A cidade em discussão.Recebemos do Carlos, um dos incansáveis plantadores, a foto que segueabaixo. O ipê está na Rua Santo...
Comentário cidadão -"Escolha não é privilégio, é um direito.Tendo escolha, teremos fiação aterrada.Chega de monopólio."Mai...
Experiências em outras cidades do mundo em que o sistema foi substituído, o poder públicodividiu os custos com as concessi...
As estimativas do mercado local para os custos do enterramento de cabos pode ser em tornode 60 bilhões de reais (EUA US $ ...
A prefeitura também terá que investir para realocar a maior parte dos 500 mil lâmpadas nospostes.Esta briga vai ser boa co...
Os bairros nobres com maior poder aquisitivo poderão melhorar e muito suas ruas e calçadas,melhorando a acessibilidade par...
Nos últimos anos, houve um significativo aumento de serviços postos à disposição do mercadoconsumidor, os quais, para sua ...
As disposições da lei em questão dão conta de que nem todo serviço de telecomunicações épúblico, existindo grande parte de...
-Anexo 3B-Leis sobre calçadas (SP e Campinas)http://www.campinas.sp.gov.br/bibjuri/dec12040.htm (Campinas)DECRETO N° 12.04...
-Anexo 4B- Artigo "Ibirapuera terá fiação elétrica aterrada até 2013"..A lei que obriga as concessionárias a "esconder" o ...
aterramento de fios.Depois de a Prefeitura pagar a primeira parcela, em junho, as obras começarão num prazo de90 dias. Seg...
"É como se houvesse um `apartheid vegetal", sentencia o pesquisador daFaculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP Paulo Pe...
pelas ruas da cidade para constatarmos um triste fato: Podas drásticas de árvores. Issocostumeiramente vem acontecendo em ...
Com base neste artigo público no site ARVORES NA CIDADE(http://arvoresnacidade.blogspot.com/2009/06/poda-drastica-pode-ser...
Jardins sofra uma profunda reestruturação, ampliando a sua capacidade operacional, técnica ecientífica. Consoante a esta r...
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------...
Incansáveis plantadores
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Incansáveis plantadores

430 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
430
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Incansáveis plantadores

  1. 1. A cidade em discussão.Recebemos do Carlos, um dos incansáveis plantadores, a foto que segueabaixo. O ipê está na Rua Santos Dumont.Temos vários outros pelo bairro, que sempre nos encanta.Por outro lado temos uma fiação horrível e obsoleta que atrapalhae danifica nossas árvores e nossa qualidade de vida.Seguem também duas fotos do poste e fiação dependurada, ao lado deuma das mais de 200 árvores plantadas pelos incansáveis plantadores.Vejam o descaso e o péssimo serviço prestado à população.
  2. 2. Comentário cidadão -"Escolha não é privilégio, é um direito.Tendo escolha, teremos fiação aterrada.Chega de monopólio."Mais informação:-Anexo 2B- Fiação Aérea – O Grande desafio, torná-la subterrânea..A Eletropaulo distribui energia para cerca de 4 milhões de clientes na cidade através deuma rede de distribuição e transmissão de 23,000 km de comprimento. Eletropauloopera mais de 70.000 transformadores aéreos nos postes da cidade. Agora quem está decarona neste vandalismo urbano são as empresas de TV a Cabo,Internet,Telefonia....a extensão das redes não pode transformar as cidades em uma gigantesca “teia dearanha” com cabos suspensos passando de um lado para o outro;.....Podar uma árvore custa cerca de 10 dólares. Isso significa que, nas grandes cidadesbrasileiras, se gasta de 4 a 7 milhões dólares por ano com a poda de árvores...http://engvagnerlandi.wordpress.com/2011/04/10/fiacao-aerea-o-grande-desafio-torna-la-subterranea/Fiação Aérea – O Grande desafio,torná-la subterrâneaPublicado em 10/04/2011 por engvagnerlandiFiação Aérea – O Grande desafio, torná-la subterrâneaEnterrar a fiação subterrânea em São PauloEng.Urb.Vagner LandiQuando o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, iniciou o projeto Cidade Limpa muitoscriticaram a falta de políticas para acabar com a fiação aérea, que também polui a cidade. O quilômetro da fiação subterrânea é quatro vezes mais caro do que a aérea, mas este custotem que ser dividido com as concessionárias de iluminação pública, telefonia, internet e outrosque a gente nem sabe.
  3. 3. Experiências em outras cidades do mundo em que o sistema foi substituído, o poder públicodividiu os custos com as concessionárias para não repassar totalmente os gastos para ascontas dos consumidores.A paisagem urbana é muito importante principalmente numa cidade como São Paulo, que aopassar dos anos tivemos construções irregulares que fogem do Código de Edificações que éuma Lei, prejudicando o visual. Como a Lei da Cidade Limpa,veio ajudar a inibir a publicidadeamadora com placas em frente aos imóveis de maneira desrespeitosa,agredindo aos nossosolhos,mas nesta segunda etapa da Lei,além de punir quem não está respeitando também serácombatido a poluição visual da quantidade de postes por metro linear em nossas ruas eavenidas de nossa Sampa.Lançada em 2007, a Lei Cidade Limpa é um marco na regulamentação de publicidade externa
  4. 4. As estimativas do mercado local para os custos do enterramento de cabos pode ser em tornode 60 bilhões de reais (EUA US $ 37 bilhões), informou uma fonte do mercado disseBNamericas.Segundo a Eletropaulo são 700 mil postes na cidade,que na minha opinião são muito mais,poisa briga vai ser boa,porque a prefeitura vai impor perante as concessionárias o levantamentoreal e começar pelos postes que não tem função,isto é os velhos que nunca foramretirados.(Veja outras matérias no Blog do urbanista)A Eletropaulo distribui energia para cerca de 4 milhões de clientes na cidade através de umarede de distribuição e transmissão de 23,000 km de comprimento. Eletropaulo opera mais de70.000 transformadores aéreos nos postes da cidade. Agora quem está de carona nestevandalismo urbano são as empresas de TV a Cabo,Internet,Telefonia,que também vão pagar aconta.
  5. 5. A prefeitura também terá que investir para realocar a maior parte dos 500 mil lâmpadas nospostes.Esta briga vai ser boa com prefeitura e Eletropaulo e outras,pois quando é tocado no temasobre a nova legislação,não querem nem saber,mas quando a população abraçar esta idéia obicho vai pegar e começará uma briga política muito boa com promessas e mais promessas denossos políticos,esperamos que a melhor qualidade de vida para nós contribuintes vença.Lógico, que as principais vias de nossos bairros irão ser as primeiras a serem reformadas,coma força do comércio local e de grandes empreendimentos,visando a valorização urbana,masmuitas ruas ficarão a ver navios,caso a prefeitura não faça sua parte.
  6. 6. Os bairros nobres com maior poder aquisitivo poderão melhorar e muito suas ruas e calçadas,melhorando a acessibilidade para pessoas de mobilidade reduzida e o mobiliário urbano,masem contra-partida os bairros periféricos continuarão com a fiação exposta por muitos e muitosanos,devido ao processo caro para execução.A satisfação dos empreendedores com as instalações subterrâneas de energia está superandoexpectativas devido às muitas vantagens que esses sistemas apresentam, como por exemploem ruas que já foram embutidas as fiações,exemplo maior da Rua Oscar Freire em SãoPaulo,como o comércio cresceu e valorizou-se após a medida adotada pela iniciativa privadaem conjunto com a prefeitura. ( foto abaixo)Rua Oscar Freire, com fiação embutida, reforma do mobiliário urbano, melhor acessibilidade evisual moderno, valorizando o comércioMultinacionais, já estão se preparando para a nova tecnologia“A Pirelli está garantindo as condições para que tecnologias que não passavam de sonho nopassado se tornem uma realidade acessível agora”,A liderança da Pirelli no campo das redes subterrâneas deve-se ao fato de ela ser umacompanhia mundial, com presença em países onde essa solução já é largamente utilizada,como França, Inglaterra, Estados Unidos, Itália e Espanha, entre outros.
  7. 7. Nos últimos anos, houve um significativo aumento de serviços postos à disposição do mercadoconsumidor, os quais, para sua instalação, necessitam da extensão de redes, que poderiamser em sua maioria subterrânea, porém quase sempre a opção feita é a aérea.São exemplos destes novos serviços a telefonia, as televisões a cabo, as infovias próprias paraa Internet ou para ligações dos sistemas em rede.Além disso, também dependem de redes a energia elétrica, a água canalizada e o esgoto.Esta nova realidade exige dos Municípios uma reflexão acerca de como equacionar o problemade modo que:a) serviços possam ser disponibilizados com a máxima segurança para os munícipes; b) a disponibilização dos serviços e a respectiva implantação da infra-estrutura estejamcompatibilizadas com o processo de planejamento municipal; c) a extensão das redes não pode transformar as cidades em uma gigantesca “teia de aranha”com cabos suspensos passando de um lado para o outro;Estas questões se tornaram mais freqüentes após o processo de privatização das empresasestatais e da concessão dos serviços públicos decorrentes da Reforma do Estado, combinadocom a abertura para a prestação de serviços públicos ao mercado consumidor. Isso porque adestinação de espaços nas cidades para implantação e ampliação das redes, especialmentedestinada às telecomunicações (telefonias fixa e celular, TVs a cabo etc.) têm, de um lado,gerado problemas a serem enfrentados, como por exemplo, a poluição visual, e, de outro,podem constituir-se em importante fonte de recursos a serem revertidos aos cofres públicosmunicipais.As redes de infra-estrutura devem acompanhar o processo de planejamento municipal, tanto nocrescimento de determinadas regiões da cidade, quanto nas limitações urbanas decorrentesdas peculiaridades de cada espaço. A implantação dos serviços públicos que necessitam deredes de infra-estrutura deve, necessariamente, estar compatibilizada com o processo deplanejamento da cidade, cuja competência é municipal.É importante apontar alguns aspectos decorrentes da Lei Federal N.º 9472/97,Que dispõe sobre os serviços de telecomunicações no Brasil. O art. 62 da constituiçãoreconhece duas espécies de serviços: Interesse restrito e de Interesse coletivo.No art. 63, estão estabelecidos dois regimes jurídicos para prestação de serviço, um público eoutro privado.- Somente têm obrigação de universalização e continuidade os serviços prestados em regimepúblico.É sabido que alguns princípios são inerentes ao regime dos serviços públicos, dentre os quaisse ressaltam o da continuidade do serviço público e o da igualdade dos usuários.
  8. 8. As disposições da lei em questão dão conta de que nem todo serviço de telecomunicações épúblico, existindo grande parte deles (entre os quais os denominados serviços corporativos)que não são serviços públicos. Assim sendo, não estão sujeitos ao regime jurídicos público,tampouco às prerrogativas deste regime.A confiabilidade do sistema:Para entender por que as redes subterrâneas são tão mais confiáveis e seguras, é precisoentender primeiro por que as redes aéreas são tão sensíveis e perigosas. Acontece que os fiosque passam pelas redes aéreas ficam diretamente expostos ao contato com as árvores. Épreciso podá-las sempre para que a rede elétrica não acabe sendo desligada por elas,interrompendo o fornecimento de energia para os cidadãos.As redes subterrâneas são muito mais eficientes principalmente porque não sofrem asinterferências do ambiente externo. Por estarem enterradas, elas ficam a salvo dessesproblemas.Podar uma árvore custa cerca de 10 dólares. Isso significa que, nas grandes cidadesbrasileiras, se gasta de 4 a 7 milhões dólares por ano com a poda de árvores. Mas este não é oúnico problema que ameaça as redes aéreas. Uma vez que os cabos ficam expostos, asintervenções para consertos também precisam ser freqüentes.Os danos são causados por acidentes com veículos que atingem os postes, raios (descargasatmosféricas), chuvas, contaminação ambiental (poluição, salinidade), ventos e pássaros.Comparações entre Redes Elétricas ÁREA CONVENCIONAL SUBTERRÂNEAConfiabilidade Baixa Muito AltaSegurança Baixa NenhumaInterferência/Arvores Muito Alta NenhumaDerivações Simples ComplexasResis.Descargas Atmosf. Baixa AltaLocalização de Falhas Fácil DifícilCampo Elétrico Aberto ConfinadoCampo Magnético Médio BaixoInvestimento Inicial 100 180 a 500
  9. 9. -Anexo 3B-Leis sobre calçadas (SP e Campinas)http://www.campinas.sp.gov.br/bibjuri/dec12040.htm (Campinas)DECRETO N° 12.040 DE 14 DE NOVEMBRO DE 1995Dispõe Sobre Rebaixamento de Guias nas Vias Públicas, e dá Outras Providências-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------http://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadlem/secretarias/negocios_juridicos/cadlem/integra.asp?alt=10092011L%20154420000%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20&secr=&depto=&descr_tipo=LEI Lei 15.442, de2011- Lei das Calçadas (SP)http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/calcadas/index.php?p=37449SP ganha nova lei para melhorar dia a dia de pedestresA nova lei de calçadas chega para melhorar o caminho dos 11 milhões de pedestres que moram em SãoPaulo. São regras simples que, a partir de agora, devem ser entendidas e respeitadas por todos. Umponto é importante: a Prefeitura precisa da colaboração dos cidadãos.Calçada com buraco, multa certa. E a forma de calcular essa multa mudou.Antes, o fiscal definia o valor de acordo com o tamanho do buraco (de R$ 102,02 a R$ 510,01). Agora amulta passa a seguir o tamanho da calçada (R$ 300 por metro). Ou seja, se uma calçada com buraco temextensão de 20 metros a multa passa a ser de R$ 6.000 (R$ 300 mutiplicados pelos 20 metros dacalçada), valor que não muda se a calçada estiver tomada por buracos ou com apenas um pequenoburaco.Outro ponto da legislação é a definição de largura mínima, que agora deve ser de 1,20 metro para apassagem de pedestres nas calçadas (antes se fixava 90 centímetros). Os profissionais do “156” (telefonede atendimento da Prefeitura) receberam treinamento, assim como os fiscais das Subprefeituras, paraauxiliar os cidadãos.É muito importante o cidadão ficar atento à nova legislação, pois o fiscal imediatamente irá aplicar multa enotificar o imóvel a realizar reparos no prazo máximo de 30 dias.
  10. 10. -Anexo 4B- Artigo "Ibirapuera terá fiação elétrica aterrada até 2013"..A lei que obriga as concessionárias a "esconder" o cabeamento da cidade foi aprovada em2006. O texto prevê que os custos, até sobre danos nas áreas públicas, sejam arcados pelasconcessionárias. As empresas que operam ou usam cabos aéreos deveriam torná-lossubterrâneos em uma extensão de até 250 km lineares de via por ano....http://www.skyscrapercity.com/archive/index.php/t-897892.htmlIbirapuera terá fiação elétrica aterrada até 2013A paisagem do Parque do Ibirapuera, na zona sul, vai mudar a partir do ano que vem. Os fiospendurados nos postes serão aterrados pela Eletropaulo.A empresa fez parceria com a Prefeitura para esconder os 5 quilômetros de rede aérea doparque e das ruas próximas. Ao todo, a negociação prevê o aterramento de 18 km de fios emoutras regiões, entre elas a Avenida Faria Lima.O projeto será feito em etapas até 2013, período em que a Prefeitura deve quitar a dívida deR$ 344,2 milhões com a Eletropaulo referente ao fornecimento de energia. O acordoestabelece o pagamento da dívida e o investimento de 50% do valor em obras para a cidade. AEletropaulo se comprometeu a destinar R$ 172,1 milhões para redes, iluminação pública eprojetos de eficiência energética em escolas. Desse total, R$ 86,9 milhões serão aplicados no
  11. 11. aterramento de fios.Depois de a Prefeitura pagar a primeira parcela, em junho, as obras começarão num prazo de90 dias. Segundo o diretor de Operações da Eletropaulo, Roberto Di Nardo, o projeto maisavançado é o do Ibirapuera, que deve sair do papel no segundo semestre. "Ali não há tantainterferência no trânsito e não causa tanto transtorno à população." O da Faria Lima devedemorar justamente por causa da interferência no trânsito. A fiação subterrânea já existe emparte da Rua Oscar Freire, nos Jardins, desde 2006. Lá, aterrar cada metro custou em médiaR$ 5 mil. Di Nardo não soube dizer o custo das obras no parque, mas adiantou que a empresadeve gastar menos - o local não exige grandes interdições.Para a conselheira do Conselho Gestor do Ibirapuera, Karol Anness, o aterramento dos cabosna região é o primeiro passo para tornar o parque uma área modelo. "O Ibirapuera é um íconee tem de ser exemplo em tudo, inclusive na fiação subterrânea." Karol diz torcer para aPrefeitura aproveitar as obras e reforçar a iluminação do local.A lei que obriga as concessionárias a "esconder" o cabeamento da cidade foi aprovada em2006. O texto prevê que os custos, até sobre danos nas áreas públicas, sejam arcados pelasconcessionárias. As empresas que operam ou usam cabos aéreos deveriam torná-lossubterrâneos em uma extensão de até 250 km lineares de via por ano. "Mas asconcessionárias alegam que o custo é muito alto", diz Luiz Pacheco, diretor do Departamentode Controle de Uso das Vias Públicas.fonte:http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2009/05/13/ibirapuera+tera+fiacao+eletrica+aterrada+ate+2013+6105915.html-Anexo 5B-Artigo sobre áreas verdes valorizam bairros da cidade..Por trás de regiões com praças e árvores está o planejamento urbano.....Com árvores nas ruas, além de espaço de convivência, ganha-se também comtemperaturas mais baixas...http://classificados.folha.com.br/imoveis/948671-concentracao-de-areas-verdes-cria-apartheid-vegetal.shtml24/07/2011 - 07h45Concentração de áreas verdes criaapartheid vegetalCARLOS ARTHUR FRANÇADE SÃO PAULOQuando o critério é a cobertura verde dentro da malha urbana, a capitalpaulista poderia ser dividida em duas: a verde oeste e a cinza leste.
  12. 12. "É como se houvesse um `apartheid vegetal", sentencia o pesquisador daFaculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP Paulo Pellegrino. "As marginaisformam um corredor verde do Morumbi até Pacaembu e Perdizes."Dos 10 distritos com maior cobertura vegetal por habitante em que houvelançamentos imobiliários nos últimos quatro anos, 7 ficam do lado esquerdo dacapital.Do lado direito dessa linha imaginária que cortaria a cidade longitudinalmente apartir do centro, estão 15 dos 20 distritos com menor arborização da cidade.Como área verde, estão computadas tanto reservas naturais e parques comoárvores e gramados nos passeios públicos. Os dados são da SecretariaMunicipal do Verde e do Meio Ambiente cruzados com o censo demográfico de2010.Por trás de regiões com praças e árvores está o planejamento urbano. Áreascomo Alto de Pinheiros e Pacaembu foram loteadas pela empresa CompanhiaCity com o conceito de "bairros-jardins".Já na zona leste, a ocupação desordenada é a maior responsável pela falta deverde, diz a pesquisadora Sandra Gomes, do Centro de Estudos da Metrópole.AR FRESCOCom árvores nas ruas, além de espaço de convivência, ganha-se também comtemperaturas mais baixas."Se você pegar um mapa termal da cidade, vai ver que os pontos mais frescoscoincidem com parques como o Ibirapuera", explica Neli Aparecida de Mello-Théry, pesquisadora de Gestão Ambiental da USP.A vegetação também permite a infiltração da água no solo, reduzindo a chancede enchentes, pontua Juliana da Costa, pesquisadora da Secretaria de MeioAmbiente do Estado de São Paulo.Onde não há praças ou canteiros, a desapropriação de terrenos para criar áreasverdes é cara e demorada, avalia Sandra Gomes.-Anexo 6B-Artigo "Poda drástica pode ser considerado crime"..Basta andar pelas ruas da cidade para constatarmos um triste fato: Podas drásticas deárvores. ......Poda drástica consiste no rebaixamento radical da copa das árvores, sem qualquercritério técnico, sendo que em alguns casos, nem mesmo os troncos são poupados.Ações como esta contribuem para o aumento do chamado "passivo ambiental" dosmunicípios, que corresponde ao déficit de árvores......, há entendimento dominante que considera este fato crime ambiental previsto no art.49 da Lei 9.605/98:...http://www.radiocabiuna.com.br/portal/index.php?option=com_content&task=view&id=2740&Itemid=106 Eu Repórter - Poda drástica pode ser considerada crime 22-Abr-2010Apesar das altas temperaturas registradas nos últimos tempos, o ser humano mais umavez vem dando mostras de sua capacidade de interferir no meio ambiente. Basta andar
  13. 13. pelas ruas da cidade para constatarmos um triste fato: Podas drásticas de árvores. Issocostumeiramente vem acontecendo em árvores existentes defronte às residências ouestabelecimentos privados e públicos.Poda drástica consiste no rebaixamento radical da copa das árvores, sem qualquercritério técnico, sendo que em alguns casos, nem mesmo os troncos são poupados.Ações como esta contribuem para o aumento do chamado "passivo ambiental" dosmunicípios, que corresponde ao déficit de árvores.Isto é, ao invés de aumentar o número de espécies arbóreas, o que se vê atualmente éuma considerável diminuição.Inúmeros são os benefícios que as espécies arbóreas podem propiciar. Além dosombreamento agradável, servem de abrigo à fauna, reduzem a poluição atmosférica eembelezam o espaço público.Apesar de alguns operadores do direito sustentarem que a poda drástica tal comoexplicado acima não constitui crime, há entendimento dominante que considera este fatocrime ambiental previsto no art. 49 da Lei 9.605/98: "Destruir, danificar, lesar oumaltratar, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradourospúblicos ou em propriedade privada alheia - Pena de três meses a um ano, ou multa".A controvérsia está no significado do termo plantas de ornamentação. Segundo manuaistécnicos não abrangem árvores de logradouros. Data vênia equivoca-se talentendimento, pois o que deve prevalecer é a macro proteção ambiental desejada pelolegislador.Havendo legislação municipal específica, o autor da poda drástica de árvore deverá sermultado, bem como o Ministério Público sendo cientificado de tal fato poderá oferecerdenúncia na esfera penal e ainda responsabilizar civilmente o degradador, a fim deobrigá-lo a reparar o dano por meio de recomposição ou indenização.A realização da poda de árvores em logradouros públicos só deveria ser praticadamediante prévia autorização das prefeituras e/ou Conselho Municipal do MeioAmbiente, que poderá deliberar favoravelmente ou não sobre a poda. É de extremaimportância que os municípios realizem esta tarefa, através de funcionáriosdevidamente qualificados para o serviço. Salienta-se que o principal objetivo da poda éaumentar a vitalidade da árvore, que se bem realizada pode prolongar a vida da espéciee se não for bem realizada pode levá-la à morte. Há situações em que a supressão daárvore ou poda drástica é inevitável como nos casos de riscos à população, ao trânsito,ao patrimônio, ao interesse público, etc.Por fim, registra-se que é importante consultar um profissional especializado, a fim deobter maiores esclarecimentos sobre que o impõem as legislações.Marcelo Teixeira é advogado, pós-graduando em Direito Ambiental pelo UniToledoMilton Pardo Filho é advogado, professor de Direito do UniToledo, mestre em Direitopela PUC-SP, pós-graduando em Direito Ambiental pelo UniToledo e consultor daNativa Assessoria Ambiental
  14. 14. Com base neste artigo público no site ARVORES NA CIDADE(http://arvoresnacidade.blogspot.com/2009/06/poda-drastica-pode-ser-crime-ambiental.html)Deixo aqui meu protesto esperando que as autoridades municipais tomem providenciasurgentes a este fato que vem acontecendo em Bandeirantes, quase que todo o diaconforme fotos que acompanham tiradas na avenida Edelina Meneghel Rando em datade 21/04/2010.-Anexo 7B- Publicações SEPLAMA 2006..Não há que se falar em cidade ambientalmente sustentável, sem privilegiar a arborização, emespecial a dos passeios, haja vista suas múltiplas funções......No município, a arborização dos passeios não é uniforme, apresentando regiões desprovidase outras com a presença de indivíduos senis e doentes.....18. Convocar no prazo máximo de seis meses, as empresas prestadoras de serviço detelefonia, rede de energia elétrica, tv a cabo e assemelhados para apresentarem um planoprogressivo e respectivo projetode adaptação das redes existentes, para sistema subterrâneo nas áreas destinadas aimplantação do polígono de multiplicidade ambiental e vias verdes;19. Estimular a passagem de dutos e redes no subsolo (através de valas técnicas), comisenção de pagamento de contribuição para os que aderirem ao plano de passagem no subsoloe cobrança progressiva no tempo para as redes aéreas e superficiais;http://2009.campinas.sp.gov.br/seplama/publicacoes/planodiretor2006/pdfinal/cap5.pdf..Não há que se falar em cidade ambientalmente sustentável, sem privilegiar a arborização, emespecial a dos passeios, haja vista suas múltiplas funções......No município, a arborização dos passeios não é uniforme, apresentando regiões desprovidase outras com a presença de indivíduos senis e doentes....A supressão e o manejo inadequado ainda persiste com podas drásticas e podas em “V” e “Y”para passagens aéreas de fios e cabos, comprometendo o desenvolvimento dessa vegetaçãoe a descaracterizaçãoda paisagem.....Este tema estratégico necessita de ordenação, com investimento na implementação de valastécnicas para passagem de redes subterrâneas nas áreas mais impactadas e nas principaisavenidas,.....Para que o Poder Público Municipal possa cumprir todas as determinações prescritas na Lei11.571/2003 e seus decretos regulamentadores, é de fundamental importância que oDepartamento de Parques e
  15. 15. Jardins sofra uma profunda reestruturação, ampliando a sua capacidade operacional, técnica ecientífica. Consoante a esta reestruturação é preciso dinamizar o Fundo Único de Fomento aosParques Municipaispara prover recursos que permitam ampliar a capacidade de ação do Departamento deParques e Jardins - DPJ e fazer frente às demandas...pag 168 DETALHAMENTO DAS PROPOSTASSistema integrado de gestão ambiental18. Convocar no prazo máximo de seis meses, as empresas prestadoras de serviço detelefonia, rede de energia elétrica, tv a cabo e assemelhados para apresentarem um planoprogressivo e respectivo projeto de adaptação das redes existentes, para sistema subterrâneonas áreas destinadas a implantação do polígono de multiplicidade ambiental e vias verdes;19. Estimular a passagem de dutos e redes no subsolo (através de valas técnicas), comisenção de pagamento de contribuição para os que aderirem ao plano de passagem no subsoloe cobrança progressiva no tempo para as redes aéreas e superficiais;20. Criar um Fundo de Arrecadação dos Valores de Contribuição Pecuniária pela Utilização doSubsolo Público, dando destinação específica aos recursos arrecadados para a construçãode valas técnicas, cuja função é a de ordenar a passagem dos dutos no subsolo;TESES E DISSERTAÇÕES:Arborização viária X sistemas de distribuição de energia elétrica: avaliação dos custos, estudodas podas e levantamento de problemas fitotécnicos-Dissertação de mestrado - Giuliana DelNerohttp://www.readoz.com/publication/read?i=1043427#page1Analise comparativa dos custos de diferentes redes de distribuição de energia elétrica nocontexto da arborização urbana -Giuliana Velasco/Ana Maria Lima/Hilton Coutohttp://www.scielo.br/pdf/rarv/v30n4/31690.pdfArborização viária como patrimônio municipal de Campinas/SP (Bairro Cambuí)-José Hamiltonde Aguirre Juniorhttp://www.readoz.com/publication/read?i=1043428#page1Sustentabilidade nas cidades-arborização como rede essencial de infraestrutura urbana-JoséHamilton de Aguirre Juniorhttp://www.readoz.com/publication/read?i=1047041#page1A fiação como fator de degradação urbana-Monografia de Tereza Penteadohttp://www.readoz.com/publication/read?i=1043425#page1Contextualização da arborização urbana no Brasil sob a perspectiva da gestão ambiental-Rosana Negreiros(ANEXO 1B)http://www.slideshare.net/ResgateCambui/contextualizao-da-arborizao-urbana-no-brasil-sob-a-prespectiva-da-gesto-ambiental
  16. 16. --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Desobedecer ao menor para obedecer ao maior25-6-2012 - DESOBEDIÊNCIA-Oscar QuirogaVivemos o duro momento em que as regras e leis que supostamente organizariam a vida sociale civilizada de nossa humanidade não mais protegem os justos, mas os criminosos eespertalhões, por isso, não resta outra saída a não ser desobedecer ao que ameaça paravenerar algo maior que, mesmo sem forma definida ainda, deixa claro que as coisas nãopodem continuar mais tempo como estão.Desobedecer ao menor para obedecer ao maior, eis a dura fórmula que precisa serdesenvolvida da melhor forma possível por todo ser humano medianamente consciente dascondições que o mundo de hoje apresenta, protegendo os criminosos e ameaçando os justos.Não seria esta uma desobediência rebelde sem causa, mas pela justa causa de o mundo serdos justos.

×