Gestão da arborização urbana

Eng. Agro. Ms. Cleide de Oliveira
Maio/2004
2

Ìndice

Gestão para a Sustentabilidade Ambiental...................................................................03
U...
3

Eng. Agrônomo Ms especialista em Desenvolvimento Sustentável e
Recuperação de áreas degradadas.

Gestão para a Sustenta...
4

2.1. Ambito da gestão – devem ser consideradas as áreas arborizadas e
aquelas obeto de planos de arborização não execut...
5

dos já citados, alguns critérios de sustentabilidade para áreas verdes devem ser
observados como:
6.1. Ajuste da propos...
6

ou mesmo a importância dos espaços públicos na formação e no exercício da
cidadania.
No entanto, a importância da rua, ...
7

arborizar as ruas pois o povo acreditava que a sombra das árvores era responsável
pela maleita, febre amarela, sarampo ...
8

natural. O plantio e permanência de árvores em ruas, avenidas, parques e praças
públicas nos sistemas urbanos, deve con...
9

físico da cidade. As árvores, através da sua diversidade de formas, cores e aromas
identificam os locais e qualificam o...
10

investidas. A arborização não pode seguir padrões rígidos pré-estabelecidos. Deve
ser proposta e implantada para que s...
11

“No caso de áreas urbanas, assim entendidas as compreendidas nos
perímetros urbanos definidos por lei municipal, e nas...
12

Curitiba

Proteção e conservação de vegetação de porte arbóreo; concede

(Paraná)

estímulos á preservação e proteção ...
13

Por se constituírem em muitos casos em redutos de espécies da fauna e flora
local, as árvores e áreas verdes urbanas t...
14

Através da função de superfície absorvem, refratam, e refletem as ondas
sonoras. A eficiência desta redução depende de...
15

4.

Proteção da avifauna

A vegetação arbórea ao longo da malha urbana contribui para o equilíbrio
biológico. Quando u...
16

curto, médio e longo prazos contribuirá para a escolha de espécies mais adequadas
às diversas finalidades almejadas pe...
17

O espaçamento é determinado de acordo com a largura das vias e das
calçadas. Em canteiros centrais de 3 m de largura p...
18

quantidade de folhas reduzida à metade de sua quantidade original, para evitar perda
de água por transpiração.
9.

Con...
19

12.

Tutoramento

Os tutores são ripas de madeira ou outros materiais responsáveis por manter a
planta ereta e com boa...
20

É uma prática antiga, metódica e utilizada para se obter a regularização na
obtenção de frutos. Na arborização urbana ...
21

O que interessa é a folhagem, o porte geral, a sanidade e a uniformidade do
conjunto que formam a fila de árvores.
Pod...
22

Tipos de poda – os diversos tipos de poda deverão ser utilizados de acordo
com a situação da muda ou da árvore adulta ...
23

Fig 2 . Poda
Os ramos finos, até 1 polegada de diâmetro, são cortados em bisel de baixo
para cima e os maiores devem s...
24

Vários estudos têm sido realizados com a finalidade de identificar a “árvore
ideal” para a arborização de ruas. Difici...
25

Formato colunar – a verticalidade é sua principal
Ausência de fiação elétrica

característica
Arvores choronas com ram...
26

apenas na largura de calçadas ou na presença de fiação, a análise, conforme abordado
no transcorrer deste texto, deve ...
27

fim é que as pessoas entregarão “a sua árvore” para serem conduzidas. Posturas
gestoras que evitarão a continuidade da...
28

Cavagnari, A.C. Áreas verdes urbanas –uma revisão de conceitos. Universo Verde
on line. 7p. 2003.
Eletropaulo. Guia de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gestão da arborização urban maio04

483 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
483
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão da arborização urban maio04

  1. 1. Gestão da arborização urbana Eng. Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  2. 2. 2 Ìndice Gestão para a Sustentabilidade Ambiental...................................................................03 Um pouco de história....................................................................................................06 Planejamento.................................................................................................................08 Legislação.....................................................................................................................11 Importância ecológica da arborização urbana..............................................................13 Problemas com a arborização urbana e soluções técnicas............................................16 Características das árvores destinadas à arborização urbana........................................24 Considerações finais e sugestões................................................................................. 26 Bibliografia...................................................................................................................28 Gestão da arborização urbana Cleide de Oliveira Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  3. 3. 3 Eng. Agrônomo Ms especialista em Desenvolvimento Sustentável e Recuperação de áreas degradadas. Gestão para a Sustentabilidade Ambiental Ao gestor cabe, fundamentalmente, tomar decisões em face de uma dada escassez e / ou fins alternativos. Os requisitos básicos de um sistema de gestão ambiental se alicerçam na existência de uma política ambiental, no planejamento, na implementação e operação do sistema, na verificação e na implementação de ações corretivas e, mais importante, numa permanente análise crítica pelo(s) tomador (es) de decisão. Requer uma percepção completa e responsável da atividade, desde sua concepção, incluindo os fatores políticos, econômicos, ambientais, sociais e culturais envolvidos para que o gestor não se descole da realidade e possa contribuir para um desenvolvimento cada vez mais sustentável. O desejável é uma planificação urbana que inclua os estudos e propostas para toda a malha verde de forma multifuncional e equilibrada baseada na pretensão de se alcançar diversos objetivos e funções como fruto do consenso entre técnicos e cidadãos. A garantia da participação popular de forma continuada, desde a definição dos usos das áreas verdes, técnicas de manutenção e desenhos de plantios constituem a base para o sucesso da implantação destas áreas. A definição de objetivos e metas baseada em estudos diagnósticos, funções da malha verde e de cada um dos espaços que a complementam contribuem para a implantação da arborização urbana com sólidas bases, desenhada e conservada de acordo com os princípios da sustentabilidade. Como fases da gestão tem-se: 1. Premissas - quais as hipóteses ou justificativas da questão abordada; 2. Diagnóstico – inventário da vegetação e demais espaços com a devida classificação inseridos em um contexto histórico e suas consequencias para o quadro atual e futuro com relação aos cinco aspectos do desenvolvimento sustentávelou seja: aspectos sociais, culturais, ambientais, políticos e econômicos; Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  4. 4. 4 2.1. Ambito da gestão – devem ser consideradas as áreas arborizadas e aquelas obeto de planos de arborização não executados assim como áreas destinadas a fins complementares à vegetação (esportivas, recreacionais); 2.2. Tipologia dos diversos espaços: espaços naturais, parques e jardins, corredores vegetados, espaços complementares, espaços verdes privados; 2.3. Valoração e análise da Malha verde: devem ser abordadas questões estruturais e as reais possibilidades de implantação da vegetação de forma articulada sem isolamento, fatores ligados aos usos e funções de diferentes espaços, o potencial educativo; 2.4. Reflexões, problemas e conflitos sobre a existencia de áreas verdes no contexto urbano: conflitos interespecíficos; conflitos com usos desportivos; conflitos com usos para animais domésticos; adequação às fachadas dos edifícios, ao tráfego local, às infraestruturas urbanas, ao desenvolvimento urbanístico; autosutentabilidade; carga humana permitida; participação dos cidadãos; vegetação e meio ambiente urbano; extensão e distribuição da malha verde; qualidade ambiental; dentre outros definidos localmente. 3. Concepção de projeto - definir claramente os objetivos gerais e específicos com as metas correspondentes; 4. Análise de fortalezas e debilidades da malha verde proposta – devem ser analisados os aspectos relacionados a: legislação, meio abiótico, meio biótico, flora e fauna urbana, urbanismo, usos e dotações orçamentárias, contaminação atmosférica, conservação dos espaços, conservação do solo, sustentabilidade, educação ambiental e hábitos de conduta, relações interpessoais e aspectos sociológicos; 5. Indicadores de sustentabilidade - podem ser desenvolvidos indicadores próprios ou utilizados os já citados na literatura, devem ser de fácil compreensão e obtenção; 6. Avaliação da eficácia e retroalimentação – análise de resultados e proposição de medidas corretivas e promocionais (preventivas de preferência). Além Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  5. 5. 5 dos já citados, alguns critérios de sustentabilidade para áreas verdes devem ser observados como: 6.1. Ajuste da proposta aos usos, funções e objetivos definidos e sua adaptação ao entorno; 6.2. Resistência a processos de vandalismo; 6.3. Características das espécies e sua correta adaptabilidade ao local ( ecológica e operacional); 6.4. Minimização da dependência de irrigação; 6.5. Áreas verdes como geradoras de novos hábitos ecocompatíveis; 6.6. Criação de estruturas estáveis de participação popular. Um pouco de história A cidade brasileira tem apenas 400 anos. Até agora, os estudos sobre a forma da cidade não são suficientes para se entender as suas novas expressões e silhuetas, Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  6. 6. 6 ou mesmo a importância dos espaços públicos na formação e no exercício da cidadania. No entanto, a importância da rua, como qualquer outro aspecto cultural, indica um processo de adaptação da cultura ao entorno. O declínio de nossas ruas só pode ser compreensível no contexto das configurações tecnológicas, sociológicas e políticas que mudam a nossa sociedade. Ao considerar-se historicamente estas mudanças observa-se que em 1950 a rua, praças e terrenos eram palcos para brincadeiras diárias, em 1970 os espaços públicos eram vividos nos finais de semana sob vigilância dos adultos, com restrição das brincadeiras aos espaços privados da casa e do edifício. Em 1980 a escola se torna o único território público, com normas e regulamentos. Cada vez mais os shoppings centers são construídos e deslocam o espaço de congraçamento e de contato para o espaço de consumo. Enquanto as pessoas fogem das ruas, estas se tornam cada vez mais apenas vias de passagem e as praças se deterioram e começam a aparecer outras formas de violência, como espaços degradados por poluição e falta de infraestutura com influência direta na redução da qualidade de vida. Em 1940 cerca de 70% da população brasileira vivia no campo. Atualmente, estima-se que mais de 90% vive em cidades. A crise atual é sem dúvida uma crise urbana, pois as perspectivas são de que em 2020 mais da metade da população do mundo em desenvolvimento sejam moradores de cidades. Isto acarreta uma série de problemas ambientais tornando mais difícil a “sobrevivência” nestes espaços. As paisagens urbanas tornam-se cada vez mais padronizadas. Não havendo mais lugar para a diversidade. Os shoppings centers ao lado de barracos refletem as desigualdades e contradições da lógica que produz a cidade. Até 1700 a árvore era vista apenas como integrante das florestas que circundavam as cidades. É a partir de 1800 em Londres e Paris, com seus squares e boulevars, que as árvores foram introduzidas na malha urbana. No Brasil a arborização de praças e ruas é relativamente recente, pouco mais de 120 anos. A primeira tentativa aconteceu nas ruas do RJ, com os preparativos do casamento de D.Pedro. Na época, os encarregados tiveram grandes dificuldades em Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  7. 7. 7 arborizar as ruas pois o povo acreditava que a sombra das árvores era responsável pela maleita, febre amarela, sarampo e até pela sarna dos escravos. Nesta época, começavam os plantios de sibipirunas, paus -ferro, cássias, paineiras, flamboyants, jacarandás... Os séculos XVIII e XIX assinalam no Rio de Janeiro marcos fundamentais do paisagismo como na Rua do Ouvidor e Jardim Botânico. Em São Paulo, são destaques a Avenida Paulista e o Parque da Cantareira. Em Porto Alegre foram intensificados os trabalhos a partir da década de 30, com a identificação dos bairros pelo predomínio de uma espécie arbórea. No século XX a expansão urbana desordenada alterou a fisionomia das cidades, este período foi marcado por perdas de um patrimônio arquitetônico e vegetal, da identidade de certos locais com a consequente ruptura da relação homem - natureza. Na atualidade é necessário que a noção de qualidade de vida aponte para alternativas adequadas às diversas situações urbanas. Reconhecendo-se que a qualidade de vida não é somente um índice construído a partir do cruzamento de elementos do quadro físico, econômico e humano (longevidade, conhecimento e renda), mas guarda subjetividades que superam a permanente necessidade de interação homem - natureza, é na cidade que mais se percebe a adoção de gestões corretivas, relegando completamente a possibilidade de prioridade às gestões preventivas. A capacidade dos gestores em promover ações coletivas (parceiras) capazes de garantir a consolidação dos desejos humanos refletidos no espaço da cidade, valorizar seus elementos diferenciadores em elementos de prosperidade, resultará no resgate da identidade particular de cada lugar. Desta forma, o papel da arborização das vias públicas assume grande importância, como um dos fatores de melhoria da qualidade de vida das populações. Planejamento da arborização urbana A vegetação urbana é composta pelas áreas verdes públicas e particulares e pela arborização de ruas e avenidas. Pode ser entendida também como o conjunto de terras públicas e privadas com vegetação predominantemente arbórea ou em estado Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  8. 8. 8 natural. O plantio e permanência de árvores em ruas, avenidas, parques e praças públicas nos sistemas urbanos, deve constituir-se prática fundamental no resgate da importância e da presença de tais espécies. O verde urbano é fundamental para atenuar os problemas ambientais e sociais que o habitante da cidade enfrenta. Sua importância envolve aspectos paisagísticos e psicológicos, tendo papel de destaque nos centros urbanizados no que diz respeito à qualidade ambiental. Quanto à função da arborização urbana, pode - se considerar as áreas verdes como subsistemas dos espaços abertos e classificados como: de preservação; de contemplação; para a melhoria das condições ambientais; recreação e lazer; uso institucional; uso particular e circulação. Portanto, pode-se entender por área verde urbana, um conjunto de três setores distintos: 1. Áreas verdes públicas; 2. Áreas verdes privadas; 3. Arborização de ruas e avenidas. No entanto, a simples existência dos três setores ou de subsistemas não caracteriza um sistema de arborização urbana. Deve existir um planejamento capaz de organizar os setores e normatizar seu uso e à partir do destino da muda planejar a produção do viveiro considerando para tanto as reposições necessárias, o tempo de vida das árvores (aproximadamente 30 anos), assim como o período para a autonomia das plantas ao local de aproximadamente três anos. Assim sendo, todas as áreas verdes urbanas precisam ser inventariadas e planejadas com especial atenção com relação aos aspectos estéticos e funcionais, para que dessa forma atendam as necessidades da população e viabilizem os fins a que se propõem. A paisagem é a expressão visual do meio onde se insere e vive o homem. Assim, planejar a paisagem em sentido amplo significa planejar o uso e ocupação da terra, e em sentido restrito pode significar o planejamento de um jardim ou de uma praça. A existência de espaços verdes ajuda caracterizar a paisagem das ruas, praças, parques, contribuindo para dar noção de espaço ao ser humano e realça o ambiente Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  9. 9. 9 físico da cidade. As árvores, através da sua diversidade de formas, cores e aromas identificam os locais e qualificam os espaços. Conceber uma cidade sem vegetação é negar sensações, sentimentos e recordações. Muitos autores comentam que a existência de amplos espaços arborizados pode desempenhar um papel vital para o bem-estar das populações dos centros urbanos. A sua manutenção tem, entre outras finalidades, o objetivo de quebrar o gelo, a monotonia e a pressão causada pelo corre-corre da vida. Desta forma a vegetação, através de suas funções ecológicas, econômicas e sociais pode desempenhar um importante papel na melhoria da qualidade de vida das populações urbanas. Embora quase todas as cidades brasileiras tenham áreas verdes, poucas são as que têm estes espaços organizados de modo que não sejam apenas mais uma coleção avulsa de espaços abertos ao ar livre (durante a década de 90, apenas 4% das cidades de São Paulo tinham um plano de arborização). Como o espaço urbano apresenta finalidades tão diversas é necessário um profundo e adequado processo de planejamento que tenha bases técnico - científicas. Exemplares isolados e disformes não são percebidos, ao passo que, conjuntos arbóreos imprimem um caráter plástico à paisagem e um conforto ambiental. O que importa não é a quantidade, mas a forma, qualidade e distribuição destes espaços verdes. O meio ambiente urbano deve ser organizado de tal forma que assegure ao povo uma sadia qualidade de vida. A questão ambiental (re) coloca em destaque contradições da produção social do espaço e das formas de apropriação da natureza, assim a questão ambiental deve ser entendida como o produto da intervenção da sociedade sobre a natureza, envolvendo não apenas problemas relacionados à natureza, mas à ação social. Em face do exposto, clara está a importância da participação da população nas decisões quanto à arborização urbana, pois os cuidados com as árvores plantadas na frente de suas casas serão decorrentes da importância que esta população atribui às árvores. A falta de técnicos específicos na área aliada à falta de informações e pesquisa tem gerado o insucesso de alguns empreendimentos e receio de novas Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  10. 10. 10 investidas. A arborização não pode seguir padrões rígidos pré-estabelecidos. Deve ser proposta e implantada para que seja parte significativa da paisagem cultural, criando uma identidade e formando a imagem do local. Legislação A nível nacional, a lei 4771/65 demonstra preocupações com as áreas verdes atribuindo ao município o dever de zelar pelas mesmas de acordo com o art 2º # único: Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  11. 11. 11 “No caso de áreas urbanas, assim entendidas as compreendidas nos perímetros urbanos definidos por lei municipal, e nas regiões metropolitanas e aglomerações urbanas, em todo o território abrangido, observar-se-à o disposto nos respectivos planos diretores e leis de uso do solo respeitados os princípios e limites que se refere este artigo”. Mas foi a partir da década de 70 que surgiu a preocupação em criar uma legislação específica para proteger as áreas verdes nas cidades, quando as mesmas juntamente com seus habitantes passaram a ser consideradas parte biológica integrante dos ecossistemas urbanos. Por se tratar de uma atividade de ordem pública imprescindível ao bem estar da população, nos termos dos art.30, VII e 183 da Constituição Federal cabe ao poder público municipal em sua política de desenvolvimento urbano, entre outras atribuições, criar, preservar e proteger as áreas verdes da cidade, mediante leis específicas, bem como regularizar o sistema de arborização. Para que seja implementado um sistema municipal que dê conta de toda a demanda de serviços voltados à arborização urbana, é necessário considerar a necessidade de uma legislação municipal específica. Hely Lopes Meirelles diz que entre as atribuições urbanísticas estão as composições estéticas e paisagísticas das cidades, nas quais se inclui perfeitamente a arborização. Em termos de direito urbanístico, o art. 22 da Lei 6766/79 - Lei de parcelamento do solo - impõe a existência de praças e espaços livres para o registro de parcelamento a constituição e integração ao domínio público das vias de comunicação. Pelo art.23 da citada lei, os espaços livres, inseridas as áreas verdes, passam a integrar o domínio público do município e em muitos deles as leis de parcelamento do solo determinam que nos projetos de loteamento sejam destinados percentuais do imóvel a áreas verdes. Além disso, a legislação urbanística municipal pode e deve incentivar a população a conservar as áreas verdes em suas propriedades, assim como incentivar a criação de novas áreas, possibilitando inclusive desconto de IPTU ao proprietário que constituir ou mantiver áreas verdes no seu imóvel, como ocorrem em algumas cidades. A seguir alguns exemplos de legislação voltada à arborização urbana: Cidade Gestaão da Arborização Urbana Características da legislação existente Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  12. 12. 12 Curitiba Proteção e conservação de vegetação de porte arbóreo; concede (Paraná) estímulos á preservação e proteção de áreas florestadas ; Comissão de áreas verdes ; plano de arborização urbana; obriga o plantio de árvores em loteamentos; obrigatoriedade de plantio de Distrito arvores para a emissão de certificados de conclusão da obra... Geral normatizadora. Pode declarar imunidade de corte para Federal espécies de relevante interesse científico e cultural. Remete a Canoinhas cada região administrativa a regularização do uso do solo. Objetivos amplos de desenvolvimento sustentável; promoção da (Santa produção de mudas; realização de inventário periódico; estímulo Catarina) a estudos e pesquisas ligadas a arborização urbana; define o número mínimo de espécies a serem implantadas; prevê o corte em determinados casos; a inadequação de espécies que atrapalhem letreiros ou placas de estabelecimentos comerciais não justifica o seu corte; prevê multas; dá preferência ao uso de Ribeirão espécies nativas da região quando em praças e jardins públicos. Define o que é arvore = vegetal com DAP >5 cm à altura de Preto 1,3m; área verde é protegida para assegurar a qualidade de vida; (São Paulo) credencia terceiros para a poda, mediante treinamentos; define os casos em que a supressão pode ser autorizada; obriga a compatibilização da infra-estrutura urbana a ser implantada com São Paulo a arborização existente. Arvores com mais de 5 cm de DAP em local público ou privado é (São Paulo) considerada bem de interesse comum; Há incentivos fiscais (redução de IPTU) para grandes áreas revestidas de vegetação considerada APP; há arvores imunes ao corte, por sua localização, raridade, antiguidade, interesse histórico, paisagístico ou ainda por ser porta -semente. Importância ecológica da arborização urbana As árvores existentes ao longo das vias públicas, apesar de estarem dispostas de forma linear ou paralela, constituem muitas vezes uma “massa verde contínua” propiciando praticamente os mesmo efeitos das praças e parques do ponto de vista ambiental. Outra função importante é seu préstimo como corredor ecológico, integrando as áreas livres vegetadas da cidade, praças e parques. Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  13. 13. 13 Por se constituírem em muitos casos em redutos de espécies da fauna e flora local, as árvores e áreas verdes urbanas tornam-se espaços territoriais importantíssimos em termos conservacionistas, o que aumenta ainda mais sua importância para a coletividade. Além disso, este tipo de arborização contribui para o equilíbrio ambiental entre as áreas construídas e o ambiente natural alterado. Dentre os benefícios ambientais da arborização de vias públicas destacam-se: 1. Ação purificadora do ar ♣ Captação e / ou retenção de material particulado Os poluentes são retidos por filtragem efetiva: adsorção, absorção e deposição sendo influenciado por características morfológicas das folhas, grau de fechamento das copas o que permite maior ou menor circulação de ar, tipo e concentração de poluentes e condições meteorológicas. ♣ Remoção de gases tóxicos Adsorção de gases quando estes se encontram retidos juntamente com o material particulado. Em casos de gases nocivos para as plantas são adsorvidos apenas em doses sub letais e permanecerão inócuos no metabolismo oxidativo das plantas. ♣ Reciclagem de gases através de mecanismos fotossintéticos A absorção de CO2 pelos tecidos clorofilados em presença de luz com a assimilação o carbono é necessária para a síntese de massas orgânicas que compõem os seres vivos. Neste processo a água também é absorvida e se transforma quimicamente com desprendimento simultâneo de oxigênio. ♣ Melhoria da qualidade do ar As partes aéreas das árvores retêm até 70% da poeira em suspensão e mesmo desfolhadas no inverno mantém até 60% de sua eficiência, o que contribui para redução de particulados prejudiciais à respiração. 2. Gestaão da Arborização Urbana Redução de níveis de ruído Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  14. 14. 14 Através da função de superfície absorvem, refratam, e refletem as ondas sonoras. A eficiência desta redução depende de alguns aspectos como: nível de ruído, topografia, característica da espécie, forma e arranjo das plantas, superfície foliar, freqüência do som, posição da vegetação em relação à fonte emissora, estação do ano. Densas barreiras vegetais conseguem uma redução apreciável nos níveis sonoros. 3. Equilíbrio ambiental O efeito barreira bloqueia, desvia e direciona o fluxo de ar e por conseqüência a velocidade do vento, podendo abrandar a sua intensidade. O vento moderado sob a vegetação reduz as diferenças de temperatura e umidade relativa do ar entre as áreas sombreadas e ensolaradas, sendo o conjuntos arbóreos responsáveis por este equilíbrio térmico. A reflexão da radiação solar depende das características físicas e morfológicas das plantas. A vegetação pode interceptar tanto a radiação direta como a difusa, sendo que 10 a 25% da radiação interceptada é refletida de volta, o restante ou é absorvido pelo vegetal para transpiração e fotossíntese ou se transforma em calor. A conformação da planta, volume, cor e espessura das folhas são responsáveis pela radiação transmitida, enquanto a absorção da radiação solar é devida à pigmentação das folhas. Nos estados do sul do Brasil as espécies decíduas são as mais indicadas, pois sombreiam no verão e deixam passar o calor do sol no inverno. A substituição de áreas verdes por edificações ou pavimentos aumenta a taxa de impermeabilização do solo reduzindo a quantidade de água absorvida pelo mesmo. Para propiciar o resfriamento evaporativo e aumentar os níveis de umidade do ar são instaladas fontes de água, ou densas massas de áreas vegetadas. A vegetação proporciona índices mais altos de umidade relativa do ar devido ao processo de evapotranspiração que ocorre mais intensamente no verão quando as árvores encontram-se com folhagem. Desta forma com a umidade presente no solo as árvores funcionam como verdadeiras bombas hidráulicas. Uma árvore isolada pode transpirar em média, 400 litros de água por dia, produzindo um efeito equivalente a cinco condicionadores de ar com capacidade de 2.500 kcal cada, funcionando 20 horas por dia. Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  15. 15. 15 4. Proteção da avifauna A vegetação arbórea ao longo da malha urbana contribui para o equilíbrio biológico. Quando utilizadas, as espécies frutíferas nativas conferem abrigo e alimentação e propiciam condições de sobrevivência da avifauna. 5. Contribuição para o conforto lumnico A árvore intercepta a luz refletida pelos prédios, pavimentos e a luz direta interpondo -se como um elemento entre estas fontes e a pessoa, o que proporciona conforto visual e proteção. 6. Conforto ambiental A dispersão de odores promovida pelo movimento das folhas assim como a disponibilidade de sombreamento, além da cor verde que equilibra as emoções e sugere repouso, proporcionam bem estar físico. Ao caminhar sob as árvores, o desejo do “contato com o verde” diz respeito à satisfação psicológica do ser humano, traduzindo - se no elo entre o homem urbano e a natureza. Problemas com a arborização urbana e soluções técnicas 1. Definição das espécies As espécies florestais geralmente são definidas de forma centralizada, apenas pelo executor, para efeitos a curto prazo. O planejamento da arborização urbana a Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  16. 16. 16 curto, médio e longo prazos contribuirá para a escolha de espécies mais adequadas às diversas finalidades almejadas pelo gestor e pela população. 2. Escolha da muda Muitas falhas são cometidas durante a escolha das mudas que serão implantadas em locais incompatíveis com suas características. Esta situação poderá acarretar a depredação e a morte da muda comprometendo a efetiva implantação da arborização urbana. Para que isto seja minimizado devem ser considerados os aspectos da região urbana e aqueles próprios da rua, sendo que as melhores mudas serão aquelas que apresentarem caule único sem ramificações laterais onde devem inserir-se, no ápice, de 3 a 5 ramos ou esporões. 3. Rustificação da muda Entende-se por rustificação o processo de adaptação da muda às condições semelhantes aquelas que serão encontradas no local de plantio e deverá ser feita no viveiro. A implantação da muda sem a devida rustificação atrazará o desenvolvimento podendo sofrer injúrias pela baixa resistência natural contra as adversidades do clima no local definitivo. 4. Estética e fitossanidade A alta diversidade de espécies pode não ser estético e ser de condução difícil devido à especificidade de cada vegetal. O ideal é se trabalhar com a mesma espécie por via ou alternância entre as laterais e canteiro central. 5. Espaçamento de plantio Quando o espaçamento entre as mudas for incorreto acarretará problemas futuros ao desenvolvimento da copa do vegetal bem como com a visibilidade e transito de veículos e pedestres. Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  17. 17. 17 O espaçamento é determinado de acordo com a largura das vias e das calçadas. Em canteiros centrais de 3 m de largura poderão ser colocadas duas linhas de árvores em zigue -zague com espaçamento de acordo com a largura da copa. 6. Largura da via pública Problemas de desenvolvimento das árvores sempre ocorrerão em vias com menos de 16 metros de largura, com prédios sem recuo uniforme. Estas situações devem ser adornadas com plantas não arborescentes. O melhor lugar é no centro da via pública e não nas calçadas, sendo que ruas comerciais não devem ser arborizadas. Largura da rua (do leito) Espaçamento e Espécies > 8 m com passeios >3 metros, 8 a 12 metros – porte alto e médio prédios com recuo, sem fiação aérea Canteiro central Massa verde sem ultrapassar os < 8 m com passeios < 3 m Vias sem recuos e em áreas comerciais limites horizontais 5 a 8 m - porte baixo ou arvoretas Arborização contra indicada 7. Localização Incompatibilidades com a infra-estrutura urbana podem causar prejuízos aos homens e às plantas. Deve ser deixado o recuo mínimo de 5,00 metros dos postes e esquinas. Para encanamentos e redes tubulares além de garagens e portões residenciais o afastamento deve ser de 1 a 2 m. Independente da largura da via o recuo mínimo da cova até a face externa da guia deve ser de no mínimo 0,5 m. 8. Época de plantio O início das chuvas é a época ideal para o plantio o que varia de região para região. A falta de irrigação nos primeiros dias após o plantio poderá afetar o desenvolvimento do vegetal e a este fator deve se aliar a altura das mudas aptas para o plantio que não deverá ser menor que 1,8m de altura. A muda deve ter sua Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  18. 18. 18 quantidade de folhas reduzida à metade de sua quantidade original, para evitar perda de água por transpiração. 9. Condições do solo A arborização geralmente é feita após o termino das obras civis. O solo nestes locais geralmente apresenta aterro com entulhos, além da compactação ocorrida durante as obras, o que dificulta o desenvolvimento das raízes devido à menor infiltração de água e menor circulação de água e ar pela perda da porosidade. Há necessidade da troca ou melhoria do solo destes locais por uma mistura de terra e matéria orgânica (20%). 10. Tamanho das covas Um erro geralmente observado é o dimensionamento da cova em função do material empregado para revestimento. Peças cerâmicas ou pétreas de 20 ou 30 cm condicionam covas de iguais dimensões, dificultando o desenvolvimento da planta e futuramente podendo danificar o piso. A cova deve possibilitar a colocação do torrão, a adição do substrato e o pleno desenvolvimento do sistema radicular. As covas devem ser 60 cm mais largas e 15 cm mais profundas que o torrão, o colo da muda deve permanecer ao nível do solo, formando-se bordas mais elevadas, que servirão como bacia de captação de água. Fig. 1. 30 cm 30 cm 15 cm Fig. 1 – Cova de plantio 11. Área livre É o espaço livre de pavimento que permite a infiltração da água e de nutrientes. Covas mal dimensionadas podem ser observadas trincas do piso e a aparência pouco saudável da planta. O espaço livre deve ter a área de 1 a 4m2. Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  19. 19. 19 12. Tutoramento Os tutores são ripas de madeira ou outros materiais responsáveis por manter a planta ereta e com boa fixação quando sujeitas a ventos e danos mecânicos. Quando tutoradas as plantas apresentam maior crescimento em altura e maior resistência aos ventos. O uso incorreto do tutor pode acarretar menor crescimento do sistema radicular, desenvolvimento do xilema irregular ao redor do tronco, estrangulamento do tronco por amarrilho, exemplares tortuosos, retirada de tutores por vandalismos, tutores curtos. O amarrilho deve ser de tiras de borracha ou sisal e colocado em forma de oito deitado. O uso de grades protetoras ou arame farpado podem causar acidentes aos pedestres e aprisionar a árvore, afetando seu desenvolvimento. 13. Poluentes do ar Os poluentes do ar alteram processos físicos e químicos das plantas. E sua intensidade varia de acordo com os teores e combinações dos poluentes bem como com a idade e grau de suscetibilidade da espécie. Pode ocorrer redução de trocas gasosas devida à camada de pó, interferência nos mecanismos de abertura e fechamento dos estômatos, diminuição da vitalidade, suscetibilidade a pragas e doenças decorrentes. 14. Composição arbórea Como na maioria dos casos a arborização urbana não faz parte das prioridades municipais, a população toma para si a tarefa de acordo com seu interesse e gosto com mudas disponíveis no mercado e realiza o plantio e condução de acordo com seus próprios preceitos. Este ato gera resultados imprevisíveis, o visual de tais locais geralmente apresenta excesso de espécies, portes diversificados, manejos diferenciados, espaçamentos irregulares e reduzidos. Alguns outros “efeitos paisagísticos” podem representar problemas como a pintura de troncos (pode acarretar danos fitossanitários sendo de estética duvidosa) pintura de pedras recobrindo a área útil, forração inadequada (espinhos) e placas comerciais. 15. Gestaão da Arborização Urbana Poda Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  20. 20. 20 É uma prática antiga, metódica e utilizada para se obter a regularização na obtenção de frutos. Na arborização urbana o objetivo é a manutenção da copa do vegetal na sua forma mais natural e íntegra possível. O correto é o estudo prévio das características da árvore e da via onde será implantada, pois a poda é decorrente da seleção indevida das espécies. Na remoção da ramagem com a poda, as árvores oferecem duas respostas distintas: avigoramento ou atrofiamento, de acordo com a espécie, idade, época da aplicação e o rigor da poda. Podar ou substituir? Quando foram plantadas árvores de crescimento exagerado devido ao desconhecimento do espécime o mais correto é a substituição do que a insistência em podas sucessivas que não resolverão o problema e acabarão por descaracterizar o vegetal, ficando tocos brotados sem qualquer estética urbana. As espécies que apresentam copa colunar, cônica ou piramidal devem ser evitadas sob redes elétricas, pois a poda de contenção descaracteriza o vegetal, o mesmo vale para as palmeiras que não aceitam podas de contenção. As árvores monopodiais, com predominância de um eixo central sobre os ramos laterais, jamais recuperam sua forma após a poda. O ramo líder determina o crescimento do vegetal em altura, em seu ápice ocorrem gemas terminais com vida indefinida, que originam ramos verticais, ou vida definida, originam ramos laterais. Toda vez que se eliminam estes ramos está sendo provocada uma desaceleração do crescimento do vegetal. Idade da poda – As árvores jovens e adultas devem receber poda de condução para não interferirem no trânsito de pedestres e de veículos, os ramos abaixo de 1,8 m devem ser eliminados. A limpeza interna, entre os ramos, bem como as suas limitações é o principal objetivo da poda. Ramos lascados, doentes e secos e aqueles que promovam o desequilíbrio devem ser podados. É errado dizer que sempre as árvores devem ser podadas assim como dizer que nunca devem ser podadas. A poda de condução (regular) da árvore é realizada para elevação do fuste e cerceamento do crescimento excessivo dos ramos que possam desequilibrar o espécime. Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  21. 21. 21 O que interessa é a folhagem, o porte geral, a sanidade e a uniformidade do conjunto que formam a fila de árvores. Podas na fase de decrepitude da árvore podem contribuir para antecipar sua morte. Época de poda – As folhas e ramos verdes são os responsáveis pela fotossíntese. Se totalmente retirados o vegetal perecerá, o que não acontece se a retirada for feita na ocasião oportuna quando o fotoperíodo é curto, a temperatura ambiente é baixa e há pequena disponibilidade de água no solo, fase de pequena atividade metabólica do vegetal. Não se pode simplesmente considerar o período de queda das folhas como o mais adequado. Característica da árvore ( deciduidade) Folhas caducas Época de poda Durante a queda das folhas na fase de repouso vegetativo real que geralmente ocorre no outono ou inverno, antes da nova brotação. Semicaducas e/ou persistentes Pós-floração (ex.: ipês, eritrinas, pata de vaca) ou depois da frutificação. Em São Paulo e Goiás geralmente as podas ocorrem de maio a agosto. Nos Estados do Sul ao se aproximar o inverno as árvores são literalmente decapitadas, a tradição diz: meses sem “r”, árvores sem copa.Um problema cultural sério pois como vimos anteriormente nem todas as espécies toleram podas. Volume a ser cortado - Tem -se como regra básica que é saudável a retirada de até 1/3 do volume das copas, visando melhor delineá-la, arejando seu interior e revitalizando seus ramos. Esta redução não deve ser a mesma em anos seguidos. Não se deve esquecer que em condições normais o vegetal buscará compensar-se em sua base quando houver eliminação de ramos havendo, portanto, maior desenvolvimento das raízes nessa ocasião. Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  22. 22. 22 Tipos de poda – os diversos tipos de poda deverão ser utilizados de acordo com a situação da muda ou da árvore adulta bem como de acordo com o contexto local.  Poda de formação da muda – confere à muda, ainda no viveiro, uma estrutura forte, equilibrada, com ramos bem espaçados e simetricamente distribuídos. Haste única com fuste até altura de 1,8 m. Desbrotas laterais periódicas para evitar o entouceiramento e atrazo do desenvolvimento, a partir daí elimina-se o ramo apical induzindo-se as ramificações primarias laterais que formarão a copa. Quando estas ramificações tiverem 1 a 2cm retira-se de cada uma o próprio ápice induzindo-se as brotações de ramos secundários, terciários até obter-se uma copa bem formada. As mudas defeituosas e já plantadas podem ter poda corretiva, recondução pela elevação das bases das copas com o direcionamento desejável.  Poda de limpeza – aplicada para promover a aeração interna do vegetal e remoção de ramos secos, doentes ou apenas para o raleamento da copa, podendo ser feita em qualquer época do ano.  Podas drásticas ou severas – podas em furo ou em V e de rebaixamento. Promovem a eliminação dos ramos que interferem com a rede elétrica ou iluminação, deve ser usada apenas em situações de emergência e não habitualmente. A poda de rebaixamento da copa é extremamente danosa e deve ser evitada. Posições de corte Iniciar pelos ramos menores. Na copa os cortes devem ser iniciados de fora para dentro e de cima para baixo, sempre cortando pequenas quantidades de ramos. Fig 2. Sentido da poda Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  23. 23. 23 Fig 2 . Poda Os ramos finos, até 1 polegada de diâmetro, são cortados em bisel de baixo para cima e os maiores devem ser cortados sempre com cortes ascendentes precedendo cortes descendentes. Para ajudar a cicatrização são utilizados elastômeros, produtos que impermeabilizam o corte e tem função cicatrizante, pode ser usado tinta látex da cor do caule. Os instrumentos mais utilizados para o corte são: tesouras, podão, serras anuais e motos-serras de acordo com o diâmetro dos ramos a serem cortados. Além destes, os equipamentos de segurança do trabalho devem ser adequados para cada um dos casos. Características das árvores destinadas à arborização urbana Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  24. 24. 24 Vários estudos têm sido realizados com a finalidade de identificar a “árvore ideal” para a arborização de ruas. Dificilmente será encontrada uma listagem de espécies que atendam a todos os requisitos elencados. Desta forma de acordo com as características do vegetal devem-se oportunizar situações para o seu desenvolvimento, através da conjugação de fatores positivos inerentes ao vegetal e ao ambiente o que resultará em arborização de qualidade. Sabendo-se que a diversidade de situações poderá afetar os resultados, devese procurar escolher espécies que atendam as seguintes características: Origem da espécie – o uso de espécies nativas da região que estejam mais adaptadas é a melhor opção. O uso de espécies exóticas deve ser feito apenas quando se tiver certeza de sua adaptação; Combinação das espécies - As possibilidades de combinações de fatores quando da definição das espécies sugerem espécies diferentes para cada lado do passeio; espécies iguais em ambos os lados e diferentes no canteiro central; duas espécies com disposição intercalada entre quadras. O planejamento setorizado pode promover escalas cromáticas e épocas de florescimento diferenciado, tornando-se pontos de atração e contemplação. Sistema radicular pivotante – evita pressão sobre o piso o que poderia causar trincas além de injúrias ao sistema radicular; Fuste alto – permite livre trânsito. Espécies com copa globosa de fuste baixo se submetidos à poda de condução para apresentarem o fuste livre de 1,80 m terão comprometimento estético-visual e muitas vezes fisiológico; Forma da copa - A cada situação deve corresponder às espécies com a copa mais adequada, por exemplo: Situação Porte e formato mais adequado Formato tipo guarda-chuva - copas altas e ramificação horizontal. Requerem amplos espaços Formato piramidal - porte médio a grande Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  25. 25. 25 Formato colunar – a verticalidade é sua principal Ausência de fiação elétrica característica Arvores choronas com ramos pendentes e mobilidade; Arvores de formato globoso; Ausência de carros e pedestres Palmeiras apresentam porte alto e requerem grande área (canteiros centrais) livre. Arvores irregulares que podem ser conduzidas pela falta Presença de fiação elétrica de definição de sua copa Folhagem – a quantidade e a qualidade da sombra proporcionada dependerão da espécie escolhida. No sul recomendam-se espécies caducifólias que proporcionam sombreamento nos meses mais quentes e passagem do sol nos meses mais frios. Deve-se observar o tamanho e textura das folhas para que não haja entupimentos de calhas, bueiros e bocas de lobo; Ausência de espinhos e princípios alérgicos e / ou tóxicos – princípios alérgicos principalmente com relação ao pólen, na primavera, se manifestam nas pessoas de diferentes formas; Resistência a pragas e doenças – mesmo em plantas resistentes os estados nutricionais, poluentes e podas mal praticadas podem acarretar problemas fitossanitários; Velocidade de crescimento – as de crescimento médio a rápido são as mais indicadas. O uso de mudas menores de 1,80 m poderá retardar o estabelecimento da árvore; Ausência de frutos grandes e/ou comestíveis – a frutificação deverá ser atrativa à avifauna, no entanto não é recomendável que tenha frutos grandes pois podem causar acidentes aos pedestres. Considerações finais e sugestões As condicionantes ambientais aliadas às características dos vegetais tornam mais árdua a escolha da planta certa. Não se trata de proceder à indicação baseada Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  26. 26. 26 apenas na largura de calçadas ou na presença de fiação, a análise, conforme abordado no transcorrer deste texto, deve ser mais ampla e detalhada com maior número de variáveis e atores participantes do processo de tomada de decisão. A grande diversidade de espécies dos plantios voluntários pode ser pouco estética, por outro lado pode ocorrer a monotonia pela escassez de diversidade além da maior suscetibilidade a doenças. Deve-se buscar a diversidade de forma harmônica, baseada nas funções desejadas da arborização. Para tanto deve-se realizar uma avaliação conjunta ou por partes da caracterização das vias como: largura do passeio e canteiros, fiação elétrica, recuo as construções, tipologia das construções, largura da pista, características de solo, canalizações, orientação solar, atividades predominantes do local, espécies existentes função desejada, desejos da população afeta. Da mesma forma devem ser avaliadas as características do vegetal que será implantado como: textura e cor do tronco, coloração das folhas, persistência das folhas, cor das flores, época de floração e frutos ornamentais. As campanhas de distribuição de mudas podem contribuir para a divulgação (popularização, ecologização) e plantio de árvores, no entanto poucas são as campanhas acompanhadas de orientações técnicas sobre a muda, com detalhes dos melhores locais e como plantá-la além das técnicas para a sua melhor manutenção, o que pode resultar em surpresas futuras. Estas campanhas deveriam sugerir ou distribuir espécies de interiores a serem apreciadas e mantidas em ambiente doméstico. A presença de árvores nas vias públicas não qualifica as arborizações. A má condução demonstra negligência, no entanto, depois de implantado a substituição pode causar diversas reações na população quando esta não participa da decisão tais como: a insatisfação motivada pelo conhecimento da área, satisfação por julgar necessário o corte ou até mesmo a indiferença, justificando-se programas de monitoramento evitando soluções radicais. As operações de poda como já abordadas extensivamente neste trabalho quando praticadas pela população são decorrentes da cultura e de difícil solução. Somente com a estruturação de serviços de qualidade públicos ou privados para este Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  27. 27. 27 fim é que as pessoas entregarão “a sua árvore” para serem conduzidas. Posturas gestoras que evitarão a continuidade das agressões praticadas nas arborizações. A adequação do espécime em porte e forma compatíveis com o espaço assim como a sua boa condução de tal foram que não apresentem problemas físicos ou sanitários, são aspectos que qualificam a arborização. Além disso a parceria estabelecida com a população na decisão sobre a arborização urbana é decisiva para o seu sucesso, pois ao final a árvore estará na frente de suas residências afetando-a diretamente. Diante dos diversos aspectos apontados pode-se concluir que as árvores mais indicadas para a arborização urbanas são aquelas que não causarão futuros problemas e exijam o mínimo de manutenção. Razão pela qual a fase de planejamento, o envolvimento da população e a qualidade da muda são as bases para a arborização urbana. Bibliografia Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004
  28. 28. 28 Cavagnari, A.C. Áreas verdes urbanas –uma revisão de conceitos. Universo Verde on line. 7p. 2003. Eletropaulo. Guia de planejamento e manejo da arborização urbana. São Paulo. 38p. 1995. Hoehne, F.C. Arborização urbana. Secretaria da Agricultura Indústria e Comércio. São Paulo. 150p. 1944. Lei nº 3403 de 28/12/2001. Dispõe sobre a arborização urbana do Município de Canoinhas. Lei nº 7159 de 31/08/1995. Dispõe sobre a arborização urbana do Município de Ribeirão Preto. Lei nº 3.031 de 18/07/2002. Institui a política florestal do Distrito Federal. Rueda, F.A. Áreas verdes, malla verde y sostenibilidad. IX Encontro Nacional de Arborização Urbana. http://www.sbau.com.b/arquivos/características.htm.Brasília. 8p. 2004. Santos, N.R.Z., Teixeira I.F. Arborização de vias públicas: ambiente x vegetação. 135p. 2002. Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Cartilha sobre arborização urbana. Porto Alegre. 28p. 2002. Gestaão da Arborização Urbana Eng, Agro. Ms. Cleide de Oliveira Maio/2004

×