SlideShare uma empresa Scribd logo

Polímeros

Primeira Gincana Virtual de Química,slide sobre polímeros.

Polímeros

1 de 43
Baixar para ler offline
Ricardo Feltre 
Escola Estadual Manoel Lúcio da Silva 
3c 
Isabele Nataly Gomes de Oliveira 
Ivinny José Lopes 
Laryssa Paula Brito da Silva Ferro 
Mateus Leandro Costa 
Nº 12 
Nº 14 
Nº 24 
Nº 26 
Professor: Paulo Celso 
18/10/2014 
Arapiraca - AL 
matutino
Polímeros 
Laryssa Paula Brito da Silva Ferro
Polímeros 
Pode-se chamar de polímeros as 
macromoléculas em que há uma 
unidade que se repete, chamada 
monômero. O nome vem do grego: 
poli = muitos + meros = partes, ou 
seja, muitas partes. A reação que 
forma os polímeros é chamada de 
polimerização. 
Classificação dos Polímeros 
1) Quanto à ocorrência: 
a) polímeros naturais (os que 
existem na natureza). 
Ex.: proteína, celulose, amido, 
borracha.
Polímeros 
b) polímeros artificiais (obtidos em 
laboratório). 
Ex.: polietileno, isopor (poliestireno 
insuflado com ar quente). 
2) Quanto ao método de obtenção: 
a) polímeros de adição: obtidos pela 
adição de um único monômero. 
b) copolímeros: obtidos pela adição de 
dois monômeros diferentes. 
c) condensação: obtidos pela adição de 
dois monômeros diferentes com 
eliminação de substância inorgânica 
(geralmente água ou gás amoníaco).
Elastômero 
Laryssa Paula Brito da Silva Ferro
Elastômero 
Um elastômero é um polímero que 
apresenta propriedades "elásticas", 
obtidas depois da reticulação. Ele 
suporta grandes deformações antes 
da ruptura. O termo borracha é um 
sinônimo usual de elastômero. 
Os materiais elastomericos tal como 
os pneumáticos são normalmente a 
base de borracha natural (sigla NR) e 
de borracha sintética. 
Por muito tempo a única borracha 
conhecida era a natural. 
Em 1860, o químico inglês Charles 
Hanson Greville Williams demonstra 
que este material é um 
polisoprenóide.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Quimica polimeros sintéticos
Quimica polimeros sintéticosQuimica polimeros sintéticos
Quimica polimeros sintéticos
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Química dos polímeros - Ezequiel
Química dos polímeros - EzequielQuímica dos polímeros - Ezequiel
Química dos polímeros - Ezequiel
 
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticos
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticosPpoint.quim.polimeros.adição.plásticos
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticos
 
Polímeros 3a3
Polímeros 3a3Polímeros 3a3
Polímeros 3a3
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Polímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_paulo
Polímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_pauloPolímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_paulo
Polímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_paulo
 
Quimica polimeros
Quimica polimerosQuimica polimeros
Quimica polimeros
 
Polimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais PropriedadesPolimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais Propriedades
 
Polimeros slide pdf
Polimeros slide pdfPolimeros slide pdf
Polimeros slide pdf
 
Polímeros Sintéticos
Polímeros SintéticosPolímeros Sintéticos
Polímeros Sintéticos
 
Plasticos
PlasticosPlasticos
Plasticos
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Polímeros Sintéticos
Polímeros SintéticosPolímeros Sintéticos
Polímeros Sintéticos
 
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
 
Polímeros sintéticos
Polímeros sintéticosPolímeros sintéticos
Polímeros sintéticos
 
Polimshow2
Polimshow2Polimshow2
Polimshow2
 
Compósitos em Embarcações
Compósitos em EmbarcaçõesCompósitos em Embarcações
Compósitos em Embarcações
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Trabalho matrizes termoplásticas
Trabalho matrizes termoplásticasTrabalho matrizes termoplásticas
Trabalho matrizes termoplásticas
 

Destaque

Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da Silva
Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da SilvaPolímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da Silva
Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da SilvaAlexandre Graham
 
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricos
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricosAditivos anti-degradantes para compostos elastoméricos
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricosBorrachas
 
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo ITreinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo ICENNE
 
5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhas5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhasKamillaarndt
 
Curso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da BorrachaCurso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da BorrachaCENNE
 
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
Aula De Quimica Organica   Petroleo 2Aula De Quimica Organica   Petroleo 2
Aula De Quimica Organica Petroleo 2socorro06
 
Polímeros (caracteristicas principales)
Polímeros (caracteristicas principales)Polímeros (caracteristicas principales)
Polímeros (caracteristicas principales)Deibidinc
 
Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricaçãoLuciano Santos
 

Destaque (12)

Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da Silva
Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da SilvaPolímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da Silva
Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da Silva
 
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricos
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricosAditivos anti-degradantes para compostos elastoméricos
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricos
 
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo ITreinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhas5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhas
 
Curso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da BorrachaCurso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da Borracha
 
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
Aula De Quimica Organica   Petroleo 2Aula De Quimica Organica   Petroleo 2
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
 
Polimeros 3
Polimeros 3Polimeros 3
Polimeros 3
 
Polímeros (caracteristicas principales)
Polímeros (caracteristicas principales)Polímeros (caracteristicas principales)
Polímeros (caracteristicas principales)
 
Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricação
 
Cimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidroCimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidro
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 

Semelhante a Polímeros

SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR
SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR
SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR Edgardd Salvador
 
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"Sandra Oliveira
 
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Mari Rodrigues
 
Isaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G NorturnoIsaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G NorturnoNewton Isaac
 
Manoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silvaManoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silvaMarttha Reys
 
Aula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptxAula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptxMiguel Jose
 
Slide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamSlide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamAlbert Graham
 
Slide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamSlide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamAlbert Graham
 
Abtb poliuretano para calcados franca lt quimicos
Abtb poliuretano para calcados franca lt quimicosAbtb poliuretano para calcados franca lt quimicos
Abtb poliuretano para calcados franca lt quimicosMSCarlos
 
PET - Saiba mais
PET - Saiba maisPET - Saiba mais
PET - Saiba maisCENNE
 

Semelhante a Polímeros (20)

SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR
SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR
SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR
 
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"
 
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
 
Isaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G NorturnoIsaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G Norturno
 
A pedra
A pedra A pedra
A pedra
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
POLÍMEROS
POLÍMEROSPOLÍMEROS
POLÍMEROS
 
Artigo ptfe-teflon
Artigo ptfe-teflonArtigo ptfe-teflon
Artigo ptfe-teflon
 
Manoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silvaManoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silva
 
Resumo _ Planejativo.pdf
Resumo _ Planejativo.pdfResumo _ Planejativo.pdf
Resumo _ Planejativo.pdf
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Aula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptxAula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptx
 
Reações de polimerização
Reações de polimerização Reações de polimerização
Reações de polimerização
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
Quimica polimerosxuxu17112008
Quimica polimerosxuxu17112008Quimica polimerosxuxu17112008
Quimica polimerosxuxu17112008
 
Slide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamSlide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert Graham
 
Slide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamSlide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert Graham
 
Abtb poliuretano para calcados franca lt quimicos
Abtb poliuretano para calcados franca lt quimicosAbtb poliuretano para calcados franca lt quimicos
Abtb poliuretano para calcados franca lt quimicos
 
Polímeros termoplasticas
Polímeros termoplasticasPolímeros termoplasticas
Polímeros termoplasticas
 
PET - Saiba mais
PET - Saiba maisPET - Saiba mais
PET - Saiba mais
 

Polímeros

  • 1. Ricardo Feltre Escola Estadual Manoel Lúcio da Silva 3c Isabele Nataly Gomes de Oliveira Ivinny José Lopes Laryssa Paula Brito da Silva Ferro Mateus Leandro Costa Nº 12 Nº 14 Nº 24 Nº 26 Professor: Paulo Celso 18/10/2014 Arapiraca - AL matutino
  • 2. Polímeros Laryssa Paula Brito da Silva Ferro
  • 3. Polímeros Pode-se chamar de polímeros as macromoléculas em que há uma unidade que se repete, chamada monômero. O nome vem do grego: poli = muitos + meros = partes, ou seja, muitas partes. A reação que forma os polímeros é chamada de polimerização. Classificação dos Polímeros 1) Quanto à ocorrência: a) polímeros naturais (os que existem na natureza). Ex.: proteína, celulose, amido, borracha.
  • 4. Polímeros b) polímeros artificiais (obtidos em laboratório). Ex.: polietileno, isopor (poliestireno insuflado com ar quente). 2) Quanto ao método de obtenção: a) polímeros de adição: obtidos pela adição de um único monômero. b) copolímeros: obtidos pela adição de dois monômeros diferentes. c) condensação: obtidos pela adição de dois monômeros diferentes com eliminação de substância inorgânica (geralmente água ou gás amoníaco).
  • 5. Elastômero Laryssa Paula Brito da Silva Ferro
  • 6. Elastômero Um elastômero é um polímero que apresenta propriedades "elásticas", obtidas depois da reticulação. Ele suporta grandes deformações antes da ruptura. O termo borracha é um sinônimo usual de elastômero. Os materiais elastomericos tal como os pneumáticos são normalmente a base de borracha natural (sigla NR) e de borracha sintética. Por muito tempo a única borracha conhecida era a natural. Em 1860, o químico inglês Charles Hanson Greville Williams demonstra que este material é um polisoprenóide.
  • 7. Elastômero A primeira patente sobre a fabricação de um elastômero sintético foi depositada em 12 de setembro de 1909 pelo químico alemão Fritz Hoffmann. Estritamente, os elastômeros não fazem parte dos materiais plásticos.
  • 8. Vulcanização Laryssa Paula Brito da Silva Ferro
  • 9. Vulcanização A vulcanização é um método criado em 1839 pelo inventor estadunidense Charles Goodyear que consiste geralmente na aplicação de calor e pressão a uma composição de borracha, a fim de dar a forma e propriedades do produto final. Sem dúvida é a fase mais importante da indústria de borracha
  • 10. Copolímeros Laryssa Paula Brito da Silva Ferro
  • 11. Copolímeros copolímeros são polímeros de adição
  • 13. Poliuretano É um dos materiais mais usados no mercado para fabricação de diversos produtos. É um material leve,com grande capacidade de mudar sua forma,densidade e resistência. Podemos encontrá-lo tanto em estofados – espumas,como também em parte automotivas Justamente por ser muito leve,ele consegue ser usados de diversas formas diferentes.Também conhecido como a “borracha do futuro”,onde substitui borrachas,plásticos e metais,e tendo maior resistência mecânica,agregando um melhor custo x benefício à industria.
  • 15. Policarbonato É um material elaborado a base de resina que oferece transparência e um alto nível de transparência.Normalmente utilizado em projetos de iluminação natural.Esse material é relativamente novo. Na verdade,um dos mais avançados polímeros no campo dos plásticos,sendo considerado um plástico de engenharia,ou seja,um material que reúne características de resistência que o qualifica para aplicações de alta exigência,podemos encontrá-lo em coberturas,fachadas,túneis,etc.
  • 17. Polifenol São substâncias caracterizadas por possuírem uma ou mais hidroxilas ligadas a um anel aromático.Então,são fenóis,porém podem apresentar um ou mais grupos de hidroxilas e mais de um anel aromático. Um polifenol é consequente da reação entre um fenol comum e o formaldeíldo.Polímeros desse tipo são resistentes ao aquecimento,por isso podemos encontrá-los em cabos de panela e também em materiais elétricos,como interruptores.
  • 19. Polímeros Termoplásticos É um tempo de plástico cujas propriedades mudam quando aquecidos e resfriados. Se tornam macios quando o calor é aplicado,e suaves e rígidos quando resfriados.Há uma grande variedade de fórmulas de termoplásticos disponíveis,que foram criadas para muitas aplicações diferentes
  • 21. Poliéster Poliéster é uma categoria de polímeros que contém o grupo funcional éster na sua cadeia principal. Apesar de existirem muitos poliésteres, o substantivo masculino "poliéster" como material específico refere-se ao polietileno tereftalato (PET). Os poliésteres incluem produtos químicos que ocorrem naturalmente, tais como a cutina presente na cutícula das plantas, e produtos químicos sintéticos obtidos por policondensação tais como o policarbonato e polibutirato. Os poliésteres naturais e alguns sintéticos são biodegradáveis, mas a maioria dos últimos não. Dependendo da sua estrutura química, o poliéster pode ser termoplástico ou termoendurecido, no entanto a maioria dos poliésteres comuns são termoplásticos.
  • 22. Poliéster Tecidos e malhas feitos com fios de fibras de poliéster são usados extensivamente em confecções e têxteis-lar, de camisas e calças a casacos, chapéus, lençóis, cortinados e móveis estofados. Fibras fios e cordas de poliéster são usados em reforços para pneus, tecidos para correias transportadoras, cintos de segurança. Fibras de poliéster são usadas como material isolante e enchimento de almofadas, edredons e estofos. Enquanto as roupas sintéticas são percepcionadas por muitos como tendo um toque menos natural em relação à roupa feita com fibras naturais, tais como o algodão e a lã, os tecidos de poliéster possuem vantagens específicas sobre os tecidos com fibras naturais, tais como resistência à ruga, durabilidade e retenção de cor.
  • 23. Poliéster Como resultado, as fibras de poliéster são muito misturadas com as fibras naturais para produzir um tecido com propriedades das fibras sintéticas sem perder o toque das fibras naturais. Os poliésteres também são usados como matéria-prima para a fabricação de garrafas de plástico, filmes, tarpaulin, canoas, ecrãs LED, hologramas, filtros, filmes dielétricos para condensadores, tinta em pó e verniz, etc. Como verniz, aplicado à pistola, os políésteres são usados em acabamentos em madeiras de alta qualidade para guitarras, pianos e interiores de viaturas e iates. As propriedades tixotrópicas dos poliésteres aplicáveis à pistola tornam-nos ideais para serem aplicados em madeiras de grão aberto, pois enchem rapidamente o grão, com uma espessura alta por demão. Após a cura, esses vernizes de poliéster podem ser lixados e polidos até um acabamento de alto brilho. Os poliésteres líquidos cristalinos estão entre os primeiros polímeros de cristais líquidos usados em escala industrial. Eles são usados devido às suas propriedades mecânicas e de resistência ao calor. Essas características são importantes nas suas aplicações como selo abrasivo em motores a jacto.
  • 25. Silicone Silicone utilizado em implantes. Silicones são compostos quimicamente inertes, inodoros, insípidos e incolores, resistentes à decomposição pelo calor, água ou agentes oxidantes, além de serem bons isolantes elétricos.Podem ser sintetizados em grande variedade de formas com inúmeras aplicações práticas, por exemplo, como agentes de polimento, vedação e proteção. São também impermeabilizantes, lubrificantes e na medicina são empregados como material básico de próteses. Atualmente estima-se que os silicones são utilizados em mais de 5.000 produtos. O termo silicone é o termo inglês para a classe de compostos químicos cujo nome correto em português é silicone, em função da sua semelhança da sua fórmula geral com as cetonas.
  • 26. Silicone Formato: Podem ser redondos ou anatômicos (também chamados de gota). Os implantes em gota fornecem uma projeção menor no pólo superior das mamas, o que pode eventualmente ser desejado. Localização: Os implantes de silicone podem ser colocado nas mamas (na frente ou atrás do músculo peitoral maior), glúteos, panturrilhas, tórax masculino e queixo (silicone sólido, neste caso).
  • 28. Kevlar Kevlar é uma marca registrada da DuPont para uma fibra sintética de aramida muito resistente e leve. Trata-se de um polímero resistente ao calor e sete vezes mais resistente que o aço por unidade de peso. O kevlar é usado no fabrico de cintos de segurança, cordas, construções aeronáuticas, velas, coletes à prova de bala, linhas de pesca, de alguns modelos de raquetes de tênis, na composição de alguns pneus, para fitas de alguns modelos de pedal de bumbo e telemóveis, como o motorola razr i. O tanque de combustível dos carros de Fórmula 1 é composto deste material, para evitar que objectos pontiagudos perfurem os tanques no momento da colisão.
  • 29. Kevlar Existem vários tipos de Kevlar; o que é produzido pela polimerização de p-fenilenodiamina com cloreto de tereftaloila tem fórmula básica (-CO-C6H4-CO-NH-C6H4- NH-) Fórmula molecular -CO-C6H4-CO-NH-C6H4- NH-
  • 31. Poliamida Poliamida é um polímero termoplástico composto por monômeros de amida conectados por ligações peptídicas, podendo conter outros grupamentos. A primeira poliamida foi sintetizada na DuPont, por um químico chamado Wallace Hume Carothers, em 1935.1 As poliamidas como o nylon, aramidas, começaram a ser usadas como fibras sintéticas, e depois passaram para a manufatura tradicional dos plásticos. Atualmente, a poliamida tem estreita relação com uma família de polímeros denominados poliamídicos, e sua produção é feita a partir de quatro elementos básicos, extraídos respectivamente: do petróleo (ou gás natural), do benzeno, do ar e da água (carbono, nitrogênio, oxigênio e hidrogênio). Tais elementos são combinados por processos químicos especiais, dando origem a compostos conhecidos como ácido adípico, hexametilenodiamina, caprolactama e outros compostos, que por sua vez, sofrem reações químicas, de forma a constituírem as macromoléculas que formam a poliamida.
  • 32. Poliamida Produção: A produção da poliamida é feita a partir de uma polimerização por condensação de um grupo amina e um ácido carboxílico ou cloreto de acila. A reação tem como subproduto água ou ácido clorídrico. Reação de síntese da poliamida 4,6 Tradicionalmente a poliamida sem grupos especiais tem nomenclatura de poliamida x,y onde x e y representam o número de carbonos dos dois monômeros presentes. Estrutura da Aramida, Kevlar, uma poliamida com grupamento aromativo no monômero Podemos ver a poliamida sendo usada para fabricação de carpetes, airbags, patins,relógios, calçados esportivos, uniformes de esqui, cordas para alpinismo, barracas. Também podemos ver que um automóvel tem hoje pelo menos dez quilos de seus materiais em poliamida, apresentando vantagens exclusivas e diminuindo o peso do carro e, em conseqüência, reduz o consumo de combustível. Aplicações e tipos: Poliamidas 6,6 e 6 As poliamidas existem em uma grande varidade, conforme sua composição polimérica. Dependendo dos grupos funcionais ligados a ela e do número de carbonos que compõem os monômeros da-se um nome diferente.
  • 33. Polímeros Termofixos Isabele Nataly Gomes de Oliveira
  • 34. Polímeros Termofixos São polímeros permanentemente duros e não amolecem quando aquecidos devido as ligações cruzadas covalentes entre as cadeias. Em temperaturas excessivas o polímero se degrada destroem as moléculas, ou seja, Os termorígidos ou termofixos são aqueles que não derretem e que apesar de não poderem ser mais moldados, podem ser pulverizados e aproveitados como carga ou serem incinerados para recuperação de energia. Tipos de polímeros termofixos: • Resina epóxi • Resina fenólica • Resina poliéster • Resina furano. Exemplos de aplicações: Solados de calçados, interruptores, peças industriais elétricas, peças para banheiro, pratos, travessas, cinzeiros, telefones, embutimento de amostras metalográficas, carrocerias, caixas d'água, piscinas, na forma de plástico reforçado (fiberglass). e etc.
  • 35. Fibras Têxteis Isabele Nataly Gomes de Oliveira
  • 36. Fibras Têxteis Entende-se por Fibra Têxtil, todo elemento de origem química ou natural, constituído de macromoléculas lineares, que apresente alta proporção entre seu comprimento e diâmetro e cujas características de flexibilidade, suavidade e conforto ao uso, tornem tal elemento apto às aplicações têxteis
  • 37. Fibras Têxteis Fibra Têxtil Natural: As chamadas fibras naturais são todas as fibras que já se apresentam prontas na natureza necessitando apenas alguns processos físicos para transformá-las em fios. Elas estão divididas em: Fibra Têxtil Animal: Seda, lã, Lhama, etc. Fibra Têxtil Vegetal: Algodão, Linho, Sisal, coco, etc. Fibra Têxtil Mineral: Amianto. Fibras Têxteis Fibra Têxtil Química: É formada de macromoléculas lineares obtidas através de artifícios ou sínteses químicas, logo é um grupo de fibras não naturais que englobam as fibras Artificiais e Sintéticas. É também conhecida como fibra manufaturada, fibra feita pelo homem, tecnofibra ou man-made-fiber.
  • 38. Embalagens Isabele Nataly Gomes de Oliveira
  • 39. Embalagens Qual é o impacto das embalagens no meio ambiente? Hoje, um terço do lixo doméstico é composto por embalagens. Cerca de 80% das embalagens são descartadas após usadas apenas uma vez! Como nem todas seguem para reciclagem, este volume ajuda a superlotar os aterros e lixões, exigindo novas áreas para depositarmos o lixo que geramos. Isso quando os resíduos seguem mesmo para o depósito de lixo... Recentemente, foi descoberta uma enorme quantidade de lixo boiando no meio do oceano Pacífico - uma área igual a dois Estados Unidos.
  • 40. Embalagens Esse grande depósito de entulho se formou com o lixo jogado por barcos, plataformas petrolíferas e vindos dos continentes, sendo reunido devido às correntes marítimas. Acredita-se que lá exista algo em torno de 100 milhões de toneladas de detritos .Uma boa quantidade é composta de embalagens e sacolas plásticas. Estima-se que resíduos plásticos provoquem anualmente a morte de mais de um milhão de aves e de outros 100 mil mamíferos marinhos (Fonte: Revista Istoé, edição 1997 - "A sopa de lixo no Pacífico"). No Brasil, aproximadamente um quinto do lixo é composto por embalagens. São 25 mil toneladas de embalagens que vão parar, todos os dias, nos depósitos de lixo. Esse volume encheria mais de dois mil caminhões de lixo, que, colocados um atrás do outro, ocupariam quase 20 quilômetros de estrada. Ou seja, as embalagens, quando consumidas de maneira exagerada e descartadas de maneira regular ou irregular - em lugar de serem encaminhadas para reciclagem - contribuem e muito para o esgotamento de aterros e lixões, dificultam a degradação de outros resíduos, são ingeridos por animais causando sua morte, poluem a paisagem, causam problemas na rede elétrica (sacolas que se prendem em fios de alta tensão),
  • 41. Embalagens e muitos outros tipos de impactos ambientais menos visíveis ao consumidor final (o aumento do consumo aumenta a demanda pela produção de embalagens, o que consome mais recursos naturais e gera mais resíduos). Todo esse impacto poderia ser diminuído ou eliminado, basicamente, por meio da redução do consumo desnecessário e correta separação e destinação do lixo: compramos somente aquilo que é necessário, reutilizamos o que for possível e mandamos para reciclagem materiais recicláveis e para a compostagem os resíduos orgânicos.
  • 42. A Guerra Contra a Água Mineral Isabele Nataly Gomes de Oliveira
  • 43. A Guerra Contra a Água Mineral Com o crescimento do consumo de água mineral em 145% nos últimos dez anos, as embalagens plásticas começaram a preocupar muitos ambientalistas. As famosas garrafas plásticas (PET) sempre foram preocupação mas agora se agrava a situação, pois, por as garrafinhas de água mineral serem pequenas a grande maioria de catadores de materiais recicláveis evitam a sua coleta por achar que não compensa financeiramente para eles o trabalho de coletar e transportar matérias pequenos que ocupariam muito espaço, e a grande maioria da população não descarta as embalagens nos locais corretos para que seja feita a reciclagem e com isso milhares e milhares de garrafinhas de água mineral poluem o meio ambiente e agravam muito o aquecimento global. Com isso foi travada uma "guerra" contra o uso exagerado e desnecessário das tais garrafinhas. Uma boa solução seria as pessoas aderirem ao uso de suas próprias garrafas e quando comprarem as tais garrafinhas as descartar em locais corretos para que seja feita a devida reciclagem.