SlideShare uma empresa Scribd logo
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização




      O Modelo de Auto-Avaliação das
          Bibliotecas Escolares:




    Metodologias de operacionalização

                    Plano de Avaliação




       Biblioteca Escolar da EB 2,3 Eng. Duarte Pacheco

                                   Loulé


   A Formanda: Aurélia Fernandes                 Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização




“…é importante que cada escola conheça o impacto que as actividades realizadas pela e
com a BE vão tendo no processo de ensino e na aprendizagem, bem como o grau de
eficiência e de eficácia dos serviços prestados e da satisfação dos utilizadores da BE.”
                     (Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar, 2009, pág. 1)




Porquê avaliar a Biblioteca Escolar?

O que vamos avaliar?

Pela sua inquestionável importância, a problemática da auto-avaliação das BEs,
tem atravessado os objectivos desta acção de formação, praticamente, desde o
início. É ponto assente que a finalidade central do processo de auto-avaliação da
BE visa uma melhoria contínua do trabalho que aí é desenvolvido, em termos de
processos e de resultados/impactos. A natureza deste processo de auto-
avaliação, é, essencialmente, qualitativa, baseada em outcomes (impactos), como
sublinha o texto da sessão. Essa qualidade mede-se pelo impacto que a interacção
com a biblioteca provoca nos utilizadores, globalmente, em termos de
aprendizagem. É fundamental aferirmos se o que estamos a fazer é o correcto ou
se é necessário adoptar outras estratégias e ir por outro caminho, sendo que a
meta é, e será sempre, o sucesso educativo e a melhoria contínua dos resultados
dos nossos alunos.

São clarificadoras as passagens dos textos da sessão:

“O propósito da auto–avaliação é apoiar o desenvolvimento das bibliotecas escolares
e demonstrar a sua contribuição e impacto no ensino e aprendizagem, de modo a
que ela responda cada vez mais às necessidades da escola no atingir da sua missão
e objectivos.” (texto da sessão, pág. 3).

 “Program evaluation with outcomes focus is inceasingly important for nonprofits and
asked for by funders. An outcome –based evaluation facilitates your asking if your
organization is really doing the right program activities to bring about the outcomes
you believe….” (Carter McNamara; Basic Guide to Program Evaluation).

     A Formanda: Aurélia Fernandes                                    Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização




                    Estrutura do Plano de Avaliação

  1- Problema/diagnóstico; Selecção do domínio



  2- Identificação do objecto de avaliação



  3- Intervenientes no processo de auto-avaliação




  4- Métodos e instrumentos utilizar



  5- Factores críticos de sucesso e recolha de evidências



  6- Etapas do Processo de auto-avaliação




  7- Formas de divulgação dos resultados



  8- Limitações/Constrangimentos




“Program evaluation is carefully collecting information about a program or
some aspect of a program in order to make necessary decisions about the
program.”

(in Basic Guide to Program Evaluation)


     A Formanda: Aurélia Fernandes                          Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização




        1. Problema/diagnóstico                                     Selecção do domínio

                        Domínio                                           Indicadores



                                                              B.1. Trabalho da BE ao serviço da
                                                              promoção da leitura (processo)
    B. Leitura e Literacia
                                                              B.3. Impacto do trabalho da BE nas
                                                              atitudes e competências dos alunos, no
                                                              âmbito da leitura e das literacias
                                                              (Impacto/Outcome)



Optei por este domínio porque considero a leitura o cerne do currículo escolar e
a base de toda a aprendizagem. É uma competência transversal, que interage com
todos os domínios do saber e, por isso, prioritária. É um domínio em que a BE da
minha escola tem apostado nos últimos anos, através da dinamização de
concursos literários, edição de livros subordinados a um início comum ou uma
temática, em que todos os alunos do Agrupamento participam, Clube de Leitura, e
outras actividades diversificadas de promoção da leitura e da escrita. Penso que
a leitura e as literacias têm constituído um dos principais objectivos, se não o
principal, de qualquer BE e um dos pontos fulcrais de toda a sua acção, no que
respeita ao desenvolvimento de competências que conduzam ao sucesso educativo
e à promoção da aprendizagem ao longo da vida. Como diz Isabel Alçada,
“Estimular o prazer de ler é pois a pedra de toque do esforço pedagógico que
desenvolver a literacia. E é também o ponto fulcral da actividade das BEs. ”                       ( in
Leitura, Literacia e Bibliotecas Escolares - Isabel Alçada)


Outra razão que me levou a escolher o Domínio B, foi o facto de ser este o
domínio escolhido para ser avaliado no presente ano lectivo, e, por se adequar aos

        A Formanda: Aurélia Fernandes                                               Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização

objectivos definidos no Projecto Educativo do Agrupamento, nomeadamente, no
que respeita à formação de cidadãos competentes e interventivos, capazes de
interagirem autonomamente.




      2. Identificação do objecto de avaliação

O indicador B.1. Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura, incide
sobre as actividades que têm sido, e irão ser, desenvolvidas no âmbito da
promoção da leitura. Diz respeito ao processo.

O indicador B.3. Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos
alunos, no âmbito da leitura e das literacias é o indicador de impacto que irá
verificar até que ponto o trabalho desenvolvido está a ter resultados visíveis no
desenvolvimento das competências de leitura e literacias dos alunos.

Em suma, com a aplicação deste modelo pretendo avaliar qual o grau de
adequação das actividades e estratégias desenvolvidas pela BE no âmbito deste
domínio e qual o seu impacto nas competências, atitudes e aprendizagens dos
alunos.



“Medir os outcomes (impactos) significa, no entanto, ir mais além, no sentido
de conhecer o benefício para os utilizadores da sua interacção com a
biblioteca.” (texto da sessão, pág. 2).

Como refer McNamara, “process based evaluation are geared to fully
understanding how a program works – how does it produce that results that it
does…”



3. Intervenientes no processo de auto-avaliação

Professora bibliotecária e equipa de BE

Director da escola

Conselho Pedagógico

     A Formanda: Aurélia Fernandes                             Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização

Docentes

Outros: Alunos, Encarregados de Educação




        4. Métodos e instrumentos a utilizar

Para além dos instrumentos de análise estatística constantes dos quadros abaixo

mencionados, serão ainda alvo de análise os seguintes documentos:

   •   Projecto Educativo
   •   Plano Anual de Actividades
   •   Projectos Curriculares de Turma
   •   Planificações
   •   Actas
   •   Documentos produzidos pela BE:
       Plano de Acção
       Plano Anual de Actividades
       Relatórios de actividades
       Trabalhos produzidos pelos alunos
   •   Artigos de imprensa (jornais locais, regionais, jornal escolar…)


       5. Factores críticos de sucesso e recolha de evidências


B1 – Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura

                                                     Instrumentos/Recolha de
            Factores críticos de sucesso
                                                            evidências

       A Formanda: Aurélia Fernandes                              Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização

    - A BE disponibiliza uma colecção
    variada e adequada aos gostos e
    interesses de informação dos              Estatísticas de requisição/ uso
    utilizadores.                             de recursos de informação
                                              relacionados com a leitura.
    - A BE desenvolve, de forma
    sistemática, actividades no âmbito da    Estatísticas de utilização da BE
    promoção da leitura.                     para actividades de leitura
                                             programada/ articulada com
    - A BE explora contextos inter e outros docentes
    transdisciplinares    e    associa    um
    conjunto diversificado de actividades à Estatísticas de utilização
    leitura com o objectivo de desenvolver informal da BE
    a oralidade, a escrita e as restantes
    literacias associadas ao acto de ler.    Registos/Grelhas de avaliação de
                                             actividades/projectos
    -A BE organiza sessões de leitura, de
    reconto ou outras que associem Registo estatístico de acções no
    diferentes formas de leitura, de âmbito              da    literacia    de
    escrita ou de comunicação com o informação e formação de
    objectivo de promover o gosto pela leitores
    leitura.
                                             Caixa de sugestões/reclamações
    -A BE identifica novos públicos e
    adequa a colecção e as práticas às       Blogue actualizado
    necessidades desses públicos (CEF).
                                             Questionário aos professores
    - A BE promove encontros com
    escritores ou outros eventos culturais Questionário aos alunos
    que aproximem os alunos dos livros ou
    de outros materiais/ ambientes e Registos fotográficos de todos
    incentivem o gosto pela leitura.       os eventos na e da BE

    - A BE incentiva a leitura em ambientes   Registos informais de opinião
    digitais.

    - A BE incentiva o empréstimo
    domiciliário.

    - A BE incentiva a leitura informativa,
    articulando com as ACND e com os

   A Formanda: Aurélia Fernandes                              Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização

     departamentos curriculares no

     -A BE apoia os alunos nas suas escolhas
     e conhece as novidades literárias e de
     divulgação que melhor se adequam aos
     seus gostos




B.3 - Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no
âmbito da leitura e da literacia




     A Formanda: Aurélia Fernandes                        Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização


                                                Instrumentos/Recolha
          Factores críticos de sucesso
                                                    de evidências

   - Os alunos usam a biblioteca para ler de    Estatísticas de
   forma recreativa, para se informar ou para   utilização da BE para
   realizar trabalhos escolares.                actividades de leitura.

   - Os alunos, de acordo com o seu nível de    Estatísticas de
   escolaridade, manifestam progressos nas      requisição
   competências de leitura, lendo mais e com    domiciliária.
   maior profundidade.
                                                Grelhas de observação
   - Os alunos desenvolvem trabalhos onde       da utilização da
   interagem com equipamentos e ambientes       BE
   informacionais variados, manifestando
   progressos nas suas competências no          Trabalhos realizados
   âmbito da leitura e das literacias.          pelos
                                                alunos
   - Os alunos participam activamente em
   diferentes actividades associadas à          Análise diacrónica das
   promoção da leitura                          avaliações dos alunos.
   (Clubes de leitura, fóruns de discussão,
   jornais, etc.).                              Questionário aos
                                                professores

                                                Questionário aos alunos




   A Formanda: Aurélia Fernandes                             Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização




               6. Etapas do processo de auto-avaliação

        Etapas do processo                Calendarização

 Envolvimento do Director,
apresentação do MAABE ao Conselho
Pedagógico, avaliação diagnóstica,
selecção do domínio a avaliar,
elaboração do plano de avaliação,
preparação dos instrumentos e         Novembro / Dezembro 09
levantamento de recursos
necessários. Divulgação do Plano de
Avaliação ao Conselho Pedagógico/
Departamentos.

     A Formanda: Aurélia Fernandes                     Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização

Recolha de evidências                   Novembro 2009 a Junho 2010

Observação da utilização da BE

Aplicação dos questionários                Janeiro a Junho de 2010


Tratamento e análise de análise de
                                                 Julho 2010
dados
Elaboração do Relatório

Reunião com o Director para
apresentação dos resultados obtidos
                                                 Julho 2010
Apresentação/Discussão          dos
resultados em Conselho Pedagógico.

Definição de acções para a melhoria.




                7. Formas de divulgação dos resultados



    Apresentação em Conselho pedagógico

    Divulgação no blogue da BE

    Divulgação no sítio da Escola

    Apresentação e discussão dos resultados no Grupo de Trabalho Concelhio
      (eventualmente)




     A Formanda: Aurélia Fernandes                            Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização



Levantamento de necessidades

                                               Plano de melhoria




             Divulgação do plano de melhoria

                         Setembro 2010




                    8. Limitações / Constrangimentos

Neste primeiro ano de aplicação do modelo poderão constituir constrangimentos
o facto da comunidade educativa, em particular os docentes, não estarem ainda
devidamente sensibilizados e envolvidos. A maioria dos docentes não conhece o
modelo ou tem uma vaga ideia, desconhecendo, todavia, as implicações inerentes
à sua implementação e o timing é apertado.
A sobrecarga de trabalho nas escolas, quer para os professores, quer para o
próprio director, também são limitativos do seu envolvimento nas actividades e
acções da BE.
 A recolha de evidências, através de instrumentos diversificados, e posterior
tratamento da informação, implicam uma grande disponibilidade de tempo e de
recursos humanos que, neste momento, é difícil.



     A Formanda: Aurélia Fernandes                             Nov. 2009
O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias
de operacionalização

O apetrechamento da BE para operacionalizar os seus objectivos e a sua acção
também envolvem verbas que não são consentâneas com os orçamentos
disponíveis.
Contudo, creio que ultrapassada esta fase, os benefícios do trabalho cooperativo
e colaborativo serão reconhecidos e a auto-avaliação encarada como um processo
natural e regular, numa perspectiva de melhoria do desempenho da BE em prol do
sucesso educativo e da formação de indivíduos competentes e autónomos.
Finalmente, a BE impor-se-á como o verdadeiro e autêntico centro de recursos
da escola, e essa missão, nada fácil, passa, inequivocamente, pelo professor
bibliotecário.



                                  Bibliografia

Modelo de Auto-Avaliação, RBE, versão 2009

Texto da sessão: O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares:
metodologias de operacionalização (Parte I)

 MacNamara, Carter, Basic Guide to Program Evaluation, in
http://www.managementhelp.org/evaluatn/fnl_eval.htm#anchor1585345

ALÇADA, Isabel, Leitura, Literacia e Bibliotecas Escolares




      A Formanda: Aurélia Fernandes                              Nov. 2009

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Paula de oliveira operacionalização i
Paula de oliveira operacionalização iPaula de oliveira operacionalização i
Paula de oliveira operacionalização i
paulafernandadiogo
 
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
ddfdelfim
 
Plano de Avaliação
Plano de AvaliaçãoPlano de Avaliação
Plano de Avaliação
Anaigreja
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
candidamatos
 
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_DBE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
Julieta Silva
 
Sessão 4 Domínio B
Sessão 4   Domínio BSessão 4   Domínio B
Sessão 4 Domínio B
EB2 Mira
 
Auto avaliação da BE
Auto avaliação da BEAuto avaliação da BE
Auto avaliação da BE
Alcina Correia
 
Metodologias De OperacionalizaçãO Do M.A.A.B.E.(I)
Metodologias De OperacionalizaçãO Do M.A.A.B.E.(I)Metodologias De OperacionalizaçãO Do M.A.A.B.E.(I)
Metodologias De OperacionalizaçãO Do M.A.A.B.E.(I)
Isabel Pinheiro
 
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/AgrupamentoModelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
mariaantoniadocarmo
 
Guia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoGuia e texto da sessão
Guia e texto da sessão
Bibliotecajac
 
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Luisa Lamas
 
Sessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexaoSessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexao
esperancasantos
 
Dominio A
Dominio ADominio A
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamentoIntegração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Maria Da Graça Gonçalves
 

Mais procurados (14)

Paula de oliveira operacionalização i
Paula de oliveira operacionalização iPaula de oliveira operacionalização i
Paula de oliveira operacionalização i
 
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
 
Plano de Avaliação
Plano de AvaliaçãoPlano de Avaliação
Plano de Avaliação
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
 
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_DBE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
 
Sessão 4 Domínio B
Sessão 4   Domínio BSessão 4   Domínio B
Sessão 4 Domínio B
 
Auto avaliação da BE
Auto avaliação da BEAuto avaliação da BE
Auto avaliação da BE
 
Metodologias De OperacionalizaçãO Do M.A.A.B.E.(I)
Metodologias De OperacionalizaçãO Do M.A.A.B.E.(I)Metodologias De OperacionalizaçãO Do M.A.A.B.E.(I)
Metodologias De OperacionalizaçãO Do M.A.A.B.E.(I)
 
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/AgrupamentoModelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
 
Guia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoGuia e texto da sessão
Guia e texto da sessão
 
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
 
Sessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexaoSessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexao
 
Dominio A
Dominio ADominio A
Dominio A
 
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamentoIntegração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
 

Destaque

Cortes carnes3072-100618002718-phpapp01
Cortes carnes3072-100618002718-phpapp01Cortes carnes3072-100618002718-phpapp01
Cortes carnes3072-100618002718-phpapp01
Free lancer
 
Semanainformatica
SemanainformaticaSemanainformatica
Semanainformatica
thiagosicla
 
Frases profundas
Frases profundasFrases profundas
Frases profundas
Rogerio Oliveira
 
Mensagem linda
Mensagem lindaMensagem linda
Mensagem linda
Luiz Paulo Duarte Mendes
 
Clipagem SPRS - Abril 2013
Clipagem SPRS - Abril 2013Clipagem SPRS - Abril 2013
Clipagem SPRS - Abril 2013
PlayPress Assessoria e Conteúdo
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
kinhho
 
Feimarketing grupo 2 - adm
Feimarketing   grupo 2 - admFeimarketing   grupo 2 - adm
Feimarketing grupo 2 - adm
Karina Cunha
 
Nao Tenho Idade Tenho Vida
Nao Tenho Idade   Tenho VidaNao Tenho Idade   Tenho Vida
Nao Tenho Idade Tenho Vida
Marilia Brasil
 
Preciosidade 1
Preciosidade 1Preciosidade 1
Preciosidade 1
Mensagens Virtuais
 
Camadas
CamadasCamadas
Natura Aquarela: relação de produtos relançados
Natura Aquarela: relação de produtos relançadosNatura Aquarela: relação de produtos relançados
Natura Aquarela: relação de produtos relançados
Luciana Soldi Bullara
 
sistemas operativos
sistemas operativossistemas operativos
sistemas operativos
Manuel Dias
 
Apresentação carne
Apresentação carneApresentação carne
Apresentação carne
Hédigila Thábata
 
Investigación 1 español
Investigación 1 españolInvestigación 1 español
Investigación 1 español
Eliú Josué Sánchez Álvarez
 
43.setembro 2012 revista
43.setembro 2012 revista43.setembro 2012 revista
43.setembro 2012 revista
Posiatividade Brasília
 
Feira do empreendedor rh 2
Feira do empreendedor    rh 2Feira do empreendedor    rh 2
Feira do empreendedor rh 2
Karina Cunha
 
O silncio da_alma
O silncio da_almaO silncio da_alma
O silncio da_alma
Grupo Espírita Mensageiros
 
Presentacion
PresentacionPresentacion
Presentacion
ATC-10
 
Pf 2012-cad2
Pf 2012-cad2Pf 2012-cad2
Pf 2012-cad2
Doroteia Mendes
 

Destaque (20)

Cortes carnes3072-100618002718-phpapp01
Cortes carnes3072-100618002718-phpapp01Cortes carnes3072-100618002718-phpapp01
Cortes carnes3072-100618002718-phpapp01
 
Semanainformatica
SemanainformaticaSemanainformatica
Semanainformatica
 
Frases profundas
Frases profundasFrases profundas
Frases profundas
 
Mensagem linda
Mensagem lindaMensagem linda
Mensagem linda
 
Clipagem SPRS - Abril 2013
Clipagem SPRS - Abril 2013Clipagem SPRS - Abril 2013
Clipagem SPRS - Abril 2013
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
 
Feimarketing grupo 2 - adm
Feimarketing   grupo 2 - admFeimarketing   grupo 2 - adm
Feimarketing grupo 2 - adm
 
Nao Tenho Idade Tenho Vida
Nao Tenho Idade   Tenho VidaNao Tenho Idade   Tenho Vida
Nao Tenho Idade Tenho Vida
 
Preciosidade 1
Preciosidade 1Preciosidade 1
Preciosidade 1
 
Camadas
CamadasCamadas
Camadas
 
Natura Aquarela: relação de produtos relançados
Natura Aquarela: relação de produtos relançadosNatura Aquarela: relação de produtos relançados
Natura Aquarela: relação de produtos relançados
 
sistemas operativos
sistemas operativossistemas operativos
sistemas operativos
 
Apresentação carne
Apresentação carneApresentação carne
Apresentação carne
 
Investigación 1 español
Investigación 1 españolInvestigación 1 español
Investigación 1 español
 
Compre Bem natal
Compre Bem natalCompre Bem natal
Compre Bem natal
 
43.setembro 2012 revista
43.setembro 2012 revista43.setembro 2012 revista
43.setembro 2012 revista
 
Feira do empreendedor rh 2
Feira do empreendedor    rh 2Feira do empreendedor    rh 2
Feira do empreendedor rh 2
 
O silncio da_alma
O silncio da_almaO silncio da_alma
O silncio da_alma
 
Presentacion
PresentacionPresentacion
Presentacion
 
Pf 2012-cad2
Pf 2012-cad2Pf 2012-cad2
Pf 2012-cad2
 

Semelhante a Metodologias De Operacionalização

4ª Tarefa Dominio B
4ª Tarefa    Dominio B4ª Tarefa    Dominio B
4ª Tarefa Dominio B
aevisobibliovis
 
4ª Tarefa Dominio B
4ª Tarefa    Dominio B4ª Tarefa    Dominio B
4ª Tarefa Dominio B
aevisobibliovis
 
Tarefa4
Tarefa4Tarefa4
Tarefa4
guestc5adc9
 
Tarefa4
Tarefa4Tarefa4
Tarefa4
guestc5adc9
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
catiarodriguessousa
 
Microsoft Word Tabela D.2 Nova
Microsoft Word   Tabela D.2 NovaMicrosoft Word   Tabela D.2 Nova
Microsoft Word Tabela D.2 Nova
catiarodriguessousa
 
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
catiarodriguessousa
 
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
catiarodriguessousa
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
catiarodriguessousa
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
catiarodriguessousa
 
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...
mariaantoniadocarmo
 
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotescResposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
esperancasantos
 
4 SessãO
4 SessãO4 SessãO
4 SessãO
Lberty School
 
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
guest3011a0
 
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
guest3011a0
 
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
guest3011a0
 
Workshop 1ª Parte
Workshop 1ª ParteWorkshop 1ª Parte
Workshop 1ª Parte
MARIA NOGUE
 
Auto AvaliaçãO Avrt2 Be
Auto AvaliaçãO Avrt2 BeAuto AvaliaçãO Avrt2 Be
Auto AvaliaçãO Avrt2 Be
biblioavrt2
 
Plano de avaliação
Plano de avaliaçãoPlano de avaliação
Plano de avaliação
Biblioteca Maes Dagua Amadora
 
Modelo AA da BE
Modelo AA da BEModelo AA da BE
Modelo AA da BE
Sílvia Baltazar
 

Semelhante a Metodologias De Operacionalização (20)

4ª Tarefa Dominio B
4ª Tarefa    Dominio B4ª Tarefa    Dominio B
4ª Tarefa Dominio B
 
4ª Tarefa Dominio B
4ª Tarefa    Dominio B4ª Tarefa    Dominio B
4ª Tarefa Dominio B
 
Tarefa4
Tarefa4Tarefa4
Tarefa4
 
Tarefa4
Tarefa4Tarefa4
Tarefa4
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
 
Microsoft Word Tabela D.2 Nova
Microsoft Word   Tabela D.2 NovaMicrosoft Word   Tabela D.2 Nova
Microsoft Word Tabela D.2 Nova
 
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
 
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5Microsoft Word   Trabalho Da SessãO 5
Microsoft Word Trabalho Da SessãO 5
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
 
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5Microsoft  Word    Trabalho Da Sessão 5
Microsoft Word Trabalho Da Sessão 5
 
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operaci...
 
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotescResposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
 
4 SessãO
4 SessãO4 SessãO
4 SessãO
 
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
 
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
 
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.Microsoft Word   Plano De AvaliaçãO  DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
Microsoft Word Plano De AvaliaçãO DomíNio B1 E B3 23 De Nov.
 
Workshop 1ª Parte
Workshop 1ª ParteWorkshop 1ª Parte
Workshop 1ª Parte
 
Auto AvaliaçãO Avrt2 Be
Auto AvaliaçãO Avrt2 BeAuto AvaliaçãO Avrt2 Be
Auto AvaliaçãO Avrt2 Be
 
Plano de avaliação
Plano de avaliaçãoPlano de avaliação
Plano de avaliação
 
Modelo AA da BE
Modelo AA da BEModelo AA da BE
Modelo AA da BE
 

Mais de beloule

Regulamento concurso logotipo agrup
Regulamento concurso logotipo agrupRegulamento concurso logotipo agrup
Regulamento concurso logotipo agrup
beloule
 
Concurso de foto.emoções
Concurso de foto.emoçõesConcurso de foto.emoções
Concurso de foto.emoções
beloule
 
Programação mês da leitura p publicar
Programação mês da leitura p publicarProgramação mês da leitura p publicar
Programação mês da leitura p publicar
beloule
 
Programação mês da leitura publicar
Programação mês da leitura publicarProgramação mês da leitura publicar
Programação mês da leitura publicar
beloule
 
Programação mês da leitura publicar
Programação mês da leitura publicarProgramação mês da leitura publicar
Programação mês da leitura publicar
beloule
 
Problema do mês novembro 11
Problema do mês   novembro 11Problema do mês   novembro 11
Problema do mês novembro 11
beloule
 
Problema do mês regulamento
Problema do mês regulamentoProblema do mês regulamento
Problema do mês regulamento
beloule
 
Boas práticas disponibilização de recursos
Boas práticas disponibilização de recursosBoas práticas disponibilização de recursos
Boas práticas disponibilização de recursos
beloule
 
Avaliação de recursos educativos digitais
Avaliação de recursos educativos digitaisAvaliação de recursos educativos digitais
Avaliação de recursos educativos digitais
beloule
 
Reflexão final
Reflexão finalReflexão final
Reflexão final
beloule
 
Pesquisa sites promoção leitura
Pesquisa sites promoção leituraPesquisa sites promoção leitura
Pesquisa sites promoção leitura
beloule
 
Trabalho 1 formação 20102011
Trabalho 1 formação 20102011Trabalho 1 formação 20102011
Trabalho 1 formação 20102011
beloule
 
Trabalho 1 formação 20102011
Trabalho 1 formação 20102011Trabalho 1 formação 20102011
Trabalho 1 formação 20102011
beloule
 
Semana da leitura 2011
Semana da leitura 2011Semana da leitura 2011
Semana da leitura 2011
beloule
 
Actividades De Leitura Na Becre
Actividades De Leitura Na   BecreActividades De Leitura Na   Becre
Actividades De Leitura Na Becre
beloule
 
ReflexãO Final
ReflexãO FinalReflexãO Final
ReflexãO Final
beloule
 
SessãO 7 Enunciados Gerais E EspecíFicos
SessãO 7 Enunciados Gerais E EspecíFicosSessãO 7 Enunciados Gerais E EspecíFicos
SessãO 7 Enunciados Gerais E EspecíFicos
beloule
 
SessãO 7 DescriçãO E AvaliaçãO
SessãO 7 DescriçãO E AvaliaçãOSessãO 7 DescriçãO E AvaliaçãO
SessãO 7 DescriçãO E AvaliaçãO
beloule
 
Relatórios I G E Análise Crítica
Relatórios  I G E   Análise CríticaRelatórios  I G E   Análise Crítica
Relatórios I G E Análise Crítica
beloule
 

Mais de beloule (20)

Regulamento concurso logotipo agrup
Regulamento concurso logotipo agrupRegulamento concurso logotipo agrup
Regulamento concurso logotipo agrup
 
Concurso de foto.emoções
Concurso de foto.emoçõesConcurso de foto.emoções
Concurso de foto.emoções
 
Programação mês da leitura p publicar
Programação mês da leitura p publicarProgramação mês da leitura p publicar
Programação mês da leitura p publicar
 
Programação mês da leitura publicar
Programação mês da leitura publicarProgramação mês da leitura publicar
Programação mês da leitura publicar
 
Programação mês da leitura publicar
Programação mês da leitura publicarProgramação mês da leitura publicar
Programação mês da leitura publicar
 
Problema do mês novembro 11
Problema do mês   novembro 11Problema do mês   novembro 11
Problema do mês novembro 11
 
Problema do mês regulamento
Problema do mês regulamentoProblema do mês regulamento
Problema do mês regulamento
 
Boas práticas disponibilização de recursos
Boas práticas disponibilização de recursosBoas práticas disponibilização de recursos
Boas práticas disponibilização de recursos
 
Avaliação de recursos educativos digitais
Avaliação de recursos educativos digitaisAvaliação de recursos educativos digitais
Avaliação de recursos educativos digitais
 
Reflexão final
Reflexão finalReflexão final
Reflexão final
 
Pesquisa sites promoção leitura
Pesquisa sites promoção leituraPesquisa sites promoção leitura
Pesquisa sites promoção leitura
 
Diigo
DiigoDiigo
Diigo
 
Trabalho 1 formação 20102011
Trabalho 1 formação 20102011Trabalho 1 formação 20102011
Trabalho 1 formação 20102011
 
Trabalho 1 formação 20102011
Trabalho 1 formação 20102011Trabalho 1 formação 20102011
Trabalho 1 formação 20102011
 
Semana da leitura 2011
Semana da leitura 2011Semana da leitura 2011
Semana da leitura 2011
 
Actividades De Leitura Na Becre
Actividades De Leitura Na   BecreActividades De Leitura Na   Becre
Actividades De Leitura Na Becre
 
ReflexãO Final
ReflexãO FinalReflexãO Final
ReflexãO Final
 
SessãO 7 Enunciados Gerais E EspecíFicos
SessãO 7 Enunciados Gerais E EspecíFicosSessãO 7 Enunciados Gerais E EspecíFicos
SessãO 7 Enunciados Gerais E EspecíFicos
 
SessãO 7 DescriçãO E AvaliaçãO
SessãO 7 DescriçãO E AvaliaçãOSessãO 7 DescriçãO E AvaliaçãO
SessãO 7 DescriçãO E AvaliaçãO
 
Relatórios I G E Análise Crítica
Relatórios  I G E   Análise CríticaRelatórios  I G E   Análise Crítica
Relatórios I G E Análise Crítica
 

Metodologias De Operacionalização

  • 1. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operacionalização Plano de Avaliação Biblioteca Escolar da EB 2,3 Eng. Duarte Pacheco Loulé A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 2. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização “…é importante que cada escola conheça o impacto que as actividades realizadas pela e com a BE vão tendo no processo de ensino e na aprendizagem, bem como o grau de eficiência e de eficácia dos serviços prestados e da satisfação dos utilizadores da BE.” (Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar, 2009, pág. 1) Porquê avaliar a Biblioteca Escolar? O que vamos avaliar? Pela sua inquestionável importância, a problemática da auto-avaliação das BEs, tem atravessado os objectivos desta acção de formação, praticamente, desde o início. É ponto assente que a finalidade central do processo de auto-avaliação da BE visa uma melhoria contínua do trabalho que aí é desenvolvido, em termos de processos e de resultados/impactos. A natureza deste processo de auto- avaliação, é, essencialmente, qualitativa, baseada em outcomes (impactos), como sublinha o texto da sessão. Essa qualidade mede-se pelo impacto que a interacção com a biblioteca provoca nos utilizadores, globalmente, em termos de aprendizagem. É fundamental aferirmos se o que estamos a fazer é o correcto ou se é necessário adoptar outras estratégias e ir por outro caminho, sendo que a meta é, e será sempre, o sucesso educativo e a melhoria contínua dos resultados dos nossos alunos. São clarificadoras as passagens dos textos da sessão: “O propósito da auto–avaliação é apoiar o desenvolvimento das bibliotecas escolares e demonstrar a sua contribuição e impacto no ensino e aprendizagem, de modo a que ela responda cada vez mais às necessidades da escola no atingir da sua missão e objectivos.” (texto da sessão, pág. 3). “Program evaluation with outcomes focus is inceasingly important for nonprofits and asked for by funders. An outcome –based evaluation facilitates your asking if your organization is really doing the right program activities to bring about the outcomes you believe….” (Carter McNamara; Basic Guide to Program Evaluation). A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 3. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização Estrutura do Plano de Avaliação 1- Problema/diagnóstico; Selecção do domínio 2- Identificação do objecto de avaliação 3- Intervenientes no processo de auto-avaliação 4- Métodos e instrumentos utilizar 5- Factores críticos de sucesso e recolha de evidências 6- Etapas do Processo de auto-avaliação 7- Formas de divulgação dos resultados 8- Limitações/Constrangimentos “Program evaluation is carefully collecting information about a program or some aspect of a program in order to make necessary decisions about the program.” (in Basic Guide to Program Evaluation) A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 4. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização 1. Problema/diagnóstico Selecção do domínio Domínio Indicadores B.1. Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura (processo) B. Leitura e Literacia B.3. Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias (Impacto/Outcome) Optei por este domínio porque considero a leitura o cerne do currículo escolar e a base de toda a aprendizagem. É uma competência transversal, que interage com todos os domínios do saber e, por isso, prioritária. É um domínio em que a BE da minha escola tem apostado nos últimos anos, através da dinamização de concursos literários, edição de livros subordinados a um início comum ou uma temática, em que todos os alunos do Agrupamento participam, Clube de Leitura, e outras actividades diversificadas de promoção da leitura e da escrita. Penso que a leitura e as literacias têm constituído um dos principais objectivos, se não o principal, de qualquer BE e um dos pontos fulcrais de toda a sua acção, no que respeita ao desenvolvimento de competências que conduzam ao sucesso educativo e à promoção da aprendizagem ao longo da vida. Como diz Isabel Alçada, “Estimular o prazer de ler é pois a pedra de toque do esforço pedagógico que desenvolver a literacia. E é também o ponto fulcral da actividade das BEs. ” ( in Leitura, Literacia e Bibliotecas Escolares - Isabel Alçada) Outra razão que me levou a escolher o Domínio B, foi o facto de ser este o domínio escolhido para ser avaliado no presente ano lectivo, e, por se adequar aos A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 5. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização objectivos definidos no Projecto Educativo do Agrupamento, nomeadamente, no que respeita à formação de cidadãos competentes e interventivos, capazes de interagirem autonomamente. 2. Identificação do objecto de avaliação O indicador B.1. Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura, incide sobre as actividades que têm sido, e irão ser, desenvolvidas no âmbito da promoção da leitura. Diz respeito ao processo. O indicador B.3. Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias é o indicador de impacto que irá verificar até que ponto o trabalho desenvolvido está a ter resultados visíveis no desenvolvimento das competências de leitura e literacias dos alunos. Em suma, com a aplicação deste modelo pretendo avaliar qual o grau de adequação das actividades e estratégias desenvolvidas pela BE no âmbito deste domínio e qual o seu impacto nas competências, atitudes e aprendizagens dos alunos. “Medir os outcomes (impactos) significa, no entanto, ir mais além, no sentido de conhecer o benefício para os utilizadores da sua interacção com a biblioteca.” (texto da sessão, pág. 2). Como refer McNamara, “process based evaluation are geared to fully understanding how a program works – how does it produce that results that it does…” 3. Intervenientes no processo de auto-avaliação Professora bibliotecária e equipa de BE Director da escola Conselho Pedagógico A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 6. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização Docentes Outros: Alunos, Encarregados de Educação 4. Métodos e instrumentos a utilizar Para além dos instrumentos de análise estatística constantes dos quadros abaixo mencionados, serão ainda alvo de análise os seguintes documentos: • Projecto Educativo • Plano Anual de Actividades • Projectos Curriculares de Turma • Planificações • Actas • Documentos produzidos pela BE: Plano de Acção Plano Anual de Actividades Relatórios de actividades Trabalhos produzidos pelos alunos • Artigos de imprensa (jornais locais, regionais, jornal escolar…) 5. Factores críticos de sucesso e recolha de evidências B1 – Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura Instrumentos/Recolha de Factores críticos de sucesso evidências A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 7. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização - A BE disponibiliza uma colecção variada e adequada aos gostos e interesses de informação dos Estatísticas de requisição/ uso utilizadores. de recursos de informação relacionados com a leitura. - A BE desenvolve, de forma sistemática, actividades no âmbito da Estatísticas de utilização da BE promoção da leitura. para actividades de leitura programada/ articulada com - A BE explora contextos inter e outros docentes transdisciplinares e associa um conjunto diversificado de actividades à Estatísticas de utilização leitura com o objectivo de desenvolver informal da BE a oralidade, a escrita e as restantes literacias associadas ao acto de ler. Registos/Grelhas de avaliação de actividades/projectos -A BE organiza sessões de leitura, de reconto ou outras que associem Registo estatístico de acções no diferentes formas de leitura, de âmbito da literacia de escrita ou de comunicação com o informação e formação de objectivo de promover o gosto pela leitores leitura. Caixa de sugestões/reclamações -A BE identifica novos públicos e adequa a colecção e as práticas às Blogue actualizado necessidades desses públicos (CEF). Questionário aos professores - A BE promove encontros com escritores ou outros eventos culturais Questionário aos alunos que aproximem os alunos dos livros ou de outros materiais/ ambientes e Registos fotográficos de todos incentivem o gosto pela leitura. os eventos na e da BE - A BE incentiva a leitura em ambientes Registos informais de opinião digitais. - A BE incentiva o empréstimo domiciliário. - A BE incentiva a leitura informativa, articulando com as ACND e com os A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 8. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização departamentos curriculares no -A BE apoia os alunos nas suas escolhas e conhece as novidades literárias e de divulgação que melhor se adequam aos seus gostos B.3 - Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e da literacia A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 9. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização Instrumentos/Recolha Factores críticos de sucesso de evidências - Os alunos usam a biblioteca para ler de Estatísticas de forma recreativa, para se informar ou para utilização da BE para realizar trabalhos escolares. actividades de leitura. - Os alunos, de acordo com o seu nível de Estatísticas de escolaridade, manifestam progressos nas requisição competências de leitura, lendo mais e com domiciliária. maior profundidade. Grelhas de observação - Os alunos desenvolvem trabalhos onde da utilização da interagem com equipamentos e ambientes BE informacionais variados, manifestando progressos nas suas competências no Trabalhos realizados âmbito da leitura e das literacias. pelos alunos - Os alunos participam activamente em diferentes actividades associadas à Análise diacrónica das promoção da leitura avaliações dos alunos. (Clubes de leitura, fóruns de discussão, jornais, etc.). Questionário aos professores Questionário aos alunos A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 10. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização 6. Etapas do processo de auto-avaliação Etapas do processo Calendarização Envolvimento do Director, apresentação do MAABE ao Conselho Pedagógico, avaliação diagnóstica, selecção do domínio a avaliar, elaboração do plano de avaliação, preparação dos instrumentos e Novembro / Dezembro 09 levantamento de recursos necessários. Divulgação do Plano de Avaliação ao Conselho Pedagógico/ Departamentos. A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 11. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização Recolha de evidências Novembro 2009 a Junho 2010 Observação da utilização da BE Aplicação dos questionários Janeiro a Junho de 2010 Tratamento e análise de análise de Julho 2010 dados Elaboração do Relatório Reunião com o Director para apresentação dos resultados obtidos Julho 2010 Apresentação/Discussão dos resultados em Conselho Pedagógico. Definição de acções para a melhoria. 7. Formas de divulgação dos resultados  Apresentação em Conselho pedagógico  Divulgação no blogue da BE  Divulgação no sítio da Escola  Apresentação e discussão dos resultados no Grupo de Trabalho Concelhio (eventualmente) A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 12. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização Levantamento de necessidades Plano de melhoria Divulgação do plano de melhoria Setembro 2010 8. Limitações / Constrangimentos Neste primeiro ano de aplicação do modelo poderão constituir constrangimentos o facto da comunidade educativa, em particular os docentes, não estarem ainda devidamente sensibilizados e envolvidos. A maioria dos docentes não conhece o modelo ou tem uma vaga ideia, desconhecendo, todavia, as implicações inerentes à sua implementação e o timing é apertado. A sobrecarga de trabalho nas escolas, quer para os professores, quer para o próprio director, também são limitativos do seu envolvimento nas actividades e acções da BE. A recolha de evidências, através de instrumentos diversificados, e posterior tratamento da informação, implicam uma grande disponibilidade de tempo e de recursos humanos que, neste momento, é difícil. A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009
  • 13. O Modelo de Auto-avaliação das BEs – metodologias de operacionalização O apetrechamento da BE para operacionalizar os seus objectivos e a sua acção também envolvem verbas que não são consentâneas com os orçamentos disponíveis. Contudo, creio que ultrapassada esta fase, os benefícios do trabalho cooperativo e colaborativo serão reconhecidos e a auto-avaliação encarada como um processo natural e regular, numa perspectiva de melhoria do desempenho da BE em prol do sucesso educativo e da formação de indivíduos competentes e autónomos. Finalmente, a BE impor-se-á como o verdadeiro e autêntico centro de recursos da escola, e essa missão, nada fácil, passa, inequivocamente, pelo professor bibliotecário. Bibliografia Modelo de Auto-Avaliação, RBE, versão 2009 Texto da sessão: O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Parte I) MacNamara, Carter, Basic Guide to Program Evaluation, in http://www.managementhelp.org/evaluatn/fnl_eval.htm#anchor1585345 ALÇADA, Isabel, Leitura, Literacia e Bibliotecas Escolares A Formanda: Aurélia Fernandes Nov. 2009