Pacheco/2M5/ G1

2.569 visualizações

Publicada em

Ta ae professor, agora so da os 5 pontos!!!

1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.569
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
63
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pacheco/2M5/ G1

  1. 1. O Ciclo do Açúcar
  2. 2. Temas <ul><li>* Explicar a importância do açúcar no mercado europeu </li></ul><ul><li>* Como era o Engenho de açúcar </li></ul><ul><li>* A escravidão no engenho </li></ul><ul><li>* Casa grande vs senzala: a vida nas fazendas de cana-de-açúcar </li></ul><ul><li>* O processo produtivo e comercial da cana e do melaço </li></ul><ul><li>* O tráfico de escravos africanos para a colônia </li></ul>
  3. 3. Importância do açúcar no Mercado Europeu Ou seja, a Holanda lucrava mais do que Portugal, pois refinava e vendia para o Mercado Europeu Brasil: Produzia Portugal: Lucrava e produzia comercialmente Holanda: Distribuição Comercial
  4. 4. Como era o Engenho de Açúcar
  5. 5. <ul><li>O Engenho de açúcar era formado pela: </li></ul><ul><li>Casa Grande, Senzala e Casa de Engenho. Na Casa de Engenho, o açúcar era produzido. Tinham quatro construções pertecentes à Casa de Engenho: </li></ul><ul><li>*Moenda: Moía a cana e extraía o caldo </li></ul><ul><li>*Fornalhas: Onde o caldo era fervido </li></ul><ul><li>*Casa de Purgar: O açúcar era branqueado </li></ul><ul><li>*Galpões: Onde o açúcar era reduzido a pó </li></ul><ul><li>Na Casa de Engenho, havia também a Capela, onde as pessoas se reuniam em dias santos, batizados, casamentos e funerais. </li></ul>
  6. 6. 1º Moenda 4º Galpões 3ª Casa de Purgar 2º Fornalha
  7. 7. Escravidão no Engenho <ul><li>Como sabemos, os escravos sofriam muito. Sofriam com: </li></ul><ul><li>*Condições de trabalho: Trabalhavam de sol a sol </li></ul><ul><li>*Senzalas: Não havia conforto nenhum aonde os escravos viviam </li></ul><ul><li>*Castigos: Mal-alimentados, malvestidos, açoite, morte, etc. </li></ul><ul><li>*Vestuário: Usavam trapos. Andavam praticamente nus e expostos ao clima </li></ul><ul><li>*Alimentação: Comiam com as mãos e tinham, geralmente, uma refeição </li></ul><ul><li>As mulheres dos escravos também sofriam. Apanhavam, trabalhavam muito e também eram violentadas sexualmente pelos Senhores de Engenho </li></ul>
  8. 8. Açoite Açoite Trabalho árduo
  9. 9. Casa Grande vs Senzala: a vida nas fazendas de cana-de-açúcar <ul><li>*Casa Grande: Casarão onde morava o Senhor do Engenho e sua família, além de capatazes que cuidavam de sua família. Era o Centro Administrativo do Engenho </li></ul><ul><li>*Senzala: Construção rústica onde viviam os escravos e seus descendentes, alojados de maneira precária e sem nenhuma higiene. </li></ul>
  10. 11. Processo Produtivo da Cana e do Melaço <ul><li>Toda a vida colonial girava em torno das relações econômicas com a Europa: buscava-se produzir o que interessava à metrópole nas maiores quantidades possíveis e pelo menor custo. Assim, o cultivo da cana-de-açúcar desenvolveu-se em grandes propriedades, chamadas latifúndios. </li></ul><ul><li>O nordeste, por possuir o solo de fácil adaptação da cana-de-açúcar, transformou-se no pólo açucareiro do Brasil. Pernambuco e a Bahia eram as maiores capitanias produtoras de açúcar. </li></ul><ul><li>Para se fazer o melaço, o processo era o mesmo da produção do açúcar. Porém, a diferença, era que o melaço ficava em fôrmas de barro expostos ao sol </li></ul>
  11. 12. Bloco de Melaço
  12. 13. Tráfico de Escravos Africanos para Colônia <ul><li>Muitos escravos vinham da África numa viagem que durava meses. Muitos deles morriam no caminho, devido ao tempo, falta de alimento e também as condições em que vinham (amontoados, por exemplo). Crianças e mulheres também sofriam maus-tratos. Muitas mulheres eram violentadas sexualmente pelos capitães e marujos. </li></ul>
  13. 14. Trajetória África-Colônia A viagem era muito longa e cansativa: de Luanda (África) até Recife durava geralmente 35 dias, até a Bahia 40 dias, até o Rio de Janeiro, cerca de 2 meses
  14. 15. Escravos amontoados

×