SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
O Carro dos Milagres
Benedicto Monteiro
Parte I
O autor
Nasceu em Alenquer
em 1 de março de 1924 —
faleceu em Belém, 15 de junho
de 2008. Foi um escritor,
jornalista, advogado e político
brasileiro. Filho de Ludgero
Burlamaqui
Monteiro
e
Heribertina Batista Monteiro,
cursou o primário no grupo
escolar de Alenquer e o curso
de humanidades no Colégio
Marista Nossa Senhora de
Nazaré, em Belém.
O autor
Cursou o científico no
Colégio
Rabelo,
iniciando
também os seus estudos de
Direito na Universidade do Brasil.
Diplomou-se
bacharel
em
Ciências Jurídicas e Sociais pela
Faculdade de Direito do Pará.
Exerceu a magistratura e o
Ministério Público. Foi eleito
deputado estadual por duas
legislaturas.
Foi
também
secretário de Estado de Obras,
Terras e Águas. Foi cassado
durante o Golpe Militar de 1964.
A obra
O Livro O Carro dos
Milagres, de Benedicto
Wilfred Monteiro (19242008) é uma coletânea
de narrativas publicada
em 1975, durante os
Anos
de
chumbo
(Ditadura Militar), de
censura à cultura escrita.
O conto
Premiada
pela
Academia
Paraense
de
Letras, a presente coletânea
contêm relatos de um
caboclo que vem “das
brenhas da mata amazônica”
contar
suas
histórias,
memórias,
culturas
e
saberes. Das sete narrativas,
é importante enfocar aquela
que contém o mesmo título
do livro: O Carro dos
Milagres.
O enredo
O Carro dos Milagres apresenta a
experiência de um caboclo (acredita-se ser
este Miguel dos Santos Prazeres, embora
esse nome não apareça no texto em
questão, pode-se dizer que ele é
subentendido de acordo com o conjunto da
coletânea) no Círio de Nazaré em Belém do
Pará.
Primeiramente, nota-se o “diálogo” entre
dois caboclos (Personagem-narrador e o
Compadre) que vieram acompanhar o Círio,
sendo que o primeiro tem o interesse de pagar
uma promessa que sua mãe fez à Nossa
Senhora de Nazaré do Retiro (ou do Desterro)
quando o rapaz encontrava-se em situação de
perigo com sua canoa nas águas do Marajó. A
mãe velha prometera à Santa que se seu filho
fosse resguardo do temporal ele haveria de
levar um barco a vela, de miriti, durante a
procissão.
Foco-narrativo
• Narrador em primeira pessoa.
• A narrativa flui a partir de um
diálogo entre compadres, em que
o narrador é um romeiro que veio
ao Círio pagar uma promessa feita
à Virgem em favor de seu barco
que sofrera um naufrágio.
Tempo
• · Tempo cronológico – dois dias seguidos, desde
a madrugada do Círio até à tarde do dia
seguinte: “três horas da tarde”;
• · Tempo histórico – o milagre de Nossa Senhora
de Nazaré a Dom Fuas Roupinho no século XII;
• · Tempo psicológico – feed back: lembrança do
naufrágio do barco, das sagas pelos igarapés
como o compadre “de cachaça”.
Lugar/Espaço
• · Espaço físico: Largo da Sé (atual praça Dom Frei
Caetano Brandão), catedral da Sé bairro da
Cidade Velha, ruas do cortejo do círio, Largo de
Nazaré (atual Praça Santuário), Basílica-Santuário
de Nazaré, sacristia e garagem da Basílica,
cadeia.
• · Espaço psicológico: Baía do Marajó, Igarapé das
Matas do Catauari.
Estrutura da Narrativa
• · Principais:
• Narrador (com o nome subentendido “Miguel dos Santos
Prazeres”);
• Compadre “de cachaça”;
• Compadre “que perdeu o filho.
• · Secundários:
• Mãe velha (genitora do narrador);
• Beatas;
• Comissário (policial);
• Comadre (que perdeu o filho);
• Filho (dos Compadres)
Fragmento...
Olhe compadre, nem quero lhe contar
a triste sina deste meu barco-a-vela feito de
tala de miriti. Eu trouxe ele, mas, foi pra
colocar no Carro dos Milagres...
Promessa feita e jurada ao pé da
imagem de Nossa Senhora do Retiro na
noite de lua cheia, três noites depois de
medonho temporal.
Fragmento...
Tive que correr terra – o senhor pensa
– pra cumprir dita promessa. E trazer com
minhas próprias mãos, esta veleira copiada
da finada canoa que o vento levou e a água
reduziram a fanico na contra-costa da Baía
de Marajó. Só este criado seu escapou são e
salvo por obra e graça de Deus e Nossa
Senhora de Nazaré. (...)
Digressão
Uma digressão (do latim digressĭo, ōnis) é o efeito de romper a continuidade
de um discurso com uma mudança de tema
intencionada. Pode ser uma reflexão da
volta do passado, um flashback refletivo,
por exemplo. Um flashback é uma volta no
tempo, e uma quebra cronológica temporal,
uma vez que não obedece uma ordem
lógico e sequencial.
Exemplo...
Esse pano branco da rede da
minha velha mãe era um pedaço
da vela-mestra de uma canoa
naufragada que meu finado irmão
guardava num baú velho como
lembrança de tanta luta pelo mar
(...)
As descrições
O narrador-personagem descreve, de forma
maravilhosa, os detalhes da procissão que está
assistindo pela primeira vez, volta-se ao passado
de suas lembranças para contar suas sagas de
canoeiro no Igarapé da Mata do Catauari com o
“Compadre”, um amigo que o acompanha no Círio
e numa beberagem com cachaça de Abaeté,
enquanto aguardam no nascer do dia a saída do
Círio no Largo da Sé (atual Praça Dom Frei Caetano
Brandão).
OBS:
• Ambientação
Contexto social, histórico, religioso, familiar.
• Enredo
Linear e a-linear (intercalado com memórias, feed backs)
• Foco-narrativo
Narrador em primeira pessoa
• Discurso
Direto e indireto livre
• Clímax
Reencontro do filho (dos compadres) embriagado, o qual
diziam que estava morto e o mesmo que soltou os balões
coloridos que se engataram na promessa do Miguel.
O personagem-narrador (Miguel) descreve,
de forma maravilhosa, os detalhes da
procissão que está assistindo pela primeira
vez, volta-se ao passado de suas
lembranças para contar suas sagas de
canoeiro no Igarapé da Mata do Catauari
com o Compadre, um amigo que o
acompanha no Círio e numa beberagem
com cachaça de Abaeté, enquanto
aguardam no nascer do dia a saída do Círio
no Largo da Sé (atual Praça Dom Frei
Caetano Brandão).
Praça Dom Frei Caetano Brandão
Referências bibliográficas
• http://llfeioleituras.blogspot.com.br/2012/05/carro-dosmilagres-de-benedicto.html
• http://www.skoob.com.br/livro/89968
• http://vestibularnopara.com.br/leituras-recomendadas-ocarro-de-milagres-de-benedicto-monteiro/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Diferenças e exemplos de Resenha resumo e sinopse.
 Diferenças e exemplos de Resenha resumo e sinopse. Diferenças e exemplos de Resenha resumo e sinopse.
Diferenças e exemplos de Resenha resumo e sinopse.
 
Alberto Caeiro
Alberto CaeiroAlberto Caeiro
Alberto Caeiro
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Literatura de Cordel
Literatura de Cordel Literatura de Cordel
Literatura de Cordel
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Modernismo 2a. geração
Modernismo   2a. geraçãoModernismo   2a. geração
Modernismo 2a. geração
 
Microconto
MicrocontoMicroconto
Microconto
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
 
Estilo De éPoca
Estilo De éPocaEstilo De éPoca
Estilo De éPoca
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
 

Semelhante a O Carro dos Milagres

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
luisprista
 
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2  bim - ENSINO MÉDIOProva 2  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
Jomari
 
Memórias de um sargento de milicias
Memórias de um sargento de miliciasMemórias de um sargento de milicias
Memórias de um sargento de milicias
SESI012
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 48
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 48ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 48
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 48
luisprista
 

Semelhante a O Carro dos Milagres (20)

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
 
Independência e Independências
Independência e IndependênciasIndependência e Independências
Independência e Independências
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2  bim - ENSINO MÉDIOProva 2  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
 
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
 
Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
 
Sagarana - leitura obrigatória da FUVEST 2018
Sagarana - leitura obrigatória da FUVEST 2018Sagarana - leitura obrigatória da FUVEST 2018
Sagarana - leitura obrigatória da FUVEST 2018
 
Memórias de um sargento de milicias
Memórias de um sargento de miliciasMemórias de um sargento de milicias
Memórias de um sargento de milicias
 
Simulado 2
Simulado 2Simulado 2
Simulado 2
 
Contos gauchescos
Contos gauchescosContos gauchescos
Contos gauchescos
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
O tempo e o vento érico veríssimo - resumo
O tempo e o vento   érico veríssimo - resumoO tempo e o vento   érico veríssimo - resumo
O tempo e o vento érico veríssimo - resumo
 
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanho
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanhoMonteiro lobato -_A_chave_do_tamanho
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanho
 
03i1pdf
03i1pdf03i1pdf
03i1pdf
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 48
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 48ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 48
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 48
 
12º ano gramática
12º ano gramática12º ano gramática
12º ano gramática
 
História
HistóriaHistória
História
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 

O Carro dos Milagres

  • 1. O Carro dos Milagres Benedicto Monteiro Parte I
  • 2. O autor Nasceu em Alenquer em 1 de março de 1924 — faleceu em Belém, 15 de junho de 2008. Foi um escritor, jornalista, advogado e político brasileiro. Filho de Ludgero Burlamaqui Monteiro e Heribertina Batista Monteiro, cursou o primário no grupo escolar de Alenquer e o curso de humanidades no Colégio Marista Nossa Senhora de Nazaré, em Belém.
  • 3. O autor Cursou o científico no Colégio Rabelo, iniciando também os seus estudos de Direito na Universidade do Brasil. Diplomou-se bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito do Pará. Exerceu a magistratura e o Ministério Público. Foi eleito deputado estadual por duas legislaturas. Foi também secretário de Estado de Obras, Terras e Águas. Foi cassado durante o Golpe Militar de 1964.
  • 4. A obra O Livro O Carro dos Milagres, de Benedicto Wilfred Monteiro (19242008) é uma coletânea de narrativas publicada em 1975, durante os Anos de chumbo (Ditadura Militar), de censura à cultura escrita.
  • 5. O conto Premiada pela Academia Paraense de Letras, a presente coletânea contêm relatos de um caboclo que vem “das brenhas da mata amazônica” contar suas histórias, memórias, culturas e saberes. Das sete narrativas, é importante enfocar aquela que contém o mesmo título do livro: O Carro dos Milagres.
  • 6. O enredo O Carro dos Milagres apresenta a experiência de um caboclo (acredita-se ser este Miguel dos Santos Prazeres, embora esse nome não apareça no texto em questão, pode-se dizer que ele é subentendido de acordo com o conjunto da coletânea) no Círio de Nazaré em Belém do Pará.
  • 7. Primeiramente, nota-se o “diálogo” entre dois caboclos (Personagem-narrador e o Compadre) que vieram acompanhar o Círio, sendo que o primeiro tem o interesse de pagar uma promessa que sua mãe fez à Nossa Senhora de Nazaré do Retiro (ou do Desterro) quando o rapaz encontrava-se em situação de perigo com sua canoa nas águas do Marajó. A mãe velha prometera à Santa que se seu filho fosse resguardo do temporal ele haveria de levar um barco a vela, de miriti, durante a procissão.
  • 8. Foco-narrativo • Narrador em primeira pessoa. • A narrativa flui a partir de um diálogo entre compadres, em que o narrador é um romeiro que veio ao Círio pagar uma promessa feita à Virgem em favor de seu barco que sofrera um naufrágio.
  • 9. Tempo • · Tempo cronológico – dois dias seguidos, desde a madrugada do Círio até à tarde do dia seguinte: “três horas da tarde”; • · Tempo histórico – o milagre de Nossa Senhora de Nazaré a Dom Fuas Roupinho no século XII; • · Tempo psicológico – feed back: lembrança do naufrágio do barco, das sagas pelos igarapés como o compadre “de cachaça”.
  • 10. Lugar/Espaço • · Espaço físico: Largo da Sé (atual praça Dom Frei Caetano Brandão), catedral da Sé bairro da Cidade Velha, ruas do cortejo do círio, Largo de Nazaré (atual Praça Santuário), Basílica-Santuário de Nazaré, sacristia e garagem da Basílica, cadeia. • · Espaço psicológico: Baía do Marajó, Igarapé das Matas do Catauari.
  • 11. Estrutura da Narrativa • · Principais: • Narrador (com o nome subentendido “Miguel dos Santos Prazeres”); • Compadre “de cachaça”; • Compadre “que perdeu o filho. • · Secundários: • Mãe velha (genitora do narrador); • Beatas; • Comissário (policial); • Comadre (que perdeu o filho); • Filho (dos Compadres)
  • 12. Fragmento... Olhe compadre, nem quero lhe contar a triste sina deste meu barco-a-vela feito de tala de miriti. Eu trouxe ele, mas, foi pra colocar no Carro dos Milagres... Promessa feita e jurada ao pé da imagem de Nossa Senhora do Retiro na noite de lua cheia, três noites depois de medonho temporal.
  • 13. Fragmento... Tive que correr terra – o senhor pensa – pra cumprir dita promessa. E trazer com minhas próprias mãos, esta veleira copiada da finada canoa que o vento levou e a água reduziram a fanico na contra-costa da Baía de Marajó. Só este criado seu escapou são e salvo por obra e graça de Deus e Nossa Senhora de Nazaré. (...)
  • 14. Digressão Uma digressão (do latim digressĭo, ōnis) é o efeito de romper a continuidade de um discurso com uma mudança de tema intencionada. Pode ser uma reflexão da volta do passado, um flashback refletivo, por exemplo. Um flashback é uma volta no tempo, e uma quebra cronológica temporal, uma vez que não obedece uma ordem lógico e sequencial.
  • 15. Exemplo... Esse pano branco da rede da minha velha mãe era um pedaço da vela-mestra de uma canoa naufragada que meu finado irmão guardava num baú velho como lembrança de tanta luta pelo mar (...)
  • 16. As descrições O narrador-personagem descreve, de forma maravilhosa, os detalhes da procissão que está assistindo pela primeira vez, volta-se ao passado de suas lembranças para contar suas sagas de canoeiro no Igarapé da Mata do Catauari com o “Compadre”, um amigo que o acompanha no Círio e numa beberagem com cachaça de Abaeté, enquanto aguardam no nascer do dia a saída do Círio no Largo da Sé (atual Praça Dom Frei Caetano Brandão).
  • 17. OBS: • Ambientação Contexto social, histórico, religioso, familiar. • Enredo Linear e a-linear (intercalado com memórias, feed backs) • Foco-narrativo Narrador em primeira pessoa • Discurso Direto e indireto livre • Clímax Reencontro do filho (dos compadres) embriagado, o qual diziam que estava morto e o mesmo que soltou os balões coloridos que se engataram na promessa do Miguel.
  • 18. O personagem-narrador (Miguel) descreve, de forma maravilhosa, os detalhes da procissão que está assistindo pela primeira vez, volta-se ao passado de suas lembranças para contar suas sagas de canoeiro no Igarapé da Mata do Catauari com o Compadre, um amigo que o acompanha no Círio e numa beberagem com cachaça de Abaeté, enquanto aguardam no nascer do dia a saída do Círio no Largo da Sé (atual Praça Dom Frei Caetano Brandão).
  • 19. Praça Dom Frei Caetano Brandão
  • 20. Referências bibliográficas • http://llfeioleituras.blogspot.com.br/2012/05/carro-dosmilagres-de-benedicto.html • http://www.skoob.com.br/livro/89968 • http://vestibularnopara.com.br/leituras-recomendadas-ocarro-de-milagres-de-benedicto-monteiro/