A DIALÉTICA
E TUDO O QUE É SÓLIDO
DESMANCHA NO AR
“Dissolvem-se todas as relações sociais antigas e
cristalizadas, com seu cortejo de concepções e
de idéias secularmente ve...
HERACLITO X PARMENIDES
MUDANÇA X ESTABILIDADE





Para Parmênides a mudança é apenas aparente.
A aparência pode mudar mas a essência
permanec...
Cotidiano
Todo dia ela faz tudo sempre igual:
Me sacode às seis horas da manhã,
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com...
TUDO FLUI

“Ninguém pode banhar-se duas vezes no mesmo
rio”
HERÁCLITO




Existe apenas o processo tudo está em constante
transformação
“Tudo o que é sólido desmancha no ar”
Vem a...
RODA VIVA
Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou foi o mundo então que cr...
Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...
 A gente vai cont...
A gente toma a iniciativa
Viola na rua a cantar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a viola prá lá...
 O samba, a vio...
Senhores do destino








Tudo está em processo
Temos condições de assumir o processo de
construção do nosso destin...
AQUARELA




Numa folha qualquer
Eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas
É fácil fazer um castelo...
Corro o...
HISTÓRIA DA DIALÉTICA




"A dialética, como lógica viva da ação, não pode
aparecer a uma razão contemplativa. (...) No
...
DIALÉTICA NA GRÉCIA ANTIGA
Ache o gatinho!!!
DIALÉTICA NA GRÉCIA ANTIGA
Originalmente
Arte do discurso, de convencer o outro.
Atualmente a dialética se refere a tentativa de
pensar a realidade e...
Para Heráclito estamos em processo
de transformação Ex
Parmênides




Os gregos preferiram a visão de Parmênides.
Para Parmênides mudanças são apenas aparentes
A essência não...
Por que prevaleceu a visão
parmenideana?






Convinha a uma sociedade dividida em classes.
Era conveniente a natural...
Liberdade guiando o povo
Delacroix REv. 1830 queda de
Carlos X
A repressão






A visão dialética foi reprimida e vista como
secundária.
Visão dialética por não acreditar na possibi...
COMO TUDO COMEÇOU








Tudo começou com os postulados de Anaximandro
Para este filósofo o principio originário de ...
Tudo que existe deixará de existir





Anaximandro considera todo vir-a-ser como uma
emancipação do ser eterno, digna ...










A metafísica

A metafísica é a teoria que busca os princípios universais das
coisas.
Os elementos transcen...
A importância







Anaximandro é importante por ser o primeiro a
admitir o movimento das coisas.
Por afirmar que tud...
Anaximandro e o idealismo




ele afirma existir um ser que é a causa de todos
os outros
Este ser estaria imune ao movim...
Anaximandro e o indeterminado
Para que o vir-a-ser não cesse, o ser originário
tem de ser indeterminado.
 Ele não possui ...
Importante









O ser não possui características definidas
Para outros filósofos o ser originário possui
caracter...
Uma luz em meio a
escuridão mística
Em meio a escuridão uma luz





“Heráclito de Éfeso surgiu no meio desta noite
mística que envolvia o problema do devi...
Acabou a divisão











Anaximandro dividia a realidade em física e metafísica.
Heráclito coloca fim a divisão...
Segundo Nietzsche


“Em primeiro lugar, negou a dualidade de dois
mundos
totalmente
diferentes,
que
Anaximandro se vira o...
Parmênides












Parmênides fazia uma distinção entre o mundo do
aparente (sensível) e o mundo da verdade (in...
Por que Heráclito é genial?









Anaximandro sente o devir
Percebe que as coisas todas mudam
Mas não tem coragem...
HERÁCLITO É O
SEMEADOR DE
TEMPESTADES
Heráclito tem a audácia de romper
com o estável.
De afirmar o devir


“O devir único e eterno, a inconsistência total de
todo o real, que somente age e flui
incessantemente, sem alguma vez ...
O ser





Heráclito nega a existência de um ser
Não há ser o que existe é o fluir
As coisas não são estão
Heráclito n...




“Após este primeiro passo, também já não pôde coibirse de uma maior audácia da negação: negou o ser em
geral. Pois o...
Conceitos e lógica








Para Heráclito a lógica formal é incapaz de
captar a realidade
A lógica formal que trabalha...
Verdade








A verdade está nas coisas.
Existem apenas seres singulares
Os conceitos não são reais apenas formas d...










O tempo

O Fluir acontece em um tempo e espaço
O conceito de tempo de Heráclito torna possível
o fluir ...
Um treino de leitura
vamos ler juntos Nietzsche


“A sua concepção do tempo é, por exemplo, a
de Schopenhauer, para o qua...
O espaço





Tempo e espaço estão intimamente relacionados
Como o tempo é um constante fluir
O espaço também está suj...
Chronos X kairos
O terrível deus do Tempo






Para os gregos Khonos era o mais cruel dos
deuses
Todos por ele serão devorados
Ele est...
Tempo cronológico
Kairos













Na estrutura temporal da civilização moderna, geralmente
se emprega uma só palavra para signifi...
Mario Quintana


antes havia os relógios d’agua, antes havia os
relógios de areia. O tempo fazia parte da
natureza. Agora...
Só existe o Fluir
“Como o tempo, também o espaço, e, como este,
também tudo o que nele e no tempo existe só tem uma
existê...
Não existe nada exterior






O que sustenta os seres não são elementos
metafísicos.
Não existe nada exterior aos ser...
Ação







Os seres são consequência de suas ações
Não há nada externo ao material que faz com
que sejamos como somos...
Schopenhauer


"Ela só enche o espaço, só enche o tempo, na
medida em que age: a sua ação sobre o objeto
imediato condici...
Realidade efetiva






Toda a realidade é resultado da ação efetiva dos homens
São os seres humanos que a elaboram e e...
A disputa eterna






O que provoca o devir é a disputa dos
contrários.
Contrários estão em constante disputa o embate...
Contradição e oposição.










Elementos podem ser opostos e não ser
contraditórios
A oposição envolve o embate e...
Opostos
Contradição é algo essencial











Na contradição a relação é essencial
Um elemento contrário depende do outr...


“Heráclito chegou a este ponto graças a uma observação do
verdadeiro curso do devir e da destruição, que ele concebeu
s...
A dialética de heraclito ao renascimento (cópia em conflito de dienee familia 2013 06-04)
A dialética de heraclito ao renascimento (cópia em conflito de dienee familia 2013 06-04)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A dialética de heraclito ao renascimento (cópia em conflito de dienee familia 2013 06-04)

1.340 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

A dialética de heraclito ao renascimento (cópia em conflito de dienee familia 2013 06-04)

  1. 1. A DIALÉTICA E TUDO O QUE É SÓLIDO DESMANCHA NO AR
  2. 2. “Dissolvem-se todas as relações sociais antigas e cristalizadas, com seu cortejo de concepções e de idéias secularmente veneradas, as relações que as substituem tornam-se antiquadas antes mesmo de ossificar-se. Tudo que era sólido e estável se desmancha no ar , tudo o que era sagrado é profanado e os homens são obrigados finalmente a encarar com serenidade suas condições de existência e suas relações recíprocas.” (Manifesto ao partido comunista)
  3. 3. HERACLITO X PARMENIDES
  4. 4. MUDANÇA X ESTABILIDADE    Para Parmênides a mudança é apenas aparente. A aparência pode mudar mas a essência permanece inalterável. Todo dia tudo é sempre igual.
  5. 5. Cotidiano Todo dia ela faz tudo sempre igual: Me sacode às seis horas da manhã, Me sorri um sorriso pontual E me beija com a boca de hortelã. Todo dia ela diz que é pr'eu me cuidar E essas coisas que diz toda mulher. Diz que está me esperando pr'o jantar E me beija com a boca de café.  
  6. 6. TUDO FLUI “Ninguém pode banhar-se duas vezes no mesmo rio”
  7. 7. HERÁCLITO    Existe apenas o processo tudo está em constante transformação “Tudo o que é sólido desmancha no ar” Vem a roda e muda tudo
  8. 8. RODA VIVA Tem dias que a gente se sente Como quem partiu ou morreu A gente estancou de repente Ou foi o mundo então que cresceu...  A gente quer ter voz ativa No nosso destino mandar Mas eis que chega a roda viva E carrega o destino prá lá ... 
  9. 9. Roda mundo, roda gigante Roda moinho, roda pião O tempo rodou num instante Nas voltas do meu coração...  A gente vai contra a corrente Até não poder resistir Na volta do barco é que sente O quanto deixou de cumprir Faz tempo que a gente cultiva A mais linda roseira que há Mas eis que chega a roda viva E carrega a roseira prá lá... 
  10. 10. A gente toma a iniciativa Viola na rua a cantar Mas eis que chega a roda viva E carrega a viola prá lá...  O samba, a viola, a roseira Que um dia a fogueira queimou Foi tudo ilusão passageira Que a brisa primeira levou...  No peito a saudade cativa Faz força pro tempo parar Mas eis que chega a roda viva E carrega a saudade prá lá ... 
  11. 11. Senhores do destino      Tudo está em processo Temos condições de assumir o processo de construção do nosso destino Somos nós que construímos nosso destino Construímos com os elementos que a realidade nos oferece Colorimos nossa vida com as tintas que encontramos em nossa aquarela
  12. 12. AQUARELA   Numa folha qualquer Eu desenho um sol amarelo E com cinco ou seis retas É fácil fazer um castelo... Corro o lápis em torno Da mão e me dou uma luva E se faço chover Com dois riscos Tenho um guarda-chuva...
  13. 13. HISTÓRIA DA DIALÉTICA   "A dialética, como lógica viva da ação, não pode aparecer a uma razão contemplativa. (...) No curso da ação, o indivíduo descobre a dialética como transparência racional enquanto ele a faz, e como necessidade absoluta enquanto ela lhe escapa, quer dizer, simplesmente, enquanto os outros a fazem. " Sartre, Crítica da Razão Dialética.
  14. 14. DIALÉTICA NA GRÉCIA ANTIGA
  15. 15. Ache o gatinho!!!
  16. 16. DIALÉTICA NA GRÉCIA ANTIGA
  17. 17. Originalmente Arte do discurso, de convencer o outro. Atualmente a dialética se refere a tentativa de pensar a realidade em constante transformação. Transformação que se dá por meio da união dos contrários. O mais radical de todos os filósofos gregos a lidarem com a dialética foi Heráclito.
  18. 18. Para Heráclito estamos em processo de transformação Ex
  19. 19. Parmênides    Os gregos preferiram a visão de Parmênides. Para Parmênides mudanças são apenas aparentes A essência não muda para o filósofo.
  20. 20. Por que prevaleceu a visão parmenideana?     Convinha a uma sociedade dividida em classes. Era conveniente a naturalização do real. Ensinar que era possível a transformação significava semear nos corações revolta Ao grupo dominante convém divulgar a ideia de que nada se transforma.
  21. 21. Liberdade guiando o povo Delacroix REv. 1830 queda de Carlos X
  22. 22. A repressão    A visão dialética foi reprimida e vista como secundária. Visão dialética por não acreditar na possibilidade de conceitos imutáveis como os da lógica formal foi vista como não cientifica. Para sobreviver a dialética se adequou a esquemas estabelecidos pela lógica formal.
  23. 23. COMO TUDO COMEÇOU      Tudo começou com os postulados de Anaximandro Para este filósofo o principio originário de todas as coisas é o “Indeterminado” A postura de Anaximandro está mais próxima dos idealistas Este filósofo despreza a mera singularidade e busca um princípio universal para explicar todas as coisas Segundo Nietzsche (2010:08) “quem, como Schopenhauer, ouviu, "nas alturas dos ares hindus", a palavra sagrada do valor moral da existência, dificilmente poderá ser impedido de fazer uma metáfora altamente antropomórfica e de tirar aquela doutrina melancólica de sua restrição à vida humana para aplicá-la, por transferência, ao caráter universal de toda existência.”
  24. 24. Tudo que existe deixará de existir    Anaximandro considera todo vir-a-ser como uma emancipação do ser eterno, digna de castigo, como uma injustiça que deve ser expiada pelo sucumbir. Segundo Nietzsche (2010:08) “Tudo o que alguma vez veio a ser, também perece outra vez, quer pensemos na vida humana, quer na água, quer no quente e no frio: por toda parte, onde podem ser percebidas propriedades, podemos profetizar o sucumbir dessas propriedades, de acordo com uma monstruosa prova experimental.”
  25. 25.       A metafísica A metafísica é a teoria que busca os princípios universais das coisas. Os elementos transcendentes Que tenta explicar as coisas concretas a partir de elementos externos a realidade concreta. A postura de Anaximandro é metafísica. Para Anaximandro o ser causa de todos os outros não pode estar envolvido com o fluir da matéria. “Nunca, portanto, um ser que possui propriedades determinadas, e consiste nelas, pode ser origem e princípio das coisas; o que é verdadeiramente, conclui Anaximandro, não pode possuir propriedades determinadas, senão teria nascido, como todas as outras coisas, e teria de ir ao fundo.” (NIE 2011:8)
  26. 26. A importância     Anaximandro é importante por ser o primeiro a admitir o movimento das coisas. Por afirmar que tudo perece, deixa de existir. É o primeiro a tentar pensar por contradição. Estabelece que em um mesmo ser está contida a multiplicidade
  27. 27. Anaximandro e o idealismo   ele afirma existir um ser que é a causa de todos os outros Este ser estaria imune ao movimento e ao perecer
  28. 28. Anaximandro e o indeterminado Para que o vir-a-ser não cesse, o ser originário tem de ser indeterminado.  Ele não possui características definidas que poderiam levar ao sucumbir.  O ser originário assim denominado está acima do vir-a-ser e, justamente por isso, garante a eternidade e o curso ininterrupto do vir-a-ser. Este ser é a matriz de todas as coisas.  Ideia que será usada largamente pelos idealistas Este ser segundo Nietzsche se identifica com a coisa-em-si de Kant. 
  29. 29. Importante      O ser não possui características definidas Para outros filósofos o ser originário possui características. Ou é a água, ou o ar, mesmo a mistura de elementos Para Anaximandro o ser originário não é coisa que possua forma ou características Ele é o sem forma o indeterminado.
  30. 30. Uma luz em meio a escuridão mística
  31. 31. Em meio a escuridão uma luz    “Heráclito de Éfeso surgiu no meio desta noite mística que envolvia o problema do devir de Anaximandro, e iluminou-o com um raio de luz divino...” (Nie 2010:10) Heráclito se preocupa com o Devir. "Contemplo o devir", diz ele, "e nunca alguém contemplou com tanta atenção o fluxo e o ritmo eternos das coisas.” (Nie 2010:10)
  32. 32. Acabou a divisão         Anaximandro dividia a realidade em física e metafísica. Heráclito coloca fim a divisão Não há diferença entre o aparente e o essencial Somos um todo Quando muda o aparente é porque mudanças internas começaram O fenômeno manifesta a essência É diferente da essência mas com ela forma o todo que é o ser. Lembrar Monique Augras
  33. 33. Segundo Nietzsche  “Em primeiro lugar, negou a dualidade de dois mundos totalmente diferentes, que Anaximandro se vira obrigado a admitir; já não distingue um mundo físico e um mundo metafísico, um domínio de qualidades definidas e um domínio da indeterminação indefinível.” (Nie 2010:10)
  34. 34. Parmênides        Parmênides fazia uma distinção entre o mundo do aparente (sensível) e o mundo da verdade (inteligível) Heráclito da fim a esta separação A distinção entre dóxa e Alethéia proposta por Parmênides começa a cair por terra Platão irá ressuscitar essa distinção Cumpre lembrar novamente Augras que considera a mentira também reveladora do ser. A distinção entre verdade e mentira se perde se mistura Vamos lembrar que a dialética une os elementos
  35. 35. Por que Heráclito é genial?       Anaximandro sente o devir Percebe que as coisas todas mudam Mas não tem coragem de romper Ele era grego, foi educado como tal e para a mentalidade grega este rompimento seria um pecado absurdo demais. No meio da instabilidade oceânica do devir Anaximandro busca um porto seguro “O ser” porto seguro que permanece inalterado
  36. 36. HERÁCLITO É O SEMEADOR DE TEMPESTADES Heráclito tem a audácia de romper com o estável. De afirmar o devir
  37. 37.  “O devir único e eterno, a inconsistência total de todo o real, que somente age e flui incessantemente, sem alguma vez ser, é, como Heráclito ensina, uma idéia terrível e atordoadora, muitíssimo afim, na sua influência, ao sentimento de quem, num tremor de terra, perde a confiança que tem na terra firme.” (Nie 2010:11)
  38. 38. O ser     Heráclito nega a existência de um ser Não há ser o que existe é o fluir As coisas não são estão Heráclito neste sentido é base para os existencialistas que no futuro afirmaram que a existência precede a essência.
  39. 39.   “Após este primeiro passo, também já não pôde coibirse de uma maior audácia da negação: negou o ser em geral. Pois o único mundo que ele conservou - um mundo rodeado de leis eternas não escritas, animado do fluxo e do refluxo de um ritmo de bronze - nada mostra de permanente, nada de indestrutível, nenhum baluarte no seu fluxo.” (Nie 2010:10) Segundo Heráclito: "Só vejo o devir. Não vos deixeis enganar! É à vossa vista curta e não à essência das coisas que se deve o fato de julgardes encontrar terra firme no mar do devir e da evanescência. Usais os nomes das coisas como se tivessem uma duração fixa; mas até o próprio rio, no qual entrais pela segunda vez, já não é o mesmo que era da primeira vez". (Nie
  40. 40. Conceitos e lógica     Para Heráclito a lógica formal é incapaz de captar a realidade A lógica formal que trabalha com o principio de contradição não consegue dar conta do real. ‘‘ Todas as coisas, em todos os tempos, têm em si os contrários” (Heraclito apud Nie 2010:10) Aristóteles o acusa de crime supremo perante o tribunal da razão, de pecado contra o princípio de contradição.
  41. 41. Verdade      A verdade está nas coisas. Existem apenas seres singulares Os conceitos não são reais apenas formas de representarmos as coisas Os conceitos existem apenas para facilitar nossa vida Para não nos sentirmos perdidos ante uma infinidade de coisas
  42. 42.          O tempo O Fluir acontece em um tempo e espaço O conceito de tempo de Heráclito torna possível o fluir no espaço O passado não existe O futuro existirá O presente deixou de ser O que existe é o constante deixar de existir O que para a lógica formal é um profundo absurdo Existe apenas o processo tudo está em constante transformação “Tudo o que é sólido desmancha no ar”
  43. 43. Um treino de leitura vamos ler juntos Nietzsche  “A sua concepção do tempo é, por exemplo, a de Schopenhauer, para o qual cada instante do tempo só existe na medida em que destruiu o instante precedente, seu pai, para bem depressa ser ele próprio também destruído; para ele, o passado e o futuro são tão vãos como qualquer sonho, e o presente é unicamente o limite, sem extensão nem consistência, que a ambos separa.” (Nie 2010:10)
  44. 44. O espaço     Tempo e espaço estão intimamente relacionados Como o tempo é um constante fluir O espaço também está sujeito ao fluir E como todos os entes vivem em um espaço/tempo são eles também sujeitos da destruição
  45. 45. Chronos X kairos
  46. 46. O terrível deus do Tempo     Para os gregos Khonos era o mais cruel dos deuses Todos por ele serão devorados Ele está acima de todos os outros deuses É impossível deter seu poder
  47. 47. Tempo cronológico
  48. 48. Kairos        Na estrutura temporal da civilização moderna, geralmente se emprega uma só palavra para significar o "tempo". Os gregos antigos tinham duas palavras para o tempo: khronos e kairos. Enquanto o primeiro refere-se ao tempo cronológico, ou seqüencial, o tempo que se mede esse último é um momento indeterminado no tempo em que algo especial acontece a experiência do momento oportuno. Kairos é o tempo futuro, a esperança Mesmo ela é devorada por Chronos
  49. 49. Mario Quintana  antes havia os relógios d’agua, antes havia os relógios de areia. O tempo fazia parte da natureza. Agora é uma abstração – unicamente denunciada por um tic-tac mecânico, como o acionar continuo de um gatilho numa espécie de roleta-russa. Por isso é que os antigos aceitavam mais naturalmente a morte.
  50. 50. Só existe o Fluir “Como o tempo, também o espaço, e, como este, também tudo o que nele e no tempo existe só tem uma existência relativa, só existe para um outro, a ele semelhante, quer dizer, que não tenha mais permanência do que ele. Eis uma verdade de evidência imediata, acessível a todos e, justamente por isso, difícil de atingir pela via dos conceitos e da razão. Mas quem a tem diante dos olhos deve também passar imediatamente à conseqüência heraclítica e dizer que a essência total da realidade é só atividade e que para ela não há outro modo de ser.” (Nie 2010:10)
  51. 51. Não existe nada exterior     O que sustenta os seres não são elementos metafísicos. Não existe nada exterior aos seres os formando Somos todos construídos historicamente Vamos nos fazendo com os elementos de nosso tempo
  52. 52. Ação     Os seres são consequência de suas ações Não há nada externo ao material que faz com que sejamos como somos Somos resultado das relações que estabelecemos com os elementos ao nosso redor Para compreender os seres é necessário partir da sua relação com o meio
  53. 53. Schopenhauer  "Ela só enche o espaço, só enche o tempo, na medida em que age: a sua ação sobre o objeto imediato condiciona a intuição, na qual unicamente existe; a conseqüência da ação de qualquer outro objeto material sobre outro só se conhece e só é consistente na medida em que o último age agora de maneira diferente sobre o objeto imediato. A essência total da matéria só é, portanto, causa e efeito; o seu ser é a sua ação.” (Nie 2010:10)
  54. 54. Realidade efetiva    Toda a realidade é resultado da ação efetiva dos homens São os seres humanos que a elaboram e ela não pode ser entendida fora dessa relação De modo muitíssimo apropriado se designa um alemão o conjunto das coisas materiais com a palavra "Wirklichkeit" [realidade efetiva], que é muito mais expressiva do que "Realitat". Aquilo sobre o que ela age, é de novo a matéria: todo o seu ser e a sua essência consiste, pois, apenas na modificação regular que uma parte desta matéria produz numa outra; por conseguinte, ela é, por natureza, inteiramente relativa, segundo uma relação que só é válida no âmbito dos seus limites, e neste aspecto é semelhante ao tempo, semelhante ao espaço". (Nie 2010:10)
  55. 55. A disputa eterna    O que provoca o devir é a disputa dos contrários. Contrários estão em constante disputa o embate entre os dois provoca o fluir do real Em disputa os contrários se tornam um .
  56. 56. Contradição e oposição.       Elementos podem ser opostos e não ser contraditórios A oposição envolve o embate entre dois elementos diferentes. Na oposição há disputa e divergência a ausência de um oposto no entanto não impossibilita a presença de seu opositor Não há entre dois opostos uma ligação essencial Não há conexão intima
  57. 57. Opostos
  58. 58. Contradição é algo essencial         Na contradição a relação é essencial Um elemento contrário depende do outro para existir Não podemos entender o claro sem compreender o escuro Lembrar da separação Claro e escuro formam um só elemento. Esta é a unidade dos contrários defendida pela dialética. Assim o uno é multiplo Esta unidade surge possivelmente do embate vivido
  59. 59.  “Heráclito chegou a este ponto graças a uma observação do verdadeiro curso do devir e da destruição, que ele concebeu sob a forma da polaridade, como a disjunção de uma mesma força em duas atividades qualitativamente diferentes, opostas, e que tendem de novo a unir-se. Incessantemente uma qualidade se cinde em si mesma e se divide nos seus contrários: permanentemente esses contrários tendem de novo um para o outro. O vulgo, é verdade, julga reconhecer algo de rígido, acabado, constante; na realidade, em cada instante, a luz e a sombra, o doce e o amargo estão juntos e ligados um ao outro como dois lutadores, dos quais ora a um, ora a outro cabe a supremacia. (...) Todo o devir nasce do conflito dos contrários; as qualidades definidas que nos parecem duradouras só exprimem a superioridade momentânea de um dos lutadores, mas não põem termo à guerra: a luta persiste pela eternidade fora.” (Nie 2010:11)

×