SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
Baixar para ler offline
27291 – Hidrovias, Portos e
Aeroportos
Aula 02: Aeroportos, Portos e Vias Navegáveis - Sistema de
Transporte Aéreo
Prof. Eng. Rafael José Rorato
Me. Engenharia de Transportes
Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
Campus Joaçaba
Departamento de Engenharia Civil
O Transporte Aéreo em Números
Mundo
Mercado do Transporte Aéreo
• Aproximadamente 100 mil voos diários trazem
pessoas e mercadorias a seus destinos
• Mais de 3,7 bilhões de passageiros voarão em 2016
• Diariamente, US$16,6 bilhões em mercadorias são
transportados por via aérea. Representa 1/3 do
comércio mundial em valor
• 63 milhões de empregos são mantidos
• 3,5% da economia global depende da aviação. A
aviação sustenta negócios
Fonte: http://www.iata.org
Mercado do Transporte Aéreo
Fonte:AIRPASSENGERMARKETANALYSISJune2016
<http://www.iata.org/publications/economics/Pages/index.aspx>
Comportamento do Revenue Passenger
Kilometres (Passageiro Quilômetro):
Maio e Junho de 2016
TRANSPORTE DE PASSAGEIROS
Mercado do Transporte Aéreo
Fonte: AIR PASSENGER MARKET ANALYSIS June 2016
<http://www.iata.org/publications/economics/Pages/index.aspx>
63,6% Voo Internacional
36,4% Voo Doméstico
Distribuição do Mercado Mundial (base 2015)
Região
Participação Mercado Mundial (%)
Total (100%) Voo Internacional (63,3%)
África 2,2 1,9
Ásia e Oceania 31,5 17,4
Europa 26,7 23,8
América Latina 5,4 2,9
Oriente Médio 9,4 9,1
América do Norte 24,7 8,5
Países Voos Doméstico
(36,4%)
Austrália 1,1%
Brasil 1,4%
China 8,4%
Índia 1,2%
Japão 1,2%
Rússia 1,3%
Estados
Unidos
15,4%
TRANSPORTE DE PASSAGEIROS
Mercado do Transporte Aéreo
Fonte: AIR FREIGHT MARKET ANALYSIS June 2016
<http://www.iata.org/publications/economics/Pages/index.aspx>
TRANSPORTE DE CARGA
Comportamento do Freight Tonne
Kilometres (Tonelada Quilômetro)
Região
Mercado Mundial (%)
Base 2015
Total
(100%)
Voo Internacional
(87,0%)
África 1,5 1,5
Ásia e
Oceania
38,9 34,6
Europa 22,3 21,9
América
Latina
2,8 2,5
Oriente
Médio
14,0 14,0
América
do Norte
20,5 12,4
Mercado do Transporte Aéreo
Total de Aeroportos Internacional e Nacional, Aeródromo, Pista de Aterrissagem e Heliporto
África
2.497
América do Norte
21.134
América Latina e Caribe
6.485
Antártida
9
Europa
3.095
Ásia
2.137
Europa Oriental
530
Oceania
2.218
Oriente Médio
290
Fonte: mccPILOTLOG
O Transporte Aéreo em Números
Brasil
Mercado do Transporte Aéreo no Brasil
• 1,09 milhões de voos regulares e não regulares por
empresas brasileiras e estrangeiras
Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014
Mercado do Transporte Aéreo no Brasil
• 942 mil de voos domésticos regulares e não
regulares por empresas brasileiras e estrangeiras
Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014
86% dos
voos são
domésticos Ano Base 2014
Mercado do Transporte Aéreo no Brasil
• 942 mil de voos domésticos regulares e não
regulares por empresas brasileiras e estrangeiras
Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014
Mercado do Transporte Aéreo no Brasil
• Distribuição geográfica dos voos domésticos
Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014
Decolagem por região (milhares) Principais aeroportos na quantidade de decolagens
Mercado do Transporte Aéreo no Brasil
• Principais aeroportos públicos
Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 / AerodromosPublicos.xls
Aeroportos utilizados
Base 2014
QuantidadedeAeroportoseAeródromos
PúblicosporUFeRevestimentoPista
Mercado do Transporte Aéreo no Brasil
• Principais aeroportos públicos: Santa Catarina
Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 / AerodromosPublicos.xls
Aeroportos catarinenses e Número de Decolagens
Base 2014
Aeroportos e Aeródromos Públicos catarinenses
Mercado do Transporte Aéreo
• Aeródromos privados
– UF e tipo de
revestimento da pista
de pouso e decolagem
• Helipontos e
helidecks
Fonte:ANAC(2014).AerodromosPrivado.xls
Helidecks:
164
Mercado do Transporte Aéreo no Brasil
• 117,2 milhões de passageiros pagos em 2014
Fonte:ANAC(2014).AnuáriodoTransporteAéreo2014
Ano Base 2014
PAX-KM
Mercado do Transporte Aéreo no Brasil
• 95,9 milhões de passageiros pagos em voos
domésticos em 2014
Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014
Mercado do Transporte Aéreo no Brasil
• Carga paga transportada totalizou 1,2 milhões de
toneladas em 2014 e cresceu 39,2% nos últimos dez
anos
Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014
Mercado do Transporte Aéreo no Brasil
• 95,9 milhões de passageiros pagos em voos
domésticos em 2014
Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014
Distribuição
geográfica dos
passageiros
pago por região
Mercado do Transporte Aéreo
• Geração de empregos no Brasil
Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014
Emprego por categoria de aeroviários
Mercado do Transporte Aéreo
• Geração de empregos no Brasil
Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014
Emprego por aeronave
Mercado do Transporte Aéreo
• Registros de aeronaves comerciais
Fonte: baseDadosRab.xls (ANAC)
Capacidade:
50 < PAX < 389
Mercado do Transporte Aéreo
• Idade da frota de aeronaves comerciais
Fonte:baseDadosRab.xls(ANAC)
Capacidade:
50 < PAX < 389
Mercado do Transporte Aéreo
• Demais aeronaves de pequeno porte
Fonte:baseDadosRab.xls(ANAC)
Capacidade de passageiros
Distribuição da idade da frota
Conceituação
Componente físico do sistema
Aeronaves
Terminal
Insumos
Geometria lado ar e lado terra
Geometria Lado Ar Geometria Lado Terra Fonte: ITA, prof. Cláudio Jorge Pinto Alves
Geometria lado ar e lado terra
• Lado Ar
– Orientação e Número de Pistas
– Classificação da Pista
Letra Código / Número Código
– Elementos Geométricos
Comprimento de Pista, Largura, Faixa de Pista,
Declividades, Acostamentos, Stopway, Clearway, RESA,
Saídas de Pista, Baías de Espera
– Saídas de Pista
– Separações
– Pátios
Geometria lado ar e lado terra
• Lado Terrestre
– Áreas de Apoio
• Hangares
• Parque de Combustível
• SCI: Seção de Combate a Incêndio
• TWR (Tower): Torre de Controle
• Comissaria
• Sala C: Sala de Tráfego
– Infraestrutura Básica
• Água, Esgoto, Energia Elétrica, Gás, Lixo
• Transportadores contínuos: esteiras e escadas rolantes
Geometria lado ar e lado terra
• Lado Terrestre
– Acesso Terrestre
• Sistema viário: acessos rodoviário, metro-ferroviário
• Área de Transferência e Estacionamento Rápido
• Área Lojas Locadoras / Táxis
• Estacionamento de Longo Período
• Estacionamento de Empregados
• Estacionamento Táxis e Ônibus
• Estacionamento Locadora Veículos
Componente humano do sistema
• Aeronautas
– Profissional habilitado que exerce função a bordo
de aeronave civil
Comandante, Primeiro Oficial, Segundo Oficial,
Navegador, Mecânico de Voo, Rádio Operador e
Comissários
• Aeroviários
– Profissional que presta serviços em terra. Exerce
função em aeroclubes, escolas de aviação civil,
que preste serviços de conservação, manutenção
e despacho de aeronaves
Civil
Componente gerencial do sistema
• Controle do Espaço Aéreo
• Investigação de Acidentes
Aeronáuticos
• Regulação, regulamentação,
homologação operacional
• Planejamento, outorgas, regulação,
regulamentação e homologação
comercial
• Administração e Gerenciamento
Civil
Militar
Objeto de transporte
• É de extrema necessidade saber para o
planejamento operacional de uma aeronave
(decolagem e aterrisagem):
– O peso do que está sendo transportado
– E como esse peso é distribuído ao longo da
aeronave
Objeto de transporte
• Passageiros
– Passageiro
– Bagagem
Peso médio / Peso Passageiro
Equivalente
Objeto de transporte
Load and trim sheet: Manifesto de Peso e
Balanceamento da Aeronave
Objeto de transporte
1. No terminal aeroportuário, o padrão das dimensões das
bagagens irá ter uma relação direta com transportadores
contínuos e equipamentos de triagem automática e balanças
2. Há casos, de bagagens de dimensões excedentes serem
tratadas de forma distinta
Objeto de transporte
• Passageiros
– Bagagem
Esteira Especial de
recuperação de bagagens
Aeroporto Copenhagen
Objeto de transporte
• Cargas
– Somente há restrições para os seguintes itens
• Explosivos e munições
• Gases
• Líquidos inflamáveis
• Sólidos inflamáveis
• Substâncias combustíveis e materiais oxidantes
• Substâncias tóxicas e infecciosas
• Materiais radioativos
• Corrosivos
• Mercadorias perigosas diversas
ANAC (2009). RBAC
nº 175: Transporte
de Artigos Perigosos
em Aeronaves Civis
Objeto de transporte
• Cargas: amarração nos porões e contêineres
Objeto de transporte
Compartimentos de Carga Boeing B737-400F Distribuição de assentos Embraer 190 195
Sistema Hub-Feeder
• O planejamento e a operação de sistemas de
transportes hub-feeder seguem a analogia do
cubo-raios-aro de uma bicicleta
• Do ponto central diverge para o perímetro
• Do perímetro converge para o centro
Possibilita utilizar Tecnologias de
Transporte de menor capacidade:
- Restrição da Demanda
- Restrição da Via
- Economia operacional
Sistema Hub-feeder
SistemaHub-feeder
XAP FLN
GRU
BSB
VCP
Principais HUBs no Brasil
Guarulhos
Brasília
Campinas
Plano Diretor Aeroportuário
Plano Diretor Aeroportuário
Plano Diretor Aeroportuário – PDIR é o documento
elaborado pelo operador de aeródromo, que
estabelece o planejamento para a expansão da
infraestrutura aeroportuária
Base Legal ANAC, Resolução Nº 153 / 2010
1ª Etapa: Descrição das características atuais do aeroporto
• Dados básicos
• Dados de operação
• Área patrimonial
• Sistema de pistas de pouso e decolagem
• Sistema de pistas de táxi
• Sistema de pátios de aeronaves
• Principais edificações
Desenhos e Plantas da
Descrição Atual
segundo a Geometria
Lado Ar e Lado Terra
Plano Diretor Aeroportuário
2ª Etapa: Descrição das características futuras do aeroporto
• Dados básicos
• Dados de operação
• Área patrimonial
• Sistema de pistas de pouso e decolagem
• Sistema de pistas de táxi
• Sistema de pátios de aeronaves
• Principais edificações
Desenhos e Plantas da
Descrição Futura
segundo a Geometria
Lado Ar e Lado Terra
Todas as plantas devem vir assinadas
pelo responsável por sua elaboração,
contendo o respectivo CREA
Plano Aeroviário
Plano Aeroviário
• O Plano Aeroviário Estadual é o documento
macrodiretor do planejamento integrado do
transporte aéreo e da infraestrutura aeroportuária
de interesse estadual
• Objetivo selecionar os aeródromos de interesse que
estarão aptos a receber recursos financeiros e
diretrizes de desenvolvimento
Plano de Outorga Aeroportuária
Plano de Outorga Aeroportuária
• Há possibilidade de abertura de aeródromo privado
• Para tal, há necessidade de seguir critérios de
outorga, gerenciada pela ANAC e tecnicamente
validada pela Aeronáutica
Plano de Outorga Aeroportuária
• As outorgas da ANAC permitem:
– Autorização Prévia de Construção
– Abertura ao tráfego aéreo: Inscrição no cadastro
– Renovação do cadastro
– Regularização
– Alteração de características
– Exclusão do cadastro
– Registro de pistas para operação aeroagrícola
– Helipontos
Regulação, Normatização e
Gerenciamento Aeronáutico
Regulação, Normatização e
Gerenciamento Aeronáutico
• IATA: International Air Transport Association
• ICAO: International Civil Aviation Organization
• FAA: Federal Aviation Administration
• ANAC: Agência Nacional de Aviação Civil
• DECEA: Departamento de Controle do Espaço Aéreo
• INFRAERO: Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária
• CENIPA: Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos
Outros Atores Públicos
Correlatos ao Sistema de
Transporte Aéreo Nacional
Outras Instituições com Operações
Correlatas à Atividade Aeronáutica
• Secretaria de Aviação Civil
• ANVISA: Agência Nacional de Vigilância Sanitária
• VIGIAGRO: Vigilância Agropecuária Internacional
• DPF: Departamento de Polícia Federal
• Receita Federal
27291 – Hidrovias, Portos e
Aeroportos
Aula 02: Aeroportos, Portos e Vias Navegáveis - Sistema de
Transporte Aéreo
Prof. Eng. Rafael José Rorato
Me. Engenharia de Transportes
Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
Campus Joaçaba
Departamento de Engenharia Civil

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloengenhar
 
Ufba aula 09 - estudo da movimentação de terras
Ufba   aula 09 - estudo da movimentação de terrasUfba   aula 09 - estudo da movimentação de terras
Ufba aula 09 - estudo da movimentação de terrasFabinho Juntá Tuxá
 
Aircraft performance
Aircraft performanceAircraft performance
Aircraft performanceNazmul Alam
 
Recuperação de Atitudes Anormais
Recuperação de Atitudes AnormaisRecuperação de Atitudes Anormais
Recuperação de Atitudes AnormaisLucas Carramenha
 
9. approach and landing
9. approach and landing9. approach and landing
9. approach and landingchococrispis37
 
Formation FI(A) : Assiette Trajectoire - Assiette Vitesse (Briefing long Aéro...
Formation FI(A) : Assiette Trajectoire - Assiette Vitesse (Briefing long Aéro...Formation FI(A) : Assiette Trajectoire - Assiette Vitesse (Briefing long Aéro...
Formation FI(A) : Assiette Trajectoire - Assiette Vitesse (Briefing long Aéro...Softeam agency
 
Software Gestão de Frota Sofit
Software Gestão de Frota SofitSoftware Gestão de Frota Sofit
Software Gestão de Frota SofitSofit Software SA
 
Apresentação - Curso Básico de Drones
Apresentação - Curso Básico de DronesApresentação - Curso Básico de Drones
Apresentação - Curso Básico de DronesBlog da Geografia
 
Clase 10 Procedimientos Rnav Gnss Barra T Y Y 1
Clase 10 Procedimientos Rnav Gnss Barra T Y Y 1Clase 10 Procedimientos Rnav Gnss Barra T Y Y 1
Clase 10 Procedimientos Rnav Gnss Barra T Y Y 1JAIRO GAVIRIA
 
Variante EFIS Glass Cockpit : Formation Garmin G1000
Variante EFIS Glass Cockpit : Formation Garmin G1000 Variante EFIS Glass Cockpit : Formation Garmin G1000
Variante EFIS Glass Cockpit : Formation Garmin G1000 Softeam agency
 
ETOPS - Extended Twinned Engine Operations
ETOPS - Extended Twinned Engine OperationsETOPS - Extended Twinned Engine Operations
ETOPS - Extended Twinned Engine OperationsKelvin Lam
 
Cours PPL(A) : Le vol en VFR de nuit
Cours PPL(A) : Le vol en VFR de nuitCours PPL(A) : Le vol en VFR de nuit
Cours PPL(A) : Le vol en VFR de nuitSofteam agency
 
Drone and its application
Drone and its applicationDrone and its application
Drone and its application14209276
 

Mais procurados (20)

Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do solo
 
Ufba aula 09 - estudo da movimentação de terras
Ufba   aula 09 - estudo da movimentação de terrasUfba   aula 09 - estudo da movimentação de terras
Ufba aula 09 - estudo da movimentação de terras
 
PTC15 A-CDM & next frontier
PTC15 A-CDM & next frontierPTC15 A-CDM & next frontier
PTC15 A-CDM & next frontier
 
Aircraft performance
Aircraft performanceAircraft performance
Aircraft performance
 
Recuperação de Atitudes Anormais
Recuperação de Atitudes AnormaisRecuperação de Atitudes Anormais
Recuperação de Atitudes Anormais
 
A flight plan in 10 steps
A flight plan in 10 stepsA flight plan in 10 steps
A flight plan in 10 steps
 
9. approach and landing
9. approach and landing9. approach and landing
9. approach and landing
 
Formation FI(A) : Assiette Trajectoire - Assiette Vitesse (Briefing long Aéro...
Formation FI(A) : Assiette Trajectoire - Assiette Vitesse (Briefing long Aéro...Formation FI(A) : Assiette Trajectoire - Assiette Vitesse (Briefing long Aéro...
Formation FI(A) : Assiette Trajectoire - Assiette Vitesse (Briefing long Aéro...
 
Software Gestão de Frota Sofit
Software Gestão de Frota SofitSoftware Gestão de Frota Sofit
Software Gestão de Frota Sofit
 
Apresentação - Curso Básico de Drones
Apresentação - Curso Básico de DronesApresentação - Curso Básico de Drones
Apresentação - Curso Básico de Drones
 
Navegação aula 2
Navegação   aula 2Navegação   aula 2
Navegação aula 2
 
drone
dronedrone
drone
 
Clase 10 Procedimientos Rnav Gnss Barra T Y Y 1
Clase 10 Procedimientos Rnav Gnss Barra T Y Y 1Clase 10 Procedimientos Rnav Gnss Barra T Y Y 1
Clase 10 Procedimientos Rnav Gnss Barra T Y Y 1
 
Variante EFIS Glass Cockpit : Formation Garmin G1000
Variante EFIS Glass Cockpit : Formation Garmin G1000 Variante EFIS Glass Cockpit : Formation Garmin G1000
Variante EFIS Glass Cockpit : Formation Garmin G1000
 
Separation
SeparationSeparation
Separation
 
Atc unit 4
Atc unit 4Atc unit 4
Atc unit 4
 
ETOPS - Extended Twinned Engine Operations
ETOPS - Extended Twinned Engine OperationsETOPS - Extended Twinned Engine Operations
ETOPS - Extended Twinned Engine Operations
 
Fatos na Aviação para Agente de Aeroporto
Fatos na Aviação para Agente de AeroportoFatos na Aviação para Agente de Aeroporto
Fatos na Aviação para Agente de Aeroporto
 
Cours PPL(A) : Le vol en VFR de nuit
Cours PPL(A) : Le vol en VFR de nuitCours PPL(A) : Le vol en VFR de nuit
Cours PPL(A) : Le vol en VFR de nuit
 
Drone and its application
Drone and its applicationDrone and its application
Drone and its application
 

Destaque

Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jbaRafael José Rorato
 
Segurança em Terminias de Carga Aérea , Aeroporto de Lisboa_ Apresentação Par...
Segurança em Terminias de Carga Aérea , Aeroporto de Lisboa_ Apresentação Par...Segurança em Terminias de Carga Aérea , Aeroporto de Lisboa_ Apresentação Par...
Segurança em Terminias de Carga Aérea , Aeroporto de Lisboa_ Apresentação Par...Luis Neto
 
Zurich Risk Engineering Luis Vitiritti forum de navegacao 30 08 2011
Zurich Risk Engineering Luis Vitiritti forum de navegacao 30 08 2011Zurich Risk Engineering Luis Vitiritti forum de navegacao 30 08 2011
Zurich Risk Engineering Luis Vitiritti forum de navegacao 30 08 2011Luis Vitiritti
 
Aspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportes
Aspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportesAspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportes
Aspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportesRafael José Rorato
 
Segurança em Terminias de Carga Aérea, Aeroporto de Lisboa_Apresentação Parte 1
Segurança em Terminias de Carga Aérea, Aeroporto de Lisboa_Apresentação Parte 1Segurança em Terminias de Carga Aérea, Aeroporto de Lisboa_Apresentação Parte 1
Segurança em Terminias de Carga Aérea, Aeroporto de Lisboa_Apresentação Parte 1Luis Neto
 
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IIIESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IIRafael José Rorato
 
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IIESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IRafael José Rorato
 
Aula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
Aula 5 - Mensuração de Custos OperacionaisAula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
Aula 5 - Mensuração de Custos OperacionaisRafael José Rorato
 
Fotos De Santa Catarina
Fotos De Santa CatarinaFotos De Santa Catarina
Fotos De Santa Catarinaichliebe
 
Hino de itajaí
Hino de itajaíHino de itajaí
Hino de itajaípaulomaes
 
O que faz o “brasil”, Brasil? Notas sobre como somos e não somos
O que faz o “brasil”, Brasil? Notas sobre como somos e não somosO que faz o “brasil”, Brasil? Notas sobre como somos e não somos
O que faz o “brasil”, Brasil? Notas sobre como somos e não somosExpoGestão
 
Trabalho de sustentabilidade
Trabalho de sustentabilidadeTrabalho de sustentabilidade
Trabalho de sustentabilidadeXande Menegussi
 
Case Segurança – Tupy S.A. - Ronda® Senior
Case Segurança – Tupy S.A. - Ronda® SeniorCase Segurança – Tupy S.A. - Ronda® Senior
Case Segurança – Tupy S.A. - Ronda® SeniorSenior Sistemas
 
Preparação ao concurso público2
Preparação ao concurso público2Preparação ao concurso público2
Preparação ao concurso público2nasagainss
 

Destaque (20)

Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
 
Segurança em Terminias de Carga Aérea , Aeroporto de Lisboa_ Apresentação Par...
Segurança em Terminias de Carga Aérea , Aeroporto de Lisboa_ Apresentação Par...Segurança em Terminias de Carga Aérea , Aeroporto de Lisboa_ Apresentação Par...
Segurança em Terminias de Carga Aérea , Aeroporto de Lisboa_ Apresentação Par...
 
Revitalização da Cabotagem Brasileira
Revitalização da Cabotagem Brasileira Revitalização da Cabotagem Brasileira
Revitalização da Cabotagem Brasileira
 
Zurich Risk Engineering Luis Vitiritti forum de navegacao 30 08 2011
Zurich Risk Engineering Luis Vitiritti forum de navegacao 30 08 2011Zurich Risk Engineering Luis Vitiritti forum de navegacao 30 08 2011
Zurich Risk Engineering Luis Vitiritti forum de navegacao 30 08 2011
 
Aspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportes
Aspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportesAspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportes
Aspectos estruturais dos modais de infraestrutura de transportes
 
trasnporte
trasnportetrasnporte
trasnporte
 
Segurança em Terminias de Carga Aérea, Aeroporto de Lisboa_Apresentação Parte 1
Segurança em Terminias de Carga Aérea, Aeroporto de Lisboa_Apresentação Parte 1Segurança em Terminias de Carga Aérea, Aeroporto de Lisboa_Apresentação Parte 1
Segurança em Terminias de Carga Aérea, Aeroporto de Lisboa_Apresentação Parte 1
 
3 curvas horizontais
3   curvas horizontais3   curvas horizontais
3 curvas horizontais
 
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IIIESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
 
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IIESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
 
Aula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
Aula 5 - Mensuração de Custos OperacionaisAula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
Aula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
 
Presentación Encuentro 2010 - Santa Catarina, Brasil
Presentación Encuentro 2010 - Santa Catarina, BrasilPresentación Encuentro 2010 - Santa Catarina, Brasil
Presentación Encuentro 2010 - Santa Catarina, Brasil
 
[ACIJ] Revista 21 - Dezembro/2012
[ACIJ] Revista 21 - Dezembro/2012[ACIJ] Revista 21 - Dezembro/2012
[ACIJ] Revista 21 - Dezembro/2012
 
Fotos De Santa Catarina
Fotos De Santa CatarinaFotos De Santa Catarina
Fotos De Santa Catarina
 
Hino de itajaí
Hino de itajaíHino de itajaí
Hino de itajaí
 
O que faz o “brasil”, Brasil? Notas sobre como somos e não somos
O que faz o “brasil”, Brasil? Notas sobre como somos e não somosO que faz o “brasil”, Brasil? Notas sobre como somos e não somos
O que faz o “brasil”, Brasil? Notas sobre como somos e não somos
 
Trabalho de sustentabilidade
Trabalho de sustentabilidadeTrabalho de sustentabilidade
Trabalho de sustentabilidade
 
Case Segurança – Tupy S.A. - Ronda® Senior
Case Segurança – Tupy S.A. - Ronda® SeniorCase Segurança – Tupy S.A. - Ronda® Senior
Case Segurança – Tupy S.A. - Ronda® Senior
 
Preparação ao concurso público2
Preparação ao concurso público2Preparação ao concurso público2
Preparação ao concurso público2
 
Edição nº 15_do_primeira_pauta,_o_jornal_laboratório_do_ielusc,_joinville
Edição nº 15_do_primeira_pauta,_o_jornal_laboratório_do_ielusc,_joinvilleEdição nº 15_do_primeira_pauta,_o_jornal_laboratório_do_ielusc,_joinville
Edição nº 15_do_primeira_pauta,_o_jornal_laboratório_do_ielusc,_joinville
 

Semelhante a Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba

O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro
O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiroO desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro
O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiroRafael Braga
 
Crescimento do Mercado Brasileiro de Aviação
Crescimento do Mercado Brasileiro de AviaçãoCrescimento do Mercado Brasileiro de Aviação
Crescimento do Mercado Brasileiro de AviaçãoGustavo Fleury
 
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345Maciel "Massa"
 
Transportes aéreos
Transportes aéreosTransportes aéreos
Transportes aéreosMayjö .
 
Fabiana Todesco - AIRPORT WORKSHOP - PANEL 1: Concessions in Latin American a...
Fabiana Todesco - AIRPORT WORKSHOP - PANEL 1: Concessions in Latin American a...Fabiana Todesco - AIRPORT WORKSHOP - PANEL 1: Concessions in Latin American a...
Fabiana Todesco - AIRPORT WORKSHOP - PANEL 1: Concessions in Latin American a...IBAS International Brazil Air Show
 
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2Gelson Zorzoli Nunes
 
A primeira de todas
A primeira de todas A primeira de todas
A primeira de todas Sistema CNC
 
Liberalização do Transporte Aéreo para a Região Autonóma dos Açores (Novo Mod...
Liberalização do Transporte Aéreo para a Região Autonóma dos Açores (Novo Mod...Liberalização do Transporte Aéreo para a Região Autonóma dos Açores (Novo Mod...
Liberalização do Transporte Aéreo para a Região Autonóma dos Açores (Novo Mod...Paulo Bettencourt
 
Regulação do transporte aéreo - evolução e desafios
Regulação do transporte aéreo - evolução e desafiosRegulação do transporte aéreo - evolução e desafios
Regulação do transporte aéreo - evolução e desafiosGustavo Fleury
 
Relatorio Geral Aeroportos
Relatorio Geral AeroportosRelatorio Geral Aeroportos
Relatorio Geral AeroportosAdriana Guarda
 
420380336-Prancha-operacional.pdf
420380336-Prancha-operacional.pdf420380336-Prancha-operacional.pdf
420380336-Prancha-operacional.pdfMarcos Boaventura
 
AULA_FOTOGRAMETRIA_RPA.pdf
AULA_FOTOGRAMETRIA_RPA.pdfAULA_FOTOGRAMETRIA_RPA.pdf
AULA_FOTOGRAMETRIA_RPA.pdfCamilaMelo918878
 

Semelhante a Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba (20)

O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro
O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiroO desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro
O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro
 
Crescimento do Mercado Brasileiro de Aviação
Crescimento do Mercado Brasileiro de AviaçãoCrescimento do Mercado Brasileiro de Aviação
Crescimento do Mercado Brasileiro de Aviação
 
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345
 
Transportes aéreos
Transportes aéreosTransportes aéreos
Transportes aéreos
 
Ap aviação civil
Ap aviação civilAp aviação civil
Ap aviação civil
 
Aulas 1
Aulas 1Aulas 1
Aulas 1
 
Fabiana Todesco - AIRPORT WORKSHOP - PANEL 1: Concessions in Latin American a...
Fabiana Todesco - AIRPORT WORKSHOP - PANEL 1: Concessions in Latin American a...Fabiana Todesco - AIRPORT WORKSHOP - PANEL 1: Concessions in Latin American a...
Fabiana Todesco - AIRPORT WORKSHOP - PANEL 1: Concessions in Latin American a...
 
Atps passo 4
Atps  passo 4Atps  passo 4
Atps passo 4
 
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2
 
Desenvolvimento da Aviação Regional
Desenvolvimento da Aviação RegionalDesenvolvimento da Aviação Regional
Desenvolvimento da Aviação Regional
 
Programa de Investimento em Logística - Aeroportos
Programa de Investimento em Logística - AeroportosPrograma de Investimento em Logística - Aeroportos
Programa de Investimento em Logística - Aeroportos
 
Canais de Distribuição.pdf
Canais de Distribuição.pdfCanais de Distribuição.pdf
Canais de Distribuição.pdf
 
Transporte aéreo
Transporte aéreoTransporte aéreo
Transporte aéreo
 
A primeira de todas
A primeira de todas A primeira de todas
A primeira de todas
 
Liberalização do Transporte Aéreo para a Região Autonóma dos Açores (Novo Mod...
Liberalização do Transporte Aéreo para a Região Autonóma dos Açores (Novo Mod...Liberalização do Transporte Aéreo para a Região Autonóma dos Açores (Novo Mod...
Liberalização do Transporte Aéreo para a Região Autonóma dos Açores (Novo Mod...
 
Relatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVARelatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVA
 
Regulação do transporte aéreo - evolução e desafios
Regulação do transporte aéreo - evolução e desafiosRegulação do transporte aéreo - evolução e desafios
Regulação do transporte aéreo - evolução e desafios
 
Relatorio Geral Aeroportos
Relatorio Geral AeroportosRelatorio Geral Aeroportos
Relatorio Geral Aeroportos
 
420380336-Prancha-operacional.pdf
420380336-Prancha-operacional.pdf420380336-Prancha-operacional.pdf
420380336-Prancha-operacional.pdf
 
AULA_FOTOGRAMETRIA_RPA.pdf
AULA_FOTOGRAMETRIA_RPA.pdfAULA_FOTOGRAMETRIA_RPA.pdf
AULA_FOTOGRAMETRIA_RPA.pdf
 

Mais de Rafael José Rorato

IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)Rafael José Rorato
 
Aula 3 - Especificação de Veículos
Aula 3 - Especificação de VeículosAula 3 - Especificação de Veículos
Aula 3 - Especificação de VeículosRafael José Rorato
 
Introdução a engenharia - aula 6 -
Introdução a engenharia  - aula 6 -Introdução a engenharia  - aula 6 -
Introdução a engenharia - aula 6 -Rafael José Rorato
 
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...Rafael José Rorato
 
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arte
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arteIntrodução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arte
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arteRafael José Rorato
 
Introdução a engenharia aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia   aula 2 - construção civilIntrodução a engenharia   aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia aula 2 - construção civilRafael José Rorato
 
Introdução a engenharia - aula 1
Introdução a engenharia - aula 1Introdução a engenharia - aula 1
Introdução a engenharia - aula 1Rafael José Rorato
 
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...Rafael José Rorato
 
Análise de sensibilidade cct cana crua
Análise de sensibilidade cct cana cruaAnálise de sensibilidade cct cana crua
Análise de sensibilidade cct cana cruaRafael José Rorato
 

Mais de Rafael José Rorato (13)

IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)
 
Aula 4 - Operação de Frotas
Aula 4 - Operação de FrotasAula 4 - Operação de Frotas
Aula 4 - Operação de Frotas
 
Aula 3 - Especificação de Veículos
Aula 3 - Especificação de VeículosAula 3 - Especificação de Veículos
Aula 3 - Especificação de Veículos
 
Aula 2 - Introdução
Aula 2 - IntroduçãoAula 2 - Introdução
Aula 2 - Introdução
 
Aula 1 - Introdução
Aula 1 -  IntroduçãoAula 1 -  Introdução
Aula 1 - Introdução
 
Aula1 - estatística básica
Aula1 -  estatística básicaAula1 -  estatística básica
Aula1 - estatística básica
 
Introdução a engenharia - aula 6 -
Introdução a engenharia  - aula 6 -Introdução a engenharia  - aula 6 -
Introdução a engenharia - aula 6 -
 
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
 
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arte
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arteIntrodução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arte
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arte
 
Introdução a engenharia aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia   aula 2 - construção civilIntrodução a engenharia   aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia aula 2 - construção civil
 
Introdução a engenharia - aula 1
Introdução a engenharia - aula 1Introdução a engenharia - aula 1
Introdução a engenharia - aula 1
 
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
 
Análise de sensibilidade cct cana crua
Análise de sensibilidade cct cana cruaAnálise de sensibilidade cct cana crua
Análise de sensibilidade cct cana crua
 

Último

SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxavaseg
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfAlexsandroRocha22
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADEssusercc9a5f
 
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolinapgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolinamikhaelbaptista
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdftatebib346
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxmarketing18485
 
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheirossuserd390f8
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfssusercc9a5f
 

Último (8)

SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolinapgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
 

Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba

  • 1. 27291 – Hidrovias, Portos e Aeroportos Aula 02: Aeroportos, Portos e Vias Navegáveis - Sistema de Transporte Aéreo Prof. Eng. Rafael José Rorato Me. Engenharia de Transportes Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC Campus Joaçaba Departamento de Engenharia Civil
  • 2. O Transporte Aéreo em Números Mundo
  • 3. Mercado do Transporte Aéreo • Aproximadamente 100 mil voos diários trazem pessoas e mercadorias a seus destinos • Mais de 3,7 bilhões de passageiros voarão em 2016 • Diariamente, US$16,6 bilhões em mercadorias são transportados por via aérea. Representa 1/3 do comércio mundial em valor • 63 milhões de empregos são mantidos • 3,5% da economia global depende da aviação. A aviação sustenta negócios Fonte: http://www.iata.org
  • 4. Mercado do Transporte Aéreo Fonte:AIRPASSENGERMARKETANALYSISJune2016 <http://www.iata.org/publications/economics/Pages/index.aspx> Comportamento do Revenue Passenger Kilometres (Passageiro Quilômetro): Maio e Junho de 2016 TRANSPORTE DE PASSAGEIROS
  • 5. Mercado do Transporte Aéreo Fonte: AIR PASSENGER MARKET ANALYSIS June 2016 <http://www.iata.org/publications/economics/Pages/index.aspx> 63,6% Voo Internacional 36,4% Voo Doméstico Distribuição do Mercado Mundial (base 2015) Região Participação Mercado Mundial (%) Total (100%) Voo Internacional (63,3%) África 2,2 1,9 Ásia e Oceania 31,5 17,4 Europa 26,7 23,8 América Latina 5,4 2,9 Oriente Médio 9,4 9,1 América do Norte 24,7 8,5 Países Voos Doméstico (36,4%) Austrália 1,1% Brasil 1,4% China 8,4% Índia 1,2% Japão 1,2% Rússia 1,3% Estados Unidos 15,4% TRANSPORTE DE PASSAGEIROS
  • 6. Mercado do Transporte Aéreo Fonte: AIR FREIGHT MARKET ANALYSIS June 2016 <http://www.iata.org/publications/economics/Pages/index.aspx> TRANSPORTE DE CARGA Comportamento do Freight Tonne Kilometres (Tonelada Quilômetro) Região Mercado Mundial (%) Base 2015 Total (100%) Voo Internacional (87,0%) África 1,5 1,5 Ásia e Oceania 38,9 34,6 Europa 22,3 21,9 América Latina 2,8 2,5 Oriente Médio 14,0 14,0 América do Norte 20,5 12,4
  • 7. Mercado do Transporte Aéreo Total de Aeroportos Internacional e Nacional, Aeródromo, Pista de Aterrissagem e Heliporto África 2.497 América do Norte 21.134 América Latina e Caribe 6.485 Antártida 9 Europa 3.095 Ásia 2.137 Europa Oriental 530 Oceania 2.218 Oriente Médio 290 Fonte: mccPILOTLOG
  • 8. O Transporte Aéreo em Números Brasil
  • 9. Mercado do Transporte Aéreo no Brasil • 1,09 milhões de voos regulares e não regulares por empresas brasileiras e estrangeiras Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014
  • 10. Mercado do Transporte Aéreo no Brasil • 942 mil de voos domésticos regulares e não regulares por empresas brasileiras e estrangeiras Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 86% dos voos são domésticos Ano Base 2014
  • 11. Mercado do Transporte Aéreo no Brasil • 942 mil de voos domésticos regulares e não regulares por empresas brasileiras e estrangeiras Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014
  • 12. Mercado do Transporte Aéreo no Brasil • Distribuição geográfica dos voos domésticos Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014 Decolagem por região (milhares) Principais aeroportos na quantidade de decolagens
  • 13. Mercado do Transporte Aéreo no Brasil • Principais aeroportos públicos Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 / AerodromosPublicos.xls Aeroportos utilizados Base 2014 QuantidadedeAeroportoseAeródromos PúblicosporUFeRevestimentoPista
  • 14. Mercado do Transporte Aéreo no Brasil • Principais aeroportos públicos: Santa Catarina Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 / AerodromosPublicos.xls Aeroportos catarinenses e Número de Decolagens Base 2014 Aeroportos e Aeródromos Públicos catarinenses
  • 15. Mercado do Transporte Aéreo • Aeródromos privados – UF e tipo de revestimento da pista de pouso e decolagem • Helipontos e helidecks Fonte:ANAC(2014).AerodromosPrivado.xls Helidecks: 164
  • 16. Mercado do Transporte Aéreo no Brasil • 117,2 milhões de passageiros pagos em 2014 Fonte:ANAC(2014).AnuáriodoTransporteAéreo2014 Ano Base 2014 PAX-KM
  • 17. Mercado do Transporte Aéreo no Brasil • 95,9 milhões de passageiros pagos em voos domésticos em 2014 Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014
  • 18. Mercado do Transporte Aéreo no Brasil • Carga paga transportada totalizou 1,2 milhões de toneladas em 2014 e cresceu 39,2% nos últimos dez anos Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014
  • 19. Mercado do Transporte Aéreo no Brasil • 95,9 milhões de passageiros pagos em voos domésticos em 2014 Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014 Distribuição geográfica dos passageiros pago por região
  • 20. Mercado do Transporte Aéreo • Geração de empregos no Brasil Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Emprego por categoria de aeroviários
  • 21. Mercado do Transporte Aéreo • Geração de empregos no Brasil Fonte: ANAC (2014). Anuário do Transporte Aéreo 2014 Ano Base 2014 Emprego por aeronave
  • 22. Mercado do Transporte Aéreo • Registros de aeronaves comerciais Fonte: baseDadosRab.xls (ANAC) Capacidade: 50 < PAX < 389
  • 23. Mercado do Transporte Aéreo • Idade da frota de aeronaves comerciais Fonte:baseDadosRab.xls(ANAC) Capacidade: 50 < PAX < 389
  • 24. Mercado do Transporte Aéreo • Demais aeronaves de pequeno porte Fonte:baseDadosRab.xls(ANAC) Capacidade de passageiros Distribuição da idade da frota
  • 26. Componente físico do sistema Aeronaves Terminal Insumos
  • 27. Geometria lado ar e lado terra Geometria Lado Ar Geometria Lado Terra Fonte: ITA, prof. Cláudio Jorge Pinto Alves
  • 28. Geometria lado ar e lado terra • Lado Ar – Orientação e Número de Pistas – Classificação da Pista Letra Código / Número Código – Elementos Geométricos Comprimento de Pista, Largura, Faixa de Pista, Declividades, Acostamentos, Stopway, Clearway, RESA, Saídas de Pista, Baías de Espera – Saídas de Pista – Separações – Pátios
  • 29. Geometria lado ar e lado terra • Lado Terrestre – Áreas de Apoio • Hangares • Parque de Combustível • SCI: Seção de Combate a Incêndio • TWR (Tower): Torre de Controle • Comissaria • Sala C: Sala de Tráfego – Infraestrutura Básica • Água, Esgoto, Energia Elétrica, Gás, Lixo • Transportadores contínuos: esteiras e escadas rolantes
  • 30. Geometria lado ar e lado terra • Lado Terrestre – Acesso Terrestre • Sistema viário: acessos rodoviário, metro-ferroviário • Área de Transferência e Estacionamento Rápido • Área Lojas Locadoras / Táxis • Estacionamento de Longo Período • Estacionamento de Empregados • Estacionamento Táxis e Ônibus • Estacionamento Locadora Veículos
  • 31. Componente humano do sistema • Aeronautas – Profissional habilitado que exerce função a bordo de aeronave civil Comandante, Primeiro Oficial, Segundo Oficial, Navegador, Mecânico de Voo, Rádio Operador e Comissários • Aeroviários – Profissional que presta serviços em terra. Exerce função em aeroclubes, escolas de aviação civil, que preste serviços de conservação, manutenção e despacho de aeronaves Civil
  • 32. Componente gerencial do sistema • Controle do Espaço Aéreo • Investigação de Acidentes Aeronáuticos • Regulação, regulamentação, homologação operacional • Planejamento, outorgas, regulação, regulamentação e homologação comercial • Administração e Gerenciamento Civil Militar
  • 33. Objeto de transporte • É de extrema necessidade saber para o planejamento operacional de uma aeronave (decolagem e aterrisagem): – O peso do que está sendo transportado – E como esse peso é distribuído ao longo da aeronave
  • 34. Objeto de transporte • Passageiros – Passageiro – Bagagem Peso médio / Peso Passageiro Equivalente
  • 35. Objeto de transporte Load and trim sheet: Manifesto de Peso e Balanceamento da Aeronave
  • 36. Objeto de transporte 1. No terminal aeroportuário, o padrão das dimensões das bagagens irá ter uma relação direta com transportadores contínuos e equipamentos de triagem automática e balanças 2. Há casos, de bagagens de dimensões excedentes serem tratadas de forma distinta
  • 37. Objeto de transporte • Passageiros – Bagagem Esteira Especial de recuperação de bagagens Aeroporto Copenhagen
  • 38. Objeto de transporte • Cargas – Somente há restrições para os seguintes itens • Explosivos e munições • Gases • Líquidos inflamáveis • Sólidos inflamáveis • Substâncias combustíveis e materiais oxidantes • Substâncias tóxicas e infecciosas • Materiais radioativos • Corrosivos • Mercadorias perigosas diversas ANAC (2009). RBAC nº 175: Transporte de Artigos Perigosos em Aeronaves Civis
  • 39. Objeto de transporte • Cargas: amarração nos porões e contêineres
  • 40. Objeto de transporte Compartimentos de Carga Boeing B737-400F Distribuição de assentos Embraer 190 195
  • 41. Sistema Hub-Feeder • O planejamento e a operação de sistemas de transportes hub-feeder seguem a analogia do cubo-raios-aro de uma bicicleta • Do ponto central diverge para o perímetro • Do perímetro converge para o centro Possibilita utilizar Tecnologias de Transporte de menor capacidade: - Restrição da Demanda - Restrição da Via - Economia operacional
  • 43. SistemaHub-feeder XAP FLN GRU BSB VCP Principais HUBs no Brasil Guarulhos Brasília Campinas
  • 45. Plano Diretor Aeroportuário Plano Diretor Aeroportuário – PDIR é o documento elaborado pelo operador de aeródromo, que estabelece o planejamento para a expansão da infraestrutura aeroportuária Base Legal ANAC, Resolução Nº 153 / 2010 1ª Etapa: Descrição das características atuais do aeroporto • Dados básicos • Dados de operação • Área patrimonial • Sistema de pistas de pouso e decolagem • Sistema de pistas de táxi • Sistema de pátios de aeronaves • Principais edificações Desenhos e Plantas da Descrição Atual segundo a Geometria Lado Ar e Lado Terra
  • 46. Plano Diretor Aeroportuário 2ª Etapa: Descrição das características futuras do aeroporto • Dados básicos • Dados de operação • Área patrimonial • Sistema de pistas de pouso e decolagem • Sistema de pistas de táxi • Sistema de pátios de aeronaves • Principais edificações Desenhos e Plantas da Descrição Futura segundo a Geometria Lado Ar e Lado Terra Todas as plantas devem vir assinadas pelo responsável por sua elaboração, contendo o respectivo CREA
  • 48. Plano Aeroviário • O Plano Aeroviário Estadual é o documento macrodiretor do planejamento integrado do transporte aéreo e da infraestrutura aeroportuária de interesse estadual • Objetivo selecionar os aeródromos de interesse que estarão aptos a receber recursos financeiros e diretrizes de desenvolvimento
  • 49. Plano de Outorga Aeroportuária
  • 50. Plano de Outorga Aeroportuária • Há possibilidade de abertura de aeródromo privado • Para tal, há necessidade de seguir critérios de outorga, gerenciada pela ANAC e tecnicamente validada pela Aeronáutica
  • 51. Plano de Outorga Aeroportuária • As outorgas da ANAC permitem: – Autorização Prévia de Construção – Abertura ao tráfego aéreo: Inscrição no cadastro – Renovação do cadastro – Regularização – Alteração de características – Exclusão do cadastro – Registro de pistas para operação aeroagrícola – Helipontos
  • 53. Regulação, Normatização e Gerenciamento Aeronáutico • IATA: International Air Transport Association • ICAO: International Civil Aviation Organization • FAA: Federal Aviation Administration • ANAC: Agência Nacional de Aviação Civil • DECEA: Departamento de Controle do Espaço Aéreo • INFRAERO: Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária • CENIPA: Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos
  • 54. Outros Atores Públicos Correlatos ao Sistema de Transporte Aéreo Nacional
  • 55. Outras Instituições com Operações Correlatas à Atividade Aeronáutica • Secretaria de Aviação Civil • ANVISA: Agência Nacional de Vigilância Sanitária • VIGIAGRO: Vigilância Agropecuária Internacional • DPF: Departamento de Polícia Federal • Receita Federal
  • 56. 27291 – Hidrovias, Portos e Aeroportos Aula 02: Aeroportos, Portos e Vias Navegáveis - Sistema de Transporte Aéreo Prof. Eng. Rafael José Rorato Me. Engenharia de Transportes Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC Campus Joaçaba Departamento de Engenharia Civil