SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Entidades Imunes e Isentas


026 Quais as pessoas imunes do imposto de renda que estão sujeitas à entrega da DIPJ?

São imunes do imposto sobre a renda e estão obrigadas a DIPJ:

   a. os templos de qualquer culto (CF/1988, art. 150, VI, "b");
   b. os partidos políticos, inclusive suas fundações, e as entidades sindicais de trabalhadores,
      sem fins lucrativos (CF/1988, art. 150, VI, "c"), desde que observados os requisitos do art.
      14 do CTN, com redação alterada pela Lei Complementar no 104, de 2001;
   c. as instituições de educação e as de assistência social, sem fins lucrativos (CF/1988, art.
      150, VI, "c").

Considera-se imune a instituição de educação ou de assistência social que preste os
serviços para os quais houver sido instituída e os coloque à disposição da população
em geral, em caráter complementar às atividades do Estado, sem fins lucrativos (Lei
no 9.532/97, art. 12).

Define-se como entidade sem fins lucrativos, a instituição de educação e de assistência
social que não apresente superávit em suas contas ou, caso o apresente em
determinado exercício, destine referido resultado integralmente à manutenção e ao
desenvolvimento dos seus objetivos sociais (Lei no 9.532, de 1997, art.12 § 3o , alterado
pela Lei no 9.718, de 1998, art. 10, e Lei Complementar no 104, de 2001).

Para o gozo da imunidade, as instituições citadas em "b" e "c" estão obrigadas a
atender aos seguintes requisitos:

   a. não remunerar, por qualquer forma, seus dirigentes pelos serviços prestados;
   b. aplicar integralmente no país seus recursos na manutenção e desenvolvimento dos seus
      objetivos institucionais;
   c. manter escrituração completa de suas receitas e despesas em livros revestidos das
      formalidades que assegurem a respectiva exatidão;
   d. conservar em boa ordem, pelo prazo de cinco anos, contado da data da emissão, os
      documentos que comprovem a origem de suas receitas e a efetivação de suas despesas,
      bem assim a realização de quaisquer outros atos ou operações que venham a modificar
      sua situação patrimonial;
   e. apresentar, anualmente, a DIPJ, em conformidade com o disposto em ato da Secretaria da
      Receita Federal;
   f. assegurar a destinação de seu patrimônio a outra instituição que atenda às condições para
      gozo da imunidade, no caso de incorporação, fusão, cisão ou de extinção da pessoa
      jurídica, ou a órgão público;
   g. não distribuírem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer título;
   h. outros requisitos, estabelecidos em lei específica, relacionados com o funcionamento das
      entidades citadas.

NOTAS:

   1. As entidades sem fins lucrativos de que trata o Decreto no 3.048, de 1999, art. 12, I, que
       não se enquadrem na imunidade ou isenção da Lei no 9.532, de 1997, estão sujeitas à
       CSLL, devendo apurar a base de cálculo e a CSLL devida nos termos da legislação
       comercial;
2. A condição e vedação de não remuneração de dirigentes pelos serviços prestados não
       alcançam a hipótese de remuneração, em decorrência de vínculo empregatício, pelas
       Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), qualificadas segundo as
       normas estabelecidas na Lei no 9.790, de 1999, e pelas organizações sociais (OS),
       qualificadas consoante os dispositivos da Lei no 9.637, de 1998. Esta exceção está
       condicionada a que a remuneração, em seu valor bruto, não seja superior ao limite
       estabelecido para a remuneração de servidores do Poder Executivo Federal, sendo
       aplicável a partir de 1o/01/2003 (Lei no 10.637, de 2002, art. 34 e art. 68, III).

027 Quais são as entidades isentas pela finalidade ou objeto?

Consideram-se isentas as instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural e
científico e as associações civis que prestem os serviços para os quais houverem sido
instituídas e os coloquem à disposição do grupo de pessoas a que se destinam, sem
fins lucrativos (Lei nº 9.532, de 1997, art.15).

Considera-se entidade sem fins lucrativos a que não apresente superávit em suas
contas ou, caso o apresente em determinado exercício, destine referido resultado,
integralmente, à manutenção e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais (Lei nº
9.532, de 1997, art. 15, § 3º, alterado pela Lei nº 9.718, de 1998, art. 10).

NOTAS:

   1. As entidades sem fins lucrativos de que trata o Decreto no 3.048, de 1999, art. 12, I, que
      não se enquadrem na imunidade ou isenção da Lei no 9.532, de 1997, com as alterações
      introduzidas pela Lei no 9.732, de 1998, estão sujeitas à CSLL, devendo apurar a base de
      cálculo e o tributo devido nos termos da legislação comercial.
   2. As associações de poupança e empréstimo, as entidades de previdência privada fechada e
      as bolsas de mercadorias e de valores estão isentas do imposto sobre a renda, mas são
      contribuintes da CSLL. As entidades de previdência complementar, a partir de 1o/01/2002
      estão isentas da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (Lei no 10.426, de 2002, art. 5o).
   3. As entidades sujeitas a planificação contábil própria apurarão a CSLL de acordo com essa
      planificação.

028 Quais as condições determinadas pela legislação que devem ser observadas pelas
entidades enquadradas como isentas pela finalidade ou objeto?

As entidades consideradas isentas pela finalidade ou objeto deverão atender aos
seguintes requisitos (Lei nº 9.532, de 1997, art. 15, § 3º, alterado pela Lei nº 9.718,
de 1998, art. 10 e 18, IV):

   a. não remunerar por qualquer forma seus dirigentes pelos serviços prestados;
   b. aplicar integralmente no país os seus recursos na manutenção e desenvolvimento dos
      objetivos institucionais;
   c. manter escrituração completa de suas receitas e despesas em livros revestidos das
      formalidades que assegurem a respectiva exatidão;
   d. conservar em boa ordem, pelo prazo de cinco anos, contados da data da emissão, os
      documentos que comprovem a origem de suas receitas e a efetivação de suas despesas,
      bem assim a realização de quaisquer outros atos ou operações que venham a modificar
      sua situação patrimonial;
   e. apresentar, anualmente, declaração de informações (DIPJ), em conformidade com o
      disposto em ato da Secretaria da Receita Federal;
029 A imunidade e a isenção aplica-se a toda renda obtida pelas entidades citadas?

Não. Estará fora do alcance da tributação somente o resultado relacionado com as
finalidades essenciais destas entidades. Assim, os rendimentos e os ganhos de capital
auferidos em aplicações financeiras de renda fixa e variável não estão abrangidos pela
imunidade e pela isenção (Lei nº 9.532, de 1997, art.12, § 2º, e art. 15, § 2º).

NOTA:

Consulte PN CST nº 162, de 1974 e PN CST nº 5, de 1992.

030 A prática de atos comuns às pessoas jurídicas com fins lucrativos descaracteriza a
isenção?

Não pode haver a convivência entre rendimentos decorrentes de atividade essencial,
portanto imunes, com os rendimentos que não estejam de acordo com a finalidade
essencial da entidade, rendimentos não imunes, sem descaracterizar a imunidade. Da
mesma forma, não é possível a convivência de rendimentos isentos com não isentos,
tendo em vista não ser possível o gozo de isenção pela metade, ou todos os
rendimentos são isentos, se cumpridos os requisitos da Lei nº 9.532, de 1997, ou
todos são submetidos à tributação, se descumpridos os requisitos (PN CST nº 162, de
1974).

031 No fornecimento de bens e serviços pelas entidades imunes e isentas a órgãos,
autarquias e fundações da administração pública federal, caberá retenção de tributos e
contribuições prevista no art. 64 da Lei no 9.430, de 1996?

Não. A IN SRF nº 306, de 2003, relaciona as hipóteses de dispensa de retenção, entre
os quais encontram-se os casos de imunidade e isenção. A referida norma dispõe que
nos pagamentos a instituições de educação e de assistência social, bem como a
instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural, científico e associações de que
tratam respectivamente os art. 12 e 15 da Lei nº 9.532, de 1997, caberá a estas
entidades apresentar à unidade pagadora declaração na forma do modelo aprovado
por aquela Instrução Normativa.

032 Quais as conseqüências tributárias imputadas às pessoas jurídicas que deixarem de
satisfazer às condições exigidas na legislação para gozo da imunidade e da isenção?

Sem prejuízo das demais penalidades previstas na lei, a Secretaria da Receita Federal
suspenderá o gozo da isenção, relativamente aos anos-calendário em que a pessoa
jurídica houver praticado ou, por qualquer forma, houver contribuído para a prática de
ato que constitua infração a dispositivo da legislação tributária, especialmente no caso
de informar ou declarar falsamente, omitir ou simular o recebimento de doações em
bens ou em dinheiro, ou, de qualquer forma, cooperar para que terceiro sonegue
tributos ou pratique ilícitos fiscais (Lei nº 9.532, de 1997, art. 15, § 3º).

Considera-se, também, infração a dispositivo da legislação tributária o pagamento,
pela instituição isenta, em favor de seus associados ou dirigentes, ou, ainda, em favor
de sócios, acionistas ou dirigentes de pessoa jurídica a ela associada por qualquer
forma, de despesas consideradas indedutíveis na determinação da base de cálculo do
imposto sobre a renda ou da CSLL (Lei nº 9.532, de 1997, art. 13, parágrafo único).
NOTA:

Os procedimentos a serem adotados pela fiscalização tributária nas hipóteses que
ensejem a suspensão da isenção encontram-se disciplinados na Lei no 9.430, de 1996,
art. 32, sendo referido dispositivo aplicável também a fatos geradores ocorridos antes
da sua vigência, tendo em vista se tratar de norma de natureza meramente
instrumental (Lei no 9.532, de 1997, art. 14).

033 A isenção depende de prévio reconhecimento da Secretaria da Receita Federal?

Não. O benefício da isenção independe do prévio reconhecimento (RIR/1999, art. 181).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cartilha entidades sem fins lucrativos
Cartilha entidades sem fins lucrativosCartilha entidades sem fins lucrativos
Cartilha entidades sem fins lucrativosSibele Silva
 
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...APF6
 
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscip
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscipLei 9.790 99 - lei que cria a oscip
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscipABRASCIP
 
17 imunidade tributaria e isenções de impostos
17   imunidade tributaria e isenções de impostos17   imunidade tributaria e isenções de impostos
17 imunidade tributaria e isenções de impostosAntonio Carlos de Carvalho
 
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2017
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2017Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2017
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2017Renato Lopes da Rocha
 
Declaração-econômico-fiscais-pessoa-jurídica-(ligue (11)98950-3543dipj
Declaração-econômico-fiscais-pessoa-jurídica-(ligue (11)98950-3543dipjDeclaração-econômico-fiscais-pessoa-jurídica-(ligue (11)98950-3543dipj
Declaração-econômico-fiscais-pessoa-jurídica-(ligue (11)98950-3543dipjIMPOSTO RENDA DECLARAÇÃO
 
Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor Lei 13.019/14 - Aspect...
Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor Lei 13.019/14 - Aspect...Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor Lei 13.019/14 - Aspect...
Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor Lei 13.019/14 - Aspect...APF6
 
Tributação para Pequenos Negócios - CAFT e COMPEM - Apresentação rfb joão pujals
Tributação para Pequenos Negócios - CAFT e COMPEM - Apresentação rfb joão pujalsTributação para Pequenos Negócios - CAFT e COMPEM - Apresentação rfb joão pujals
Tributação para Pequenos Negócios - CAFT e COMPEM - Apresentação rfb joão pujalsSistema FIEB
 
Fiscalidade Terceiro Setor
Fiscalidade Terceiro SetorFiscalidade Terceiro Setor
Fiscalidade Terceiro SetorCélia Silva
 
Legislação tributária- retenções na fonte
Legislação tributária- retenções na fonteLegislação tributária- retenções na fonte
Legislação tributária- retenções na fonteGisela Almeida
 
13 remuneracao de dirigentes de entidades sem fins lucrativos (1)
13   remuneracao de dirigentes de entidades sem fins lucrativos (1)13   remuneracao de dirigentes de entidades sem fins lucrativos (1)
13 remuneracao de dirigentes de entidades sem fins lucrativos (1)Paulo Campos Campos
 
Icms atualização de procedimentos fiscais
Icms   atualização de procedimentos fiscaisIcms   atualização de procedimentos fiscais
Icms atualização de procedimentos fiscaisMarcelo Bretas Couto
 
Lei do Serviço Voluntário da ONG Brasil Mais Feliz & Cia.
Lei do Serviço Voluntário da ONG Brasil Mais Feliz & Cia.Lei do Serviço Voluntário da ONG Brasil Mais Feliz & Cia.
Lei do Serviço Voluntário da ONG Brasil Mais Feliz & Cia.ONG Brasil Mais Feliz & Cia
 

Mais procurados (19)

Cartilha entidades sem fins lucrativos
Cartilha entidades sem fins lucrativosCartilha entidades sem fins lucrativos
Cartilha entidades sem fins lucrativos
 
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...
 
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscip
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscipLei 9.790 99 - lei que cria a oscip
Lei 9.790 99 - lei que cria a oscip
 
Clube de rh 17-07-2013 - lei 10.101 - 2000
Clube de rh   17-07-2013 - lei 10.101 - 2000Clube de rh   17-07-2013 - lei 10.101 - 2000
Clube de rh 17-07-2013 - lei 10.101 - 2000
 
Ebook Receita Federal
Ebook Receita FederalEbook Receita Federal
Ebook Receita Federal
 
Fsa informativo - prr - mp 793 2017
Fsa   informativo - prr - mp 793 2017Fsa   informativo - prr - mp 793 2017
Fsa informativo - prr - mp 793 2017
 
Simples
SimplesSimples
Simples
 
17 imunidade tributaria e isenções de impostos
17   imunidade tributaria e isenções de impostos17   imunidade tributaria e isenções de impostos
17 imunidade tributaria e isenções de impostos
 
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2017
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2017Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2017
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2017
 
Declaração-econômico-fiscais-pessoa-jurídica-(ligue (11)98950-3543dipj
Declaração-econômico-fiscais-pessoa-jurídica-(ligue (11)98950-3543dipjDeclaração-econômico-fiscais-pessoa-jurídica-(ligue (11)98950-3543dipj
Declaração-econômico-fiscais-pessoa-jurídica-(ligue (11)98950-3543dipj
 
INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS
INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOSINCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS
INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA - ASSOCIAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS
 
Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor Lei 13.019/14 - Aspect...
Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor Lei 13.019/14 - Aspect...Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor Lei 13.019/14 - Aspect...
Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor Lei 13.019/14 - Aspect...
 
Tributação para Pequenos Negócios - CAFT e COMPEM - Apresentação rfb joão pujals
Tributação para Pequenos Negócios - CAFT e COMPEM - Apresentação rfb joão pujalsTributação para Pequenos Negócios - CAFT e COMPEM - Apresentação rfb joão pujals
Tributação para Pequenos Negócios - CAFT e COMPEM - Apresentação rfb joão pujals
 
Fiscalidade Terceiro Setor
Fiscalidade Terceiro SetorFiscalidade Terceiro Setor
Fiscalidade Terceiro Setor
 
Curso tributário -_oi
Curso tributário -_oiCurso tributário -_oi
Curso tributário -_oi
 
Legislação tributária- retenções na fonte
Legislação tributária- retenções na fonteLegislação tributária- retenções na fonte
Legislação tributária- retenções na fonte
 
13 remuneracao de dirigentes de entidades sem fins lucrativos (1)
13   remuneracao de dirigentes de entidades sem fins lucrativos (1)13   remuneracao de dirigentes de entidades sem fins lucrativos (1)
13 remuneracao de dirigentes de entidades sem fins lucrativos (1)
 
Icms atualização de procedimentos fiscais
Icms   atualização de procedimentos fiscaisIcms   atualização de procedimentos fiscais
Icms atualização de procedimentos fiscais
 
Lei do Serviço Voluntário da ONG Brasil Mais Feliz & Cia.
Lei do Serviço Voluntário da ONG Brasil Mais Feliz & Cia.Lei do Serviço Voluntário da ONG Brasil Mais Feliz & Cia.
Lei do Serviço Voluntário da ONG Brasil Mais Feliz & Cia.
 

Semelhante a Entidades imunes e isentas

DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDADOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDAMARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS
 
LEI COMPLEMENTAR_22_2009_CODIGO TRIBUTARIO.pdf
LEI COMPLEMENTAR_22_2009_CODIGO TRIBUTARIO.pdfLEI COMPLEMENTAR_22_2009_CODIGO TRIBUTARIO.pdf
LEI COMPLEMENTAR_22_2009_CODIGO TRIBUTARIO.pdfLenilda Abreu
 
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01Rodrigo Oliveira
 
40.4 -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm
40.4  -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm40.4  -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm
40.4 -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctmjnjtributos
 
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)Sanches Consult.
 
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdf
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdfEbook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdf
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdfNelsonSilva433255
 
Espécies tributárias -_aula_2_ibet_tsj_10092011_anacarolinacarvalhodias
Espécies tributárias -_aula_2_ibet_tsj_10092011_anacarolinacarvalhodiasEspécies tributárias -_aula_2_ibet_tsj_10092011_anacarolinacarvalhodias
Espécies tributárias -_aula_2_ibet_tsj_10092011_anacarolinacarvalhodiasCarolinaCDias
 
Sistema Tributário Constitucional - Direito Tributário - Resumo - 7º semestre
Sistema Tributário Constitucional - Direito Tributário - Resumo - 7º semestreSistema Tributário Constitucional - Direito Tributário - Resumo - 7º semestre
Sistema Tributário Constitucional - Direito Tributário - Resumo - 7º semestreFábio Peres
 
Artigos CMA - A Tributação do Investidor Anjo
Artigos CMA - A Tributação do Investidor AnjoArtigos CMA - A Tributação do Investidor Anjo
Artigos CMA - A Tributação do Investidor AnjoMarketingcma
 
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueiraViii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueiraJulia De Menezes Nogueira
 
Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...
 Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci... Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...
Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...Andréia Lima
 
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2Ink_conteudos
 
DECLARAÇÃO DE IMPOSTOS PESSOAS JURIDICAS ligue (11)98950-3543
DECLARAÇÃO DE IMPOSTOS PESSOAS JURIDICAS ligue (11)98950-3543DECLARAÇÃO DE IMPOSTOS PESSOAS JURIDICAS ligue (11)98950-3543
DECLARAÇÃO DE IMPOSTOS PESSOAS JURIDICAS ligue (11)98950-3543IMPOSTO RENDA DECLARAÇÃO
 
Emenda - Tributar distribuição de lucros e dividendos
Emenda - Tributar distribuição de lucros e dividendosEmenda - Tributar distribuição de lucros e dividendos
Emenda - Tributar distribuição de lucros e dividendosLindbergh Farias
 
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...Tania Gurgel
 

Semelhante a Entidades imunes e isentas (20)

DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDADOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
 
Aula tf 6 contribuições
Aula tf 6   contribuiçõesAula tf 6   contribuições
Aula tf 6 contribuições
 
LEI COMPLEMENTAR_22_2009_CODIGO TRIBUTARIO.pdf
LEI COMPLEMENTAR_22_2009_CODIGO TRIBUTARIO.pdfLEI COMPLEMENTAR_22_2009_CODIGO TRIBUTARIO.pdf
LEI COMPLEMENTAR_22_2009_CODIGO TRIBUTARIO.pdf
 
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
 
40.4 -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm
40.4  -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm40.4  -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm
40.4 -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm
 
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
 
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdf
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdfEbook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdf
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdf
 
Espécies tributárias -_aula_2_ibet_tsj_10092011_anacarolinacarvalhodias
Espécies tributárias -_aula_2_ibet_tsj_10092011_anacarolinacarvalhodiasEspécies tributárias -_aula_2_ibet_tsj_10092011_anacarolinacarvalhodias
Espécies tributárias -_aula_2_ibet_tsj_10092011_anacarolinacarvalhodias
 
SOBRE AS DEDUÇÕES DO IMPOSTO DE RENDA
SOBRE AS DEDUÇÕES DO IMPOSTO DE RENDASOBRE AS DEDUÇÕES DO IMPOSTO DE RENDA
SOBRE AS DEDUÇÕES DO IMPOSTO DE RENDA
 
Sistema Tributário Constitucional - Direito Tributário - Resumo - 7º semestre
Sistema Tributário Constitucional - Direito Tributário - Resumo - 7º semestreSistema Tributário Constitucional - Direito Tributário - Resumo - 7º semestre
Sistema Tributário Constitucional - Direito Tributário - Resumo - 7º semestre
 
Artigos CMA - A Tributação do Investidor Anjo
Artigos CMA - A Tributação do Investidor AnjoArtigos CMA - A Tributação do Investidor Anjo
Artigos CMA - A Tributação do Investidor Anjo
 
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueiraViii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
 
Retenções na Fonte
Retenções na FonteRetenções na Fonte
Retenções na Fonte
 
Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...
 Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci... Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...
Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...
 
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
 
DECLARAÇÃO DE IMPOSTOS PESSOAS JURIDICAS ligue (11)98950-3543
DECLARAÇÃO DE IMPOSTOS PESSOAS JURIDICAS ligue (11)98950-3543DECLARAÇÃO DE IMPOSTOS PESSOAS JURIDICAS ligue (11)98950-3543
DECLARAÇÃO DE IMPOSTOS PESSOAS JURIDICAS ligue (11)98950-3543
 
4320
43204320
4320
 
Lei 4.320
Lei 4.320Lei 4.320
Lei 4.320
 
Emenda - Tributar distribuição de lucros e dividendos
Emenda - Tributar distribuição de lucros e dividendosEmenda - Tributar distribuição de lucros e dividendos
Emenda - Tributar distribuição de lucros e dividendos
 
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
 

Mais de Monitoria Contabil S/C (20)

Propagação de flores de vaso
Propagação de flores de vasoPropagação de flores de vaso
Propagação de flores de vaso
 
Planilha controle de lavagem
Planilha controle de lavagemPlanilha controle de lavagem
Planilha controle de lavagem
 
Papel cebola
Papel cebolaPapel cebola
Papel cebola
 
Luminária de parafina
Luminária de parafinaLuminária de parafina
Luminária de parafina
 
Luminária de palha
Luminária de palhaLuminária de palha
Luminária de palha
 
Orquideas e Suas Magias
Orquideas e Suas MagiasOrquideas e Suas Magias
Orquideas e Suas Magias
 
Insabas de angola
Insabas de angolaInsabas de angola
Insabas de angola
 
Assentar o Exu de Obará
Assentar o Exu de ObaráAssentar o Exu de Obará
Assentar o Exu de Obará
 
Ewé òrìsà ògún Rafael Simas
Ewé òrìsà ògún   Rafael SimasEwé òrìsà ògún   Rafael Simas
Ewé òrìsà ògún Rafael Simas
 
Oficina de brinquedos
Oficina de brinquedosOficina de brinquedos
Oficina de brinquedos
 
Beltane
BeltaneBeltane
Beltane
 
Melissa falsa (lippia citriodora)
Melissa   falsa (lippia citriodora)Melissa   falsa (lippia citriodora)
Melissa falsa (lippia citriodora)
 
Celebrando o samhain
Celebrando o samhainCelebrando o samhain
Celebrando o samhain
 
Ervas medicinais
Ervas medicinaisErvas medicinais
Ervas medicinais
 
Robert cohen Atlantida
Robert cohen   AtlantidaRobert cohen   Atlantida
Robert cohen Atlantida
 
Waltinho de iroko ingorossi
Waltinho de iroko   ingorossiWaltinho de iroko   ingorossi
Waltinho de iroko ingorossi
 
Medicamentos naturais
Medicamentos naturaisMedicamentos naturais
Medicamentos naturais
 
Cálculo do arcano pessoal
Cálculo do arcano pessoalCálculo do arcano pessoal
Cálculo do arcano pessoal
 
Oriki de oxala
Oriki de oxalaOriki de oxala
Oriki de oxala
 
Introdução à história da naturopatia
Introdução à história da naturopatiaIntrodução à história da naturopatia
Introdução à história da naturopatia
 

Entidades imunes e isentas

  • 1. Entidades Imunes e Isentas 026 Quais as pessoas imunes do imposto de renda que estão sujeitas à entrega da DIPJ? São imunes do imposto sobre a renda e estão obrigadas a DIPJ: a. os templos de qualquer culto (CF/1988, art. 150, VI, "b"); b. os partidos políticos, inclusive suas fundações, e as entidades sindicais de trabalhadores, sem fins lucrativos (CF/1988, art. 150, VI, "c"), desde que observados os requisitos do art. 14 do CTN, com redação alterada pela Lei Complementar no 104, de 2001; c. as instituições de educação e as de assistência social, sem fins lucrativos (CF/1988, art. 150, VI, "c"). Considera-se imune a instituição de educação ou de assistência social que preste os serviços para os quais houver sido instituída e os coloque à disposição da população em geral, em caráter complementar às atividades do Estado, sem fins lucrativos (Lei no 9.532/97, art. 12). Define-se como entidade sem fins lucrativos, a instituição de educação e de assistência social que não apresente superávit em suas contas ou, caso o apresente em determinado exercício, destine referido resultado integralmente à manutenção e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais (Lei no 9.532, de 1997, art.12 § 3o , alterado pela Lei no 9.718, de 1998, art. 10, e Lei Complementar no 104, de 2001). Para o gozo da imunidade, as instituições citadas em "b" e "c" estão obrigadas a atender aos seguintes requisitos: a. não remunerar, por qualquer forma, seus dirigentes pelos serviços prestados; b. aplicar integralmente no país seus recursos na manutenção e desenvolvimento dos seus objetivos institucionais; c. manter escrituração completa de suas receitas e despesas em livros revestidos das formalidades que assegurem a respectiva exatidão; d. conservar em boa ordem, pelo prazo de cinco anos, contado da data da emissão, os documentos que comprovem a origem de suas receitas e a efetivação de suas despesas, bem assim a realização de quaisquer outros atos ou operações que venham a modificar sua situação patrimonial; e. apresentar, anualmente, a DIPJ, em conformidade com o disposto em ato da Secretaria da Receita Federal; f. assegurar a destinação de seu patrimônio a outra instituição que atenda às condições para gozo da imunidade, no caso de incorporação, fusão, cisão ou de extinção da pessoa jurídica, ou a órgão público; g. não distribuírem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer título; h. outros requisitos, estabelecidos em lei específica, relacionados com o funcionamento das entidades citadas. NOTAS: 1. As entidades sem fins lucrativos de que trata o Decreto no 3.048, de 1999, art. 12, I, que não se enquadrem na imunidade ou isenção da Lei no 9.532, de 1997, estão sujeitas à CSLL, devendo apurar a base de cálculo e a CSLL devida nos termos da legislação comercial;
  • 2. 2. A condição e vedação de não remuneração de dirigentes pelos serviços prestados não alcançam a hipótese de remuneração, em decorrência de vínculo empregatício, pelas Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), qualificadas segundo as normas estabelecidas na Lei no 9.790, de 1999, e pelas organizações sociais (OS), qualificadas consoante os dispositivos da Lei no 9.637, de 1998. Esta exceção está condicionada a que a remuneração, em seu valor bruto, não seja superior ao limite estabelecido para a remuneração de servidores do Poder Executivo Federal, sendo aplicável a partir de 1o/01/2003 (Lei no 10.637, de 2002, art. 34 e art. 68, III). 027 Quais são as entidades isentas pela finalidade ou objeto? Consideram-se isentas as instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural e científico e as associações civis que prestem os serviços para os quais houverem sido instituídas e os coloquem à disposição do grupo de pessoas a que se destinam, sem fins lucrativos (Lei nº 9.532, de 1997, art.15). Considera-se entidade sem fins lucrativos a que não apresente superávit em suas contas ou, caso o apresente em determinado exercício, destine referido resultado, integralmente, à manutenção e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais (Lei nº 9.532, de 1997, art. 15, § 3º, alterado pela Lei nº 9.718, de 1998, art. 10). NOTAS: 1. As entidades sem fins lucrativos de que trata o Decreto no 3.048, de 1999, art. 12, I, que não se enquadrem na imunidade ou isenção da Lei no 9.532, de 1997, com as alterações introduzidas pela Lei no 9.732, de 1998, estão sujeitas à CSLL, devendo apurar a base de cálculo e o tributo devido nos termos da legislação comercial. 2. As associações de poupança e empréstimo, as entidades de previdência privada fechada e as bolsas de mercadorias e de valores estão isentas do imposto sobre a renda, mas são contribuintes da CSLL. As entidades de previdência complementar, a partir de 1o/01/2002 estão isentas da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (Lei no 10.426, de 2002, art. 5o). 3. As entidades sujeitas a planificação contábil própria apurarão a CSLL de acordo com essa planificação. 028 Quais as condições determinadas pela legislação que devem ser observadas pelas entidades enquadradas como isentas pela finalidade ou objeto? As entidades consideradas isentas pela finalidade ou objeto deverão atender aos seguintes requisitos (Lei nº 9.532, de 1997, art. 15, § 3º, alterado pela Lei nº 9.718, de 1998, art. 10 e 18, IV): a. não remunerar por qualquer forma seus dirigentes pelos serviços prestados; b. aplicar integralmente no país os seus recursos na manutenção e desenvolvimento dos objetivos institucionais; c. manter escrituração completa de suas receitas e despesas em livros revestidos das formalidades que assegurem a respectiva exatidão; d. conservar em boa ordem, pelo prazo de cinco anos, contados da data da emissão, os documentos que comprovem a origem de suas receitas e a efetivação de suas despesas, bem assim a realização de quaisquer outros atos ou operações que venham a modificar sua situação patrimonial; e. apresentar, anualmente, declaração de informações (DIPJ), em conformidade com o disposto em ato da Secretaria da Receita Federal;
  • 3. 029 A imunidade e a isenção aplica-se a toda renda obtida pelas entidades citadas? Não. Estará fora do alcance da tributação somente o resultado relacionado com as finalidades essenciais destas entidades. Assim, os rendimentos e os ganhos de capital auferidos em aplicações financeiras de renda fixa e variável não estão abrangidos pela imunidade e pela isenção (Lei nº 9.532, de 1997, art.12, § 2º, e art. 15, § 2º). NOTA: Consulte PN CST nº 162, de 1974 e PN CST nº 5, de 1992. 030 A prática de atos comuns às pessoas jurídicas com fins lucrativos descaracteriza a isenção? Não pode haver a convivência entre rendimentos decorrentes de atividade essencial, portanto imunes, com os rendimentos que não estejam de acordo com a finalidade essencial da entidade, rendimentos não imunes, sem descaracterizar a imunidade. Da mesma forma, não é possível a convivência de rendimentos isentos com não isentos, tendo em vista não ser possível o gozo de isenção pela metade, ou todos os rendimentos são isentos, se cumpridos os requisitos da Lei nº 9.532, de 1997, ou todos são submetidos à tributação, se descumpridos os requisitos (PN CST nº 162, de 1974). 031 No fornecimento de bens e serviços pelas entidades imunes e isentas a órgãos, autarquias e fundações da administração pública federal, caberá retenção de tributos e contribuições prevista no art. 64 da Lei no 9.430, de 1996? Não. A IN SRF nº 306, de 2003, relaciona as hipóteses de dispensa de retenção, entre os quais encontram-se os casos de imunidade e isenção. A referida norma dispõe que nos pagamentos a instituições de educação e de assistência social, bem como a instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural, científico e associações de que tratam respectivamente os art. 12 e 15 da Lei nº 9.532, de 1997, caberá a estas entidades apresentar à unidade pagadora declaração na forma do modelo aprovado por aquela Instrução Normativa. 032 Quais as conseqüências tributárias imputadas às pessoas jurídicas que deixarem de satisfazer às condições exigidas na legislação para gozo da imunidade e da isenção? Sem prejuízo das demais penalidades previstas na lei, a Secretaria da Receita Federal suspenderá o gozo da isenção, relativamente aos anos-calendário em que a pessoa jurídica houver praticado ou, por qualquer forma, houver contribuído para a prática de ato que constitua infração a dispositivo da legislação tributária, especialmente no caso de informar ou declarar falsamente, omitir ou simular o recebimento de doações em bens ou em dinheiro, ou, de qualquer forma, cooperar para que terceiro sonegue tributos ou pratique ilícitos fiscais (Lei nº 9.532, de 1997, art. 15, § 3º). Considera-se, também, infração a dispositivo da legislação tributária o pagamento, pela instituição isenta, em favor de seus associados ou dirigentes, ou, ainda, em favor de sócios, acionistas ou dirigentes de pessoa jurídica a ela associada por qualquer forma, de despesas consideradas indedutíveis na determinação da base de cálculo do imposto sobre a renda ou da CSLL (Lei nº 9.532, de 1997, art. 13, parágrafo único).
  • 4. NOTA: Os procedimentos a serem adotados pela fiscalização tributária nas hipóteses que ensejem a suspensão da isenção encontram-se disciplinados na Lei no 9.430, de 1996, art. 32, sendo referido dispositivo aplicável também a fatos geradores ocorridos antes da sua vigência, tendo em vista se tratar de norma de natureza meramente instrumental (Lei no 9.532, de 1997, art. 14). 033 A isenção depende de prévio reconhecimento da Secretaria da Receita Federal? Não. O benefício da isenção independe do prévio reconhecimento (RIR/1999, art. 181).