SURTOSurto um termo usado na epidemiologia para identificar quantidades acima do normal de doenças contagiosasou ordem san...
Transmissão Através da solução de continuidade da pele e mucosas. Relações sexuais. Materiais ou instrumentoscontaminados:...
Vigilância epidemiológica é um conjunto de ações que proporcionam o conhecimento, adetecção ou prevenção de qualquer mudan...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS   1.   CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA (CVE).   2.   Wikipédia, a enciclopédia livre.   3. ...
Surto
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Surto

508 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Surto

  1. 1. SURTOSurto um termo usado na epidemiologia para identificar quantidades acima do normal de doenças contagiosasou ordem sanitária. Considera-se surto ou epidemia quando há mais casos de uma determinada doença que oesperado em uma determinada área ou entre um grupo específico de pessoas em um determinado período detempo. Um número de casos de uma doença, em uma determinada área e período, independentemente de onúmero ser maior que o esperado, é denominado de “cluster” ou “agregado de casos”. Em um surto ou epidemiapresume-se sempre que haja uma causa comum. O termo epidemia é utilizado geralmente em situações em quea doença envolve grande númerode pessoas e atinge uma larga área geográfica. Em geral define-se surto comoum incidente no qual duas ou mais pessoas apresentam uma determinada doença causada por uma fontecomum. A importância se deve à necessidade de se interromper a fonte de transmissão e eliminar o risco dadoença se disseminar para outras pessoas, reduzir a gravidade do problema, estabelecer medidas de controle eprevenção de futuros surtos. Além disso, o episódio constitui-se em oportunidade para conhecimento de novospatógenos ou de novos comportamentos de velhos patógenos, para realizar treinamentos, fazer reavaliações dasações de controle sanitário, reformular regulamentos sanitários, programas e políticas de saúde, bem comodesenvolver ações de educação em saúde. Medidas de controle adequadas dependem de informações corretas. EPIDEMIOLOGIA A epidemiologia é uma ciência fundamental para a saúde pública. A epidemiologia tem dado grande contribuição à melhoria da saúde das populações. A epidemiologia é essencial no processo de identificação e mapeamento de doenças emer-gentes. Na maioria das vezes, ocorrem grandes atrasos entre as descobertas epidemiológicase a sua aplicação na população.Epidemiologia é uma ciência que estuda quantitativamente a distribuição dos fenômenos de saúde/doença, e seus fatorescondicionantes e determinantes, nas populaçõeshumanas. Alguns autores também incluem na definição que a epidemiologiapermite ainda a avaliação da eficácia das intervenções realizadas no âmbito da saúde pública.Considerada como a principal “ciência básica” da saúde coletiva, a Epidemiologia analisa a ocorrência de doenças em massa,ou seja, em sociedades, coletividades, classes socias, grupos específicos, dentre outros levando em consideração causascategoricas dos geradores estados ou eventos relacionados à saúde das populações características e suas aplicações nocontrole de problemas de saúde.Desta maneira podemos entender a epidemiologia como a ciência que estuda o comportamento das doenças em umadeterminada comunidade, levando em consideração diversas características ligadas à pessoa, espaço físico e também tempo,desta maneira é possível determinar as medidas de prevenção e controle mais indicadas para o problema em questão comotambém avaliar quais serão as estratégias a serem adotadas e se as mesmas causaram impactos, diminuindo e controlando aocorrência da doença em analise.Vale ressaltar que enquanto a clínica trata a doença individualmente, a epidemiologia aborda o processo saúde-doença empopulações ou grupos de pessoas. PANDEMIAUma pandemia (do grego παν [pan = tudo/ todo(s)] + δήμος [demos = povo]) é uma epidemia de doença infecciosa que seespalha entre a população localizada em uma grande região geográfica como, por exemplo, um continente, ou mesmo oplaneta.De acordo com a Organização Mundial da Saúde, uma pandemia pode começar quando se reúnem estas três condições:Infecção das células hepáticas pelo HBV (Hepatitis B Virus) que se exterioriza por um espectro de síndromes que vão desdea infecção inaparente e subclínica até a rapidamente progressiva e fatal. Os sintomas, quando presentes, são : falta de apetite,febre, náuseas, vômitos, astenia, diarréia, dores articulares, icterícia (amarelamento da pele e mucosas) entre os mais comuns.Sinônimos Hepatite sérica.Agente HBV (Hepatitis B Virus), que é um vírus DNA (hepadnavirus)Complicações/Consequências Hepatite crônica, Cirrose hepática, Câncer do fígado (Hepatocarcinoma), além de formasagudas severas com coma hepático e óbito.
  2. 2. Transmissão Através da solução de continuidade da pele e mucosas. Relações sexuais. Materiais ou instrumentoscontaminados: Seringas, agulhas, perfuração de orelha, tatuagens, procedimentos odontológicos ou cirúrgicos, procedimentosde manicure ou pedicure etc. Transfusão de sangue e derivados. Transmissão vertical : da mãe portadora para o recém-nascido, durante o parto (parto normal ou cesariana). O portador crônico pode ser infectante pelo resto da vida. O aparecimento de uma nova doença à população. O agente infecta humanos, causando uma doença séria. O agente espalha-se fácil e sustentavelmente entre humanos.Uma doença ou condição, não pode ser considerada uma pandemia somente por estar difundido ou matar um grande númerode pessoas; deve também ser infeccioso. Por exemplo, câncer é responsável por um número grande de mortes, mas não éconsiderada uma pandemia porque a doença não é contagiosa (embora certas causas de alguns tipos de câncer possam ser).DETERMINANTESHORMONIOS MASCULINOS E FEMININOS PUBERDADE: os testículos da criança permanecem inativos até que são estimulados entre 10 e 14 anos pelos hormônios gonadotróficos da glândula hipófise (pituitária) O hipotálamo libera FATORES LIBERADORES DOS HORMÔNIOS GONADOTRÓFICOS que fazem a hipófise liberar FSH (hormônio folículo estimulante) e LH (hormônio luteinizante). FSH à estimula a espermatogênese pelas células dos túbulos seminíferos. LH à estimula a produção de testosterona pelas células intersticiais dos testículos à características sexuais secundárias, elevação do desejo sexual.. A testosterona faz com que os testículos cresçam. Ela deve estar presente, também, junto com o folículo estimulante, antes que a espermatogênese se complete. A pituitária (hipófise) anterior das meninas, como a dos meninos, não secreta praticamente nenhum hormônio gonadotrópico até à idade de 10 a 14 anos. Entretanto, por essa época, começa a secretar dois hormônios gonadotrópicos. No inicio, secreta principalmente o hormônio foliculo-estimulante (FSH), que inicia a vida sexual na menina em crescimento; mais tarde, secreta o harmônio luteinizante (LH), que auxilia no controle do ciclo menstrual. Hormônio Folículo-Estimulante: causa a proliferação das células foliculares ovarianas e estimula a secreção de estrógeno, levando as cavidades foliculares a desenvolverem-se e a crescer. Hormônio Luteinizante: aumenta ainda mais a secreção das células foliculares, estimulando a ovulação. Os dois hormônios ovarianos, o estrogênio e a progesterona, são responsáveis pelo desenvolvimento sexual da mulher e pelo ciclo menstrual. Esses hormônios, como os hormônios adrenocorticais e o hormônio masculino testosterona, são ambos compostos esteróides, formados, principalmente, de um lipídio, o colesterol. Os estrogênios são, realmente, vários hormônios diferentes chamados estradiol, estriol e estrona, mas que têm funções idênticas e estruturas químicas muito semelhantes. Por esse motivo, são considerados juntos, como um único hormônio VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICAComo define a Lei Orgânica da Saúde (Lei 8.080/90), a vigilância epidemiológica é "o conjunto deatividades que permite reunir a informação indispensável para conhecer, a qualquer momento, ocomportamento ou história natural das doenças, bem como detectar ou prever alterações de seusfatores condicionantes, com o fim de recomendar oportunamente, sobre bases firmes, as medidasindicadas e eficientes que levem à prevenção e ao controle de determinadas doenças".A Vigilância Epidemiológica é responsável por acompanhar o comportamento das doenças nasociedade, reunindo informações com objetivo de conhecer, detectar ou prever qualquer mudançaque possa ocorrer nos fatores condicionantes do processo saúde-doença, bem como identificar agravidade de novas doenças à saúde da população. De posse dessas informações deverá então, propor medidas de intervenção para reprimir ou amenizar os danos à população, elaborar ações e estratégias em saúde.
  3. 3. Vigilância epidemiológica é um conjunto de ações que proporcionam o conhecimento, adetecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantesde saúde individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar as medidas deprevenção e controle das doenças ou agravos.
  4. 4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS 1. CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA (CVE). 2. Wikipédia, a enciclopédia livre. 3. Organização Mundial da Saúde, livro a epidemiologia basica. 4.

×