SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
1
EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES
Organização do Tempo
e do Espaço na Educação
infantil – Pesquisas e Práticas
Maévi Anabel Nono
UNESP – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas
Departamento de Educação
São José do Rio Preto
O dia a dia das creches e pré-escolas é repleto de atividades organizadas por educa-
dores que, de uma maneira ou de outra, lidam com o espaço e o tempo a todo o momento.
Como organizar tempos de brincar, de tomar banho, de se alimentar, de repousar de crianças
de diferentes idades nos espaços das salas de atividades, do parque, do refeitório, do ba-
nheiro, do pátio? É tarefa dos educadores organizar o espaço e o tempo das escolas infantis,
sempre levando em conta o objetivo de proporcionar o desenvolvimento das crianças.
Maria Carmen Silveira Barbosa e Maria da Graça Souza Horn pesquisam a organiza-
ção do espaço e do tempo na escola infantil e afirmam:
Organizar o cotidiano das crianças da Educação Infantil pressupõe pensar
que o estabelecimento de uma sequência básica de atividades diárias é,
antes de mais nada, o resultado da leitura que fazemos do nosso grupo de
crianças, a partir, principalmente, de suas necessidades. É importante que
o educador observe o que as crianças brincam, como estas brincadeiras
se desenvolvem, o que mais gostam de fazer, em que espaços preferem
ficar, o que lhes chama mais atenção, em que momentos do dia estão mais
tranquilos ou mais agitados. Este conhecimento é fundamental para que a
estruturação espaço-temporal tenha significado. Ao lado disto, também é
importante considerar o contexto sociocultural no qual se insere e a pro-
posta pedagógica da instituição, que deverão lhe dar suporte. (BARBOSA;
HORN, 2001, p. 67).
Para as pesquisadoras, no que se refere à organização das atividades no tempo, nas es-
colas de Educação Infantil, são necessários momentos diferenciados, organizados de acordo
com as necessidades biológicas, psicológicas, sociais e históricas das crianças (menores ou
2
EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES
maiores). Nesse sentido, a organização do tempo nas creches e pré-escolas deve considerar
as necessidades relacionadas ao repouso, alimentação, higiene de cada criança, levando-se
em conta sua faixa etária, suas características pessoais, sua cultura e estilo de vida que traz
de casa para a escola (BARBOSA; HORN, 2001).
Assim como o tempo, o espaço também deve ser organizado levando-se em conta o ob-
jetivo da Educação Infantil de promover o desenvolvimento integral das crianças. Maria da
Graça Souza Horn ajuda-nos a pensar sobre esse tema. A partir de suas pesquisas, escreve:
O olhar de um educador atento é sensível a todos os elementos que estão
postos em uma sala de aula. O modo como organizamos materiais e mó-
veis, e a forma como crianças e adultos ocupam esse espaço e como inte-
ragem com ele são reveladores de uma concepção pedagógica. Aliás, o que
sempre chamou minha atenção foi a pobreza frequentemente encontrada
nas salas de aula, nos materiais, nas cores, nos aromas; enfim, em tudo que
pode povoar o espaço onde cotidianamente as crianças estão e como pode-
riam desenvolver-se nele e por meio dele se fosse mais bem organizado e
mais rico em desafios. (HORN, 2004, p. 15).
Horn acrescenta:
As escolas de educação infantil têm na organização dos ambientes uma
parte importante de sua proposta pedagógica. Ela traduz as concepções
de criança, de educação, de ensino e aprendizagem, bem como uma visão
de mundo e de ser humano do educador que atua nesse cenário. Portanto,
qualquer professor tem, na realidade, uma concepção pedagógica explici-
tada no modo como planeja suas aulas, na maneira como se relaciona com
as crianças, na forma como organiza seus espaços na sala de aula. Por
exemplo, se o educador planeja as atividades de acordo com a ideia de que
as crianças aprendem através da memorização de conceitos; se mantém
uma atitude autoritária sem discutir com as crianças as regras do convívio
em grupo; se privilegia a ocupação dos espaços nobres das salas de aula
com armários (onde somente ele tem acesso), mesas e cadeiras, a concep-
ção que revela é eminentemente fundamentada em uma prática pedagó-
gica tradicional. Conforme Farias (1998), a pedagogia se faz no espaço
realidade e o espaço, por sua vez, consolida a pedagogia. Na realidade, ele
é o retrato da relação pedagógica estabelecida entre crianças e professor.
Ainda exemplificando, em uma concepção educacional que compreende
o ensinar e o aprender em uma relação de mão única, ou seja, o professor
ensina e o aluno aprende, toda a organização do espaço girará em torno da
3
EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES
figura do professor. As mesas e as cadeiras ocuparão espaços privilegiados
na sala de aula, e todas as ações das crianças dependerão de seu comando,
de sua concordância e aquiescência. (HORN, 2004, p. 61).
Diante das análises de Maria da Graça, como pensar a organização dos espaços nas
creches e pré-escolas?
Alguns educadores e pesquisadores têm voltado sua atenção para a organização dos
espaços para o cuidado e educação de bebês. Cândida Bertolini e Ivanira B. Cruz enfatizam
que “Os espaços e objetos de uma creche devem estar a favor do desenvolvimento sadio dos
bebês, propiciando-lhes experiências novas e diversificadas” (ROSSETTI-FERREIRA et al,
2007, p. 149).
Maria A. S. Martins, Cândida Bertolini, Marta A. M. Rodriguez e Francisca F. Silva,
no capítulo intitulado “Um lugar gostoso para o bebê”, publicado na obra de Rossetti-Ferreira
et al, (2007) observam que, normalmente, o espaço destinado aos bebês na grande parte das
creches é tomado por berços, restando poucas possibilidades para que os pequenos explorem
o ambiente e se locomovam por toda parte, com segurança. As educadoras pensaram em
uma organização espacial diferente desta, na tentativa de proporcionar aos bebês um espaço
atraente para seu desenvolvimento.
Para elas, “O berçário deve ter espaços programados para dar à criança oportunidade
de se movimentar, interagindo tanto com objetos como com outros bebês. Deve oferecer ao
bebê situações desafiadoras, possibilitando o desenvolvimento de suas capacidades.” (ROS-
SETTI-FERREIRA et al, 2007, p. 147).
As educadoras Maria, Cândida, Marta e Francisca pensaram o espaço de seu berçário,
levando em conta três partes da sala: o chão, o teto e as paredes. Em cada uma dessas par-
tes, elas enxergaram possibilidades de garantir experiências interessantes e desafios para as
crianças, por meio do uso de divisórias de diversos tamanhos e em diversas alturas, caixas de
papelão recortadas e transformadas, brinquedos, canaletas para os bebês passarem por den-
tro, muretas para impedi-los de seguir em frente e obrigá-los a experimentar outros trajetos,
cortinas, espelhos, móbiles etc.
Ainda a respeito do espaço para os bebês, as educadoras alertam: “Os espaços devem
ser sempre atraentes e estimulantes para os bebês. Portanto, eles devem ser observados, ava-
liados e mudados pelos educadores na medida em que eles se desenvolvem e se interessam
por coisas novas.” (ROSSETTI-FERREIRA, 2007, p. 148).
As educadoras trazem ainda algumas sugestões para pensarmos acerca do espaço para
os bebês nas creches. Segundo elas, a partir da observação de sua própria prática, percebe-
4
EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES
ram que
[...] existe uma boa forma de arrumar o berçário, organizando-o com col-
chonetes, caixas vazadas, móveis baixos, que permitem ao educador ob-
servar todo o movimento da sala e o bebê também. Dessa forma, o bebê
pode tranquilamente ir em busca de um objeto que tenha despertado sua
curiosidade, pois ele está vendo que o educador continua na sala. Isso pos-
sibilita a ele interagir mais com outros bebês. O educador fica então dis-
ponível para aqueles que estão exigindo sua atenção naquele momento.
(ROSSETTI-FERREIRA, 2007, p. 147)
Lendo o capítulo “Espaço que dê espaço”, escrito por Lilian Pacheco S. Thiago (2006),
no qual ela relata suas experiências de estágio com crianças de onze meses a um ano e três
meses, notamos suas conquistas ao reorganizar o espaço dos bebês de uma escola de Educa-
ção Infantil. Indo ao encontro das reflexões feitas pelas educadoras Maria, Cândida, Marta e
Francisca, Lilian desenvolve o projeto “Criando... e recriando espaços” e percebe que
[...] é preciso oferecer espaços com propostas diferenciadas, situações di-
versificadas, que ampliem as possibilidades de exploração e ‘pesquisa’ in-
fantis. As crianças realmente ampliaram suas possibilidades de exercitar a
autonomia, a liberdade, a iniciativa, a livre escolha, quando o espaço está
adequadamente organizado. Percebi, também, que poderia ficar mais livre
para atendê-las individualmente, conforme suas necessidades, para obser-
vá-las e conhecê-las melhor. Dessa forma, ainda, poderia me envolver com
um pequeno grupo de crianças, propondo uma atividade específica, como
na situação relatada anteriormente, quando me pus a brincar de carro com
uma caixa de papelão com algumas crianças, enquanto outras se envol-
viam com diferentes objetos e lugares na sala. (THIAGO, 2006, p. 60)
Lilian compartilha conosco as formas como reorganizou os espaços oferecidos aos
bebês da sala onde realizou seu estágio do curso de Pedagogia e oferece algumas ideias
importantes para o uso adequado dos espaços como parceiros do professor e da professora
de Educação Infantil no desenvolvimento das crianças. Lendo a forma como ela descreve o
espaço que reorganizou, tente imaginar como ficou a sala dos bebês:
O espaço da casinha; as tentativas de organizar zonas circunscritas uti-
lizando bancos, mesas, prateleiras de plástico colorido com gavetas para
pino de encaixe; o balcão baixo de madeira formando uma divisória; os
colchonetes; o painel com gravuras de animais conhecidos (cavalo, gato,
pássaros, cachorro, leão, peixe etc.); o espelho com duas poltroninhas ou
almofadas em frente, sobre o tapete (espaço de busca de identidade) – tudo
5
EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES
isso permitiu gostosa movimentação pela sala. As crianças andavam de
um lado para outro, ora em busca de um objeto, ora de outro; ora apon-
tando os dedinhos para as gravuras, mostrando conhecer algo que ali se
apresentava. [...] Em outra ocasião, coloquei sobre as mesas, no centro da
sala, livros de história, revistas infantis e outras revistas e fiquei a observá-
-las. Algumas pegaram livros e foram se sentar sobre os colchonetes para
folheá-los à sua maneira; outras manuseavam os livros na própria mesa;
outras crianças preferiram buscar brincadeiras alternativas que o espaço
lhes oferecia intencionalmente. Não é possível pretender que as crianças
pequenas façam tudo ao mesmo tempo ou que todas façam a mesma coisa
ao mesmo tempo. (THIAGO, 2006, p. 59)	
Conseguiram ir imaginando como ficou o espaço organizado por Lilian? Ao organizar
as zonas circunscritas, Lilian se fundamenta nas contribuições de Mara Campos de Carva-
lho e Renata Meneghini, presentes no capítulo intitulado “Estruturando a sala”, publicado
no livro “Os fazeres na Educação Infantil” (ROSSETTI-FERREIRA et al., 2007). Vocês já
ouviram falar de zonas circunscritas? Quem já atua na Educação Infantil certamente ouviu
falar de “cantos”. A organização de “cantinhos” nas salas de Educação Infantil é bastante
discutida hoje nas creches e pré-escolas. Muitos educadores tentam organizar suas salas em
cantos de atividades diversificadas, mas, nem sempre essa organização está fundamentada
em uma concepção de criança e de educação que a sustente. Então, os cantos acabam não
funcionando, e sendo deixados de lado, substituídos pela organização anterior, muitas vezes
pautada no uso do espaço que coloca o professor ou a professora no centro das atenções, com
as crianças em volta deles na maior parte do tempo.
Então, vamos tratar um pouco mais das zonas circunscritas, para entendermos melhor
o que fundamenta a organização espacial que se vale dessas áreas delimitadas. Carvalho e
Meneghini (2007) enfatizam que “O educador organiza o espaço de acordo com suas idéias
sobre desenvolvimento infantil e de acordo com seus objetivos, mesmo sem perceber” (p.
150). Quando o educador ou a educadora de Educação Infantil organiza sua sala em espaços
vazios, com poucos móveis, objetos e equipamentos, ele se vale, conforme escrevem as edu-
cadoras na obra de Rossetti-Ferreira et al. (2007) de um arranjo espacial aberto.
Para as educadoras Mara e Renata, nesse tipo de arranjo acontece aquilo que des-
crevemos no parágrafo anterior, ou seja, a maioria das crianças fica em volta do educador,
solicitando sua atenção, sem ter outra atividade a fazer. Dessa forma, “O educador acaba não
tendo muita chance de manter um contato mais prolongado com nenhuma criança. Às vezes
nem pode atender a todas, mesmo que rapidamente” (ROSSETTI-FERREIRA et al., 2007,
p. 150).
6
EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES
É claro que, muitas vezes, o professor ou a professora desejam reorganizar o espaço de
sua sala mas encontram alguns obstáculos como falta de recursos, falta de apoio da equipe
gestora da escola, condições inadequadas da própria escola de Educação Infantil. Mas, em
muitos casos, há mesmo uma lacuna na formação do professor que o impede de pensar a or-
ganização de sua sala em termos de um arranjo espacial semi-aberto. Nesse tipo de arranjo,
sugerido por Mara Campos de Carvalho e Renata Meneghini na obra “Os fazeres na Educa-
ção Infantil”, são utilizados móveis baixos para formar cantinhos ou zonas circunscritas, que
“[...] são áreas delimitadas em três ou quatro lados, com uma abertura para a passagem, onde
cabem com conforto cerca de seis crianças” (p. 151).
Conforme explicam Mara e Renata,
A característica principal das zonas circunscritas é seu fechamento em
pelo menos três lados, seja qual for o material que o educador coloca lá
dentro, ou que as próprias crianças levam para brincar. Dessa maneira, vo-
cês pode delimitar essas áreas usando mesinhas ou cadeirinhas. Elas tam-
bém podem ser constituídas por caixotes de madeira ou cabaninhas, desde
que contenham aberturas. As cabaninhas podem ser criadas aproveitando
o espaço embaixo de uma mesa e colocando por cima um pano que caia
para os lados, contendo uma abertura, tipo porta. As cortinas também po-
dem ser úteis para delimitar um ou dois lados. É importante que a criança
possa ver facilmente a educadora, senão ela não ficará muito tempo dentro
dessas áreas circunscritas. (ROSSETTI-FERREIRA et al, 2007, p. 151)
Quando as crianças brincam nas zonas circunscritas, ficam mais tempo interagindo
com outras crianças e com a atividade que está sendo ali realizada. Solicitam menos a aten-
ção do educador que, dessa forma, pode acompanhar o desenvolvimento das diversas crian-
ças, focalizando ora uma, ora outra, se desejar, observando se os materiais oferecidos estão
atendendo aos objetivos que deseja alcançar em termos de desenvolvimento de cada criança,
em particular, e do grupo todo, de modo geral, percebendo o momento de reorganizar ou
modificar os cantos propostos para motivar mais as crianças e proporcionar a elas novas
aprendizagens.
Mara Campos de Carvalho, no capítulo “Por que as crianças gostam de áreas fecha-
das?”, da obra de Rossetti-Ferreira et al. (2007), observa que a zona circunscrita oferece pro-
teção e privacidade para as crianças, de modo que elas ficam mais atentas na atividade e no
comportamento dos colegas, envolvendo-se por mais tempo nas brincadeiras proporcionadas
pelo canto organizado pelo professor ou professora.
7
EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES
Agora, também é importante que os professores e professoras de Educação Infantil
saibam que as crianças precisam aprender a trabalhar com zonas circunscritas, especialmen-
te se já estavam habituadas a trabalhar no arranjo espacial aberto, com o educador sempre
dirigindo as atividades, sempre interferindo diretamente nas suas ações e relações com os
colegas e o ambiente.
A educadora Mara também alerta os professores e professoras da Educação Infantil
para o fato de que, mesmo no arranjo espacial semi-aberto, as áreas circunscritas não de-
vem tomar todo o espaço das salas das creches e pré-escolas. Outras áreas que não sejam
necessariamente delimitadas por três ou quatro lados também devem ser oferecidas para as
crianças como, por exemplo, espaços com mesinhas e cadeiras para execução de atividades
de colagem, pintura, lápis e papel, espaços sem delimitação com almofadas e tapetes para
leitura de livros de histórias.
Ainda contribuindo para que professores e professoras pensem sobre o espaço que
oferecem para as crianças em creches e pré-escolas, a educadora Mara Campos de Carvalho
(ROSSETTI-FERREIRA et al, 2007) faz algumas análises dos ambientes infantis e conclui
que eles devem estar organizados de modo a promover o desenvolvimento da identidade
pessoal de cada criança, o desenvolvimento de diversas competências como, por exemplo,
poder tomar água sozinha e alcançar o interruptor de luz, oportunidades para movimentos
corporais diversos, a estimulação dos sentidos, a sensação de segurança e confiança e, final-
mente, oportunidades para contato social e privacidade.
	 Paulo de Camargo (2008) analisa os “Desencontros entre Arquitetura e Pedagogia”
em reportagem na qual conversa com arquitetos e educadores sobre os espaços nas escolas
de Educação Infantil. Os arquitetos entrevistados por Paulo de Camargo ressaltam a neces-
sidade de que as creches e pré-escolas sejam construídas levando-se em conta que elas serão
ocupadas e utilizadas por crianças.
Um dos arquitetos entrevistados, Paulo Sophia, esclarece que, para conceber uma es-
cola, tenta se colocar no lugar da criança, procurando notar como ela irá olhar ou perceber
o espaço. Para esse arquiteto, as crianças têm uma relação própria com o espaço, bastante
diferente daquela dos adultos.
Outra arquiteta entrevista por Paulo de Camargo é Ana Beatriz Goulart de Faria, en-
volvida com diversos projetos de arquitetura educativa. Ana Beatriz observa que na maioria
dos municípios brasileiros, os espaços de Educação Infantil seguem modelos-padrão ela-
borados muito longe daqueles territórios, desconsiderando sua geografia, sua história, sua
cultura, suas políticas para a infância. Para ela, “São projetos-modelo elaborados para uma
infância sem fala” (CAMARGO, 2008, p. 46).
8
EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES
Paulo de Camargo também entrevista a arquiteta Adriana Freyberger, segundo a qual
é preciso que se dê mais atenção aos espaços da escola de Educação Infantil que vão além
da sala de atividades. Pátios e refeitórios devem ser cuidadosamente organizados, já que são
espaços de aprendizagem.
Para Adriana, pensar o espaço significa pensar além da estrutura física. É preciso,
segundo ela, planejar os materiais, jogos e brinquedos adequados ao projeto pedagógico da
instituição. A arquiteta ressalta a importância do uso de materiais de qualidade nas creches
e pré-escolas e da atenção ao número adequado de crianças para cada espaço, evitando-se o
excesso de crianças por sala.
Para finalizar esse texto sobre a organização do tempo e do espaço nas creches e pré-
-escolas, vejamos a fala transcrita a seguir que expressa a opinião da arquiteta Ana Beatriz
Goulart de Faria (entrevistada por Paulo de Camargo).
Os espaços de nossa infância nos marcam profundamente. Sejam eles ber-
ço, casa, rua, praça, creche, escola, cidade, país, sejam eles bonitos ou
feios, confortáveis ou não, o fato é que influenciam definitivamente nossa
maneira de vermos o mundo e de nos relacionarmos com ele. (CAMAR-
GO, 2008, p. 45)
Vocês concordam com a arquiteta Ana Beatriz? Quais espaços marcaram a sua infân-
cia? Como eram esses espaços? Por quais motivos foram marcantes? Quais lembranças esses
espaços trazem para vocês? Nada melhor que finalizar a leitura deste texto com estas refle-
xões. Pensem também em como vocês lidavam com o tempo na sua infância. Havia tempos
marcados para determinadas atividades ao longo do dia? Estas reflexões sobre o espaço e o
tempo em sua infância devem sempre estar presentes nas suas reflexões sobre o espaço e o
tempo que devemos, como professores e gestores, proporcionar para as crianças nas creches
e pré-escolas.
Referências
BARBOSA, M. C. S.; HORN, M. G. S. Organização do espaço e do tempo na escola infantil. In: CRAIDY, C.;
KAERCHER, G. E. Educação Infantil. Pra que te quero? Porto Alegre: Artmed, 2001, p. 67-79.
CAMARGO, P. Desencontros entre Arquitetura e Pedagogia. Revista Pátio Educação Infantil, Porto Ale-
gre, ano VI, n. 18, p. 44-47, nov. 2008.
ROSSETTI-FERREIRA, M. C. et al. (Org.). Os fazeres na Educação Infantil. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2007.
HORN, M. G. S. Sabores, cores, sons, aromas. A organização dos espaços na Educação Infantil. Porto Ale-
gre: Artmed, 2004.
THIAGO, L. P. S. Espaço que dê espaço. In: OSTETTO, L. E. (Org.). Encontros e encantamentos na Edu-
cação Infantil: partilhando experiências de estágios. Campinas: Papirus, 2006, p. 51-62.
Saiba Mais
Saiba Mais
Planejar para aprender. Aprender para
planejar
Beatriz Ferraz*
Frente ao desafio de escre-
ver um artigo sobre o plane-
jamento na Educação Infan-
til, me vi inquieta buscando
uma forma de introduzir este
tema de maneira agradável
e com a devida valorização
que merece.
Poderia iniciar escrevendo
sobre a importância do pla-
nejamento na ação do edu-
cador, mas achei que não
seria uma boa alternativa já
que esta é uma afirmação
tão conhecida. Por onde co-
meçar? Começo, então, por
um registro de uma educa-
dora que relata a contribui-
ção que a prática de planejar
trouxe para a sua ação edu-
cativa junto às crianças.
“Trabalho com uma turma
de crianças de 4 anos e
pretendia realizar com elas
um estudo sobre peixes.
O exercício de planejar a
atividade que desperta-
ria nas crianças o interesse
pelo tema foi de fundamen-
tal importância para que eu
pudesse rever tudo o que
estava imaginando fazer. A
primeira atividade represen-
taria o grande disparador
para o trabalho que faríamos.
Senti uma profunda neces-
sidade de pensar como o
projeto deveria ser realizado.
Então sentei e escrevi um
planejamento:
Nome da atividade: Quais
os peixes que queremos es-
tudar.
Contexto da atividade:
Conversa para iniciar um es-
tudo com as crianças sobre
alguns peixes.
Objetivo da atividade (o
que quero que as crianças
aprendam):
- Escolher os peixes que
gostariam de estudar;
- Levantar algumas pergun-
tas que gostariam de ver
respondidas sobre os pei-
xes escolhidos;
- Indicar alguns materiais
que poderíamos usar para
buscar informações.
Conteúdo da atividade (o
que preciso ensinar):
- Elaboração de perguntas;
- Fontes de informação;
- Nome de alguns peixes.
Encaminhamento da ati-
vidade (como desenvolver a
atividade com as crianças):
Levar para a roda alguns li-
vros com imagens de peixes.
Perguntar às crianças quais
peixes conhecem e, desses,
quais gostariam de estudar.
Listar em uma folha os peixes
sugeridos pelas crianças e,
se for o caso, fazer uma vota-
ção para escolhermos alguns.
Perguntar a elas o que gos-
tariam de saber sobre estes
animais. E, por fim, perguntar
às crianças onde poderíamos
encontrar informações para
responder as perguntas.
Estava muito satisfeita com
o meu planejamento! A minha
surpresa foi quando inicia-
mos o projeto e as coisas não
saíram como o esperado!
Quando mostrei os livros
para elas e perguntei quais
peixes elas queriam estudar,
apontavam aleatoriamente
as imagens de peixes dos
livros. Sendo assim, iam vi-
rando as páginas e dizendo
que queriam saber sobre to-
dos eles! Além disso, quan-
do perguntei o que queriam
saber, me disseram coisas
como “Quantos olhos eles
têm? Ele tem boca?...”. E
ainda para finalizar, quando
perguntei sobre onde en-
contro as informações, me
disseram que poderia ser
nestes livros mesmo que eu
havia levado.
Fiquei super frustrada!
Senti que as crianças não
* Beatriz Ferraz é psicóloga e doutoranda em Educação pela PUC-SP. Coordena Projetos de formação continuada em Educação Infantil junto a diversas prefei-
turas e dirige a Escola de Educadores.
artigo
revista criança 25
se envolveram, que não se
comprometeram com a mi-
nha proposta e que estavam
respondendo às minhas per-
guntas sem muita considera-
ção, esperando que aquela
atividade acabasse logo e
que pudessem ir brincar.
Depois de muito lamentar,
tomei uma decisão: voltar ao
meu planejamento e pensar
o que tinha de errado para
produzir tal desastre!
Foi justamente nesta reto-
mada que me dei conta de
algumas coisas:
1. Se pretendia fazer
uma atividade que
despertasse o interes-
se, era importante que
o foco dela estivesse
em uma motivação.
Sendo assim, não po-
deria ter como obje-
tivo que as crianças
aceitassem pronta-
mente a minha proposta e
a partir daí respondessem
a todas as minhas soli-
citações. Pude perceber
que no planejamento não
estava considerando as
características do pensa-
mento infantil e, portan-
to, não havia conseguido
fazer uma boa condução
da atividade de modo que
ficassem interessadas na
minha proposta.
2. Também pude me dar
conta de que para que as
crianças pudessem for-
mular boas perguntas que
justificassem uma busca
de informações em dife-
rentes fontes era impor-
tante que elas pudessem
primeiro saber algo sobre
os peixes e a partir des-
te conhecimento pode-
riam levantar suposições
ou mesmo comparações
entre as informações que
tinham gerado o interesse
por novos conhecimen-
tos. As perguntas que as
crianças fizeram podiam
ser respondidas com uma
simples observação das
imagens dos livros e este
era um equívoco meu de
não considerar que eu
precisava ajudá-las a for-
mular questões e, para
isso, precisaria fazer algu-
ma atividade que as aju-
dassem nesta tarefa.
Com estas constatações
fui buscar ajuda das minhas
colegas de trabalho e de mi-
nha diretora para pensar em
outra atividade que pudesse
gerar melhores resultados. A
partir das sugestões que re-
cebi, passei um vídeo que
falava sobre o fundo do mar
apresentando alguns peixes
e algumas informações sobre
eles. As crianças adoraram
e ficaram completamente
envolvidas com as imagens
e as informações que rece-
beram. Quando terminamos
de assistir, tinham muita cla-
reza dos peixes que queriam
pesquisar e tinham pergun-
tas muito interessantes, que
puderam conceber a partir
daquilo que viram e ouviram.
Perguntaram coisas como:
“Porque o peixe espada tem
este nome?”; “Quantas per-
nas tem o polvo?”, “Por que
tem peixe que come peixe?
Os peixes ficam grávi-
dos?” Agora sim, tínha-
mos perguntas que pre-
cisavam de uma pesquisa
para serem respondidas.
Fiquei muito contente
com o novo rumo que
tomou meu trabalho com
as crianças. Sei que foi
graças ao planejamento
feito e depois reelaborado
que pude aprender coisas
tão importantes sobre a re-
lação ensino-aprendizagem
e principalmente, sobre as
boas ações do educador que
favorecem aprendizagens
significativas às crianças!”
A reflexão desta educadora
sobre o uso do planejamen-
to como um instrumento que
nos ajuda a adequar melhor
nossas ações e com isto pro-
piciar uma aprendizagem de
qualidade às crianças nos traz
muitas informações sobre o
quê significa planejar, para
que planejar e como planejar.
artigo
26 revista criança
“Também aprendemos
que o planejamento
favorece a reflexão
sobre a prática
educativa...”
artigo
A primeira questão que po-
demos aprender com ela é
que o planejamento precisa
fazer sentido para o profes-
sor, pois ele é um instrumen-
to que visa ajudar e facilitar
a sua prática. Ao planejar,
antecipamos uma série de
acontecimentos que podem
ocorrer na ação e nos prepa-
ramos para lidar com eles, di-
minuindo assim a quantidade
de imprevistos e tornando as
nossas ações mais precisas
e de melhor qualidade.
Também aprendemos que
o planejamento favorece
a reflexão sobre a prática
educativa e, dessa forma,
funciona também como um
instrumento de aprendiza-
gem. Quando planejamos,
tomamos uma série de de-
cisões e fazemos uma série
de relações entre conheci-
mentos teóricos/científicos
e conhecimentos práticos de
nossa experiência pessoal e
profissional. Vejamos alguns
exemplos:
A frase inicial do item 1
deve ser mantida pois ela
explicita bem a idéia que a
autora quer marcar.
1. A partir do plano curricular
da instituição, que ajuda o
professor a guiar sua prá-
tica com as crianças, ele
escolhe, durante o plane-
jamento, quais as melho-
res estratégias para colo-
car em ação cada um dos
conteúdos que pretende
ensinar.
2. Ao realizar o exercício de
pensar sobre as estraté-
gias e os conteúdos de
ensino, o professor preci-
sa pensar sobre quem é
a criança com a qual tra-
balha, quais são as suas
necessidades, seus inte-
resses, suas motivações.
A partir desta reflexão terá
maior clareza em seu pla-
nejamento para decidir o
encaminhamento da ativi-
dade.
3. Ao considerar como irá
conduzir uma atividade
e quais os conhecimen-
tos que pretende ensinar,
exercício propiciado pelo
planejamento, o professor
também tem que compre-
ender como se ensinam
os diferentes conteúdos.
Para cada um deles, ou
para cada bloco deles, há
estratégias que se ade-
quam melhor. Com isto,
aprende mais sobre como
ensinar, pois pode genera-
lizar o que aprende com a
atividade planejada para
outras situações que vi-
vencia diariamente na ins-
tituição.
Por fim, podemos também
aprender com o exemplo
desta educadora sobre como
analisamos e como aprende-
mos com o planejamento.
Quando o professor escolhe
uma atividade para realizar
com as crianças tem que ter
clareza de suas intenções
com ela para que possa ade-
quar suas ações e alcançar
os objetivos propostos. Sen-
do assim, ao conceber um
planejamento é importante
destacar:
1. O que eu quero com esta
atividade.
2. O que eu quero que as
crianças aprendam com
esta atividade.
3. O que eu preciso ensi-
nar para que as crianças
aprendam.
4. Como eu devo desenvol-
ver a atividade (incluindo
antecipar ações e falas,
os materiais que preten-
do utilizar e a organização
do espaço), para que as
crianças construam os sa-
beres propostos.
Todos os itens que fazem
parte do planejamento de-
vem ter coerência entre si.
Ou seja, depois de planejar,
posso voltar ao que escrevi
e questionar: Com isto que
direi às crianças estou aju-
dando elas a aprenderem
aquilo que espero? Toman-
do o exemplo da educadora
acima, se quero que as crian-
ças formulem boas questões
para iniciar uma pesquisa,
será que a melhor alternativa
é começar pelas perguntas?
Com tantas possibilidades
de reflexão, de construção
de conhecimento sobre a
prática, não há como negar a
importância do planejamen-
to na atuação do professor
de Educação Infantil. Não é
mesmo?
revista criança 27
revista criança
caleidoscópio
Avaliação sempre envolve uma
concepção de mundo
Claudia de Oliveira Fernandes*
“...Mal Alecrim segurou a maria-mole, percebeu como era incrivelmente macia. E cheirosa.
Levou-a para seu cantinho na biblioteca, sentou-se em cima dela, pulou, e aprovou.
– Agora, tenho um ótimo travesseiro.
Na manhã seguinte, acordou com a cabeça cheia de açúcar e coco ralado.
– Que maravilha! – deslumbrou-se. – Vai me dar pensamentos doces. – Deu uma lambida na
ponta dos cabelos. – Hummm! E é uma delícia também. Nunca tive um travesseiro tão bom.”
Rosa Amanda Strausz
Alecrim, Ed. Objetiva, 2003
Um certo olhar
A personagem Alecrim en-
tende que terá sonhos doces
ao dormir com um travesseiro
de maria-mole. E você, gosta
de maria-mole? Você teria um
travesseiro em que, ao acordar
pela manhã, seu cabelo esti-
vesse cheio de açúcar e coco
ralado? Depende do ponto de
vista, não? Alguns odiariam a
idéia, outros, como Alecrim,
achariam o máximo! Com a
avaliação acontece a mesma
coisa: depende do ponto de
vista!
A concepção que o profes-
sor possui sobre a função da
avaliação depende de sua
história de vida, de suas lem-
branças escolares, de suas ex-
pectativas em relação às suas
crianças, de sua perspectiva
teórica, da maneira como se
percebe na profissão.
Ora, se a Educação Infantil
tem por função primeira so-
cializar, inserir nossas crian-
ças no mundo que as cerca
de maneira criativa, compro-
missada, responsável, bem
como perpetuar e criar conhe-
cimentos e culturas, como si-
tuar a avaliação escolar nessa
perspectiva?
Fala-se muito acerca de
uma avaliação que não pode
ser excludente, classificatória,
que selecione, segregando as
crianças e separando aque-
las que prometem uma vida
escolar de sucesso das que
estariam fadadas ao fracasso,
que infelizmente, não só es-
taria reservado à vida escolar
do aluno, mas também a toda
sua experiência de vida futura.
Uma marca que o tempo nem
sempre consegue desfazer.
No entanto, até que ponto,
nós professores, refletimos
sobre nossas ações cotidia-
nas na escola, nossas prá-
ticas em sala de aula, sobre
a linguagem que utilizamos,
aquilo que pré-julgamos?
Nossas práticas estão imbuí-
das de ações que fazem parte
de nossa cultura, de nossas
crenças, e que expressam um
“certo modo” de ver o mundo.
* Doutora em educação pela PUC-Rio. Professora Adjunta da Universidade Federal do Estado do Rio de
Janeiro/UNIRIO. Realiza pesquisa na área de avaliação escolar, políticas educacionais em avaliação e orga-
nização da escolaridade em ciclos. Participou da elaboração da proposta de avaliação do PROINFANTIL.
Esse “certo modo” de ver o
mundo ainda está muito im-
pregnado pela lógica da clas-
sificação e da seleção, no que
tange à avaliação.
Um exemplo: as notas co-
locam os avaliados em uma
situação classificatória, certo?
A partir desta classificação,
podemos separar os melhores
dos piores classificados. Em
termos de educação escolar,
os melhores seguirão em fren-
te, os piores voltarão para o
início da fila, refazendo todo o
caminho percorrido ao longo
de um ciclo de estudos.
Podemos encontrar escolas
privadas de Educação Infantil
que, para terem maior “legiti-
midade” e gozarem de maior
“credibilidade” junto aos pais
e à sociedade, adotam um
sistema de avaliação nesse
segmento, no qual as crianças
recebem uma nota e realizam
provas! Isso é muito estranho,
ou pelo menos incoerente, se
pensarmos que queremos que
nossas crianças possam gos-
tar de descobrir o mundo má-
9
10 revista criança
gico do conhecimento e que
aprendam que vão à escola
para ter prazer, para aprender
sem que para isso precisem
receber um prêmio.
Para se discutir mudanças
no que tange à avaliação, an-
tes de se propor métodos e
alterações práticas, é preciso
pensar no papel social que
tem a escola, a pré-escola e
a creche, bem como a pro-
fissão de professor. Ninguém
dirá que a função da escola é
selecionar, classificar, excluir.
Ninguém ousaria, entenden-
do a educação escolar como
um bem universal, dizer que
a escola deveria ficar apenas
com os melhores. Parece que
temos claro qual é nosso pa-
pel e a função social da insti-
tuição a qual nos vinculamos
profissionalmente. No entan-
to, concordando com Sacristán
(2001) é necessário desvelar o
óbvio para resignificar o papel
da escola e do ensino públi-
co como um bem universal. É
fundamental que a discussão
acerca da função social da es-
cola seja colocada novamente,
entre nós educadores, a fim de
reafirmarmos os valores para
os quais ela foi criada. A partir
daí, então, podemos começar
a discutir todos os elementos
do currículo/proposta peda-
gógica, inclusive a avaliação.
Os princípios
Ora, se pensar sobre avalia-
ção implica repensar o papel
social da escola e da profis-
são de ser professor, estamos
falando, portanto, de alguns
princípios que devem nortear
a avaliação. Eles não devem
ser diferentes daqueles que
orientam as práticas e as nos-
sas crenças acerca do papel
da escola e da instituição de
Educação Infantil na vida das
crianças, de suas famílias e da
sociedade.
Gostaria de destacar alguns
princípios que, a meu ver, de-
veriam ser norteadores de
uma avaliação na instituição
de Educação Infantil. São eles:
caleidoscópio
o olhar observador, a promo-
ção das crianças e de suas
aprendizagens, a valorização
das experiências culturais das
crianças, o desenvolvimen-
to da autonomia, a inclusão,
o diálogo, a preservação da
auto-estima favorável ao cres-
cimento, o comprometimento
da escola e do professor com
o social, o caráter formativo da
avaliação, a auto-avaliação, a
participação, a construção da
responsabilidade com o cole-
tivo.
Uma mudança na escola,
em direção a práticas mais
democráticas de avaliação e,
portanto, não classificatórias
ou segregadoras, não passa
inicialmente, por mudanças
de métodos ou didáticas mais
contemporâneos. Uma mu-
dança profunda implica em
uma reflexão acerca dos prin-
cípios que regem nossa ação
pedagógica e que nos darão
a base para a construção de
nosso projeto pedagógico e
para os processos de avalia-
ção que estiverem aí inseri-
dos. A clareza e a retidão de
princípios poderão nortear
uma prática coerente e própria
de uma escola ou instituição
democrática, compromissada
com o crescimento e a valo-
rização das crianças, profes-
sores, educadores e funcioná-
rios.
Uma avaliação formativa
A Educação Infantil tem
uma prática de avaliação for-
mativa. O que significa isto?
Muitos autores já conceitu-
11revista criança
aram esse tipo de avaliação.
Podemos entender que a ava-
liação formativa é aquela em
que o professor está atento
para os processos e apren-
dizagens de suas crianças.
O professor não avalia com
o propósito de dar uma nota.
A avaliação acontece, pois se
entende que ela é essencial
para dar prosseguimento aos
percursos de aprendizagem.
Continuamente, ela faz par-
te do cotidiano das tarefas
propostas, das observações
atentas do professor, das prá-
ticas de sala de aula. Por fim,
podemos dizer que avaliação
formativa é aquela que orienta
as crianças para a realização
de seus trabalhos e de suas
aprendizagens, ajudando-as
a localizar suas dificuldades e
suas potencialidades, redire-
cionando-as em seus percur-
sos. Perrenoud (1999, p.143)
define a avaliação formativa
como uma avaliação que aju-
da a criança a aprender e o
professor a ensinar.
Considerando que a cons-
trução da autonomia é um
dos princípios que orientam a
Educação Infantil, apontamos
que um aspecto fundamental
de uma avaliação formativa
diz respeito à construção da
autonomia por parte da crian-
ça, na medida em que lhe é
solicitado um papel ativo em
seu processo de aprender. Ins-
taurar uma cultura avaliativa,
no sentido de uma avaliação
entendida como parte ineren-
te do processo e não desvin-
culada para uma atribuição
de nota, não é tarefa muito
fácil. Contudo, sabemos que
na Educação Infantil os pro-
fessores, de um modo geral,
realizam uma avaliação muito
próxima da formativa, dado
que exercem uma avaliação
mais contínua dos processos
das crianças, desvinculada
da necessidade de pontuá-la
com indicadores numéricos
ou de outra ordem, para fins
de aprovação. As práticas
avaliativas na Educação In-
fantil, de modo geral, primam
pela lógica da inclusão das
crianças com vistas à sua
permanência e continuidade
nas creches, pré-escolas e
escolas de Educação Infantil.
Dessa forma, podemos con-
cluir reafirmando que:
1. É fundamental transformar
a prática avaliativa em prática
de aprendizagem.
2. Avaliar é necessário e
condição para a mudança de
prática e continuidade do co-
nhecimento.
3. Avaliar faz parte do pro-
cesso de ensino e de apren-
dizagem: não ensinamos sem
avaliar, não aprendemos sem
avaliar. Dessa forma, rompe-
se com a falsa dicotomia en-
tre ensino e avaliação, como
se esta fosse apenas o final
de um processo.
Assim como Alecrim, pode-
mos e devemos romper com
o que está instituído. Dormir
em travesseiro de maria-mole
pode ser muito gostoso. Rom-
per com amarras, com o que
já está pré-estabelecido, com
práticas antigas que só são
coerentes com uma escola de
décadas passadas, com uma
perspectiva seletiva e, por-
tanto, com uma concepção
de avaliação classificatória,
faz parte do compromisso do
educador desse início de sé-
culo. Falar em avaliação im-
plica, antes de se pensar em
como avaliar, refletir acerca
do porquê e para que avaliar.
Será que sabemos para que
avaliamos?
Referências Bibliográficas
PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens, entre duas lógicas.
Porto Alegre: Artmed Editora 1999.
SACRISTÁN, G. A Educação Obrigatória - seu sentido educativo e social. Porto Alegre: Artmed
Editora 2001.
caleidoscópio
Adrianne Ogêda Guedes*
12 revista criança
Para abrir nosso diálogo,
vale discutir o sentido de ava-
liar na educação. A avaliação
estará presente o tempo todo
em nossa prática educativa,
inclusive nos momentos de
inserção de novas crianças e
ao longo de nossos planeja-
mentos. A cada decisão que
tomamos, a cada escolha que
fazemos - desde uma ativida-
de que planejamos, até a for-
ma com que lidamos com as
crianças - estamos avaliando.
A avaliação é, portanto, um
ato que sugere movimento,
reflexão e transformação.
É importante ressaltar que a
avaliação não é um instrumen-
to para medir o quanto a crian-
ça aprendeu nem tampouco é
uma forma de julgar, reprovar
ou aprovar uma criança. A ava-
liação, que de fato contribui
para o crescimento da criança
e para o trabalho do professor,
precisa ser mediadora e aco-
lhedora. É ela que possibilitará
o acompanhamento da crian-
ça em todos os momentos
vividos na Educação Infantil,
contribuindo com seu avanço
na ampliação do conhecimen-
to de si e do mundo.
Acompanhar o desenvol-
vimento da criança ajuda o
professor a rever e aprimorar
seu trabalho. Neste sentido
avaliar a criança nos leva tam-
bém a avaliar nossa própria
ação pedagógica e também a
instituição na qual estamos in-
seridos. Afinal, avaliar é o mo-
vimento de pensar tudo que
envolve nossa prática e bus-
car caminhos de torná-la cada
vez mais coerente e mais con-
textualizada.
A professora Jussara
Hoffmann – muito conhecida
por suas pesquisas sobre o
tema da avaliação educacional
– afirma que: “A avaliação
deve ser entendida como
uma prática investigativa e
não sentenciva, mediadora e
não constatativa. Não são os
julgamentos que justificam
a avaliação, as afirmações
inquestionáveis sobre o que a
criança é ou não é capaz de
fazer.” (2000: 15). Portanto,
não devemos avaliar as
crianças para classificá-las,
julgando o que sabem ou não
sabem fazer, padronizando
comportamentos, constatando
apenas as suas “capacidades”,
quantificando seus saberes
e apontando seus erros. Sua
história deve ser considerada,
as conquistas valorizadas, as
descobertas apreciadas. Para
Hoffmann, a avaliação é uma
forma de conhecer/investigar
o movimento das crianças e,
a partir desta investigação,
pensar formas de intervenção
que possam favorecer o
desenvolvimento e a ampliação
dos conhecimentos da criança.
Avaliar é comprometer-se com
a criança, seu sucesso e suas
conquistas.
Por isso, é fundamental es-
tudarmos mais sobre o desen-
volvimento infantil. Muitas ve-
zes as crianças com as quais
trabalhamos nos surpreendem
com respostas inusitadas que
nos mostram o quanto elas
pensam sobre o mundo à sua
volta, bem como as ligações
entre os diversos conheci-
mentos que vão construindo
na relação com os elementos
da cultura, com seus parceiros
e com o ambiente. A escuta
do ponto de vista da criança
é, portanto, fundamental! Ela
nos revela muito, por um lado,
sobre quem é aquela criança,
quais são as suas vivências e
experiências e, por outro, so-
bre a lógica infantil.
*
Diretora pedagógica da Casa Monte Alegre Educação Infantil (RJ), professora do curso de Especialização
“Educação Infantil: Perspectivas de Trabalho em Creches e Pré-escolas” da PUC-RJ e doutoranda em Edu-
cação da Universidade Federal Fluminense. Participou da elaboração de textos para o PROINFANTIL.
Elaboração e organização de instrumentos de
acompanhamento e avaliação da aprendizagem
e desenvolvimento das crianças
caleidoscópio
As falas de nossas crianças
nos fornecem preciosas pistas
sobre suas hipóteses, suas
idéias próprias e, partindo do
que elas pensam, podemos
desafiar o avanço de seus co-
nhecimentos com atividades
interessantes e instigantes. Tal
qual “detetives”, precisamos
olhar, escutar, observar com
atenção o que nossas crian-
ças demonstram, o que lhes
chama a atenção. Isto nos for-
nece elementos não só para
compreender mais sobre cada
uma delas, mas também para
que possamos planejar nosso
trabalho. Se soubermos os
interesses, curiosidades, dú-
vidas, dificuldades de nossas
crianças, podemos pensar em
propostas que vão ao encon-
tro delas.
Um aspecto significativo da
prática avaliativa é o registro
(escrito, fotográfico, ou outro).
Registrar o vivido pela criança
permite que acompanhemos
suas conquistas e avanços.
É importante termos em vista
que não podemos nos base-
ar apenas na nossa memória,
porque ela é muitas vezes fa-
lha. Se não registramos nos-
sas experiências corremos o
risco de esquecer detalhes
preciosos do vivido!
A escrita, registro mais co-
mumente utilizado na escola,
é um excelente recurso para
ampliar à reflexão. Não de-
vemos escrever para “prestar
contas” aos pais ou à institui-
ção. É claro que, para os pais,
os relatórios das crianças são
excelentes instrumentos para
que eles conheçam mais so-
bre seu filho e sobre o trabalho
que estamos desenvolvendo,
mas isso não quer dizer que
escrevemos para mostrar “o
quanto fizemos” nem para in-
dicar “o que a criança sabe ou
não sabe”.
Registrar por escrito nossas
experiências e as observa-
ções sobre as crianças permi-
te que possamos refletir sobre
nossa prática, revendo nos-
sos atos, organizando idéias
e experiências, mapeando as
dúvidas, relacionando o que
vivemos com as teorias. Cecília
Warschauer, professora e edu-
cadora, acredita que o registro é
uma forma de retratar a histó-
ria vivida, de deixar marcas. É
um instrumento que favorece
a reflexão (1993: 61) e o apri-
moramento do professor.
A reflexão é o repensar a
ação pedagógica num tempo
posterior a ela. Neste momen-
to, o professor se distancia
do imediatamente vivido, po-
dendo, com essa distância,
olhar para seus atos de uma
outra forma. É por meio deste
repensar que vamos revendo
os caminhos trilhados, plane-
jando os próximos passos e
articulando os objetivos mais
gerais da Educação Infantil e a
realidade concreta de nossas
crianças.
Se surgem curiosidades so-
bre algum assunto por parte
das crianças, se registramos
suas perguntas, podemos, em
outro momento, buscar fontes
de consulta para alimentar o
trabalho. O professor não pre-
cisa ter todas as respostas!
Ele é na verdade um pesqui-
sador que vai buscando dia-
a-dia ampliar também seus
recursos e conhecimentos,
junto com suas crianças. O
professor é alguém que ques-
tiona, que organiza o grupo
em torno das necessidades
e curiosidades que surgem.
Mais experiente, vai sugerindo
caminhos, desdobramentos,
desenvolvimentos a partir das
idéias e sugestões infantis.
Enfim, avaliar é abrir uma ja-
nela para compreender mais
profundamente nossas crian-
ças e a nós mesmos. Assim
teremos recursos para apri-
morar a educação e fazê-la
mais e mais uma experiência
rica e significativa para crian-
ças e professores.
revista criança 13
Referências Bibliográficas:
ESTEBAN, Maria Teresa (org.).
Avaliação: uma prática em bus-
ca de novos sentidos. Rio de Ja-
neiro: Editora DP& A, 2000.
HOFFMANN, Jussara. Avaliação
na pré-escola: um olhar reflexi-
vo sobre a criança. Porto Alegre:
Editora Mediação, 2000.
FREIRE, Madalena. A Paixão de
conhecer o mundo. Rio de Janei-
ro: Paz e Terra, 1983.
OSTETTO. Luciana Esmeralda.
Deixando Marcas... A prática do
registro no cotidiano da educa-
ção infantil. Florianópolis: Editora
Cidade Futura, 2001.
WARSCHAUER, Cecília. A roda
e o registro, uma parceria entre
professor, alunos e conhecimen-
to. Rio de Janeiro: Editora Paz e
Terra, 1993.
caleidoscópio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educação Inclusiva - Mãos que fazem a diferença
Educação Inclusiva  - Mãos que fazem a diferençaEducação Inclusiva  - Mãos que fazem a diferença
Educação Inclusiva - Mãos que fazem a diferençaDenise Martins
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de paisRoseli Tejo
 
Adaptação escolar por simone helen drumond
Adaptação escolar por simone helen drumondAdaptação escolar por simone helen drumond
Adaptação escolar por simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...Isa ...
 
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar  por simone helen drumondPlanejamento adaptação escolar  por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Projeto anual jogos e brincadeiras
Projeto anual jogos e brincadeirasProjeto anual jogos e brincadeiras
Projeto anual jogos e brincadeirasShirley Costa
 
O lúdico jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
O lúdico  jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...O lúdico  jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
O lúdico jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...SimoneHelenDrumond
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anojose ebner
 
Reunião de pais 3º bimestre
Reunião de pais   3º bimestreReunião de pais   3º bimestre
Reunião de pais 3º bimestreflaviacrm
 
Projeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraProjeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraCirlei Santos
 
Rotinas semanais maternal 2º bim
Rotinas semanais maternal   2º bimRotinas semanais maternal   2º bim
Rotinas semanais maternal 2º bimjosivaldopassos
 
Modelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especialModelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especialstraraposa
 
Proposta do berçário educação infantil
Proposta do berçário   educação infantilProposta do berçário   educação infantil
Proposta do berçário educação infantilRosemary Batista
 
Projeto de Leitura: Minha Escola Lê
Projeto de Leitura: Minha Escola LêProjeto de Leitura: Minha Escola Lê
Projeto de Leitura: Minha Escola LêCirlei Santos
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limitesSimoneHelenDrumond
 
Projeto didático valores humanos
Projeto didático valores humanosProjeto didático valores humanos
Projeto didático valores humanosMarcio Haubricht
 
Organização do Tempo e do Espaço
Organização do Tempo e do EspaçoOrganização do Tempo e do Espaço
Organização do Tempo e do EspaçoBianca Cunha
 

Mais procurados (20)

Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
 
Educação Inclusiva - Mãos que fazem a diferença
Educação Inclusiva  - Mãos que fazem a diferençaEducação Inclusiva  - Mãos que fazem a diferença
Educação Inclusiva - Mãos que fazem a diferença
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
Adaptação escolar por simone helen drumond
Adaptação escolar por simone helen drumondAdaptação escolar por simone helen drumond
Adaptação escolar por simone helen drumond
 
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
 
Projeto identidade
Projeto identidadeProjeto identidade
Projeto identidade
 
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar  por simone helen drumondPlanejamento adaptação escolar  por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
 
Projeto anual jogos e brincadeiras
Projeto anual jogos e brincadeirasProjeto anual jogos e brincadeiras
Projeto anual jogos e brincadeiras
 
O lúdico jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
O lúdico  jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...O lúdico  jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
O lúdico jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
 
Reunião de pais 3º bimestre
Reunião de pais   3º bimestreReunião de pais   3º bimestre
Reunião de pais 3º bimestre
 
Projeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraProjeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a Leitura
 
Rotinas semanais maternal 2º bim
Rotinas semanais maternal   2º bimRotinas semanais maternal   2º bim
Rotinas semanais maternal 2º bim
 
Modelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especialModelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especial
 
Proposta do berçário educação infantil
Proposta do berçário   educação infantilProposta do berçário   educação infantil
Proposta do berçário educação infantil
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
 
Projeto de Leitura: Minha Escola Lê
Projeto de Leitura: Minha Escola LêProjeto de Leitura: Minha Escola Lê
Projeto de Leitura: Minha Escola Lê
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
 
Projeto didático valores humanos
Projeto didático valores humanosProjeto didático valores humanos
Projeto didático valores humanos
 
Organização do Tempo e do Espaço
Organização do Tempo e do EspaçoOrganização do Tempo e do Espaço
Organização do Tempo e do Espaço
 

Destaque

As práticas cotidianas de alfabetização
As práticas cotidianas de alfabetizaçãoAs práticas cotidianas de alfabetização
As práticas cotidianas de alfabetizaçãoPactoAracatuba
 
As praticas cotidiana de alfabetização
As praticas cotidiana de alfabetizaçãoAs praticas cotidiana de alfabetização
As praticas cotidiana de alfabetizaçãoOlívia Oliveira
 
Trabalhando os cantinhos da creche
Trabalhando os cantinhos da crecheTrabalhando os cantinhos da creche
Trabalhando os cantinhos da crecheGisele Dantas
 
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática PedagógicaReflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática PedagógicaLuluroque
 
Plano de aula de matematica
Plano de aula de matematicaPlano de aula de matematica
Plano de aula de matematicabeatrizsalviano
 
Plano de aula UTFPR
Plano de aula UTFPRPlano de aula UTFPR
Plano de aula UTFPReddergueddes
 

Destaque (7)

As práticas cotidianas de alfabetização
As práticas cotidianas de alfabetizaçãoAs práticas cotidianas de alfabetização
As práticas cotidianas de alfabetização
 
As praticas cotidiana de alfabetização
As praticas cotidiana de alfabetizaçãoAs praticas cotidiana de alfabetização
As praticas cotidiana de alfabetização
 
Trabalhando os cantinhos da creche
Trabalhando os cantinhos da crecheTrabalhando os cantinhos da creche
Trabalhando os cantinhos da creche
 
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática PedagógicaReflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
 
Plano de aula de matematica
Plano de aula de matematicaPlano de aula de matematica
Plano de aula de matematica
 
Plano de aula UTFPR
Plano de aula UTFPRPlano de aula UTFPR
Plano de aula UTFPR
 
Exemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aulaExemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aula
 

Semelhante a Organização do espaço e tempo na Educação Infantil

ise_tcc_pedagogia_elisangela_camargo_2013.pdf
ise_tcc_pedagogia_elisangela_camargo_2013.pdfise_tcc_pedagogia_elisangela_camargo_2013.pdf
ise_tcc_pedagogia_elisangela_camargo_2013.pdfkeilaapoliver
 
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueli
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª SueliMaterial da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueli
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueliproinfancia
 
Ise tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomensoIse tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomensoMARCOS SOUSA
 
Planejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPlanejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPaula Spadoni
 
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdf
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdfCiclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdf
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdfFrancineGomes14
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.SimoneHelenDrumond
 
O educador como gestor de espaços educacionais
O educador como gestor de espaços educacionais O educador como gestor de espaços educacionais
O educador como gestor de espaços educacionais Ateliê Giramundo
 
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdf
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdfUNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdf
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdfSAVIOVASCONCELOS5
 
Projeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançaProjeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançadanizinha_blog
 
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costa
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costaAmbiente na educacao_infantil___thais_almeida_costa
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costaMarcia Gomes
 
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantilmarlene_herter
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1SimoneHelenDrumond
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumondInvestigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Modelo artigo prática docente i 1- -1-
Modelo artigo prática docente i  1- -1-Modelo artigo prática docente i  1- -1-
Modelo artigo prática docente i 1- -1-pedagogianh
 
Slide cantos rev
Slide   cantos revSlide   cantos rev
Slide cantos revjoana
 
Slide cantos rev
Slide   cantos revSlide   cantos rev
Slide cantos revjoana
 
Slide cantos rev
Slide   cantos revSlide   cantos rev
Slide cantos revjoana
 

Semelhante a Organização do espaço e tempo na Educação Infantil (20)

ise_tcc_pedagogia_elisangela_camargo_2013.pdf
ise_tcc_pedagogia_elisangela_camargo_2013.pdfise_tcc_pedagogia_elisangela_camargo_2013.pdf
ise_tcc_pedagogia_elisangela_camargo_2013.pdf
 
Lunara (2)
Lunara (2)Lunara (2)
Lunara (2)
 
Orientações
 Orientações Orientações
Orientações
 
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueli
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª SueliMaterial da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueli
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueli
 
Ise tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomensoIse tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomenso
 
Planejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPlanejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantil
 
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdf
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdfCiclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdf
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdf
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
 
O educador como gestor de espaços educacionais
O educador como gestor de espaços educacionais O educador como gestor de espaços educacionais
O educador como gestor de espaços educacionais
 
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdf
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdfUNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdf
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdf
 
Projeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançaProjeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criança
 
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costa
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costaAmbiente na educacao_infantil___thais_almeida_costa
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costa
 
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumondInvestigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
 
teste
testeteste
teste
 
Modelo artigo prática docente i 1- -1-
Modelo artigo prática docente i  1- -1-Modelo artigo prática docente i  1- -1-
Modelo artigo prática docente i 1- -1-
 
Slide cantos rev
Slide   cantos revSlide   cantos rev
Slide cantos rev
 
Slide cantos rev
Slide   cantos revSlide   cantos rev
Slide cantos rev
 
Slide cantos rev
Slide   cantos revSlide   cantos rev
Slide cantos rev
 

Mais de RebecaRuan

Conhecimento do Mundo Natural e Social: Desafios para a Educação Infantil
Conhecimento do Mundo Natural e Social: Desafios para a Educação InfantilConhecimento do Mundo Natural e Social: Desafios para a Educação Infantil
Conhecimento do Mundo Natural e Social: Desafios para a Educação InfantilRebecaRuan
 
Os Primeiros Desenhos
Os Primeiros DesenhosOs Primeiros Desenhos
Os Primeiros DesenhosRebecaRuan
 
Inclusão de crianças com deficiência
Inclusão de crianças com deficiênciaInclusão de crianças com deficiência
Inclusão de crianças com deficiênciaRebecaRuan
 
Proposta Curricular - Educação Infantil
Proposta Curricular - Educação InfantilProposta Curricular - Educação Infantil
Proposta Curricular - Educação InfantilRebecaRuan
 
Reportagem - Consciência Ecológica
Reportagem - Consciência EcológicaReportagem - Consciência Ecológica
Reportagem - Consciência EcológicaRebecaRuan
 
Projeto 2016 Educação Ambiental
Projeto 2016 Educação AmbientalProjeto 2016 Educação Ambiental
Projeto 2016 Educação AmbientalRebecaRuan
 
Proposta curricular
Proposta curricularProposta curricular
Proposta curricularRebecaRuan
 

Mais de RebecaRuan (7)

Conhecimento do Mundo Natural e Social: Desafios para a Educação Infantil
Conhecimento do Mundo Natural e Social: Desafios para a Educação InfantilConhecimento do Mundo Natural e Social: Desafios para a Educação Infantil
Conhecimento do Mundo Natural e Social: Desafios para a Educação Infantil
 
Os Primeiros Desenhos
Os Primeiros DesenhosOs Primeiros Desenhos
Os Primeiros Desenhos
 
Inclusão de crianças com deficiência
Inclusão de crianças com deficiênciaInclusão de crianças com deficiência
Inclusão de crianças com deficiência
 
Proposta Curricular - Educação Infantil
Proposta Curricular - Educação InfantilProposta Curricular - Educação Infantil
Proposta Curricular - Educação Infantil
 
Reportagem - Consciência Ecológica
Reportagem - Consciência EcológicaReportagem - Consciência Ecológica
Reportagem - Consciência Ecológica
 
Projeto 2016 Educação Ambiental
Projeto 2016 Educação AmbientalProjeto 2016 Educação Ambiental
Projeto 2016 Educação Ambiental
 
Proposta curricular
Proposta curricularProposta curricular
Proposta curricular
 

Último

DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 

Organização do espaço e tempo na Educação Infantil

  • 1. 1 EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES Organização do Tempo e do Espaço na Educação infantil – Pesquisas e Práticas Maévi Anabel Nono UNESP – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto O dia a dia das creches e pré-escolas é repleto de atividades organizadas por educa- dores que, de uma maneira ou de outra, lidam com o espaço e o tempo a todo o momento. Como organizar tempos de brincar, de tomar banho, de se alimentar, de repousar de crianças de diferentes idades nos espaços das salas de atividades, do parque, do refeitório, do ba- nheiro, do pátio? É tarefa dos educadores organizar o espaço e o tempo das escolas infantis, sempre levando em conta o objetivo de proporcionar o desenvolvimento das crianças. Maria Carmen Silveira Barbosa e Maria da Graça Souza Horn pesquisam a organiza- ção do espaço e do tempo na escola infantil e afirmam: Organizar o cotidiano das crianças da Educação Infantil pressupõe pensar que o estabelecimento de uma sequência básica de atividades diárias é, antes de mais nada, o resultado da leitura que fazemos do nosso grupo de crianças, a partir, principalmente, de suas necessidades. É importante que o educador observe o que as crianças brincam, como estas brincadeiras se desenvolvem, o que mais gostam de fazer, em que espaços preferem ficar, o que lhes chama mais atenção, em que momentos do dia estão mais tranquilos ou mais agitados. Este conhecimento é fundamental para que a estruturação espaço-temporal tenha significado. Ao lado disto, também é importante considerar o contexto sociocultural no qual se insere e a pro- posta pedagógica da instituição, que deverão lhe dar suporte. (BARBOSA; HORN, 2001, p. 67). Para as pesquisadoras, no que se refere à organização das atividades no tempo, nas es- colas de Educação Infantil, são necessários momentos diferenciados, organizados de acordo com as necessidades biológicas, psicológicas, sociais e históricas das crianças (menores ou
  • 2. 2 EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES maiores). Nesse sentido, a organização do tempo nas creches e pré-escolas deve considerar as necessidades relacionadas ao repouso, alimentação, higiene de cada criança, levando-se em conta sua faixa etária, suas características pessoais, sua cultura e estilo de vida que traz de casa para a escola (BARBOSA; HORN, 2001). Assim como o tempo, o espaço também deve ser organizado levando-se em conta o ob- jetivo da Educação Infantil de promover o desenvolvimento integral das crianças. Maria da Graça Souza Horn ajuda-nos a pensar sobre esse tema. A partir de suas pesquisas, escreve: O olhar de um educador atento é sensível a todos os elementos que estão postos em uma sala de aula. O modo como organizamos materiais e mó- veis, e a forma como crianças e adultos ocupam esse espaço e como inte- ragem com ele são reveladores de uma concepção pedagógica. Aliás, o que sempre chamou minha atenção foi a pobreza frequentemente encontrada nas salas de aula, nos materiais, nas cores, nos aromas; enfim, em tudo que pode povoar o espaço onde cotidianamente as crianças estão e como pode- riam desenvolver-se nele e por meio dele se fosse mais bem organizado e mais rico em desafios. (HORN, 2004, p. 15). Horn acrescenta: As escolas de educação infantil têm na organização dos ambientes uma parte importante de sua proposta pedagógica. Ela traduz as concepções de criança, de educação, de ensino e aprendizagem, bem como uma visão de mundo e de ser humano do educador que atua nesse cenário. Portanto, qualquer professor tem, na realidade, uma concepção pedagógica explici- tada no modo como planeja suas aulas, na maneira como se relaciona com as crianças, na forma como organiza seus espaços na sala de aula. Por exemplo, se o educador planeja as atividades de acordo com a ideia de que as crianças aprendem através da memorização de conceitos; se mantém uma atitude autoritária sem discutir com as crianças as regras do convívio em grupo; se privilegia a ocupação dos espaços nobres das salas de aula com armários (onde somente ele tem acesso), mesas e cadeiras, a concep- ção que revela é eminentemente fundamentada em uma prática pedagó- gica tradicional. Conforme Farias (1998), a pedagogia se faz no espaço realidade e o espaço, por sua vez, consolida a pedagogia. Na realidade, ele é o retrato da relação pedagógica estabelecida entre crianças e professor. Ainda exemplificando, em uma concepção educacional que compreende o ensinar e o aprender em uma relação de mão única, ou seja, o professor ensina e o aluno aprende, toda a organização do espaço girará em torno da
  • 3. 3 EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES figura do professor. As mesas e as cadeiras ocuparão espaços privilegiados na sala de aula, e todas as ações das crianças dependerão de seu comando, de sua concordância e aquiescência. (HORN, 2004, p. 61). Diante das análises de Maria da Graça, como pensar a organização dos espaços nas creches e pré-escolas? Alguns educadores e pesquisadores têm voltado sua atenção para a organização dos espaços para o cuidado e educação de bebês. Cândida Bertolini e Ivanira B. Cruz enfatizam que “Os espaços e objetos de uma creche devem estar a favor do desenvolvimento sadio dos bebês, propiciando-lhes experiências novas e diversificadas” (ROSSETTI-FERREIRA et al, 2007, p. 149). Maria A. S. Martins, Cândida Bertolini, Marta A. M. Rodriguez e Francisca F. Silva, no capítulo intitulado “Um lugar gostoso para o bebê”, publicado na obra de Rossetti-Ferreira et al, (2007) observam que, normalmente, o espaço destinado aos bebês na grande parte das creches é tomado por berços, restando poucas possibilidades para que os pequenos explorem o ambiente e se locomovam por toda parte, com segurança. As educadoras pensaram em uma organização espacial diferente desta, na tentativa de proporcionar aos bebês um espaço atraente para seu desenvolvimento. Para elas, “O berçário deve ter espaços programados para dar à criança oportunidade de se movimentar, interagindo tanto com objetos como com outros bebês. Deve oferecer ao bebê situações desafiadoras, possibilitando o desenvolvimento de suas capacidades.” (ROS- SETTI-FERREIRA et al, 2007, p. 147). As educadoras Maria, Cândida, Marta e Francisca pensaram o espaço de seu berçário, levando em conta três partes da sala: o chão, o teto e as paredes. Em cada uma dessas par- tes, elas enxergaram possibilidades de garantir experiências interessantes e desafios para as crianças, por meio do uso de divisórias de diversos tamanhos e em diversas alturas, caixas de papelão recortadas e transformadas, brinquedos, canaletas para os bebês passarem por den- tro, muretas para impedi-los de seguir em frente e obrigá-los a experimentar outros trajetos, cortinas, espelhos, móbiles etc. Ainda a respeito do espaço para os bebês, as educadoras alertam: “Os espaços devem ser sempre atraentes e estimulantes para os bebês. Portanto, eles devem ser observados, ava- liados e mudados pelos educadores na medida em que eles se desenvolvem e se interessam por coisas novas.” (ROSSETTI-FERREIRA, 2007, p. 148). As educadoras trazem ainda algumas sugestões para pensarmos acerca do espaço para os bebês nas creches. Segundo elas, a partir da observação de sua própria prática, percebe-
  • 4. 4 EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES ram que [...] existe uma boa forma de arrumar o berçário, organizando-o com col- chonetes, caixas vazadas, móveis baixos, que permitem ao educador ob- servar todo o movimento da sala e o bebê também. Dessa forma, o bebê pode tranquilamente ir em busca de um objeto que tenha despertado sua curiosidade, pois ele está vendo que o educador continua na sala. Isso pos- sibilita a ele interagir mais com outros bebês. O educador fica então dis- ponível para aqueles que estão exigindo sua atenção naquele momento. (ROSSETTI-FERREIRA, 2007, p. 147) Lendo o capítulo “Espaço que dê espaço”, escrito por Lilian Pacheco S. Thiago (2006), no qual ela relata suas experiências de estágio com crianças de onze meses a um ano e três meses, notamos suas conquistas ao reorganizar o espaço dos bebês de uma escola de Educa- ção Infantil. Indo ao encontro das reflexões feitas pelas educadoras Maria, Cândida, Marta e Francisca, Lilian desenvolve o projeto “Criando... e recriando espaços” e percebe que [...] é preciso oferecer espaços com propostas diferenciadas, situações di- versificadas, que ampliem as possibilidades de exploração e ‘pesquisa’ in- fantis. As crianças realmente ampliaram suas possibilidades de exercitar a autonomia, a liberdade, a iniciativa, a livre escolha, quando o espaço está adequadamente organizado. Percebi, também, que poderia ficar mais livre para atendê-las individualmente, conforme suas necessidades, para obser- vá-las e conhecê-las melhor. Dessa forma, ainda, poderia me envolver com um pequeno grupo de crianças, propondo uma atividade específica, como na situação relatada anteriormente, quando me pus a brincar de carro com uma caixa de papelão com algumas crianças, enquanto outras se envol- viam com diferentes objetos e lugares na sala. (THIAGO, 2006, p. 60) Lilian compartilha conosco as formas como reorganizou os espaços oferecidos aos bebês da sala onde realizou seu estágio do curso de Pedagogia e oferece algumas ideias importantes para o uso adequado dos espaços como parceiros do professor e da professora de Educação Infantil no desenvolvimento das crianças. Lendo a forma como ela descreve o espaço que reorganizou, tente imaginar como ficou a sala dos bebês: O espaço da casinha; as tentativas de organizar zonas circunscritas uti- lizando bancos, mesas, prateleiras de plástico colorido com gavetas para pino de encaixe; o balcão baixo de madeira formando uma divisória; os colchonetes; o painel com gravuras de animais conhecidos (cavalo, gato, pássaros, cachorro, leão, peixe etc.); o espelho com duas poltroninhas ou almofadas em frente, sobre o tapete (espaço de busca de identidade) – tudo
  • 5. 5 EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES isso permitiu gostosa movimentação pela sala. As crianças andavam de um lado para outro, ora em busca de um objeto, ora de outro; ora apon- tando os dedinhos para as gravuras, mostrando conhecer algo que ali se apresentava. [...] Em outra ocasião, coloquei sobre as mesas, no centro da sala, livros de história, revistas infantis e outras revistas e fiquei a observá- -las. Algumas pegaram livros e foram se sentar sobre os colchonetes para folheá-los à sua maneira; outras manuseavam os livros na própria mesa; outras crianças preferiram buscar brincadeiras alternativas que o espaço lhes oferecia intencionalmente. Não é possível pretender que as crianças pequenas façam tudo ao mesmo tempo ou que todas façam a mesma coisa ao mesmo tempo. (THIAGO, 2006, p. 59) Conseguiram ir imaginando como ficou o espaço organizado por Lilian? Ao organizar as zonas circunscritas, Lilian se fundamenta nas contribuições de Mara Campos de Carva- lho e Renata Meneghini, presentes no capítulo intitulado “Estruturando a sala”, publicado no livro “Os fazeres na Educação Infantil” (ROSSETTI-FERREIRA et al., 2007). Vocês já ouviram falar de zonas circunscritas? Quem já atua na Educação Infantil certamente ouviu falar de “cantos”. A organização de “cantinhos” nas salas de Educação Infantil é bastante discutida hoje nas creches e pré-escolas. Muitos educadores tentam organizar suas salas em cantos de atividades diversificadas, mas, nem sempre essa organização está fundamentada em uma concepção de criança e de educação que a sustente. Então, os cantos acabam não funcionando, e sendo deixados de lado, substituídos pela organização anterior, muitas vezes pautada no uso do espaço que coloca o professor ou a professora no centro das atenções, com as crianças em volta deles na maior parte do tempo. Então, vamos tratar um pouco mais das zonas circunscritas, para entendermos melhor o que fundamenta a organização espacial que se vale dessas áreas delimitadas. Carvalho e Meneghini (2007) enfatizam que “O educador organiza o espaço de acordo com suas idéias sobre desenvolvimento infantil e de acordo com seus objetivos, mesmo sem perceber” (p. 150). Quando o educador ou a educadora de Educação Infantil organiza sua sala em espaços vazios, com poucos móveis, objetos e equipamentos, ele se vale, conforme escrevem as edu- cadoras na obra de Rossetti-Ferreira et al. (2007) de um arranjo espacial aberto. Para as educadoras Mara e Renata, nesse tipo de arranjo acontece aquilo que des- crevemos no parágrafo anterior, ou seja, a maioria das crianças fica em volta do educador, solicitando sua atenção, sem ter outra atividade a fazer. Dessa forma, “O educador acaba não tendo muita chance de manter um contato mais prolongado com nenhuma criança. Às vezes nem pode atender a todas, mesmo que rapidamente” (ROSSETTI-FERREIRA et al., 2007, p. 150).
  • 6. 6 EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES É claro que, muitas vezes, o professor ou a professora desejam reorganizar o espaço de sua sala mas encontram alguns obstáculos como falta de recursos, falta de apoio da equipe gestora da escola, condições inadequadas da própria escola de Educação Infantil. Mas, em muitos casos, há mesmo uma lacuna na formação do professor que o impede de pensar a or- ganização de sua sala em termos de um arranjo espacial semi-aberto. Nesse tipo de arranjo, sugerido por Mara Campos de Carvalho e Renata Meneghini na obra “Os fazeres na Educa- ção Infantil”, são utilizados móveis baixos para formar cantinhos ou zonas circunscritas, que “[...] são áreas delimitadas em três ou quatro lados, com uma abertura para a passagem, onde cabem com conforto cerca de seis crianças” (p. 151). Conforme explicam Mara e Renata, A característica principal das zonas circunscritas é seu fechamento em pelo menos três lados, seja qual for o material que o educador coloca lá dentro, ou que as próprias crianças levam para brincar. Dessa maneira, vo- cês pode delimitar essas áreas usando mesinhas ou cadeirinhas. Elas tam- bém podem ser constituídas por caixotes de madeira ou cabaninhas, desde que contenham aberturas. As cabaninhas podem ser criadas aproveitando o espaço embaixo de uma mesa e colocando por cima um pano que caia para os lados, contendo uma abertura, tipo porta. As cortinas também po- dem ser úteis para delimitar um ou dois lados. É importante que a criança possa ver facilmente a educadora, senão ela não ficará muito tempo dentro dessas áreas circunscritas. (ROSSETTI-FERREIRA et al, 2007, p. 151) Quando as crianças brincam nas zonas circunscritas, ficam mais tempo interagindo com outras crianças e com a atividade que está sendo ali realizada. Solicitam menos a aten- ção do educador que, dessa forma, pode acompanhar o desenvolvimento das diversas crian- ças, focalizando ora uma, ora outra, se desejar, observando se os materiais oferecidos estão atendendo aos objetivos que deseja alcançar em termos de desenvolvimento de cada criança, em particular, e do grupo todo, de modo geral, percebendo o momento de reorganizar ou modificar os cantos propostos para motivar mais as crianças e proporcionar a elas novas aprendizagens. Mara Campos de Carvalho, no capítulo “Por que as crianças gostam de áreas fecha- das?”, da obra de Rossetti-Ferreira et al. (2007), observa que a zona circunscrita oferece pro- teção e privacidade para as crianças, de modo que elas ficam mais atentas na atividade e no comportamento dos colegas, envolvendo-se por mais tempo nas brincadeiras proporcionadas pelo canto organizado pelo professor ou professora.
  • 7. 7 EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES Agora, também é importante que os professores e professoras de Educação Infantil saibam que as crianças precisam aprender a trabalhar com zonas circunscritas, especialmen- te se já estavam habituadas a trabalhar no arranjo espacial aberto, com o educador sempre dirigindo as atividades, sempre interferindo diretamente nas suas ações e relações com os colegas e o ambiente. A educadora Mara também alerta os professores e professoras da Educação Infantil para o fato de que, mesmo no arranjo espacial semi-aberto, as áreas circunscritas não de- vem tomar todo o espaço das salas das creches e pré-escolas. Outras áreas que não sejam necessariamente delimitadas por três ou quatro lados também devem ser oferecidas para as crianças como, por exemplo, espaços com mesinhas e cadeiras para execução de atividades de colagem, pintura, lápis e papel, espaços sem delimitação com almofadas e tapetes para leitura de livros de histórias. Ainda contribuindo para que professores e professoras pensem sobre o espaço que oferecem para as crianças em creches e pré-escolas, a educadora Mara Campos de Carvalho (ROSSETTI-FERREIRA et al, 2007) faz algumas análises dos ambientes infantis e conclui que eles devem estar organizados de modo a promover o desenvolvimento da identidade pessoal de cada criança, o desenvolvimento de diversas competências como, por exemplo, poder tomar água sozinha e alcançar o interruptor de luz, oportunidades para movimentos corporais diversos, a estimulação dos sentidos, a sensação de segurança e confiança e, final- mente, oportunidades para contato social e privacidade. Paulo de Camargo (2008) analisa os “Desencontros entre Arquitetura e Pedagogia” em reportagem na qual conversa com arquitetos e educadores sobre os espaços nas escolas de Educação Infantil. Os arquitetos entrevistados por Paulo de Camargo ressaltam a neces- sidade de que as creches e pré-escolas sejam construídas levando-se em conta que elas serão ocupadas e utilizadas por crianças. Um dos arquitetos entrevistados, Paulo Sophia, esclarece que, para conceber uma es- cola, tenta se colocar no lugar da criança, procurando notar como ela irá olhar ou perceber o espaço. Para esse arquiteto, as crianças têm uma relação própria com o espaço, bastante diferente daquela dos adultos. Outra arquiteta entrevista por Paulo de Camargo é Ana Beatriz Goulart de Faria, en- volvida com diversos projetos de arquitetura educativa. Ana Beatriz observa que na maioria dos municípios brasileiros, os espaços de Educação Infantil seguem modelos-padrão ela- borados muito longe daqueles territórios, desconsiderando sua geografia, sua história, sua cultura, suas políticas para a infância. Para ela, “São projetos-modelo elaborados para uma infância sem fala” (CAMARGO, 2008, p. 46).
  • 8. 8 EDUCAÇÃOINFANTIL:ABORDAGENSCURRICULARES Paulo de Camargo também entrevista a arquiteta Adriana Freyberger, segundo a qual é preciso que se dê mais atenção aos espaços da escola de Educação Infantil que vão além da sala de atividades. Pátios e refeitórios devem ser cuidadosamente organizados, já que são espaços de aprendizagem. Para Adriana, pensar o espaço significa pensar além da estrutura física. É preciso, segundo ela, planejar os materiais, jogos e brinquedos adequados ao projeto pedagógico da instituição. A arquiteta ressalta a importância do uso de materiais de qualidade nas creches e pré-escolas e da atenção ao número adequado de crianças para cada espaço, evitando-se o excesso de crianças por sala. Para finalizar esse texto sobre a organização do tempo e do espaço nas creches e pré- -escolas, vejamos a fala transcrita a seguir que expressa a opinião da arquiteta Ana Beatriz Goulart de Faria (entrevistada por Paulo de Camargo). Os espaços de nossa infância nos marcam profundamente. Sejam eles ber- ço, casa, rua, praça, creche, escola, cidade, país, sejam eles bonitos ou feios, confortáveis ou não, o fato é que influenciam definitivamente nossa maneira de vermos o mundo e de nos relacionarmos com ele. (CAMAR- GO, 2008, p. 45) Vocês concordam com a arquiteta Ana Beatriz? Quais espaços marcaram a sua infân- cia? Como eram esses espaços? Por quais motivos foram marcantes? Quais lembranças esses espaços trazem para vocês? Nada melhor que finalizar a leitura deste texto com estas refle- xões. Pensem também em como vocês lidavam com o tempo na sua infância. Havia tempos marcados para determinadas atividades ao longo do dia? Estas reflexões sobre o espaço e o tempo em sua infância devem sempre estar presentes nas suas reflexões sobre o espaço e o tempo que devemos, como professores e gestores, proporcionar para as crianças nas creches e pré-escolas. Referências BARBOSA, M. C. S.; HORN, M. G. S. Organização do espaço e do tempo na escola infantil. In: CRAIDY, C.; KAERCHER, G. E. Educação Infantil. Pra que te quero? Porto Alegre: Artmed, 2001, p. 67-79. CAMARGO, P. Desencontros entre Arquitetura e Pedagogia. Revista Pátio Educação Infantil, Porto Ale- gre, ano VI, n. 18, p. 44-47, nov. 2008. ROSSETTI-FERREIRA, M. C. et al. (Org.). Os fazeres na Educação Infantil. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2007. HORN, M. G. S. Sabores, cores, sons, aromas. A organização dos espaços na Educação Infantil. Porto Ale- gre: Artmed, 2004. THIAGO, L. P. S. Espaço que dê espaço. In: OSTETTO, L. E. (Org.). Encontros e encantamentos na Edu- cação Infantil: partilhando experiências de estágios. Campinas: Papirus, 2006, p. 51-62. Saiba Mais Saiba Mais
  • 9. Planejar para aprender. Aprender para planejar Beatriz Ferraz* Frente ao desafio de escre- ver um artigo sobre o plane- jamento na Educação Infan- til, me vi inquieta buscando uma forma de introduzir este tema de maneira agradável e com a devida valorização que merece. Poderia iniciar escrevendo sobre a importância do pla- nejamento na ação do edu- cador, mas achei que não seria uma boa alternativa já que esta é uma afirmação tão conhecida. Por onde co- meçar? Começo, então, por um registro de uma educa- dora que relata a contribui- ção que a prática de planejar trouxe para a sua ação edu- cativa junto às crianças. “Trabalho com uma turma de crianças de 4 anos e pretendia realizar com elas um estudo sobre peixes. O exercício de planejar a atividade que desperta- ria nas crianças o interesse pelo tema foi de fundamen- tal importância para que eu pudesse rever tudo o que estava imaginando fazer. A primeira atividade represen- taria o grande disparador para o trabalho que faríamos. Senti uma profunda neces- sidade de pensar como o projeto deveria ser realizado. Então sentei e escrevi um planejamento: Nome da atividade: Quais os peixes que queremos es- tudar. Contexto da atividade: Conversa para iniciar um es- tudo com as crianças sobre alguns peixes. Objetivo da atividade (o que quero que as crianças aprendam): - Escolher os peixes que gostariam de estudar; - Levantar algumas pergun- tas que gostariam de ver respondidas sobre os pei- xes escolhidos; - Indicar alguns materiais que poderíamos usar para buscar informações. Conteúdo da atividade (o que preciso ensinar): - Elaboração de perguntas; - Fontes de informação; - Nome de alguns peixes. Encaminhamento da ati- vidade (como desenvolver a atividade com as crianças): Levar para a roda alguns li- vros com imagens de peixes. Perguntar às crianças quais peixes conhecem e, desses, quais gostariam de estudar. Listar em uma folha os peixes sugeridos pelas crianças e, se for o caso, fazer uma vota- ção para escolhermos alguns. Perguntar a elas o que gos- tariam de saber sobre estes animais. E, por fim, perguntar às crianças onde poderíamos encontrar informações para responder as perguntas. Estava muito satisfeita com o meu planejamento! A minha surpresa foi quando inicia- mos o projeto e as coisas não saíram como o esperado! Quando mostrei os livros para elas e perguntei quais peixes elas queriam estudar, apontavam aleatoriamente as imagens de peixes dos livros. Sendo assim, iam vi- rando as páginas e dizendo que queriam saber sobre to- dos eles! Além disso, quan- do perguntei o que queriam saber, me disseram coisas como “Quantos olhos eles têm? Ele tem boca?...”. E ainda para finalizar, quando perguntei sobre onde en- contro as informações, me disseram que poderia ser nestes livros mesmo que eu havia levado. Fiquei super frustrada! Senti que as crianças não * Beatriz Ferraz é psicóloga e doutoranda em Educação pela PUC-SP. Coordena Projetos de formação continuada em Educação Infantil junto a diversas prefei- turas e dirige a Escola de Educadores. artigo revista criança 25
  • 10. se envolveram, que não se comprometeram com a mi- nha proposta e que estavam respondendo às minhas per- guntas sem muita considera- ção, esperando que aquela atividade acabasse logo e que pudessem ir brincar. Depois de muito lamentar, tomei uma decisão: voltar ao meu planejamento e pensar o que tinha de errado para produzir tal desastre! Foi justamente nesta reto- mada que me dei conta de algumas coisas: 1. Se pretendia fazer uma atividade que despertasse o interes- se, era importante que o foco dela estivesse em uma motivação. Sendo assim, não po- deria ter como obje- tivo que as crianças aceitassem pronta- mente a minha proposta e a partir daí respondessem a todas as minhas soli- citações. Pude perceber que no planejamento não estava considerando as características do pensa- mento infantil e, portan- to, não havia conseguido fazer uma boa condução da atividade de modo que ficassem interessadas na minha proposta. 2. Também pude me dar conta de que para que as crianças pudessem for- mular boas perguntas que justificassem uma busca de informações em dife- rentes fontes era impor- tante que elas pudessem primeiro saber algo sobre os peixes e a partir des- te conhecimento pode- riam levantar suposições ou mesmo comparações entre as informações que tinham gerado o interesse por novos conhecimen- tos. As perguntas que as crianças fizeram podiam ser respondidas com uma simples observação das imagens dos livros e este era um equívoco meu de não considerar que eu precisava ajudá-las a for- mular questões e, para isso, precisaria fazer algu- ma atividade que as aju- dassem nesta tarefa. Com estas constatações fui buscar ajuda das minhas colegas de trabalho e de mi- nha diretora para pensar em outra atividade que pudesse gerar melhores resultados. A partir das sugestões que re- cebi, passei um vídeo que falava sobre o fundo do mar apresentando alguns peixes e algumas informações sobre eles. As crianças adoraram e ficaram completamente envolvidas com as imagens e as informações que rece- beram. Quando terminamos de assistir, tinham muita cla- reza dos peixes que queriam pesquisar e tinham pergun- tas muito interessantes, que puderam conceber a partir daquilo que viram e ouviram. Perguntaram coisas como: “Porque o peixe espada tem este nome?”; “Quantas per- nas tem o polvo?”, “Por que tem peixe que come peixe? Os peixes ficam grávi- dos?” Agora sim, tínha- mos perguntas que pre- cisavam de uma pesquisa para serem respondidas. Fiquei muito contente com o novo rumo que tomou meu trabalho com as crianças. Sei que foi graças ao planejamento feito e depois reelaborado que pude aprender coisas tão importantes sobre a re- lação ensino-aprendizagem e principalmente, sobre as boas ações do educador que favorecem aprendizagens significativas às crianças!” A reflexão desta educadora sobre o uso do planejamen- to como um instrumento que nos ajuda a adequar melhor nossas ações e com isto pro- piciar uma aprendizagem de qualidade às crianças nos traz muitas informações sobre o quê significa planejar, para que planejar e como planejar. artigo 26 revista criança “Também aprendemos que o planejamento favorece a reflexão sobre a prática educativa...”
  • 11. artigo A primeira questão que po- demos aprender com ela é que o planejamento precisa fazer sentido para o profes- sor, pois ele é um instrumen- to que visa ajudar e facilitar a sua prática. Ao planejar, antecipamos uma série de acontecimentos que podem ocorrer na ação e nos prepa- ramos para lidar com eles, di- minuindo assim a quantidade de imprevistos e tornando as nossas ações mais precisas e de melhor qualidade. Também aprendemos que o planejamento favorece a reflexão sobre a prática educativa e, dessa forma, funciona também como um instrumento de aprendiza- gem. Quando planejamos, tomamos uma série de de- cisões e fazemos uma série de relações entre conheci- mentos teóricos/científicos e conhecimentos práticos de nossa experiência pessoal e profissional. Vejamos alguns exemplos: A frase inicial do item 1 deve ser mantida pois ela explicita bem a idéia que a autora quer marcar. 1. A partir do plano curricular da instituição, que ajuda o professor a guiar sua prá- tica com as crianças, ele escolhe, durante o plane- jamento, quais as melho- res estratégias para colo- car em ação cada um dos conteúdos que pretende ensinar. 2. Ao realizar o exercício de pensar sobre as estraté- gias e os conteúdos de ensino, o professor preci- sa pensar sobre quem é a criança com a qual tra- balha, quais são as suas necessidades, seus inte- resses, suas motivações. A partir desta reflexão terá maior clareza em seu pla- nejamento para decidir o encaminhamento da ativi- dade. 3. Ao considerar como irá conduzir uma atividade e quais os conhecimen- tos que pretende ensinar, exercício propiciado pelo planejamento, o professor também tem que compre- ender como se ensinam os diferentes conteúdos. Para cada um deles, ou para cada bloco deles, há estratégias que se ade- quam melhor. Com isto, aprende mais sobre como ensinar, pois pode genera- lizar o que aprende com a atividade planejada para outras situações que vi- vencia diariamente na ins- tituição. Por fim, podemos também aprender com o exemplo desta educadora sobre como analisamos e como aprende- mos com o planejamento. Quando o professor escolhe uma atividade para realizar com as crianças tem que ter clareza de suas intenções com ela para que possa ade- quar suas ações e alcançar os objetivos propostos. Sen- do assim, ao conceber um planejamento é importante destacar: 1. O que eu quero com esta atividade. 2. O que eu quero que as crianças aprendam com esta atividade. 3. O que eu preciso ensi- nar para que as crianças aprendam. 4. Como eu devo desenvol- ver a atividade (incluindo antecipar ações e falas, os materiais que preten- do utilizar e a organização do espaço), para que as crianças construam os sa- beres propostos. Todos os itens que fazem parte do planejamento de- vem ter coerência entre si. Ou seja, depois de planejar, posso voltar ao que escrevi e questionar: Com isto que direi às crianças estou aju- dando elas a aprenderem aquilo que espero? Toman- do o exemplo da educadora acima, se quero que as crian- ças formulem boas questões para iniciar uma pesquisa, será que a melhor alternativa é começar pelas perguntas? Com tantas possibilidades de reflexão, de construção de conhecimento sobre a prática, não há como negar a importância do planejamen- to na atuação do professor de Educação Infantil. Não é mesmo? revista criança 27
  • 12. revista criança caleidoscópio Avaliação sempre envolve uma concepção de mundo Claudia de Oliveira Fernandes* “...Mal Alecrim segurou a maria-mole, percebeu como era incrivelmente macia. E cheirosa. Levou-a para seu cantinho na biblioteca, sentou-se em cima dela, pulou, e aprovou. – Agora, tenho um ótimo travesseiro. Na manhã seguinte, acordou com a cabeça cheia de açúcar e coco ralado. – Que maravilha! – deslumbrou-se. – Vai me dar pensamentos doces. – Deu uma lambida na ponta dos cabelos. – Hummm! E é uma delícia também. Nunca tive um travesseiro tão bom.” Rosa Amanda Strausz Alecrim, Ed. Objetiva, 2003 Um certo olhar A personagem Alecrim en- tende que terá sonhos doces ao dormir com um travesseiro de maria-mole. E você, gosta de maria-mole? Você teria um travesseiro em que, ao acordar pela manhã, seu cabelo esti- vesse cheio de açúcar e coco ralado? Depende do ponto de vista, não? Alguns odiariam a idéia, outros, como Alecrim, achariam o máximo! Com a avaliação acontece a mesma coisa: depende do ponto de vista! A concepção que o profes- sor possui sobre a função da avaliação depende de sua história de vida, de suas lem- branças escolares, de suas ex- pectativas em relação às suas crianças, de sua perspectiva teórica, da maneira como se percebe na profissão. Ora, se a Educação Infantil tem por função primeira so- cializar, inserir nossas crian- ças no mundo que as cerca de maneira criativa, compro- missada, responsável, bem como perpetuar e criar conhe- cimentos e culturas, como si- tuar a avaliação escolar nessa perspectiva? Fala-se muito acerca de uma avaliação que não pode ser excludente, classificatória, que selecione, segregando as crianças e separando aque- las que prometem uma vida escolar de sucesso das que estariam fadadas ao fracasso, que infelizmente, não só es- taria reservado à vida escolar do aluno, mas também a toda sua experiência de vida futura. Uma marca que o tempo nem sempre consegue desfazer. No entanto, até que ponto, nós professores, refletimos sobre nossas ações cotidia- nas na escola, nossas prá- ticas em sala de aula, sobre a linguagem que utilizamos, aquilo que pré-julgamos? Nossas práticas estão imbuí- das de ações que fazem parte de nossa cultura, de nossas crenças, e que expressam um “certo modo” de ver o mundo. * Doutora em educação pela PUC-Rio. Professora Adjunta da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/UNIRIO. Realiza pesquisa na área de avaliação escolar, políticas educacionais em avaliação e orga- nização da escolaridade em ciclos. Participou da elaboração da proposta de avaliação do PROINFANTIL. Esse “certo modo” de ver o mundo ainda está muito im- pregnado pela lógica da clas- sificação e da seleção, no que tange à avaliação. Um exemplo: as notas co- locam os avaliados em uma situação classificatória, certo? A partir desta classificação, podemos separar os melhores dos piores classificados. Em termos de educação escolar, os melhores seguirão em fren- te, os piores voltarão para o início da fila, refazendo todo o caminho percorrido ao longo de um ciclo de estudos. Podemos encontrar escolas privadas de Educação Infantil que, para terem maior “legiti- midade” e gozarem de maior “credibilidade” junto aos pais e à sociedade, adotam um sistema de avaliação nesse segmento, no qual as crianças recebem uma nota e realizam provas! Isso é muito estranho, ou pelo menos incoerente, se pensarmos que queremos que nossas crianças possam gos- tar de descobrir o mundo má- 9
  • 13. 10 revista criança gico do conhecimento e que aprendam que vão à escola para ter prazer, para aprender sem que para isso precisem receber um prêmio. Para se discutir mudanças no que tange à avaliação, an- tes de se propor métodos e alterações práticas, é preciso pensar no papel social que tem a escola, a pré-escola e a creche, bem como a pro- fissão de professor. Ninguém dirá que a função da escola é selecionar, classificar, excluir. Ninguém ousaria, entenden- do a educação escolar como um bem universal, dizer que a escola deveria ficar apenas com os melhores. Parece que temos claro qual é nosso pa- pel e a função social da insti- tuição a qual nos vinculamos profissionalmente. No entan- to, concordando com Sacristán (2001) é necessário desvelar o óbvio para resignificar o papel da escola e do ensino públi- co como um bem universal. É fundamental que a discussão acerca da função social da es- cola seja colocada novamente, entre nós educadores, a fim de reafirmarmos os valores para os quais ela foi criada. A partir daí, então, podemos começar a discutir todos os elementos do currículo/proposta peda- gógica, inclusive a avaliação. Os princípios Ora, se pensar sobre avalia- ção implica repensar o papel social da escola e da profis- são de ser professor, estamos falando, portanto, de alguns princípios que devem nortear a avaliação. Eles não devem ser diferentes daqueles que orientam as práticas e as nos- sas crenças acerca do papel da escola e da instituição de Educação Infantil na vida das crianças, de suas famílias e da sociedade. Gostaria de destacar alguns princípios que, a meu ver, de- veriam ser norteadores de uma avaliação na instituição de Educação Infantil. São eles: caleidoscópio o olhar observador, a promo- ção das crianças e de suas aprendizagens, a valorização das experiências culturais das crianças, o desenvolvimen- to da autonomia, a inclusão, o diálogo, a preservação da auto-estima favorável ao cres- cimento, o comprometimento da escola e do professor com o social, o caráter formativo da avaliação, a auto-avaliação, a participação, a construção da responsabilidade com o cole- tivo. Uma mudança na escola, em direção a práticas mais democráticas de avaliação e, portanto, não classificatórias ou segregadoras, não passa inicialmente, por mudanças de métodos ou didáticas mais contemporâneos. Uma mu- dança profunda implica em uma reflexão acerca dos prin- cípios que regem nossa ação pedagógica e que nos darão a base para a construção de nosso projeto pedagógico e para os processos de avalia- ção que estiverem aí inseri- dos. A clareza e a retidão de princípios poderão nortear uma prática coerente e própria de uma escola ou instituição democrática, compromissada com o crescimento e a valo- rização das crianças, profes- sores, educadores e funcioná- rios. Uma avaliação formativa A Educação Infantil tem uma prática de avaliação for- mativa. O que significa isto? Muitos autores já conceitu-
  • 14. 11revista criança aram esse tipo de avaliação. Podemos entender que a ava- liação formativa é aquela em que o professor está atento para os processos e apren- dizagens de suas crianças. O professor não avalia com o propósito de dar uma nota. A avaliação acontece, pois se entende que ela é essencial para dar prosseguimento aos percursos de aprendizagem. Continuamente, ela faz par- te do cotidiano das tarefas propostas, das observações atentas do professor, das prá- ticas de sala de aula. Por fim, podemos dizer que avaliação formativa é aquela que orienta as crianças para a realização de seus trabalhos e de suas aprendizagens, ajudando-as a localizar suas dificuldades e suas potencialidades, redire- cionando-as em seus percur- sos. Perrenoud (1999, p.143) define a avaliação formativa como uma avaliação que aju- da a criança a aprender e o professor a ensinar. Considerando que a cons- trução da autonomia é um dos princípios que orientam a Educação Infantil, apontamos que um aspecto fundamental de uma avaliação formativa diz respeito à construção da autonomia por parte da crian- ça, na medida em que lhe é solicitado um papel ativo em seu processo de aprender. Ins- taurar uma cultura avaliativa, no sentido de uma avaliação entendida como parte ineren- te do processo e não desvin- culada para uma atribuição de nota, não é tarefa muito fácil. Contudo, sabemos que na Educação Infantil os pro- fessores, de um modo geral, realizam uma avaliação muito próxima da formativa, dado que exercem uma avaliação mais contínua dos processos das crianças, desvinculada da necessidade de pontuá-la com indicadores numéricos ou de outra ordem, para fins de aprovação. As práticas avaliativas na Educação In- fantil, de modo geral, primam pela lógica da inclusão das crianças com vistas à sua permanência e continuidade nas creches, pré-escolas e escolas de Educação Infantil. Dessa forma, podemos con- cluir reafirmando que: 1. É fundamental transformar a prática avaliativa em prática de aprendizagem. 2. Avaliar é necessário e condição para a mudança de prática e continuidade do co- nhecimento. 3. Avaliar faz parte do pro- cesso de ensino e de apren- dizagem: não ensinamos sem avaliar, não aprendemos sem avaliar. Dessa forma, rompe- se com a falsa dicotomia en- tre ensino e avaliação, como se esta fosse apenas o final de um processo. Assim como Alecrim, pode- mos e devemos romper com o que está instituído. Dormir em travesseiro de maria-mole pode ser muito gostoso. Rom- per com amarras, com o que já está pré-estabelecido, com práticas antigas que só são coerentes com uma escola de décadas passadas, com uma perspectiva seletiva e, por- tanto, com uma concepção de avaliação classificatória, faz parte do compromisso do educador desse início de sé- culo. Falar em avaliação im- plica, antes de se pensar em como avaliar, refletir acerca do porquê e para que avaliar. Será que sabemos para que avaliamos? Referências Bibliográficas PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens, entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed Editora 1999. SACRISTÁN, G. A Educação Obrigatória - seu sentido educativo e social. Porto Alegre: Artmed Editora 2001. caleidoscópio
  • 15. Adrianne Ogêda Guedes* 12 revista criança Para abrir nosso diálogo, vale discutir o sentido de ava- liar na educação. A avaliação estará presente o tempo todo em nossa prática educativa, inclusive nos momentos de inserção de novas crianças e ao longo de nossos planeja- mentos. A cada decisão que tomamos, a cada escolha que fazemos - desde uma ativida- de que planejamos, até a for- ma com que lidamos com as crianças - estamos avaliando. A avaliação é, portanto, um ato que sugere movimento, reflexão e transformação. É importante ressaltar que a avaliação não é um instrumen- to para medir o quanto a crian- ça aprendeu nem tampouco é uma forma de julgar, reprovar ou aprovar uma criança. A ava- liação, que de fato contribui para o crescimento da criança e para o trabalho do professor, precisa ser mediadora e aco- lhedora. É ela que possibilitará o acompanhamento da crian- ça em todos os momentos vividos na Educação Infantil, contribuindo com seu avanço na ampliação do conhecimen- to de si e do mundo. Acompanhar o desenvol- vimento da criança ajuda o professor a rever e aprimorar seu trabalho. Neste sentido avaliar a criança nos leva tam- bém a avaliar nossa própria ação pedagógica e também a instituição na qual estamos in- seridos. Afinal, avaliar é o mo- vimento de pensar tudo que envolve nossa prática e bus- car caminhos de torná-la cada vez mais coerente e mais con- textualizada. A professora Jussara Hoffmann – muito conhecida por suas pesquisas sobre o tema da avaliação educacional – afirma que: “A avaliação deve ser entendida como uma prática investigativa e não sentenciva, mediadora e não constatativa. Não são os julgamentos que justificam a avaliação, as afirmações inquestionáveis sobre o que a criança é ou não é capaz de fazer.” (2000: 15). Portanto, não devemos avaliar as crianças para classificá-las, julgando o que sabem ou não sabem fazer, padronizando comportamentos, constatando apenas as suas “capacidades”, quantificando seus saberes e apontando seus erros. Sua história deve ser considerada, as conquistas valorizadas, as descobertas apreciadas. Para Hoffmann, a avaliação é uma forma de conhecer/investigar o movimento das crianças e, a partir desta investigação, pensar formas de intervenção que possam favorecer o desenvolvimento e a ampliação dos conhecimentos da criança. Avaliar é comprometer-se com a criança, seu sucesso e suas conquistas. Por isso, é fundamental es- tudarmos mais sobre o desen- volvimento infantil. Muitas ve- zes as crianças com as quais trabalhamos nos surpreendem com respostas inusitadas que nos mostram o quanto elas pensam sobre o mundo à sua volta, bem como as ligações entre os diversos conheci- mentos que vão construindo na relação com os elementos da cultura, com seus parceiros e com o ambiente. A escuta do ponto de vista da criança é, portanto, fundamental! Ela nos revela muito, por um lado, sobre quem é aquela criança, quais são as suas vivências e experiências e, por outro, so- bre a lógica infantil. * Diretora pedagógica da Casa Monte Alegre Educação Infantil (RJ), professora do curso de Especialização “Educação Infantil: Perspectivas de Trabalho em Creches e Pré-escolas” da PUC-RJ e doutoranda em Edu- cação da Universidade Federal Fluminense. Participou da elaboração de textos para o PROINFANTIL. Elaboração e organização de instrumentos de acompanhamento e avaliação da aprendizagem e desenvolvimento das crianças caleidoscópio
  • 16. As falas de nossas crianças nos fornecem preciosas pistas sobre suas hipóteses, suas idéias próprias e, partindo do que elas pensam, podemos desafiar o avanço de seus co- nhecimentos com atividades interessantes e instigantes. Tal qual “detetives”, precisamos olhar, escutar, observar com atenção o que nossas crian- ças demonstram, o que lhes chama a atenção. Isto nos for- nece elementos não só para compreender mais sobre cada uma delas, mas também para que possamos planejar nosso trabalho. Se soubermos os interesses, curiosidades, dú- vidas, dificuldades de nossas crianças, podemos pensar em propostas que vão ao encon- tro delas. Um aspecto significativo da prática avaliativa é o registro (escrito, fotográfico, ou outro). Registrar o vivido pela criança permite que acompanhemos suas conquistas e avanços. É importante termos em vista que não podemos nos base- ar apenas na nossa memória, porque ela é muitas vezes fa- lha. Se não registramos nos- sas experiências corremos o risco de esquecer detalhes preciosos do vivido! A escrita, registro mais co- mumente utilizado na escola, é um excelente recurso para ampliar à reflexão. Não de- vemos escrever para “prestar contas” aos pais ou à institui- ção. É claro que, para os pais, os relatórios das crianças são excelentes instrumentos para que eles conheçam mais so- bre seu filho e sobre o trabalho que estamos desenvolvendo, mas isso não quer dizer que escrevemos para mostrar “o quanto fizemos” nem para in- dicar “o que a criança sabe ou não sabe”. Registrar por escrito nossas experiências e as observa- ções sobre as crianças permi- te que possamos refletir sobre nossa prática, revendo nos- sos atos, organizando idéias e experiências, mapeando as dúvidas, relacionando o que vivemos com as teorias. Cecília Warschauer, professora e edu- cadora, acredita que o registro é uma forma de retratar a histó- ria vivida, de deixar marcas. É um instrumento que favorece a reflexão (1993: 61) e o apri- moramento do professor. A reflexão é o repensar a ação pedagógica num tempo posterior a ela. Neste momen- to, o professor se distancia do imediatamente vivido, po- dendo, com essa distância, olhar para seus atos de uma outra forma. É por meio deste repensar que vamos revendo os caminhos trilhados, plane- jando os próximos passos e articulando os objetivos mais gerais da Educação Infantil e a realidade concreta de nossas crianças. Se surgem curiosidades so- bre algum assunto por parte das crianças, se registramos suas perguntas, podemos, em outro momento, buscar fontes de consulta para alimentar o trabalho. O professor não pre- cisa ter todas as respostas! Ele é na verdade um pesqui- sador que vai buscando dia- a-dia ampliar também seus recursos e conhecimentos, junto com suas crianças. O professor é alguém que ques- tiona, que organiza o grupo em torno das necessidades e curiosidades que surgem. Mais experiente, vai sugerindo caminhos, desdobramentos, desenvolvimentos a partir das idéias e sugestões infantis. Enfim, avaliar é abrir uma ja- nela para compreender mais profundamente nossas crian- ças e a nós mesmos. Assim teremos recursos para apri- morar a educação e fazê-la mais e mais uma experiência rica e significativa para crian- ças e professores. revista criança 13 Referências Bibliográficas: ESTEBAN, Maria Teresa (org.). Avaliação: uma prática em bus- ca de novos sentidos. Rio de Ja- neiro: Editora DP& A, 2000. HOFFMANN, Jussara. Avaliação na pré-escola: um olhar reflexi- vo sobre a criança. Porto Alegre: Editora Mediação, 2000. FREIRE, Madalena. A Paixão de conhecer o mundo. Rio de Janei- ro: Paz e Terra, 1983. OSTETTO. Luciana Esmeralda. Deixando Marcas... A prática do registro no cotidiano da educa- ção infantil. Florianópolis: Editora Cidade Futura, 2001. WARSCHAUER, Cecília. A roda e o registro, uma parceria entre professor, alunos e conhecimen- to. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1993. caleidoscópio