Competências e formação de magistrados,
servidores e advogados para atuação no contexto
do processo judicial eletrônico
Al...
Agradecimentos e cumprimentos:
• Dr. Newton Meyer Fleury – Diretor do TI Rio
• Des. Cláudio dell’Orto – Diretor da Escola
...
O QUE MUDOU COM ADVENTO DO
PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO?
• Processo judicial era até então concebido como um conjunto de a...
O QUE MUDOU COM ADVENTO DO
PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO?
• A redução no tempo de tramitação do processo;
• Alteração na fo...
COMPETÊNCIAS DESEJÁVEIS AOS ATORES
DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO
1 - Quanto aos magistrados
• Domínio razoável de ferram...
COMPETÊNCIAS DESEJÁVEIS AOS ATORES
DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO
• Conhecimento dos meios de intimação e citação dos ato...
COMPETÊNCIAS DESEJÁVEIS AOS ATORES
DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO
2 - Quanto aos servidores
• Desenho de um novo perfil a...
COMPETÊNCIAS DESEJÁVEIS AOS ATORES
DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO
• Necessidade de um recrutamento de servidores aptos a ...
COMPETÊNCIAS DESEJÁVEIS AOS ATORES
DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO
3 - Quanto aos advogados
• Adaptação ao novo modelo de ...
O QUE TEM SIDO FEITO A RESPEITO DA NOVA
FORMA DE ATUAÇÃO?
• Diversos tribunais já adotavam sistemas de processo eletrônico...
O QUE TEM SIDO FEITO A RESPEITO DA NOVA
FORMA DE ATUAÇÃO?
• As Escolas de Magistratura têm sido instadas a participar da c...
O QUE TEM SIDO FEITO A RESPEITO DA NOVA
FORMA DE ATUAÇÃO?
• A Escola da Magistratura Regional Federal da 2ª Região (EMARF)...
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Não se deve olvidar que o processo eletrônico é uma ferramenta e não
há nada mais distante do ideal d...
FIM
Obrigado pela atenção!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Rio Info 2015 - Competências e formação de magistrados - Aluisio Gonçalves de Castro Mendes

239 visualizações

Publicada em

Rio Info 2015 - Competências e formação de magistrados Palestrante: Aluisio Gonçalves de Castro Mendes

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
239
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rio Info 2015 - Competências e formação de magistrados - Aluisio Gonçalves de Castro Mendes

  1. 1. Competências e formação de magistrados, servidores e advogados para atuação no contexto do processo judicial eletrônico Aluisio Gonçalves de Castro Mendes Desembargador Federal. Presidente da 5ª Turma no TRF-2 Diretor de Cursos da EMARF e Membro do Conselho Superior da Enfam Professor Associado na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Professor Titular na Universidade Estácio de Sá (Unesa) Pós-Doutor em Direito pela Universidade de Regensburg (Alemanha) Doutor e Mestre em Direito pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) Mestre em Direito pela Johann Goethe-Universität (Frankfurt, Alemanha) Especialista em Direito pela Universidade de Brasília (UnB) Diretor do Instituto Brasileiro de Direito Processual (IBDP) e do Instituto Carioca de Processo Civil (ICPC) Membro do Instituto Ibero Americano de Direito Processual, do Instituto Brasil-Alemanha de Juristas e da International Association of Procedural Law. Nomeado pelo Presidente do Senado para acompanhar a redação final do CPC.
  2. 2. Agradecimentos e cumprimentos: • Dr. Newton Meyer Fleury – Diretor do TI Rio • Des. Cláudio dell’Orto – Diretor da Escola Nacional da Magistratura • Prof. Juliana Bracks Duarte – PUC-Rio • Des. Nagib Slaibi Filho – Tribunal de Justiça RJ • Juíza Federal Paula Patricia Provedel Mello Nogueira
  3. 3. O QUE MUDOU COM ADVENTO DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO? • Processo judicial era até então concebido como um conjunto de atos que necessariamente se formalizavam em um suporte físico: os autos. Tudo era reduzido a termo; • Rede mundial de computadores revolucionou e otimizou a forma de resolução de conflitos através da intervenção estatal; • Prescindibilidade do papel; • Possibilidade de acesso aos autos de qualquer hora e lugar, e de forma simultânea por todas as partes e interessados, sem deslocamento;
  4. 4. O QUE MUDOU COM ADVENTO DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO? • A redução no tempo de tramitação do processo; • Alteração na forma de armazenamento e recuperação da informação; • Possibilidade citação e de intimação através de acesso a sítio eletrônico oficial próprio (art. 5º da Lei nº 11.419/2006).
  5. 5. COMPETÊNCIAS DESEJÁVEIS AOS ATORES DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO 1 - Quanto aos magistrados • Domínio razoável de ferramentas tecnológicas e de programas de computador; • Adaptação da dinâmica das audiências tradicionais para o registro audio- visual; • Correto uso dos certificados digitais; • Domínio da ferramenta que lhe permite acesso remoto aos processos e a que lhe possibilita a emissão dos mais diversos relatórios;
  6. 6. COMPETÊNCIAS DESEJÁVEIS AOS ATORES DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO • Conhecimento dos meios de intimação e citação dos atos processuais e mesmo de peticionamento eletrônico, para solução de questões referentes a devoluções de prazo necessárias por conta de alegadas indisponibilidades do sistema; • Domínio dos sistemas acessíveis fora do Tribunal: Bacenjud, Renajud, Infojuris, etc.
  7. 7. COMPETÊNCIAS DESEJÁVEIS AOS ATORES DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO 2 - Quanto aos servidores • Desenho de um novo perfil a ser exigido aos candidatos que se submetem a concurso público, vez que houve: • Redução do atendimento ao público, em razão da desnecessidade de comparecimento ao cartório para obtenção de andamento processual; • Desaparecimento de atividades como maneio, encadernamento, numeração, transporte e cópias de peças processuais;
  8. 8. COMPETÊNCIAS DESEJÁVEIS AOS ATORES DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO • Necessidade de um recrutamento de servidores aptos a auxiliar na produção intelectual dos atos judiciais; •Importância da capacitação daqueles que já compõe os quadros da instituição; •Domínio razoável de ferramentas tecnológicas e de programas de computador
  9. 9. COMPETÊNCIAS DESEJÁVEIS AOS ATORES DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO 3 - Quanto aos advogados • Adaptação ao novo modelo de trabalho; • Manuseio das ferramentas tecnológicas indispensáveis ao uso do sistema processual: •Digitalização de documentos; •Protocolo de peças através do sistema; •Consulta de andamentos; •Recebimento de citações e intimações eletrônicas; • Organização quanto à contagem de prazo.
  10. 10. O QUE TEM SIDO FEITO A RESPEITO DA NOVA FORMA DE ATUAÇÃO? • Diversos tribunais já adotavam sistemas de processo eletrônico antes mesmo do advento da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006. No TRF2, a implantação do processo eletrônico remonta a 2004; • O Conselho Nacional de Justiça, em conjunto com o Conselho da Justiça Federal, vem determinando a adoção de um único sistema de processamento de autos eletrônicos, o PJe; • Atualmente, os sistemas utilizados nos vários ramos do Judiciário (Justiça Estadual, Federal, Trabalhista etc) não se encontram unificados, mas há empenho em atender padrões mínimos que permitam a interoperabilidade desses sistemas;
  11. 11. O QUE TEM SIDO FEITO A RESPEITO DA NOVA FORMA DE ATUAÇÃO? • As Escolas de Magistratura têm sido instadas a participar da capacitação de juízes para desenvolvimento das habilidades indispensáveis ao novo modelo de trabalho; • No âmbito dos cursos de formação inicial e vitaliciamento, há módulo específico e obrigatório para o estudo dos recursos em tecnologia da informação e comunicação, conforme previsto nas Resoluções 233/2013, do CJF (art. 9º, VI), e 03/2013 da ENFAM (art. 11, VIII); • Deficiência em relação à capacitação dos magistrados que já estão na ativa há mais tempo.
  12. 12. O QUE TEM SIDO FEITO A RESPEITO DA NOVA FORMA DE ATUAÇÃO? • A Escola da Magistratura Regional Federal da 2ª Região (EMARF), a partir de 2007, passou a oferecer um módulo de Capacitação em Recursos da Informação, de modo que para os magistrados da 2ª Região que ingressaram através dos últimos cinco concursos realizados (aproximadamente cem juízes) novas habilidades foram transmitidas; • No TRF2 são oferecidos cursos de capacitação para os novos e antigos servidores, bem como é disponibilizada apostila sobre o sistema processual na intranet; • Para advogados são disponibilizados manuais e atendimento a dúvidas, por meio de perguntas mais comuns (FAQs), e-mail, telefone e atendimento pessoal.
  13. 13. CONSIDERAÇÕES FINAIS Não se deve olvidar que o processo eletrônico é uma ferramenta e não há nada mais distante do ideal de justiça que ver perecer o direito daquele que litiga pelo uso inadequado desse instrumento. Nicolau Maquiavel já afirmava que “deve-se ter em mente que não há nada mais difícil de executar, nem de sucesso mais duvidoso, nem mais perigoso de conduzir, do que iniciar uma nova ordem de coisas”, assim o êxito do processo eletrônico se mostra indissociável da identificação das novas competências exigidas de cada um dos que nele atuam e da educação continuada de todos esses atores.
  14. 14. FIM Obrigado pela atenção!

×