A reliquia

8.922 visualizações

Publicada em

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.922
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
146
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A reliquia

  1. 1. Trabalho realizado por : Rúben Santos nº20
  2. 2. • A Relíquia, de Eça de Queirós, publicado em 1887, nos dá uma visão pessimista do autor, de um Portugal demasiadamente conservador de que Titi é a principal representante; há também uma crítica ferina, contundente e cruel desta mesma sociedade portuguesa, ressaltando-se aí os defeitos do clero, o que já fora anteriormente feito em O Crime do padre Amaro (que faz também parte da segunda fase do autor). Desta vez, no entanto, a crítica é muito mais aguda e mostra as criaturas que fariam qualquer coisa por um pouco de dinheiro.
  3. 3. • Principalmente neste romance o autor hostiliza os que ostentam o mundo de aparências; a própria D. Patrocínio, tão beata e tão piedosa, mas que, por discordar do modo de viver de um sobrinho "pecador, deixa-o morrer doente, sem atender-lhe os pedidos.
  4. 4. • O espaço principal é Lisboa e, também, a Terra Santa para onde o narrador se dirige numa viagem patrocinada por Titi.
  5. 5. • O tempo da narrativa é cronológico e a narrativa linear, transcorrendo no período entre namoro de Luísa, a morte da mãe, o abandono pelo namorado, estendendo- se pelos dois anos de seu casamento com Jorge, até a viagem e volta desse.• A acção passa-se no final do século XIX.
  6. 6. • Crítica à decadência moral da sociedade.• A inutilidade da hipocrisia.• Censura a desconformidade entre os actos e os ideais.• A hipocrisia religiosa.• O culto das aparências.• O convencionalismo social.• Crítica à beatice doentia.• Crítica à educação sexual transformada em aversão ao sexo.• Crítica ao abuso da boa fé e da credulidade.• Crítica à falta de sinceridade e à ambição desmedida.
  7. 7. • Teodorico Raposo• Dona Maria do Patrocínio (Titi)• Crispim• Pinheiro• Casimiro• Margaride• Adélia• Dr. Topsius• Mary
  8. 8. • Chamado por alcunha Raposão. Jovem hipócrita e interesseiro que se faz passar por beato para enganar a tia. Titi, e obter sua fortuna em testamento. E falso e mulherengo. Peregrina pela Terra Santa apenas para atender o desejo da tia e aproximar-se ainda mais de sua fortuna. Falta-lhe resíduo moral e decência mínima, já que não demonstra qualquer escrúpulo também em enganar as pessoas com suas falsas relíquia.
  9. 9. • Senhora muito alta, muito seca, “carão chupado e esverdinhado’, beata, virgem e com aversão ao sexo. Dona de uma imensa fortuna, usava isto como motivo para atemorizar o narrador.
  10. 10. • Filho do dono da firma Teles, Crispim & Cia. Chamado ironicamente de "a firma". Tinha cabelos compridos e louros, e um comportamento homossexual durante a vida no internato. Acaba tornando-se patrão e cunhado de Teodorico.
  11. 11. • Padre frequentador dos jantares oferecidos por Titi. Triste, tem mania de doença e fica examinando sempre a língua no espelho.
  12. 12. • Padre, procurador de Titi, vem sempre jantar com ela. Titi confia nele inteiramente.
  13. 13. • Homem corpulento e solene, calvo e com sombrancelhas cerradas, densas e negras como carvão. Foi amigo do pai de Teodorico em Viana, onde foi delegado. Foi juiz em Mangualde, mas aposentou-se depois de receber uma grande herança de seu irmão Abel. Tinha um gosto mórbido de exagerar as desgraças alheias.
  14. 14. • Amante de Teodorico, mas que era mantida por Eleutério Serra. Jovem interesseira, que acaba desprezando o protagonista por causa de sua obediência aos horários estipulados pela tia para chegar em casa e porque pouco consegue obter financeiramente. Acaba tornando-se amante do Padre Negrão, que recebe boa parte da herança de Titi.
  15. 15. • Alemão, formado pela Universidade de Bonn. Era um indivíduo espigado, magríssimo e pernudo, com uma rabona curta de lustrina, enchumaçada de manuscritos’. Tinha o nariz agudo e pensativo e usava óculos de ouro na ponta do nariz. Era patriótico, considerava a Alemanha a “mãe espiritual dos povos”. Apenas seu pigarro e a mania de usar a escova de dentes de Teodorico, desagradavam este último.
  16. 16. • Amante que Teodorico arranja quando da viagem à Terra Santa, responsável pelo fato de Titi ter deserdado o sobrinho, por conta de uma camisola de rendas e de certo bilhete que nela havia pregado.
  17. 17. • Padre - Negrão.• Vivência - Empregada de Titi.• Pote - Guia de Teodorico e Topsius em Jerusalém.• Justino - Tabelião de Titi.• Apedrinha - português encontrado no Egito como carregador de malas.
  18. 18. • http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analis es_completas/a/a_reliquia• http://vestibular.uol.com.br/resumos-de-livros/a- reliquia.jhtm• http://www.biblio.com.br/conteudo/ecadequeiros/mareliqu ia.htm

×