INFO-RIO 2011<br />27 a 29 DE Setembro<br />                                 RIO DE JANEIRO   BRASIL   <br />OPORTUNIDADES...
O MAPA ANGOLA<br />
O MAPA BRASIL<br />
“O DESAFIO ANGOLA”<br />CONSIDERAÇÕES GERAIS<br />Os 40 anos de conflito, agravado após as 1ªs eleições gerais em 1992, e ...
1.1 Estruturas e Serviços Sociais<br />a) Sistema de Ensino: 50% das crianças fora do sistema durante anos e hoje um défic...
networking<br />Trabalho em rede<br />
Infra-Estruturas Urbanas<br />a) Casco urbano: superlotados,com obras de requalificação de ruas  e  bairros peri-urbanos. ...
Infra-estruturas de Base<br />Debilidades e insuficiências decorrentes de quase 40 anos sem manutenção e sem construção nu...
2. Serviços e Lazer:<br />a)Transportes: poucos autocarros e cerca de 20 000 táxis ilegais com carros usados e outros 15 0...
3. Macroeconomia e Finanças:<br />3.1 Indicadores<br />a)A taxa do PIB decresceu de 12 para cerca de 3% por força da crise...
4. Comércio Externo<br />4.1Licenciamento importações: Liberalizado com inspecção obrigatória para alguns bens, facturas e...
5 Ambiente Empresarial<br />5.1 Concertação Social – órgão presidido pelo Vice Presidente da República e reúne com o patro...
6. Mercados<br />6.1 Oferta local : baixa com importação de 80%  <br />6.2 Comércio: Programa Nacional de Comércio Rural<b...
networking<br />networking<br />
O Brasil tem vantagens difíceis de ultrapassar Perante os demais concorrentes<br />6.1 Língua Portuguesa – a grande matriz...
Ainda maiores vantagens para o Brasil<br />Maiores vantagens terá o Brasil se com a sua capacidade nas TIC fizer uma Parce...
AIA – ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DE ANGOLA<br />-Membro do Conselho Nacional de Concertação Social <br />(Presidido pelo Vice P...
MUITO OBRIGADO A TODOS!<br />
www.aiangola.com<br />geral@aiangola.com | vectoraia@gmail.com<br /> Telefax: 222 335 557<br />José Severino<br />Presiden...
QUESTÕES<br />
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

28/09/2011 - 09h30 às 13h - TI & Petróleo Jose Severino

398 visualizações

Publicada em

28/09/2011 - 09h30 às 13h - TI & Petróleo Jose Severino

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
398
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

28/09/2011 - 09h30 às 13h - TI & Petróleo Jose Severino

  1. 1. INFO-RIO 2011<br />27 a 29 DE Setembro<br /> RIO DE JANEIRO BRASIL <br />OPORTUNIDADES DE NEGoCIOS  INVESTIMENTOSE PARCERIAS  <br />
  2. 2. O MAPA ANGOLA<br />
  3. 3. O MAPA BRASIL<br />
  4. 4.
  5. 5. “O DESAFIO ANGOLA”<br />CONSIDERAÇÕES GERAIS<br />Os 40 anos de conflito, agravado após as 1ªs eleições gerais em 1992, e fim em 2002 levaram a degradação e mesmo destruição das Estruturas Sociais e Serviços e das Infra-estruturas.<br />Até 1975 ano do fim da guerra de Libertação Nacional iniciada em 1961 Angola crescia a média de 22.% ano sendo auto-suficiente e exportadora e base de apoio da RDC e Zâmbia por força do CFB e porto do Lobito.<br />No ranking mundial era o 1º em farinha de peixe, 2º em diamante jóia, 3º em café, sisal e cera, 7º em algodão, 10º em mandioca e em peixe seco e sal, etc<br />Construíam-se 5km de estradas por dia em vários sentidos.<br />Ao tempo não tinha petróleo <br />Para uma melhor percepção elaborámos esta pequena síntese, que poderá ter alguma utilidade para os menos informados e feito sem a pretensão de esgotar a matéria.<br />
  6. 6.
  7. 7. 1.1 Estruturas e Serviços Sociais<br />a) Sistema de Ensino: 50% das crianças fora do sistema durante anos e hoje um défice em 30%, qualidade muito débil e o analfabetismo elevado.<br />O Governo investe em escolas, mas não há professores. <br />b)Sistema de Educação: défice de oferta e de qualidade mesmo com universidades privadas, poucas especialidades, e mal classificadas no ranking mundial<br />c)Sistemas de Formação: Bastante investimento estatal, mas ainda muito aquém das necessidades do mercado e com cooperação com alguns países, como o Brasil e Israel.<br />d) Sistemas de Saúde: Insuficiência de serviços agravada pelos índices de pobreza e taxa de mortalidade, serviços básicos limitados e com médicos cubanos e vietnamitas, clínicas privadas, mas insuficientes e fracas<br />e) Sistema de Pensões e Reformas: bastantes ganhoscom a modernização dos sistemas<br />f) SMN- Salário Mínimo Nacional – variáveis por sectores e o mais alto o da banca e serviços e o mais baixo o da Agricultura<br />
  8. 8. networking<br />Trabalho em rede<br />
  9. 9. Infra-Estruturas Urbanas<br />a) Casco urbano: superlotados,com obras de requalificação de ruas e bairros peri-urbanos. Em Luanda (7 milhões de habitantes e construção de prédios de porte e condomínios . <br />b) Estradas Urbanas: em reconstrução, débil manutenção <br />A circulação emLuanda agora semaforizada tem diascaóticos, com aumento do parque agora em renovação, <br />c) Saneamento Básico: os serviços melhoraram com privados mas com défice de qualidade <br />d)Electricidade e Água:subsidiados e não de qualidade. Reconstrução de 4 barragens, novos projectos e mini-hidroelectricas e com um plafond de 200milBPD/dia<br />Luanda reduziu problemas de energia com a última turbina da barragem de Capanda e de água com nova captação <br />e) Parceiros: chinesas com USD 12,0 de biliõese brasileiras, portuguesas, espanholas, alemãs, de menor porte.<br />f) Importação: a maioria da mão-de-obra, cimento e aço e outros materiais de construção <br />
  10. 10. Infra-estruturas de Base<br />Debilidades e insuficiências decorrentes de quase 40 anos sem manutenção e sem construção num território de 1,2 milhões de Km2 e 3000 kl de fronteiras<br />a)Estradas:10 000Km em reconstrução com 5 000 já feitos <br />b)Caminhos-de-ferro:2500 Km em reconstrução por chineses e a índia com alguns equipamentos destaque pª o internacional de Benguela(CFB), além de Luanda e Namibe<br />c)Portos:<br />-Luanda: teve forte congestionamento, hoje funciona bem com terminais de 2ª Linha. Em estudo um novo porto <br />- Lobito: no centro, funciona bem e em expansão.<br />-Moçâmedes: a sul, com insuficiência, fraco movimento.<br />- Cabinda: a norte, dificuldades. Novo projecto em curso.<br />d) Barragens: 4 em reconstrução e 3 em projecção<br />e) PPPs e BOT: Possibilidades de aplicação tanto nas Infra-Estruturas de base como das Urbanas e Serviços de Saúde e Educação.<br />
  11. 11. 2. Serviços e Lazer:<br />a)Transportes: poucos autocarros e cerca de 20 000 táxis ilegais com carros usados e outros 15 000 do tipo Hiace, vulgo candongueiro e com uns poucos táxis legalizados , <br />b)Hotéis e Restaurantes: o défice de oferta está a serequilibradocom muitos hotéis restaurantes novos <br />c)Saúde: Expandem-se os serviços com cooperação cubana e vietnamita e clínicas privadas, mas sem qualidade<br />d) Telecomunicações:Rede fixa restrita, telefoniamóvel cara, com dois operadores privados.Internet lenta e cara. A televisão por cabo expande-se<br />e) Segurança: Policia forte e não há receios de maior <br />f) Camionagem: múltiplas iniciativas, mas serviços caros<br />g)Transporte aéreo: bem nas rotas internacionais e interno, <br />h ) Navegação: não há companhias nacionaise os fretes internacionais são caros<br />
  12. 12. 3. Macroeconomia e Finanças:<br />3.1 Indicadores<br />a)A taxa do PIB decresceu de 12 para cerca de 3% por força da crise financeira internacional, podendo subir pª12.<br />b)A moeda nacional (USD/92,KZ)é o Kwanza, nome de rio <br />c)A inflação desceu pª 2 dígitos (12%), a taxa de juros de 25 pª15,a Dívida Pública foi renegociada, as reservas cambiais subiram pª USD 20 biliões, as receitas do petróleo rondam USD 60 biliões <br />3.2 FMI/BancoMundial: o Governo têm um programa de de monitorização e um financiamento de USD 1,2 Mil Milhões.<br />3.3 Reforma Tributária: foi criado o PERT – Programa Executivo pª redução de taxas e alargamento da base <br />3.4 Banca:BNA - Banco Nacional de Angola, banco emissor e regulador das reservas cambiais e com lançamento de redes e novos produtos dos bancos comerciais.<br />3.5 BDA - Banco de Desenvolvimento de Angola - com 5% das receitas mineiras para projectos produtivos, a médio e longo prazo, com juros bonificados <br />3.6 Seguros:também vão tendo novos operadores. <br />3.7 A Bolsa de Valoresestá em organização <br />
  13. 13. 4. Comércio Externo<br />4.1Licenciamento importações: Liberalizado com inspecção obrigatória para alguns bens, facturas e rótulos em português e com tutela do Ministério do Comércio<br />4.2 Alfândegas: concluído o processo de modernização e introduzida a Pauta Aduaneira Harmonizada Internacional <br /> 4.2.1 A Nova Pauta, a partir de Janeiro próximo assenta no principio da Substituição de Importações e Diversificação de Exportações <br />a)Taxa “zero” para máquinas, equipamentos e camiões novos para matérias-primas, subsidiárias, materiais, peças e peças de reposição <br />b)Taxa de 20.0 % para bens de consumo já com grande capacidade de oferta nacional <br />c)Taxa máxima de 30.0% para bens e para materiais com existência plena ou de fácil obtenção.<br />4.3Sistemas de Inspecção: não intrusiva<br />4.4 ZCL- Zona de Comércio Livre da SADC- passível integração em 2016 nesta Comunidade de 15 Países <br />
  14. 14.
  15. 15. 5 Ambiente Empresarial<br />5.1 Concertação Social – órgão presidido pelo Vice Presidente da República e reúne com o patronato e Centrais Sindicais<br />5.2 Constituição de empresas passospositivos na ANIP – Agência Nacional do Investimento Privado e Guichet Único <br />A ANIP define os incentivos aduaneiros e fiscais, de região a região, podendo chegar a 100.0% de isenções do Imposto Industrial até 15 anos <br />5.3 Concorrência e Preços: foram criados dois instrumentos de regulação da oferta e da procura e os preços de bens seguem o princípio de margens comerciai. <br />5.4 Segurança Social e SMN: obrigatórios e controlados pelo MAPESS e um Instituto<br />5.5 IRT: 3.5 e 8.0% para o trabalhador e empresa.<br />5.6 Justiça:alguma melhoria nas conservatórias e notários e dos tribunais, mas ainda aquém das necessidades.<br />5.7 Leis recentes: das MPMS, Código Mineiro, PPPs. Privatização nos petróleos e nas minas<br />
  16. 16. 6. Mercados<br />6.1 Oferta local : baixa com importação de 80% <br />6.2 Comércio: Programa Nacional de Comércio Rural<br />6.3 Mercado Petrolífero – baixa na produção mas a passar agora de 1,6 pª 2,2 milhões/dia, arranque do Projecto LNG e petroquímica e refinaria em estudo, Angolanização de Quadros e Circulação de Capitais pela Banca Nacional.<br />6.4 Obras Públicas: Programa “Um Milhão de Casas”, 5000Km de estradas, mais de 100 pontes<br />6.5 Mercado Mineiro – a exploração de diamantes em recuperação e novo Código Mineiro e previsão para grandes projectos mineiros e siderúrgicos e cimenteiras<br />6.6 Agricultura e DR: grandes perímetros irrigados e produção de milho, açúcar e etanol ainda este ano.<br />6.7 Industria: Em execução programas de ZEEe de Pólos de Desenvolvimento Industriais e várias fábricas novas em embalagens, agro - indústria e materiais de construção<br />6.8 Mercado Informático: alguns distribuidores de hardware, mas oferta muita escassa e cara de softwares<br />6.9 Mercado Politico – Eleições em Out de 2012 e autárquicas em 2014, mas já com descentralização <br />
  17. 17. networking<br />networking<br />
  18. 18. O Brasil tem vantagens difíceis de ultrapassar Perante os demais concorrentes<br />6.1 Língua Portuguesa – a grande matriz<br />6.2 Internacionalização: cruzamento de capitais financeiros entre ambos e com possibilidades de consolidar projectos de substituição de importações e de exportações<br />6.3 Vantagens competitivas: disponibilidade de peritos, hábitos e costumes da mesma raiz, religiosidade católica, facilidade de adaptação meio <br />6.4 Mercados intersinergéticos: Petróleo e Agricultura, pelas mesmas funcionalidades.<br />6.5 Trocas Comerciais entre ambos: em crescendo constante do Brasil pª Angola <br />6.6Proximidade: custos inferiores de deslocações de bens e serviços e apenas superiores ao da África do Sul<br />
  19. 19. Ainda maiores vantagens para o Brasil<br />Maiores vantagens terá o Brasil se com a sua capacidade nas TIC fizer uma Parceria com Angola para sinergizar o potencial angolano, fazendo das suas fragilidades “Oportunidades de Negócios” na Região da SADC- Comunidade dos 15 Países da África Austral, e Golfo da Guiné e PALOP- Paises Africanos de Língua Portuguesa.<br />Angola “Porta pª África”<br />Porta para 400 milhões de consumidores<br />Os Presidentes Lula da Silva e José Eduardo dos Santos assim subscreveram essa Parceria Estratégica <br />
  20. 20. AIA – ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DE ANGOLA<br />-Membro do Conselho Nacional de Concertação Social <br />(Presidido pelo Vice Presidente da República)<br />-Membro dos Conselhos Provinciais<br />-Membro do Conselho Nacional da Reforma Tributária<br />-Parceiro de outras associações<br />-Património de USD 40 Milhões<br />-Programa rádio próprio<br />-Perto de 5 000 associados em todas as 18 províncias.<br />-Associação privada e democrática<br />Angola….a querer rugir no Mundo. <br />Mas um rugir com a Força das TIC<br />Um rugir com parceria brasileira<br />Tudo, embora pequeno, á vossa disposição<br />
  21. 21. MUITO OBRIGADO A TODOS!<br />
  22. 22. www.aiangola.com<br />geral@aiangola.com | vectoraia@gmail.com<br /> Telefax: 222 335 557<br />José Severino<br />Presidente da A.I.A<br />jsv.aia@gmail.com<br />
  23. 23. QUESTÕES<br />

×