Neuroimagem na prática neurológica

20.322 visualizações

Publicada em

Aula do Dr. Rafael Higashi (médico neurologista) no Instituto de Neurologia Deolindo Couto da UFRJ - RJ (2005)

0 comentários
17 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.322
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
380
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
17
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Neuroimagem na prática neurológica

  1. 1. NEUROIMAGEM Instituto de Neurologia Deolindo Couto da UFRJ Dr. Rafael Higashi médico neurologista www.estimulacaoneurologica.com.br
  2. 2. Técnicas de imagem : <ul><li>Tomografia computadorizada e angio-TC. </li></ul><ul><li>Ressonância magnética e angio-RM. </li></ul><ul><li>Arteriografia convencional. </li></ul><ul><li>Ultra-sonografia: Eco doppler convencional e Doppler transcraniano. </li></ul><ul><li>Medicina nuclear : tomografia por emissão de fóton único (SPECT) e tomografia por emissão de pósitrons (PET). </li></ul>
  3. 5. Paciente masculino 21 anos apresentou quadro agudo de hemiplegia à direita, obnubilação seguido de afasia global. Paciente com história de uso crônico de cocaína.
  4. 10. AFASIA GLOBAL
  5. 12. Paciente masc. 39 anos há 3 meses 1 episódio de crise convulsiva , há 1 semana apresentou cefaléia, vômitos e diminuição do nível de consciência ao exame apresentava ptose à esquerda.
  6. 13. A TC de crânio do paciente anterior apresentou área hipodensa não captante acometendo a coroa radiata, fronto-parietal à esquerda . A lesão exerce moderado efeito de massa sobre o ventrículo lateral direito e apaga os sulcos corticais periféricos, no laudo pediu-se para considerar as possibilidades de lesão expansiva ou AVC isquêmico agudo.
  7. 14. O paciente anterior realizou posteriormente a RNM de crânio aonde evidenciou formação expansiva complexa, não homogênea de limites imprecisos , apresentando sinal hiperintenso em T2 / DP e iso a levemente hipointenso em T1, com edema perilesional associado, comprometendo o lobo frontal , temporal e parietal esquerdo, incluindo os núcleos da base, hipotálamo e a porção anterior do tálamo homolateral exibindo áreas focais de impregnação de meios de contraste no lobo temporal e rostro do corpo caloso.
  8. 15. A lesão determina colabamento parcial e distorção do ventrículo lateral homolateral , apagamento parcial dos sulcos corticais adjacentes e discreta herniação subfalcina das estruturas da linha média . A lesão é sugestiva de glioma infiltrativo. Na biópsia foi diagnosticado Astrocitoma anaplásico grau III ( OMS ).
  9. 16. O paciente anterior após 1 alguns dias evoluiu com piora súbita do nível de consciência realizado nova TC de crânio aonde evidenciou volumoso processo expansivo c/ desvio da linha média anterior, inchaço frontal bilateral e hemisférica à esquerdo mais hematoma profundo c/ agravo do efeito de massa .
  10. 17. Paciente masculino 60 anos, hipertenso não controlado, tabagista apresentou início súbito de estado comatoso. O sangue vivo intracraniano é prontamente visível na TC. Devido à alta concentração de constituintes protéicos, ele parece mais denso(mais branco) que o tecido cerebral adjacente. A figura abaixo mostra uma TC de um paciente com uma hemorragia intracerebral espontânea. Note a grande coleção sangüinea branca, dentro do hemisfério cerebral; também pode ser visto sangue em ambos os ventrículos laterais. O sangue velho aparece com densidade progressivamente menor,como resultado do metabolismo das proteínas sangüíneas, aproximando-se da densidade do líquor na TC dentro de poucas semanas.
  11. 20. Paciente feminina com 69 anos de idade çom quadro de início súbito de cefaléia seguido de perda da consciência a TC mostrou hemorragia preenchendo as cisternas basais difusamente, mais proeminente no lado esquerdo secundário a aneurisma subindo da porção supraclinóide da art. carótida interna esquerda na origem da art. comunicante posterior evidenciado pela arteriografia cerebral
  12. 21. Subhyaloid Hemorrhage
  13. 24. Relato de caso: JGO, masculino, 60 anos, com história de cefaléia há quatro meses. As crises de cefaléia eram frontotemporais à direita, latejantes, de forte intensidade, piorando com atividades físicas rotineiras, associadas à fotofobia e fonofobia e com duração aproximada de 6 horas. Os episódios de cefaléia se manifestavam de forma intermitente com freqüência variável e o paciente era assintomático fora das crises. Vinte dias antes da internação iniciou quadro de ptose palpebral e paresia da musculatura ocular inervada pelo oculomotor ipsilateral
  14. 26. A RNM e a angio-ressonância de crânio demonstraram a presença de volumosa dilatação aneurismática posterior ao seio cavernoso , supraclinóidea, na emergência da artéria comunicante posterior direita, com cerca de 3,9 x 2,3 x 2,2cm. Sua luz era parcialmente trombosada, apresentando sinal hipodenso, correspondendo a calcificações. Determinava ainda efeito de massa sobre o pedúnculo cerebral direito, sobre a artéria cerebral posterior, a artéria basilar e a ponte. O diagnóstico radiológico foi compatível com aneurisma gigante da emergência da artéria comunicante posterior direita.
  15. 28. Conceição Aparecida Gomes , 59 anos, diabética ,potadora de doença miastenica, hipertensa com 2 episódios prévios de neuropatia craniana isquêmica de nervo oculomotor esquerdo e 1 episódio de AVC prévio. Há 3 meses com queixa de cefaléia temporal esquerda de forte intensidade associado a parestesia em dimidio direito de duração de 30 minutos. Quadro sugestivo de AIT.
  16. 34. Jovem de 16 anos com história há 6 meses de cefaléia sem deficit visual foi realizado RNM de crânio mostrando em T1 mútiplos flow voids no lobo occiptal esquerdo inteiro, a angiografia confirmou e detalhou ao MAV.
  17. 37. Paciente masculino 25 anos com cefaléia, vômitos e 1 episódio de perda da consciência realizou TC de crânio aonde evidenciou extensa área heterogenia com periferia hipodensa localizado no lobo frontal direito. A lesão apresenta extenso segmento hemorrágico e imagens anelares com centro hipodenso com halo de edema perilesional de extensão variável e diminutas calcificação de permeio. O complexo lesão edema exerce efeito de massa sobre as estruturas adjacentes com apagamento dos sulcos encefálicos em correspondência e compressão sobre o corno frontal e o corpo do ventrículo lateral homolateral. Há sinais de pequena herniação subfalcina.
  18. 38. A RNM de crânio do paciente anterior com volumosa formação expansiva comprometendo a região temporal direita, c/ sinal difusamente heterogêneo em todas as ponderações ,c/ áreas de hipersinal em T1 e hiposinal em T2 compatível com sangramento. Há realce de meio de contraste na periferia da lesão e exuberante edema perilesional. A lesão determina efeito de massa , caracterizando apagamento dos sulcos corticais adjacentes, colapso parcial do corpo do ventrículo lateral direito e terceiro ventrículo e desvio das estruturas da linha média p/ esquerda configurando hérnia subfalcina. Há ainda leve compressão sobre o mesencéfalo. Histopatológico Oligodendroglioma.
  19. 41. Paciente comatoso após acidente automobilístico. Realizou TC de crânio evidenciando hematoma epidural temporal esquerdo, hematoma parenquimatoso do lobo temporal direito,hematoma subdural da convexidade à direita, antes e após craniotomia e evacuação do hematoma.
  20. 44. Paciente masculino,87 anos, há 1 ano com história de queda da própria altura, há 2 meses com dificuldade da marcha e há 1 semana com dificuldade da fala. Realizou TC de crânio aonde evidenciou volumosa coleção subdural hipoatenuantes acompanhando predominantemente a convexidade fronto- parietal esquerda sugestiva de hematoma crônico e determinado compressão sobre o parênquima cerebral adjacente e o ventrículo lateral ipsilateral, e /o desvio contralateral das estruturas anatômicas da linha média e herniação subfalcina.
  21. 45. Elenilda Rodrigues da Silva, 36 anos, relata início de fraqueza em MID de início subaguda há 3 anos com piora lentamente progressiva da deambulação. Há 3 meses 1 episódio de neurite óptica em olho direito. Hoje não consegue andar longas distâncias (+ ou – 200 metros) pois sente fraqueza. Ao exame neurológico síndrome piramidal em MID. Líquor com aumento de síntese de IgG e aumento de infiltrado linfomononuclear. Faz pulsoterapia mensal com Solumedrol 500mg 2 frascos durante 5 dias em doses regressivas e doses de interferon beta SC em dias intercalados.
  22. 49. Paciente com 42 anos com atraso no neurodesenvolvimento iníciou há 5 anos com quadro clínico de distúrbio comportamental, após 1 ano progrediu para tetraparesia espástica e déficit cognitivo progressivo. Ao exame neurológico apresenta uma síndrome tetrapiramidal + síndrome demencial.  
  23. 52. Exames sangüineos : <ul><li>EEG: normal </li></ul><ul><li>ENMG: normal </li></ul><ul><li>Bioquímica sangüinea, prova de função hepática, renal e hemograma: normal </li></ul><ul><li>Hormônios tiroideanos: normal </li></ul><ul><li>Dosagem de Arilsulfatase A negativa </li></ul><ul><li>Líquor : normal </li></ul><ul><li>HD : Leucodistrofia de início no adulto não metacromática </li></ul>
  24. 53. Mulher com 57 anos foi admitida no hospital com alteração do estado mental e sonolência . Ao exame neurológico revelou atenção diminuída com hemianopsia homônima direita. Não apresentava febre, nuca flexível e sem fraqueza do VII par craniano. A RNM de crânio demonstrou presença de massa em lobo temporal com captação de contraste na lesão e nas celulas mastóideas. Foi colhido material secretivo das celulas mastóideas com cultura positiva para Micobacteria tuberculosa . O teste para HIV foi positivo.O diagnóstico é Tuberculoma cerebral com mastoidite tuberculoso.
  25. 54. Jovem de 17 anos apresentando febre, cefaléia e nível de consciência alterado de início há 12 horas. Ao exame neurológico evidencia discreta rigidez de nuca. A RNM do encéfalo apresentado é altamente sugestivo de herpes devido à distribuição da lesão têmporo-insular . Há aumento do volume das regiões acometidas que também apresentam tênue impregnação meníngea e pequenos focos de hemorragia superficial. Observe ainda o comprometimento menos intenso do lobo temporal contra-lateral. Clinica e imagem compatível com meningoencefalíte herpética.
  26. 58. Exames úteis para o diagnóstico da síndrome de encefalopatia aguda : <ul><li>Hemograma completo, VHS, uréia e creatinina, eletrólitos, cálcio, glicose, teste de função hepática, triagem de auto-anticorpos, B12, folato, cultura de sangue, analise urinária, eletrocardiograma, RX de tórax, gasometria arterial, microscopia e cultura de urina, sorologia para sífilis, porfirias urinárias, eletroencefalograma, TC e RNM de crânio, exame do líquor. </li></ul>
  27. 59. Paciente mulher de 30 anos apresentando tetraparesia progressiva e retenção urinária há 3 semanas
  28. 61. Realizou RNM da coluna cervical em T2 evidenciou hiperintensidade com captação periférica e irregular de contraste, acometendo o bulbo e a medula cervical , determinando alargamento desta com porção cística central de C3 a C7 . Aspecto sugestivo de neoplasia primária de origem glial. A possibilidade de astrocitoma deve ser considerado.
  29. 62. Mulher de 29 anos, solteira, com moderado retardo mental, virgem(segundo familiares) há 3 meses, 1 episódio de convulsão tônico clônico generalizado com liberação esfincteriana. Há 2 semanas início agudo de parestesia em MIE seguido de hemiparesia à esquerda .
  30. 64. Resultado : <ul><li>Sorologia para anti- HIV confirmado por Elisa e WB. Iniciado esquema de tratamento para neurotoxoplasmose com Sulfadiazina + Pirimetamina + acido fólico. Após 2 semana grande melhora do quadro clínico. Após 3 semanas desaparecimento completo da lesão evidenciado pela tomografia computadorizado de crânio de controle. </li></ul>
  31. 65. M.C.S., 43 anos, sexo feminino, solteira, residente da Cidade Alta, natural do Espírito Santo, faxineira, tabagista (45maços/ano). Há 01 mês queixava-se de cefaléia em região temporal à direita(sempre à direita), tipo aperto, intermitente , de forte intensidade, incapacitante, com alívio discreto com analgésicos associada a náusea, vômito, fotofobia, fonofobia e osmofobia. Há 02 semanas, a paciente apresentou piora da dor com o aumento da intensidade e duração que evoluiu p/ forma contínua procurando atendimento no Instituto de Neurologia Deolindo Couto. 18/02/04
  32. 66. Realizado TC de crânio evidenciando lesão sugestivo de aneurisma gigante de art. cerebral média direita.
  33. 67. Após 2 dias de internação a paciente desenvolveu uma hemiparesia à esquerda por embolia p/ região temporo-parieto-occiptal direita .
  34. 70. A angiorressonância evidenciou formação aneurismática na bifurcação da art. cerebral média direita.
  35. 71. TC demonstrando atrofia cerebral generalizada e particularmente um pequeno núcleo caudado (circundado em branco). Este paciente tem doença de Huntington em fase avançado.
  36. 72. Avô, pai e 3 tias acometidas pela doença de Huntington
  37. 74. M. F. S. , 29 anos, relata primeiro episódio de crise convulsiva aos 10 meses de idade após febre alta do tipo tônico clônica generalizada, após este episódio iniciaram crises parcial complexo do lobo temporal ( sensação epigástrica seguida de perda da consciência, sem perda do tônus com movimentos de automatismo motores unilateral com duração de 40 segundos à 3 minutos seguido de confusão pós-ictal de duração de 1 minuto. Aos 11 anos ocorreu segundo episódio de convulsão tonico clonica generalizada após febre alta. Faz uso há 15 anos de Rivotril e tegretol em altas doses embora sem crises do tipo TCG, as crises focais motoras com automatismo perssistem em frequencia média de 12 crises ao mês. Paciente consegue trabalhar embora não dirija automóvel. Caso Clínico :
  38. 75. Hipocampo esquerdo menor que o direito com hipersinal discreto em T2. Sugere Esclerose Mesial Temporal
  39. 76. A espectroscopia revelou redução da relação NAA/CR +Co no hipocampo esquerdo em torno de 0,6.
  40. 78. Paciente masculino 23 anos há 1 mês 2 episódios de convulsão parcial complexa com generalização secundária ocorridas no mesmo dia. Após realização de TC de crânio foi medicado com Albendazol 15mg/kg durante 21 dias e prednisolona 1 mg /kg.
  41. 79. Paciente com 34 anos, aos 16 anos iniciou quadro de distúrbio comportamental mais deficit cognitivo. Após internação foi verificado VDRL com titulação alta no soro e no líquor. Após tratamento com Penicilina G cristalina 12 milhões de unidades IV de 4/4 horas diariamente durante 10 dias seguida de penicilina benzatina 2.4 milhões de unidade IM semanalmente durante 4 semana. Houve melhora importante do quadro neurológico. Neurosífilis parenquimatosa forma demencial.
  42. 81. OBRIGADO A TODOS PELA ATENÇÃO ! www.estimulacaoneurologica.com.br

×