SlideShare uma empresa Scribd logo

Fichamento (1) memória e patrimônio cultural einaudi

1 de 4
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS – ECI
                 DISCIPLINA: DIG TGI034 - Memória e Patrimônio Cultural
                 PROFESSOR: Rene Lommez Gomes
                 ALUNA: Rita de Cássia Gonçalves – 4º Período/Biblioteconomia/Noturno
                 ATIVIDADE: Fichamento (1)
                 DATA: 01 de outubro de 2012

    “ Se os mais moços esquecessem as histórias de seus ancestrais, em breve suas culturas se
                        perderiam para sempre”. ( ANGELLES, Jean )

                “Na prática, a arte da memória é uma arte da linguagem”. (texto)

       Ao buscar o termo ‘Mémória’ em dicionário comum                é possível encontrar vários
significados, entre eles “ faculdade de reter as ideias, impressões e conhecimentos adquiridos
anteriormente”, ou “ lembrança, reminiscência, recordação” (Aurélio, 1986).             Vejamos as
abordagens do texto que tratam do assunto :
           Memória: Atlas, Coleção, Documento/monumento, Fóssil, Memória, Ruína/restauro.


       O conceito de memória exposto “ faculdade de conservar os vestígios do que pertence já em
si a uma época passada. Este não é diferente do que vimos no dicionário certamente , no entanto,
traz consigo distinções: a memória da espécie, inerente a todos os seres vivos, no caso dos fósseis,
e também a memória individual, que ‘adquire no homem dimensões e possibilidades’, ou seja, de
entrar em sintonia com seus semelhantes por meio de objetos e linguagem. Essa memória humana
não é repassada biologicamente de pai para filho, trata-se da memória coletiva , ‘criações exteriores
ao próprio organismo’, ‘relatos que passam de narrador em narrador’, e que mantém no geral suas
propriedades; encontram-se presentes também        na escrita, na linguagem , desenhos, quadros,
esculturas, entre outros. Vale dizer até mesmo que o homem vive de um passado inscrito, presente
sob a “forma de resíduo’ e remodelado às necessidades do dia a dia, conservando-o e , quando
modificado o fazem no sentido de restaurá-lo à luz do que já foi um dia.
        A memória é um local privilegiado diríamos, para o acesso das recordações, imagens,
relíquias ; a possibilidade presente de relacionar-se com o passado , ainda que de uma maneira
limitada, haja visto que existem “brechas”, dúvidas, e uma reconstrução sensível do que se passou
é quase sempre ‘imperfeita’ . Platão, filósofo grego separou o mundo sensível, cópia (imperfeita)
do mundo inteligível, perfeito, imutável, verdadeiro e sublime para evocar as reminiscências.
       As sociedades do passado só podem ser conhecidas e decodificadas através dos seus
“restos”, não no sentido pejorativo do termo e sim sob o olhar dos objetos produzidos
individualmente e ou coletivamente presente nos fósseis, documentos, monumentos, obras escritas,
desenhadas, simbolizadas de uma maneira ou outra. Daí a necessidade de buscar nestes objetos
simbólicos característicos de regiões, gêneros , a própria história da humanidade. Essa busca é
incansável, imprecisa e ao mesmo tempo permitida por meio das “recordações coletivamente
materializadas”, logo, a sociedade do presente só poderá ser conhecida e reconhecida se deixar
seus registros , feitos e vestígios para a posteridade.
        A linguagem é o elemento por excelência - essencial para a efetivação da tradição oral
(muito antiga), que repassa de indivíduos para futuras gerações o material constitutivo da
memória coletiva e transgeracional. Sem a             linguagem os seres humanos não entrariam em
“contato” com os seus antepassados. A oralidade seria uma ponte entre o agora (presente) e o
passado vivenciado ou não pelos mesmos indivíduos.
        Para se dar conta da produção material dos objetos do passado existem elaborações , ou
construções de “conjunto de objetos naturais ou artificiais afastados dos circuitos de utilização”,
denominadas COLEÇÕES. As coleções são exposições protegidas e que servem para resgatar a
memória coletiva. Neste contexto, à vista dos homens cada item da coleção alcança sua recordação
e dimensão que se encontra latente.
        Os documentos/monumentos passam a existir quando ocorre uma passagem (quase que um
ritual) de utilidade dos objetos (vestígios, imagens ou relíquias ) para formarem uma coleção,
podendo ser vistos, conhecidos e reconhecidos (no caso dos fósseis ) , interpretados, revelados,
apreciados, e relacionados com o mundo que os incorporava. O sujeito do conhecimento presente
esforça-se para resgatar com autenticidade um mundo não experimentado por ele, mas que
certamente deixou marcas e o influencia.
        A escrita é de suma importância desde o seu nascimento (invenção) , no passado foi
instrumento de comunicação com as divindades , mais tarde serviria para ‘transmitir mensagens’
aos homens do futuro. O presente relaciona-se com o passado por meio de textos escritos, sendo
que existem vários tipos de documentos acumulados, organizados, identificados ,                     possuindo
uma ‘duração’, permitindo um olhar diferente ao do passado . A tradição oral que outrora estava
fortemente vinculada à narrativa e ao seu narrador se fazia atemporal e imediata.
        Os Atlas compreendem um tipo de documento - são cartas geográficas oriundas das
viagens e expedições exploratórias ocorridas por marinheiros, aventureiros e mesmo “autoridades”
que pretendiam estudar terras distantes, a superfície do globo terrestre. Eles registram e transmitem
uma complexidade histórica, representam “ o lado invisível do tempo e do espaço”.
        O conceito de ruína/restauro no contexto da memória pode ser entendido apenas como
‘parte’ daquilo que chega até nós. De fato, os vestígios (imagens, relíquias) viajam no tempo e
compreendem algo muito maior que pode ser reevocado, porém amplo demais para ser captado
em toda a sua integridade, “a completude original perdida”. O interesse pela ruína só ocorre para
permitir uma relação entre passado e presente. Ressuscita-se o passado. ( Abro um parêntese aqui,
consequentemente um desabafo , porque existe algo que muito me incomoda. As guerras atuais que varrem o Oriente
Médio , em especial, o Iraque e o Afeganistão, além dos seres humanos , destroem cidades inteiras, coleções, obras de
arte são saqueadas , patrimônio cultural da humanidade, berço das primeiras civilizações e no, entanto , não se leva
em consideração este valor cultural, quando os interesses, políticos, econômicos e ideológicos se mostram mais
atrativos. Ao meu ver, este descaso ocorre porque os beligerantes ocidentais não se enxergam como parte constitutiva
dessa sociedade; pelo contrário dizem que travaram guerras porque estes povos destruíram um símbolo da sociedade
ocidental , ‘liberdade de expressão’, depois da queda das Torres Gêmeas).
        Quanto ao restauro, ou seja, da reconstrução do objeto ao estado material originário, a
princípio limitado aos textos escritos e às obras dos Antigos , dá-se um trabalho de comparação :
cópias do mesmo manuscrito e algumas obras que mostram semelhanças evidentes. Por muito
tempo somente objetos representativos muito valorizados , os greco-romanos e posteriormente os
manuscritos medievais. Atualmente restaura-se os monumentos, respeitando as mudanças que
sofreram com o tempo, e o que é importante, ressalta-se as partes restauradas daquelas que se
mantém conservadas com as características originais.
        Na atualidade, perdeu-se a ideia de que todo texto tenha “um sentido originário”, único;
cede-se espaço à concepção hermenêutica, interpretativa, caráter aberto de que uma obra permita
várias leituras sobre ela. O mundo mudou, e consequentemente o diálogo com a memória coletiva
do passado se mostra alterado, “ mais longo, mais rico, e bem mais datado”. Vale dizer que a
contemporaneidade possui uma memória ‘mais rica que nunca’, mas também, vulnerável, uma vez
que depende das conjunturas econômicas, políticas e militares.
        Um apelo ético e moral se faz jus para a manutenção daquilo que a humanidade recebe e
notadamente precisa ‘transmitir em boas condições’, caso contrário, o futuro não encontrará “na
sua memória documentos e monumentos suficientes para formarem ideias muito claras acerca do
nosso presente tornado o seu passado”. Em outras palavras, a atualidade trata dos suportes
materiais da memória coletiva e transgeracional enriquecida com elementos novos (tecnologia), ou
mesmo        subjetivos . Compete às pessoas conscientizarem-se de                             que ao tratá-los
(documentos/monumentos, coleção, livros, atlas, fósseis e ruínas) com seriedade e respeito estarão
pensando no patrimônio cultural que deixarão para posteridade. Isso realmente é, ao meu ver um
grande desafio para todos os profissionais, cidadãos e para as autoridades finalmente .




REFERÊNCIA


ENCICLOPÉDIA EINAUDI. Memória: Atlas, Coleção, Documento/monumento, Fóssil, Memória,
Ruína/restauro . Volume 42. p. 507-516 .
Fichamento (1) memória e patrimônio cultural   einaudi
Anúncio

Recomendados

Ressonancia jose reginaldo
Ressonancia jose reginaldoRessonancia jose reginaldo
Ressonancia jose reginaldoJunior Pacifico
 
História e memória marize cunha
História e memória marize cunhaHistória e memória marize cunha
História e memória marize cunhaMarize da Cunha
 
Palestra: A leitura e suas práticas
Palestra: A leitura e suas práticasPalestra: A leitura e suas práticas
Palestra: A leitura e suas práticasLuiz Agner
 
Entre memória e história
Entre memória e históriaEntre memória e história
Entre memória e históriaJúlio Rocha
 
Fichamento (4) memória e patrimônio texto pierre nora
Fichamento (4) memória e patrimônio   texto pierre noraFichamento (4) memória e patrimônio   texto pierre nora
Fichamento (4) memória e patrimônio texto pierre noraRita Gonçalves
 
Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"
Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"
Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"Adriana Barreiros
 
Candau 0908 memória e identidade do individuo
Candau 0908 memória e identidade do individuoCandau 0908 memória e identidade do individuo
Candau 0908 memória e identidade do individuoDany Pereira
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (16)

Ler e escrever na cultura digital
Ler e escrever na cultura digitalLer e escrever na cultura digital
Ler e escrever na cultura digital
 
Seminário de historia e memória -
Seminário de historia e memória - Seminário de historia e memória -
Seminário de historia e memória -
 
Hannerz
HannerzHannerz
Hannerz
 
Visita virtual no Museu
Visita virtual no MuseuVisita virtual no Museu
Visita virtual no Museu
 
Antropologia dos objetos_v41
Antropologia dos objetos_v41Antropologia dos objetos_v41
Antropologia dos objetos_v41
 
1376282672487
13762826724871376282672487
1376282672487
 
Reflexões sobre gesto etnográfico
Reflexões sobre gesto etnográficoReflexões sobre gesto etnográfico
Reflexões sobre gesto etnográfico
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Faces da história
Faces da históriaFaces da história
Faces da história
 
Prática curricular iv fontes escritas...
Prática curricular iv   fontes escritas...Prática curricular iv   fontes escritas...
Prática curricular iv fontes escritas...
 
Etografia com imagens
Etografia com imagensEtografia com imagens
Etografia com imagens
 
História - Introdução 2014 ok
História - Introdução 2014 okHistória - Introdução 2014 ok
História - Introdução 2014 ok
 
28199 texto do artigo-85152-1-18-20200927
28199 texto do artigo-85152-1-18-2020092728199 texto do artigo-85152-1-18-20200927
28199 texto do artigo-85152-1-18-20200927
 
A literatura e a história
A literatura e a históriaA literatura e a história
A literatura e a história
 
Ambientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadania
Ambientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadaniaAmbientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadania
Ambientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadania
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 1 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 1 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 1 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 1 - Versão Professor
 

Semelhante a Fichamento (1) memória e patrimônio cultural einaudi

A razão Patrimonial na Europa do século XVIII ao XXI _ Dominique Poulot
A razão Patrimonial na Europa do século XVIII ao XXI_ Dominique PoulotA razão Patrimonial na Europa do século XVIII ao XXI_ Dominique Poulot
A razão Patrimonial na Europa do século XVIII ao XXI _ Dominique PoulotDany Pereira
 
PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOS
PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOSPRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOS
PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOSJorge Marcos Oliveira
 
Aulas história 6_ano
Aulas história 6_anoAulas história 6_ano
Aulas história 6_anotyromello
 
África: o berço da humanidade
África: o berço da humanidadeÁfrica: o berço da humanidade
África: o berço da humanidadeTyrone Mello
 
Seminário de historia e memoriaTEMA: ANALISE DO TEXTO " A HISTÓRIA CATIVA DA ...
Seminário de historia e memoriaTEMA: ANALISE DO TEXTO " A HISTÓRIA CATIVA DA ...Seminário de historia e memoriaTEMA: ANALISE DO TEXTO " A HISTÓRIA CATIVA DA ...
Seminário de historia e memoriaTEMA: ANALISE DO TEXTO " A HISTÓRIA CATIVA DA ...Cristiano Gomes Lopes
 
Seminário de historia e memória - PHOFHISTÓRIA - UFT - ARAGUAINA
Seminário de historia e memória - PHOFHISTÓRIA - UFT - ARAGUAINASeminário de historia e memória - PHOFHISTÓRIA - UFT - ARAGUAINA
Seminário de historia e memória - PHOFHISTÓRIA - UFT - ARAGUAINACristiano Gomes Lopes
 
Jogos da memória
Jogos da memóriaJogos da memória
Jogos da memóriaAna Rocha
 
Artigo para revista cadernos de história a reconstituição histórica dos movim...
Artigo para revista cadernos de história a reconstituição histórica dos movim...Artigo para revista cadernos de história a reconstituição histórica dos movim...
Artigo para revista cadernos de história a reconstituição histórica dos movim...Otavio Luiz Machado
 
Antropologia dos objetos : coleções, museus e patrimônios
Antropologia dos objetos : coleções, museus e patrimôniosAntropologia dos objetos : coleções, museus e patrimônios
Antropologia dos objetos : coleções, museus e patrimôniosKelly Freitas
 
Aula 1 patrimonio e memoria
Aula 1 patrimonio e memoriaAula 1 patrimonio e memoria
Aula 1 patrimonio e memoriaGiseleFinatti
 
Arquivos – bibliotecas e museus
Arquivos – bibliotecas e museusArquivos – bibliotecas e museus
Arquivos – bibliotecas e museusSonia Montaño
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Viegas Fernandes da Costa
 

Semelhante a Fichamento (1) memória e patrimônio cultural einaudi (20)

A razão Patrimonial na Europa do século XVIII ao XXI _ Dominique Poulot
A razão Patrimonial na Europa do século XVIII ao XXI_ Dominique PoulotA razão Patrimonial na Europa do século XVIII ao XXI_ Dominique Poulot
A razão Patrimonial na Europa do século XVIII ao XXI _ Dominique Poulot
 
PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOS
PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOSPRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOS
PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOS
 
Aulas história 6_ano
Aulas história 6_anoAulas história 6_ano
Aulas história 6_ano
 
África: o berço da humanidade
África: o berço da humanidadeÁfrica: o berço da humanidade
África: o berço da humanidade
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptxINTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
 
Artigo arte rupestre
Artigo arte rupestreArtigo arte rupestre
Artigo arte rupestre
 
O que e_a_historia
O que e_a_historiaO que e_a_historia
O que e_a_historia
 
Seminário de historia e memoriaTEMA: ANALISE DO TEXTO " A HISTÓRIA CATIVA DA ...
Seminário de historia e memoriaTEMA: ANALISE DO TEXTO " A HISTÓRIA CATIVA DA ...Seminário de historia e memoriaTEMA: ANALISE DO TEXTO " A HISTÓRIA CATIVA DA ...
Seminário de historia e memoriaTEMA: ANALISE DO TEXTO " A HISTÓRIA CATIVA DA ...
 
Seminário de historia e memoria
Seminário de historia e memoriaSeminário de historia e memoria
Seminário de historia e memoria
 
Seminário de historia e memória - PHOFHISTÓRIA - UFT - ARAGUAINA
Seminário de historia e memória - PHOFHISTÓRIA - UFT - ARAGUAINASeminário de historia e memória - PHOFHISTÓRIA - UFT - ARAGUAINA
Seminário de historia e memória - PHOFHISTÓRIA - UFT - ARAGUAINA
 
Jogos da memória
Jogos da memóriaJogos da memória
Jogos da memória
 
2.introdução á história.15.
2.introdução á história.15.2.introdução á história.15.
2.introdução á história.15.
 
Artigo para revista cadernos de história a reconstituição histórica dos movim...
Artigo para revista cadernos de história a reconstituição histórica dos movim...Artigo para revista cadernos de história a reconstituição histórica dos movim...
Artigo para revista cadernos de história a reconstituição histórica dos movim...
 
Antropologia dos objetos : coleções, museus e patrimônios
Antropologia dos objetos : coleções, museus e patrimôniosAntropologia dos objetos : coleções, museus e patrimônios
Antropologia dos objetos : coleções, museus e patrimônios
 
Aula 1 patrimonio e memoria
Aula 1 patrimonio e memoriaAula 1 patrimonio e memoria
Aula 1 patrimonio e memoria
 
Arquivos – bibliotecas e museus
Arquivos – bibliotecas e museusArquivos – bibliotecas e museus
Arquivos – bibliotecas e museus
 
2.introdução á história.14
2.introdução á história.142.introdução á história.14
2.introdução á história.14
 
His m02t05
His m02t05His m02t05
His m02t05
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
Inf historia 6
Inf historia 6Inf historia 6
Inf historia 6
 

Mais de Rita Gonçalves

Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Rita Gonçalves
 
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciEstudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciRita Gonçalves
 
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizada
Atividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizadaAtividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizada
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizadaRita Gonçalves
 
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizadoRita Gonçalves
 
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené maurice holbwac...
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené   maurice holbwac...Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené   maurice holbwac...
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené maurice holbwac...Rita Gonçalves
 
Trabalho de epistemologia marta kerr 2º período
Trabalho de epistemologia marta kerr   2º períodoTrabalho de epistemologia marta kerr   2º período
Trabalho de epistemologia marta kerr 2º períodoRita Gonçalves
 
Os deuses devem estar loucos trabalho completo de fundamentos-filme e linha...
Os deuses devem estar loucos   trabalho completo de fundamentos-filme e linha...Os deuses devem estar loucos   trabalho completo de fundamentos-filme e linha...
Os deuses devem estar loucos trabalho completo de fundamentos-filme e linha...Rita Gonçalves
 
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátiaEstudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátiaRita Gonçalves
 

Mais de Rita Gonçalves (8)

Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
 
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciEstudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
 
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizada
Atividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizadaAtividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizada
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizada
 
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
 
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené maurice holbwac...
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené   maurice holbwac...Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené   maurice holbwac...
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené maurice holbwac...
 
Trabalho de epistemologia marta kerr 2º período
Trabalho de epistemologia marta kerr   2º períodoTrabalho de epistemologia marta kerr   2º período
Trabalho de epistemologia marta kerr 2º período
 
Os deuses devem estar loucos trabalho completo de fundamentos-filme e linha...
Os deuses devem estar loucos   trabalho completo de fundamentos-filme e linha...Os deuses devem estar loucos   trabalho completo de fundamentos-filme e linha...
Os deuses devem estar loucos trabalho completo de fundamentos-filme e linha...
 
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátiaEstudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
 

Fichamento (1) memória e patrimônio cultural einaudi

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS – ECI DISCIPLINA: DIG TGI034 - Memória e Patrimônio Cultural PROFESSOR: Rene Lommez Gomes ALUNA: Rita de Cássia Gonçalves – 4º Período/Biblioteconomia/Noturno ATIVIDADE: Fichamento (1) DATA: 01 de outubro de 2012 “ Se os mais moços esquecessem as histórias de seus ancestrais, em breve suas culturas se perderiam para sempre”. ( ANGELLES, Jean ) “Na prática, a arte da memória é uma arte da linguagem”. (texto) Ao buscar o termo ‘Mémória’ em dicionário comum é possível encontrar vários significados, entre eles “ faculdade de reter as ideias, impressões e conhecimentos adquiridos anteriormente”, ou “ lembrança, reminiscência, recordação” (Aurélio, 1986). Vejamos as abordagens do texto que tratam do assunto : Memória: Atlas, Coleção, Documento/monumento, Fóssil, Memória, Ruína/restauro. O conceito de memória exposto “ faculdade de conservar os vestígios do que pertence já em si a uma época passada. Este não é diferente do que vimos no dicionário certamente , no entanto, traz consigo distinções: a memória da espécie, inerente a todos os seres vivos, no caso dos fósseis, e também a memória individual, que ‘adquire no homem dimensões e possibilidades’, ou seja, de entrar em sintonia com seus semelhantes por meio de objetos e linguagem. Essa memória humana não é repassada biologicamente de pai para filho, trata-se da memória coletiva , ‘criações exteriores ao próprio organismo’, ‘relatos que passam de narrador em narrador’, e que mantém no geral suas propriedades; encontram-se presentes também na escrita, na linguagem , desenhos, quadros, esculturas, entre outros. Vale dizer até mesmo que o homem vive de um passado inscrito, presente sob a “forma de resíduo’ e remodelado às necessidades do dia a dia, conservando-o e , quando modificado o fazem no sentido de restaurá-lo à luz do que já foi um dia. A memória é um local privilegiado diríamos, para o acesso das recordações, imagens, relíquias ; a possibilidade presente de relacionar-se com o passado , ainda que de uma maneira limitada, haja visto que existem “brechas”, dúvidas, e uma reconstrução sensível do que se passou é quase sempre ‘imperfeita’ . Platão, filósofo grego separou o mundo sensível, cópia (imperfeita) do mundo inteligível, perfeito, imutável, verdadeiro e sublime para evocar as reminiscências. As sociedades do passado só podem ser conhecidas e decodificadas através dos seus “restos”, não no sentido pejorativo do termo e sim sob o olhar dos objetos produzidos individualmente e ou coletivamente presente nos fósseis, documentos, monumentos, obras escritas, desenhadas, simbolizadas de uma maneira ou outra. Daí a necessidade de buscar nestes objetos simbólicos característicos de regiões, gêneros , a própria história da humanidade. Essa busca é
  • 2. incansável, imprecisa e ao mesmo tempo permitida por meio das “recordações coletivamente materializadas”, logo, a sociedade do presente só poderá ser conhecida e reconhecida se deixar seus registros , feitos e vestígios para a posteridade. A linguagem é o elemento por excelência - essencial para a efetivação da tradição oral (muito antiga), que repassa de indivíduos para futuras gerações o material constitutivo da memória coletiva e transgeracional. Sem a linguagem os seres humanos não entrariam em “contato” com os seus antepassados. A oralidade seria uma ponte entre o agora (presente) e o passado vivenciado ou não pelos mesmos indivíduos. Para se dar conta da produção material dos objetos do passado existem elaborações , ou construções de “conjunto de objetos naturais ou artificiais afastados dos circuitos de utilização”, denominadas COLEÇÕES. As coleções são exposições protegidas e que servem para resgatar a memória coletiva. Neste contexto, à vista dos homens cada item da coleção alcança sua recordação e dimensão que se encontra latente. Os documentos/monumentos passam a existir quando ocorre uma passagem (quase que um ritual) de utilidade dos objetos (vestígios, imagens ou relíquias ) para formarem uma coleção, podendo ser vistos, conhecidos e reconhecidos (no caso dos fósseis ) , interpretados, revelados, apreciados, e relacionados com o mundo que os incorporava. O sujeito do conhecimento presente esforça-se para resgatar com autenticidade um mundo não experimentado por ele, mas que certamente deixou marcas e o influencia. A escrita é de suma importância desde o seu nascimento (invenção) , no passado foi instrumento de comunicação com as divindades , mais tarde serviria para ‘transmitir mensagens’ aos homens do futuro. O presente relaciona-se com o passado por meio de textos escritos, sendo que existem vários tipos de documentos acumulados, organizados, identificados , possuindo uma ‘duração’, permitindo um olhar diferente ao do passado . A tradição oral que outrora estava fortemente vinculada à narrativa e ao seu narrador se fazia atemporal e imediata. Os Atlas compreendem um tipo de documento - são cartas geográficas oriundas das viagens e expedições exploratórias ocorridas por marinheiros, aventureiros e mesmo “autoridades” que pretendiam estudar terras distantes, a superfície do globo terrestre. Eles registram e transmitem uma complexidade histórica, representam “ o lado invisível do tempo e do espaço”. O conceito de ruína/restauro no contexto da memória pode ser entendido apenas como ‘parte’ daquilo que chega até nós. De fato, os vestígios (imagens, relíquias) viajam no tempo e compreendem algo muito maior que pode ser reevocado, porém amplo demais para ser captado em toda a sua integridade, “a completude original perdida”. O interesse pela ruína só ocorre para permitir uma relação entre passado e presente. Ressuscita-se o passado. ( Abro um parêntese aqui, consequentemente um desabafo , porque existe algo que muito me incomoda. As guerras atuais que varrem o Oriente
  • 3. Médio , em especial, o Iraque e o Afeganistão, além dos seres humanos , destroem cidades inteiras, coleções, obras de arte são saqueadas , patrimônio cultural da humanidade, berço das primeiras civilizações e no, entanto , não se leva em consideração este valor cultural, quando os interesses, políticos, econômicos e ideológicos se mostram mais atrativos. Ao meu ver, este descaso ocorre porque os beligerantes ocidentais não se enxergam como parte constitutiva dessa sociedade; pelo contrário dizem que travaram guerras porque estes povos destruíram um símbolo da sociedade ocidental , ‘liberdade de expressão’, depois da queda das Torres Gêmeas). Quanto ao restauro, ou seja, da reconstrução do objeto ao estado material originário, a princípio limitado aos textos escritos e às obras dos Antigos , dá-se um trabalho de comparação : cópias do mesmo manuscrito e algumas obras que mostram semelhanças evidentes. Por muito tempo somente objetos representativos muito valorizados , os greco-romanos e posteriormente os manuscritos medievais. Atualmente restaura-se os monumentos, respeitando as mudanças que sofreram com o tempo, e o que é importante, ressalta-se as partes restauradas daquelas que se mantém conservadas com as características originais. Na atualidade, perdeu-se a ideia de que todo texto tenha “um sentido originário”, único; cede-se espaço à concepção hermenêutica, interpretativa, caráter aberto de que uma obra permita várias leituras sobre ela. O mundo mudou, e consequentemente o diálogo com a memória coletiva do passado se mostra alterado, “ mais longo, mais rico, e bem mais datado”. Vale dizer que a contemporaneidade possui uma memória ‘mais rica que nunca’, mas também, vulnerável, uma vez que depende das conjunturas econômicas, políticas e militares. Um apelo ético e moral se faz jus para a manutenção daquilo que a humanidade recebe e notadamente precisa ‘transmitir em boas condições’, caso contrário, o futuro não encontrará “na sua memória documentos e monumentos suficientes para formarem ideias muito claras acerca do nosso presente tornado o seu passado”. Em outras palavras, a atualidade trata dos suportes materiais da memória coletiva e transgeracional enriquecida com elementos novos (tecnologia), ou mesmo subjetivos . Compete às pessoas conscientizarem-se de que ao tratá-los (documentos/monumentos, coleção, livros, atlas, fósseis e ruínas) com seriedade e respeito estarão pensando no patrimônio cultural que deixarão para posteridade. Isso realmente é, ao meu ver um grande desafio para todos os profissionais, cidadãos e para as autoridades finalmente . REFERÊNCIA ENCICLOPÉDIA EINAUDI. Memória: Atlas, Coleção, Documento/monumento, Fóssil, Memória, Ruína/restauro . Volume 42. p. 507-516 .