1
Análise Ambiente Macro Econômico
Por que o Brasil não cresce?
Grupo:
AmandaBaccan
AmauryBorges
RenatoCotrim
2
Índice
ÍNDICE .............................................................................................................
3
Introdução
Este estudo busca identificar as causas para o baixo nível de taxa de crescimento de nosso país e
determinar ...
4
Análise de Taxa de Crescimento do PIB Brasileiro
O Brasil monitora o PIB desde o ano de 1947, os valores anteriores são ...
5
A perguntaque poderiasurgiré se o atual patamarde crescimentodoPIBBrasileiroestáalinhado como
crescimentodosdemaispaíses...
6
Fonte: Elaborado pelos autores do livro “Porque o Brasil cresce pouco”, com base nos dados IPEA e
OCDE
Gráfico 03: Perce...
7
Fonte: Elaborado pelos autores do livro “Porque o Brasil cresce pouco”, com base nos dados do Banco
Mundial
Gráfico 04: ...
8
Realizamos também a análise abaixo, que ilustra a relação entre Investimento e Variação no PIB
Brasileiro e posteriormen...
9
Fonte: Elaborado pelos autores do livro “Porque o Brasil cresce pouco”, com base nos dados do Banco
Mundial
Gráfico 05: ...
10
Causas identificadas
O crescimento econômicoé resultadodaacumulaçãode:
 Capital físico(:máquinas,estradas,portos,terra...
11
contextointernacional,nossadespesagovernamental comoporcentagemdoPIB estáse
aproximando a de países do PIGS (acrônimo p...
12
O impactopara o crescimentoé imediato,poisogovernodrenauma parte da poupança
acumulada,que deveriafinanciarinvestimento...
13
O Brasil sofre de faltade infraestrutura,emespecialainfraestrutura de transporte, que
compreende estradas, ferrovias, p...
14
7. Economia fechada ao comércio internacional
Apesarde ter reduzidosignificativamente as barreiras ao comércio exterior...
15
c) Amplitude da proteção legal a propriedade;
d) Carga tributária imposta às empresas.
Referente aoquesitode imposição ...
16
10. Atraso educacional, baixa qualidade dos serviços de educação
Embora tenha progredido muito após o ano de 1980, com ...
17
Ações para crescimento
Esta claro que,para colocar o país emum círculo virtuosode crescimento econômico, algumas medida...
18
2. Melhoria do arcabouço jurídico-institucional
A melhoria da segurança jurídica do Brasil, medida em termos de tempo, ...
19
5. Investimentos em educação
Por último,porém não menos relevante, o governo brasileiro deveria utilizar parte do
super...
20
Referências Bibliográficas
Mendes, Marcos. Título: Por que O Brasil Cresce Pouco. Editora Grupo Elsevier.
Brasil Econom...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Por que o Brasil Nao Cresce rev 6

81 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
81
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Por que o Brasil Nao Cresce rev 6

  1. 1. 1 Análise Ambiente Macro Econômico Por que o Brasil não cresce? Grupo: AmandaBaccan AmauryBorges RenatoCotrim
  2. 2. 2 Índice ÍNDICE .............................................................................................................................................2 INTRODUÇÃO..................................................................................................................................3 ANÁLISE DE TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO............................................................4 CAUSAS IDENTIFICADAS...............................................................................................................10 AÇÕES PARA CRESCIMENTO........................................................................................................17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS....................................................................................................20
  3. 3. 3 Introdução Este estudo busca identificar as causas para o baixo nível de taxa de crescimento de nosso país e determinar possíveis ações corretivas. A taxade crescimentodoBrasil vemconstantemente tendosuaprevisãoreduzida, sendobeminferior a de outros paises emergentes.Este fatochamou a atençãodo grupo,uma vez que a taxa de crescimento é o principal indicador de saúde e confiança do país, indica a credibilidade para solicitação de empréstimos, confiançanopagamentodadívidapública,possibilita a aplicação da poupança internas e externasemnovosinvestimentosde longoprazo,é alavancadapelaprodutividade dotrabalhador,entre outros fatores. Ao longo deste estudo discorreremos sobre o cenário histórico do país e mundo, do ponto de vista de crescimento do produto, bem como as causas mapeadas pelo grupo como ofensoras deste e possíveis ações corretivas que poderiam ser realizadas pelo Governo.
  4. 4. 4 Análise de Taxa de Crescimento do PIB Brasileiro O Brasil monitora o PIB desde o ano de 1947, os valores anteriores são estimativas realizadas pelo Sr. Claudio Haddad em sua tese de doutorado. Realizando a análise da série de dados a partir do ano de 1947, concluímos que podemos dividir essa análise do crescimento em três etapas: a) Primeiro período: entre os anos de 1947 e 1980, o Brasil cresceu a uma taxa média de 7,5% aa; b) Segundo período: entre os anos de 1981 e 1990, o crescimento médio caiu para 1,7% aa; c) Terceiro período: entre os anos de 1991 e 2013, estabilização do crescimento a um patamar de 2,9% aa; Fonte: Elaborado pelos autores do livro “Porque o Brasil cresce pouco”, com base nos dados IPEA. Gráfico 01: Crescimento do PIB Brasileiro ContextoHistórico  1960: IncentivoàIndustrialização(1930 – 1960).  1970: Década “Milagre Econômico”,crescimentoe expansãoeconômicaBrasileira.  1980: Década “Perdida”,crise dosanos80.  1988: PlanoCollor(1988-1993)  1994: PlanoReal A partirde nossaanálise,entendemosque osfatoshistóricossãoapenasvariaçõespontuaisno crescimento(ouqueda) doPIBnoBrasil.
  5. 5. 5 A perguntaque poderiasurgiré se o atual patamarde crescimentodoPIBBrasileiroestáalinhado como crescimentodosdemaispaísesque poderiamservir de base de comparação, como por exemplo, com a média dos países do G7 (países desenvolvidos, compostos por Estados Unidos, Alemanha, Canadá, França, Itália, Japão, Reino Unido), do G20 (formado pelos ministros de finanças e chefes dos bancos centraisdas19 maioreseconomiasdomundomaisaUnião Europeia) e dos países que formam o BRICS (países emergentes, compostos por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Para responder a essa pergunta, analisamos e comparamos as taxas de crescimento do PIB desses blocos de países. Para padronizar a análise, consideramos o período de 1998 a 2013, devido ao fato de não dispormos de dados para todos os países mencionados para o período anterior a 1998. Para esta análise foramusadosdadosda OCDE(Organizaçãopara a Cooperaçãoe DesenvolvimentoEconômico),e para a China dados do Banco Mundial (instituição financeira internacional que fornece empréstimos para países em desenvolvimento em programas de capital). Fonte: Elaborado pelos autores do livro “Porque o Brasil cresce pouco”, com base nos dados IPEA e OCDE Gráfico 02: Percentual de Crescimento do PIB Brasileiro versus G7 A análise dosdadosnos mostra que o PIB Brasileiro crescia à mesma taxa que os países do G7 até 2003, a partir desse ano há uma queda acentuada. Até o ano de 2013 a taxa de crescimento do PIB Brasileiro se mantem acima da taxa de crescimento do G7, com exceção de 2012, quando a taxa de crescimento do Brasil ficou ligeiramente abaixo.
  6. 6. 6 Fonte: Elaborado pelos autores do livro “Porque o Brasil cresce pouco”, com base nos dados IPEA e OCDE Gráfico 03: Percentual de Crescimento do PIB Brasileiro versus G20 Ao compararmosa taxa de crescimento do PIB Brasileiro com a taxa de crescimento dos países do G20, observamos que o desempenho muda, a taxa de crescimento é praticamente igual, com exceção do período de 2010 a 2013. Em 2010 houve umcrescimento anormal doPIB Brasileiro, que coincide com o ano da reeleiçãodopresidenteLula (onde,emsalade aula, foi explicado que o presidente realizou um trabalho em cima da inflação e da taxa cambial, crescendo a demanda e não crescendo a inflação), seguido pelo decréscimo nos anos seguintes, que coincidem com o período da presidente Dilma. Esta variação,maispontual,nãoé o objetode nossaavaliação, nosso foco centra-se em entender o período mais amplo de 1991 a 2013.
  7. 7. 7 Fonte: Elaborado pelos autores do livro “Porque o Brasil cresce pouco”, com base nos dados do Banco Mundial Gráfico 04: Percentual de crescimento do PIB brasileiro versus BRICS Esta comparação mostra claramente que ataxa de crescimentodoBrasil é sistematicamentemenorque a taxa de crescimento dos países do grupo BRICS, no qual o único período onde o crescimento do PIB Brasileiro foi maior que a média de crescimento do grupo BRICS, foi na primeira metade da década de 90, motivado pela Recessão da Rússia. No período de 1996 a 2013 os países do BRICS cresceram a uma média de 5,2% aa contra uma média de 2,9% aa do Brasil. Portanto, a queda da taxa de crescimento brasileiro observada no período de 1991 a 2013, quando comparada ao período de 1947 a 1980 não se justifica por alterações do cenário internacional.
  8. 8. 8 Realizamos também a análise abaixo, que ilustra a relação entre Investimento e Variação no PIB Brasileiro e posteriormente comparado aos países do grupo BRICS. A taxa de investimento é um fator fundamental ao analisarmos o crescimento, pois quando existe capacidade ociosa no país, o governo pode estimular o crescimento baseado na melhor utilização da capacidade produtiva existente de maneira sustentável (e não através do que chamamos de “voo de galinha”), as possíveis formas de investimento são na infraestrutura, capital humano, poupança nacional, entre outros. Investimento/Variação do PIB Brasil 1970 a 2013 6,02 1970 a 1980 3,59 1981 a 1990 13,18 1991 a 2013 6,25 Tabela 01: Relação Investimento/Variação do PIB - Brasil Fonte: Elaborado pelos autores do livro “Porque o Brasil cresce pouco”, com base nos dados do Banco Mundial Investimento/Variação do PIB 1990 a 2013 China 4,6 Índia 4,7 África do Sul 6,1 Brasil 6,2 Rússia 23,1 Tabela 02: Relação Investimento/Variação do PIB - 1990 a 2013 Fonte: Elaborado pelos autores do livro “Porque o Brasil cresce pouco”, com base nos dados do Banco Mundial Comparando-se a relação investimento/variação do PIB, nota-se que no período de 1970 a 1980 para aumentar o PIB em uma unidade era necessário investir 3,5 unidades, esta relação passou para uma unidade doPIB para 6,2 de investimento no período de 1991 a 2013, o que demonstra uma degradação do ambiente econômico. Comparando-se o Brasil com os países do grupo BRICS, observamos que, com exceção da Rússia, principalmente devido à recessão dos anos 90, o Brasil é o país que apresenta a pior relação investimento/variação do PIB. O gráfico abaixo mostra que a relação investimento sobre o PIB Brasileiro é sistematicamente menor que a média dos BRICS, com a diferença aumentando a partir dos anos 80.
  9. 9. 9 Fonte: Elaborado pelos autores do livro “Porque o Brasil cresce pouco”, com base nos dados do Banco Mundial Gráfico 05: Percentual de Investimento em Relação ao PIB Brasil versus BRICS Quais os motivos que levaram o Brasil a perder sua capacidade de crescer às taxas que vinha apresentando de 1947 a 1980 ou de crescer nas mesmas taxas de crescimento que os países do grupo BRICS?Ou analisandode outraforma, por que temosumadas pioresrelaçõesInvestimento/Variaçãodo PIB e uma baixa relação Investimento/PIB?
  10. 10. 10 Causas identificadas O crescimento econômicoé resultadodaacumulaçãode:  Capital físico(:máquinas,estradas,portos,terrascultiváveis, etc(K);  Capital humano:quantidade de trabalhadores que cresce coma escolaridade (n);  Produtividade(fatorque ampliaaquantidade geradapelousode capital físicoe humanoem funçãoda eficiênciacomque osfatoressãoutilizados,dependendodatecnologiae da qualidade/escolaridade damãode obra); Y=A f(K,N) Logo, o crescimento econômico tende a ser mais acentuado em países onde o setor privado investe intensamente na aquisição de máquinas e equipamentos, o setor público e privado investem em infraestrutura e há um grande número de trabalhadores em idade produtiva e com alto grau de escolaridade. O investimento em capital físico ou capital humano, com o objetivo de turbinar o crescimento, tem como custoa reduçãodo consumopresente ouoaumentodoendividamento.Odinheiro utilizado para financiar a compra de um equipamento ou a mensalidade de um curso é o mesmo que financi a a compra de bens de consumo. É importante observar também que o alto nível de investimento em capital físico e humano, e a disponibilidade de trabalhadores não são suficientes para que um país cresça rapidamente. As diferenças de renda per capita entre países ricos e pobres não pode ser apenas explicada pela disponibilidadedosinsumos,mastambém, e emgrande parte,por quão eficientemente estes insumos são utilizados,ouonível de produtividade,dado pelo nível de tecnologia adotada e como são alocados os fatores de produção. Segundo pesquisa do grupo, as principais causas do baixo crescimento do país, sobretudo após o período de redemocratização, são as seguintes: 1. Altos gastos públicos, despesa corrente primária cresce de forma persistente As despesas correntes da União, que incluem despesas com pessoal, benefícios previdenciários, transferências aestadose municípios,materiaisde consumo, subsídios creditícios,despesasde assistênciasocial, entreoutras,tem crescido persistentemente desde 1980. Mesmolimitandoaanálise aàdespesaprimáriadoGovernoCentral,contabilizadaspelo TesouroNacional apartir de 1997, pode-se observarumatrajetória de crescimento. No
  11. 11. 11 contextointernacional,nossadespesagovernamental comoporcentagemdoPIB estáse aproximando a de países do PIGS (acrônimo pejorativo utilizado para registrar o mau desempenhodos cincopaíses Portugal,Itália,Irlanda,Gréciae Espanha),que enfrentam graves crises causadas, em parte, por alta despesa pública. 2. Elevada carga tributária Uma das causas da hiperinflação, vivida pelo Brasil no final da década de 1980, era justamente o aumento na despesa pública. O governo resolvia o problema de não ter receitas suficientes para pagar as despesas públicas crescentes simplesmente imprimindo dinheiro. Como sabemos, quando o dinheiro se torna mais abundante frente aosprodutose serviçosproduzidos,estesse tornammaiscaros,realimentando o ciclo inflacionário. Com a queda da inflação, redução do imposto inflacionário coletado pelo governo, e a Lei de Responsabilidade Fiscal (2000), o governo foi forçado a abandonar a inflação como mecanismo de financiamento. No entanto as despesas correntes continuaram crescendo, e o aumento da carga tributária foi a única solução encontrada para financiamento do setor público. I =S =Y-C-G -NEXP A teoria tradicional do crescimento econômico diz que a alta tributação prejudica o crescimento das seguintes formas: a) Desestimulaaacumulaçãode capital físico e humano pois diminui o retorno de investimentos; b) Desestimula o investimento em novas tecnologias cujos ganhos são parcialmente capturados pelo governo; c) Estimula a migração de capital internacional para outros mercados menos tributados. Além disso, na necessidade de levantar dinheiro suficiente para cobrir despesas, o governo explorou bases tributárias fora da tríade renda, consumo e propriedade, tais como folhade pagamento,transaçõesfinanceiras,receitasde exportaçãoe faturamento bruto.Esta tributaçãoheterodoxacriadistorçõese gera consequências negativas, como a má alocação de recursos e distorção de preços. 3. Baixa poupança do setor público, a poupança do setor público é negativa Apesarda “criatividade”e esforçoparaaumentara tributação, a despesa cresce em um ritmo maior, logo há um déficit nas contas públicas.
  12. 12. 12 O impactopara o crescimentoé imediato,poisogovernodrenauma parte da poupança acumulada,que deveriafinanciarinvestimentos das empresas, para cobrir seus gastos. A taxade crescimentodaeconomiadiminui porque menos investimentos resultam em um ritmo mais lento de acumulação de capital físico. Existem três fontes de poupança em uma economia: poupança do governo, poupança do setor privado doméstico e poupança externa. Como a poupança do governo é negativa,os investimentos tem que ser financiados pelas outras duas modalidades de poupança. Comosabemos por experiência do período militar e também da década de 1990, o uso de poupança externa deixa o país suscetível a crises internacionais, qualquer desvalorização de nossa moeda torna a dívida mais cara, se não for protegido hedge. Com as restrições para uso da poupança externa e a poupança negativa do governo, a poupançaprivadadomésticatorna-se aúnicafonte de financiamento do investimento, se esta poupançaforinsuficiente parasustentarumnível adequadode investimentos, o crescimento econômico fica prejudicado. Conclui-se, portanto, que a escassez de poupança é uma restrição ativa que limita a capacidade de investimento da economia brasileira e, com isso, restringe o crescimento do PIB. 4. Altas taxas de juros A altataxa de juros,característica marcante da economiabrasileira,foi considerada por muitotempo como a principal limitante para o crescimento do PIB e um erro do Banco Central. Na verdade, a alta taxa de juros é consequência da: a) baixa poupança da economia, como a poupança é um item escasso, o seu preço, que é a taxa de juros, é elevado. b) alta demandaporcréditopor parte do governo,que,tendodéficitorçamentário emsuas contas, compete como setor privadopelosrecursos,estacompetição elevaocusto dosrecursos,ou seja,ataxa de juros e drenarecursosque deveriamirparainvestimento Taxas de juros altas é um sintoma do problema e não sua causa. 5. Gargalos de infraestrutura
  13. 13. 13 O Brasil sofre de faltade infraestrutura,emespecialainfraestrutura de transporte, que compreende estradas, ferrovias, portos e aeroportos. O economista especializado em infraestrutura, Cláudio Frischtak, estima que o Brasil precise investir pelo menos 3% do PIB em infraestrutura, para manutenção da infraestrutura existente (1% PIB), acompanhar o crescimento da demanda decorrente do aumentoda população (1,3% PIB), oferecer cobertura integral a 100% da população em água e saneamento em um horizonte de 20 anos, e atingir 100% de cobertura em energia elétrica em cinco anos. Segundo os economistas César Calderon e Luis Serven, do Banco Mundial, existe uma correlaçãopositivaentre oinvestimentoeminfraestruturae o crescimento econômico. De fato, investimentos em saneamento reduzem as doenças, que tem um impacto positivo tanto na redução de atendimentos médicos, quanto na melhoria da produtividade, investimentos em transporte público diminuem a poluição e custos de transporte, aumentando a produtividade das empresas. Uma boa infraestrutura abriria novas oportunidades de negócios, reduziria custos aumentariaa produtividade dostrabalhadores,ampliaria a escala de produção possível (p.ex. portos de grande capacidade), aumentaria a disponibilidade e segurança de insumosessenciais(água,energia),e estimulariaacompetição.No entanto a prioridade políticadada aos gastoscorrente representaumaclararestriçãoao desenvolvimento da infraestrutura,vide que desde 1980, nossos investimentos em infraestrutura estão em torno de 2% do PIB. 6. Forte crescimento real do salário mínimo Se o salário mínimo supera a contribuição que o trabalhador pouco qualificado dá ao valorfinal da produção,as empresastenderãoarestringiracontratação de mãode obra menos qualificada, empurrando estes trabalhadores para a informalidade. Aumentos reais de salário que advenham de ganhos de produtividade não afetam os custos da empresa, aumentos reais de salário por um longo prazo, sem o correspondente aumento de produtividade, reduzem os lucros, descapitalizam as empresas, desencorajam o investimento e tem impacto negativo no crescimento econômico. Outro efeito negativo do salário mínimo sobre as perspectivas de crescimento econômico é o aumento dos gastos públicos, uma vez que a Constituição de 1988 estabeleceu que os benefícios assistenciais e previdenciários pagos pelo governo não podem ser inferiores a um salário mínimo.
  14. 14. 14 7. Economia fechada ao comércio internacional Apesarde ter reduzidosignificativamente as barreiras ao comércio exterior em 1990, o Brasil permanece como um dos países mais fechados. Isso porque, neste mesmo período,houve ummovimentogeneralizadode aberturacomercial ao redor do mundo. O governo militar brasileiro criou barreiras comerciais para proteção de bens de consumo, e também de bens de capital, tais como computadores. O argumento foi de que era preciso proteger a nascente indústria nacional até que ela fosse forte o suficiente para competir com os concorrentes internacionais. O problema é que a barreiratende a se perpetuar, pois os lucros extras beneficiam não só os empresários, como também os trabalhadores que tem incorporado ao salário parte destes lucros. É natural que, em um processo de industrialização, até o final da década de 70, com proteção, haja um crescimento acelerado no início, seguido de estagnação, pois ainda que a produtividade daindústria nascente seja menor do que a dos seus concorrentes, ela será maior do que a produtividade do campo, e o crescimento virá do aumento de produtividade pela migração de trabalhadores de áreas rurais para as cidades e indústria. Quando esta transição se completa, a indústria ainda protegida não tem incentivos para buscar eficiência operacional e ganhos de produtividade, e logo a economia entra em estagnação. Foi o que ocorreu no Brasil, com o crescimento acelerado da economia entre 1960 e 1980, seguido por estagnação. Segundo a literatura, há quatro formas pelas quais uma economia mais aberta pode estimular aumentos de produtividade: a) Seleção natural: empresas menos produtiva deixam de existir e liberam recursos (capital, trabalho e insumos) para empresas mais produtivas, elevando a produtividade geral da economia; b) Acesso a melhores tecnologias e insumos; c) Competição incentiva à eficiência operacional; d) Acesso a mercados externos; 8. Insegurança e incerteza jurídica, baixa proteção aos direitos de propriedade No últimorelatóriodisponível doBancoMundial chamado “Doing Business”, de 2013, o Brasil estána posição130º, entre Bangladesh(129º) e Nigéria(131º). Este relatório,que é publicado desde 2003, tenta indicar a facilidade de se fazer negócios em um país, segundo quatro dimensões: a) Complexidade da regulação; b) Tempo e custo para se atingir uma meta regulatória ou cumprir uma obrigação legal;
  15. 15. 15 c) Amplitude da proteção legal a propriedade; d) Carga tributária imposta às empresas. Referente aoquesitode imposição de contratos (“contract enforcement”), que mede a eficiênciadosistemajudicial pararesolverdisputascomerciais, o Brasil está em 116º no total de 185 países, 23º em seu grupo de comparação de 28 países. Para este indicador são observadas três dimensões: a) Tempoemnúmerode dias necessários para resolver uma disputa comercial na justiça; b) Custo como valor da causa que é gasto pelo demandante para custear as despesas relacionadas; c) Númerode procedimentoscomonúmerode interaçõesentreaspartesouentre estas e o juiz. Em ambiente de instabilidade jurídica, as pessoas preferem alocar sua poupança em ativosmaisseguros,abrindomãoda rentabilidade.Oretorno médio dos investimentos cai e as pessoas preferem consumir mais e investir menos. O menor nível de investimentofazcomque asperspectivas de crescimento de longo prazo caiam devido ao menor nível de investimento. Concluindo, a fragilidade na proteção de direitos e insegurança jurídica prejudicam investimentos, produtividade e, consequentemente, o crescimento da economia. 9. Grande número de empresas pequenas, informais e improdutivas Segundo estudo de David Lagakos, no Brasil, 79% das pessoas trabalha em empresas que temmenosdo que vinte empregados, númerossemelhantesaoutrospaíses menos desenvolvidos (México 77%, Tailândia 81%, El Salvador 85%, Filipinas 85%), enquanto este número é significativamente mais baixo em países desenvolvidos, como por exemplo, 33% nos Estados Unidos. Há quatro motivos que levam que as empresas sejam pequenas e informais em países de renda baixa e média: a) Burocracia excessiva e altos custos para os procedimentos de formalização; b) Baixo nível de renda da população, que compra produtos baratos e de baixa qualidade; c) Regulação do mercado de trabalho, cujos custos estimulam a informalidade; d) Tributação excessiva, onde empresas pequenas são menos visíveis ao fisco. As empresas pequenas tendem a ser menos produtivas, pois quando são produtivas tendemacrescer e se formalizar.Estasempresasmuitasvezessósobrevivemganhando competitividade devido à sonegação de impostos e custos trabalhistas.
  16. 16. 16 10. Atraso educacional, baixa qualidade dos serviços de educação Embora tenha progredido muito após o ano de 1980, com média de anos de estudo para a população acima de 15 anos crescendo quase cinco anos para um total de 7,55 anos, em comparação com crescimento de 1,07 anos no período entre 1950 e 1980 (Fonte http://www.barrolee.com/), ainda estamos longe dos desejáveis 12 anos de estudo que compreendem os ensinos fundamental e médio. Adicionalmente, o desempenho do país no PISA (Programme of International Student Assessment:http://www.oecd.org/pisa/keyfindings/PISA-2012-results-brazil.pdf) tem deixado a desejar. Dos 65 países participantes, o Brasil está em 53º em Leitura, 57º em Matemática e 53º em Ciências. Como vimos anteriormente, o capital humano é uma potente ferramenta para o desenvolvimento de um país e crescimento da economia. Esta ligação se dá através do aumento de produtividade, trabalhadores mais educados tem mais habilidades e são capazes de executar suas tarefas melhor e mais rapidamente. O atraso educacional é umimportante fatorde bloqueio ao crescimento econômico de longo prazo no Brasil.
  17. 17. 17 Ações para crescimento Esta claro que,para colocar o país emum círculo virtuosode crescimento econômico, algumas medidas deveriam ser tomadas, seguem as sugestões do grupo: 1. Retomada da agenda de reformas É necessárioretomara agendade reformaspolíticasque,ao mesmo tempo, estimulem o crescimento e reduzam a desigualdade. As reformas que afetem privilégios vão seguramente encontrar grande resistência e quanto maior o número de reformas propostas, maior a possibilidade de formação de coalizão dos diferentes grupos prejudicados contra todas elas. Destaforma é precisoselecionarum número pequeno de reformas e políticas públicas prioritárias que estimulem o crescimento. As reformas previdenciárias, trabalhistas e fiscais são as que, na avaliação do grupo, teriam um maior e mais imediato impacto no crescimento econômico. A reforma previdenciária se faz urgente tanto pelo envelhecimento da população, cujo bônus demográficofindaráemcincoouseisanos,quantopelosrepetidose crescentesdéficits previdenciários anuais. A reforma trabalhista, embora possa a princípio parecer uma usurpação de benefícios adquiridospelostrabalhadores,vemde fatomelhoraracondiçãodestes,na medida em que diminui a carga tributária sobre a folha de pagamento, concentrando a base tributária na tríade renda, consumo e propriedade, cria um ambiente propício à meritocracia, onde a produtividade e a eficiência são recompensadas, e efetivamente aumenta o número de empregos formais oferecidos. Adicionalmente esta reforma deveria desvincular-se da política de concessão de aumentos reais de longo prazo do saláriomínimonointuito de não descapitalizar as empresas, os aumentos reais seriam idealmente provenientes de aumentos de produtividade, situação na qual não existe impacto negativo no custo das empresas. No Brasil a carga tributária é complexa e excessiva, sem a contrapartida na forma de serviços a sociedade, Delfim Neto nominou de “Belindia” essa situação, no qual faz referência a cargas tributárias da Bélgica e serviços da Índia. A reformafiscal teriaumefeitoimediatode estimulara acumulação de capital de longo prazo, seja ele físico ou humano, decorrente do maior retorno sobre investimentos, estimulariatambémoinvestimentoemnovastecnologias, e atrairia poupança externa.
  18. 18. 18 2. Melhoria do arcabouço jurídico-institucional A melhoria da segurança jurídica do Brasil, medida em termos de tempo, custo e procedimentospara“fazervaler”oscontratos e direitos de propriedade tem um duplo benefício para o crescimento econômico:  Atrai mais poupança, seja ela externa ou doméstica, que é investida no país;  Diminui o custo desta poupança, seja pela segurança de direitos, seja pelo aumento da oferta de poupança. Como sabemos, o aumento do capital físico tem um impacto positivo direto no crescimento econômico. Além disso, a redução dos custos e tempos para abertura e fechamento de empresas estimularia a formalização da economia e o empreendedorismo empresarial. 3. Compromisso com superávit primário e estabilidade no nível de preços Como estudamos em sala de aula, quando o governo gasta mais do que arrecada, ele desencadeia diversos fatores com consequências negativas para o crescimento econômico do país, entre estes podemos citar:  Elevada carga tributária;  Aumento de juros;  Estrangulamentodoinvestimento,comaconsequenciade subinvestimento em infraestrutura. Um governo menos “criativo” e realmente comprometido com a manutenção de superávit poderia endereçar todos os problemas acima e, adicionalmente, permitir autonomia na condução da política monetária ao Banco Central, já que um governo superavitário não teria problemas de financiamento de dívida, que seria decrescente tanto real, com o pagamento dos juros, quanto nominalmente, com a amortização do principal. 4. Abertura da economia O governo brasileiro deveria assinar acordos de cooperação econômica com blocos e países que nos abrissem novos mercados consumidores. As experiências dos países como Chile,que buscaramestesacordos,foramaltamentepositivaspara o crescimento econômico. A orientação ideológica da política externa dos doze últimos anos, que buscou uma liderança regional brasileira, se provou desastrosa para o comércio exterior e consequente crescimento econômico. A verdadeira liderança regional se faz pela relevância econômica do país.
  19. 19. 19 5. Investimentos em educação Por último,porém não menos relevante, o governo brasileiro deveria utilizar parte do superávit, resultante de um compromisso com a responsabilidade fiscal, em investimentos de longo prazo na educação, buscando zerar nosso atraso educacional. Exemplos como o da Coréia do Sul deixam claro para quem quiser ver que o crescimento de forma sustentável não pode prescindir de um avanço educacional da população. Esse aumento do capital humano, com consequente aumento de produtividade, são pilares para sustentar o país entre as economias ricas.
  20. 20. 20 Referências Bibliográficas Mendes, Marcos. Título: Por que O Brasil Cresce Pouco. Editora Grupo Elsevier. Brasil Economiae Governo.Disponívelem:<http://www.brasil-economia- governo.org.br/2013/05/13/o-crescimento-de-longo-prazo-da-economia-brasileira-tem-sido- satisfatorio> Milagre econômicobrasileiro.Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Milagre_econ%C3%B4mico_brasileiro> Reformas Microeconômicase crescimentode LongoPrazo. Disponível em:MinistériodaFazenda, Secretariade PolíticaEconômica,Brasília,Dezembrode 2004. IPEA Data. Disponível em:<http://www.ipeadata.gov.br/> IBGE. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br/>

×