Xxx acordo ortográfico_generalidades

1.191 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Xxx acordo ortográfico_generalidades

  1. 1. A Reforma Ortográfica
  2. 2. Quantos e quais países falam português? A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) é composta por oito países: Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Timor Leste.
  3. 3. Quais as diferenças básicas da ortografia usada no Brasil e em Portugal? Ortografias oficiais: a do Brasil e de Portugal. A norma portuguesa é a que serve de referência para o ensino de Português em outros países. Portugal: •Egipto, objecto, •Indemnizar, facto •Económico (m/n = som aberto em sílaba tônica) •húmido
  4. 4. Por que é preciso padronizar o português? O português, segundo estudos, é a quinta língua mais falada no mundo – cerca de 210 milhões de pessoas – e tem duas grafias oficiais, o que dificulta o estabelecimento da língua como um dos idiomas oficiais da Organização das Nações Unidas (ONU) . A ortografia-padrão facilitará o intercâmbio cultural entre os países que falam português. Livros, inclusive os científicos, e materiais didáticos poderão circular livremente entre os países, sem necessidade de revisão, como já acontece em países que falam espanhol. Além disso, haverá padronização do ensino de português ao redor do mundo.
  5. 5. A unificação pode trazer benefícios para a economia dos países que falam português? Uma vez unificado, o português auxiliará a inserção dos países que falam a língua na comunidade das nações desenvolvidas, pois algumas publicações deixam de circular internacionalmente porque dependem de "versão". Um dos principais problemas que as novas regras vão acarretar, no entanto, será o custo da reimpressão de livros.
  6. 6. Quais foram as reformas na língua portuguesa anteriormente? Já foram feitos três acordos oficiais, aprovados pelos países falantes: o de 1943, o de 1971 e o que vai vigorar a partir de 2009.
  7. 7. O acordo para unificação foi proposto em 1990. Por que só foi aprovado agora? A principal causa da demora é a relutância de alguns países, como Portugal, em ratificar o acordo. Até julho de 2004, era preciso que todos os países membros da CPLP ratificassem as novas normas. Um acordo feito nessa data estabeleceu que bastaria a ratificação por parte de três países. Em 1995, o Brasil efetivou sua ratificação, seguido de Cabo Verde, em fevereiro de 2006, e São Tomé e Príncipe, em dezembro. Portugal ainda precisa adaptar sua legislação às novas regras. Enquanto as mudanças afetarão 0,45% das palavras brasileiras, Portugal sofrerá alterações em 1,6% de seu vocabulário.
  8. 8. •Esse Acordo é meramente ortográfico; portanto, restringe-se à língua escrita, não afetando nenhum aspecto da língua falada. • Ele não elimina todas as diferenças ortográficas observadas nos países que têm a língua portuguesa como idioma oficial, mas é um passo em direção à pretendida unificação ortográfica desses países. • O documento oficial do Acordo não é claro em vários aspectos, (Douglas Tufano)
  9. 9. PREGUIÇA CÉTICA "Encaro com grande ceticismo esse acordo ortográfico. É uma reforma tímida, que não traz grandes inovações. Mas não gostei. Queria que meus tremas ficassem onde estão. Os escritores mais velhos e mais preguiçosos têm de confiar no pessoal da editoração para fazer as mudanças necessárias no texto." João Ubaldo Ribeiro, escritor, autor de Sargento Getúlio e Viva o Povo Brasileiro
  10. 10. MUDANÇA TÍMIDA "Do ponto de vista político, a unificação ortográfica é importante. Implica numa maior difusão da língua portuguesa nos seus textos escritos. Mas a reforma poderia ter avançado mais e de forma mais inteligente na racionalização dos acentos e do hífen. As regras ainda são pouco acessíveis para o homem comum." Evanildo Bechara, gramático, membro da Academia Brasileira de Letras
  11. 11. SIMPLES E CIVILIZADA "A unificação já devia ter ocorrido antes. É uma medida civilizada. A diferença na escrita dos países que falam português atrapalha o intercâmbio econômico e editorial. Como toda reforma, essa proposta tem suas falhas. Mas acho ótimo, por exemplo, o fim do trema. Sou a favor de tudo que vai no sentido da simplificação." Lya Luft, escritora, autora de Perdas & Ganhos e colunista de VEJA
  12. 12. “ É ridículo pensar que a mudança afetará os mercados de livros de língua portuguesa. O que determina o fechamento dos países lusófonos tem a ver com os custos de importação e com hábitos culturais. Ainda mais considerando que linguisticamente o que difere mais são a sintaxe e o vocabulário, não a ortografia.” Luciana Villas Boas – diretora editorial da Record
  13. 13. Várias entidades e pessoas se opõem à uniformização, pois o acordo modificará apenas 1,6% do vocabulário luso e 0,5% do vocabulário brasileiro. Evanildo Bechara- gramático – é contra por considerar o acordo incompleto. Cláudio Moreno – Dr. em Letras – só países ridículos fazem reformas ortográficas. Platão Savioli – sistema Anglo – reforminha tímida não mexe no essencial. Vai provocar a queima de milhões de livros. Mauro Salles – diretor instituto Houaiss – é uma necessidade e uma vergonha que ainda não tenha sido concretizado.
  14. 14. Não há unificação, considerando-se... Sentei-me cá com ela e ficamos a conversar.(Portugal) Me sentei aqui com ela e ficamos conversando.(Brasil) e... Golo (gol) guarda-fatos(guarda-roupa) Bicha(fila) cacete(fila de pão) Bica(bebedouro) Sem falar em: Irão, Nuremberga, Moscovo, Bagdade
  15. 15. Bibliografia 1. CARVALHO, Laís. Mudanças no Português do Brasil.Tabela elaborada a pedido da Editora Saraiva e Editora Atual. 2. LEME, Odilon Soares. Esclarecimentos sobre o novo Acordo ortográfico – Anglo: ciclo de eventos/2008 3. TUFANO, Douglas. Guia prático da nova ortografia. 4. Revista Língua Portuguesa.Ed. Segmento, nº 4, 6/2006; 18,20,21,22, 26,27/2007;28,30,34,35/2008. 5.Revista VEJA. Ed. Abril12/09/2007, pp. 88-96, 98-99. 6.www.veja.com.br,08/09/2007,20.30h.

×