Successfully reported this slideshow.
http://economia.estadao.com.br/noticias/economia+brasil,corrupcao-no-brasil-e-    destaque-na-imprensa-internacional,13738...
Segundo a revista, o México, enquanto isso, ainda pode ser visto como um paísque se nega a reconhecer a corrupção enraizad...
investigação de fraudes e suporte a litígios (FIDS) da Consultoria Ernst & Young Terco.No Brasil, mais de 110 propostas se...
Abastecimento de Água e Esgoto de Campinas (Sanasa). O escândalo terminoucom a cassação do prefeito, 11 presos, entre eles...
vendidos ou cedidos a terceiros por meio da SPU. Em São Paulo, aresponsabilidade sobre o destino dos terrenos era de Evang...
20. Chile (7,4)(...)22. França, Espanha (7,1)28. Uruguai (6,2)41. Costa Rica (4,9)51. El Salvador, República Tcheca, Trini...
do ex-diretor da ANA. Ligada ao Ministério dos Transportes, feudo do PR, ainventariança da RFFSA tem como obrigação levant...
vendidos ou cedidos a terceiros por meio da SPU. Em São Paulo, aresponsabilidade sobre o destino dos terrenos era de Evang...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Anexo 7

276 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Anexo 7

  1. 1. http://economia.estadao.com.br/noticias/economia+brasil,corrupcao-no-brasil-e- destaque-na-imprensa-internacional,137387,0.htm Corrupção no Brasil é destaque na imprensa internacional Jornal The Independent e revista Time citam a Operação Porto Seguro e o julgamento do Mensalão 07 de dezembro de 2012 | 16h 42• Notícia Clarissa Mangueira, da Agência Estado SÃO PAULO - A economia do Brasil está sendo prejudicada pela corrupção e por problemas de infraestrutura, afirma o jornal The Independent, em artigo publicado nesta quinta-feira. A corrupção também é tema de uma reportagem da revista Time, que compara Brasil e México, afirmando que, apesar do último ser um lugar mais fácil para se fazer negócios, o primeiro é mais transparente. Segundo o The Independent, a infraestrutura pobre, preocupações sobre intervenção do governo na economia e dados fracos do Produto Interno Bruto (PIB) são alguns dos ventos contrários que ameaçam o maior país da América Latina. O jornal destaca também que, com a proximidade da Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, o Brasil tem um trabalho difícil a fazer se quiser atingir seu potencial total. Um outro problema citado pelo The Independent foi a corrupção. A publicação destacou a Operação Porto Seguro da Polícia Federal que prendeu seis pessoas e indiciou 19 acusadas de atuarem em várias agências reguladoras intermediando interesses de empresas privadas mediante pagamento de propina. A revista Time, por sua vez, afirma que, embora o Brasil tenha ficado em 9º lugar entre os mais corruptos dos 26 países da América Latina e do Caribe no ranking anual de percepção de corrupção da Transparência Internacional, e o México tenha ficado em 16º, o País ainda tem um longo caminho a percorrer. Uma evidência disso, diz a revista, é o escândalo do mensalão, que envolveu milhões de dólares em propinas para membros do Congresso e que resultou no maior julgamento de corrupção na história do Brasil. A organização não-governamental Transparência Internacional divulgou na quarta-feira o ranking anual de percepção de corrupção, no qual o Brasil subiu quatro posições, para 69º lugar, de 73º no ano passado. A nota do país melhorou para 43 este ano, de 38 em 2011, onde zero significa "altamente corrupto" e 100 pontos mostra um país "muito limpo". Foram analisados 176 países. A Time ressalta que, apesar de os negócios e a burocracia serem considerados mais fáceis no México, segundo o Banco Mundial, no Brasil esses fatores são mais transparentes. Segundo a publicação, o fato de 38 acusados no caso do mensalão terem sido julgados e a maioria deles, incluindo José Dirceu, braço direito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ter sido condenada, "ajudou a campanha anticorrupção da atual presidente Dilma Rousseff".
  2. 2. Segundo a revista, o México, enquanto isso, ainda pode ser visto como um paísque se nega a reconhecer a corrupção enraizada, que segundo o Banco Mundial,custa 9% de seu PIB de trilhões de dólares a cada ano.http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2011/07/18/internas_economia,261620/brasil-abriga-ate-43-da-corrupcao-do-mundo.shtmlBrasil abriga até 43% da corrupção do mundoVera BatistaPublicação: 18/07/2011 08:00 Atualização:Nos últimos anos, a economia brasileira avançou e virou referência para as nações ricasem crise, mas a chaga da corrupção ainda insiste em fazer sangrar parcela importante detudo o que é pago pelo contribuinte. Dados da organização Transparência Internacionale projeções da Federação das Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp) revelam que, nocenário mais otimista, o Brasil responde por 26% de todo o dinheiro movimentado pelacorrupção no mundo. Na pior hipótese, esse índice alcança 43%. Enquanto as perdasmédias globais anuais com o problema giraram perto dos R$ 160 bilhões nos últimosseis anos, o prejuízo nacional pode ter chegado a R$ 70 bilhões por ano — ou 2,3% doProduto Interno Bruto (PIB).No dia a dia, não faltam episódios para engrossar as estatísticas que destroem a imagembrasileira mundo afora. O mais recente e, sem dúvida, o mais vultoso, envolve oMinistério dos Transportes. O escândalo que derrubou o ministro Alfredo Nascimento evários assessores trouxe à tona, mais uma vez, prática antiga no mundo da corrupção: osuperfaturamento. As suspeitas são de que, entre março de 2010 e junho de 2011, houvedesvios de R$ 4,5 bilhões por meio de suspeitos aditivos em contratos referentes a 46obras de ferrovias.Mesmo se essa irregularidade for confirmada, a quantia só entrará nas projeções daFiesp mais à frente. Por ora, a entidade conhece os números até 2008, ano em que asangria chegou a R$ 41,5 bilhões, ou 1,38% do PIB. No mundo, entre 1990 e 2005,foram desviados em torno de US$ 300 bilhões (R$ 472,5 bilhões a valores da últimasexta-feira), quantia que pode ter dobrado nos últimos seis anos, para US$ 600 bilhões(ou R$ 945 bilhões), conforme o Relatório Global da Corrupção, da TransparênciaInternacional.Setor privadoDenúncias de superfaturamento em obras, como as de rodovias e ferroviárias, ouqualquer outro esquema de desvio de verbas, não passariam impunes se houvesse maiorcontrole prévio dos acordos entre agentes públicos e companhias privadas no Brasil —que ocupa a 75ª colocação no ranking da corrupção elaborado pela TransparênciaNacional. No mundo, há exemplos bem-sucedidos. Recém-aprovada, a legislação daInglaterra chega a ser mais dura do que a dos Estados Unidos, onde a multa chega a20% do benefício conseguido pelos corruptos. “O pagamento, na Inglaterra, é ilimitadoe a indenização pode ser milionária”, afirma José Francisco Compagno, sócio da área de
  3. 3. investigação de fraudes e suporte a litígios (FIDS) da Consultoria Ernst & Young Terco.No Brasil, mais de 110 propostas se arrastam no Congresso Nacional para punir commais rigor os casos de corrupção. Mas a aprovação esbarra na atuação dos própriosparlamentares. “Se tentamos aprovar uma lei mais dura, os próprios deputados jogam osprojetos na gaveta. Eles se elegem com o dinheiro que vem da corrupção e isso cria umciclo vicioso”, critica David Fleischer, professor de ciências políticas da Universidadede Brasília (UnB). “Os casos são descobertos, mas ninguém vai para a cadeia. Não hápunição”, acrescenta.Um dos projetos de lei em andamento que mais se aproxima da legislação aprovada noReino Unido é o de nº 6.826/2010, que responsabiliza pessoas jurídicas pela prática decorrupção contra a administração pública nacional e estrangeira. A iniciativa é doExecutivo, mas segue emperrada pela burocracia. Foi apresentada em fevereiro do anopassado, passou por várias comissões e aguarda encaminhamento da Câmara, apesar dea presidente Dilma Rousseff ter dado carta branca, em maio, para a constituição de umacomissão especial destinada a analisar o assunto. Só falta os partidos indicaremrepresentantes — um movimento no qual eles não parecem engajados.http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,procuradoria-rastreia-dinheiro-desviado-no-caso-sanasa,973076,0.htmProcuradoria rastreia dinheirodesviado no caso Sanasa13 de dezembro de 2012 | 9h 21 • NotíciaRICARDO BRANDT - Agência EstadoO Grupo Especial de Atuação de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), doMinistério Público Estadual, começou a rastrear o dinheiro desviado dos cofrespúblicos no Caso Sanasa - escândalo de corrupção da Prefeitura de Campinas.Os promotores apuram se parte do dinheiro foi usada na compra de imóveis ede um shopping center em Miami, nos Estados Unidos, pela família do prefeitocassado Hélio de Oliveira Santos (PDT), o Dr. Hélio. O Ministério Público apurase houve desvios em contratos que somam mais de R$ 600 milhões.A mulher de Dr. Hélio, a ex-primeira-dama Rosely Santos, é a principal acusadano processo que julga a suposta quadrilha formada no governo Hélio parafraudar contratos e cobrar propina de empresários na Sociedade de
  4. 4. Abastecimento de Água e Esgoto de Campinas (Sanasa). O escândalo terminoucom a cassação do prefeito, 11 presos, entre eles a ex-primeira-dama e o vice-prefeito Demétrio Villagra (PT), e 22 denunciados por formação de quadrilha ecorrupção.O delator do esquema, o ex-presidente da Sanasa Luiz Castrilon de Aquino,afirmou em depoimento à Justiça no mês passado que todos os contratosapurados eram alvo de cobrança de porcentuais que variavam de 5% a 12%.Além dos imóveis e do shopping, são foco da investigação uma transportadoraque esteve registrada em nome da ex-primeira-dama - a Solução Transporte eLogística, que tinha como sede um escritório político do prefeito - e imóveisrurais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulohttp://www.estadao.com.br/noticias/impresso,ex-superintendente-atuou-com-valdemar-para-doar-terrenos-,971113,0.htmEx-superintendente atuou comValdemar para doar terrenos09 de dezembro de 2012 | 2h 02 • NotíciaJULIA DUAILIBI - O Estado de S.PauloA ex-superintendente da Secretaria de Patrimônio da União (SPU) em SãoPaulo Evangelina de Almeida Pinho, indiciada na Operação Porto Seguro daPolícia Federal, atuou com o deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) paraliberar imóveis da antiga Rede Ferroviária Federal (RFFSA) a prefeitos dointerior paulista. Ela também assinou um termo que devolvia à cidade de Mogidas Cruzes, base eleitoral de Valdemar, terreno de 10 mil metros quadrados queestava com a União.Em uma das cerimônias para oficializar o repasse dos terrenos, Evangelina eValdemar foram acompanhados do ex-diretor da ANA (Agência Nacional deÁguas) Paulo Rodrigues Viera, apontado pela Polícia Federal como chefe daquadrilha que encomendava pareceres públicos, investigada pela PolíciaFederal. Vieira tinha pretensões políticas e queria se candidatar a deputado coma ajuda de Valdemar, segundo relatório da PF.Extinta em 2007, a rede ferroviária federal teve bens imóveis não operacionais,como terrenos e galpões, repassados para a União. Os ativos começaram a ser
  5. 5. vendidos ou cedidos a terceiros por meio da SPU. Em São Paulo, aresponsabilidade sobre o destino dos terrenos era de Evangelina, militantepetista, que, na esteira do escândalo, foi exonerada do cargo de assessora doMinistério do Planejamento em Brasília, onde atuava desde o começo de 2012,quando deixou o escritório paulista da SPU.Os imóveis da antiga rede ferroviária, cerca de 50 mil em todo País, são alvo deempresários, que almejam fazer negócios com os terrenos, e de prefeitos, quequerem municipalizar áreas remanescentes da antiga Fepasa e incorporadas àRFFSA. Entre 2009 e hoje, 65 cidades paulistas receberam 117 imóveis da antigarede que pertenciam à União. O Estado apurou que prefeitos procuraramValdemar para pedir ajuda a fim de conseguir assinar o termo de cessão dosimóveis com a SPU, que, por meio de Evangelina, tocava o Programa deDestinação do Patrimônio da Antiga RFFSA no Estado.Base. Em 2011, o Estado revelou que Valdemar atuou em órgãos públicos paraconseguir a liberação dos terrenos a prefeitos. Em 2010, ele esteve com Vieira eEvangelina em uma cerimônia em Barretos, no interior paulista, para assinarum termo de guarda provisória, no qual o município receberia uma área ondehavia funcionado um pátio de manobras e uma garagem de carros da antigaFepasa.Procurada, a Prefeitura de Barretos disse não ter convidado Valdemar nemPaulo Vieira para a cerimônia. Apenas Evangelina, como representante da SPU.Em setembro de 2009, Evangelina autorizou o repasse para Mogi das Cruzes,base eleitoral de Valdemar, de um terreno de mais de 10 mil metros quadrados.O imóvel pertencia ao município, mas havia sido adquirido pelo governo federalem 1959. Valdemar atuou nos bastidores para conseguir o termo de "reversão dedoação", já que o local havia pertencido à prefeitura.Quando conseguiu o aval da SPU, assinou o termo como testemunha, ao lado deEvangelina. "Agradeço à Evangelina, que não mediu esforços para dar agilidadea um processo de tamanha importância, e também ao deputado Valdemar CostaNeto, que nos últimos seis meses fez um trabalho sigiloso e árduo em tornodisso", declarou o prefeito da cidade, Marco Bertaiolli (PSD), na época.Laços. Valdemar e Vieira eram próximos. A polícia identificou pelo menos 1.169ligações feitas de um restaurante japonês de Vieira para o PR, partido dodeputado condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no escândalo domensalão. E-mails interceptados pela PF indicam ainda que Paulo Vieiratentava articular a compra de terrenos da antiga RFFSA em Santos, que ficavamsob a responsabilidade de Evangelina. Ele trocou mensagens sobre o assuntocom o ex-senador Gilberto Miranda, em 2009, e com o advogado MarcoAntonio Martorelli, em 2010.Ainda em 2009, Vieira conseguiu indicar o inventariante da rede ferroviária,José Francisco da Silva Cruz, com a ajuda de Rosemary Noronha, então chefe degabinete da Presidência da República em São Paulo, responsável pela nomeação
  6. 6. 20. Chile (7,4)(...)22. França, Espanha (7,1)28. Uruguai (6,2)41. Costa Rica (4,9)51. El Salvador, República Tcheca, Trinidad e Tobago (4,2)59. Brasil (3,9)60. Belize, Colômbia (3,8)62. Cuba, Panamá (3,7)67. Peru, Croácia, Polônia, Sri Lanka (3,5)87. República Dominicana, Irã, Romênia (2,9)97. Argélia, Líbano, Macedônia, Nicarágua, Sérvia e Montenegro (2,7)108. Argentina, Líbia e Autoridade Palestina (2,5)112. Equador (2,4)114. Honduras, Venezuela (2,3)122. Bolívia, Guatemala, Sudão (2,2)129. Iraque, Camarões, Quênia, Paquistão (2,1)140. Paraguai, Azerbaijão (1,9)144. Nigéria (1,6)145. Haiti, Bangladesh (1,5)--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------http://opiniaoenoticia.com.br/brasil/politica/corrupcao-no-brasil-repercute-na-economist/PolíticaCorrupção no Brasil repercute na‘Economist’Para revista, caso do envolvimento do senadorDemóstenes Torres com o bicheiro CarlinhosCachoeira deve espalhar mais sujeira do que onormal3 de maio, 2012
  7. 7. do ex-diretor da ANA. Ligada ao Ministério dos Transportes, feudo do PR, ainventariança da RFFSA tem como obrigação levantar e identificar bens,direitos e obrigações da extinta rede e repassar eventuais recursos ao Tesouro.Cruz também perdeu o cargo logo que a Operação Porto Seguro foi deflagrada,assim como Evangelina, Vieira e Rosemary. Oficialmente, Valdemar não éinvestigado pela PF, já que, por ser deputado, tem foro privilegiado. /COLABOROU BRUNO BOGHOSSIA----------------------------------------------------------------------------------------------http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI406145-EI306,00-Veja+o+ranking+de+corrupcao+no+mundo.htmlVeja o ranking de corrupção no mundo20 de outubro de 2004 • 08h45 • atualizado às 08h45O Brasil é o 59º país colocado no ranking de corrupção, com uma classificação de 3,9 pontos,segundo o relatório anual da entidade Transparência Internacional sobre corrupção entrenações. O levantamento foi e baseado na percepção de empresários, universitários e analistas.No relatório, a nota 10 corresponde ao menor grau de corrupção.Entre os sul-americanos, o Chile é o mais bem colocado, aparecendo em 20º lugar com 7,4pontos. A nação com menor porcentagem de corrupção é a Finlândia, com 9,7 pontos. Haiti eBangladesh são os últimos colocados:145º, com 1,5 ponto. Veja a lista abaixo: 1. Finlândia (9,7) 2. Nova Zelândia (9,6) 3. Dinamarca, Islândia (9,5) 5. Cingapura (9,3) 6. Suécia (9,2) 7. Suíça (9,1) 8. Noruega (8,9) 9. Austrália (8,8) 10. Holanda (8,7) 11. Reino Unido (8,6) 12. Canadá (8,5) 13. Áustria, Luxemburgo (8,4) 15. Alemanha (8,2)16. Hong Kong (8,2)17. Bélgica, Irlanda, Estados Unidos (7,5)
  8. 8. vendidos ou cedidos a terceiros por meio da SPU. Em São Paulo, aresponsabilidade sobre o destino dos terrenos era de Evangelina, militantepetista, que, na esteira do escândalo, foi exonerada do cargo de assessora doMinistério do Planejamento em Brasília, onde atuava desde o começo de 2012,quando deixou o escritório paulista da SPU.Os imóveis da antiga rede ferroviária, cerca de 50 mil em todo País, são alvo deempresários, que almejam fazer negócios com os terrenos, e de prefeitos, quequerem municipalizar áreas remanescentes da antiga Fepasa e incorporadas àRFFSA. Entre 2009 e hoje, 65 cidades paulistas receberam 117 imóveis da antigarede que pertenciam à União. O Estado apurou que prefeitos procuraramValdemar para pedir ajuda a fim de conseguir assinar o termo de cessão dosimóveis com a SPU, que, por meio de Evangelina, tocava o Programa deDestinação do Patrimônio da Antiga RFFSA no Estado.Base. Em 2011, o Estado revelou que Valdemar atuou em órgãos públicos paraconseguir a liberação dos terrenos a prefeitos. Em 2010, ele esteve com Vieira eEvangelina em uma cerimônia em Barretos, no interior paulista, para assinarum termo de guarda provisória, no qual o município receberia uma área ondehavia funcionado um pátio de manobras e uma garagem de carros da antigaFepasa.Procurada, a Prefeitura de Barretos disse não ter convidado Valdemar nemPaulo Vieira para a cerimônia. Apenas Evangelina, como representante da SPU.Em setembro de 2009, Evangelina autorizou o repasse para Mogi das Cruzes,base eleitoral de Valdemar, de um terreno de mais de 10 mil metros quadrados.O imóvel pertencia ao município, mas havia sido adquirido pelo governo federalem 1959. Valdemar atuou nos bastidores para conseguir o termo de "reversão dedoação", já que o local havia pertencido à prefeitura.Quando conseguiu o aval da SPU, assinou o termo como testemunha, ao lado deEvangelina. "Agradeço à Evangelina, que não mediu esforços para dar agilidadea um processo de tamanha importância, e também ao deputado Valdemar CostaNeto, que nos últimos seis meses fez um trabalho sigiloso e árduo em tornodisso", declarou o prefeito da cidade, Marco Bertaiolli (PSD), na época.Laços. Valdemar e Vieira eram próximos. A polícia identificou pelo menos 1.169ligações feitas de um restaurante japonês de Vieira para o PR, partido dodeputado condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no escândalo domensalão. E-mails interceptados pela PF indicam ainda que Paulo Vieiratentava articular a compra de terrenos da antiga RFFSA em Santos, que ficavamsob a responsabilidade de Evangelina. Ele trocou mensagens sobre o assuntocom o ex-senador Gilberto Miranda, em 2009, e com o advogado MarcoAntonio Martorelli, em 2010.Ainda em 2009, Vieira conseguiu indicar o inventariante da rede ferroviária,José Francisco da Silva Cruz, com a ajuda de Rosemary Noronha, então chefe degabinete da Presidência da República em São Paulo, responsável pela nomeação

×