimo, com a seguinte composição: • Amido, pois nem todo foi digerido na boca. • Maltose, que resultou da digestão de algum amido pela amilase salivar. • Outros dissacarídeos que eventualmente tenham sido ingeridos, ex: sacarose e lactose. • Proteínas, pois nem todas sofreram digestão química no estômago, por falta de enzimas específicas. • Péptidos, resultantes da digestão de algumas proteínas pela ação da pepsina. • Lípidos, pois a digestão destes no estômago não é significativa. • Ácidos gordos e glicerol, fruto de alguma digestão de lípidos no estômago. • Água, Sais minerais e Vitaminas, que já se encontram em formas simples e passam ao longo do tubo digestivo sem sofrer qualquer digestão. ☺ A DIGESTÃO NO INTESTINO DELGADO Muitos nutrientes estão ainda por converter às suas formas mais pequenas e simples, mas o quimo vai agora encontrar no duodeno três sucos digestivos que vão completar a digestão química de todos os grupos de nutrientes: suco intestinal ou entérico, o suco pancreático e a bílis.
  4. 4. A bilís não contém enzimas, mas os sucos intestinal e pancreático, no seu conjunto, apresentam proteases, lipases, amilase e dissacaridases (maltase, lactase e sacarase), que completam a digestão química dos nutrientes, no intestino delgado. As enzimas dos sucos intestinal e pancreático não atuam no pH ácido do quimo, sendo assim, este pH é neutralizado, tornado alcalino, por uma substância existente no suco pancreático. Atuação da bílis na emulsão dos lípidos A bílis não contém enzimas, emulsiona os lípidos. E E E E E A bílis emulsiona os lípidos E E E E E E Apesar de não conter enzimas, a bílis tem um papel extremamente importante na digestão dos lípidos, por isso, a grande digestão de lípidos tem que esperar pela chegada ao duodeno, onde a bílis é descarregada pela vesícula biliar. A bílis emulsiona os lípidos, isto é, desdobra as grandes gotas lipídicas em pequenas gotículas, evitando que elas se agreguem de novo numa grande gota. Assim, agregados na forma de pequenas gotículas, um maior número de lípidos fica acessível ao contacto direto com as lipases, que se ligam a eles e os desdobram ou digerem, mais rapidamente, em ácidos gordos e glicerol. A bílis é assim facilitadora da digestão dos lípidos pelas lipases.
  5. 5. DIGESTÃO MECÂNICA Mistura do quimo com os sucos pancreático, intestinal e com a bilis, por movimentos pendulares. Movimentos pendulares – os conteúdos intestinais deslocam-se para diante e para trás, progredindo vagarosamente para o Intestino Delgado por contrações e relaxamentos pendulares, sem deslocação significativa para a frente. Movimentos peristálticos - para evacuação do conteúdo intestinal para o Intestino Grosso. Os movimentos peristálticos intensificam-se após ter ocorrido a maior parte da absorção do quilo. DIGESTÃO QUÍMICA Deve-se à ação combinada do suco pancreático, intestinal e da bilis, dando-se um grande número de reações químicas: 1- Digestão dos Glícidos Amido Maltose Amilase Pancreática Maltose Glicose + Glicose Maltase Lactose Glicose + Galactose Lactase Sacarose Glicose + Frutose Sacarase
  6. 6. 2- Digestão dos Prótidos Proteínas Péptidos Proteases Péptidos Aminoácidos Peptidases 3- Digestão dos Lípidos a) Emulsão das gorduras pela bilis. b) Ação das lipases Lípidos Ácidos Gordos + Glicerol Lipases A digestão é mais intensa no duodeno, formando-se uma massa líquida, o quilo, constituída pelos nutrientes nas suas formas mais simples e prontos a serem absorvidos. A absorção é mais intensa no jejuno e está relacionada com as características da parede interna do intestino delgado. ☺ NO INTESTINO GROSSO ... Todas as substâncias que não forem absorvidas passam para o Intestino Grosso, aqui é armazenado o material fecal antes da defecação, há desidratação deste material com consequente absorção de água.

×