SlideShare uma empresa Scribd logo

Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: Integrando processo produtivo e sistemas de gestão - Palestrante: Gisele Villas Boas

Rio Info
Rio Info

Rio Info 2013 Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade Iso 29110 x iso 9001: Integrando processo produtivo e sistemas de gestão Palestrante: Gisele Villas Boas

1 de 49
Baixar para ler offline
1
Normas e certificações
em software
qual a que
melhor serve para mim?
Rio de Janeiro
Setembro de 2013
A ABNT NBR ISO 9001
Conceito de sistema de gestão
Análise Crítica da
Administração
Análise Crítica da
Administração
Implementação e
Operação
Implementação e
Operação
Verificação e Ação
Corretiva
Verificação e Ação
Corretiva
Melhoria
Contínua
Melhoria
Contínua
PlanejamentoPlanejamento
PolíticaPolítica
A ABNT NBR ISO 9001
Conceito de sistema de gestão
A ABNT NBR ISO 9001
• Sistema de gestão: sistema para estabelecer
políticas e objetivo, e para atingir esses objetivos.
• Sistema de gestão da qualidade: é um sistema de
gestão para dirigir e controlar uma organização no
que diz respeito à qualidade.
A essência da ABNT NBR ISO 9001 é o atendimento às
expectativas do cliente.
A norma está concebida para ser implementada
segundo a lógica de processos.
O sistema de gestão envolve:
– estrutura organizacional
– autoridades e responsabilidades
– atividades de planejamento,
– práticas,
– procedimentos,
– processos e
– recursos
para desenvolver, implementar, atingir, analisar
criticamente e manter a política e objetivos da
qualidade.
A ABNT NBR ISO 9001
Introdução
1.Escopo
2.Referência normativa
3.Termos de definições
4.Sistema de gestão da qualidade
5.Responsabilidades da direção
6.Gestão de recursos
7.Realização do produto
8.Medição, análise e melhoria
A ABNT NBR ISO 9001

Recomendados

Apresentação PF
Apresentação PFApresentação PF
Apresentação PFcamilats
 
MPS.BR - Gerência de Projetos Nível G
MPS.BR - Gerência de Projetos Nível GMPS.BR - Gerência de Projetos Nível G
MPS.BR - Gerência de Projetos Nível GAndrew Edberg
 
Plano+de+gerenciamento+da+qualidade
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadePlano+de+gerenciamento+da+qualidade
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadeleopaiva217101
 
FB Consulting & Training
FB Consulting & TrainingFB Consulting & Training
FB Consulting & TrainingLucas Ribeiro
 
Gerenciamento De Qualidade Do Projeto
Gerenciamento De Qualidade Do ProjetoGerenciamento De Qualidade Do Projeto
Gerenciamento De Qualidade Do ProjetoMarco Rosner
 
Introdução ao PBQP-H
Introdução ao PBQP-HIntrodução ao PBQP-H
Introdução ao PBQP-HQ2 Management
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gerenciamento de Qualidade
Gerenciamento de QualidadeGerenciamento de Qualidade
Gerenciamento de Qualidadeelliando dias
 
Pqo plano de qualidade da obra
Pqo   plano de qualidade da obraPqo   plano de qualidade da obra
Pqo plano de qualidade da obraDIEGO SANTINO
 
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploPlano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploRudileine Fonseca
 
Plano de gerenciamento_da_qualidade
Plano de gerenciamento_da_qualidadePlano de gerenciamento_da_qualidade
Plano de gerenciamento_da_qualidadeSharles Sa
 
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001elliando dias
 
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001elliando dias
 
Fundamentos de Gerenciamento de Projetos - Qualidade e Gestão de RH
Fundamentos de Gerenciamento de Projetos - Qualidade e Gestão de RHFundamentos de Gerenciamento de Projetos - Qualidade e Gestão de RH
Fundamentos de Gerenciamento de Projetos - Qualidade e Gestão de RHRicardo Albuquerque
 
Boas práticas para implementação Mps.br utilizando a ferramenta Channel
Boas práticas para implementação Mps.br utilizando a ferramenta Channel Boas práticas para implementação Mps.br utilizando a ferramenta Channel
Boas práticas para implementação Mps.br utilizando a ferramenta Channel Giovana Unbehaun
 
Como melhorar a Qualidade da Obra?
Como melhorar a Qualidade da Obra?Como melhorar a Qualidade da Obra?
Como melhorar a Qualidade da Obra?Q2 Management
 

Mais procurados (20)

Gerenciamento de Qualidade
Gerenciamento de QualidadeGerenciamento de Qualidade
Gerenciamento de Qualidade
 
Pqo plano de qualidade da obra
Pqo   plano de qualidade da obraPqo   plano de qualidade da obra
Pqo plano de qualidade da obra
 
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploPlano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
 
Plano de gerenciamento_da_qualidade
Plano de gerenciamento_da_qualidadePlano de gerenciamento_da_qualidade
Plano de gerenciamento_da_qualidade
 
Gerenciamento da Qualidade - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
Gerenciamento da Qualidade - Ano 2013 - PMBOK 5 ediçãoGerenciamento da Qualidade - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
Gerenciamento da Qualidade - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
 
Aula 7 - Gerenciamento de Qualidade
Aula 7 - Gerenciamento de QualidadeAula 7 - Gerenciamento de Qualidade
Aula 7 - Gerenciamento de Qualidade
 
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
 
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
 
Aula 6 - Gerenciamento de Qualidade
Aula 6 - Gerenciamento de QualidadeAula 6 - Gerenciamento de Qualidade
Aula 6 - Gerenciamento de Qualidade
 
Apresentacao pbqp h
Apresentacao pbqp hApresentacao pbqp h
Apresentacao pbqp h
 
Apqp
ApqpApqp
Apqp
 
O Modelo mps.Br
O Modelo mps.BrO Modelo mps.Br
O Modelo mps.Br
 
Fundamentos de Gerenciamento de Projetos - Qualidade e Gestão de RH
Fundamentos de Gerenciamento de Projetos - Qualidade e Gestão de RHFundamentos de Gerenciamento de Projetos - Qualidade e Gestão de RH
Fundamentos de Gerenciamento de Projetos - Qualidade e Gestão de RH
 
Entendimento do PBQP-H
Entendimento do PBQP-HEntendimento do PBQP-H
Entendimento do PBQP-H
 
Principais Falhas em Auditorias do PBQP-H
Principais Falhas em Auditorias do PBQP-HPrincipais Falhas em Auditorias do PBQP-H
Principais Falhas em Auditorias do PBQP-H
 
Boas práticas para implementação Mps.br utilizando a ferramenta Channel
Boas práticas para implementação Mps.br utilizando a ferramenta Channel Boas práticas para implementação Mps.br utilizando a ferramenta Channel
Boas práticas para implementação Mps.br utilizando a ferramenta Channel
 
Gestao de escopo_v4.1
Gestao de escopo_v4.1Gestao de escopo_v4.1
Gestao de escopo_v4.1
 
Apqp
ApqpApqp
Apqp
 
Apqp
ApqpApqp
Apqp
 
Como melhorar a Qualidade da Obra?
Como melhorar a Qualidade da Obra?Como melhorar a Qualidade da Obra?
Como melhorar a Qualidade da Obra?
 

Destaque

Posterdepetrologia 140203122520-phpapp01
Posterdepetrologia 140203122520-phpapp01Posterdepetrologia 140203122520-phpapp01
Posterdepetrologia 140203122520-phpapp01Cristian Perez Gabriel
 
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...Alexsandro Oliveira
 
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizações
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizaçõesCertificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizações
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizaçõesRafael Pires
 
Arquitetura de software : Cliente-Servidor
Arquitetura de software : Cliente-ServidorArquitetura de software : Cliente-Servidor
Arquitetura de software : Cliente-ServidorAlexsandro Oliveira
 
ISO 90012015 (não controlada)
 ISO 90012015 (não controlada) ISO 90012015 (não controlada)
ISO 90012015 (não controlada)Xavier Cedeño
 
Metricasutfv
MetricasutfvMetricasutfv
Metricasutfvhopdie
 
Quality Models
Quality ModelsQuality Models
Quality Modelsnethisip13
 
Software quality
Software qualitySoftware quality
Software qualityjagadeesan
 
Engenharia de Software - CMMI DEV 1.3
Engenharia de Software - CMMI DEV 1.3Engenharia de Software - CMMI DEV 1.3
Engenharia de Software - CMMI DEV 1.3Mario Jorge
 

Destaque (15)

Posterdepetrologia 140203122520-phpapp01
Posterdepetrologia 140203122520-phpapp01Posterdepetrologia 140203122520-phpapp01
Posterdepetrologia 140203122520-phpapp01
 
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
 
Implantação iso 9001
Implantação iso 9001Implantação iso 9001
Implantação iso 9001
 
Quadro comparativo iso 9001
Quadro comparativo iso 9001Quadro comparativo iso 9001
Quadro comparativo iso 9001
 
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizações
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizaçõesCertificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizações
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizações
 
Arquitetura de software : Cliente-Servidor
Arquitetura de software : Cliente-ServidorArquitetura de software : Cliente-Servidor
Arquitetura de software : Cliente-Servidor
 
ISO 90012015 (não controlada)
 ISO 90012015 (não controlada) ISO 90012015 (não controlada)
ISO 90012015 (não controlada)
 
Metricasutfv
MetricasutfvMetricasutfv
Metricasutfv
 
Iso 9001-2015
Iso 9001-2015Iso 9001-2015
Iso 9001-2015
 
Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015
Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015
Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015
 
Quality Models
Quality ModelsQuality Models
Quality Models
 
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
 
Software quality
Software qualitySoftware quality
Software quality
 
PDI Slides
PDI SlidesPDI Slides
PDI Slides
 
Engenharia de Software - CMMI DEV 1.3
Engenharia de Software - CMMI DEV 1.3Engenharia de Software - CMMI DEV 1.3
Engenharia de Software - CMMI DEV 1.3
 

Semelhante a Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: Integrando processo produtivo e sistemas de gestão - Palestrante: Gisele Villas Boas

12º Encontro - GUG Porto Alegre/Brasil
12º Encontro - GUG Porto Alegre/Brasil12º Encontro - GUG Porto Alegre/Brasil
12º Encontro - GUG Porto Alegre/Brasilpaulorga
 
Processos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana ReginaProcessos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana ReginaCristina Cerdeiral
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareRonney Moreira de Castro
 
Apresentação pim 3º semestre v2
Apresentação pim 3º semestre v2Apresentação pim 3º semestre v2
Apresentação pim 3º semestre v2Uedson Carlos
 
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008Leonardo Dias Nascimento
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesJoão Rafael Lopes
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de SoftwareJoão Rolim
 
10 qualidade pitagoras
10 qualidade    pitagoras10 qualidade    pitagoras
10 qualidade pitagorasfernandao777
 
Palestra CMMI Fatec Ipiranga 2011 - David Yoshida
Palestra CMMI Fatec Ipiranga 2011 - David YoshidaPalestra CMMI Fatec Ipiranga 2011 - David Yoshida
Palestra CMMI Fatec Ipiranga 2011 - David YoshidaLaura Lou
 

Semelhante a Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: Integrando processo produtivo e sistemas de gestão - Palestrante: Gisele Villas Boas (20)

12º Encontro - GUG Porto Alegre/Brasil
12º Encontro - GUG Porto Alegre/Brasil12º Encontro - GUG Porto Alegre/Brasil
12º Encontro - GUG Porto Alegre/Brasil
 
Processos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana ReginaProcessos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana Regina
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
 
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
ConceitosdebsicosdequalidadedesoftwareConceitosdebsicosdequalidadedesoftware
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
 
Apresentação pim 3º semestre v2
Apresentação pim 3º semestre v2Apresentação pim 3º semestre v2
Apresentação pim 3º semestre v2
 
Apresentacao celula de testes
Apresentacao   celula de testesApresentacao   celula de testes
Apresentacao celula de testes
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
 
Modelo Operacional de Parceiros
Modelo Operacional de ParceirosModelo Operacional de Parceiros
Modelo Operacional de Parceiros
 
Pmbok qualidadde
Pmbok qualidaddePmbok qualidadde
Pmbok qualidadde
 
Qualidade do Software
Qualidade do SoftwareQualidade do Software
Qualidade do Software
 
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
 
Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
 
10 qualidade pitagoras
10 qualidade    pitagoras10 qualidade    pitagoras
10 qualidade pitagoras
 
Capacitação mps.br
Capacitação mps.brCapacitação mps.br
Capacitação mps.br
 
Iso 9001 Esag Jr.
Iso 9001 Esag Jr.Iso 9001 Esag Jr.
Iso 9001 Esag Jr.
 
Palestra CMMI Fatec Ipiranga 2011 - David Yoshida
Palestra CMMI Fatec Ipiranga 2011 - David YoshidaPalestra CMMI Fatec Ipiranga 2011 - David Yoshida
Palestra CMMI Fatec Ipiranga 2011 - David Yoshida
 
Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001
 

Mais de Rio Info

Rio Info 2015: Painel: Educação digital: experiências e oportunidades - Sylvi...
Rio Info 2015: Painel: Educação digital: experiências e oportunidades - Sylvi...Rio Info 2015: Painel: Educação digital: experiências e oportunidades - Sylvi...
Rio Info 2015: Painel: Educação digital: experiências e oportunidades - Sylvi...Rio Info
 
Rio Info 2015 - Desafio de tornar networking em faturamento - Cristina Dissat
Rio Info 2015 - Desafio de tornar networking em faturamento - Cristina DissatRio Info 2015 - Desafio de tornar networking em faturamento - Cristina Dissat
Rio Info 2015 - Desafio de tornar networking em faturamento - Cristina DissatRio Info
 
Rio Info 2015 - A verdade sobre os instrumentos de inovação - Luiz Claudio Souza
Rio Info 2015 - A verdade sobre os instrumentos de inovação - Luiz Claudio SouzaRio Info 2015 - A verdade sobre os instrumentos de inovação - Luiz Claudio Souza
Rio Info 2015 - A verdade sobre os instrumentos de inovação - Luiz Claudio SouzaRio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Argentina - Visual Factory - Pablo Navarro
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Argentina - Visual Factory - Pablo NavarroRio Info 2015 - Salão da Inovação - Argentina - Visual Factory - Pablo Navarro
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Argentina - Visual Factory - Pablo NavarroRio Info
 
Rio Info 2015 - Como captar recursos não reembolsáveis em editais de inovação...
Rio Info 2015 - Como captar recursos não reembolsáveis em editais de inovação...Rio Info 2015 - Como captar recursos não reembolsáveis em editais de inovação...
Rio Info 2015 - Como captar recursos não reembolsáveis em editais de inovação...Rio Info
 
Rio Info 2015 - Plano de stock options o que fazer e o que não fazer - Marcel...
Rio Info 2015 - Plano de stock options o que fazer e o que não fazer - Marcel...Rio Info 2015 - Plano de stock options o que fazer e o que não fazer - Marcel...
Rio Info 2015 - Plano de stock options o que fazer e o que não fazer - Marcel...Rio Info
 
Rio Info 2015 - Empreendendo sonhos compartilhados - Natalie Witte
Rio Info 2015 - Empreendendo sonhos compartilhados - Natalie WitteRio Info 2015 - Empreendendo sonhos compartilhados - Natalie Witte
Rio Info 2015 - Empreendendo sonhos compartilhados - Natalie WitteRio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraíba - Luiz Maurício Fraga martins
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraíba - Luiz Maurício Fraga martinsRio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraíba - Luiz Maurício Fraga martins
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraíba - Luiz Maurício Fraga martinsRio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio Grande do Sul - Leandro Araújo carras...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio Grande do Sul - Leandro Araújo carras...Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio Grande do Sul - Leandro Araújo carras...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio Grande do Sul - Leandro Araújo carras...Rio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - São Paulo Capital - Valmir Souza - Biomob
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - São Paulo Capital - Valmir Souza -  BiomobRio Info 2015 - Salão da Inovação - São Paulo Capital - Valmir Souza -  Biomob
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - São Paulo Capital - Valmir Souza - BiomobRio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Portugal Finity - Orlando Ribas
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Portugal Finity - Orlando RibasRio Info 2015 - Salão da Inovação - Portugal Finity - Orlando Ribas
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Portugal Finity - Orlando RibasRio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Amazonas - Senior APP - Dalvanira Santos ...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Amazonas - Senior APP - Dalvanira Santos ...Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Amazonas - Senior APP - Dalvanira Santos ...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Amazonas - Senior APP - Dalvanira Santos ...Rio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Espírito Santo - Fabrio Oliveira
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Espírito Santo - Fabrio OliveiraRio Info 2015 - Salão da Inovação - Espírito Santo - Fabrio Oliveira
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Espírito Santo - Fabrio OliveiraRio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraná - Any Market - Rogério Gonçalves
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraná - Any Market - Rogério GonçalvesRio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraná - Any Market - Rogério Gonçalves
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraná - Any Market - Rogério GonçalvesRio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro Interior - Luís Gustavo Bo...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro Interior - Luís Gustavo Bo...Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro Interior - Luís Gustavo Bo...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro Interior - Luís Gustavo Bo...Rio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Alagoas - Leandro - Quanto Gastei
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Alagoas - Leandro - Quanto GasteiRio Info 2015 - Salão da Inovação - Alagoas - Leandro - Quanto Gastei
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Alagoas - Leandro - Quanto GasteiRio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro - Pedro Pisa - Ploog
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro - Pedro Pisa - PloogRio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro - Pedro Pisa - Ploog
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro - Pedro Pisa - PloogRio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Sergipe - Marcus Dratovsky
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Sergipe - Marcus DratovskyRio Info 2015 - Salão da Inovação - Sergipe - Marcus Dratovsky
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Sergipe - Marcus DratovskyRio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Maranhão - Weldys da Cruz Santos
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Maranhão - Weldys da Cruz SantosRio Info 2015 - Salão da Inovação - Maranhão - Weldys da Cruz Santos
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Maranhão - Weldys da Cruz SantosRio Info
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Uruguai - Ricardo Fynn
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Uruguai - Ricardo FynnRio Info 2015 - Salão da Inovação - Uruguai - Ricardo Fynn
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Uruguai - Ricardo FynnRio Info
 

Mais de Rio Info (20)

Rio Info 2015: Painel: Educação digital: experiências e oportunidades - Sylvi...
Rio Info 2015: Painel: Educação digital: experiências e oportunidades - Sylvi...Rio Info 2015: Painel: Educação digital: experiências e oportunidades - Sylvi...
Rio Info 2015: Painel: Educação digital: experiências e oportunidades - Sylvi...
 
Rio Info 2015 - Desafio de tornar networking em faturamento - Cristina Dissat
Rio Info 2015 - Desafio de tornar networking em faturamento - Cristina DissatRio Info 2015 - Desafio de tornar networking em faturamento - Cristina Dissat
Rio Info 2015 - Desafio de tornar networking em faturamento - Cristina Dissat
 
Rio Info 2015 - A verdade sobre os instrumentos de inovação - Luiz Claudio Souza
Rio Info 2015 - A verdade sobre os instrumentos de inovação - Luiz Claudio SouzaRio Info 2015 - A verdade sobre os instrumentos de inovação - Luiz Claudio Souza
Rio Info 2015 - A verdade sobre os instrumentos de inovação - Luiz Claudio Souza
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Argentina - Visual Factory - Pablo Navarro
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Argentina - Visual Factory - Pablo NavarroRio Info 2015 - Salão da Inovação - Argentina - Visual Factory - Pablo Navarro
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Argentina - Visual Factory - Pablo Navarro
 
Rio Info 2015 - Como captar recursos não reembolsáveis em editais de inovação...
Rio Info 2015 - Como captar recursos não reembolsáveis em editais de inovação...Rio Info 2015 - Como captar recursos não reembolsáveis em editais de inovação...
Rio Info 2015 - Como captar recursos não reembolsáveis em editais de inovação...
 
Rio Info 2015 - Plano de stock options o que fazer e o que não fazer - Marcel...
Rio Info 2015 - Plano de stock options o que fazer e o que não fazer - Marcel...Rio Info 2015 - Plano de stock options o que fazer e o que não fazer - Marcel...
Rio Info 2015 - Plano de stock options o que fazer e o que não fazer - Marcel...
 
Rio Info 2015 - Empreendendo sonhos compartilhados - Natalie Witte
Rio Info 2015 - Empreendendo sonhos compartilhados - Natalie WitteRio Info 2015 - Empreendendo sonhos compartilhados - Natalie Witte
Rio Info 2015 - Empreendendo sonhos compartilhados - Natalie Witte
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraíba - Luiz Maurício Fraga martins
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraíba - Luiz Maurício Fraga martinsRio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraíba - Luiz Maurício Fraga martins
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraíba - Luiz Maurício Fraga martins
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio Grande do Sul - Leandro Araújo carras...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio Grande do Sul - Leandro Araújo carras...Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio Grande do Sul - Leandro Araújo carras...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio Grande do Sul - Leandro Araújo carras...
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - São Paulo Capital - Valmir Souza - Biomob
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - São Paulo Capital - Valmir Souza -  BiomobRio Info 2015 - Salão da Inovação - São Paulo Capital - Valmir Souza -  Biomob
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - São Paulo Capital - Valmir Souza - Biomob
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Portugal Finity - Orlando Ribas
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Portugal Finity - Orlando RibasRio Info 2015 - Salão da Inovação - Portugal Finity - Orlando Ribas
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Portugal Finity - Orlando Ribas
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Amazonas - Senior APP - Dalvanira Santos ...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Amazonas - Senior APP - Dalvanira Santos ...Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Amazonas - Senior APP - Dalvanira Santos ...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Amazonas - Senior APP - Dalvanira Santos ...
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Espírito Santo - Fabrio Oliveira
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Espírito Santo - Fabrio OliveiraRio Info 2015 - Salão da Inovação - Espírito Santo - Fabrio Oliveira
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Espírito Santo - Fabrio Oliveira
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraná - Any Market - Rogério Gonçalves
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraná - Any Market - Rogério GonçalvesRio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraná - Any Market - Rogério Gonçalves
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Paraná - Any Market - Rogério Gonçalves
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro Interior - Luís Gustavo Bo...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro Interior - Luís Gustavo Bo...Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro Interior - Luís Gustavo Bo...
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro Interior - Luís Gustavo Bo...
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Alagoas - Leandro - Quanto Gastei
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Alagoas - Leandro - Quanto GasteiRio Info 2015 - Salão da Inovação - Alagoas - Leandro - Quanto Gastei
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Alagoas - Leandro - Quanto Gastei
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro - Pedro Pisa - Ploog
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro - Pedro Pisa - PloogRio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro - Pedro Pisa - Ploog
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Rio de Janeiro - Pedro Pisa - Ploog
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Sergipe - Marcus Dratovsky
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Sergipe - Marcus DratovskyRio Info 2015 - Salão da Inovação - Sergipe - Marcus Dratovsky
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Sergipe - Marcus Dratovsky
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Maranhão - Weldys da Cruz Santos
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Maranhão - Weldys da Cruz SantosRio Info 2015 - Salão da Inovação - Maranhão - Weldys da Cruz Santos
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Maranhão - Weldys da Cruz Santos
 
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Uruguai - Ricardo Fynn
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Uruguai - Ricardo FynnRio Info 2015 - Salão da Inovação - Uruguai - Ricardo Fynn
Rio Info 2015 - Salão da Inovação - Uruguai - Ricardo Fynn
 

Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: Integrando processo produtivo e sistemas de gestão - Palestrante: Gisele Villas Boas

  • 1. 1 Normas e certificações em software qual a que melhor serve para mim? Rio de Janeiro Setembro de 2013
  • 2. A ABNT NBR ISO 9001 Conceito de sistema de gestão Análise Crítica da Administração Análise Crítica da Administração Implementação e Operação Implementação e Operação Verificação e Ação Corretiva Verificação e Ação Corretiva Melhoria Contínua Melhoria Contínua PlanejamentoPlanejamento PolíticaPolítica
  • 3. A ABNT NBR ISO 9001 Conceito de sistema de gestão
  • 4. A ABNT NBR ISO 9001 • Sistema de gestão: sistema para estabelecer políticas e objetivo, e para atingir esses objetivos. • Sistema de gestão da qualidade: é um sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que diz respeito à qualidade. A essência da ABNT NBR ISO 9001 é o atendimento às expectativas do cliente. A norma está concebida para ser implementada segundo a lógica de processos.
  • 5. O sistema de gestão envolve: – estrutura organizacional – autoridades e responsabilidades – atividades de planejamento, – práticas, – procedimentos, – processos e – recursos para desenvolver, implementar, atingir, analisar criticamente e manter a política e objetivos da qualidade. A ABNT NBR ISO 9001
  • 6. Introdução 1.Escopo 2.Referência normativa 3.Termos de definições 4.Sistema de gestão da qualidade 5.Responsabilidades da direção 6.Gestão de recursos 7.Realização do produto 8.Medição, análise e melhoria A ABNT NBR ISO 9001
  • 7. 7 Realização do produto: •Planejamento da realização do produto •Processos relacionados a clientes •Projeto e desenvolvimento •Aquisição •Produção e prestação de serviço •Controle de equipamento de monitoramento e medição A ABNT NBR ISO 9001
  • 8. Life Cycle Profiles for Very Small Entities A série ISO/IEC 29110 01-10-13
  • 10. GRUPO DE PERFIS PERFIL Genérico (desenvolvimento de software) Entrada Básico Intermediário Avançado Grupo de Perfil Genérico ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1
  • 11. O Perfil Básico – Os Processos • Gerência de Projetos (PM – Project Management) • Implementação do Software (SI – Software Implementation) – O Objetivo propiciar ao contexto específico das VSE a possibilidade de serem reconhecidas como produtoras de software de alta qualidade em seus domínios, tanto em seus mercados internos quanto no mercado internacional.
  • 13. Propósito do Processo de PM Gestão do projetos estabelecer e manter sistematicamente as tarefas de implementação, visando os objetivos do projeto com a qualidade, tempo e custo esperados
  • 14. Objetivos do Processo Atividades PM.O1 O Plano de Projeto para a execução do projeto é desenvolvido de acordo com a Declaração de Trabalho e revisto e aceito pelo Cliente. As tarefas e os recursos necessários para completar o trabalho são dimensionados e estimados. PM.O2 O progresso do projeto é monitorado contra o Plano de Projeto e registrado no Registro de Status de Progresso. Ações corretivas para corrigir os problemas e desvios do plano são tomadas quando as metas do projeto não foram alcançadas. O encerramento do projeto é formalizado para obter o aceite do cliente, documentado no Registro de Aceitação. PM.O3 As Solicitações de Mudança são tratadas através de sua recepção e análise. Alterações nos requisitos de software são avaliadas quanto ao custo, cronograma e impacto técnico. PM.O4 São mantidas reuniões de revisão com a equipe de trabalho e os clientes. As decisões são registradas e monitoradas. PM.O5 Os riscos são identificados inicialmente e durante a condução do projeto. PM.O6 Uma Estratégia de Controle de Versão do software é desenvolvida. Itens de Configuração de Software são identificados, definidos e postos em baseline. As modificações e liberações dos itens são controladas e disponibilizadas ao Cliente e à Equipe de Trabalho. O armazenamento, manuseio e entrega dos itens são controlados. PM.O7 A Garantia de Qualidade de Software é realizada para assegurar que produtos e processos de trabalho cumprem o Plano de Projeto e a Especificação de Requisitos. Planejamento do projeto Execução do Plano de Projeto Controle e avaliação do projeto Encerramento do projeto
  • 15. Propósito do Processo de SI Implementação do software realização sistemática das atividades de análise, projeto, construção, integração e testes, para um novo software ou uma modificação, de acordo com os requisitos especificados.
  • 16. Objetivos do Processo Atividades SI.O1. Tarefas das atividades são realizadas em cumprimento do Plano de Projeto. Iniciação da Implementação do Software Análise dos Requisitos do Software Projeto de Arquitetura e Detalhamento do Software Construção do Software Integração e Testes do Software Entrega do Produto SI.O2. Requisitos de SW são definidos, analisados quanto à correção e testabilidade, aprovados pelo Cliente, colocados em baseline e comunicados. SI.O3. Um projeto de arquitetura e detalhamento é desenvolvido e posto em baseline. Ele descreve itens de SW e suas interfaces internas e externas. É estabelecida consistência e rastreabilidade aos requisitos de SW . SI.O4. Os componentes de SW definidos pelo projeto são produzidos. Testes unitários são definidos e realizados para verificar a consistência com os requisitos e com o projeto. É estabelecida rastreabilidade para os requisitos e para o projeto. SI.O5. SW é produzido fazendo a integração dos componentes de software e é verificado usando Casos de Teste e Procedimentos Teste. Os resultados são registrados no Relatório de Teste. Os defeitos são corrigidos e é estabelecida consistência e rastreabilidade ao Projeto SW. SI.O6. Uma Configuração de SW, que atende à Especificação de Requisitos conforme acordado com o Cliente, a qual inclui documentações do usuário, de operação e de manutenção é integrada, colocada em baseline e armazenada no Repositório do Projeto. Necessidades de alterações na Configuração do SW são detectadas e as devidas Solicitações de Mudança são iniciadas. SI.O7. Tarefas de Verificação e Validação de todos os produtos de trabalho necessários são realizadas usando critérios definidos para assegurar a consistência entre produtos de saída e entrada em cada atividade. Defeitos são identificados e corrigidos; Registros são armazenados em Resultados de Verificação/Validação.
  • 17. Gestão de Projetos O propósito do processo de Gerência de Projeto é estabelecer e realizar de forma sistemática as Tarefas do projeto de implementação de software, que permite cumprir os Objetivos do projeto na qualidade, tempo e custo esperados *Ver na norma a lista completa de Entradas e Saídas para cada atividade
  • 18. O MPS-BR Melhoria de Processo de Software Brasileiro
  • 19. Estrutura do MR - MPS.BR Níveis de maturidade Processo Capacidade Propósito Atributo Resultados Resultados RAP – Resultado do Atributo do Processo AP – Atributos de Processo Práticas
  • 20. MPS.BR – Níveis de Maturidade A Gerência de Requisitos Gerência de ProjetoG Medição Garantia da Qualidade Gerência de Portfólio de Projetos Gerência de Configuração Aquisição F Gerência de Projetos (evolução I) Gerência de Reutilização Gerência de Recursos Humanos Definição do Processo Organizacional Avaliação e Melhoria do Processo Org. E Verificação Validação Projeto e Construção do Produto Integração do Produto Desenvolvimento de Requisitos D Gerência de Riscos Desenvolvimento para Reutilização Gerência de DecisõesC Gerência de Projetos (evolução II) B Processos Capacidade-AtributosdoProcesso
  • 22. CMMI-DEV Nível de maturidade por estágios • Inicial • Gerenciado • Definido • Gerenciado Quantitativamente • Em Otimização
  • 23. Estrutura do CMMI Dev • Componentes agrupados em três categorias: requeridos, esperados e informativos
  • 24. Gerência de Requisitos - REQM Planejamento de Projeto - PP Acompanhamento e Contr. de Projeto - PMC Gerência de Acordos com Fornecedores - SAM Gar. da Qual. de Processo e Produto - PPQA Gerência de Configuração - CM Medição e análise - MA Foco no Processo da Organização - OPF Definição do Processo da Organização - OPD Treinamento Organizacional - OT Gerência Integrada de Projeto - IPM Gerência de Risco - RSKM Desenvolvimento de Requisitos - RD Solução Técnica - TS Integração de Produto - PI Verificação - VER Validação - VAL Análise de Decisão e Resolução - DAR Desempenho do Proc. Organizacional - OPP Gerência Quantitativa de Projeto - QPM Análise Causal e Resolução - CAR Inovação e Melhoria Organizacional - OID  Ž   CMMI-DEV Nível de maturidade por estágios
  • 25. Correlação CMMI e MPS.BR Gerência de Requisitos Gerência de Projeto G Medição Garantia da Qualidade Gerência de Portfólio de Projetos Gerência de Configuração Aquisição F Gerência de Projetos (evolução I) Gerência de Reutilização Gerência de Recursos Humanos Definição do Processo Organizacional Avaliação e Melhoria do Processo Org. E Verificação Validação Projeto e Construção do Produto Integração do Produto Desenvolvimento de Requisitos D Gerência de Riscos Desenvolvimento para Reutilização Gerência de Decisões C Gerência de Projetos (evolução II) B A  Ž   Gerência de Requisitos - REQM Planejamento de Projeto - PP Acompanhamento e Contr. de Projeto - PMC Gerência de Acordos com Fornecedores - SAM Gar. da Qual. de Processo e Produto - PPQA Gerência de Configuração - CM Medição e análise - MA Foco no Processo da Organização - OPF Definição do Processo da Organização - OPD Treinamento Organizacional - OT Gerência Integrada de Projeto - IPM Gerência de Risco - RSKM Desenvolvimento de Requisitos - RD Solução Técnica - TS Integração de Produto - PI Verificação - VER Validação - VAL Análise de Decisão e Resolução - DAR Desempenho do Proc. Organizacional - OPP Gerência Quantitativa de Projeto - QPM Análise Causal e Resolução - CAR Inovação e Melhoria Organizacional - OID
  • 26. Comparação entre os sistemas de normas Bases da comparação: ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 X as outras normas As premissas: Foco no fornecimento de software de acordo com os requisitos do cliente Requisitos da norma e sua correspondência com os requisitos das outras normas
  • 27. Bases da comparação: ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 X as outras normas Dois casos: •ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 X ABNT NBR ISO 9001 •ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 X normas de processos Comparação entre os sistemas de normas
  • 28. Bases da comparação: •ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 X ABNT NBR ISO 9001 •Processos X sistema de gestão •Correspondências e não correspondências Comparação entre os sistemas de normas
  • 29. Bases da comparação: ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 X normas de processos Requisitos da 29110-4-1 com o correspondente “nível” dos modelos que contenham pelo menos os dois processos estabelecidos: • atividades • objetivos • produtos de trabalho Comparação entre os sistemas de normas
  • 30. Comparação ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 X ABNT NBR ISO 9001 Critérios de entrada ABNT NBR ISO/IEC 9001:2008 6.7.a Existe um contrato ou acordo para o projeto, com declaração de trabalho. 7.1 Planejamento da realização do produto 7.2.1 Determinação de requisitos relacionados ao produto 6.7.b Antes do início do projeto foi analisada a viabilidade técnica, financeira e de prazo. 6.1 Provisão de Recursos (b) 7.1 Planejamento da realização do produto 7.2.2 Análise Crítica dos Requisitos Relacionados ao produto 6.7.c A equipe de trabalho do projeto, incluindo o gerente está alocada e treinada. 7.3.3 Saídas de projetos e desenvolvimento 6.2.1 Generalidades (6.2 Recursos Humanos) 6.7.d Bens, serviços e infraestrutura estão disponíveis. 6.2.2 Competência, treinamento e organização 6.3 Infra-estrutura 6.4 Ambiente de Trabalho Condições de entrada na norma 29110-4-1
  • 31. Objetivos do processo ABNT NBR ISO/IEC 9001:2008 PM.O1 O Plano de Projeto para a execução do projeto é desenvolvido de acordo com a Declaração de Trabalho e revisto e aceito pelo Cliente. As tarefas e os recursos necessários para completar o trabalho são dimensionados e estimados. 7.2.1 Determinação de requisitos relacionados ao produto (a, c, d) 7.3.1 Planejamento de Projeto e desenvolvimento 7.5.1 Controle de produção e prestação de serviço 7.2.2 Análise Crítica dos Requisitos Relacionados ao produto 6.1 Provisão de Recursos (b) PM.O2 O progresso do projeto é monitorado contra o Plano de Projeto e registrado no Registro de Status de Progresso. Ações corretivas para corrigir os problemas e desvios do plano são tomadas quando as metas do projeto não foram alcançadas. O encerramento do projeto é formalizado para obter o aceite do cliente, documentado no Registro de Aceitação. 7.2.3 Comunicação com o cliente 7.3.1 Planejamento de projeto e desenvolvimento (a, b) 7.3.2 Entradas de projeto e desenvolvimento 7.3.3 Saídas de projeto e desenvolvimento 7.3.4 Análise crítica de projeto e desenvolvimento 7.3.5 Verificação de projeto e desenvolvimento 7.3.6 Validação de projeto e desenvolvimento 7.5.1 Controle de produção e prestação de serviço 8.2.4 Monitoramento e medição de produto PM.O3 As Solicitações de Mudança são tratadas através de sua recepção e análise. Alterações nos requisitos de software são avaliadas quanto ao custo, cronograma e impacto técnico. 7.3.7 Controle de alterações de projeto e desenvolvimento 7.2.2 Análise Crítica dos Requisitos Relacionados ao produto PM.O4 São mantidas reuniões de revisão com a equipe de trabalho e os clientes. As decisões são registradas e monitoradas. 7.1 Planejamento da realização do produto (c) 7.2.2 Análise Crítica dos Requisitos Relacionados ao produto 7.2.3 Comunicação com o cliente (c) 8.2.4 Monitoramento e medição de produto PM.O5 Os riscos são identificados inicialmente e durante a condução do projeto. 7.1 Planejamento da realização do produto 7.2.2 Análise Crítica dos Requisitos Relacionados ao produto 7.5.3 Identificação e rastreabilidade Comparação ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 X ABNT NBR ISO 9001
  • 32. Comparação ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 X ABNT NBR ISO 9001 Objetivos do processo ABNT NBR ISO/IEC 9001:2008 PM.O6 Uma Estratégia de Controle de Versão do software é desenvolvida. Itens de Configuração de Software são identificados, definidos e postos em baseline. As modificações e liberações dos itens são controladas e disponibilizadas ao Cliente e à Equipe de Trabalho. O armazenamento, manuseio e entrega dos itens são controlados.   7.5.1 Controle de produção e prestação de serviço (a, b, e, f) 7.5.3 Identificação e rastreabilidade 7.5.5 Preservação do produto PM.O7 A Garantia de Qualidade de Software é realizada para assegurar que produtos e processos de trabalho cumprem o Plano de Projeto e a Especificação de Requisitos.   7.5.2 Validação dos processos de produção e prestação de serviços 8.1 Generalidades (a) 8.2.4 Monitoramento e medição de produto
  • 33. Comparação ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 X ABNT NBR ISO 9001Objetivos do Processo ABNT NBR ISO/IEC 9001:2008 SI.O1. Tarefas das atividades são realizadas em cumprimento do Plano de Projeto. 7.1 Planejamento da realização do produto (d) 7.3.5 Verificação de projeto e desenvolvimento 7.3.6 Validação de projeto e desenvolvimento 8.2.4 Monitoramento e medição de produto SI.O2. Requisitos de Software são definidos, analisados quanto à correção e testabilidade, aprovados pelo Cliente, colocados em baseline e comunicados. 7.3.5 Verificação de projeto e desenvolvimento 7.3.6 Validação de projeto e desenvolvimento 7.3.7 Controle de alterações de projeto e desenvolvimento 8.2.4 Monitoramento e medição de produto SI.O3. Um projeto de arquitetura e detalhamento é desenvolvido e posto em baseline. Ele descreve os itens de SW e suas interfaces internas e externas. É estabelecida consistência e rastreabilidade aos requisitos de SW. 7.1 Planejamento da realização do produto 7.5.3 Identificação e rastreabilidade SI.O4. Os componentes de software definidos pelo projeto são produzidos. Testes unitários são definidos e realizados para verificar a consistência com os requisitos e com o projeto. É estabelecida rastreabilidade para os requisitos e para o projeto. 7.2.2 Análise Crítica dos Requisitos Relacionados ao produto 7.3.7 Controle de alterações de projeto e desenvolvimento SI.O5. SW é produzido fazendo a integração dos componentes de software e é verificado usando Casos de Teste e Procedimentos Teste. Os resultados são registrados no Relatório de Teste. Os defeitos são corrigidos e é estabelecida consistência e rastreabilidade ao Projeto SW. 7.2.2 Análise Crítica dos Requisitos Relacionados ao produto 7.3.7 Controle de alterações de projeto e desenvolvimento 8.2.4 Monitoramento e medição de produto 8.3 Controle de produto não conforme SI.O6. Uma Configuração de Software, que atende à Especificação de Requisitos conforme acordado com o Cliente, a qual inclui documentações do usuário, de operação e de manutenção é integrada, colocada em baseline e armazenada no Repositório do Projeto. Necessidades de alterações na Configuração do Software são detectadas e as devidas Solicitações de Mudança são iniciadas. 7.3.4 Análise crítica de projeto e desenvolvimento 7.3.5 Verificação de projeto e desenvolvimento 7.3.7 Controle de alterações de projeto e desenvolvimento SI.O7. Tarefas de Verificação e Validação de todos os produtos de trabalho necessários são realizadas usando critérios definidos para assegurar a consistência entre produtos de saída e entrada em cada atividade. Defeitos são identificados e corrigidos; Registros são 7.3.5 Verificação de projeto e desenvolvimento 7.3.6 Validação de projeto e desenvolvimento 7.5.3 Identificação e rastreabilidade
  • 34. Ou seja…c/ a NBR ISO 9001 Introdução 1.Escopo 2.Referência normativa 3.Termos de definições 4.Sistema de gestão da qualidade 5.Responsabilidades da direção 6.Gestão de recursos 7.Realização do produto 8.Medição, análise e melhoria
  • 35. Considerações sobre a comparação • A origem são os objetivos dos processos descritos na ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1; • As atividades dos processos da ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 são atestadas pelo alcance do conjunto de objetivos do processo • Os produtos de trabalho estão relacionados aos objetivos e às atividades executadas. • Os objetivos do Perfil Básico estão comparados com os processos inter-relacionados do CMMI e do MPS.BR
  • 36. • A ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1 trata da gestão de projetos [de software] e engenharia de software! • Portanto, a comparação tem que ser com os níveis dos demais modelos que contenham os processos de engenharia de software Considerações sobre a comparação
  • 37. Ou seja, •O Perfil Básico : ciclo de vida de desenvolvimento de software desde a determinação da “Declaração de Trabalho” até a entrega do “Software Configurado” ao cliente Considerações sobre a comparação
  • 38. Portanto, a comparação deve ser feita entre: •O Perfil Básico : ciclo de vida de desenvolvimento de software •os processos até o nível 3, no caso do CMMI e •os processos até o nível C, no caso do MPS.BR. Considerações sobre a comparação
  • 39. CMMI • Foram considerados os objetivos e práticas específicas (consideradas obrigatórias). MPS • Foram considerados os resultados esperados considerados no Guia Geral do MPS (obrigatórios). Considerações sobre a comparação
  • 40. Formulários e legendas da comparação ISO 29110-4-1 (Perfil Básico) Objetivos de Processos CMMI (Práticas Específicas) MPS (Resultados esperados) práticas específicas explicitamente comparadas com os objetivos de processos, atividades relacionadas ou produtos de trabalho que representem requisitos mandatórios na norma. resultados esperados explicitamente comparados com os objetivos de processos, atividades relacionadas ou produtos de trabalho que representem requisitos mandatórios na norma. (Origem) Objetivos de Processos da ISO 29110 [práticas específicas comparadas com tarefas opcionais, ou seja, que para efeito de atendimento a norma pode ser evidenciado desta ou de outra forma qualquer, desde que não interfira no alcance dos objetivos dos processos.] [resultados esperados comparadas com tarefas opcionais, ou seja, que para efeito de atendimento a norma pode ser evidenciado desta ou de outra forma qualquer, desde que não interfira no alcance dos objetivos dos processos.] { práticas específicas sem correspondência com requisitos mandatórios ou opcionais, ou seja, que não é considerada entre os requisitos – mandatórios ou opcionais – necessária para o alcance dos objetivos dos processos.} { resultados esperados sem correspondência com requisitos mandatórios ou opcionais, ou seja, que não é considerada entre os requisitos – mandatórios ou opcionais – necessária para o alcance dos objetivos dos processos.}
  • 41. ISO 29110-4-1 Processos Perfil Básico CMMI Processos até o nível 3 MPS Processos até o nível C PM – Gerência de Projetos Processos de Projeto [PP – Planejamento de Projeto] [PMC – Monitoração e Controle de Projeto] [IPM – Gestão Integrada de Projeto] [QPM – Gestão Quantitativa de Projeto] [REQM – Gestão de Requisitos] Processos Organizacionais [PPQA – Garantia da Qualidade de Processo e Produto] [RSKM – Gestão de Riscos] Processos de Projeto [GPR – Gerência de Projetos] [GRE – Gerência de Requisitos] Processos Organizacionais [GQA – Garantia da Qualidade] [GRI - Gerência de Riscos] SI – Implementação de Software Processos de Implementação de software [RD – Desenvolvimento de Requisitos] [PI – Integração de Produto] [TS – Solução Técnica] Processos Organizacionais [VAL – Validação] [VER – Verificação] [CM – Gestão de Configuração] Processos de Implementação de software [DRE – Desenvolvimento de Requisitos [ITP – Integração do Produto] [PCP – Projeto e Construção do Produto] Processos Organizacionais [GCO – Gerência de Configuração] [VER – Verificação] [VAL – Validação] A ABNT NBR ISO/IEC 29110 - Parte 5 contém orientações sobre como atender aos requisitos, mas não são prescritivas, mandatórias PROCESSOS DO CICLO DE VIDA
  • 42. ISO 29110-4-1 Processos Perfil Básico CMMI Processos até o nível 3 MPS Processos até o nível C Processos Organizacionais Objetivos relacionados a processos organizacionais deverão ser definidos nos perfis intermediário e avançado da série ISO/IEC 29110. Processos Organizacionais {MA – Me diç ão e Análise } {OPF – Fo c o no s Pro c e sso s da Organizaç ão } {OPD – De finiç ão do s Pro c e sso s da Organizaç ão } {OT – Tre iname nto na Organizaç ão } {DAR – Análise e To mada de De c isõ e s} Processos Organizacionais {GPP – Ge rê nc ia de Po rtfó lio de Pro je to s} {MED – Me diç ão} {AMP – Avaliaç ão e Me lho ria do Pro c e sso Organizac io nal} {DFP – De finiç ão do Pro c e sso Organizac io nal} {GRH– Ge rê nc ia de Re c urso s Humano s} {GDE– Ge rê nc ia de De c isão }
  • 43. ISO 29110-4-1 Processos Perfil Básico CMMI Processos até o nível 3 MPS Processos até o nível C Processos de Reuso Não há requisitos mandatórios ou opcionais relacionados aos processos de reuso no Perfil Básico da série ISO/IEC 29110; também não há previsão de que sejam definidos nos próximos perfis da série ISO/IEC 29110. Processos de Reuso {Não há prátic as re lac io nadas ao s pro c e sso s de re uso no CMMI} Processos de Reuso {GRU– Ge rê nc ia de Re utilizaç ão } {DRU– De se nvo lvime nto para Re utilizaç ão } Processo contratual (Aquisição) Não há requisitos mandatórios ou opcionais relacionados aos processos de Aquisição no Perfil Básico da série ISO/IEC 29110; também não há previsão de que sejam definidos nos próximos perfis da série ISO/IEC 29110. Processo contratual (Aquisição) {SAM – Gestão de Contrato com Fornecedores} Processo contratual (Aquisição) {AQU– Aquisição}
  • 44. PM.O1. O Plano de Projeto é desenvolvido de acordo com a Declaração de Trabalho e validado com o cliente. As tarefas e os recursos necessários para concluir os trabalhos são dimensionados e estimados. Nível 2 .......... PP SP 1.1. Estabelecer uma estrutura analítica de projeto [(work breakdown structure – WBS)] de alto nível para estimar o escopo do projeto. PP SP 1.2. Estabelecer e manter estimativas para atributos de produtos de trabalho e de tarefas. [PP SP 1.3. Definir fases do ciclo de vida do projeto para fins de planejamento]. [PP SP 1.4. Estimar custo e esforço do projeto para os produtos de trabalho e tarefas com base no raciocínio utilizado na estimativa]. [PP SP 2.1. Estabelecer e manter o orçamento e o cronograma do projeto.] [PP SP 2.3. Planejar a gestão de dados do projeto.] [PP SP 2.4. Planejar os recursos para execução do projeto.] [PP SP 2.5. Planejar habilidades e conhecimento necessários para a execução do projeto.] [PP SP 2.6. Planejar o envolvimento das partes interessadas identificadas.] [PP SP 2.7. Estabelecer e manter o plano global do projeto.] [PP SP 3.3. Obter o comprometimento das partes interessadas relevantes responsáveis pela execução e apoio à execução do plano.] Nível 3 .......... Nível G .......... GPR 1. O escopo do trabalho para o projeto é definido GPR 2. As tarefas e os produtos de trabalho do projeto são dimensionados [utilizando métodos apropriados] GPR 10. Um plano geral para a execução do projeto é estabelecido {com a integração de planos específicos}. GPR11. A viabilidade de atingir a meta do projeto é explicitamente avaliada [considerando restrições] e recursos disponíveis. Se necessário, ajustes são realizados. [GPR 3. O modelo e as fases do ciclo de vida do projeto são definidos.] [GPR 4. (Até o nível F) O esforço e o custo para a execução das tarefas e dos produtos de trabalho são estimados com base em dados históricos ou referências técnicas.] [GPR 5. O orçamento e o cronograma do projeto, incluindo a definição de marcos e pontos de controle, são estabelecidos e mantidos.] [GPR 7. Os recursos humanos para o projeto são planejados considerando o perfil e o conhecimento necessários para executá-lo.] [GPR 8. (Até o nível F) Os recursos e o ambiente de trabalho necessários para executar o projeto são planejados.] [GPR 9. Os dados relevantes do
  • 45. • a que é aceita pelo mercado de destino • a que assegura algo de relevância para o cliente Qual a melhor norma para mim?
  • 46. •o que o meu cliente quer? •o que o meu cliente conhece? •o que é importante para o meu cliente? •os critérios desta certificação são claros e objetivos? •quem atribui a certificação é sério, idôneo e independente? •o meu cliente conhece quem atribui a certificação? Perguntas a fazer...
  • 47. A ABNT NBR ISO/IEC 29110-4-1: •Contém os processos que asseguram o fornecimento de acordo com as expectativas dos clientes •Focalizada nos processos “produtivos” essenciais e suficientes para o fornecimento de software não crítico •Foi desenhada para MPE •Não contém os elementos de gestão da qualidade Algumas conclusões
  • 48. Alguns aspectos • Código de defesa do consumidor • Compras públicas – lei de licitações
  • 49. Gisele Villas Boas José Augusto A. K. Pinto de Abreu giselevb@gmail.com jose.augusto@sextante.net.br

Notas do Editor

  1. países aliados tiveram grandes dificuldades no compartilhamento de munições, o que ocasionou diversos problemas. Nas décadas de 1960 e 1970, a indústria da Grã Bretanha teve problemas significativos atribuídos à produtividade e qualidade deficitária de seus produtos
  2. Copyright da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Curso DFP / AMP / GRH Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade
  3. Copyright da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Curso DFP / AMP / GRH Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade
  4. países aliados tiveram grandes dificuldades no compartilhamento de munições, o que ocasionou diversos problemas. Nas décadas de 1960 e 1970, a indústria da Grã Bretanha teve problemas significativos atribuídos à produtividade e qualidade deficitária de seus produtos
  5. países aliados tiveram grandes dificuldades no compartilhamento de munições, o que ocasionou diversos problemas. Nas décadas de 1960 e 1970, a indústria da Grã Bretanha teve problemas significativos atribuídos à produtividade e qualidade deficitária de seus produtos
  6. países aliados tiveram grandes dificuldades no compartilhamento de munições, o que ocasionou diversos problemas. Nas décadas de 1960 e 1970, a indústria da Grã Bretanha teve problemas significativos atribuídos à produtividade e qualidade deficitária de seus produtos
  7. países aliados tiveram grandes dificuldades no compartilhamento de munições, o que ocasionou diversos problemas. Nas décadas de 1960 e 1970, a indústria da Grã Bretanha teve problemas significativos atribuídos à produtividade e qualidade deficitária de seus produtos
  8. Curso de Auditor ISO/IEC 29110 Rio de Janeiro, setembro de 2013