O ARTIGO DE OPINIÃO
AULA 17
A COLEGA NEONAZISTA
Depois da imagem do menino Aylan Kurdi morto na praia, mais uma
cena para nos atordoar. É o vídeo de u...
Não são poucos os dissimulados dispostos a derrubar quem passa por
perto. São os contrariados crônicos com os avanços soci...
Pois uma das piores faces do jornalismo é a da complacência com os atos
cotidianos de que fala o americano e que têm semel...
O artigo de opinião
O artigo de opinião é um gênero em que o autor/articulista expressa sua opinião pessoal. Nesse
tipo de...
A COLEGA NEONAZISTA
Depois da imagem do menino Aylan Kurdi morto na praia, mais uma
cena para nos atordoar. É o vídeo de u...
Não são poucos os dissimulados dispostos a derrubar quem passa por
perto. São os contrariados crônicos com os avanços soci...
Pois uma das piores faces do jornalismo é a da complacência com os
atos cotidianos de que fala o americano e que têm semel...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo de opinião

184 visualizações

Publicada em

Artigo de opinião

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
184
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
65
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo de opinião

  1. 1. O ARTIGO DE OPINIÃO AULA 17
  2. 2. A COLEGA NEONAZISTA Depois da imagem do menino Aylan Kurdi morto na praia, mais uma cena para nos atordoar. É o vídeo de uma cinegrafista derrubando o homem que foge da polícia húngara com o filho no colo. O homem e a criança estão entre refugiados de vários países que atravessam em desespero a fronteira com a Sérvia. A cinegrafista húngara Petra Laszlo, do canal N1TV, espicha a perna e passa uma tranca no homem. Pai e filho rolam no chão. Petra cumpre sua missão de jornalista engajada a uma causa. Ela e a empresa em que trabalha se esforçam para humilhar as famílias que tentam entrar na Europa. Um colega a denunciou. A crueldade foi flagrada pelo alemão Stephan Richter. Ele filmou Petra chutando outros refugiados. Richter fez o que todo jornalista deveria fazer, para que não sejamos cúmplices de trancas e chutes covardes. Muitos, como a repórter assumidamente neonazista, também aqui no Brasil espicham, não as pernas, mas suas línguas xenófobas e racistas contra os que os incomodam. MOISÉS MENDES 11 de setembro de 2015 Zero Hora
  3. 3. Não são poucos os dissimulados dispostos a derrubar quem passa por perto. São os contrariados crônicos com os avanços sociais. Podem ser tão cruéis quanto Petra, mas se escondem nas sutilezas do livre pensar. Alguns são jornalistas. Quantos gostariam de passar a tranca em negros e pobres que finalmente chegaram à universidade? Vejam o que disse o neurocientista americano Carl Hart, envolvido numa história de que teria sido (e não foi) barrado por ser negro em um hotel de São Paulo. Hart publicou artigo na Folha de S. Paulo em que recomenda: não se preocupem comigo, mas sim com o racismo cotidiano contra brasileiros comuns. O caso de Hart virou assunto nas redes sociais. Daí o estranhamento do cientista: aqui, racismo só vira notícia de repercussão quando a vítima é uma celebridade. De preferência, estrangeira.
  4. 4. Pois uma das piores faces do jornalismo é a da complacência com os atos cotidianos de que fala o americano e que têm semelhança com o gesto da cinegrafista húngara _ apenas não são expressos por chutes, mas por pontos de vista muitas vezes murmurados. O jornalista alemão nos oferece um exemplo de como quebrar a cumplicidade silenciosa com os engajados a todo tipo de preconceito. Stephan Richter me representa.
  5. 5. O artigo de opinião O artigo de opinião é um gênero em que o autor/articulista expressa sua opinião pessoal. Nesse tipo de texto subjetivo, há uma abordagem pessoal a respeito de um tema. Esse gênero textual circula normalmente em jornais, revistas, blogs, etc. 1ª pessoa Eu (singular) Nós (plural) O que mais interessa é a análise dos fatos pelo ponto de vista do articulista
  6. 6. A COLEGA NEONAZISTA Depois da imagem do menino Aylan Kurdi morto na praia, mais uma cena para nos atordoar. É o vídeo de uma cinegrafista derrubando o homem que foge da polícia húngara com o filho no colo. O homem e a criança estão entre refugiados de vários países que atravessam em desespero a fronteira com a Sérvia. A cinegrafista húngara Petra Laszlo, do canal N1TV, espicha a perna e passa uma tranca no homem. Pai e filho rolam no chão. Petra cumpre sua missão de jornalista engajada a uma causa. Ela e a empresa em que trabalha se esforçam para humilhar as famílias que tentam entrar na Europa. Um colega a denunciou. A crueldade foi flagrada pelo alemão Stephan Richter. Ele filmou Petra chutando outros refugiados. Richter fez o que todo jornalista deveria fazer, para que não sejamos cúmplices de trancas e chutes covardes. Muitos, como a repórter assumidamente neonazista, também aqui no Brasil espicham, não as pernas, mas suas línguas xenófobas e racistas contra os que os incomodam. MOISÉS MENDES 11 de setembro de 2015 Zero Hora
  7. 7. Não são poucos os dissimulados dispostos a derrubar quem passa por perto. São os contrariados crônicos com os avanços sociais. Podem ser tão cruéis quanto Petra, mas se escondem nas sutilezas do livre pensar. Alguns são jornalistas. Quantos gostariam de passar a tranca em negros e pobres que finalmente chegaram à universidade? Vejam o que disse o neurocientista americano Carl Hart, envolvido numa história de que teria sido (e não foi) barrado por ser negro em um hotel de São Paulo. Hart publicou artigo na Folha de S. Paulo em que recomenda: não se preocupem comigo, mas sim com o racismo cotidiano contra brasileiros comuns. O caso de Hart virou assunto nas redes sociais. Daí o estranhamento do cientista: aqui, racismo só vira notícia de repercussão quando a vítima é uma celebridade. De preferência, estrangeira.
  8. 8. Pois uma das piores faces do jornalismo é a da complacência com os atos cotidianos de que fala o americano e que têm semelhança com o gesto da cinegrafista húngara _ apenas não são expressos por chutes, mas por pontos de vista muitas vezes murmurados. O jornalista alemão nos oferece um exemplo de como quebrar a cumplicidade silenciosa com os engajados a todo tipo de preconceito. Stephan Richter me representa.

×