O RECONHECIMENTO DE
FACES NA ALEXITIMIA
Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde
Universidade de Aveiro Departamento de E...
As faces e a comunicação interpessoal
A comunicação interpessoal envolve a perceção, aprendizagem, interpretação e
reconhe...
O processamento de faces
→ identidade
assenta nas caraterísticas estruturais invariáveis
→ expressão facial
permitem uma r...
A expressão facial
Alterações de expressão estado emocional do outro
Expressões emocionais positivas a memória de novas fa...
A identidade em faces
Prosopagnosia (défices no reconhecimento da identidade)
→ ansiedade em situações sociais
→ relações ...
A identidade e a ansiedade social
estratégias de segurança
→ processos comportamentais baseados no evitamento
→ processos ...
Traço de personalidade caraterizado por uma desregulação emocional
que afeta a identificação, experiência, reconhecimento ...
A expressão facial e a alexitimia
As estratégias adotadas afetam relações interpessoais e podem decorrer em consequências ...
A identidade e a alexitimia
H1 alexitimia
reconhecimento facial
H2
ansiedade social
alexitimia
H3
evitamento
reconhecimento
A amostra
55estudantes
34 F
20 M
Na maioria...
→ caucasianos
→ heterossexuais
→ solteiros
1º(n=36)
2º(n=17)
18-47(M=23; SD...
Os instrumentos
3 etapas
2fases
2medidas
Cambridge Face Memory Test (CMFT; Duchaine & Nakayama, 2006)
Os instrumentos
Cambridge Car Memory Test
→ baseado no CFMT
→ objetos
→ distinção de habilidades
Escala de Alexitimia de T...
Os instrumentos
Inventário de Estado-Traço de Ansiedade para Adultos
→ ansiedade transitória
→ ansiedade constante
Inventá...
O procedimento
Apresentação Recrutamento Etapa 1
Etapa 2
Caraterísticas
perturbação emocional
EAESDIS
10desconforto (M≥115)
11evitamento (M≥105)
12alexitimia (M≥61)
BSI
TAS
Alexitimia e reconhecimentoH1
discriminação de estímulos faciais
alexitimia tempo de reação
rs= -.365; p<.005
tempo de rea...
Alexitimia e reconhecimentoH1
alexitimia
TR etapa 1 CFMT
rs= -.475, p<.005
r2 ajustado=0,13; F(1,52)=8,77; p=.005
B=-.02; ...
H2 Ansiedade social e alexitimia
ansiedade
social
desconforto: r= .60, p<.001
evitamento: r=.65, p<.001
alexitimia
r2 ajus...
H2 Ansiedade social e alexitimia
ansiedade
social
r2 ajustado=.39; F(2,51)=17,59; p<.001
evitamento: B=.13; SE=.05; β=.44;...
Ansiedade social e reconhecimentoH3
discriminação CFMT
velocidade CFMT
ansiedade
social+
desconforto: r=-.311, p<.022
evit...
As diferenças nos tempos de reação
rapidez na discriminação da identidade
acuidade na interpretação da expressão(Prkachin ...
A aproximação dos tempos de reação
Complexidade Exigências Ansiedade
Progressão entre etapas
Diferençasdevelocidade
(Morri...
A aproximação dos tempos de reação
Expetativas
Ansiedade
Social
Ameaça
EstratégiasDesempenho
(Heimberg et al., 2010; Prkac...
Reduzida habilidade de
reconhecimento
A alexitimia e a ansiedade social
Evitamento Exposição Atenção
(Davis et al., 2011)
...
A ansiedade social e o reconhecimento
ansiedade social reconhecimento
Amostra
Instrumentos
→ EASIS (frequência do medo)
→ ...
Limitações
Tamanho da amostra
População representativa
Explicar VELOCIDADE no tempo de reação
Estudos Futuros
Bibliografia
→ Bowles, D. C., McKone, E., Dawel, A., Duchaine, B., Palermo, R., Schmalzl, L., Rivolta, D., Wilson, C. E., ...
Bibliografia
→ Dalbudak, E., Evren, C., Aldemir, S., Coskun, K. S., Yıldırım, F. G., & Ugurlu, H. (2012). Alexithymia and ...
Bibliografia
→ Duchaine, B. C., & Weidenfeld, A. (2003). An evaluation of two commonly used tests of unfamiliar face
recog...
Bibliografia
→ Herzmann, G., Danthir, V., Schacht, A., Sommer, W., & Wilhelm, O. (2008). Toward a comprehensive test batte...
Bibliografia
→ Pollatos, O., Werner, N. S., Duschek, S., Schandry, R., Matthias, E., Traut-Mattausch, E., & Herbert, B. M....
Bibliografia
→ Taylor, G. J., Bagby, R. M., & Luminet, O. (2000). Assessment of alexithymia: Self-report and observer-rate...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação de Dissertação

326 visualizações

Publicada em

Apresentação da dissertação "O reconhecimento de faces na alexitimia"

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
326
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação de Dissertação

  1. 1. O RECONHECIMENTO DE FACES NA ALEXITIMIA Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde Universidade de Aveiro Departamento de Educação 2013 Orientação: Prof. Dr.ª Sandra Soares Coorientação: Prof. Dr.ª Isabel Santos Rebeca Macedo Mendes
  2. 2. As faces e a comunicação interpessoal A comunicação interpessoal envolve a perceção, aprendizagem, interpretação e reconhecimento da informação social disponibilizada. Faces: Estímulo não-verbal relevante para o processo de comunicação interpessoal. Fornecem pistas que permitem inferir um conjunto de características sobre o outro. A representação desenvolvida facilita a codificação e a recuperação (Nakashima et al., 2011) (Herzmann, Danthir, Schacht, Sommer, & Wilhelm, 2008)
  3. 3. O processamento de faces → identidade assenta nas caraterísticas estruturais invariáveis → expressão facial permitem uma representação social e emocional (Herzmann et al., 2008) O processamento de faces varia desde a recordação por longos períodos aos casos clínicos de prosopagnosia. (Herzmann et al., 2008)
  4. 4. A expressão facial Alterações de expressão estado emocional do outro Expressões emocionais positivas a memória de novas faces A ansiedade reflete uma hiperatenção para expressões ameaçadoras e evitamento para expressões positivas. (Herzmann et al., 2008) (Nakashima et al., 2011) Na ansiedade social esta predisposição é observada na população geral e clínica. (Bradley, Mogg, & Millar, 2000). (Gilboa-Schechtman, Foa, & Amir, 2010).
  5. 5. A identidade em faces Prosopagnosia (défices no reconhecimento da identidade) → ansiedade em situações sociais → relações interpessoais limitadas População geral → diferenças no reconhecimento da identidade → ansiedade social apresenta uma relação negativa com o reconhecimento facial (Calder & Young, 2005) (Yardley, McDermott, Pisarski, Duchaine, & Nakayama, 2008) (Duchaine & Nakayama, 2006) (Davis et al., 2011)
  6. 6. A identidade e a ansiedade social estratégias de segurança → processos comportamentais baseados no evitamento → processos cognitivos assentes no medo O evitamento parece afetar a habilidade de reconhecimento da facial pela reduzida exposição e atenção aos estímulos (Davis et al., 2011) (Roth & Heimberg, 2001)Ansiedade (Plasencia et al., 2011) Interferem no desempenho social e reforçam as expetativas, mantendo a ansiedade (Heimberg, Brozovich, & Rapee, 2010).
  7. 7. Traço de personalidade caraterizado por uma desregulação emocional que afeta a identificação, experiência, reconhecimento e verbalização de emoções Evitamento → Ansiedade Social → Alexitimia A ansiedade social e a alexitimia (Taylor, Bagby, & Luminet, 2000) Supressão emocional Reavaliação de emoções (Swart, Kortekaas, & Aleman, 2009) A alexitimia pode constituir um mecanismo de defesa para o controlo da ansiedade social. (Dalbudak et al., 2012).
  8. 8. A expressão facial e a alexitimia As estratégias adotadas afetam relações interpessoais e podem decorrer em consequências físicas e psicológicas. Alexitimia (Prkachin, Casey, & Prkachin, 2009; Swart et al., 2009) Reduzida consciência emocional Aumentada perceção de ameaça Estratégias desajustadas → Baixa sensibilidade à expressão facial → Reduzida perceção de expressões emocionais negativas
  9. 9. A identidade e a alexitimia H1 alexitimia reconhecimento facial H2 ansiedade social alexitimia H3 evitamento reconhecimento
  10. 10. A amostra 55estudantes 34 F 20 M Na maioria... → caucasianos → heterossexuais → solteiros 1º(n=36) 2º(n=17) 18-47(M=23; SD=6)
  11. 11. Os instrumentos 3 etapas 2fases 2medidas Cambridge Face Memory Test (CMFT; Duchaine & Nakayama, 2006)
  12. 12. Os instrumentos Cambridge Car Memory Test → baseado no CFMT → objetos → distinção de habilidades Escala de Alexitimia de Toronto (TAS-20; Veríssimo, 2001) (CCMT; Dennett et al., 2012) → identificar → descrever → pensamento orientado externamente sentimentos Escala de Ansiedade e Evitamento em Situações de Desempenho e Interação Social → desconforto → evitamento (EAESDIS; Gouveia, Cunha, & Salvador, 1997)
  13. 13. Os instrumentos Inventário de Estado-Traço de Ansiedade para Adultos → ansiedade transitória → ansiedade constante Inventário de Sintomatologia Breve → 9 dimensões → 3 índices Questionário sociodemográfico (STAI-Y; Silva, 2003) BSI; Canavarro, 1999
  14. 14. O procedimento Apresentação Recrutamento Etapa 1 Etapa 2
  15. 15. Caraterísticas perturbação emocional EAESDIS 10desconforto (M≥115) 11evitamento (M≥105) 12alexitimia (M≥61) BSI TAS
  16. 16. Alexitimia e reconhecimentoH1 discriminação de estímulos faciais alexitimia tempo de reação rs= -.365; p<.005 tempo de reação r2 ajustado=0,10; F(1,52)=5,62; p=.022 B=-.03; SE=.01; β=-.32
  17. 17. Alexitimia e reconhecimentoH1 alexitimia TR etapa 1 CFMT rs= -.475, p<.005 r2 ajustado=0,13; F(1,52)=8,77; p=.005 B=-.02; SE=.01; β=-.38 TR etapa 2 CFMT r= -.314; p<.05 r2 ajustado=0,10; F(1,52)=5,56; p=.022 B=-.04; SE=.01; β=-.31 TR etapa 3 CFMT r= -.154; p>.05 TR etapa 1 CCMT r= -.281; p<.05 r2 ajustado=0,06; F(1,52)=4,39; p=.041 B=-.03; SE=.01; β=-.28 – +
  18. 18. H2 Ansiedade social e alexitimia ansiedade social desconforto: r= .60, p<.001 evitamento: r=.65, p<.001 alexitimia r2 ajustado=0,44; F(2,51)=20; p=<.001 evitamento: B=.26; SE=.10; β=.48; p=.008 alexitimia
  19. 19. H2 Ansiedade social e alexitimia ansiedade social r2 ajustado=.39; F(2,51)=17,59; p<.001 evitamento: B=.13; SE=.05; β=.44; p=.019 F2 desconforto: rs=.565, p<.001 evitamento: rs=.554, p<.001 F1 + + F3 desconforto: rs=.563, p<.001 evitamento: rs=.629, p<.001 evitamento: rs=.300, p<.05 r2 ajustado=.35; F(2,51)=13,62; p<.001 r2 ajustado=.06; F(2,51)=2.63; p=.082
  20. 20. Ansiedade social e reconhecimentoH3 discriminação CFMT velocidade CFMT ansiedade social+ desconforto: r=-.311, p<.022 evitamento: r=.311, p<.022 etapa 3 CCMT r2 ajustado=.07; F(2,51)=3,07; p=.055 –
  21. 21. As diferenças nos tempos de reação rapidez na discriminação da identidade acuidade na interpretação da expressão(Prkachin et al., 2009) Podem estes indivíduos recorrer maioritariamente a mecanismos de processamento da identidade? efeito específico
  22. 22. A aproximação dos tempos de reação Complexidade Exigências Ansiedade Progressão entre etapas Diferençasdevelocidade (Morrison & Heimberg, 2013)
  23. 23. A aproximação dos tempos de reação Expetativas Ansiedade Social Ameaça EstratégiasDesempenho (Heimberg et al., 2010; Prkachin et al., 2009; Roth & Heimberg, 2001)
  24. 24. Reduzida habilidade de reconhecimento A alexitimia e a ansiedade social Evitamento Exposição Atenção (Davis et al., 2011) CFMT CCMT
  25. 25. A ansiedade social e o reconhecimento ansiedade social reconhecimento Amostra Instrumentos → EASIS (frequência do medo) → EAESDIS (quantidade desconforto/evitamento)
  26. 26. Limitações Tamanho da amostra População representativa Explicar VELOCIDADE no tempo de reação Estudos Futuros
  27. 27. Bibliografia → Bowles, D. C., McKone, E., Dawel, A., Duchaine, B., Palermo, R., Schmalzl, L., Rivolta, D., Wilson, C. E., & Yovel, G. (2009). Diagnosing prosopagnosia: Effects of ageing, sex, and participant–stimulus ethnic match on the Cambridge Face Memory Test and Cambridge Face Perception Test. Cognitive Neuropsychology, 26(5), 423-455. DOI: http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/02643290903343149. → Bradley, B. P., Mogg, K., & Millar, N. H. (2000). Covert and overt orienting of attention to emotional faces in anxiety. Cognition & Emotion, 14(6), 789-808. DOI: http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/02699930050156636. → Calder, A. J., & Young, A. W. (2005). Understanding the recognition of facial identity and facial expression. Nature Reviews Neuroscience, 6(8), 641-651. DOI: 10.1038/nrn1724. → Canavarro, M. C. S. (1999). Inventário de sintomas psicopatológicos – B. S. I. In M. R. Simões, M. M. Gonçalves & L. S. Almeida (Eds.), Testes e provas psicológicas em Portugal, Vol. II (pp. 95-109). Braga: APPORT/SHO. → Clark, D. M., & Wells, A. (1995). A cognitive model of social phobia. In: Heimberg RG, Liebowitz MR, Hope DA, Schneier FR, editors. Social Phobia: Diagnosis, assessment and treatment. New York: Guilford Press
  28. 28. Bibliografia → Dalbudak, E., Evren, C., Aldemir, S., Coskun, K. S., Yıldırım, F. G., & Ugurlu, H. (2012). Alexithymia and personality in relation to social anxiety among university students. Psychiatry Research. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.psychres.2012.11.027. → Davis, J. M., McKone, E., Dennett, H., O'Connor, K. B., O'Kearney, R., & Palermo, R. (2011). Individual differences in the ability to recognise facial identity are associated with social anxiety. PLoS ONE, 6(12). Doi: 10.1371/journal.pone.0028800. → Dennett, H. W., McKone, E., Tavashmi, R., Hall, A., Pidcock, M., Edwards, M., & Duchaine, B. (2012). The Cambridge Car Memory Test: A task matched in format to the Cambridge Face Memory Test, with norms, reliability, sex differences, dissociations from face memory, and expertise effects. Behavior Research Methods, 44(2), 587-605. DOI: 10.3758/s13428-011-0160-2. → Duchaine, B., & Nakayama, K. (2006). The Cambridge Face Memory Test: Results for neurologically intact individuals and an investigation of its validity using inverted face stimuli and prosopagnosic participants. Neuropsychologia, 44(4), 576-585.
  29. 29. Bibliografia → Duchaine, B. C., & Weidenfeld, A. (2003). An evaluation of two commonly used tests of unfamiliar face recognition. Neuropsychologia, 41(6), 713-720. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0028-3932(02)00222-1. → Gilboa-Schechtman, E., Foa, E. B., & Amir, N. (2010). Attentional biases for facial expressions in social phobia: The face-in-the-crowd paradigm. Cognition & Emotion, 13(3), 305-318. DOI: 10.1080/026999399379294. → Gouveia, J. P., Cunha, M. I., & Salvador, M. C. (2003). Assessment of social phobia by self-report questionnaires: The Social Interaction and Performance Anxiety and Avoidance Scale and the Social Phobia Safety Behaviours Scale. Behavioural and Cognitive Psychotherapy, 31, 291-311. DOI: http://dx.doi.org/10.1017/S1352465803003059. → Haxby, J. V., Hoffman, E. A., & Gobbini, M. I. (2000). The distributed human neural system for face perception. Trends in Cognitive Sciences, 4(6), 223-233. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S1364-6613(00)01482-0. → Heimberg, R. G., Brozovich, F. A., & Rapee, R. M. (2010). A cognitive behavioral model of social anxiety disorder: Update and extension. Social Anxiety: Clinical, Developmental, and Social Perspectives. New York: Academic. Vol. 2, 495-422.
  30. 30. Bibliografia → Herzmann, G., Danthir, V., Schacht, A., Sommer, W., & Wilhelm, O. (2008). Toward a comprehensive test battery for face cognition: Assessment of the tasks. Behavior Research Methods, 40(3), 840-857. DOI: 10.3758/BRM.40.3.840. → Hesse, C., & Floyd, K. (2011). Affection mediates the impact of alexithymia on relationships. Personality and Individual Differences, 50(4), 451-456. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.paid.2010.11.004. → Hirsch, C. R., Meynen, T., & Clark, D. M. (2004). Negative self-imagery in social anxiety contaminates social interactions. Memory, 12(4), 496-506. Doi: http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/09658210444000106. → Nakashima, S. F., Langton, S. R. H., & Yoshikawa, S. (2011). The effect of facial expression and gaze direction on memory for unfamiliar faces. Cognition & Emotion, 26(7), 1316-1325. DOI: http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/02699931.2011.619734. → Naragon-Gainey, K., & Watson, D. (2011). Clarifying the dispositional basis of social anxiety: A hierarchical perspective. Personality and Individual Differences, 50(7), 926-934. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.paid.2010.07.012.
  31. 31. Bibliografia → Pollatos, O., Werner, N. S., Duschek, S., Schandry, R., Matthias, E., Traut-Mattausch, E., & Herbert, B. M. (2011). Differential effects of alexithymia subscales on autonomic reactivity and anxiety during social stress. Journal of Psychosomatic Research, 70(6), 525-533. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jpsychores.2010.12.003. → Prkachin, G. C., Casey, C., & Prkachin, K. M. (2009). Alexithymia and perception of facial expressions of emotion. Personality and Individual Differences, 46(4), 412-417. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.paid.2008.11.010. → Rapee, R. M., & Heimberg, R. G. (1997). A cognitive-behavioral model of anxiety in social phobia. Behav. Res. Ther., 38(8), 741-756. → Roth, D. A., & Heimberg, R. G. (2001). Cognitive-behavioral models of social anxiety disorder. The Psychiatric Clinics of North America, 24(4), 753-71. → Swart, M., Kortekaas, R., & Aleman, A. (2009). Dealing with Feelings: Characterization of Trait Alexithymia on Emotion Regulation Strategies and Cognitive-Emotional Processing. PLoS ONE, 4(6), e5751.
  32. 32. Bibliografia → Taylor, G. J., Bagby, R. M., & Luminet, O. (2000). Assessment of alexithymia: Self-report and observer-rated measures. In J. D. A. Parker, Bar-On, R. (Ed.), The handbook of emotional intelligence (pp. 301-319). San Francisco. → Veríssimo, R. (2001). Versão portuguesa da Escala de Alextimia de Toronto de 20-Itens: Adaptação linguística, validação semântica, e estudo de fiabilidade. Medicina Psicossomática, 14, 529-536. → Yardley, L., McDermott, L., Pisarski, S., Duchaine, B., & Nakayama, K. (2008). Psychosocial consequences of developmental prosopagnosia: A problem of recognition. Journal of Psychosomatic Research, 65(5), 445-451.

×