Aula 02 avaliação populacional

1.478 visualizações

Publicada em

Conceitos, métodos e materiais de apoio para avaliação nutricional de populações

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.478
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
193
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 02 avaliação populacional

  1. 1. Avaliação Clínica nutricional Aula 02 – Avaliação de Populações Prof. DSc. Renato M. Nunes www.ufjf.br/renato_nunes www.facebook.com/Dr.nutri.Science
  2. 2. Populações – Pg. 2 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • Existem diversos métodos para a avaliação do estado nutricional de uma população. Deve-se utilizar aqueles que melhor detectem o problema nutricional do grupo estudado e/ou aqueles para os quais os pesquisadores tenham maior treinamento técnico. • A avaliação consiste em um conjunto de ações e procedimentos que têm por objetivos diagnosticar a magnitude, a gravidade e a natureza dos problemas nutricionais; identificar e analisar os seus determinantes, com a finalidade de estabelecer as medidas de intervenção adequadas Avaliação Nutricional de Populações (KAC, SICHIERI, GIGANTE, 2007; VASCONCELOS, 2007)
  3. 3. Populações – Pg. 3 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • Conceituar Estado Nutricional da População; • Identificar variáveis, índice, indicador, método, técnica e instrumento; • Reconhecer as diferenças entre avaliação individual e coletiva. Avaliação Nutricional de Populações Objetivo (KAC, SICHIERI, GIGANTE, 2007; VASCONCELOS, 2007)
  4. 4. Populações – Pg. 4 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (VASCONCELOS, 2007) Conceitos Métodos Material de Apoio Avaliação de Coletividades • Indicadores • Definições Básicas • Identificação • Antropométricos • Clínicos • Laboratoriais • Consumo Alimentar • Demográficos • Socioeconômicos • Culturais • Tabelas • Equações • Parâmetros Figura 01 Tríade da Avaliação de Coletividades Dr. Nutri Science ®
  5. 5. Populações – Pg. 5 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • “Condição de Saúde de um indivíduo, influenciada pelo consumo e utilização de nutrientes, identificada pela correlação de informações obtidas de estudos físicos, bioquímicos, clínicos e dietéticos” Estado Nutricional (KAC, SICHIERI, GIGANTE, 2007; VASCONCELOS, 2007) Consumo Alimentar Necessidade Nutricional Estado Nutricional Dr. Nutri Science ® Figura 02 Dupla influência no Estado Nutricional
  6. 6. Populações – Pg. 6 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® Desnutrição Supernutrição Má Nutrição Figura 03 Tríade do mal Estado Nutricional
  7. 7. Populações – Pg. 7 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • Nível Individual – Determinação Imediata; Organização da produção e consumo individual e familiar • Nível Particular – Determinação Mediata; Organização da produção e consumo da classe social • Nível Geral ou Estrutural – Determinação Básica Organização da Economia, da política e da ideologia. (VASCONCELOS, 2007) Construção do Conceito de Estado Nutricional
  8. 8. Populações – Pg. 8 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • Variáveis Qualitativas Variações das propriedades Atributos do processo Escalas Nominais Ex.: Gênero (sexo); • Variáveis Quantitativas Variações de intensidade ou grandeza Escalas Numérica Ex.: idade (de 0 a 99 anos). (VASCONCELOS, 2007) Variáveis de Estado Nutricional
  9. 9. Populações – Pg. 9 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • Variáveis Associadas Independentes Causais, de controle, não controláveis, perturbadoras; Dependentes Resultado do produto ou resultado de outras. • Variáveis Adicionais Antecedentes; Explicativas; Intervenientes; Moderadoras; Componentes. (VASCONCELOS, 2007) Variáveis de Estado Nutricional
  10. 10. Populações – Pg. 10 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • Variáveis Adicionais Antecedentes Antecedem a causa no tempo Explicativas Antecedem e se controladas anulam o efeito Intervenientes Afetadas pela independente e afetam a dependente Moderadoras Especificam a associação entre a causal e a dependente Componentes Atuam como causa complexa (VASCONCELOS, 2007) Variáveis de Estado Nutricional
  11. 11. Populações – Pg. 11 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® Variáveis do Estado Nutricional (VASCONCELOS, 2007) Associadas Adicionais Estado Nutricional Dependentes Independentes Causais De Controle Não Controláveis Perturbadoras Explicativas Antecedentes Componentes Intervenientes Moderadoras Dr. Nutri Science ® Figura 04 Variáveis do Estado Nutricional
  12. 12. Populações – Pg. 12 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® Variáveis do Estado Nutricional (VASCONCELOS, 2007) Associadas Adicionais Estado Nutricional Estado Nutricional Independentes Inserção social Idade Catástrofe Bulling Herança Extrato Social Estilo de vida Consumo Socioeconômico Dr. Nutri Science ® Figura 04 Variáveis do Estado Nutricional
  13. 13. Populações – Pg. 13 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • Variáveis são categorias de Análise que mensuradas de forma correta e objetiva adquirem a denominação de Índices, Marcadores ou Indicadores; • Uma variável ou medida, usada isoladamente, tem pouca utilidade na avaliação nutricional (individual ou coletiva); • Necessidade de construção de índices que são a combinação ou associação de duas ou mais medidas, para estabelecimento de um diagnóstico nutricional • Necessário a inclusão de elementos de comparação e julgamento na forma de escalas Medir Variáveis (VASCONCELOS, 2007)
  14. 14. Populações – Pg. 14 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • Pontos Comuns ao método Clínico • Mais abrangente pelo estudo dos processos nutricionais dentro de sua dimensão social • Apresenta certas especificidades: • Parte do geral para identificar as particularidades individuais; • Explica os efeitos, consequências e causas nutricionais; • Permite intervenções adequadas nos efeitos e nas causas • Área nutricional de Abrangência; • Caráter curativo, de proteção e promoção nutricional. Método Clínico X Método Epidemiológico (VASCONCELOS, 2007)
  15. 15. Populações – Pg. 15 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • Diretos ou de Estado(período patogênico) •Estudos Laboratoriais; •Exames Clínicos; •Exames Antropométricos. • Indiretos ou Condicionantes (período pré-patogênico) •Inquérito de consumo alimentar; •Estudos demográficos; •Inquéritos socioeconômicos; •Inquéritos culturais. Indicadores ou Métodos (VASCONCELOS, 2007)
  16. 16. Populações – Pg. 16 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • O ser vivo alimenta-se para satisfazer duas necessidades básicas: • Obter substâncias que lhe são essenciais • Obter energia para a manutenção dos processos vitais. Carboidratos, lipídios e proteínas Fornecer energia para o organismo. Recomendações Nutricionais e DRIs (DRI, 2010)
  17. 17. Populações – Pg. 17 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (COSTA E OLIVEIRA, 2008) CONCEITOS  Macronutrientes São os principais componentes da dieta, são os responsáveis pelo fornecimento de calorias e manutenção do estado de nutrição dos indivíduos. Para saúde: – Manter o balanço energético e funções corporais vitais – Relação com doenças crônicas • Doença coronariana cardíaca • Hiperinsulinemia • Obesidade
  18. 18. Populações – Pg. 18 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® CONCEITOS  Micronutrientes Minerais Macrominerais (presentes em maiores concentrações no organismo). Cálcio Fósforo Magnésio Enxofre (COSTA E OLIVEIRA, 2008)
  19. 19. Populações – Pg. 19 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ®  Micronutrientes Minerais – Em estado iônico (cátions ou ânions) ou como componentes de compostos orgânicos – Papel regulador (atividade de enzimas, equilíbrio ácido-base, pressão osmótica, entre outras) – Alguns (Zn e Fe) envolvidos no processo de crescimento – Representam 4 a 5% do peso corporal adulto Eletrólitos (importantes na manutenção do equilíbrio hidroeletrolítico) Sódio Cloro Potássio (COSTA E OLIVEIRA, 2008)
  20. 20. Populações – Pg. 20 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ®  Micronutrientes Minerais Microminerais - (Presentes em menores quantidades, mas com funções específicas essenciais) Ferro Zinco Cobre Iodo Cromo Selênio Manganês Molibdênio Níquel. (COSTA E OLIVEIRA, 2008)
  21. 21. Populações – Pg. 21 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ®  Micronutrientes Minerais Elementos Ultra Traços (Presentes em diminutas quantidades e com funções metabólica ainda não elucidadas) Flúor, Cobalto, Silício, Vanádio, Estanho, Chumbo, Mercúrio, Boro, Lítio, Estrôncio, Cádmio, Arsênio. (COSTA E OLIVEIRA, 2008)
  22. 22. Populações – Pg. 22 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ®  Micronutrientes - Vitaminas – Composto orgânico – Essencial em quantidades pequenas – Suporte às funções fisiológicas (manutenção, crescimento, desenvolvimento, reprodução) – Ausência causa síndrome deficiência específica Lipossolúveis (Vitaminas insolúveis em água e solúveis em lipídios e solventes orgânicos) A (retinol) D (calciferol) E (tocoferol) K (fitomenadiona, filoquinona, menadiona e menaquinona) (COSTA E OLIVEIRA, 2008)
  23. 23. Populações – Pg. 23 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ®  Micronutrientes Vitaminas Hidrossolúveis (São as do complexo B e a C) Tiamina (B1), Riboflavina (B2), Niacina (B3), Ác. Pantotênico (B5), Piridoxina (B6), Biotina (B7), Ac. Fólico (B9), Cobalamina (B12), Ac. Ascórbico (C). (COSTA E OLIVEIRA, 2008)
  24. 24. Populações – Pg. 24 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004; DRI, 2003) DRIs – Ingestão Dietética de Referência “Dietary Reference Intakes” Conjunto de valores de referência para ingestão de nutrientes a serem utilizados no PLANEJAMENTO e na AVALIAÇÃO DE DIETAS de indivíduos e de populações SAUDÁVEIS
  25. 25. Populações – Pg. 25 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ®  1941 Food and Nutrition Board HISTÓRICO • OBJETIVO: “... Servir de meta para uma boa nutrição e, como um padrão de medida, por meio do qual se poderia medir o progresso até o alcance da meta”. RDAs (Recommended Dietary Allowance) EUA (FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004; DRI, 2003)
  26. 26. Populações – Pg. 26 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) Ainda hoje se considera que a principal importância dos padrões de referência para a ingestão de nutrientes seja AVALIAR e PLANEJAR dietas. Probabilidade da dieta estar ou não adequada Utiliza o padrão de referência de ingestão de nutrientes para traduzi-los em alimentos que forneçam os nutrientes em quantidade adequada • Reavaliados periodicamente até 2010
  27. 27. Populações – Pg. 27 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010)  1938 Recommeended Nutrient Intakes (RNIs) Canadá • Revalidados periodicamente até 2010 EUA + Canadá  DRIs
  28. 28. Populações – Pg. 28 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) RECOMENDAÇÕES ATUAIS - DRIs • Diferem das RDAs e RNIs anteriores: - inclusão de valores de nutrientes visando à redução do risco de doenças crônicas não-transmissíveis (dados de segurança e eficácia) - estabelecimento de níveis superiores de ingestão de nutrientes (dados de risco) avaliação do risco: risco medido  meio sistemático de avaliação da probabilidade de ocorrência de efeitos adversos à saúde em humanos pelo excesso de exposição a um agente do meio ambiente (neste caso, um nutriente ou componente do alimento) - mais estudos  compostos bioativos (carotenóides, flavonóides, etc)
  29. 29. Populações – Pg. 29 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) • DRIs: 4 valores de referência de ingestão de nutrientes  MAIOR abrangência que as RDAs • DRIs - planejamento de dietas - definição de rotulagem - planejamento de programas de orientação nutricional • DRI de cada nutriente  refere-se à ingestão deste por indivíduos aparentemente saudáveis, ao longo do tempo considera:
  30. 30. Populações – Pg. 30 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010)  A informação disponível sobre o balanço do nutriente no organismo;  O metabolismo nas diferentes faixas etárias;  A redução de risco de doenças, levando-se em consideração variações individuais nas necessidades de cada nutriente;  A biodisponibilidade; e  Os erros associados aos métodos de avaliação do consumo dietético
  31. 31. Populações – Pg. 31 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® • Aplicabilidade para a população brasileira: Profissional ou pesquisador Avaliação crítica na interpretação dos dados Aspectos a serem considerados: 1 - A ingestão dietética com seu erro associado; 2 - As interações possíveis nas dietas considerando os hábitos alimentares das diferentes regiões; 3 - O grau de morbidade da população; 4 - As diferenças étnicas; e 5 - Os perfis antropométricos
  32. 32. Populações – Pg. 32 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® SEMPRE que possível ASSOCIAÇÃO dos dados disponíveis de ingestão alimentar + perfil nutricional bioquímico e clínico do indivíduo NÃO utilize simplesmente os valores de recomendação, mas avalie se o valor apresentado pode ser aplicado para seu grupo de interesse ou individualmente
  33. 33. Populações – Pg. 33 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) DEFINIÇÕES DAS DRIs Necessidade média estimada (Estimated Average Requeriment - EAR) Ingestão dietética recomendada (Recommended Dietary Allowance - RDA) Ingestão adequada (Adequate Intake - AI) Limite superior tolerável de ingestão (Tolerable Upper Intake Level - UL) Necessidade Estimada de Energia (Estimated Energy Requirement - EER Espectro aceitável da distribuição de macronutrientes (Acceptable Macronutrient Distribution Ranges - AMDR)
  34. 34. Populações – Pg. 34 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) Necessidade média estimada (Estimated Average Requeriment - EAR) É um valor de ingestão diária de um nutriente que se estima que supra a necessidade de metade (50%) dos indivíduos saudáveis de um determinado grupo de mesmo gênero e estágio de vida. Consequentemente, metade da população teria, a esse nível, uma ingestão abaixo de suas necessidades. A EAR é usada na determinação da RDA e corresponde à mediana da distribuição de necessidades de um dado nutriente para um dado grupo de mesmo gênero e estágio de vida. Coincide com a média quando a distribuição é simétrica. É o nível mais baixo para manter o estado nutricional adequado
  35. 35. Populações – Pg. 35 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) EAR – Necessidade Média Estimada Média 50%50% EAR DPDP
  36. 36. Populações – Pg. 36 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) 625
  37. 37. Populações – Pg. 37 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) Ingestão dietética recomendada (Recommended Dietary Allowance - RDA) É o nível de ingestão dietética diária que é suficiente para atender as necessidades de um nutriente de praticamente todos (97 a 98%) os indivíduos saudáveis de um determinado grupo de mesmo gênero e estágio de vida. Observação: • A RDA de um nutriente é um valor a ser usado como meta de ingestão dietética para indivíduos saudáveis. Não deve ser utilizada para avaliar as dietas de indivíduos ou grupos ou para planejar dieta de grupos.
  38. 38. Populações – Pg. 38 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) • Se o desvio padrão da EAR está disponível e os reque- rimentos para o nutriente em questão apresentam distribuição normal, então: RDA = EAR + 2 desvios-padrão • Se os dados do desvio padrão não são disponíveis, o coeficiente de variação é de 10% RDA = 1,2 x EAR. Se o coeficiente de variação é de 15%, então RDA = 1,3 x EAR. • A RDA para os nutrientes é um valor para ser usado como meta para ingestão de indivíduos saudáveis. • Não deve ser usada para: avaliar a dieta de indivíduos ou grupos ou para o planejamento de dietas para grupos
  39. 39. Populações – Pg. 39 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) Média 2,28%97,72% EAR DPDP RDA
  40. 40. Populações – Pg. 40 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) 900
  41. 41. Populações – Pg. 41 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) Ingestão adequada (Adequate Intake - AI) É utilizada quando não há dados suficientes para a determinação da RDA. Pode-se dizer que é um valor prévio à RDA. Baseia-se em níveis de ingestão ajustados experimentalmente ou em aproximações da ingestão observada de nutrientes de um grupo de indivíduos aparentemente saudável.
  42. 42. Populações – Pg. 42 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004; FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; ILSE, 2009) Limite superior tolerável de ingestão (Tolerable Upper Intake Level – UL) É o valor mais alto de ingestão diária continuada de um nutriente que aparentemente não oferece nenhum efeito adverso à saúde em quase todos os indivíduos de um estágio de vida ou gênero. À medida que a ingestão aumenta para além do UL o risco potencial de efeitos adversos também aumenta. Não é um nível de ingestão recomendado UL se aplica a uso diário crônico Uso de suplementos e alimentos fortificados
  43. 43. Populações – Pg. 43 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) 3.000
  44. 44. Populações – Pg. 44 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) Ingestões Dietéticas de Referência À medida que ocorre o aprofundamento nos conhecimentos sobre as necessidades de um determinado nutriente, os comitês de nutrição podem alterar a recomendação do referido nutriente.
  45. 45. Populações – Pg. 45 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) DRIs – Dietary Reference Intakes Incluem 2 “novos” conceitos de referência:  EER AMDR
  46. 46. Populações – Pg. 46 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004; FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; COSTA E OLIVEIRA, 2008; KIM,CHO AND DRISKELL, 2008) Necessidade Estimada de Energia (Estimated Energy Requirement - EER É a média de ingestão energética dietética a qual mantém o BALANÇO ENERGÉTICO em adultos saudáveis com idade, sexo, peso, altura e nível de atividade física de acordo com um bom estado de saúde. Acceptable Macronutrient Distribution Ranges, AMDR; Estimated Average Requirement, EAR. Macronutrient recommendations. Estimated Energy Requirement, EER;
  47. 47. Populações – Pg. 47 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (COSTA E OLIVEIRA, 2008; FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004) GEB 60% TID 10% AF 30% Necessidades de energia ou GET = Gasto Energético Basal + Termogênese induzida pela dieta + Atividade Física Termogênese induzida pela dieta: gasto energia com digestão, absorção e metabolismo de nutrientes. Pico 1- 4h após refeição. Menor CH (10%) e lipídeo (5%), maior proteína (até 25%) Atividade Física: Depende da duração e intensidade da atividade. Em geral um indivíduo sedentário requer 30% a mais que o GEB para a atividade física enquanto atletas requerem cerca de 100% ou mais. Gasto Energético Basal = GEB, Quantidade de energia utilizada em 24h por pessoa em repouso, ao acordar, 12h após última refeição temperatura ambiente confortável. Gasto Energético Repouso = GER, pessoa em repouso 30 min 3 a 4 h após refeição.
  48. 48. Populações – Pg. 48 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® EER – Necessidade Estimada de Energia Equações foram desenvolvidas para indivíduos de peso normal (IMC de 18,5 a 25 kg/m2), de 0 a 100 anos de idade, baseando-se em dados de gasto energético medidos pela técnica da água duplamente marcada Para crianças e mulheres grávidas ou lactantes, o EER inclui as necessidades de deposição de tecido ou de secreção de leite a uma taxa consistente com um bom estado de saúde Não há RDA e UL para as EERs (COSTA E OLIVEIRA, 2008; FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004)
  49. 49. Populações – Pg. 49 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) Espectro aceitável da distribuição de macronutrientes (Acceptable Macronutrient Distribution Ranges - AMDR) – Conceito: • Espectro percentual, em relação ao total energético da dieta, no qual o consumo de carboidratos, gorduras e proteínas não está associado a ocorrência de doenças crônicas. – Representam: • Ingestão associada a risco reduzido de doenças crônicas; • Ingestão na qual os nutrientes essenciais presentes na dieta podem ser consumidos em quantidade suficiente; • Ingestão baseada na relação adequada entre energia e atividade física para manter o balanço energético.
  50. 50. Populações – Pg. 50 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010) Necessidade e Recomendação Necessidade Nutricional: “As necessidades nutricionais representam valores fisiológicos individuais requeridos para satisfazer suas funções fisiológicas normais e prevenir sintomas de deficiências. São expressas na forma de médias para grupos semelhantes da população”. Recomendação Nutricional: “São as quantidades de energia e de nutrientes que devem conter os alimentos consumidos para satisfazer as necessidades de quase todos os indivíduos de uma população sadia. Assim, as recomendações nutricionais baseiam-se nas necessidades de 97,5% da população”.
  51. 51. Populações – Pg. 51 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS Dieta equilibrada – Objetivo:  satisfazer as necessidades nutricionais humanas Crescimento Manutenção Reparo tecidual Desgaste orgânico “Níveis de ingestão de nutrientes essenciais, reconhecidos com base nos conhecimentos científicos, adequados as necessidades nutricionais de praticamente todas as pessoas saudáveis de uma população”. (COSTA E OLIVEIRA, 2008; FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004)
  52. 52. Populações – Pg. 52 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® Indivíduo adulto: Necessidade: 1,08 mg / dia x Recomendação: 8 mg / dia Fatores considerados: - perdas basais, peso. - perdas basais, peso, perdas menstruais. Biodisponibilidade do nutriente. Facilitadores e redutores da absorção. Estado nutricional de ferro. EXEMPLO: FERRO (COSTA E OLIVEIRA, 2008; FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004)
  53. 53. Populações – Pg. 53 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® Recomendações Nutricionais Objetivos das Recomendações Nutricionais  Promover adequado crescimento e desenvolvimento na infância e adolescência.  Garantir uma gestação e amamentação adequadas.  Evitar ou reduzir a incidência de doenças associadas com práticas inadequadas de alimentação e nutrição.  Garantir o bom funcionamento dos tecidos e órgãos do organismo para as atividades diárias. (COSTA E OLIVEIRA, 2008; FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004)
  54. 54. Populações – Pg. 54 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® Limitações para a aplicação das DRIs em nosso meio: • Baseiam-se nas necessidades da população dos EUA e do Canadá. • Não dispomos de dados atualizados de inquéritos dietéticos da nossa população: não é possível conhecer a variabilidade intrapessoal na ingestão dos vários nutrientes. A avaliação da adequação nutricional deve levar sempre em consideração outros parâmetros biológicos (COSTA E OLIVEIRA, 2008; FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004)
  55. 55. Populações – Pg. 55 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (DRI, 2010; COSTA E OLIVEIRA, 2008; FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004) A V A L I A Ç Ã O Indivíduos População EAR: utilizada para verificar a probabilidade da ingestão estar inadequada EAR:utilizada para estimar a prevalência de inadequação da ingestão em uma população. EER: utilizada para verificar a probabilidade de a ingestão energética estar inadequada. EER:utilizada para verificar a probabilidade de a ingestão energética estar inadequada na população. RDA: a ingestão de nutrientes a este nível ou próximo do mesmo possui pouca probabilidade de estar inadequada. RDA:NÃO É UTILIZADA. AI: a ingestão de nutrientes a este nível ou próximo do mesmo possui pouca probabilidade de estar inadequada. AI:a ingestão de nutrientes a este nível ou próximo do mesmo possui pouca probabilidade de estar inadequada. UL: a ingestão acima da UL aumenta as chances de riscos adversos, devido a ingestão excessiva de nutrientes. UL:Utilizada para estimar o percentual da população em risco potencial de efeitos adversos devido a ingestão excessiva de nutrientes.
  56. 56. Populações – Pg. 56 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® P L A N E J A M E N T O Indivíduos População RDA: META para a ingestão EAR: utilizada para planejar a dieta com pequena probabilidade da ingestão inadequada EER: utilizada para planejar a ingestão com pequena probabilidade da ingestão inadequada EER: utilizada para planejar a ingestão com pequena probabilidade da ingestão inadequada AI: META para a ingestão. Utilizada quando não possui RDA AI: Utilizada para planejar a ingestão quando não possui RDA UL: utilizada como um guia para limitar a ingestão. A ingestão crônica acima da UL aumenta os riscos de efeitos adversos UL: utilizada planejar a ingestão. Com pequena probabilidade de efeitos adversos (DRI, 2010; COSTA E OLIVEIRA, 2008; FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004)
  57. 57. Populações – Pg. 57 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® Aplicação das DRIs para Grupos Populacionais Para estimar a prevalência de inadequação para ingestão de determinado nutriente, é necessário:  Estimar o consumo do grupo de interesse;  Comparar o consumo estimado com padrões de referência: EAR A determinação da prevalência de inadequação poderá ser realizada por dois métodos:  Aproximação probabilística e  EAR como ponto de corte. (DRI, 2010; COSTA E OLIVEIRA, 2008; FRANCESCHINI, PIORI E EUCLYDES, 2005; MARCHIONI, SLATER, FISBERG, 2004)
  58. 58. Populações – Pg. 58 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® Considerações Finais • Avaliação Nutricional de populações • Quando devemos usar? • O que devemos usar? • Conhecimento epidemiológico? • Base de dados.
  59. 59. Populações – Pg. 59 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® (NUNES, 2014) Material de Apoio Quer mais material? 1 Visualize outras aulas 2 Material para Download 3 Artigos recentes 4 Exercícios Tudo isso e muito mais... Conteúdo exclusivo www.ufjf.br/renato_nunes Siga nossa equipe no Facebook www.facebook.com/Dr.nutri.Science
  60. 60. Populações – Pg. 60 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® Referência Bibliográfica • COSTA, N.M.B. ; OLIVEIRA, C.G. (2008). Metabolismo energético. In: Costa NMB; Peluzio MCG. (Org. ). Nutrição Básica e Metabolismo. 1 ed. Viçosa, MG: Editora UFV, v. 1, p. 182-208. • COZZOLINO, S. M. F. (2005). Biodisponibilidade de nutrientes. São Paulo, Manole,. • Dietary reference intakes: Applications in dietary assessment. (2001). Washington, DC: National Academy Press. • DRI. Dietary reference intakes: Applications in dietary planning. (2003). Washington, D.C.: National Academies Press • FISBERG RM, MARCHIONI, DML, SLATER B. (2001). Aplicação das Dietary Reference Intakes na avaliação ingestão de nutrientes para grupos. Simpósio Usos e Aplicações das DRIs. Material em Cdroom. • FISBERG RM, SLATER B, MARCHIONI DML, MARTINI LA (2005). Inquéritos Alimentares: Métodos e bases científicos. São Paulo, Editora Manole. • FISBER, RM, SLATER BV, MARCHIONI DML, MARTINI LA (2003). New dietary recommendations. Jornal Brasileiro de Nutrição Clínica; 18(2):81-86. • FRANCESCHINI, S.C.C; PRIORI, S.E.; EUCLYDES, M.P (2005). Necessidades e recomendações de nutrientes. In: Cuppari L. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar: nutrição clínica no adulto. São Paulo: Manole. • INSTITUTE OF MEDICINE (IOM) (2002). Food and Nutrition Board. Dietary reference intakes: estimated average requirements for groups. Washington, DC: National Academic. [online]. Disponível em: http://www.nap.edu. Acesso em 05 de junho de 2013. • INSTITUTE OF MEDICINE (IOM) (2005). Food and Nutrition Board. Dietary reference intakes: energy, carbohydrates, fiber, fat, protein and amino acids (macronutrients). Washington, DC: National Academy. [online]. Disponível em: http://www.nap.edu. Acesso em 05 de junho de 2013.
  61. 61. Populações – Pg. 61 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® Referência Bibliográfica • INSTITUTE OF MEDICINE (IOM) (1998). Food and Nutrition Board. Dietary reference intakes: thiamin, riboflavin, niacin, vitamin B6, folate, vitamin B12, pantothenic acid, biotin, and choline. Washington, DC: National Academy. [online]. Disponível em: http://www.nap.edu. Acesso em 05 de junho de 2013. • INSTITUTE OF MEDICINE (IOM) (200). Food and Nutrition Board. Dietary reference intakes: vitamin A, vitamin K, arsenic, boron, chromium, copper, iodine, iron, manganese, molybdenum, nickel, silicon, vanadium, and zinc. Washington, DC: National Academy. [online]. Disponível em: http://www.nap.edu. Acesso em 05 de junho de 2013. • INSTITUTE OF MEDICINE (IOM) (1997). Food and Nutrition Board. Dietary reference intakes: calcium, phosphorus, magnesium, vitamin D, and fluoride. Washington, DC: National Academy. [online]. Disponível em: http://www.nap.edu. Acesso em 05 de junho de 2013. • INTERNATIONAL LIFE SCIENCES INSTITUTE DO BRASIL (2000). Usos e aplicações das dietary reference intakes ? DRI. ILSI/SBAN, São Paulo. • KIM, Y., CHO, Y., & DRISKELL, J. A. (2008). Anthropometric indices and selected nutrient intakes of young children in Kwangju, Korea. Nutrition Research and Practice, 2(3), 178. doi: 10.4162/nrp.2008.2.3.178 • MARCHIONI, D.M.L.; SLATER, B; FISBERG, R.M (2004). Aplicação das Dietary Reference Intakes na avaliação da ingestão de nutrientes para indivíduos; Application of Dietary Reference Intakes for assessment of individuals. Rev. nutr 17 (2), 207-216
  62. 62. Populações – Pg. 62 de 62 Avaliação de Populações Dr. Nutri Science ® Referência Bibliográfica • New in nutrition: MyPlate, Dietary guidelines for Americans, (2010), Dietary reference intakes. (2011). San Francisco, CA: Pearson. • SLATER B, PHILLIPI ST, MARCHIONI DML, FISBERG RM (2004). Estimando a prevalência da ingestão inadequada de nutrientes. Rev Saúde Pública; 38(4):599-605. • VASCONCELOS, FAG. (2007). Avaliação nutricional de coletividades. Florianópolis, SC: Ed. da UFSC. • VITOLO, M.R. (2008). Nutrição da gestação ao envelhecimento. Rio de Janeiro, Rubio.

×