Exames do movimento involuntário - hipo e hipercinéticos

5.031 visualizações

Publicada em

Apresentado por Arthur Ferreira e Rafaella Gama no dia 27/08/2010

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.031
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
54
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Resultam de lesões no circuito dos núcleos da base, que são modulados pelos núcleos subtalâmico (diencéfalo) e pela substância nigra (mesencéfalo). Diencéfalo + Mesencéfalo = circuito subsidiário. As lesões dos núcleos da base podem causar graves desajustes posturais: flexão do tronco e da cabeça, com dificuldade de assumir posturas adequadas.
  • - Tremor : movimentos rítmicos oscilatórios nas partes distais como das mãos. - Coréia: movimentos involuntários, rápidos como se estivessem dançando. - Atetose: os movimentos são sinuosos, lentos e persistentes, especialmente dos braços e das mãos. Balismo: os movimentos são do tipo involuntários, abruptos e de arremesso de todo um membro devido a contração dos músculos mais proximais, ocorrendo em repouso. É devido a lesões dos núcleos subtâlamicos, removendo os efeitos moduladores que estes exercem sobre o globo pálido.
  • - Acinesia: o paciente tem dificuldade de iniciar movimentos voluntários e movimentos espontâneos. - Bradicinesia : os movimentos executados são lentos. - Hipocinesia: redução geral dos movimentos voluntários . - Hipertonia : rigidez muscular.
  • Exames do movimento involuntário - hipo e hipercinéticos

    1. 2. Distúrbios do movimento
    2. 3. Exame neurológico <ul><li>O exame dos movimentos involuntários está inserido na avaliação da motricidade: </li></ul><ul><ul><li>Inspeção, marcha, testes de força muscular, tônus muscular, reflexos e coordenação. </li></ul></ul><ul><li>Consiste na identificação do movimento </li></ul><ul><li>à partir da sua caracterização </li></ul><ul><li>(fenomenologia). </li></ul>
    3. 4. Distúrbios do movimento <ul><li>Afetam: </li></ul><ul><ul><li>Velocidade, fluência, qualidade e facilidade do movimento. </li></ul></ul><ul><li>Fluência ou velocidade anormais: </li></ul><ul><ul><li>Atividade motora excessiva (sinais positivos) </li></ul></ul><ul><ul><li>Atividade motora lentificada (sinais negativos) </li></ul></ul>
    4. 5. Distúrbios do movimento <ul><li>Resultam de lesões no circuito dos núcleos da base. </li></ul>
    5. 6. Distúrbios do movimento <ul><li>Hipercinéticos </li></ul><ul><ul><li>Tremor </li></ul></ul><ul><ul><li>Coréia </li></ul></ul><ul><ul><li>Distonia e atetose </li></ul></ul><ul><ul><li>Mioclonia </li></ul></ul><ul><ul><li>TIC </li></ul></ul><ul><ul><li>Balismo </li></ul></ul>
    6. 7. <ul><li>Hipocinéticos </li></ul><ul><ul><li>Acinesia </li></ul></ul><ul><ul><li>Bradicinesia </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipocinesia </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipertonia plástica </li></ul></ul>Distúrbios do movimento
    7. 8. Dois exemplos clássicos <ul><li>Hipocinesia: </li></ul><ul><ul><li>Doença de Parkinson : </li></ul></ul><ul><ul><li>Degeneração de neurônios dopaminérgicos da substância nigra </li></ul></ul><ul><ul><li>Afeta 1% de toda a população depois dos 50 anos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Sinais cardinais: tremor de repouso, bradicinesia e rigidez plástica. </li></ul></ul><ul><li>Hipercinesia: </li></ul><ul><ul><li>Doença de Huntington : </li></ul></ul><ul><ul><li>Doença genética autossômica dominante. </li></ul></ul><ul><ul><li>Inicia em torno dos 30-50 anos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Repetição CAG: Mutação no gene que codifica a proteína Huntingtina. </li></ul></ul><ul><ul><li>Lesão de núcles da base: Coréia e demência progressiva . </li></ul></ul>
    8. 9. Doença de Parkinson
    9. 10. Coréia
    10. 11. Mioclonia
    11. 12. Distonia
    12. 13. Tic:
    13. 14. Hemibalismo
    14. 15. Bibliografia: <ul><li>HARRISON’S. Principles of Internal Medicine. 17. ed. MCGRAW Hill Medical, 2009 </li></ul><ul><li>CECIL, R. L. Tratado de Medicina interna. 22. ed. Rio de Janeiro; Guanabara Koogan, 2005 </li></ul><ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=nsEpg-TP3o8 </li></ul><ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=J_wIDm1_ax4 </li></ul><ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=SpNsspu16Pg </li></ul><ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=0I9v42ycRKE </li></ul><ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=jclJVrLODQA </li></ul><ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=fCL7RWaC3RA </li></ul>

    ×