SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Índices, ferramentas e
associações
Aula 6
Prof. Eng. Rafael J. Rorato
Universidade do Contestado – Campus Concórdia
Engenharia Civil
CUB
Custo Unitário Básico - CUB
• Custo por metro quadrado de construção do
projeto-padrão considerado
– Calculado pelos Sindicatos da Indústria da
Construção Civil
– O que ENGLOBA?
• Materiais
• Mão-de-obra (com encargos sociais)
• Despesas administrativas
• Equipamentos
Custo Unitário Básico - CUB
• Custo por metro quadrado de construção do
projeto-padrão considerado
– O que NÃO ENGLOBA?
• Custo do terreno
• Fundações, submuramentos , paredes-diafragma e
tirantes
• Rebaixamento do lençol freático
• Elevadores, fogões, ar-condicionado, geradores,
calefação
• Urbanização, recreação (piscinas, quadras esportivas)
• Regulação do condomínio, impostos, taxas cartoriais
Custo Unitário Básico - CUB
• Custo por metro quadrado de construção do
projeto-padrão considerado
– O que NÃO ENGLOBA?
• Projetos
– Arquitetônico
– Estrutural
– Instalações hidrossanitárias e elétricas
– Projetos especiais
• Remuneração
– Construtor
– Incorporador
Custo Unitário Básico - CUB
• Base Legal e Normativa
– Lei Federal n° 4.591 / 1964
– Lei Federal n° 4.864 / 1965
– Lei Federal n° 10.406 / 2002
– NBR 12722:1992
– NBR 5671:1989
– NBR 12721:2006
Custo Unitário Básico - CUB
• Objetivo do CUB
– Disciplinar o mercado de incorporação imobiliária,
servindo como parâmetro na determinação dos
imóveis
– Para a engenharia civil: Pode servir como um
BALIZADOR orçamentário. E NÃO COMO A ÚNICA
PREMISSA PARA A REALIZAÇÃO DO ORÇAMENTO
– Características dos custos em uma área geográfica ou
mercado pode ser diferentes mesmo que dentro de
uma mesma Unidade Federativa
Custo Unitário Básico - CUB
• Objetivo do CUB
– Disciplinar o mercado de incorporação imobiliária,
servindo como parâmetro na determinação dos
imóveis
– Para a engenharia civil: Pode servir como um
BALIZADOR orçamentário. E NÃO COMO A ÚNICA
PREMISSA PARA A REALIZAÇÃO DO ORÇAMENTO
– Características dos custos em uma área geográfica ou
mercado pode ser diferentes mesmo que dentro de
uma mesma Unidade Federativa
Custo Unitário Básico - CUB
• Características dos projetos-padrão
considerados na categorização do CUB
– Número de pavimentos
– Número de dependências por unidade
– Áreas equivalentes à área do custo padrão
privativas das unidades autônomas
– Padrão de acabamento
– Número total de unidades
Custo Unitário Básico - CUB
• Categorização dos projetos-padrão
– Residenciais
– Comerciais CAL (Comercial Andares Livres) e CSL
(Comercial Salas e Lojas)
– Projetos-padrão Galpão Industrial e Residência Popular
• RP1Q
• GI
Custo Unitário Básico - CUB
Multifamiliar
Multifamiliar
Multifamiliar
Multifamiliar
Comercial
Comercial
Custo Unitário Básico - CUB
• Materiais considerados
– Portas externas e internas
– Janelas e basculantes
– Peitoris
– Impermeabilização pisos, coberturas e caixa
d’água
– Acessórios sanitários para banheiros, cozinha,
área de serviço
– Pisos e rodapés para salas, quartos, banheiros,
cozinhas, área de serviço, pilotis, escadas, hall
Custo Unitário Básico - CUB
• Materiais considerados
– Revestimento interno paredes: salas, quartos,
cozinha, banheiros, hall
– Revestimento interno teto: salas, quartos, cozinha,
banheiros, hall
– Revestimento externo: fachada principal e
secundária
– Coberturas com telhado com madeiramento
– Pintura de tetos: salas, quartos, cozinha,
banheiros, hall, pilotis
Custo Unitário Básico - CUB
• Quantitativo de Material considerado
– Para cada padrão de qualidade e projeto-padrão a
NBR 12721:2006 preconiza um valor de consumo
unitário de produto, por m² de construção
• Transformação da Área Real em Área
Equivalente
• Determinação do CUB/m² representativo para
cada região
Custo Unitário Básico - CUB
– De acordo com o item 13.5 da ABNT NBR 12721:2006:
“Os Sindicatos da Indústria da Construção Civil têm a
faculdade de eleger ou apurar um CUB padrão
representativo de sua região, desde que explicitem o
critério utilizado para obtê-lo, ficando na obrigação de
divulgá-lo mensalmente, até o dia 5 do mês subseqüente,
juntamente aos demais custos unitários de construção
referentes aos projetos-padrão previstos nesta Norma e
calculados conforme os critérios nela estabelecidos, com a
finalidade específica de servir como indexador contratual.”
Porém...
• Como geralmente as grandes representações
sindicais da construção civil estão localizadas em
cidades de grande concentração demográfica
(capitais, cidades grandes) a utilização desse
índice pode não apresentar representatividade
em cidades menores
CUB/m² de Floripa é igual ao de Chapecó?
• Cabe as empresas organizadas em uma
representação sindical regional começar a
apontar e calcular o próprio CUB para a região
Custo Unitário Básico – CUB Valores
Custo Unitário Básico – CUB Valores
Custo Unitário Básico – CUB Valores
Sul
Brasil
Custo Unitário Básico – CUB Valores
CUB/m² – Preços medianos
Custo Unitário Básico - CUB
–Consultar
https://www.cub.org.br/
TCPO
TCPO: Tabelas de Composições de
Preços para Orçamentos
• Ferramenta para realização do planejamento das obras, a elaboração de
cronogramas e de todas as demais etapas do empreendimento que se
baseiam nos orçamentos a 56 anos no mercado
• Base de Dados PINI para orçamentos, com informações e critérios de
maior credibilidade na indústria da construção civil nacional
• 4.085 composições, com inúmeras atualizações de coeficientes de
consumo e muitas re-elaborações de grupos inteiros
• Árvores para Materiais, Serviços, Mão de obra e Equipamentos
• Porém, também considerar a variabilidade geomercadológica das
informações. Leia arquivo Leitura Complementar
Programas
Computacionais
Programas Computacionais
• Programas
– Desenho arquitetônico e técnico
• MicroStation – Bentley
• AutoCAD – AutoDesk
– Sistemas de Informações Geográficas
• MapInfo
• ArcGIS – ESRI
• TransCAD – Caliper
– Topográfia
• Topograph
Programas Computacionais
• Programas
– Orçamentos:
• TRON
• Compor90
• Volare: Baseado na TCPO
– Cálculo estruturas de concreto armado:
• TQS
• Eberick
• Concreto100
– Projeto Geométrico de Vias:
• Topograph + AutoCAD
Programas Computacionais
• Programas
– Elétrico:
• Autopower
• Lumine
– Hidráulico:
• Hydros
– Telefonia predial e cabeamento estruturado:
• Lumine
– Redes de distribuição urbana de água:
• SanCAD
Programas Computacionais
• Programas
– Análise estatística
• Statistica
• SPSS
• SAS
– Programação:
• MathLAB
– Modelagem e Simulação de Elementos Discretos
• Arena
Representação
Representação
• Regulamentação e fiscalização
– CREA: Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e
Agronomia
• ART: Anotação de Responsabilidade Técnica
– Confea - Conselho Federal de Engenharia e
AgronomiaSindicatos
• CBIC: Câmara Brasileira da Indústria da
Construção
• Sindicatos
– SINDUSCON: Sindicato da Indústria da Construção
Civil

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Apresentação de Introdução à Engenharia de Produção
Apresentação de Introdução à Engenharia de ProduçãoApresentação de Introdução à Engenharia de Produção
Apresentação de Introdução à Engenharia de Produção
Marcel Gois
 

Destaque (15)

Orçamentação de obras palestra
Orçamentação de obras   palestraOrçamentação de obras   palestra
Orçamentação de obras palestra
 
Introdução a engenharia
Introdução a engenhariaIntrodução a engenharia
Introdução a engenharia
 
Calendario academico 2014
Calendario academico 2014Calendario academico 2014
Calendario academico 2014
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
4ª aula (parte final) / Introdução a engenharia
4ª aula (parte final) / Introdução a engenharia4ª aula (parte final) / Introdução a engenharia
4ª aula (parte final) / Introdução a engenharia
 
Aula 18 nbr 12721
Aula 18   nbr 12721Aula 18   nbr 12721
Aula 18 nbr 12721
 
Introdução à Engenharia de Produção - 01
Introdução à Engenharia de Produção - 01Introdução à Engenharia de Produção - 01
Introdução à Engenharia de Produção - 01
 
7ª aula- Gestão ambiental urbana.
7ª aula- Gestão ambiental urbana. 7ª aula- Gestão ambiental urbana.
7ª aula- Gestão ambiental urbana.
 
Apresentação de Introdução à Engenharia de Produção
Apresentação de Introdução à Engenharia de ProduçãoApresentação de Introdução à Engenharia de Produção
Apresentação de Introdução à Engenharia de Produção
 
5a aula. fundacoes
5a aula. fundacoes5a aula. fundacoes
5a aula. fundacoes
 
III ENGENHARIA - Slides de Aulas
III ENGENHARIA - Slides de AulasIII ENGENHARIA - Slides de Aulas
III ENGENHARIA - Slides de Aulas
 
Fundações 01
Fundações 01Fundações 01
Fundações 01
 
Orçamento, planejamento e controle de obras
Orçamento, planejamento e controle de obrasOrçamento, planejamento e controle de obras
Orçamento, planejamento e controle de obras
 
Cálculo estequiométrico
Cálculo estequiométricoCálculo estequiométrico
Cálculo estequiométrico
 
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Engenharia civil
 

Semelhante a Introdução a engenharia - aula 6 -

Cartilha de instrucoes_tecnicas_de_engenharia_e_arquitetura
Cartilha de instrucoes_tecnicas_de_engenharia_e_arquiteturaCartilha de instrucoes_tecnicas_de_engenharia_e_arquitetura
Cartilha de instrucoes_tecnicas_de_engenharia_e_arquitetura
rubemchagas
 
Sustentar bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
Sustentar   bvmf - 230512 - guilherme fagundes-finalSustentar   bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
Sustentar bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
forumsustentar
 
Sustentar bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
Sustentar   bvmf - 230512 - guilherme fagundes-finalSustentar   bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
Sustentar bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
forumsustentar
 
Presentation lsd-talk
Presentation lsd-talkPresentation lsd-talk
Presentation lsd-talk
PauloDitarso
 

Semelhante a Introdução a engenharia - aula 6 - (16)

ESTIMATIVADECUSTOS.pdf
ESTIMATIVADECUSTOS.pdfESTIMATIVADECUSTOS.pdf
ESTIMATIVADECUSTOS.pdf
 
Projeto casa 42m2
Projeto casa 42m2Projeto casa 42m2
Projeto casa 42m2
 
Etapas do projeto
Etapas do projetoEtapas do projeto
Etapas do projeto
 
Etapas do projeto
Etapas do projetoEtapas do projeto
Etapas do projeto
 
Cartilha de instrucoes_tecnicas_de_engenharia_e_arquitetura
Cartilha de instrucoes_tecnicas_de_engenharia_e_arquiteturaCartilha de instrucoes_tecnicas_de_engenharia_e_arquitetura
Cartilha de instrucoes_tecnicas_de_engenharia_e_arquitetura
 
Casa 42m2
Casa 42m2Casa 42m2
Casa 42m2
 
Apresentação enic
Apresentação enicApresentação enic
Apresentação enic
 
O uso de softwares na engenharia civil
O uso de softwares na engenharia civilO uso de softwares na engenharia civil
O uso de softwares na engenharia civil
 
Aula 05 qs - cocomo
Aula 05   qs - cocomoAula 05   qs - cocomo
Aula 05 qs - cocomo
 
Orientacao tecnica
Orientacao tecnicaOrientacao tecnica
Orientacao tecnica
 
BIM para Infraestrutura de Transportes
BIM para Infraestrutura de TransportesBIM para Infraestrutura de Transportes
BIM para Infraestrutura de Transportes
 
Aula03 concepção
Aula03 concepçãoAula03 concepção
Aula03 concepção
 
Sustentar bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
Sustentar   bvmf - 230512 - guilherme fagundes-finalSustentar   bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
Sustentar bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
 
Sustentar bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
Sustentar   bvmf - 230512 - guilherme fagundes-finalSustentar   bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
Sustentar bvmf - 230512 - guilherme fagundes-final
 
Presentation lsd-talk
Presentation lsd-talkPresentation lsd-talk
Presentation lsd-talk
 
Tcc Orçamento
Tcc OrçamentoTcc Orçamento
Tcc Orçamento
 

Mais de Rafael José Rorato

Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
Rafael José Rorato
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Rafael José Rorato
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Rafael José Rorato
 

Mais de Rafael José Rorato (15)

IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IIIESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
 
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IIESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
 
Aula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
Aula 5 - Mensuração de Custos OperacionaisAula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
Aula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
 
Aula 4 - Operação de Frotas
Aula 4 - Operação de FrotasAula 4 - Operação de Frotas
Aula 4 - Operação de Frotas
 
Aula 3 - Especificação de Veículos
Aula 3 - Especificação de VeículosAula 3 - Especificação de Veículos
Aula 3 - Especificação de Veículos
 
Aula 2 - Introdução
Aula 2 - IntroduçãoAula 2 - Introdução
Aula 2 - Introdução
 
Aula 1 - Introdução
Aula 1 -  IntroduçãoAula 1 -  Introdução
Aula 1 - Introdução
 
Aula1 - estatística básica
Aula1 -  estatística básicaAula1 -  estatística básica
Aula1 - estatística básica
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
 
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
 
Análise de sensibilidade cct cana crua
Análise de sensibilidade cct cana cruaAnálise de sensibilidade cct cana crua
Análise de sensibilidade cct cana crua
 
Aspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportes
Aspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportesAspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportes
Aspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportes
 

Último

SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
avaseg
 
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolinapgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
mikhaelbaptista
 

Último (9)

ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolinapgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
 
Análise de Risco na Construcao Civil.pdf
Análise de Risco na Construcao Civil.pdfAnálise de Risco na Construcao Civil.pdf
Análise de Risco na Construcao Civil.pdf
 
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
 
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VFST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
 

Introdução a engenharia - aula 6 -

  • 1. Índices, ferramentas e associações Aula 6 Prof. Eng. Rafael J. Rorato Universidade do Contestado – Campus Concórdia Engenharia Civil
  • 2. CUB
  • 3. Custo Unitário Básico - CUB • Custo por metro quadrado de construção do projeto-padrão considerado – Calculado pelos Sindicatos da Indústria da Construção Civil – O que ENGLOBA? • Materiais • Mão-de-obra (com encargos sociais) • Despesas administrativas • Equipamentos
  • 4. Custo Unitário Básico - CUB • Custo por metro quadrado de construção do projeto-padrão considerado – O que NÃO ENGLOBA? • Custo do terreno • Fundações, submuramentos , paredes-diafragma e tirantes • Rebaixamento do lençol freático • Elevadores, fogões, ar-condicionado, geradores, calefação • Urbanização, recreação (piscinas, quadras esportivas) • Regulação do condomínio, impostos, taxas cartoriais
  • 5. Custo Unitário Básico - CUB • Custo por metro quadrado de construção do projeto-padrão considerado – O que NÃO ENGLOBA? • Projetos – Arquitetônico – Estrutural – Instalações hidrossanitárias e elétricas – Projetos especiais • Remuneração – Construtor – Incorporador
  • 6. Custo Unitário Básico - CUB • Base Legal e Normativa – Lei Federal n° 4.591 / 1964 – Lei Federal n° 4.864 / 1965 – Lei Federal n° 10.406 / 2002 – NBR 12722:1992 – NBR 5671:1989 – NBR 12721:2006
  • 7. Custo Unitário Básico - CUB • Objetivo do CUB – Disciplinar o mercado de incorporação imobiliária, servindo como parâmetro na determinação dos imóveis – Para a engenharia civil: Pode servir como um BALIZADOR orçamentário. E NÃO COMO A ÚNICA PREMISSA PARA A REALIZAÇÃO DO ORÇAMENTO – Características dos custos em uma área geográfica ou mercado pode ser diferentes mesmo que dentro de uma mesma Unidade Federativa
  • 8. Custo Unitário Básico - CUB • Objetivo do CUB – Disciplinar o mercado de incorporação imobiliária, servindo como parâmetro na determinação dos imóveis – Para a engenharia civil: Pode servir como um BALIZADOR orçamentário. E NÃO COMO A ÚNICA PREMISSA PARA A REALIZAÇÃO DO ORÇAMENTO – Características dos custos em uma área geográfica ou mercado pode ser diferentes mesmo que dentro de uma mesma Unidade Federativa
  • 9. Custo Unitário Básico - CUB • Características dos projetos-padrão considerados na categorização do CUB – Número de pavimentos – Número de dependências por unidade – Áreas equivalentes à área do custo padrão privativas das unidades autônomas – Padrão de acabamento – Número total de unidades
  • 10. Custo Unitário Básico - CUB • Categorização dos projetos-padrão – Residenciais – Comerciais CAL (Comercial Andares Livres) e CSL (Comercial Salas e Lojas) – Projetos-padrão Galpão Industrial e Residência Popular • RP1Q • GI
  • 18. Custo Unitário Básico - CUB • Materiais considerados – Portas externas e internas – Janelas e basculantes – Peitoris – Impermeabilização pisos, coberturas e caixa d’água – Acessórios sanitários para banheiros, cozinha, área de serviço – Pisos e rodapés para salas, quartos, banheiros, cozinhas, área de serviço, pilotis, escadas, hall
  • 19. Custo Unitário Básico - CUB • Materiais considerados – Revestimento interno paredes: salas, quartos, cozinha, banheiros, hall – Revestimento interno teto: salas, quartos, cozinha, banheiros, hall – Revestimento externo: fachada principal e secundária – Coberturas com telhado com madeiramento – Pintura de tetos: salas, quartos, cozinha, banheiros, hall, pilotis
  • 20. Custo Unitário Básico - CUB • Quantitativo de Material considerado – Para cada padrão de qualidade e projeto-padrão a NBR 12721:2006 preconiza um valor de consumo unitário de produto, por m² de construção • Transformação da Área Real em Área Equivalente • Determinação do CUB/m² representativo para cada região
  • 21. Custo Unitário Básico - CUB – De acordo com o item 13.5 da ABNT NBR 12721:2006: “Os Sindicatos da Indústria da Construção Civil têm a faculdade de eleger ou apurar um CUB padrão representativo de sua região, desde que explicitem o critério utilizado para obtê-lo, ficando na obrigação de divulgá-lo mensalmente, até o dia 5 do mês subseqüente, juntamente aos demais custos unitários de construção referentes aos projetos-padrão previstos nesta Norma e calculados conforme os critérios nela estabelecidos, com a finalidade específica de servir como indexador contratual.”
  • 22. Porém... • Como geralmente as grandes representações sindicais da construção civil estão localizadas em cidades de grande concentração demográfica (capitais, cidades grandes) a utilização desse índice pode não apresentar representatividade em cidades menores CUB/m² de Floripa é igual ao de Chapecó? • Cabe as empresas organizadas em uma representação sindical regional começar a apontar e calcular o próprio CUB para a região
  • 23. Custo Unitário Básico – CUB Valores
  • 24. Custo Unitário Básico – CUB Valores
  • 25. Custo Unitário Básico – CUB Valores Sul Brasil
  • 26. Custo Unitário Básico – CUB Valores
  • 28. Custo Unitário Básico - CUB –Consultar https://www.cub.org.br/
  • 29. TCPO
  • 30. TCPO: Tabelas de Composições de Preços para Orçamentos • Ferramenta para realização do planejamento das obras, a elaboração de cronogramas e de todas as demais etapas do empreendimento que se baseiam nos orçamentos a 56 anos no mercado • Base de Dados PINI para orçamentos, com informações e critérios de maior credibilidade na indústria da construção civil nacional • 4.085 composições, com inúmeras atualizações de coeficientes de consumo e muitas re-elaborações de grupos inteiros • Árvores para Materiais, Serviços, Mão de obra e Equipamentos • Porém, também considerar a variabilidade geomercadológica das informações. Leia arquivo Leitura Complementar
  • 32. Programas Computacionais • Programas – Desenho arquitetônico e técnico • MicroStation – Bentley • AutoCAD – AutoDesk – Sistemas de Informações Geográficas • MapInfo • ArcGIS – ESRI • TransCAD – Caliper – Topográfia • Topograph
  • 33. Programas Computacionais • Programas – Orçamentos: • TRON • Compor90 • Volare: Baseado na TCPO – Cálculo estruturas de concreto armado: • TQS • Eberick • Concreto100 – Projeto Geométrico de Vias: • Topograph + AutoCAD
  • 34. Programas Computacionais • Programas – Elétrico: • Autopower • Lumine – Hidráulico: • Hydros – Telefonia predial e cabeamento estruturado: • Lumine – Redes de distribuição urbana de água: • SanCAD
  • 35. Programas Computacionais • Programas – Análise estatística • Statistica • SPSS • SAS – Programação: • MathLAB – Modelagem e Simulação de Elementos Discretos • Arena
  • 37. Representação • Regulamentação e fiscalização – CREA: Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia • ART: Anotação de Responsabilidade Técnica – Confea - Conselho Federal de Engenharia e AgronomiaSindicatos • CBIC: Câmara Brasileira da Indústria da Construção • Sindicatos – SINDUSCON: Sindicato da Indústria da Construção Civil