1
Índice Geral
Manual Instalação, Manutenção e Operação..........................................................2
Treinam...
2
MANUAL DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E
OPERAÇÃO.
UNIDADE DE TRATAMENTO TÉRMICO RESISTIVO.
3
MANUAL INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO.
UNIDADE DE TRATAMENTO TÉRMICO RESISTIVO.
Índice
INTRODUÇÃO.......................
4
INTRODUÇÃO
O console de tratamento térmico CLGTHERM possuem controles de temperatura e ciclos distintos atuando
sobre ca...
5
Tipo de aquecimento: Elétrico
Temperatura máxima: 1.150° C
Temperatura máxima de trabalho: 1.050° C
Homogeneidade: (=/-)...
6
Cada circuito de tratamento térmico será controlado e monitorado por controladores e registradores de
temperatura, permi...
7
O ciclo térmico é selecionado a partir do programador instalado no console de tratamento térmico, caso os
parâmetros de ...
8
OBS.: O tempo de rampa (aquecimento ou resfriamento) é dado em horas e minutos, veja exemplo a seguir
para cálculo da ve...
9
PAINEL FRONTAL
Máquina de 12 canais
Máquina de 06 Canais
C504 C504 C504 C504 C504 C504
C50
4
C50
4
5
CT
M4
5
CT
M4
5
CT
...
10
Painel Traseiro
H – Ventoinha
LIGAÇAO RESISTÊNCIA
Conexões de saída de uso dos elementos de aquecimento 60/85V
+
Conect...
11
Os elementos de aquecimento 60/85V estão conectados, utilizando divisores onde necessário, em grupos de
um, dois ou trê...
12
TERMOPAR
É de extrema importância que a polaridade do termopar e a do cabo de compensação esteja conectada
corretamente...
13
Uma vez que a checagem de pré-condicionamento tenha sido satisfatoriamente concluída, o condutor de
suprimento e a cond...
14
IDENTIFICAÇÃO DE FALHAS
A localização de falhas deve ser sempre sistemática, começa com as falhas mais prováveis em pri...
15
Todas as peças enviadas, seja para substituir peças que estejam no período de garantia ou não, serão
faturadas nos preç...
16
TREINAMENTO
TRATAMENTO TÉRMICO EM JUNTAS SOLDADAS
17
1. DESCRIÇÃO
O Tratamento Térmico em metais é um conjunto de operações envolvendo aquecimento, tempo de
permanência em ...
18
-Remover o encruamento;
-Aliviar tenções internas;
- Homogeneizar;
O Tratamento de recozimento é o segundo mais utiliza...
19
O pré-aquecimento em metais com alta condutibilidade térmica, facilitam as operações de soldagem. Em
aços favorece a di...
20
Figura 2 – Tipos de Heaters utilizados na indústria
B)CONJUNTOS DE CABOS DE ENERGIA E TERMOPAR
Para a condução de energ...
21
Figura 4 – Cabo de compensação e termopar
C) TAU
A fixação dos termopares tipo K, será feita com a utilização de aparel...
22
D)FITA DE AÇO
A fita de aço com o selo é utilizada para fixação das resistências e da manta cerâmica nas juntas a serem...
23
3. MONTAGEM PARA REALIZAÇÃO DO TRATAMENTO TÉRMICO
A realização das montagens dos equipamentos de tratamento térmico con...
24
Taxa de resfriamento: 180°C
Espessura da junta a ser tratada: 35mm
Como saber qual será a quantidade de horas necessári...
25
Logo, após estes cálculos, temos os valores necessários para que possamos alimentar de informações o
equipamento de tra...
26
7. PARÂMETROS PARA EXECUÇÃO DO TRATAMENTO TÉRMICO
Para executarmos a programação do tratamento térmico devemos usar os ...
27
9. REGISTRADOR GRÁFICO PHE-9
Figura 11- Registrador Gráfico PHE-9
O registrador gráfico de 6 canais PHE-9 é indicado pa...
28
Record: Função para alterar as configurações se confirmar.
Antes de iniciar o registro gráfico no PHE-9 é necessário fa...
29
30” x 25,4 = 762mm x 3,14 = 2.392mm = 3 termopares
Tubo na vertical, continuamos usando =3 termopares
Com a mesma espes...
30
DADOS CONSTRUTIVOS
31
CABO EXTENSÃO FLEXIVEL TIPO “K” PVC x PVC BITOLA 2x24
AWG E CONECTOR COMPENSADO TIPO “K”
1 – CARACTERISTICAS TÉCNICAS
A...
32
A. Reunião do par:
Composto de dois cabos paralelos (positivo e negativo) individualmente isolados
B. Cobertura:
Consti...
33
BARRA CHATA COBRE MD 1.1/4”x 1/4
34
MAQUINA DE SOLDA TERMOPAR – T.A.U
Características do produto
Referência: TAU
Categoria: Acessórios
Este aparelho permit...
35
CABO DE SOLDA
Características do produto
Referência: 25mm
Categoria: Acessórios
Condutor extra-flexível: formado por fi...
36
CONECTOR DE PAINEL
Características do produto
Referência: Conector de Painel
Categoria: Acessórios
Condutor extra-flexí...
37
REGISTRADOR GRÁFICO PHE9
Características do produto
Referência: PHE
Categoria: Acessórios
Os registradores PHE 1 e PHE ...
38
RESISTÊNCIA ELÉTRICA CERÂMICA
Características do produto
Referência: Resistência Elétrica de Cerâmica
Categoria: Resist...
39
MANTA FIBRA CERÂMICA
Características do produto
Referência: Manta Fibra Cerâmica
Categoria: Acessórios
Consiste em mate...
40
FITAS DE AÇO
Características do produto
Referência: Fitas de Aço
Categoria: Aparelhos e Fitas de Arquear
SELOS VR AÇO
C...
41
APARELHO ESTICADOR E SELADOR EM VOLUME
CILÍNDRICO
Características do produto
Referência: Selos VR Aço
Categoria: Aparel...
42
RESISTÊNCIA FLEXÍVEL DE CERÂMICA
Características do produto
Referência: Resistência Flexível de Cerâmica
Categoria: Res...
43
CONTATORA SW200
Características do Produto
Referência: Contatora SW200
Categoria: Acessório
O modelo SW200 Curtis / Alb...
44
CONTROLADORES DE TEMPERATURA E PROCESSOS
Características do produto
Referência: Série Desempenho
Categoria: Acessórios
...
45
TRANSFORMADOR ISOLADOR TRIFÁSICO
Característica do Produto
Referência: Transformador Isolador Trifásico
Catagoria: Aces...
46
Transformador 75 KVA
Classe Térmica Isol. F/ Classe de Isol. 0,6 KV
47
Transformador 100 KVA
Classe Térmica Isol F/.0,6 KV
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manual realtherm

508 visualizações

Publicada em

Instrução

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual realtherm

  1. 1. 1 Índice Geral Manual Instalação, Manutenção e Operação..........................................................2 Treinamento Tratamento Térmico em Juntas Soldadas........................................15 Dados Construtivos...............................................................................................30
  2. 2. 2 MANUAL DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO. UNIDADE DE TRATAMENTO TÉRMICO RESISTIVO.
  3. 3. 3 MANUAL INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO. UNIDADE DE TRATAMENTO TÉRMICO RESISTIVO. Índice INTRODUÇÃO................................................................................................................................................................................. 4 CARACTERISTICAS...................................................................................................................................................................... 4 ITENS NECESSARISO PARA MONTAGEM E UTILIZAÇÃO DA CLG THERM 100 KVA 12 CANAIS/ CLG THERM 75 KVA 06 CANAIS. ........................................................................................................................................................................ 5 ESPECIFICAÇÕES ......................................................................................................................................................................... 5 CONTATORAS ................................................................................................................................................................................ 6 CONTROLADORES E PROGRAMADORES DE TEMPERATURA....................................................................................... 6 CALIBRAÇÃO E AFERIÇÃO ....................................................................................................................................................... 8 LIGAÇAO RESISTENCIA ........................................................................................................................................................... 10 TERMOPAR ................................................................................................................................................................................... 12 CHECAGEM E PRÉ-CONDICIONAMENTO E INSTALAÇÃO............................................................................................ 12 MANUTENÇÃO............................................................................................................................................................................. 13 IDENTIFICAÇÃO DE FALHAS.................................................................................................................................................. 14 GARANTIA..................................................................................................................................................................................... 14
  4. 4. 4 INTRODUÇÃO O console de tratamento térmico CLGTHERM possuem controles de temperatura e ciclos distintos atuando sobre cada canal de forma programada, saídas de aquecimento individuais, com controles de baixa tensão e alta corrente que regulam com precisão a temperatura da peça em tratamento. Controladores e indicadores de processos micro-processado modelo C504, entrada universal, saída universal, duplo display, saídas à relé para alarme, rampas e patamares, soft-start, auto-sintonia PID, velocidade de comunicação 9600 a 57600 bps, 48 x 48 mm, alimentação de 85-265 VAC/VCC, protocolo de comunicação Modbus RTU, com interface RS-485.Permite ao operador controlar de forma manual ou automática o processo de alívio de tensões e aquecimentos em geral.No programador de temperatura podem ser estabelecidas as temperaturas iniciais do ciclo a taxa de aquecimento em ºC/h, a temperatura e o tempo de patamar, taxa de resfriamento ºC/h e a temperatura final.Sistema refrigerador de ar reforçado, isolamento de núcleo tipo “H”, tipo seco, transformador adequado para uso em temperatura ambiente, não superior a 105ºC, enrolamento primário adequado para conexão a uma fonte de 60 Hz.Enrolamento secundário tipo “Y” (estrela) conectado, ponto neutro na base, que fornece segurança à voltagem da potência de aquecimento.A proteção contra excesso de temperatura do transformador é feita por termostatos embutidos nos enrolamentos do transformador.O interruptor de isolamento principal é um triplo 150/225A, disjuntor em caixa moldada num circuito com desvio para o transformador de proteção térmica.Tensão de Circuito secundário aberto: 65/85V (de fábrica) - Exclusivamente para uso com elementos de aquecimento 60/85V.Avaliação do ciclo de serviço: 100%, dois pontos de 110V, 10A auxiliares instalados padrão brasileiro. CARACTERISTICAS CLG THERM 75 KVA 06 CANAIS - Unidade de potência automática de aquecimento industrial Largura/altura/profundidade: 850 mm x 1460 mm x 750 mm Peso: 540 Kg Tipo de aquecimento: Elétrico Temperatura máxima: 1.150° C Temperatura máxima de trabalho: 1.050° C Homogeneidade: (=/-) 3° C Quantidade de canais: 06 Tensão de Alimentação: 220/380 e 440 V Tensão de comando: 220 V Pintura: Eletrostática Potencia 75kva Freqüência 60volts CLG THERM 100 KVA 12 CANAIS. - Unidade de potência automática de aquecimento industrial. Largura/altura/profundidade: 850 mm x 1460 mm x 750 mm Peso: 540 Kg
  5. 5. 5 Tipo de aquecimento: Elétrico Temperatura máxima: 1.150° C Temperatura máxima de trabalho: 1.050° C Homogeneidade: (=/-) 3° C Quantidade de canais: 06 Tensão de Alimentação: 380/440 V Tensão de comando: 220 V Pintura: Eletrostática Potencia 100kva Frequência 60volts ITENS NECESSARISO PARA MONTAGEM E UTILIZAÇÃO DA CLG THERM 100 KVA 12 CANAIS/ CLG THERM 75 KVA 06 CANAIS. EXTENÇÃO ELÉTRICA DUPLA 25 mm C/ CONECTORES M/F E ISOL. - 20MT EXTENSÃO CABO COMPENSAÇÃO AWG24 – CONECTOR TIPO K M/F – 20 MT CABO DIFUSOR TRIPLO 16 mm – 1,0 MT/ OU CABO DIFUSOR TRIPLO 16 mm – 1,5 MT MANTA FIBRA CERAMICA 96 kg/M³ 1260°C – “01” POL. – CAIXA - 4,65 MT MAQUINA DE SOLDA POR DESC. CAPACITIVA RECARREGAVEL 110/220 – TAU. FIO TERMOPAR TIPO K AWG20 ISOL. FIBRA REGISTRADOR GRAFICO OU DIGITAL DE TEMPERATURA ESPECIFICAÇÕES Os parâmetros que correspondem ao tratamento térmico pós-soldagem estão claramente definidos nos padrões apropriados. O sistema é plenamente capaz de alcançar e gravar corretamente as temperaturas específicas. As condições de aquecimento permitem temperaturas uniformes. Disposições especiais que controlam variações de temperatura fora de uma zona aquecida no aparelho a fim de minimizar o stress da máquina. A operação deve ser registrada e controlada dentro dos limites especificações do projeto. Este equipamento permite a execução automática de serviços de aquecimento térmico em geral, utilizando programadores/controladores micro-processados. A operação de tratamento térmico realizado através do CLG THERM utiliza-se resistências elétricas do tipo mantas resistivas, com potência de até 28 Watts área de polegada com baixa voltagem (80 V), atendendo as bandas de aquecimento estabelecidas pelo ASME B31. 03 última edição.
  6. 6. 6 Cada circuito de tratamento térmico será controlado e monitorado por controladores e registradores de temperatura, permitindo assim uma uniformidade de temperatura em toda a região tratada termicamente com um excelente rendimento térmico e elétrico. Os equipamentos CLG THERM fornecem um aquecimento direto por resistência. Neste processo o aquecimento é transferido na peça por radiação e convecção. As resistências elétricas altamente flexíveis de Alta Alumina, do tipo esteira ou mantas resistivas, atendem exigências do tratamento térmico de campo, conforme normas estabelecidas pelo ASME B31.3, ANSI, entre outras. Em contraste ao aquecimento indutivo ou condução, este processo permite que cada região da zona termicamente afetada, seja influenciada a qualquer tempo. O uso de termopares, alocados para cada grupo de resistência e equipamentos totalmente automáticos excluem a possibilidade de ocorrência de superaquecimento localizado os quais podem causar danos e transformações estruturais ao material. Cada canal de controle tem o seu próprio controlador de temperatura, o que requer um transdutor de termopar para controlar automaticamente a temperatura da peça de trabalho dentro dos limites estabelecidos. Emparelhados os soquetes termopar preparam-se, em cada canal, para receber um sinal mV do termopar da zona de controle quente, se necessário, para permitir uma conexão paralela a um registrador de temperatura. Os cabos de extensão termopar da peça de trabalho do programador são conectados às tomadas do termopar de entrada e, se necessário, ligados a um gravador de temperatura. O gravador pode ser alimentado a partir de uma fonte alimentação auxiliar de 110 v, localizado no painel traseiro da unidade de alimentação.A potência de saída para o aquecimento é por conexão através de cabos de alimentação e cabos de retorno à saída 60/854V e 0V nos soquetes de saída da câmara de bloqueio.Ao usar 100KVA, 60/85V, 12 vias (12 canais ou 12-output), no caso da máquina de 6 canais (substituir 12 por 6). É uma fonte de energia tanto para o pré-aquecimento ou pós-solda em tratamentos térmicos, os aquecedores cerâmicos são ligados em grupos de 1, 2 ou 3 por canal de controle (saída). Se houver mais de um aquecedor em um grupo de controle de aquecimento, os aquecedores no grupo de controle estão conectados juntos através de um dos canais de saída da fonte de energia (100KVA).Os equipamentos CLG THERM possuem 02 modos de operação: - OFF e PROGRAMADO. CONTATORAS Os contatores são adequadamente dimensionados para correntes em todas as cargas permissíveis. São resistentes a solda, duráveis e tem excelente condutividade. Os contatores são de tamanho compacto e totalmente aproveitável, com uma gama de peças disponíveis. CONTROLADORES E PROGRAMADORES DE TEMPERATURA Quando estiver no modo programador, o programa controlador de temperatura é inscrita por meio de três botões. O controlador de temperatura ira, através dos contatores, controlar os elementos de aquecimento e manter a temperatura do termopar, de acordo com os que foram definidos. Programador de temperatura que permite controlar automaticamente ciclo térmico com até quatro patamares. Este aparelho é dotado de memória não volátil, que assegura a retenção dos parâmetros e programas na falta de energia. O ciclo térmico é selecionado a partir do programador instalado no console de tratamento térmico, caso os parâmetros de tratamento térmico especificado pelo cliente seja diferente dos preconizados pelas normas, estes programas podem ser alterados temporariamente para atendimento das especificações do cliente.
  7. 7. 7 O ciclo térmico é selecionado a partir do programador instalado no console de tratamento térmico, caso os parâmetros de tratamento térmico especificado pelo cliente seja diferente dos preconizados pelas normas, estes programas podem ser alterados temporariamente para atendimento das especificações do cliente. O mesmo sinal que é recebido pelo programador é retransmitido para o registrador gráfico por meio de cabos de extensão da mesma liga do termopar, onde serão registrados e documentados através de impressões por carta gráfica exemplos; temperaturas, pontos de registros, tipo, tempo etc., durante todo o ciclo térmico realizado. LEITURA (PV) SET-POINT OU VALOR DO PARÂMETRO SELEÇÃO OU AJUSTE DO PARÂMETRO ENTRA OU SAI DO PARÂMETRO SELECIONADO SELEÇÃO DOS BLOCOS DE CONFIGURAÇÃO SO PG AT FUNÇÃO AUTO SINTONIA ACIONADA PROGRAMA EM EXECUÇÃO LINHA DOIS INDICANDO SET-POINT LEITURA (PV) SET-POINT OU VALOR DO PARÂMETRO SELEÇÃO OU AJUSTE DO PARÂMETRO ENTRA OU SAI DO PARÂMETRO SELECIONADO SELEÇÃO DOS BLOCOS DE CONFIGURAÇÃO SO PG AT FUNÇÃO AUTO SINTONIA ACIONADA PROGRAMA EM EXECUÇÃO LINHA DOIS INDICANDO SET-POINT
  8. 8. 8 OBS.: O tempo de rampa (aquecimento ou resfriamento) é dado em horas e minutos, veja exemplo a seguir para cálculo da velocidade: Exemplo: Velocidade de subida = 100ºC/h Temperatura de patamar = 670ºC Tempo de patamar = 1 h Velocidade de resfriamento = 120ºC/h Registro a partir de 300ºC TM2r = 670 – 300 = 3.7h 100 Portanto sabemos que temos 3 horas inteiras, e mais 0.7h. Para converter os números após vírgula para horas, multiplique o valor decimal encontrado, neste caso 0.7h, por 60 (minutos). Logo você terá o valor real de 42 minutos. CALIBRAÇÃO E AFERIÇÃO A Real Therm garantira a seus clientes certificados de aferição e calibração, de toda a instrumentação bem como a potencia do transformador de corrente. Após o término das calibrações, serão emitidos certificados rastreados e compatíveis com as normas ISO-9000 e ISO IEC 17025 em temperatura sob o n° 224. Todos os controladores de processos, aquisitores de dados e sensores, poderão ser calibrados em 05 pontos (10, 30, 50, 70 e 90% da escala).
  9. 9. 9 PAINEL FRONTAL Máquina de 12 canais Máquina de 06 Canais C504 C504 C504 C504 C504 C504 C50 4 C50 4 5 CT M4 5 CT M4 5 CT M4 5 CT M4 5 CT M4 5 CT M4 5 CT M4 5 CT M4 5 CT M4 5 CT M4 5 A – Led indicador B – Botão On/Off C – Controlador de Temperatura D – Porta Fusível E – Conector Tipo K Fêmea F – Cabo de Solda Fêmea
  10. 10. 10 Painel Traseiro H – Ventoinha LIGAÇAO RESISTÊNCIA Conexões de saída de uso dos elementos de aquecimento 60/85V + Conector Latão Macho 300A Conector de painel Cabo de Alimentação
  11. 11. 11 Os elementos de aquecimento 60/85V estão conectados, utilizando divisores onde necessário, em grupos de um, dois ou três aquecedores. Os grupos de aquecedores são ligados à fonte de energia de 60/85V e 0V nas tomadas de saída em cada canal.O controle de termopar para cada grupo de aquecedores está conectado a um cabo de compensação, que é conectado a uma tomada de entrada termopar na fonte de alimentação, controlador de temperatura ou programadorunidade. O termopar conectado a um canal de entrada com um canal de saída de fornecimento das câmaras. Se um registrador de temperatura está sendo usado para registrar o pré-aquecimento, em seguida, um cabo de compensação termopar será conectado a partir do segundo de cada par de entradas de tomada termopar na fonte de alimentação, o controlador de temperatura ou unidade programador à tomada corresspondente ao termopar de entrada no registrador de temperatura. Ligar o termopar do canal um de entrada em uma fonte de alimentação, e ocontrolador de temperatura ou unidade programador termopar de entrada do canal um no mapa de temperatura gravador.Ligue uma fonte de 110V, a partir de uma saída 110V auxiliar na fonte de alimentação, para qualquer gravadores, controladores de temperatura separados ou unidades do programador em uso. 60/85V 60/85V 60/85V 60/85V 60/85V
  12. 12. 12 TERMOPAR É de extrema importância que a polaridade do termopar e a do cabo de compensação esteja conectada corretamente, a inversão de polaridade pode resultar em leitura negativa da peça durante o tratamento Térmico. Os dois plugues de pino polarizado e soquetes são identificados possuem a seguinte identificação: Positivo / negativo, com o pino negativo grande. Use sempre os conectores especiais para circuitos de termopar tipo K', tipo fio de termopar, é normalmente fornecido pela Real Therm, tem como características um padrão de par trançado com um fio de cor vermelha(-), e um fio de cor amarela (+). Cuidados: Para evitar danos graves no controle eletrônico de temperatura e gravação de instrumentos, os termopares devem ser desconectados da unidade, enquanto está sendo usada uma unidade de descarga da capacidade ideal para fixar o fio termopar à peça. CHECAGEM E PRÉ-CONDICIONAMENTO E INSTALAÇÃO. IMPORTANTE: O transformador principal tem de estar na voltagem correta para o funcionamento adequado do equipamento. É necessário que o pré-condicionamento fique a cargo de um profissional elétrico apto.Condições de funcionamento do transformador.Com os painéis removidos, verifique se todas as conexões estão firmes, com a vibração durante o transporte pode ser que haja algum afrouxamento, que resultará no superaquecimento e falha da máquina em serviço.Verifique se os botões, enrolamentos e transformadores estão secos. A instalação e condicionamento da fonte devem ficar a cargo de um profissional elétrico apto. Aviso: Para evitar o contato com tensões perigosas dentro da fonte, que pode resultar em choques elétricos ou queimaduras, nunca realizar qualquer ajuste no interior da Unidade de Fonte de energia até que a unidade tenha sido isolada da fonte de entrada. Este equipamento possui fonte de energia projetada para uso em praticamente todo tipo de ambiente, no entanto, como o uso em canteiros de obras expõe equipamentos elétricos, a danos causados por queda de objetos e movimento geral de estruturas de aço no local, é preferível colocar a fonte de energia em um local protegido. Também proteger o equipamento de condições climáticas adversas, no caso dos efeitos diretos do Sol. O superaquecimento pode resultar em queda da carga de funcionamento normal. Verificar a alimentação de entrada para tensão correta entre as fases e, se necessário, ajustar as gravações no transformador da Fonte de energia para se adequarem. O aterramento da fonte de alimentação deve ser realizado de acordo com as exigências ABNT.Garantir que os fusíveis adequados HRC ou excesso de corrente do disjuntor, em seu ponto de distribuição de abastecimento, protejam o condutor de serviço e a fonte de alimentação.
  13. 13. 13 Uma vez que a checagem de pré-condicionamento tenha sido satisfatoriamente concluída, o condutor de suprimento e a condutora terra foram ligados e os painéis foram substituídos, o suprimento de entrada pode ser energizado. A unidade de fonte de alimentação pode ser energizada ao ligar o disjuntor de 150A na posição ON. Programe controlador de temperatura para que esta esteja definida numa temperatura acima da do ar ambiente (por exemplo, 100 ˚ C).Após a conclusão dos procedimentos anteriores, desligue a Unidade de Fonte de energia desligando o disjuntor (150A). AVISO: Não remova o plugue ou tente fazer uma conexão com fio rígido numa caixa de conexão, placa fusível ou gerador, etc, a menos seja com funcionários treinados, qualificados e autorizados a fazer. Tomar as devidas precauções ao medir os valores de voltagem. Energise a Unidade de Fonte de energia usando o disjuntor de 150/225ALigue todos os controladores ON. Definir todos os controladores para o modo de controle programável.Mudar o que for necessário para o controle de modo único.Entre em programas nos controladores de temperatura.Os controladores temperatura irão energizar os contatores, como necessário, para aplicar a potência de aquecimento suficiente a cada zona de aquecedores, para atingir e manter a temperatura. MANUTENÇÃO Aviso: Para evitar o contato com tensões perigosas dentro da Fonte, que pode resultar em choques elétricos ou queimaduras, nunca realizar qualquer ajuste no interior da Unidade de Fonte de energia até que a unidade tenha sido isolada da fonte de entrada. Todos os aparelhos elétricos que estiverem em uso constante, sujeitos a cargas cíclicas, devem receber regularmente inspeção de manutenção a fim de manter uma operação sem problemas. A freqüência de inspeção dependerá das condições de funcionamento e da duração de tempo que o equipamento estiver em uso. Em condições médias, as inspeções devem ser feitas todos os meses, para garantir que os componentes estejam funcionando corretamente, os contatos estão em boas condições, tomadas de câmara de bloqueio livres dos efeitos do superaquecimento, pelo bloqueio indevido das velas e que não há nenhum sinal visível de uma falha em desenvolvimento. Tensões inadequadas aos conectores montados no aquecimento podem resultar em dificuldades de serviço durante o trabalho de tratamento térmico. Os contatos devem ser renovados antes que se tornem excessivamente desgastados e as molas substituídas.
  14. 14. 14 IDENTIFICAÇÃO DE FALHAS A localização de falhas deve ser sempre sistemática, começa com as falhas mais prováveis em primeiro lugar, como um fusível queimado. Uma inspeção visual deve ser feita sempre para verificar alguma desconexão óbvia, componentes quebrados ou superaquecidos são visíveis. Sempre verificar a razão da falha e verificar se uma falha semelhante não esteja se desenvolvendo em outras unidades. Alguns sintomas de possíveis falhas e soluções são detalhados abaixo. Aumento transitório no interruptor de fechamento. Repetir Operação. Transformador pode estar causando superaquecimento térmico. Solução: Deixe esfriar e verifique a ponta de carga para operar corretamente. Circuito baixo entre os secundários. Remover saídas de baixo circuito, se necessário as saídas terra também. Falha da Fonte Principal. Solução: Verifique se a voltagem correta em cada tomada está disponível. Cheque se há conexões soltas. Controlador de temperatura com defeito. Solução: Antes de comprovar o defeito de um controlador, é aconselhável verificar os circuitos associados, como segue: Termopar não do tipo K, ou cabo de compensação sendo usados errado. Termopar não corretamente aplicado à peça de trabalho. Verifique todas as conexões de termopar, continuidade e polaridade. Verifique a calibração do controlador. GARANTIA Nossas unidades são identificadas por número de modelo e número de série. Quando o equipamento é instalado e utilizado corretamente, terá garantia completa de todas as peças por um período de doze meses, a contar da data de envio, contra defeitos de material e mão de obra. Fornecimento de peças novas para qualquer defeito encontrado. Não serão assegurados danos ou encargos de trabalho ou despesas durante os reparos. Quaisquer unidades ou peças devolvidas a nossa fábrica (ou de outra maneira direcionada) devem ser enviadas por frete pago. Cabos de aquecimento e conexões, elementos de aquecimento e outros acessórios que fazem parte do nosso fornecimento estão sujeitos a três meses de garantia apenas.
  15. 15. 15 Todas as peças enviadas, seja para substituir peças que estejam no período de garantia ou não, serão faturadas nos preços de fábrica. As peças substituídas devem ser devolvidas à nossa fábrica, com frete pago, para o nosso exame. O crédito da análise será dado pela fábrica, que indicará a falha, erro, defeito, de material ou falha de fabricação que ocorram durante o período de garantia. Nenhuma consideração de garantia será dada nas peças que mostrarem evidências de adulteração ou desmontagem.
  16. 16. 16 TREINAMENTO TRATAMENTO TÉRMICO EM JUNTAS SOLDADAS
  17. 17. 17 1. DESCRIÇÃO O Tratamento Térmico em metais é um conjunto de operações envolvendo aquecimento, tempo de permanência em determinadas temperaturas e resfriamento sob condições controladas,com o objetivo de melhorar as suas propriedades ou conferir-lhes características pré- determinadas. 1.1 Tipo de Tratamento Térmico Os principais Tratamentos Térmicos , ilustrado na Figura 1, associados às operações de soldagem são: - Recozimento; - Normalização; -Têmpera; - Revenimento; - Solubilização; - Alivio de Tensões; - Pré-aquecimento; - Pós- aquecimento A) RECOZIMENTO Consiste no aquecimento da peça até uma temperatura onde haja recristalização e/ou a transformação em uma nova fase. Para os aços, a permanência na temperatura de patamar durante um determinado tempo seria para homogeneizar a austenita (*), seguido de resfriamento lento, geralmente no próprio forno. Os principais objetivos a serem alcançados pós este tratamento são: -Reduzir a dureza do metal; - Melhorar a usinabilidade
  18. 18. 18 -Remover o encruamento; -Aliviar tenções internas; - Homogeneizar; O Tratamento de recozimento é o segundo mais utilizado dentre os tratamentos térmicos apresentados. B) NORMALIZAÇÃO É um tratamento para aços que consiste em aquecimento a uma temperatura um pouco acima da austenização(**), e resfriamento em ar, com o intuito de refinar o grão , aumentando sua resistência mecânica. C) REVENIMENTO É um tratamento para aços que consiste no aquecimento da peça com temperaturas entre 450 a 750° C, permanecendo no forno com períodos de 30 minutos a 4 horas, seguindo de resfriamento controlado. O revenimento é um tratamento térmico aplicado a peças nas quais tenham sido produzidos microestruturaismartensíticas (***), quando se deseja alcançar os seguintes objetivos: - Aliviar tensões internas; - Aumentar a tenacidade (diminuir a fragilidade) Em algumas ligas de alumínio faz-se um envelhecimento, com temperaturas de 100 a 200°C, usado para restaurar a ZTA aumentando a resistência mecânica, que foi afetada pela solda deixando a região menos dura. D) SOLUBILIZAÇÃO É um tratamento térmico que faz uma solução no estado sólido de elementos que anteriormente estavam precipitados, seguido de resfriamento rápido, o suficiente para reter na matriz os elementos na solução, antes precipitados. E) TEMPÊRA Consiste no aquecimento da peça até uma determinada temperatura, para austenitização do aço, permanência nesta temperatura durante um determinado tempo para homogeneização da austenita, seguido de resfriamento rápido. São os seguintes os objetivos da têmpera: -Endurecer -Aumentar a resistência mecânica; -Aumentar a resistência ao desgaste; -Aumentar a resistência ao escoamento. A peça temperada fica muito frágil, sendo necessária, obrigatoriamente, a aplicação do revenido após a têmpera. Esse conjunto de operações, Têmpera e Revenimento dá-se o nome de Beneficiamento. F) PRÉ-AQUECIMENTO Apesar de seruma fonte de calor adicional introduzida na peça, quando se executa uma soldagem, muitos não consideram como um Tratamento Térmico. O aquecimento pode muitas vezes ser feito em uma faixa que varia de 6 a 12 vezes a espessura da peça, o aquecimento pode ser obtido por vários métodos descritos no item4, o pré aquecimento tem como objetivo de diminuir a velocidade de resfriamento de uma junta soldada, diminuindo tensões residuais, comentada no item seguinte.
  19. 19. 19 O pré-aquecimento em metais com alta condutibilidade térmica, facilitam as operações de soldagem. Em aços favorece a difusão do hidrogênio, reduz a ocorrência de ZTA com altos níveis de dureza. Os principais parâmetros para especificar um pré-aquecimento são: - A espessura da peça; - Natureza composição química e condições metalúrgicas do metal; - O nível de restrição a que a junta está sendo submetida; - O processo de soldagem e seu aporte de energia são variáveis importantes. G) PÓS-AQUECIMENTO A principal utilização do pós-aquecimento, é a eliminação de hidrogênio induzido por processos de soldagem, aplicados em aços ao Carbono e Baixa Liga. Consiste em aquecer a junta soldada em temperaturas na ordem de 250 a 400°C por 1 a 4 horas, imediatamente após a soldagem, aproveitando o pré- aquecimento. As temperaturas e os tempos são diretamente proporcionais à quantidade de liga do material e da espessura. Na maioria dos casos este aquecimento não provoca alivio de tensões , salvo em materiais onde sofreram tempera ou são suscetíveis a ela, o pós aquecimento pode influenciar em uma diminuição da dureza, casos as temperaturas e os patamares de revenimento do material fiquem próximas as do pós-aquecimento. H) ALIVIO DE TENSÕES O tratamento térmico de alívio de tensões, é o mais empregado de todos os estudados do assunto, e será tratado mais profundamente, nos capítulos a seguir. Este tratamento para aços envolve aquecimento abaixo da temperatura crítica de transformação, permanecendo por um período de tempo geralmente proporcional a espessura seguido de resfriamento lento, permitindo desta forma reduzir as tensões prejudiciais um limite mínimo e aceitável, provocados pelas operações de soldagem, ou mesmo de conformação. Não confundir a operação de alívio de tensões com tratamento de recozimento, onde as temperaturas são bem mais elevadas, acima da temperatura crítica de transformação do material, mas quetambém reduzem as tensões internas. Os benefícios maioresdo alivio de tensões são: -Aumentar a ductilidade; -Diminuir a dureza; -Melhorar as condições metalúrgicas da ZTA. O alívio de tensão depende fundamentalmente da temperatura e do tempo de permanência, também deve-se levar em consideração a resistência mecânica e a composição química. 2. MATERIAIS UTILIZADOS PARA PRÉ/ PÓS-AQUECIMENTO E TRATAMENTO TERMICO A) RESISTÊNCIA ELÉTRICA As resistências elétricas no modelo “Heaters” são fabricadas com fio a base de cromo 20%, Níquel 80% e revestimento com pastilhas cerâmicas a base de alto teor de Alumina. Sua Flexibilidade e sua forma facilitam a montagem e adequação ao perfil da peça, transmitindo calor de forma homogênea.
  20. 20. 20 Figura 2 – Tipos de Heaters utilizados na indústria B)CONJUNTOS DE CABOS DE ENERGIA E TERMOPAR Para a condução de energia são utilizados cabos, com espessura de 35 mm² de 15 a 30 metros de extensão. Em suas extremidades estão presentes terminais de encaixe para a ligação com resistências e para ligação a unidade de tratamento térmico (máquina). Ver figura 3 Montado em conjunto com os cabos de energia,está o cabo de extensão de termopares do tipo K (cromel/Alumel). Figura 3 -Cabo de energia e rabicho
  21. 21. 21 Figura 4 – Cabo de compensação e termopar C) TAU A fixação dos termopares tipo K, será feita com a utilização de aparelho de descarga capacitiva, ou Tau (ThermocoupleAttachment Unit), onde a penetração na chapa é mínima, de apenas 0,20mm e a Zona Termicamente Afetada (ZTA) é de 0,30mm não causando qualquer dano à peça a ser tratada. Ver figura 5 Figura 5 – Tau (ThermocoupleAttachment Unit)
  22. 22. 22 D)FITA DE AÇO A fita de aço com o selo é utilizada para fixação das resistências e da manta cerâmica nas juntas a serem tratadas termicamente. Ver figura 6 e 7 Figura 6 – Fita de Aço Figura 7 - Selos E)FIBRA CERÂMICA (MANTA) A fibra cerâmica (manta) é um material de isolamento térmico que dificulta a dissipação de calor, usado nas montagens de tratamento térmico pela sua alta resistência térmica. Estabelece uma barreira à passagem do calor entre os dois meios que naturalmente tenderiam rapidamente a igualarem suas temperaturas. Ver figura 8. Figura 8 – Manta de Fibra Cerâmica
  23. 23. 23 3. MONTAGEM PARA REALIZAÇÃO DO TRATAMENTO TÉRMICO A realização das montagens dos equipamentos de tratamento térmico consiste basicamente no seguinte: A) INSTALAÇÃO AS RESISTÊNCIAS Envolver o tubo com a quantidade de resistências necessárias e suficientes para o aquecimento do conjunto a ser tratado e prendê-las com a fita de aço e selo. Obs.: Um item importante a ser observado é que são permitidos até no máximo a utilização de 03 (três) conjuntos de resistências por cada canal (termopar) da máquina de tratamento. B) POSICIONAR E FIXAR OS TERMOPARES O termopar a ser fixado por descarga capacitiva deve ficar sempre posicionado de modo que uma solda s sobreponha a outra. C) POSICIONAR O ISOLAMENTO TÉRMICO Deverá se envolver toda estrutura a ser tratada (chapa ou tubo) com a fibra cerâmica, tomando o cuidado para que não se rompa os termopares e fixa-las com a fita de aço. D) CONECTAR OS CABOS DIFUSORES (RABICHOS) Conecte os cabos difusores (rabicho) nos terminais das resistências. Obs.: Observar se cada resistência esta conectada em cabos difusores (rabicho) diferentes. E) CONECTAR OS CABOS DE SOLDA Conectar os cabos de solda nos rabichos. Obs.: Observar que cada para de cabo difusor esteja ligado ao seu respectivo canal na unidade de tratamento térmico. F) CONECTAR OS CABOS DE COMPENSAÇÃO Conectar os cabos de compensação aos termopares assegurando que casa termopar esteja conectado ao seu respectivo canal na unidade de tratamento térmico. G) LIGAR O REGISTRADOR Conectar os cabos do registrador no seu respectivo canal na unidade de tratamento térmico. H) INICIAR O AQUECIMENTO Só inicie a operação de aquecimento após ter se assegurado de: -que todos os cabos estão ligados corretamente; -que não há risco de curto circuito entre os cabos; -que não há risco de chama; -identificar todas as juntas a serem tratadas. 4. CÁLCULO BÁSICO PARA TRATAMENTO TÉRMICO Sempre que o operador receber o procedimento de Tratamento Térmico, é necessário primeiro que sejam feitos alguns cálculos antes do inicio dos serviços. Exemplo: Temperatura de controle: 300°C Taxa de aquecimento: 150°C Temperatura de Patamar: 593°C a 650°C(1 hora mínimo)
  24. 24. 24 Taxa de resfriamento: 180°C Espessura da junta a ser tratada: 35mm Como saber qual será a quantidade de horas necessárias para a realização correta do tratamento e não reprovar o gráfico ou danificar o material? Resposta: 1º passo: Descobrir a temperatura de patamar Usa-se a temperatura média entre a máxima e mínima expressa no procedimento de soldagem (IEIS) Ex.: A temperatura média entre 593° e 650° está em torno de 621°C. Esta é considerada uma temperatura segura uma vez que permite certa variação no aumento ou diminuição da temperatura,sem que esta fique fora da faixa estabelecida pela IEIS. 2º passo: Calcular o tempo de patamar O tempo em que a peça deve permanecer em temperatura de tratamento se dá pela multiplicação deve permanecer em temperatura detratamento se dá pela multiplicação da espessura da peça em mm, por 2,4 minutos. Ex.:Espessura: 35mm 35mm x 2,4 = 84 minutos (1h=60 minutos) O tempo mínimo em que a peça deve permanecer na temperatura de patamar é de 1 hora e 24 minutos. Esse é o valor a ser inserido na controladora no parâmetro t2 Obs.: Atentar sempre para o valor de tempo mínimo informado na IEIS. 3º passo: Calcular a Taxa de aquecimento Devemos pagar o valor encontrado para a temperatura de patamar e dividir pela taxa de aquecimento fornecida na IEIS. Vamos assim obter a quantidade de minutos necessários a ser inseridos na controladora no parâmetro t1 Ex.: 621°C / 150°C = 4,14 Obs.: Para saber a quantidade de minutos representados pelas casa decimais é necessário multiplica-la por 60. Ex.: 60 x .14 = 8,4 (encontramos aproximadamente 8 minutos e meio que arredondando-se para cima chegarmos a um valor de 9 minutos). Sendo assim o tempo necessário a ser informado ao equipamento para que obtenhamos a taxa de aquecimento mínimo será de 4 horas e 9 minutos. 4º passo: Calcular a taxa de resfriamento Devemos pegar o valor encontrado para a temperatura de patamar e dividir pela taxa de resfriamento fornecida na IEIS. Vamos assim obter a quantidade de minutos necessários a ser inseridos na controladora no parâmetro t3 Ex.: 621°C / 180°C = 3,45 Obs.: Para saber a quantidade de minutos representados pelas casas decimais é necessário multiplica-la por 60. Ex.: 60 x 45 = 27 Sendo assim o tempo necessário a ser informado ao equipamentos para que obtenhamos a taxa de resfriamento mínimo será de 3 horas e 27 minutos.
  25. 25. 25 Logo, após estes cálculos, temos os valores necessários para que possamos alimentar de informações o equipamento de tratamento térmico e iniciar os serviços. O procedimento que iremos usar no tratamento térmico exemplificado será: Taxa de aquecimento – 4 horas e 9 minutos; Temperatura do patamar - 621°C e 1 hora e 24 minutos de tempo de patamar Taxa de resfriamento – 3 horas e 27 minutos 5. PARÂMENTROS USADOS NAS CONTROLADORAS DE TRATAMENTO TÉRMICO C505 E C504 SP = 0 T-1 = taxa de aquecimento SP-1 = temperatura do patamar T-2 = tempo de patamar SP-2 = temperatura do patamar T-3 = taxa de resfriamento SP-3 = 0 END = término da programação Obs.: Lembrando que os símbolos SP-0, SP-1,SP-2, e SP-3 significam TEMPERATURA, e os símbolos T- 1, T-2 e T-3 significa TEMPO. Seguindo os valores encontrados no exemplo calculando temos: SP-0 = valor 0 zero T-1 = 4 horas e 9 minutos SP-1 = 621°C graus T-2 = 1 hora e 24 minutos SP-2 = 621°C graus T-3 = 3 horas e 27 minutos SP-3 = valor 0 zero END = término da programação 6. CONTROLADORA CONTEMP – MODELOS C504 E C505 As controladoras micro processadas C504 e C505 são controladoras da série DESEMPENHO. Possuem entrada analógica universal configurável para medição de diversos sensores de temperatura e outras grandezas elétricas, além de contar com programas de rampas e patamares e função soft-start. Os algoritmos de controle PID + Sintonia Automática são integrados para obtenção de alta precisão no controle. Saídas configuráveis permitem controlar e monitorar os mais variados tipos de processos equipamentos. Possuem display de dígitos grandes e de alto brilho, o que facilita a leitura e interpretação das sinalizações, além de proteção dos contatos de acordo com a norma NR10. São utilizados para controle dos mais variados processos de temperatura, pressão, umidade, entre outros.
  26. 26. 26 7. PARÂMETROS PARA EXECUÇÃO DO TRATAMENTO TÉRMICO Para executarmos a programação do tratamento térmico devemos usar os seguintes parâmetros: 1-Segurar (estrela) por três segundos para entrar na configuração PROG (programa) 2- Aperte a (seta para baixo) duas vezes e aparecerá N SGque significa números de rampas, para tratamento térmico, confirma (seta lado) para entrar na configuração, NSG-03que equivalem a três rampas(subidas, patamar e descida). Aperte confirma (seta) para entrar na configuração e coloque o valor necessário e para sair confirma (seta) novamente e assim deverá ser feito em todos os parâmetros. 3- Aperte a (seta para baixo) duas vezes e aparecerá SP0 que significa temperatura de controle. 4-Aperte a (seta para baixo) e aparecerá T-1 que significa tempo de subida (taxa aquecimento). 5- Aperte a (seta para baixo) e aparecerá SP-1 que significa temperatura do patamar. 6- Aperte a (seta para baixo) e aparecerá T-2que significa tempo do patamar. 7- Aperte a (seta para baixo) e aparecerá SP-2que significa temperatura do patamar. 8-Aperte a (seta para baixo) e aparecerá T-3que significa tempo de descida (taxa de resfriamento). 9-Aperte a (seta para baixo) e aparecerá SP-3que significa temperatura de descida (resfriamento). 10- Aperte a (seta para baixo três vezes) e aparecerá END que significa fim da programação e aperte confirma para finalizar a programação. 11- Segure (estrela) por três segundos para sair da configuração. 8. PARA INICIAR A PROGRAMAÇÃO AUTOMÁTICA Para executarmos a programação automática de tratamento térmico devemos usar os seguintes parâmetros: 1- Para iniciar a programação automática da controladora C505 e C504 apertar uma vez (estrela) e (seta para baixo três vezes) e aparecerá STAT, confirme (seta) e coloque a opção RUM que significa programação automática ligada e confirma (seta) para iniciar. 2- Para sair da programação da programação automática, apertar uma vez (estrela) e (seta para baixo três vezes) e aparecerá STAT, conforme (seta) e coloque a opção OFF que significa programação automática desligada, confirma (seta) para finalizar.
  27. 27. 27 9. REGISTRADOR GRÁFICO PHE-9 Figura 11- Registrador Gráfico PHE-9 O registrador gráfico de 6 canais PHE-9 é indicado para processos de temperatura, porém suas entradas também são configuráveis para tensão e corrente. Seus canais são isolados entre si, podendo registrar diversos tipos de sensores ao mesmo tempo. Seu registro é feito através de cartucho jato-de-tinta colorido e papel gráfico sanfonado. Possui display simples para indicação da temperatura do canal, data ou hora. Características: Carta: 100 mm/15 Entradas: J,K,E,R,B,S,T,L,U, W, PN, Ne RTD, 50MV, 500Mv, 5V cc, 50V cc, mAcc Entradas/ Escalas: Programáveis Exatidão: ≠0,3% Fe + 1 dígito Display: LED 7 segmentos x 6 dígitos Modos de Impressão Durante o registro análogo: Números do canal, data, escala, alarme, burn-out, Independente do registro análogo: Lista dos valores instantâneos, parâmetros, escalas, teste, padrão. Alarmes (opcional): L/LL, H/L, H/H Controle Remoto: 1 entrada para velocidade da carta Alimentação: 100-120vac ou 200 – 240vac /50-60hz Temperatura deOperação: 0 a 50°C UmidadeRelativa: 20 a 80% sem condensação Impressão: Jato de tinta colorido Canais de Entrada:6 Ciclo de Medição: 30s Velocidade da Carta:10/20/24/30/50/120/200/300/400/1000/1200/1500 mm/h Ciclo de Impressão: 30 s Peso Aproximado: 1,5 kg 9.1 Programação do Registrador PHE-9  Display  Feed  Record Display: Função para entrada e saída das configurações. Feed: Função para alterar os valores.
  28. 28. 28 Record: Função para alterar as configurações se confirmar. Antes de iniciar o registro gráfico no PHE-9 é necessário fazer o testede cor e registro de hora, data e temperatura. 1º passo: Conferir a carta gráfica. 2º passo: Segurar Display por três segundos para entrar na configuração. 0LOC, e aperte Display duas vezes para entrar na configuração 0LS7. 3º passo: 0LS7 apertar Feedduas vezes e aparecerá 2LS7, aperteRecord para confirmar, espere o cartucho (carrinho) deslizar (ou correr) por seis vezes e aperte Record novamente para término do teste de cor. 4º passo: Aperte Feed uma vez para colocar 0LS7 e depois Record para confirmar, aguarde o cartucho (carrinho) fazer o registro de hora, data e temperatura. 5º passo: Quando o cartucho (carrinho) parar segure o Display por três segundos para sair da configuração. 6º passo: Aperte Record para iniciar o registro gráfico. Obs.: Sempre que o registrador for inicializado terá uma luz vermelha acesa. 7º passo: Para finalizar o gráfico aperte Record para desligar o registro automático. Obs.: Confira se a luz vermelha está apagada. 8º passo: Segure o Display por três segundos para entrar na configuração 0LOC, e aperte Display duas vezes para entrar na configuração 0LS7 e Record para confirmar, aguarde o cartucho (carrinho) fazer o registro da hora, data e temperatura. 9º passo: Segurar o Display por três segundos para sair da configuração. 10. CÁLCULO DA QUANTIDADE DE TERMOPARES Para calcularmos a quantidade de termopares que serão necessários para cada junta a ser tratada, teremos que transformar o diâmetro externo do tudo de polegadas para milímetros e multiplicar o resultado por π (3,14). Ex.: Vamos tomar como base o diâmetro externo = 30” (esse valor já vem no croqui). Sabendo-se que o valor de 1” equivale a aproximadamente 25,4mm: Então o cálculo será o seguinte: 30” x 25,4 = 762mm x 3,14 = 2.392mm (comprimento externo da circunferência) Agora que temos o comprimento da circunferência (diâmetro externo x π), podemos calculara quantidade de termopares. Vejamos: O procedimento diz que deve existir, no mínimo, um termopar para cada 1000 milímetros de comprimento de circunferência de junta soldada mais fração, onde a circunferência é igual ao diâmetro externo x π (3,14) Desse modo, como nossa circunferência é = 2.392mm, teremos no mínimo 3 termopares. Feito isso, vamos agora analisar outros itens do procedimento. Posição do Tubo: Precisamos saber em qual posição o tubo será tratado pois se for na vertical, não haverá nenhuma alteração, porem se for horizontal, deverá haver obrigatoriamente um termopar na geratriz inferior do tubo. Se o tubo tiver o diâmetro externo maior que 300mm (não confundir diâmetro externo com circunferência), além do termopar colocado na geratriz inferior, devemos acrescentar outro termopar na geratriz superior do tubo. Tubos com Espessuras Diferentes: Se o tratamento térmico dor realizado em tubos que contenham espessuras diferentes, os termopares devem ser instalados nos dois tubos. Desse modo, devemos duplicar a quantidade de termopares. Exemplo 01
  29. 29. 29 30” x 25,4 = 762mm x 3,14 = 2.392mm = 3 termopares Tubo na vertical, continuamos usando =3 termopares Com a mesma espessura, nada muda = 3 termopares Resultado: 3 termopares Exemplo 02 30”x 25,4 = 762mm x 3,14 = 2.392mm = 3 termopares Tubo na vertical, continuamos usando = 3 termopares Comespessuras diferentes, deverá duplicar-se a quantidade de termopares calculados, sendo então 3 x2 = 6 termopares Resultado: 6 termopares. Tabela Tratamento Térmico: Tubo na Vertical Polegadas/ termopares ≤ 11” - 1 ≤ 12” – 1 13” a 25” – 2 26” a 37” – 3 38” a 50” – 4 Tubo na Horizontal Polegadas/ Termopares ≤ 11” – 1 ≤ 12” – 2 13” a 25” – 2 26” a 37” – 4 38” a 50” -4 Obs.: Tubos com juntas dissimilares (espessura e/ou material diferentes) sempre deverão ser instalados termopares em ambos os lados da junta soldada. 11. BIBLIOGRAFIA 1 – HeatTreatmentofWeldedStructures – F. M. Burdekin – The WeldingInstitute 2 – Curso Tratamento Térmico de Alívio de Tensões em Juntas Soldadas Luiz Gimenes Jr. – 1994 – São Paulo/ SP
  30. 30. 30 DADOS CONSTRUTIVOS
  31. 31. 31 CABO EXTENSÃO FLEXIVEL TIPO “K” PVC x PVC BITOLA 2x24 AWG E CONECTOR COMPENSADO TIPO “K” 1 – CARACTERISTICAS TÉCNICAS A. CONDUTORES Flexíveis e encordoados. ACABAMENTO: não deve apresentar fissuras, escamas, rebarbas, asperezas, estrias e inclusões. O cordão ou cabo pronto não pode apresentar falhas de encordoamento. Materiais dos Condutores Formação Positivo = Chomel 7 x 0,202mm (32 AWG) Negativo = Alumel B. ISOLAÇÃO Constituída por termoplástico de cloreto de polivinila, PVC, classe 105°C com características de não propagação e auto-extinção de fogo. A camada de material isolante deve ser concêntrica, contínua, uniforme e homogênea ao longo de todo o comprimento, facilmente removível e não aderente ao condutor. Espessura da isolação: 0,4mm Identificação das veias (coloração): Negativo Cor Alumel Vermelha (pantone 17950) Positivo Cor Chomel Amarela (Pantone Yellow)
  32. 32. 32 A. Reunião do par: Composto de dois cabos paralelos (positivo e negativo) individualmente isolados B. Cobertura: Constituída por termoplástico de cloreto de polivinila, PVC, classe 105°C com características de não propagação e auto-extinção de fogo. A cobertura e a isolação devem ser perfeitamente justapostas, em contato continuo e sem folga. Deve apresentar superfície lisa, isenta de trincas, porosidades e materiais estranhos ou contaminantes. Espessuras da camada: 0,5mm Identificação: cobertura na cor amarela CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS A. Conector Compensado Classe II Tipo “K” Material do Corpo: Termoplástico Cor: Amarelo Range de Temperatura: -25 a 220 °C Resistência de Isolação: > 100 MΩ 100 Vac@ 25°C B. Material do Pino Negativo: Alumel C. Material do Pino Positivo: Cromel Pantone Yellow C
  33. 33. 33 BARRA CHATA COBRE MD 1.1/4”x 1/4
  34. 34. 34 MAQUINA DE SOLDA TERMOPAR – T.A.U Características do produto Referência: TAU Categoria: Acessórios Este aparelho permite a fixação dos pontos do termopar diretamente na peça, através de descarga capacitiva. Desta forma a junta quente do termopar é feita na própria peça, sem que haja interferência na leitura correta de temperatura. IMPORTANTE: A penetração do fio termopar fixado no costado da peça, não atinge 0,2mm de profundidade. Os termopares são fornecidos em rolos de 50m, são descartáveis e fixos à peça através de soldagem por descarga capacitiva. Os termopares são do tipo cromel-alumel ou tipo K com bitola de 22 AWG e com isolação de fibra de vidro especial ou cerâmico, resistente até 250ºC.
  35. 35. 35 CABO DE SOLDA Características do produto Referência: 25mm Categoria: Acessórios Condutor extra-flexível: formado por fios de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, encordoamento classe 5 para seções 16mm² a 35mm² e classe 6 para seções 50mm² a 120mm²; Cobertura: Composto de borracha termoplástica flexível (TPE), para altas temperaturas, na cor preta. Extra-Flexível Resistência a chama IEC60332-1 Isolamento borracha Conector latão m/f 300 A Manopla de celeron (Fenolite) isolante dos conectores Pinos nylon
  36. 36. 36 CONECTOR DE PAINEL Características do produto Referência: Conector de Painel Categoria: Acessórios Condutor extra-flexível: formado por fios de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, encordoamento classe 5 para seções 16mm² a 35mm² e classe 6 para seções 50mm² a 120mm². Cobertura: composto de borracha termoplástica flexível (TPE), para altas temperaturas, na cor preta. Extra-Flexível Resistência a chama IEC60332-1 Isolamento borracha Conector latão m/f 300 A Manopla de celeron (Fenolite) isolante dos conectores Pinos nylon
  37. 37. 37 REGISTRADOR GRÁFICO PHE9 Características do produto Referência: PHE Categoria: Acessórios Os registradores PHE 1 e PHE 9 são indicadores para processo de temperatura porém sua entrada também é configurável para tensão e corrente. Seus registros são feitos através de jato de tinta colorido em papel gráfico sanfonado. Possui indicação de temperatura do canal data ou hora. Nº de canais de entrada 1 PHE e 6 PHE 9. Tipos de escala J.K.E,S,T,L,U,W.PN,NE,RTD,50mV,5Vcc,50Vcc,MAcc. Exatidão ± 0,3% + 1 digito Modo de impressão durante o registro analógico números do canal. Data. escala, alarme, burn-out independente do registro analógico: lista dos valores instantâneos, parâmetros, escalas, teste padrão. Alarme (opcional L/ LL/, H/L, H/H. Alimentação 100-120Vac ou 200-240Vac. Dimensional: 144x144x197mm.
  38. 38. 38 RESISTÊNCIA ELÉTRICA CERÂMICA Características do produto Referência: Resistência Elétrica de Cerâmica Categoria: Resistências As resistências do tipo flexível são construídas de blocos cerâmicos sintetizados em alta alumina que isolam o fio condutivo de niquel-cromo. Esta construção dá uma forma de esteira flexível com uma força mecânica considerável. Podem ser usados até 1121ºC e são fornecidos com as ligações isoladas com terminais machos. Estes blocos cerâmicos tornam as resistências flexíveis mantendo um formato de esteiras quais são projetados para a maioria dos pré-aquecimentos e atendem as exigências do tratamento térmico localizados em peças ou juntas soldadas. Devido às diferentes configurações de medidas formas e potência, as resistências flexíveis de cerâmica podem ser fabricadas de acordo com o projeto do cliente. Recondicionamento, baixos custos de manutenção e aproveitamento dos blocos cerâmicos. Fio de níquel Cromo 80/20 Cerâmicas a base de alumina Conector latão 60 A Tubo isolante Fenolite Modelos: Esteira flexível Senóide
  39. 39. 39 MANTA FIBRA CERÂMICA Características do produto Referência: Manta Fibra Cerâmica Categoria: Acessórios Consiste em material eficiente para isolamento térmico e acústico. As mantas de fibra cerâmica 1260ºC são produzidas a partir do eletro fusão da sílica e da alumina, obtendo-se fibras longas. As fibras são adensadas e agulhadas, conferindo ao produto excelente resistência mecânica ao manuseio e a erosão. As mantas de fibra cerâmica 1400ºC são produzidas com alumina, sílica e zircônia pelo mesmo processo, conferindo a mesma resistência mecânica e baixa retração para altas temperaturas. Recomendadas para revestimento de fornos contínuos e intermitentes, reformadores, fornos de pirólise, caldeiras, carros cerâmicos de baixa massa térmica, isolamento de tubulações, turbinas a vapor, reatores, portas corta-fogo e selagem de tampas de forno-poço, gaxetas de altas temperaturas. Temperatura limite de utilização: 1260C / 1400ºC. Processo “SPUN”, maior comprimento de fibra. Elevada estabilidade térmica. Excelente resistência à tração. Excelente resistência mecânica e ao choque térmico. Resistência ao ataque de ácidos e a corrosão. Baixa condutibilidade térmica. Baixo armazenamento de calor. Se molhada por água, vapor ou óleo, terá suas propriedades completamente restauradas após a secagem.
  40. 40. 40 FITAS DE AÇO Características do produto Referência: Fitas de Aço Categoria: Aparelhos e Fitas de Arquear SELOS VR AÇO Características do produto Referência: Selos VR Aço Categoria: Aparelhos e Fitas de Arquear
  41. 41. 41 APARELHO ESTICADOR E SELADOR EM VOLUME CILÍNDRICO Características do produto Referência: Selos VR Aço Categoria: Aparelhos e Fitas de Arquear
  42. 42. 42 RESISTÊNCIA FLEXÍVEL DE CERÂMICA Características do produto Referência: Resistência Flexível de Cerâmica Categoria: Resistências As resistências elétricas do tipo esteira flexível são extremamente resistentes e versáteis, podem ser usadas no processo de pré-aquecimento como: soldas transversais, longitudinais e circunferências. Para atender as Normas de Tratamento Térmico, oferecemos vários tipos de resistências necessárias, para os mais diversos procedimentos.
  43. 43. 43 CONTATORA SW200 Características do Produto Referência: Contatora SW200 Categoria: Acessório O modelo SW200 Curtis / Albright é uma UL reconhecido DC contator tanto para uso na bateria powered veículos e sistemas de distribuição de energia. Este contator é avaliado 400A para cargas resistivas (por exemplo, sistema de energia) e 250A para cargas indutivas / capacitiva (por exemplo, motores elétricos).
  44. 44. 44 CONTROLADORES DE TEMPERATURA E PROCESSOS Características do produto Referência: Série Desempenho Categoria: Acessórios Os controladores microprocessados C504 e C505 possuem como diferenciais as diversas opções de entradas / saídas configuráveis via software, programas de rampas e patamares e função soft-start. É utilizado para controle dos mais variados processos de temperatura, pressão, umidade, entre outros. Entrada de sinais configurável para termopares J, K, S, termorresistência Pt-100, tensão CC: 0 a 5V, 1 a 5V e 0 a 10V, corrente CC: 0 a 20mA e 4-20mA. Programação de rampas e patamares com 63 segmentos distribuídos em até 32 programas. Sintonia automática do controle PID. Soft-Start configurável: relé, linear ou pulso (PWM). Duas saídas de alarme configuráveis. Retransmissão linear para leitura (PV). Proteção de parâmetros em cinco níveis. Auto-calibração permanente. Alimentação 85 a 265Vac/Vcc ou 10 a 30Vac/Vcc. Dimensional: C504 (48x48x116mm), C505 (48x96x119).
  45. 45. 45 TRANSFORMADOR ISOLADOR TRIFÁSICO Característica do Produto Referência: Transformador Isolador Trifásico Catagoria: Acessório Transformador IP-00 desenvolvido com adaptação para Controle de Temperatura Digital atuando como uma proteção térmica, ideal para acompanhar a temperatura do interior das bobinas, sendo possível emitir alerta de temperatura altas de acordo com a programação do cliente.
  46. 46. 46 Transformador 75 KVA Classe Térmica Isol. F/ Classe de Isol. 0,6 KV
  47. 47. 47 Transformador 100 KVA Classe Térmica Isol F/.0,6 KV

×