SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
DIGITAI$
MÓVEI$
PAGAMENTO$
Anything, anytime, anywhere
Versão atualizada de artigo para o curso de
Especialização em Gestão de E-commerce
RAFAEL PESSI
SUMÁRIO
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 2
INTRODUÇÃO
1 - DEFININDO M-COMMERCE E PAGAMENTOS MÓVEIS
2 - A HISTÓRIA DAS TECNOLOGIAS
3 - A PARTICIPAÇÃO DE MERCADO
CONCLUSÃO
REFERÊNCIAS
3
4
6
17
18
19
20GLOSSÁRIO
SOBRE O AUTOR 21
INTRODUÇÃO
OS PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS apresentam uma tendência de
crescimento em termos globais. De acordo com projeções divulgadas pela
empresa de soluções para pagamentos digitais Omlis, em 2014 as
transações de pagamento realizadas de forma mobile somaram 507 bilhões
dedólares,representando27%dastransferênciasdevaloresrealizadasonline.
Análises recentes de grandes players do mercado mundial de pagamentos
como MasterCard, Adyen e Paypal apontam uma tendência de
crescimento na utilização de aplicativos em smartphones e tablets como
alternativa às formas já existentes de pagamento online e também como
forma de pagamento nas próprias lojas físicas. Em 2014,
Para o gestor de e-commerce é indispensável conhecer as principais
tecnologias de pagamento que viabilizam transações tanto em websites
otimizados para dispositivos móveis, como em aplicativos dedicados de
mobile commerce. Devem ser consideradas ainda as chamadas digital wallets,
as carteiras digitais móveis que possibilitam pagar compras e serviços com o
celular em lojas físicas, táxis e em uma crescente gama de situações
cotidianas.
Considerando este cenário, se desdobrou a pesquisa que resultou neste
artigo, que se articula em torno de três eixos de exploração:
(1) Quais as principais tecnologias disponíveis para pagamentos móveis?
(2) De que forma essas tecnologias estão presentes nos dispositivos?
(3) Qual o market share dos mobile payments?
As respostas obtidas a partir dos conteúdos pesquisados permitem avaliar
em que grau os pagamentos digitais móveis contribuem para os resultados
das vendas no contexto do comércio eletrônico B2C. Possibilitam, ainda,
verificar qual a sua participação de mercado nas principais economias.
O artigo se inicia pela definição do mobile commerce e pela análise de como
os pagamentos digitais móveis se articulam com esta modalidade de
comércio eletrônico.
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 3
DEFININDOMOBILECOMMERCE E
PAGAMENTOSDIGITAISMÓVEIS
Os pagamentos digitais móveis, objeto deste artigo, estão diretamente
ligados ao comércio eletrônico quando as transações de compra e venda se
originam ou são concluídas a partir de smartphones e tablets. Este tipo de
comércio eletrônico se denomina mobile commerce ou simplesmente
m-commerce.
Rouse (2005, s.d.) define mobile commerce como "a compra e venda de
mercadorias e serviços por meio de dispositivos sem fio como telefones
celulares e assistentes pessoais digitais (PDAs)".
Na definição de Ahmad (2013, p.9) "mobile commerce envolve os meios para
realizar transações confiáveis por meio de dispositivos móveis na troca de bens
e serviços entre os consumidores, comerciantes e instituições financeiras".
Pela própria portabilidade e pelas possibilidades abertas pelo acesso à
Internet sem fio em smartphones e outros dispositivos, os pagamentos
digitais móveis emergiram como atividade de transferência de dados por
meio da qual se pode gerar dinheiro para uma companhia ao longo da cadeia
de valor.
Por exemplo, quando um cliente faz uma reserva de restaurante utilizando um
aplicativo instalado em seu telefone móvel, o valor pago em dinheiro pode ser
contado como lucro obtido por meio de mobile commerce, pois a transação
paga presencialmente se originou no dispositivo móvel.
1
4PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS
Para este mesmo exemplo, foram surgindo formas de realizar o pagamento
da conta pelo próprio dispositivo, fechando assim um ciclo completo que
caracteriza a fusão de mobile commerce com pagamentos digitais móveis.
Portanto, um dispositivo móvel pode ser um iniciador ou um consumidor
de uma transação comercial, que não precisa, necessariamente, ocorrer no
próprio dispositivo.
Um smartphone é um dispositivo muito mais pessoal do que um computador,
e o usuário provavelmente o tem consigo ou por perto a maior parte do
tempo. Então, o desafio para os arquitetos do mobile commerce sempre foi,
durante o seu desenvolvimento, encontrar meios de ampliar a experiência já
disponível no comércio eletrônico realizado em computadores de mesa, sem
simplesmente replicá-la.
Os três ``As´´ do mobile commerce são anything, anytime, anywhere
(qualquer coisa, a qualquer hora, em qualquer lugar).
Desde o início estas três características, combinadas e disponíveis em tempo
real, constituíram a distinção entre o comércio eletrônico móvel e a
experiência de consumo no computador de mesa, realizada por meio de
conexão física com a Internet.
A partir do entendimento do mobile commerce e suas caraterísticas
distintivas, e de uma introdução sobre o papel dos pagamentos digitais
móveis no seu âmbito, iremos conhecer as principais alternativas disponíveis
no mercado mundial para a realizar pagamentos a partir de dispositivos como
smartphones e tablets.
5PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS
Imagem: www.freepik.com
Designed by peechey
A HISTÓRIA DAS TECNOLOGIAS PARA
PAGAMENTOS MÓVEIS
No contexto do comércio eletrônico, para compreender o cenário atual do
mercado de pagamentos digitais móveis, é necessário recapitular as
iniciativas comerciais e as inovações tecnológicas que, no espaço de uma
década e meia, tornaram possível utilizar um telefone móvel para realizar
transferências de valores sem conexão por fio com a Internet.
Ahmad (2013, p. 101), tipifica quatro tecnologias principais para pagamentos
digitais. Cada qual obteve graus de penetração distintos no mercado mundial:
1) A tecnologia para pagamentos sem fio por mensagem de texto
(Short Message Service, SMS), com cobrança ao consumidor pela
conta telefônica ou de acesso à Internet móvel.
2) Leitores portáteis para cartões de crédito, conectados a
smartphones para aceitar pagamentos por meio de aplicativos
específicos, dispensando os terminais de cartões tradicionais, que
implicam em custos mais elevados para os comerciantes.
3) A tecnologia Near Field Communication (NFC), para pagamentos
sem fio feitos em lojas físicas, por meio de aproximação do
aparelho do cliente junto ao terminal de pagamento.
4) A tecnologia para pagamentos sem fio por meio de aplicativos
instalados no sistema operacional dos smartphones (telefones
móveis altamente sofisticados), sem necessidade de entrar em
websites na Internet.
Quanto ao envio e recebimento de dados pelos dispositivos móveis, essas
tecnologias se subdividem entre:
• aquelas que utilizam acesso sem fio à Internet;
• as que utilizam a rede telefônica para o envio de dados, caso da
tecnologia SMS;
• as que usam detecção por rádio frequência, como na tecnologia NFC.
2
6PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS
@
2.1 OS PRIMÓDIOS DO MOBILE COMMERCE
Por volta do ano 2000 a tecnologia WAP (Wireless Application Protocol) tornou
possível acessar a Internet a partir dos telefones móveis mais avançados da
época. Porém, a experiência de uso era muito pobre, mesmo nos países
desenvolvidos, tanto pela velocidade lenta de conexão quanto pelas
interfaces e telas disponíveis nos telefones da época.
Segundo Ahmad (2013 p.19),
A experiência de uso e a lentidão dos serviços de Internet móvel
disponíveis no começo dos anos 2000 geravam uma impressão
ruim para os consumidores sobre o mobile commerce. Para fazer
uma reserva de hotel eram necessários trinta e sete cliques de
teclado, e as telas da época eram pequenas, sem o recurso de
toque que foi universalizado pelo iPhone em 2007. Poucos
websites estavam preparados para realizar transações mobile, e a
base de usuários era pequena para que o modelo se pagasse.
Na época do WAP surgiram as iniciativas pioneiras para levar o comércio
eletrônico das lojas virtuais acessadas por computadores de mesa para os
telefones móveis. Em 1999, a Amazon, que se sempre se caracterizou pela
inovação em modelos de negócios para o comércio eletrônico, iniciou seus
esforços para o mobile commerce. Estabeleceu parcerias com operadoras de
telefonia móvel nos Estados Unidos, ganhando um atalho para o seu website
diretamente na tela principal dos aparelhos vendidos por estas operadoras.
7PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS
Imagem: www.freepik.com
Designed by Freepik
Depois deste período inicial, o modelo de mobile commerce baseado no
acesso móvel à Internet iria atravessar um longo período sem maiores
avanços em sua participação de mercado.
Segundo Ahmad (2013, p. 22):
Havia grandes obstáculos para o mobile commerce se tornar viável
e lucrativo: standards, segurança e apresentação estavam entre
eles. Entre 1998 e 2000, o mobile commerce estava em ciclo
declinante, se recuperando de expectativas irrealistas ainda
anteriores ao estouro da bolha da Nasdaq, geradas primariamente
pela lacuna de tecnologia existente na infra-estrutura para essa
ambiciosa nova aventura.
Foi então que, no contexto dos pagamentos digitais móveis, o modelo das
mensagens de texto curto (SMS) emergiu, a partir de iniciativas que não
estavam ligadas diretamente ao comércio eletrônico.
2.2 O SMS ULTRAPASSSA FRONTEIRAS
Em 2007, uma campanha de arrecadação da Cruz Vermelha para as vítimas do
grande terremoto no Haiti arrecadou quarenta milhões de dólares em nove
meses por meio de doações por SMS enviadas de celulares.
Segundo Ahmad (2013), os serviços de SMS para arrecadação de fundos
beneficentes forneceram um meio limpo para as pessoas transferirem
dinheiro usando dispositivos móveis, demonstrando que tecnologias mais
simples podiam ser efetivas. Até 2013 ainda proliferavam pelo mundo
iniciativas utilizando as mensagens curtas de texto como forma de transferir
e receber valores.
Vários fatores contribuíram para a expansão do uso do SMS: era um recurso
com o qual todos os usuários de telefones móveis estavam familiarizados,
com a conveniência da cobrança pela própria fatura de telefonia.
8PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS
Porém, o aspecto mais determinante acabou sendo mesmo a independência
em relação ao sinal de Internet móvel, ainda inexistente na maior parte do
mundo na primeira década dos anos 2000:
Os serviços SMS ofereciam então algo que os websites de
comércio eletrônico e o e-mail (ambos dependentes de conexão
estável) não podiam oferecer naquele momento: acesso a
consumidores sem conexão com a Internet. As mensagens
viajavam nas mesmas redes sem fio por onde passavam os sinais
de voz das chamadas telefônicas. (AHMAD, 2013, p. 29).
Por meio de alguns exemplos, podemos acompanhar como se deu a evolução
do uso da tecnologia SMS para pagamentos digitais móveis:
• em 1999, nas Filipinas, as duas maiores operadoras de telefonia
móvel do país (Global and Smart) lançaram o primeiro sistema
comercial de pagamentos móveis, baseados em sua própria
plataforma;
• também em 2007 a Safaricom, maior operadora de telefonia móvel
do Quênia, lançou o serviço M-Pesa, que tornou possível às pessoas
receber e enviar dinheiro por SMS de seus dispositivos móveis. Em
2011, o M-Pesa estava disponível em uma rede de trinta mil lojas,
duzentas vezes mais pontos de atendimento do que tinha então a
maior rede bancária do país;
• em 2008 a Amazon introduziu o pioneiro serviço de varejo online por
mensagem de texto, chamado TextBuyIt.
Mesmo com a introdução dos smartphones o SMS continuou sendo o serviço
mais utilizado em celulares, se beneficiando de uma taxa de abertura de
praticamente 100%, contra 74% de abertura de e-mails (AHMAD, 2013, p. 40).
9PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS
Sistema atual para pagamento por SMS
Imagem: reprodução/developers.fortumo.com
2.3 AFUSÃO CARTÃO+CELULAR
Enquanto os websites móveis e a tecnologia para acesso de qualidade à
Internet móvel evoluíam a partir do ano 2000, um projeto que sucedeu o
lançamento do iPhone, em 2007, trouxe uma inovação expressiva que teria
grande impacto no mercado de pagamentos móveis.
Lançado em 2010, o serviço Square tirava proveito da capacidade de
processamento, da interface de toque e da possibilidade de baixar e instalar
aplicativos que veio com o iPhone, acoplando a este aparelho um pequeno
leitor de cartões de crédito que tornava muito mais simples e barato para
pequenos comerciantes processar pagamentos.
Após o pagamento ser processado, o dinheiro era depositado na conta do
comerciante. A empresa cobrava 2,75% do valor de cada transação, uma
margem menor do que as empresas de cartões de crédito.
Para os usuários de smartphones, foi lançado posteriormente o Pay with
Square, que funcionava com base na localização.
Em 2012, o sistema do Square estava sendo utilizado para realizar onze
milhões de pagamentos por dia, e a empresa alegava estar processando dez
bilhões de dólares por ano em pagamentos.
Segundo Ahmad (2013), a introdução do Square aumentou em um sexto a
quantidade de leitores de cartão de crédito nos EUA.
10PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS
Griffin Merchant Case com Square Reader
Imagem: reprodução/macrumors.com
2.4 UNIVERSALIZAÇÃO: A PROMESSA DO NFC
A tecnologia SMS e os leitores de cartões de crédito acopláveis a
smartphoneseramsoluçõespráticas,quetornavammaisconvenienteparaos
consumidores e comerciantes efetuarem transações.
Por utilizarem de forma combinada bases tecnológicas e culturas de uso já
disseminadas, abriram caminho para o interesse do público pelos
pagamentos digitais móveis. No entanto, o real potencial de uma experiência
no mobile commerce que ampliasse o escopo de serviços não poderia ser
atingido somente com estas alternativas tecnológicas.
Então a tecnologia de comunicação por campo de proximidade (NFC, de
NearFieldCommunication) foi a aposta seguida por fabricantes de aparelhos,
desenvolvedores de aplicativos, operadoras de telefonia/Internet móvel e
empresas de cartões de crédito para introduzir serviços que foram
denominados de carteiras digitais móveis (digital wallets).
O sistema NFC trouxe muitas possibilidades de aplicação, indo além dos
simples pagamentos sem fio feitos em lojas físicas, já que opera por meio da
detecção do aparelho do cliente, que emite um sinal de rádio identificando o
aparelho e o usuário.
O sinal é captável em curtas distâncias por terminais habilitados nos pontos
de venda. Isto tornou possível oferecer descontos, promoções e planos de
fidelização sensíveis ao contexto: ao entrar no ambiente e ter seu aparelho
detectado, o consumidor é reconhecido pelos sistemas do comerciante com
todo seu histórico de preferências.
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 11
Imagem: reprodução/patentlyapple.com
Noambientedaslojas,ascomprasdoclientesãolançadasnosistemainterno,
e há várias formas de, por meio de um aplicativo, o consumidor fazer o
pagamento sem necessidade de acessar um website ou apresentar um cartão
de crédito, cujos dados já ficam inseridos no chip NFC ou cartão SIM do
smartphone. Basta aproximar o aparelho de um terminal e os valores são
debitados do cartão de crédito do cliente.
Segundo Ahmad (2013), a maioria dos consumidores a utilizar pagamentos
móveis deste tipo concordavam em um ponto: os pagamentos digitais por
aproximação são cool ("legais", em português).
O primeiro serviço lançado em larga escala empregando esta tecnologia foi o
Google Wallet, lançado em 2011 de forma integrada com o PayPass, sistema
de pagamentos integrado da MasterCard/Citibank, e com as operadoras de
telefonia móvel Sprint, US Cellular e Virgin.
Inicialmente presente em 124.000 pontos de venda nos EUA, o Google Wallet
segue até hoje no mercado, mas ainda não foi capaz de atingir as pretensões
iniciais em termos de alcance e número de usuários.
A segmentação que surgiu no mercado, com diversas iniciativas passando a
concorrer com o projeto do Google contribuiu, entre outras razões, para
impedir que o projeto de pagamentos móveis da empresa decolasse.
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 12
Imagem: Reprodução/Google Wallet
Outras alternativas foram lançadas de forma conjunta por operadoras de
telefonia móvel, como o sistema Isis, que cobrava dos bancos uma taxa para
permitir que os clientes conectassem cartões de crédito à carteira digital.
Como resultado, as empresas de cartões também passaram a desenvolver
suas próprias soluções de pagamentos móveis NFC.
Tanto o Google Wallet quanto o Isis demandavam que houvesse um chip
específico no aparelho do consumidor e no terminal de pagamentos do
comerciante. Essas características tornavam o sistema NFC, em seu
lançamento, mais conveniente que dinheiro, mas ainda menos conveniente
que um cartão plástico comum.
A adoção do sistema pelos comerciantes não foi a que se esperava. Segundo
Ahmad (2013, p 81):
Um estudo de 2012 da comScore sobre carteiras digitais revelou
que o único serviço de pagamentos digital conhecido por mais da
metade dos norte-americanos era o PayPal. Dos entrevistados,
somente 41% haviam ouvido falar do Google Wallet e 8% alguma
vez o utilizado o serviço. O Isis tinha desempenho ainda inferior,
conhecido por apenas 6% e utilizado por 1% dos entrevistados.
A tecnologia NFC foi o modelo tecnológico utilizado, em outubro de 2014,
para o lançamento do Apple Pay, sistema de pagamentos móveis da Apple,
criadora dos dispositivos iPhone e iPad, com suas lojas de mídia digital e
aplicativos (iTunes Store e AppStore, respectivamente).
Segundo artigo do jornal The Economist (2014), as escolhas técnicas da
Apple, pelo poder de consolidar tendências apresentado pela empresa,
podem ajudar a estabelecer o padrão definitivo da indústria de pagamentos
móveis.
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 13
2.5 OS APLICATIVOS DEDICADOS E SEU PODER
DISRUPTIVO
O quarto tipo de tecnologia a encontrar espaço e crescer a partir do mercado
norte-americano de pagamentos digitais móveis foram os aplicativos
dedicados, programas autônomos que são instalados diretamente nos
smartphones e tablets, operando como um ambiente fechado, sem a
necessidade de acessar um website por meio de um navegador para realizar
transações de compra e transferências de valores.
Com o lançamento do iPhone, em 2007 a Apple introduziu todo um
ecossistema por meio do qual desenvolvedores independentes passaram a
criar aplicações distribuídas pela loja virtual da Apple, de onde eram
instalados por download diretamente nos aparelhos dos usuários. Segundo
Ahmad (2013, p. 47-48):
A experiência visual e funcionalidades adicionais como localização
por GPS mudaram tudo. A era pós-iPhone viu uma onda de
varejistas criando campanhas por SMS, websites otimizados para
mobile e aplicações para download para chegar aos consumidores
que queriam fazer mais com seus aparelhos. [...] A Apple
cuidadosamente cultivou um ecossistema completo integrado
por milhares de aplicativos, o que tornou possível ir além da
Internet móvel. Com isto, toda uma nova indústria se criou.
Centenas de milhares de opções de aplicativos, como jogos e ferramentas de
produtividade, se tornaram disponíveis na AppStore, que foi lançada junto
com o iPhone e revolucionou a indústria do mobile commerce.
No modelo introduzido pela AppStore (utilizado posteriormente também
pelo Google para o seu sistema operacional Android), os consumidores
podiam instalar e atualizar o aplicativo quantas vezes quisessem, pagando
por meio de conexão sem fio na loja virtual da Apple, com um cartão de
crédito pré-cadastrado.
Ofertas de atualizações e recursos extras para os aplicativos apareciam para
os usuários por meio de notificações na tela, sendo comprados diretamente
no ambiente do aplicativo, com o pagamento se concluindo por meio de
conexão com a AppStore.
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 14
Para Ahmad (2013, p. 51), o período entre 2008 e 2009 foi decisivo para a
ascensão de um modelo disruptivo baseado nos aplicativos, que mudou
permanentemente as perpectivas:
Foi somente a partir de 2008 que o mobile commerce começou de
fato a crescer. Com o lançamento do iPhone, vieram os aplicativos
que moveram as compras móveis para fora do navegador de
Internet para uma plataforma mais segura, os aplicativos
proprietários. Em 2009 a Amazon lançou o Amazon Price Check.
Com este aplicativo, os consumidores podiam escanear códigos
de barra de produtos em lojas físicas e comparar os preços,
podendo então optar por fazer compra pela loja virtual da Amazon.
Para o objeto de estudo deste artigo, vamos nos concentrar em três tipos de
aplicativos para pagamentos digitais móveis:
• os aplicativos para leitura de códigos de barras em lojas físicas;
• os aplicativos dedicados de mobile commerce;
• os aplicativos exclusivos para pagamentos digitais móveis (o
Square e as soluções de pagamento baseadas em NFC,
estudadas anteriormente, também utilizam aplicativos desta
última categoria).
Os aplicativos para leitura de códigos de barra (1) vieram trazer uma nova
dimensão à prática do showrooming: consumidores que vão a lojas físicas
experimentar produtos e depois pesquisam em websites de comércio
eletrônico até encontrar o melhor preço, para então realizar a compra na loja
virtual que oferece a melhor relação custo-benefício.
O impacto causado no varejo físico pelos aplicativos leitores de códigos de
barra das grandes empresas de comércio eletrônico como Amazon e Ebay foi
tamanho que forçou as cadeias de varejo a adotar estratégias para tentar
conter o efeito disruptivo criado pelo showrooming turbinado pelos
aplicativos:
A resposta do varejo físico foi dar acesso Wi-Fi gratuito nas
lojas e criar seus próprios aplicativos e serviços mobile, em
uma tentativa de reverter um pouco as perdas que a prática do
showrooming estava gerando também para os próprios sites
destas redes de varejo na competição com a Amazon. Em
2011, as vendas online da Amazon eram 5 vezes maiores que as
do Walmart. (AHMAD, 2013, p. 54).
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 15
Os aplicativos de mobile commerce dedicados (2) operam realizando uma
conexão direta, pela Internet, entre o dispositivo móvel do consumidor e o
sistema de comércio eletrônico da loja virtual, sem necessidade de acessar
um website por meio de um navegador de Internet convencional. O
consumidor pesquisa, escolhe itens, compra e realiza o pagamento
diretamente por meio do aplicativo, sem expor seus dados de cartão de
crédito.
No Brasil, um exemplo deste tipo de aplicativo foi o lançado pelo Mercado
Livre: ampliando os serviços do website, ele permitiu acompanhar todas as
operações de compra, pagamentos e pedidos em qualquer lugar onde o
usuário esteja conectado.
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 16
Já os aplicativos exclusivos para
pagamentos digitais móveis (3)
tem como função principal a
transferência de valores, sendo
direcionados para casos de uso e
necessidades específicas. Hoje
bancos como o Itaú já oferecem
aos clientes aplicativos próprios
com estas características.
O aplicativo Snappin, criado para
facilitar pagamentos e diminuir
filas na saída de casas noturnas, foi
lançado no Brasil em 2012. Com o
aplicativo instalado, o cliente fazia
check in, associava sua comanda
com o aplicativo, acompanhava
todo o consumo e realizava o
pagamento pelo smartphone.
Depois, bastava devolver a
comanda, retirar o cupom fiscal e
sair do estabelecimento.
Aplicativo do Mercado Livre para Android
Imagem: reprodução
A PARTICIPAÇÃO DE MERCADO
O mercado de mundial pagamentos digitais móveis apresenta grande
variedade entre regiões e países quanto ao grau em que essa modalidade de
transação financeira digital substitui outras formas de pagamento.
Nos Estados Unidos, país onde se originaram as principais tecnologias e
modelos de negócios ligados à mobilidade, em fevereiro de 2013 foi
verificado um índice relativamente baixo de adoção dos mobile payments:
somente 31% dos usuários de Internet preferiam utilizar esses serviços. O
Canadá apresentava um índice ainda inferior: 25% (STATISTA.COM, 2014).
Pelo mesmo estudo, divulgado no website Statista.com, em outros países
das Américas como Brasil (38%), Argentina (47%) e México (48%) a
utilização dos pagamentos móveis já apresentava um patamar
expressivamente superior.
Já em países asiáticos altamente integrados por tecnologias digitais como
Coréia do Sul (63%) e China (54%), a curva de adoção já passou da metade
do total, e na Índia, país com grandes contrastes econômicos e onde ainda
predominam tecnologias como o SMS, a adoção dos mobile payments
totalizava 60% das transações realizadas por meios digitais no período
avaliado.
Dentro do escopo proposto pelo autor é oportuno, ainda no contexto da
participação de mercado, analisar como se subdividem os pagamentos
móveis quanto ao tipo de transação. Projeções de 2014 indicam que, para um
total de 330 bilhões de dólares em transações, mais de 230 bilhões foram em
transferências de valores entre contas, tipo predominante de pagamento
móvel até 2017, segundo outro estudo recente (STATISTA.COM, 2014).
O pagamento para compras de mercadorias, mais ligado diretamente ao
mobile commerce, vem em segundo nas projeções, com possibilidade de
movimentar 71 bilhões de dólares em âmbito global em 2014, demonstrando
um crescimento aproximado de 40% em relação ao ano anterior, quando este
tipo de transação movimentou 50,5 bilhões de dólares.
3
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 17
CONCLUSÃO
A partir da exploração dos eixos de pesquisa, se percebe que os pagamentos
digitais móveis já são uma realidade com expressiva parcela do mercado de
transações processadas digitalmente, em países que estão entre as principais
economias mundiais.
Pelo histórico e categorização das tecnologias e iniciativas comerciais
pesquisadas (tendo como base o mercado dos Estados Unidos, de onde
partem as tendências e inovações de maior visibilidade) pode-se afirmar que
os objetivos do autor foram atingidos, consolidando uma visão tanto geral
quanto detalhada das alternativas que estão disponíveis para os
consumidores e comerciantes realizarem transações de transferência de
valores, pagamentos e, ainda, utilizar uma série de serviços personalizados a
partir da detecção da localização dos dispositivos móveis por meio de
aplicativos e chips específicos.
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 18
REFERÊNCIAS
AHMAD, Majeed.
Mobile Commerce 2.0: Where Payments, Location and Advertising Converge.
CreateSpace Independent Publishing Platform, 2013.
BERTONI, Steven.
Can PayPal beat Apple, Google, Amazon and Icahn in the Wallet Wars?
Acesso em: 02 dez. 2014.
E-COMMERCE NEWS.
Estudo da MasterCard revela o que consumidores pensam sobre Mobile Payments.
Acesso em: 05 nov. 2014.
ROUSE, Margaret.
Computing Fundamentals Glossary.
Acesso em: 29 nov. 2014..
STATISTA.COM.
Share of internet users who would prefer to use mobile payments instead of traditional
payments as of February 2013.
Acesso em: 02 dez. 2014.
STATISTA.COM.
Global mobile payment spending from 2010 to 2017, by segment (in billion U.S. dollars).
Acesso em: 02 dez. 2014.
THE ECONOMIST.
Emptying pockets: Mobile payments.
Acesso em: 05 nov. 2014.
THOMPSON, EMMA.
Omlis Global Mobile Payment Snapshot 2014.
Acesso em: 05 nov. 2014.
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 19
GLOSSÁRIO
Check in e check out: os termos em inglês designam respectivamente um
procedimento formal de entrada de um cliente em hotéis ou aeroportos. No
comércio eletrônico check out designa o processo de finalização da compra
online.
Download: é a transmissão de um arquivo de um computador para outro. Do
ponto-de-vista do usuário de Internet, o download de um arquivo é a
solicitação do arquivo a partir de outro computador (ou a partir de uma página
da Web em outro computador) para recebê-lo.
iPhone: é um smartphone feito pela Apple, que combina um iPod, um PC
tablet, uma câmera digital e um telefone celular. O dispositivo inclui
navegação na Internet e recursos de rede.
Online: é a condição de estar conectado a uma rede de computadores ou de
outros dispositivos.
Mobile wallets: as carteiras móveis usam tecnologia NFC em chips e cartões
em um smartphone ou outro dispositivo para transmitir informações de
pagamento. Quando um cliente está disposto a pagar utilizando uma carteira
móvel, abre um aplicativo instalado no aparelho.
Smartphone: é um telefone celular com um computador e outros recursos
integrados, não originalmente associados com telefones, tais como um
sistema operacional, navegação na Web e a capacidade de executar
aplicações de software.
Tablet: é um dispositivo móvel que não realiza ligações telefônicas, mas tem
todos os recursos dos smartphones mais avançados, porém com tela maior,
entre sete e dez polegadas. Pode ser descrito como um computador portátil
com teclado virtual e sistema operacional, acesso à Internet, navegador para
a Web e a capacidade de executar aplicações de software, além de jogos. A
maior parte dos modelos tem câmera e microfone.
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 20
SOBRE O AUTOR
Rafael Pessi é jornalista e designer, com especialização
em Gestão de E-commerce.
Criou e operou a loja virtual de camisetas Carranca.com
entre 2005 e 2010.
Desde 2005 trabalha na Universidade do Sul de Santa
Catarina (Unisul), onde hoje coordena projetos digitais
na Assessoria de Promoção e Inteligência Competitiva
da universidade em Palhoça, Santa Catarina.
Rafael pode ser contatado pelo LinkedIn:
https://www.linkedin.com/profile/view?id=125391657
PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 21

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Marketing Digital - E-commerce - introdução
Marketing Digital - E-commerce - introduçãoMarketing Digital - E-commerce - introdução
Marketing Digital - E-commerce - introduçãoAna Lúcia Rangel
 
Comércio eletrónico
Comércio eletrónicoComércio eletrónico
Comércio eletrónicoLua Soriano
 
E Commerce Apresentacao Final
E Commerce Apresentacao FinalE Commerce Apresentacao Final
E Commerce Apresentacao FinalNuno Mestre
 
E-Book E-Commerce DOM Strategy Partners 2010
 E-Book E-Commerce DOM Strategy Partners 2010 E-Book E-Commerce DOM Strategy Partners 2010
E-Book E-Commerce DOM Strategy Partners 2010DOM Strategy Partners
 
Introdução ao Comércio Eletrônico - E-Commerce
Introdução ao Comércio Eletrônico - E-CommerceIntrodução ao Comércio Eletrônico - E-Commerce
Introdução ao Comércio Eletrônico - E-CommerceAdriano Maranhão
 
Comercio eletronico
Comercio eletronicoComercio eletronico
Comercio eletronicoguest80fa36
 
Comercio eletronico
Comercio eletronicoComercio eletronico
Comercio eletronicoCamipf
 
Impacto das tecnologias móveis - Banking
Impacto das tecnologias móveis   - BankingImpacto das tecnologias móveis   - Banking
Impacto das tecnologias móveis - BankingTatiane Vieira Paoletti
 
Introdução comercio eletronico
Introdução comercio eletronicoIntrodução comercio eletronico
Introdução comercio eletronicoJhosafá de Kastro
 
Palestra Comércio Eletrônico e os Impactos Normativos
Palestra Comércio Eletrônico e os Impactos NormativosPalestra Comércio Eletrônico e os Impactos Normativos
Palestra Comércio Eletrônico e os Impactos NormativosNadaObvio!
 
E commerce x e-business
E commerce x e-businessE commerce x e-business
E commerce x e-businesscostafranklin
 

Mais procurados (20)

Marketing Digital - E-commerce - introdução
Marketing Digital - E-commerce - introduçãoMarketing Digital - E-commerce - introdução
Marketing Digital - E-commerce - introdução
 
Comércio eletrónico
Comércio eletrónicoComércio eletrónico
Comércio eletrónico
 
E Commerce Apresentacao Final
E Commerce Apresentacao FinalE Commerce Apresentacao Final
E Commerce Apresentacao Final
 
E-Book E-Commerce DOM Strategy Partners 2010
 E-Book E-Commerce DOM Strategy Partners 2010 E-Book E-Commerce DOM Strategy Partners 2010
E-Book E-Commerce DOM Strategy Partners 2010
 
E-commerce
E-commerceE-commerce
E-commerce
 
O comércio eletrônico
O comércio eletrônicoO comércio eletrônico
O comércio eletrônico
 
Introdução ao Comércio Eletrônico - E-Commerce
Introdução ao Comércio Eletrônico - E-CommerceIntrodução ao Comércio Eletrônico - E-Commerce
Introdução ao Comércio Eletrônico - E-Commerce
 
ComéRcio ElectróNico
ComéRcio ElectróNicoComéRcio ElectróNico
ComéRcio ElectróNico
 
Comercio eletronico
Comercio eletronicoComercio eletronico
Comercio eletronico
 
Mobile Commerce
Mobile CommerceMobile Commerce
Mobile Commerce
 
Apresentacao E Commerce Si Fabrai
Apresentacao E Commerce Si FabraiApresentacao E Commerce Si Fabrai
Apresentacao E Commerce Si Fabrai
 
Comercio eletronico
Comercio eletronicoComercio eletronico
Comercio eletronico
 
E commerce fevereiro 2016
E commerce fevereiro 2016E commerce fevereiro 2016
E commerce fevereiro 2016
 
Apresentação e-commerce
Apresentação   e-commerceApresentação   e-commerce
Apresentação e-commerce
 
Impacto das tecnologias móveis - Banking
Impacto das tecnologias móveis   - BankingImpacto das tecnologias móveis   - Banking
Impacto das tecnologias móveis - Banking
 
Introdução comercio eletronico
Introdução comercio eletronicoIntrodução comercio eletronico
Introdução comercio eletronico
 
ECommerce
ECommerceECommerce
ECommerce
 
Palestra Comércio Eletrônico e os Impactos Normativos
Palestra Comércio Eletrônico e os Impactos NormativosPalestra Comércio Eletrônico e os Impactos Normativos
Palestra Comércio Eletrônico e os Impactos Normativos
 
E commerce x e-business
E commerce x e-businessE commerce x e-business
E commerce x e-business
 
Comércio eletrônico
Comércio eletrônicoComércio eletrônico
Comércio eletrônico
 

Destaque

Revista papodebonecap blog
Revista papodebonecap blogRevista papodebonecap blog
Revista papodebonecap blogHanne_Smooth
 
Job Hunting Tips using LinkedIn Workshop
Job Hunting Tips using LinkedIn WorkshopJob Hunting Tips using LinkedIn Workshop
Job Hunting Tips using LinkedIn WorkshopKerry Lister
 
A princesa ervilha
A princesa ervilhaA princesa ervilha
A princesa ervilhalabneusa
 
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano AIndicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano Aescoladavila
 

Destaque (6)

Revista papodebonecap blog
Revista papodebonecap blogRevista papodebonecap blog
Revista papodebonecap blog
 
Grupo 7
Grupo 7Grupo 7
Grupo 7
 
Resol cf bio n 301 de-8-de-dezembro-de-2012
Resol cf bio n 301 de-8-de-dezembro-de-2012Resol cf bio n 301 de-8-de-dezembro-de-2012
Resol cf bio n 301 de-8-de-dezembro-de-2012
 
Job Hunting Tips using LinkedIn Workshop
Job Hunting Tips using LinkedIn WorkshopJob Hunting Tips using LinkedIn Workshop
Job Hunting Tips using LinkedIn Workshop
 
A princesa ervilha
A princesa ervilhaA princesa ervilha
A princesa ervilha
 
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano AIndicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
 

Semelhante a Pagamentos móveis revolucionam o comércio

Tecnologia da Informação - Mobilidade
Tecnologia da Informação - MobilidadeTecnologia da Informação - Mobilidade
Tecnologia da Informação - MobilidadeVictor Barros
 
Mobile-Payment: Pagamento Móvel via celular no Brasil
Mobile-Payment: Pagamento Móvel via celular no BrasilMobile-Payment: Pagamento Móvel via celular no Brasil
Mobile-Payment: Pagamento Móvel via celular no BrasilGuacira Quirino Miranda
 
Oficina III: Publicidade sem fio e aplicativos para celular - Ciclo Comunicac...
Oficina III: Publicidade sem fio e aplicativos para celular - Ciclo Comunicac...Oficina III: Publicidade sem fio e aplicativos para celular - Ciclo Comunicac...
Oficina III: Publicidade sem fio e aplicativos para celular - Ciclo Comunicac...Pedro Cordier
 
apostila atualidades do Mercado Financeiro.pdf
apostila atualidades do Mercado Financeiro.pdfapostila atualidades do Mercado Financeiro.pdf
apostila atualidades do Mercado Financeiro.pdfDeyvidolv
 
Ecommerce Mcommerce b2b b2c parcial
Ecommerce Mcommerce b2b b2c parcialEcommerce Mcommerce b2b b2c parcial
Ecommerce Mcommerce b2b b2c parcialguest835eb
 
E-Commerce, M-Commerce, B2B e B2C
E-Commerce, M-Commerce, B2B e B2CE-Commerce, M-Commerce, B2B e B2C
E-Commerce, M-Commerce, B2B e B2CDeomari Fragoso
 
E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010
 E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010 E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010
E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010E-Consulting Corp.
 
E-Book Mobilidade DOM Strategy Partners 2010
 E-Book Mobilidade DOM Strategy Partners 2010 E-Book Mobilidade DOM Strategy Partners 2010
E-Book Mobilidade DOM Strategy Partners 2010DOM Strategy Partners
 
E-Book Mobilidade E-Consulting Corp. 2010
 E-Book Mobilidade E-Consulting Corp. 2010 E-Book Mobilidade E-Consulting Corp. 2010
E-Book Mobilidade E-Consulting Corp. 2010E-Consulting Corp.
 
Seminário Mobile Marketing 2013
Seminário Mobile Marketing 2013Seminário Mobile Marketing 2013
Seminário Mobile Marketing 2013Helder Barbedo
 
m-Payment no Brasil
m-Payment no Brasilm-Payment no Brasil
m-Payment no BrasilDani Porto
 
Mobile Business & Learning - IV Congresso Internacional de Tecnologia Educaci...
Mobile Business & Learning - IV Congresso Internacional de Tecnologia Educaci...Mobile Business & Learning - IV Congresso Internacional de Tecnologia Educaci...
Mobile Business & Learning - IV Congresso Internacional de Tecnologia Educaci...João Teixeira de Carvalho
 
Área de Estudo - Banking (Trabalho FGV Jundiaí)
Área de Estudo - Banking (Trabalho FGV Jundiaí)Área de Estudo - Banking (Trabalho FGV Jundiaí)
Área de Estudo - Banking (Trabalho FGV Jundiaí)Renato Soldera Penteado
 

Semelhante a Pagamentos móveis revolucionam o comércio (20)

Tecnologia da Informação - Mobilidade
Tecnologia da Informação - MobilidadeTecnologia da Informação - Mobilidade
Tecnologia da Informação - Mobilidade
 
Mobile-Payment: Pagamento Móvel via celular no Brasil
Mobile-Payment: Pagamento Móvel via celular no BrasilMobile-Payment: Pagamento Móvel via celular no Brasil
Mobile-Payment: Pagamento Móvel via celular no Brasil
 
COMÉRCIO ELETRÔNICO.pptx
COMÉRCIO ELETRÔNICO.pptxCOMÉRCIO ELETRÔNICO.pptx
COMÉRCIO ELETRÔNICO.pptx
 
M-Commerce
M-CommerceM-Commerce
M-Commerce
 
Oficina III: Publicidade sem fio e aplicativos para celular - Ciclo Comunicac...
Oficina III: Publicidade sem fio e aplicativos para celular - Ciclo Comunicac...Oficina III: Publicidade sem fio e aplicativos para celular - Ciclo Comunicac...
Oficina III: Publicidade sem fio e aplicativos para celular - Ciclo Comunicac...
 
apostila atualidades do Mercado Financeiro.pdf
apostila atualidades do Mercado Financeiro.pdfapostila atualidades do Mercado Financeiro.pdf
apostila atualidades do Mercado Financeiro.pdf
 
Ecommerce Mcommerce b2b b2c parcial
Ecommerce Mcommerce b2b b2c parcialEcommerce Mcommerce b2b b2c parcial
Ecommerce Mcommerce b2b b2c parcial
 
E Commerce
E CommerceE Commerce
E Commerce
 
E-Commerce, M-Commerce, B2B e B2C
E-Commerce, M-Commerce, B2B e B2CE-Commerce, M-Commerce, B2B e B2C
E-Commerce, M-Commerce, B2B e B2C
 
E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010
 E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010 E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010
E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010
 
Mobile marketing
Mobile marketingMobile marketing
Mobile marketing
 
E-Book Mobilidade DOM Strategy Partners 2010
 E-Book Mobilidade DOM Strategy Partners 2010 E-Book Mobilidade DOM Strategy Partners 2010
E-Book Mobilidade DOM Strategy Partners 2010
 
E-Book Mobilidade E-Consulting Corp. 2010
 E-Book Mobilidade E-Consulting Corp. 2010 E-Book Mobilidade E-Consulting Corp. 2010
E-Book Mobilidade E-Consulting Corp. 2010
 
Seminário Mobile Marketing 2013
Seminário Mobile Marketing 2013Seminário Mobile Marketing 2013
Seminário Mobile Marketing 2013
 
m-Payment no Brasil
m-Payment no Brasilm-Payment no Brasil
m-Payment no Brasil
 
Mobile Business & Learning - IV Congresso Internacional de Tecnologia Educaci...
Mobile Business & Learning - IV Congresso Internacional de Tecnologia Educaci...Mobile Business & Learning - IV Congresso Internacional de Tecnologia Educaci...
Mobile Business & Learning - IV Congresso Internacional de Tecnologia Educaci...
 
Área de Estudo - Banking (Trabalho FGV Jundiaí)
Área de Estudo - Banking (Trabalho FGV Jundiaí)Área de Estudo - Banking (Trabalho FGV Jundiaí)
Área de Estudo - Banking (Trabalho FGV Jundiaí)
 
Mobile Money
Mobile MoneyMobile Money
Mobile Money
 
Infográfico: Carteira Móvel
Infográfico: Carteira MóvelInfográfico: Carteira Móvel
Infográfico: Carteira Móvel
 
Ecomerce padrão
Ecomerce padrãoEcomerce padrão
Ecomerce padrão
 

Pagamentos móveis revolucionam o comércio

  • 1. DIGITAI$ MÓVEI$ PAGAMENTO$ Anything, anytime, anywhere Versão atualizada de artigo para o curso de Especialização em Gestão de E-commerce RAFAEL PESSI
  • 2. SUMÁRIO PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 2 INTRODUÇÃO 1 - DEFININDO M-COMMERCE E PAGAMENTOS MÓVEIS 2 - A HISTÓRIA DAS TECNOLOGIAS 3 - A PARTICIPAÇÃO DE MERCADO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS 3 4 6 17 18 19 20GLOSSÁRIO SOBRE O AUTOR 21
  • 3. INTRODUÇÃO OS PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS apresentam uma tendência de crescimento em termos globais. De acordo com projeções divulgadas pela empresa de soluções para pagamentos digitais Omlis, em 2014 as transações de pagamento realizadas de forma mobile somaram 507 bilhões dedólares,representando27%dastransferênciasdevaloresrealizadasonline. Análises recentes de grandes players do mercado mundial de pagamentos como MasterCard, Adyen e Paypal apontam uma tendência de crescimento na utilização de aplicativos em smartphones e tablets como alternativa às formas já existentes de pagamento online e também como forma de pagamento nas próprias lojas físicas. Em 2014, Para o gestor de e-commerce é indispensável conhecer as principais tecnologias de pagamento que viabilizam transações tanto em websites otimizados para dispositivos móveis, como em aplicativos dedicados de mobile commerce. Devem ser consideradas ainda as chamadas digital wallets, as carteiras digitais móveis que possibilitam pagar compras e serviços com o celular em lojas físicas, táxis e em uma crescente gama de situações cotidianas. Considerando este cenário, se desdobrou a pesquisa que resultou neste artigo, que se articula em torno de três eixos de exploração: (1) Quais as principais tecnologias disponíveis para pagamentos móveis? (2) De que forma essas tecnologias estão presentes nos dispositivos? (3) Qual o market share dos mobile payments? As respostas obtidas a partir dos conteúdos pesquisados permitem avaliar em que grau os pagamentos digitais móveis contribuem para os resultados das vendas no contexto do comércio eletrônico B2C. Possibilitam, ainda, verificar qual a sua participação de mercado nas principais economias. O artigo se inicia pela definição do mobile commerce e pela análise de como os pagamentos digitais móveis se articulam com esta modalidade de comércio eletrônico. PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 3
  • 4. DEFININDOMOBILECOMMERCE E PAGAMENTOSDIGITAISMÓVEIS Os pagamentos digitais móveis, objeto deste artigo, estão diretamente ligados ao comércio eletrônico quando as transações de compra e venda se originam ou são concluídas a partir de smartphones e tablets. Este tipo de comércio eletrônico se denomina mobile commerce ou simplesmente m-commerce. Rouse (2005, s.d.) define mobile commerce como "a compra e venda de mercadorias e serviços por meio de dispositivos sem fio como telefones celulares e assistentes pessoais digitais (PDAs)". Na definição de Ahmad (2013, p.9) "mobile commerce envolve os meios para realizar transações confiáveis por meio de dispositivos móveis na troca de bens e serviços entre os consumidores, comerciantes e instituições financeiras". Pela própria portabilidade e pelas possibilidades abertas pelo acesso à Internet sem fio em smartphones e outros dispositivos, os pagamentos digitais móveis emergiram como atividade de transferência de dados por meio da qual se pode gerar dinheiro para uma companhia ao longo da cadeia de valor. Por exemplo, quando um cliente faz uma reserva de restaurante utilizando um aplicativo instalado em seu telefone móvel, o valor pago em dinheiro pode ser contado como lucro obtido por meio de mobile commerce, pois a transação paga presencialmente se originou no dispositivo móvel. 1 4PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS
  • 5. Para este mesmo exemplo, foram surgindo formas de realizar o pagamento da conta pelo próprio dispositivo, fechando assim um ciclo completo que caracteriza a fusão de mobile commerce com pagamentos digitais móveis. Portanto, um dispositivo móvel pode ser um iniciador ou um consumidor de uma transação comercial, que não precisa, necessariamente, ocorrer no próprio dispositivo. Um smartphone é um dispositivo muito mais pessoal do que um computador, e o usuário provavelmente o tem consigo ou por perto a maior parte do tempo. Então, o desafio para os arquitetos do mobile commerce sempre foi, durante o seu desenvolvimento, encontrar meios de ampliar a experiência já disponível no comércio eletrônico realizado em computadores de mesa, sem simplesmente replicá-la. Os três ``As´´ do mobile commerce são anything, anytime, anywhere (qualquer coisa, a qualquer hora, em qualquer lugar). Desde o início estas três características, combinadas e disponíveis em tempo real, constituíram a distinção entre o comércio eletrônico móvel e a experiência de consumo no computador de mesa, realizada por meio de conexão física com a Internet. A partir do entendimento do mobile commerce e suas caraterísticas distintivas, e de uma introdução sobre o papel dos pagamentos digitais móveis no seu âmbito, iremos conhecer as principais alternativas disponíveis no mercado mundial para a realizar pagamentos a partir de dispositivos como smartphones e tablets. 5PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS Imagem: www.freepik.com Designed by peechey
  • 6. A HISTÓRIA DAS TECNOLOGIAS PARA PAGAMENTOS MÓVEIS No contexto do comércio eletrônico, para compreender o cenário atual do mercado de pagamentos digitais móveis, é necessário recapitular as iniciativas comerciais e as inovações tecnológicas que, no espaço de uma década e meia, tornaram possível utilizar um telefone móvel para realizar transferências de valores sem conexão por fio com a Internet. Ahmad (2013, p. 101), tipifica quatro tecnologias principais para pagamentos digitais. Cada qual obteve graus de penetração distintos no mercado mundial: 1) A tecnologia para pagamentos sem fio por mensagem de texto (Short Message Service, SMS), com cobrança ao consumidor pela conta telefônica ou de acesso à Internet móvel. 2) Leitores portáteis para cartões de crédito, conectados a smartphones para aceitar pagamentos por meio de aplicativos específicos, dispensando os terminais de cartões tradicionais, que implicam em custos mais elevados para os comerciantes. 3) A tecnologia Near Field Communication (NFC), para pagamentos sem fio feitos em lojas físicas, por meio de aproximação do aparelho do cliente junto ao terminal de pagamento. 4) A tecnologia para pagamentos sem fio por meio de aplicativos instalados no sistema operacional dos smartphones (telefones móveis altamente sofisticados), sem necessidade de entrar em websites na Internet. Quanto ao envio e recebimento de dados pelos dispositivos móveis, essas tecnologias se subdividem entre: • aquelas que utilizam acesso sem fio à Internet; • as que utilizam a rede telefônica para o envio de dados, caso da tecnologia SMS; • as que usam detecção por rádio frequência, como na tecnologia NFC. 2 6PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS
  • 7. @ 2.1 OS PRIMÓDIOS DO MOBILE COMMERCE Por volta do ano 2000 a tecnologia WAP (Wireless Application Protocol) tornou possível acessar a Internet a partir dos telefones móveis mais avançados da época. Porém, a experiência de uso era muito pobre, mesmo nos países desenvolvidos, tanto pela velocidade lenta de conexão quanto pelas interfaces e telas disponíveis nos telefones da época. Segundo Ahmad (2013 p.19), A experiência de uso e a lentidão dos serviços de Internet móvel disponíveis no começo dos anos 2000 geravam uma impressão ruim para os consumidores sobre o mobile commerce. Para fazer uma reserva de hotel eram necessários trinta e sete cliques de teclado, e as telas da época eram pequenas, sem o recurso de toque que foi universalizado pelo iPhone em 2007. Poucos websites estavam preparados para realizar transações mobile, e a base de usuários era pequena para que o modelo se pagasse. Na época do WAP surgiram as iniciativas pioneiras para levar o comércio eletrônico das lojas virtuais acessadas por computadores de mesa para os telefones móveis. Em 1999, a Amazon, que se sempre se caracterizou pela inovação em modelos de negócios para o comércio eletrônico, iniciou seus esforços para o mobile commerce. Estabeleceu parcerias com operadoras de telefonia móvel nos Estados Unidos, ganhando um atalho para o seu website diretamente na tela principal dos aparelhos vendidos por estas operadoras. 7PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS Imagem: www.freepik.com Designed by Freepik
  • 8. Depois deste período inicial, o modelo de mobile commerce baseado no acesso móvel à Internet iria atravessar um longo período sem maiores avanços em sua participação de mercado. Segundo Ahmad (2013, p. 22): Havia grandes obstáculos para o mobile commerce se tornar viável e lucrativo: standards, segurança e apresentação estavam entre eles. Entre 1998 e 2000, o mobile commerce estava em ciclo declinante, se recuperando de expectativas irrealistas ainda anteriores ao estouro da bolha da Nasdaq, geradas primariamente pela lacuna de tecnologia existente na infra-estrutura para essa ambiciosa nova aventura. Foi então que, no contexto dos pagamentos digitais móveis, o modelo das mensagens de texto curto (SMS) emergiu, a partir de iniciativas que não estavam ligadas diretamente ao comércio eletrônico. 2.2 O SMS ULTRAPASSSA FRONTEIRAS Em 2007, uma campanha de arrecadação da Cruz Vermelha para as vítimas do grande terremoto no Haiti arrecadou quarenta milhões de dólares em nove meses por meio de doações por SMS enviadas de celulares. Segundo Ahmad (2013), os serviços de SMS para arrecadação de fundos beneficentes forneceram um meio limpo para as pessoas transferirem dinheiro usando dispositivos móveis, demonstrando que tecnologias mais simples podiam ser efetivas. Até 2013 ainda proliferavam pelo mundo iniciativas utilizando as mensagens curtas de texto como forma de transferir e receber valores. Vários fatores contribuíram para a expansão do uso do SMS: era um recurso com o qual todos os usuários de telefones móveis estavam familiarizados, com a conveniência da cobrança pela própria fatura de telefonia. 8PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS
  • 9. Porém, o aspecto mais determinante acabou sendo mesmo a independência em relação ao sinal de Internet móvel, ainda inexistente na maior parte do mundo na primeira década dos anos 2000: Os serviços SMS ofereciam então algo que os websites de comércio eletrônico e o e-mail (ambos dependentes de conexão estável) não podiam oferecer naquele momento: acesso a consumidores sem conexão com a Internet. As mensagens viajavam nas mesmas redes sem fio por onde passavam os sinais de voz das chamadas telefônicas. (AHMAD, 2013, p. 29). Por meio de alguns exemplos, podemos acompanhar como se deu a evolução do uso da tecnologia SMS para pagamentos digitais móveis: • em 1999, nas Filipinas, as duas maiores operadoras de telefonia móvel do país (Global and Smart) lançaram o primeiro sistema comercial de pagamentos móveis, baseados em sua própria plataforma; • também em 2007 a Safaricom, maior operadora de telefonia móvel do Quênia, lançou o serviço M-Pesa, que tornou possível às pessoas receber e enviar dinheiro por SMS de seus dispositivos móveis. Em 2011, o M-Pesa estava disponível em uma rede de trinta mil lojas, duzentas vezes mais pontos de atendimento do que tinha então a maior rede bancária do país; • em 2008 a Amazon introduziu o pioneiro serviço de varejo online por mensagem de texto, chamado TextBuyIt. Mesmo com a introdução dos smartphones o SMS continuou sendo o serviço mais utilizado em celulares, se beneficiando de uma taxa de abertura de praticamente 100%, contra 74% de abertura de e-mails (AHMAD, 2013, p. 40). 9PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS Sistema atual para pagamento por SMS Imagem: reprodução/developers.fortumo.com
  • 10. 2.3 AFUSÃO CARTÃO+CELULAR Enquanto os websites móveis e a tecnologia para acesso de qualidade à Internet móvel evoluíam a partir do ano 2000, um projeto que sucedeu o lançamento do iPhone, em 2007, trouxe uma inovação expressiva que teria grande impacto no mercado de pagamentos móveis. Lançado em 2010, o serviço Square tirava proveito da capacidade de processamento, da interface de toque e da possibilidade de baixar e instalar aplicativos que veio com o iPhone, acoplando a este aparelho um pequeno leitor de cartões de crédito que tornava muito mais simples e barato para pequenos comerciantes processar pagamentos. Após o pagamento ser processado, o dinheiro era depositado na conta do comerciante. A empresa cobrava 2,75% do valor de cada transação, uma margem menor do que as empresas de cartões de crédito. Para os usuários de smartphones, foi lançado posteriormente o Pay with Square, que funcionava com base na localização. Em 2012, o sistema do Square estava sendo utilizado para realizar onze milhões de pagamentos por dia, e a empresa alegava estar processando dez bilhões de dólares por ano em pagamentos. Segundo Ahmad (2013), a introdução do Square aumentou em um sexto a quantidade de leitores de cartão de crédito nos EUA. 10PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS Griffin Merchant Case com Square Reader Imagem: reprodução/macrumors.com
  • 11. 2.4 UNIVERSALIZAÇÃO: A PROMESSA DO NFC A tecnologia SMS e os leitores de cartões de crédito acopláveis a smartphoneseramsoluçõespráticas,quetornavammaisconvenienteparaos consumidores e comerciantes efetuarem transações. Por utilizarem de forma combinada bases tecnológicas e culturas de uso já disseminadas, abriram caminho para o interesse do público pelos pagamentos digitais móveis. No entanto, o real potencial de uma experiência no mobile commerce que ampliasse o escopo de serviços não poderia ser atingido somente com estas alternativas tecnológicas. Então a tecnologia de comunicação por campo de proximidade (NFC, de NearFieldCommunication) foi a aposta seguida por fabricantes de aparelhos, desenvolvedores de aplicativos, operadoras de telefonia/Internet móvel e empresas de cartões de crédito para introduzir serviços que foram denominados de carteiras digitais móveis (digital wallets). O sistema NFC trouxe muitas possibilidades de aplicação, indo além dos simples pagamentos sem fio feitos em lojas físicas, já que opera por meio da detecção do aparelho do cliente, que emite um sinal de rádio identificando o aparelho e o usuário. O sinal é captável em curtas distâncias por terminais habilitados nos pontos de venda. Isto tornou possível oferecer descontos, promoções e planos de fidelização sensíveis ao contexto: ao entrar no ambiente e ter seu aparelho detectado, o consumidor é reconhecido pelos sistemas do comerciante com todo seu histórico de preferências. PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 11 Imagem: reprodução/patentlyapple.com
  • 12. Noambientedaslojas,ascomprasdoclientesãolançadasnosistemainterno, e há várias formas de, por meio de um aplicativo, o consumidor fazer o pagamento sem necessidade de acessar um website ou apresentar um cartão de crédito, cujos dados já ficam inseridos no chip NFC ou cartão SIM do smartphone. Basta aproximar o aparelho de um terminal e os valores são debitados do cartão de crédito do cliente. Segundo Ahmad (2013), a maioria dos consumidores a utilizar pagamentos móveis deste tipo concordavam em um ponto: os pagamentos digitais por aproximação são cool ("legais", em português). O primeiro serviço lançado em larga escala empregando esta tecnologia foi o Google Wallet, lançado em 2011 de forma integrada com o PayPass, sistema de pagamentos integrado da MasterCard/Citibank, e com as operadoras de telefonia móvel Sprint, US Cellular e Virgin. Inicialmente presente em 124.000 pontos de venda nos EUA, o Google Wallet segue até hoje no mercado, mas ainda não foi capaz de atingir as pretensões iniciais em termos de alcance e número de usuários. A segmentação que surgiu no mercado, com diversas iniciativas passando a concorrer com o projeto do Google contribuiu, entre outras razões, para impedir que o projeto de pagamentos móveis da empresa decolasse. PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 12 Imagem: Reprodução/Google Wallet
  • 13. Outras alternativas foram lançadas de forma conjunta por operadoras de telefonia móvel, como o sistema Isis, que cobrava dos bancos uma taxa para permitir que os clientes conectassem cartões de crédito à carteira digital. Como resultado, as empresas de cartões também passaram a desenvolver suas próprias soluções de pagamentos móveis NFC. Tanto o Google Wallet quanto o Isis demandavam que houvesse um chip específico no aparelho do consumidor e no terminal de pagamentos do comerciante. Essas características tornavam o sistema NFC, em seu lançamento, mais conveniente que dinheiro, mas ainda menos conveniente que um cartão plástico comum. A adoção do sistema pelos comerciantes não foi a que se esperava. Segundo Ahmad (2013, p 81): Um estudo de 2012 da comScore sobre carteiras digitais revelou que o único serviço de pagamentos digital conhecido por mais da metade dos norte-americanos era o PayPal. Dos entrevistados, somente 41% haviam ouvido falar do Google Wallet e 8% alguma vez o utilizado o serviço. O Isis tinha desempenho ainda inferior, conhecido por apenas 6% e utilizado por 1% dos entrevistados. A tecnologia NFC foi o modelo tecnológico utilizado, em outubro de 2014, para o lançamento do Apple Pay, sistema de pagamentos móveis da Apple, criadora dos dispositivos iPhone e iPad, com suas lojas de mídia digital e aplicativos (iTunes Store e AppStore, respectivamente). Segundo artigo do jornal The Economist (2014), as escolhas técnicas da Apple, pelo poder de consolidar tendências apresentado pela empresa, podem ajudar a estabelecer o padrão definitivo da indústria de pagamentos móveis. PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 13
  • 14. 2.5 OS APLICATIVOS DEDICADOS E SEU PODER DISRUPTIVO O quarto tipo de tecnologia a encontrar espaço e crescer a partir do mercado norte-americano de pagamentos digitais móveis foram os aplicativos dedicados, programas autônomos que são instalados diretamente nos smartphones e tablets, operando como um ambiente fechado, sem a necessidade de acessar um website por meio de um navegador para realizar transações de compra e transferências de valores. Com o lançamento do iPhone, em 2007 a Apple introduziu todo um ecossistema por meio do qual desenvolvedores independentes passaram a criar aplicações distribuídas pela loja virtual da Apple, de onde eram instalados por download diretamente nos aparelhos dos usuários. Segundo Ahmad (2013, p. 47-48): A experiência visual e funcionalidades adicionais como localização por GPS mudaram tudo. A era pós-iPhone viu uma onda de varejistas criando campanhas por SMS, websites otimizados para mobile e aplicações para download para chegar aos consumidores que queriam fazer mais com seus aparelhos. [...] A Apple cuidadosamente cultivou um ecossistema completo integrado por milhares de aplicativos, o que tornou possível ir além da Internet móvel. Com isto, toda uma nova indústria se criou. Centenas de milhares de opções de aplicativos, como jogos e ferramentas de produtividade, se tornaram disponíveis na AppStore, que foi lançada junto com o iPhone e revolucionou a indústria do mobile commerce. No modelo introduzido pela AppStore (utilizado posteriormente também pelo Google para o seu sistema operacional Android), os consumidores podiam instalar e atualizar o aplicativo quantas vezes quisessem, pagando por meio de conexão sem fio na loja virtual da Apple, com um cartão de crédito pré-cadastrado. Ofertas de atualizações e recursos extras para os aplicativos apareciam para os usuários por meio de notificações na tela, sendo comprados diretamente no ambiente do aplicativo, com o pagamento se concluindo por meio de conexão com a AppStore. PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 14
  • 15. Para Ahmad (2013, p. 51), o período entre 2008 e 2009 foi decisivo para a ascensão de um modelo disruptivo baseado nos aplicativos, que mudou permanentemente as perpectivas: Foi somente a partir de 2008 que o mobile commerce começou de fato a crescer. Com o lançamento do iPhone, vieram os aplicativos que moveram as compras móveis para fora do navegador de Internet para uma plataforma mais segura, os aplicativos proprietários. Em 2009 a Amazon lançou o Amazon Price Check. Com este aplicativo, os consumidores podiam escanear códigos de barra de produtos em lojas físicas e comparar os preços, podendo então optar por fazer compra pela loja virtual da Amazon. Para o objeto de estudo deste artigo, vamos nos concentrar em três tipos de aplicativos para pagamentos digitais móveis: • os aplicativos para leitura de códigos de barras em lojas físicas; • os aplicativos dedicados de mobile commerce; • os aplicativos exclusivos para pagamentos digitais móveis (o Square e as soluções de pagamento baseadas em NFC, estudadas anteriormente, também utilizam aplicativos desta última categoria). Os aplicativos para leitura de códigos de barra (1) vieram trazer uma nova dimensão à prática do showrooming: consumidores que vão a lojas físicas experimentar produtos e depois pesquisam em websites de comércio eletrônico até encontrar o melhor preço, para então realizar a compra na loja virtual que oferece a melhor relação custo-benefício. O impacto causado no varejo físico pelos aplicativos leitores de códigos de barra das grandes empresas de comércio eletrônico como Amazon e Ebay foi tamanho que forçou as cadeias de varejo a adotar estratégias para tentar conter o efeito disruptivo criado pelo showrooming turbinado pelos aplicativos: A resposta do varejo físico foi dar acesso Wi-Fi gratuito nas lojas e criar seus próprios aplicativos e serviços mobile, em uma tentativa de reverter um pouco as perdas que a prática do showrooming estava gerando também para os próprios sites destas redes de varejo na competição com a Amazon. Em 2011, as vendas online da Amazon eram 5 vezes maiores que as do Walmart. (AHMAD, 2013, p. 54). PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 15
  • 16. Os aplicativos de mobile commerce dedicados (2) operam realizando uma conexão direta, pela Internet, entre o dispositivo móvel do consumidor e o sistema de comércio eletrônico da loja virtual, sem necessidade de acessar um website por meio de um navegador de Internet convencional. O consumidor pesquisa, escolhe itens, compra e realiza o pagamento diretamente por meio do aplicativo, sem expor seus dados de cartão de crédito. No Brasil, um exemplo deste tipo de aplicativo foi o lançado pelo Mercado Livre: ampliando os serviços do website, ele permitiu acompanhar todas as operações de compra, pagamentos e pedidos em qualquer lugar onde o usuário esteja conectado. PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 16 Já os aplicativos exclusivos para pagamentos digitais móveis (3) tem como função principal a transferência de valores, sendo direcionados para casos de uso e necessidades específicas. Hoje bancos como o Itaú já oferecem aos clientes aplicativos próprios com estas características. O aplicativo Snappin, criado para facilitar pagamentos e diminuir filas na saída de casas noturnas, foi lançado no Brasil em 2012. Com o aplicativo instalado, o cliente fazia check in, associava sua comanda com o aplicativo, acompanhava todo o consumo e realizava o pagamento pelo smartphone. Depois, bastava devolver a comanda, retirar o cupom fiscal e sair do estabelecimento. Aplicativo do Mercado Livre para Android Imagem: reprodução
  • 17. A PARTICIPAÇÃO DE MERCADO O mercado de mundial pagamentos digitais móveis apresenta grande variedade entre regiões e países quanto ao grau em que essa modalidade de transação financeira digital substitui outras formas de pagamento. Nos Estados Unidos, país onde se originaram as principais tecnologias e modelos de negócios ligados à mobilidade, em fevereiro de 2013 foi verificado um índice relativamente baixo de adoção dos mobile payments: somente 31% dos usuários de Internet preferiam utilizar esses serviços. O Canadá apresentava um índice ainda inferior: 25% (STATISTA.COM, 2014). Pelo mesmo estudo, divulgado no website Statista.com, em outros países das Américas como Brasil (38%), Argentina (47%) e México (48%) a utilização dos pagamentos móveis já apresentava um patamar expressivamente superior. Já em países asiáticos altamente integrados por tecnologias digitais como Coréia do Sul (63%) e China (54%), a curva de adoção já passou da metade do total, e na Índia, país com grandes contrastes econômicos e onde ainda predominam tecnologias como o SMS, a adoção dos mobile payments totalizava 60% das transações realizadas por meios digitais no período avaliado. Dentro do escopo proposto pelo autor é oportuno, ainda no contexto da participação de mercado, analisar como se subdividem os pagamentos móveis quanto ao tipo de transação. Projeções de 2014 indicam que, para um total de 330 bilhões de dólares em transações, mais de 230 bilhões foram em transferências de valores entre contas, tipo predominante de pagamento móvel até 2017, segundo outro estudo recente (STATISTA.COM, 2014). O pagamento para compras de mercadorias, mais ligado diretamente ao mobile commerce, vem em segundo nas projeções, com possibilidade de movimentar 71 bilhões de dólares em âmbito global em 2014, demonstrando um crescimento aproximado de 40% em relação ao ano anterior, quando este tipo de transação movimentou 50,5 bilhões de dólares. 3 PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 17
  • 18. CONCLUSÃO A partir da exploração dos eixos de pesquisa, se percebe que os pagamentos digitais móveis já são uma realidade com expressiva parcela do mercado de transações processadas digitalmente, em países que estão entre as principais economias mundiais. Pelo histórico e categorização das tecnologias e iniciativas comerciais pesquisadas (tendo como base o mercado dos Estados Unidos, de onde partem as tendências e inovações de maior visibilidade) pode-se afirmar que os objetivos do autor foram atingidos, consolidando uma visão tanto geral quanto detalhada das alternativas que estão disponíveis para os consumidores e comerciantes realizarem transações de transferência de valores, pagamentos e, ainda, utilizar uma série de serviços personalizados a partir da detecção da localização dos dispositivos móveis por meio de aplicativos e chips específicos. PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 18
  • 19. REFERÊNCIAS AHMAD, Majeed. Mobile Commerce 2.0: Where Payments, Location and Advertising Converge. CreateSpace Independent Publishing Platform, 2013. BERTONI, Steven. Can PayPal beat Apple, Google, Amazon and Icahn in the Wallet Wars? Acesso em: 02 dez. 2014. E-COMMERCE NEWS. Estudo da MasterCard revela o que consumidores pensam sobre Mobile Payments. Acesso em: 05 nov. 2014. ROUSE, Margaret. Computing Fundamentals Glossary. Acesso em: 29 nov. 2014.. STATISTA.COM. Share of internet users who would prefer to use mobile payments instead of traditional payments as of February 2013. Acesso em: 02 dez. 2014. STATISTA.COM. Global mobile payment spending from 2010 to 2017, by segment (in billion U.S. dollars). Acesso em: 02 dez. 2014. THE ECONOMIST. Emptying pockets: Mobile payments. Acesso em: 05 nov. 2014. THOMPSON, EMMA. Omlis Global Mobile Payment Snapshot 2014. Acesso em: 05 nov. 2014. PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 19
  • 20. GLOSSÁRIO Check in e check out: os termos em inglês designam respectivamente um procedimento formal de entrada de um cliente em hotéis ou aeroportos. No comércio eletrônico check out designa o processo de finalização da compra online. Download: é a transmissão de um arquivo de um computador para outro. Do ponto-de-vista do usuário de Internet, o download de um arquivo é a solicitação do arquivo a partir de outro computador (ou a partir de uma página da Web em outro computador) para recebê-lo. iPhone: é um smartphone feito pela Apple, que combina um iPod, um PC tablet, uma câmera digital e um telefone celular. O dispositivo inclui navegação na Internet e recursos de rede. Online: é a condição de estar conectado a uma rede de computadores ou de outros dispositivos. Mobile wallets: as carteiras móveis usam tecnologia NFC em chips e cartões em um smartphone ou outro dispositivo para transmitir informações de pagamento. Quando um cliente está disposto a pagar utilizando uma carteira móvel, abre um aplicativo instalado no aparelho. Smartphone: é um telefone celular com um computador e outros recursos integrados, não originalmente associados com telefones, tais como um sistema operacional, navegação na Web e a capacidade de executar aplicações de software. Tablet: é um dispositivo móvel que não realiza ligações telefônicas, mas tem todos os recursos dos smartphones mais avançados, porém com tela maior, entre sete e dez polegadas. Pode ser descrito como um computador portátil com teclado virtual e sistema operacional, acesso à Internet, navegador para a Web e a capacidade de executar aplicações de software, além de jogos. A maior parte dos modelos tem câmera e microfone. PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 20
  • 21. SOBRE O AUTOR Rafael Pessi é jornalista e designer, com especialização em Gestão de E-commerce. Criou e operou a loja virtual de camisetas Carranca.com entre 2005 e 2010. Desde 2005 trabalha na Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), onde hoje coordena projetos digitais na Assessoria de Promoção e Inteligência Competitiva da universidade em Palhoça, Santa Catarina. Rafael pode ser contatado pelo LinkedIn: https://www.linkedin.com/profile/view?id=125391657 PAGAMENTOS DIGITAIS MÓVEIS 21